Jump to content
Forum Cinema em Cena

SergioBenatti

Members
  • Content count

    1,830
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    9

Reputation Activity

  1. Like
    SergioBenatti reacted to Jorge Soto in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Então, eu geralmente fico fuxicando as novidades no quesito legendas disponíveis (em português ou espanhol), daí vou filtrando as coisas que podem ser interessantes pra baixar. Tem muita coisa boa fora do circuito comercial.
    http://legendas.tv
    https://www.opensubtitles.org/pb
    http://bloghorror.com
  2. Like
    SergioBenatti got a reaction from Jorge Soto in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    @Jorge Soto, fico impressionado como nós dois assistimos ambos a muitos filmes, mas de vertentes completamente diferentes! Eu nunca ouvi falar em alguns que você posta. hehehe
  3. Like
    SergioBenatti reacted to Gust84 in Oscar 2019 - Previsões   
    Bradley Cooper me surpreendeu em muitos sentidos.
    Que atuação. Quanta carga, e quanta verdade. Tenho alguns questionamentos estruturais do filme pra fazer mas quem liga?
    Esse cara mudou de patamar pra mim.
  4. Like
    SergioBenatti got a reaction from Big One in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    O filme de hoje não poderia ser outro.
    Na seção das Previsões para o Oscar, apontei o filme como futuro Best Picture. Tem cara, mesmo. Mas não com o meu voto. É muito bom, em alguns momentos ótimo, mas não é nada de mais como arte. Vale como entretenimento de qualidade.
    Revi os três filmes anteriores há pouco tempo, e aplaudo a reatualização do roteiro, indo mais fundo na questão da industrialização das personalidades e dos talentos. A montagem é outro aspecto excelente, tornando o filme muito dinâmico e cativante. O final destoa da versão de 1976, sendo elíptico como a versão de 1954. Boa decisão.
    Lady Gaga está ótima na personagem, antes e depois de se tornar ..."Lady Gaga". O argumento "ela está de cara limpa, sem maquiagem" é um argumento fraco para consagrá-la na categoria. Merece sim a indicação, mas não o prêmio. Sam Elliott tem uma única cena foda, mas, pra mim, é inconcebível que falem até em premiá-lo com o Oscar de Coadjuvante. Um exagero publicitário.
    Quem dá show de verdade é o Bradley Cooper. Não na Direção, esta é só correta e redonda - o que não é demérito. Mas o show mesmo é como Ator. Ele está excelente, do início ao fim, unindo ternura e tristeza. Tem a persona 2.0 de Kris Kristofferson emulada, mas há muito mais talento. Favorito ao Oscar na categoria. Assim como a Canção "Shallow" está mais que garantida.
    Provavelmente Bradley Cooper se tornará a pessoa indicada em mais categorias: Produtor, Diretor, Ator, Roteirista, e Canção. Parabéns!
    (Vejam legendado)

  5. Like
    SergioBenatti got a reaction from BernasdDrix in Oscar 2019 - Previsões   
    E eu ainda o tinha colocado em Roteiro Original. Pelo menos, não fui na onda de vários experts que colocavam Penelope Cruz, Bardem, enfim, a turma toda entre os indicados.
    By The way, eu adorei o final de "Happy End".
  6. Thanks
    SergioBenatti got a reaction from CharzesSax in Oscar 2019 - Previsões   
    Knife & Heart
    First Reactions:
    Elena Lazic: Yann Gonzalez’s lazy CRUISING-inspired bore KNIFE + HEART, like his YOU AND THE NIGHT, thinks it is more original than it is. The flashy visual style also feels ultimately random and pointless. Nice lighter moments, but Vanessa Paradis & Nicolas Maury deserve better.
    Jamie Graham: Really enjoyed first half of gay-porn giallo Knife + Heart as it riffed on Fulci, Bava, De Palma & more. Who wouldn’t want a film with shades of Cruising and The Tenderness of Wolves contesting for the Palme d’Or? Then it spiralled down the plughole
    Cassidy Olsen:  KNIFE + HEART is a hazy, terrifying, exploitatively French movie that makes me want to slather on blue eyeshadow and also never sleep again. Really enjoyed seeing the walkouts as soon as a dildo appeared
    Mani Lazic: aims for dreamlike & lands in silly, somehow making the underground world of 1970s Parisian porn production look boring & not giving its people any depth
    Ella Kemp: KNIFE + HEART could have been great, electric, as passionate its subjects. But Gonzalez quickly gets lost, somehow making devastating acts of crime and love feel like a pantomime. 
     
