Jump to content
Forum Cinema em Cena

Gustavo Adler

Members
  • Content count

    2,247
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    3

Gustavo Adler last won the day on August 1

Gustavo Adler had the most liked content!

About Gustavo Adler

  • Rank
    Editor de Som

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

Enable
  1. Gustavo Adler

    BATMAN - Era Nolan

  2. Gustavo Adler

    Megatubarão

    Nem em casa assisto esse lixo
  3. Gustavo Adler

    The Batman (Matt Reeves)

    Tomara que essa porcaria de BvS e liga da bostiça sejam esquecidos (nem assisti o liga da justiça, pra falar a verdade, mas precisa?😴 puff). Hmmmm interessante
  4. Gustavo Adler

    Pantera Negra (15/02/2018)

    AAah, então o super poder do homem aranha, do super homem, é subir em uma arvore e salvar gatinhos? Fiz essa provocação com o intuito de que super poderes não é mudança de hábito. O Super man é super forte, super rápido, tem uma super visão. Se ele as usa ou não, isso é problema dele. Agora, apesar de entender a metáfora de que uma mudança de hábito já é como adquirir um super poder, adquirir super poder não se resume a mudança de hábito, é muito, muito, muito mais (e põe muito nisso). É tão muito mais que tem o potencial de influenciar o mundo, e se fosse explorado esse potencial, ele seria mais parecido com o Dr. Manhattan da vida (que ainda sim, é uma baita redução). E é isso que está por trás desses cliches fáceis. Mudança de hábito não é nada a ponto de correr o risco de ser desnecessário pra se ter um poder de influencia que seja significativa pra uma sociedade complexa como a nossa (digo o risco de ser desnecessário pois até que ponto a mudança de hábito tem alguma influencia significativa na aquisição de poder de influênciar a sociedade, ai já não tenho uma opinião bem clara). Pera ai, o simples não é a vida da pessoa, não falei que a vida de fulano se tornará simples ou dificil. A vida ser simples vida da qual me refiro, é o fenomeno em geral, a vida, com toda a sua complexidade (que é muito maior do que qualquer compreensão que possamos ter dela ou de qualquer entidade divina ou real). Mais especificamente falando, um ser vivo <adquirir uma nova habilidade, ou desenvolver uma nova habilidade, ou melhorar uma habilidade, ou aperfeiçoar uma habilidade> + <utilizar essa habilidade pra resolver os problemas dos quais ele encontra na sua frente, quando precisar> + (ou -) <mudar a perspectiva e compreensão do mundo> + (ou -) <ter um novo hábito utilizando essa nova habilidade> (os em vermelhos são os processos mais complexos e que não precisam ocorrer caso haja uma aquisição de uma nova habilidade). O pantera negra fugiu do cliche de uma forma brilhante, pois ele não precisava mudar a perspectiva e compreensão de mundo de forma tão drástica, uma vez que no filme a visão da função de um rei em representar os povos de Wakanda e defender sua autonomia já estava estabelecido culturalmente e a mudança de hábito se restringiu a questionar a ação de representar, ajudar, defender só os que moram em wakanda ou os seus descendentes espalhados pelo mundo, ou seu povo explorado fora de wakanda. Na verdade, nem o fato de adquirir uma nova habilidade foi um fato fora do planejado pelo personagem principal, muito pelo contrário. O ato de se tornar heroi fazia parte da tradição cultural da época, que bastava tomar um chá de ayahuasca pra ele ganhar super poderes (e não fiz essa relação como uma simples metáfora, e muito menos como uma depreciação, ao meu ver, um condutor de cerimonias de ayahuasca é um ser com poder de influênciar a psique positivamente ou negativamente dos outros). E esse ato culturalmente preparado pra se tornar herói já é um atalho fundamental de evitar reduzir um fenômeno complexo sem perder agilidade e objetividade do filme. Sinceramente, depois de tanto assistir argumentos simples de uma mudança de transformação do herói, já estou meio saturado. Não por ser ruim, sei lá, mas porque acho que há formas de assumir ou fazer o ato complexo, deixando o filme mais rico e interessante, sem perder ritmo, sem deixar o filme chato.
  5. Gustavo Adler

    O Doutrinador

    bem, gostei s[ó do momento do trailer dele socando os milico, de resto...
  6. Gustavo Adler

    Pantera Negra (15/02/2018)

