Jump to content
Forum Cinema em Cena

Gustavo Adler

Members
  • Content count

    2,223
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    10

Gustavo Adler last won the day on August 7 2016

Gustavo Adler had the most liked content!

About Gustavo Adler

  • Rank
    Editor de Som
  1. Bem, atrocidades os soldados humanos fizeram, e pelos mesmos motivos (seja na vida real ou na ficção). A questão é a que momento o cara vai se tocar que ele está matando "um dos seus" (ou seja, o que significa que poderia ser ele no lugar) pro benefício de terceiros, e o filme mostrou isso, que a ideologia de nós contra eles e a raiva da rivalidade e vingança cega a ponto do cara ser capaz de se matar achando que está matando um inimigo, mas que quando isso é esfregado na sua cara (não por palavras, mas por situações circunstanciais em que o momento da sua vida coincide com um evento que está presenciando) você tem a possibilidade de ter o insight de que está matando seus próprios.
  2. You were never really here

    parece bem interessante
  3. Jogador nº 1 (Steven Spielberg) 2018

    parece que vai ser iradamassa
  4. não achei conveniente não, achei natural, um brilho na vista do gorilão que até demorou para acontecer e se tocar da merda que tava fazendo
  5. Batman Vs Superman: A Origem da Justiça #2

    é tbm acho a voz dele chata mas concordo com tudo o que ele falou. O filme paia esse viu.
  6. Batman Vs Superman: A Origem da Justiça #2

    Concordo com tudo
  7. Os Incríveis 2 (Pixar - 15/06/2018)

    que irado
  8. New Star Wars Trilogy (Rian Johnson)

    que massa vai ser antes ou depois dos skywalker?
  9. The Batman (Matt Reeves)

    https://youtu.be/uSHvAr9N-yM
  10. Thor: Ragnarok

    AiuAiUiAuiAuIaIuAiU De fato, a comedia em filmes de herói , mas o comentário do Rick foi além de engraçado, faz sentido. Os primeiros filmes de thor foram completamente inúteis , não faria falta alguma se não tivessem acontecido ( eu só assisti em casa) e colocar comédia ali me desanimou mais ainda, porque comedia em um contexto que não fez sentido nenhum vai deixar a coisa ainda mais fogos de artificio de plástico, e pra piorar potencialmente descaracteriza o ambiente e contextualização do thor e do ambiente ao qual ele está inserido Já desde os primeiros filmes. Mas, enfim, vou fazer como fiz com os outros, ver em casa, e não é pela comedia em si, embora não curta muito comédia, mas mais pelo contexto da obra, os filmes do thor não me causaram nenhuma comoção e nem me deixou interessado a procurar revisitar seu mundo.
  11. Blade Runner 2049

    Perfeito. É disso que falei a respeito da atuação mais contida. O Gosling quando passa a acreditar que é a criança muda e se torna "mais humano" passando a sentir as coisas
  12. Blade Runner 2049

    Lembra que a holograma ficava falando pra ele que era ele a criança e ele ainda tava relutante? Ai ele vai la visitar a mulher que implanta as memórias e pergunta se eles implantam memórias reais (vividas por outras pessoas mas que foram implantadas em replicantes) no que a projetora de memórias diz que não existe e depois ele pergunta se a memória que ele tem é verdadeira no que ela diz que sim. Ai ele fala com a holograma que da o nome Joe pra ele e depois ele vai pra rua nevando e começa a pegar na neve como se aquela experiência fosse real . Com a expressão de quem está maravilhado com a descoberta contemplando o momento que é real. Hmmm entendo. Não senti isso não. Mas entendo, agora que vc ressaltou , de fato, a trilha sonora sempre da um ar de tristeza e fúnebre mas tem amor e esperança, não é só catástrofe. Mas acho que faltou esse dialogo poético que desse a dimensão do que o filme estava mostrando. No caso do céu até achei massa ele pegar numa replicante e cortar a sua barriga (e até deu um simbolismo de como ele trata o seu replicante como objeto assim como eram tratados os escravos). Mas acho que faltou algo no ambiente que fizesse o link do paraíso para o útero. Algo no ambiente tão grandioso como um paraíso para o útero quanto a lágrima em uma chuva enquanto ta morrendo para um momento em seu curto tempo de vida, ou a angústia de ter posto em dúvida sua memoria como uma vida verdadeiramente vivida para o que é viver verdadeiramente e quem pode se dizer ter vivido verdadeiramente (no caso o darcken ser perguntado como ele sabe se as memórias dele não é um implante e ele permanecer calado). Na cena final faltou realmente uma frase que explorasse a poesia daquele momento de aceitação do falso e da sua missão final de cumprir algo maior.
  13. Blade Runner 2049

    Bem, vamos dissecar. Não achei o vilão ruim, muito pelo contrário, achei excelente. Foi unidimensional? De certa forma sim, mas ele era só um peão para a ideia de o que é ter uma experiência e vida verdadeira, e o que é ser um boneco, uma vida de plástico. Será que há vida em um plástico e se ela possui direitos ou pode ser explorada? O vilão cumpriu o papel do cínico hardcore que se beneficia disso. Se desse mais dimensões a ele, precisaria desenvolve-lo e aí acho que o filme perderia tempo (talvez não, poderia usar o desenvolvimento desse personagem para explorar esse beco vida em um plástico x direitos a sua própria vida, como um personagem em conflito que procura sana-lo tratando de não reconhecer a vida dentro dos replicantes). E por esse motivo tbm não acho que faltou um melhor desenvolvimento da replicante fodona, ela cumpriu seu papel (inclusive como replicante). O que faltou pra mim considerar como uma obra prima foi a poesia que tinha no primeiro. Não achei ruim o diálogo, muito pelo contrário, por exemplo quando o dono da empresa Wallace (o vilão) faz o diálogo a respeito da falta do paraíso, construiu anjos mas faltou o paraíso, achei perfeita mas a cena em que ela foi construída foi uma tradução literária do significado que a metáfora tinha e não a construção da imagem da metáfora que dava a visão do jogo poético que ela significa ( comparando com a frase do primeiro "grandes momentos perdidos no tempo como lágrimas em uma chuva" enquanto o personagem esta na chuva. Ou mesmo o lindo diálogo entre darcken e a replicante reachel que serviu até pra em palavras trazer o sentido que o filme tratava o fato de uma ser construída vida em uma maquuma). O filme tem cenas riquíssimas que carregam muita mensagem. Mas faltou cenas que os diálogos acrescentassem ou completassem o sentido vislumbrado. Explorasse mais dimensões do seu sentido, e vice versa. O final do blade runner pegando a neve com a frieza triste de quem sabe que é fake mas que vai superando isso e se resolvendo, finalmente encontrando a paz foi maravilhosa mas merecia umas palavras que explorassem o sentido lógico da poesia, como muito bem fez o Ridley no final do primeiro. Já na cena em que ele pega a neve achando que era o filho, achei perfeita, atuação magistral, deu pra ver que aquela recorríeis de sentir a neve em suas mãos como real (em contraste com a cena em que ele ta de namoro com a holograma na chuva em que a chuva não toca na holograma).
  14. Blade Runner 2049

    Filmaço filmaço
  15. Star Wars Episódio VIII - Os Últimos Jedi (15/12/2017)

    Eu gostei mas pelo potencial Acho que vão romper com lado sombrio/ luminoso e os mestres de ambos os com a força vão estimular seus discípulos a explorarem toda a força , tanto seu poder destrutivo quanto vislumbrativo para que saibam utilizar-se dela de uma forma mais total e correta.
×