    David Ehrlich: Paris, 1979. someone is murdering gay porn stars with a dildo switchblade and Vanessa Paradis is kinda getting off on it. A strangely inert film that plays like a giallo slasher directed by Kenneth Anger.
    Tim Robey: Yann Gonzalez’ gay-porn-giallo-pastiche KNIFE + HEART peaks early, with a barked demand on set for a fluffer called Bouche d’Or. “Bouche d’Or!!!” I howled. How did it then get so dull?
    Cedric Succivalli: Knife + Heart gets a big fat queer ZERO from me. Gurl bye! That was beyond atrocious, like WTF?
    Sam Zimmerman:  Shout out to KNIFE + HEART. It’s the art queer slasher we need and Vanessa Paradis is so good she made me cry.
    David Jenkins: With that set-up, that cast, those characters, that subject matter, those reference points, that title, how how how could Yann Gonzalez’ Knife + Heart be such an absolute drag?
    Justin Chang: THE HOUSE THAT JIZZ BUILT. A shoo-in for the De Palma d’Or, as well as the Palme d’Orgy. 
  7. Like
    SergioBenatti got a reaction from BernasdDrix in Oscar 2019 - Previsões   
    E eu ainda o tinha colocado em Roteiro Original. Pelo menos, não fui na onda de vários experts que colocavam Penelope Cruz, Bardem, enfim, a turma toda entre os indicados.
    By The way, eu adorei o final de "Happy End".
  8. Like
    SergioBenatti got a reaction from Big One in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    "Leave No Trace" é o mais novo longa de Debra Granik depois do sucesso de "Inverno da Alma". Como aquele, é também este uma adaptação que gira em torno de elementos semelhantes. E, de novo, é excelente. Um Estados Unidos à margem, úmido, com cheiro de verde escuro, desconfiado das simpatias institucionais. Penso que é uma forma de abandono criar um filho só para si.
    Parente temático de "Capitão Fantástico" e de "O Castelo de Vidro". Por que será que esse tema está tão em voga?

  9. Like
    SergioBenatti got a reaction from Big One in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Alow, @Big One, estamos revenzando de filmes.
    "PéPequeno", delicinha de animação da Warner, é um bom entretenimento para curtir com a família toda.
    A premissa, que é também sua piada única, consiste na inversão de universos - de cara anunciada pelo título. Terá força para entrar na quinta vaga de Animação?

  10. Like
    SergioBenatti reacted to Big One in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    haha  assisti ontem..estava "fuçando" na Netlfix..cliquei neste filme e fui até o fim..acompanhei muito o Sepultura nessas época em que eles estouraram, no Rock In Rio de 1991. Os caras tiveram uma grande sacada ao mandar fitas para o fanzines da Europa e EUA. Foi interessante ver os detalhes da treta da saída do Max e depois do Igor, da conversa do Andreas com o baterista sobre ficar em turnê e começar a "derreter".E por fim como foi entrada do Derek Green e de também poder ouvir os depoimentos do Phil Anselmo (ex Pantera), do baixista do Megadeth, David Ellefson e do guitarrista do Anthrax, Scott Ian. A sim claro não posso de deixar de citar da participação especial do saudoso baterista do Pantera, Vinnie Paul que morreu este ano.  RIP.
  11. Like
    SergioBenatti got a reaction from Big One in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Panorama da carreira do Sepultura, desde as raízes em BH, até chegar a atual formação. O documentário aborda a relevância musical da banda, a tensão da estrada, as substituições de alguns membros...Gostei muito.
    Max e Iggor Cavalera não participam.
    Vida longa ao metal!