    Você entendeu o que eu quis dizer E educação? eu não te xinguei, xinguei o clichê, que me desculpe, em pleno seculo 21 é ridiculo sim (mais uma vez, a visão reducionista de que a caridade vai resolver as relações contubardas da sociedade). Não é acaso, é estrato social, determinismo cultural.
  7. Com tantos filmes desnecessários e continuações sem qualquer sentido de existir e remake de tanta porcaria.... Será que é muita loucura dizer que o cinema são os jesuitas do tempo moderno?
  8. Gustavo Adler

    Nasce Uma Estrela, Bladley Cooper

    Parece ser uma comedia cliche boa
  9. Gustavo Adler

    Pantera Negra (15/02/2018)

    Pois pra mim, AINDA BEM em negrito que não teve esse lance idiota de herói salvando criancinhas e um acaso o transformando em semi deus, como se a vida fosse simples, não caindo no vício reducionista da nossa cultura de achar que mudar o mundo basta uma mudança de atitude.
  10. Gustavo Adler

    Thor: Ragnarok

    eu diria ainda ser o tdk batman
  11. Gustavo Adler

    Os Incríveis 2 (Pixar)

    Pois eu achei que também parece que ele vai abordar pra além. Tipo, o lance da proposta do politico ou empresário (não consegui identificar bem mas também não importa muito pois a diferença entre um e outro é tenue hahaha) querer implantar um projeto de legalização dos heróis, dando um ar de profissão e tendo como a mulher elástico uma peça fundamental para esse projeto + a mulher percebendo que a missão dela de ser o que ela é, ou seja, de usar seus poderes, que ao invés de ser para ajudar a família e a justiça, na verdade parece meio que fugir do foco. Me parece uma ideia de que antes dos heróis serem criminalizados, eles eram herois por vontade própria, por usarem seus poderes para aquilo que achavam certo e ansiavam usar. Com a sua criminalização, passaram a viver na marginalidade ou abandonar o que são. E agora, com a justificativa de concertar um erro e devolver aos heróis o direito de serem o que são, foi criado um projeto que determinasse exatamente a função, para que, e como, as diretrizes dos quais os heróis iriam atuar. De maneira que os heróis não mais fariam aquilo que eles são e desejam, mas sim aquilo que foi regulamentado, de maneira que poderia atender as exigências da lei e as necessidades da sociedade, e/ou de quem determina quais são elas, e/ou de quem se beneficia com elas sendo atendidas. Ou seja, parece que os heróis não mais são pelo que acreditam, mas pelo que foram dito pra eles o que e como são. E será que esse empresário/político não se beneficia em alguma coisa? Não sei se o filme vai ser isso, mas seria uma boa forma de explorar a questão do feminismo mas não de maneira isolada, e sim engrenado a uma discussão mais ampla do feminismo e como ele atua e talvez venha a servir pra ou no contexto socio-cultural do qual ele está inserido. Será que a luta feminista não está sendo cooptada pra atender as mesmas demandas dos quais colocaram as mulheres em condição subserviente?
  12. Gustavo Adler

    Pantera Negra (15/02/2018)

    https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/04/pantera-negra-tira-titanic-do-podio-das-maiores-bilheterias-apos-21-anos.shtml
  13. Gustavo Adler

    Jogador nº 1

    Que trailer fooda
  14. Gustavo Adler

    Thor: Ragnarok

    É, de fato a trilogia thor é bem fraquinha, e esse é um dos pontos que fizeram com que eu tenha achando um vazio descomunal (além do fato de não curtir comédia, como você muito bem frisou). O esqueleto já é nada, ai vem umas cenas tediosas, história inútil, e o filme lotado de piadas que parece mais <adicione aqui qualquer coisa que tente fazer graça>. Parece que o filme estava com crise de ansiedade em ser aceito no grupo. E o pior é que as piadas acabaram por piorar as cenas, que pareceu um bando de fogos de artifício, onde não havia ameaça, não havia tristeza, não havia tensão. E, portanto, pra que uma vilã que tem presença? é apenas um espantalho pra espantar corvos... E o negócio foi tão grave da comédia que nem alegria teve, porque tudo se tornou meio que uma encenação de piadas, e não da situação que estava sendo vivido ali (seja de alegria ou de tristeza). E pra piorar, o mínimo de emoção que poderia ter no reencontro entre Thor e Hulk foi completamente patético e anulado, o banner ter voltado após o hulk ter tomado o controle, foi uma grande coisa jogada no lixo, completamente no lixo...
  15. Gustavo Adler

    Thor: Ragnarok

    pois eu achei muito filmeco, mas muito mesmo
×