UA-130521384-1 Jump to content
Forum Cinema em Cena

Gustavo Adler

Members
  • Content count

    2,253
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    3

Gustavo Adler last won the day on August 1 2018

Gustavo Adler had the most liked content!

About Gustavo Adler

  • Rank
    Editor de Som

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

Enable
  1. Gustavo Adler

    Infiltrado na Klan, Dir: Spike Lee

    discordo, acho que os clipes ali inseridos foram perfeitos. Tem que esfregar na cara mesmo!
  2. Gustavo Adler

    Nós, Dir: Jordan Peele

    Porra Parece que o filme vai abordar a temática da versão ruim nossa como nosso próprio terror. E pelo que eu senti, parece que vai ser mais além, que não necessariamente é ruim por ser má, malévola, mas sim que as versões ruins são aquelas que poderiamos ser se fossemos entregues as traças, sem o reconhecimento e a oportunidade de explorar o melhor de nós, apenas tendo como chance de sobrevivência nossa própria degradação. Eu tive essa sensação em algumas cenas, como a da versão ruim da personagem da Lupita Nyong'o não parecer exatamente ruim, mas sim uma mulher perdida, em sofrimento, e em estado desumanisável, contrastando com a personagem da versão boa, bem resoluta, segura de si e exalando sua serenidade. Pareceu também que a versão da meninha ruim pareceu uma menina inquieta e bastante indissiplinada, angustiada. E engraçado é que parece que a versão do menino parece procurar conversar com o menino real, como que representando o momento de autodescobrimento, em que as duas versões se apresentando sugere que o desenrolar daquele período da vida dos garotos pode tanto levar pra versão boa como pra má.
  3. Gustavo Adler

    Infiltrado na Klan, Dir: Spike Lee

    Filmaço
  4. Gustavo Adler

    O Rei Leão (Jon Favreau - 19/07/2019)

    bem, pelo que entendi do que você disse, eu tbm acho. Na verdade, não deixa de ser uma animação, não é? Só que com gráficos e texturas tentando similar "a realidade"
  5. Gustavo Adler

    O Rei Leão (Jon Favreau - 19/07/2019)

    Acho que o que vocês estão reclamando é sobre o contexto do cinema hollywoodano atual em geral. Isso vale pra onda de remakes, que em 99% é mais do mesmo, não muda nada do original, não conta nada novo, é só nostalgia e refazendo o que já foi feito pra lucrar com o que já da lucro. Já que é assim, já que a linguagem da produção cinematográfica pro grande mercado está assim, então nada mais justo do que fazer um live-action de um dos melhores desenhos da disney. Nesse trailer deu pra mim visualizar melhor o poder da figura do leão na narrativa do filme.
  6. Gustavo Adler

    O Rei Leão (Jon Favreau - 19/07/2019)

    Eita, a mim me emocionou o teaser. Mas, também, é covardia. Essa abertura é uma obra prima!
  7. Gustavo Adler

    Megatubarão

    Nem em casa assisto esse lixo
  8. Gustavo Adler

    The Batman (Matt Reeves)

    Tomara que essa porcaria de BvS e liga da bostiça sejam esquecidos (nem assisti o liga da justiça, pra falar a verdade, mas precisa?😴 puff). Hmmmm interessante
  9. Gustavo Adler

    Pantera Negra (15/02/2018)