  12. Like
    SergioBenatti got a reaction from Big One in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Curta de documentário essencial do cinema brasileiro, "A Entrevista", de 1966, é uma forte crítica social às mulheres da classe média. Poder-se-ia dizer que é meramente um "retrato" das mulheres de classe média de então. Mas não. Os dois últimos minutos dessa produção de 20 minutos fazem uma ponte com a política de uma maneira inesperada. Acabam-se a doçura e a perfumaria da fala daquelas mulheres entrevistadas, e o que se deixa no lugar são: apatia, cegueira, coparticipação, pelo menos indireta, nos rumos da Ditadura brasileira. Montagem: Rogério Sganzerla.
    Helena Solberg, que sempre fez ótimos trabalhos, foi recentemente convidada a integrar a Academia de Cinema de Hollywood.

  13. Like
    SergioBenatti got a reaction from Big One in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Filme de professor - quase um gênero em si - todo mundo gosta. A base é a de sempre: Desconfiança- Confiança-Aprendizado mútuo. 
    Daniel Auteuil ( por todos, "Caché") está ótimo nesse "O Orgulho", assim como Camélia Jordana, vencedora do César de melhor atriz estreante.
    Como saber a real força de uma corrente? Pelo seu elo mais fraco. Qualquer filme mais fraco da França é bom.

  14. Like
    SergioBenatti got a reaction from Big One in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Só meu gigantesco amor pelo cinema me faz assistir até o fim a certas produções.
    Assisto a documentários da cineasta de Maria Augusta Ramos desde o início da carreira dela. Ou seja, estou acostumado ao método de filmagem dela. Gosto de "Justiça", gosto muito de "Juízo", gosto um pouco de "Morro dos Prazeres", e este, "O Processo", tem quase as mesmas características. Ausência de trilha, por exemplo; a tradicional excelente mixagem de som;  como também  certa "circunspecção" chegando às raias da formalidade - na falta de melhor palavra. Portanto, não há novidade na direção geral propriamente dita. 
    O que há é uma flagrante posição. Li muito por aí que o documentário é "imparcial", pois mostra os posicionamentos prós e contras ao Impeachment/"Górpi". Tendo assistido hoje, com a máxima atenção, eu de forma nenhuma vejo essa pretensa equidistância. A câmera dela segue majoritariamente ( majoritariamente! Tipo, 85% do tempo!) a bancada petista; enfurna-se na sala da liderância do PT; cola nas costas da Senadora Gleise Hoffman; mostra os senadores petistas e do partido satélite como seres abnegados, estudiosos profundos do caso enquanto a advogada acusadora é mostrada como uma lunática chorosa desprovida de argumentos técnicos. O Senador Anastasia - que, pessoalmente, considero um deus entre monstros! Um Buda, por aguentar impassível toda a gritaria de ambos os lados! - o  relator do caso - não é ouvido nenhuma vez! Nenhuma! O homem mais importante do "processo" nem é ouvido. Pode não ter querido ser entrevistado, mas apenas uma fala dele, a fala conclusiva é registrada. Os argumentos dele? Não foram registrados. Nenhum! Aliás, para quem está vivo em 2018, nem precisa de argumento técnico-jurídico para saber qum estava com a razão: estamos mergulhados em um completo e brutal desajuste fiscal iniciado no governo passado, mais que maquiado, negado, e hoje até mesmo defendido, como forma de recuperação econômica, sendo a Lei de Responsabilidade Fiscal hoje vista como que um "empecilho" aos nobres governantes que querem gastar a mais não poder para o bem do povo.
    Aliás, eu já antevia a tendência do documentário, não só pelo título (bobo, fácil, chupado da literatura de Kafka, quando ali sim não havia senador com estrela no peito para defesa), não só pelo cartaz vitimizador, mas logo no primeiro momento quando uma tela preta nos informa que estava em curso no país uma investigação judicial e usa-se o advérbio "inclusive" para salientar que o então presidente da câmara estava envolvido nela bem como o vice-presidente. Não é por nada não, mas faltaram muitos nomes aí nessa tela inicial, heim, dona Maria Augusta Ramos? Pra começar um ex-presidente, pra começar um ex-vice presidente da câmara (todos hoje presos e ineligíveis). Pois bem, vê-se que o intuito dessas informações em tela preta usadas várias vezes ao longo do documentário não são para "informar" o espectador brasileiro, pois nós todos sabemos a cruz que estamos carregando. São informações para buscar um público no exterior.
    O meu ponto é: há um viés ideológico muito claro, que impede de cima a baixo que eu chame esse documentário de uma obra imparcial! Neutralidade não existe. Não exijo neutralidade de nada nem de ninguém. Mas falar que "O Processo" é "imparcial", "mostra os dois lados da questão de maneira igual", e etc, isso é uma mentira deslavada. Des -la-va-da! Deste prato pronto eu não comerei.
    "O Processo" não tem a maior qualidade dos outros documentários da ótima Maria Augusta Ramos. Conserva a mesma serenidade da câmera - esta é fácil;  mas não conserva a serenidade no roteiro, assinado por ela, ante às posições em conflito. Desta vez, é um olhar comprometido travestido de imparcial.
    Golpe houve foi na condução da votação do Senado que "dividiu" aquela votação em dois quesitos, preservando os direitos políticos da cassada. Isso curiosamente nem é mostrado! Isso sim foi golpe.
    Pobre, Brasil!
     