    AAah, então o super poder do homem aranha, do super homem, é subir em uma arvore e salvar gatinhos? Fiz essa provocação com o intuito de que super poderes não é mudança de hábito. O Super man é super forte, super rápido, tem uma super visão. Se ele as usa ou não, isso é problema dele. Agora, apesar de entender a metáfora de que uma mudança de hábito já é como adquirir um super poder, adquirir super poder não se resume a mudança de hábito, é muito, muito, muito mais (e põe muito nisso). É tão muito mais que tem o potencial de influenciar o mundo, e se fosse explorado esse potencial, ele seria mais parecido com o Dr. Manhattan da vida (que ainda sim, é uma baita redução). E é isso que está por trás desses cliches fáceis. Mudança de hábito não é nada a ponto de correr o risco de ser desnecessário pra se ter um poder de influencia que seja significativa pra uma sociedade complexa como a nossa (digo o risco de ser desnecessário pois até que ponto a mudança de hábito tem alguma influencia significativa na aquisição de poder de influênciar a sociedade, ai já não tenho uma opinião bem clara). Pera ai, o simples não é a vida da pessoa, não falei que a vida de fulano se tornará simples ou dificil. A vida ser simples vida da qual me refiro, é o fenomeno em geral, a vida, com toda a sua complexidade (que é muito maior do que qualquer compreensão que possamos ter dela ou de qualquer entidade divina ou real). Mais especificamente falando, um ser vivo <adquirir uma nova habilidade, ou desenvolver uma nova habilidade, ou melhorar uma habilidade, ou aperfeiçoar uma habilidade> + <utilizar essa habilidade pra resolver os problemas dos quais ele encontra na sua frente, quando precisar> + (ou -) <mudar a perspectiva e compreensão do mundo> + (ou -) <ter um novo hábito utilizando essa nova habilidade> (os em vermelhos são os processos mais complexos e que não precisam ocorrer caso haja uma aquisição de uma nova habilidade). O pantera negra fugiu do cliche de uma forma brilhante, pois ele não precisava mudar a perspectiva e compreensão de mundo de forma tão drástica, uma vez que no filme a visão da função de um rei em representar os povos de Wakanda e defender sua autonomia já estava estabelecido culturalmente e a mudança de hábito se restringiu a questionar a ação de representar, ajudar, defender só os que moram em wakanda ou os seus descendentes espalhados pelo mundo, ou seu povo explorado fora de wakanda. Na verdade, nem o fato de adquirir uma nova habilidade foi um fato fora do planejado pelo personagem principal, muito pelo contrário. O ato de se tornar heroi fazia parte da tradição cultural da época, que bastava tomar um chá de ayahuasca pra ele ganhar super poderes (e não fiz essa relação como uma simples metáfora, e muito menos como uma depreciação, ao meu ver, um condutor de cerimonias de ayahuasca é um ser com poder de influênciar a psique positivamente ou negativamente dos outros). E esse ato culturalmente preparado pra se tornar herói já é um atalho fundamental de evitar reduzir um fenômeno complexo sem perder agilidade e objetividade do filme. Sinceramente, depois de tanto assistir argumentos simples de uma mudança de transformação do herói, já estou meio saturado. Não por ser ruim, sei lá, mas porque acho que há formas de assumir ou fazer o ato complexo, deixando o filme mais rico e interessante, sem perder ritmo, sem deixar o filme chato.
  10. Gustavo Adler

    O Doutrinador

    bem, gostei s[ó do momento do trailer dele socando os milico, de resto...
  11. Gustavo Adler

    Pantera Negra (15/02/2018)

    Você entendeu o que eu quis dizer E educação? eu não te xinguei, xinguei o clichê, que me desculpe, em pleno seculo 21 é ridiculo sim (mais uma vez, a visão reducionista de que a caridade vai resolver as relações contubardas da sociedade). Não é acaso, é estrato social, determinismo cultural.
  12. Com tantos filmes desnecessários e continuações sem qualquer sentido de existir e remake de tanta porcaria.... Será que é muita loucura dizer que o cinema são os jesuitas do tempo moderno?
  13. Gustavo Adler

    Nasce Uma Estrela, Bladley Cooper

    Parece ser uma comedia cliche boa
  14. Gustavo Adler

    Pantera Negra (15/02/2018)

    Pois pra mim, AINDA BEM em negrito que não teve esse lance idiota de herói salvando criancinhas e um acaso o transformando em semi deus, como se a vida fosse simples, não caindo no vício reducionista da nossa cultura de achar que mudar o mundo basta uma mudança de atitude.
×