     

  15. Confused
    SergioBenatti got a reaction from KennethtefsLY in Oscar 2019 - Previsões   
    2) Wildlife - Com direção de Paul Dano, este drama familiar traz Carey Mulligan e Jake Gyllenhaal em ótimas performances, mas é mesmo o jovem Ed Oxenbould quem rouba a cena. 4/5 #cannes2018
  16. Like
    SergioBenatti got a reaction from Gust84 in Oscar 2019 - Previsões   
    Não foi a ovação que se esperava:
    First Man :
    First Reactions
    ROBBIE COLLIN: Wisely, Chazelle has opted to leave spectacle to the blockbusters and instead aims for awe – which is related, but different, and harder to pull off.
    PETER BRADSHAW: Chazelle tells Armstrong’s story with certainty and verve.
    OWEN GLEIBERMAN: A movie so revelatory in its realism, so gritty in its physicality, that it becomes a drama of thrillingly hellbent danger and obsession.
    DAVID ROONEY: This sober, contemplative picture has emotional involvement, visceral tension, and yes, even suspense, in addition to stunning technical craft.
    MICHAEL NORDINE: A powerful experience that will inspire renewed awe of what Armstrong and his ilk did. It may not be a giant leap for filmmaking, but it’s another small step for this filmmaker.
    FIONNUALA HALLIGAN: It’s a beautifully made film, with an impeccable lead performance from Ryan Gosling as the sober, sensitive astronaut. Yet it’s also a film which takes elegant flight but stalls across its extended closing sequences.
    DAVID OPIE: Ryan Gosling might be the hero of First Man, but the star that shines brightest in these moments is Claire Foy, firing up like the rockets that threaten to take Armstrong away from his family for good.
    LEONARDO GOI: In its tragic undertones, complex psychological edifice, and claustrophobic visuals, First Man stands out, in both content and form, as a remarkable, jaw-dropping departure from anything Chazelle has previously made.
    JESSICA KIANG: Steering an astonishingly accomplished path between the small steps and the giant leaps of the Apollo 11 mission, reigning Best Director Damien Chazelle opens the 75th Venice Film Festival with First Man, an immersive, immaculately crafted, often spectacular and satisfyingly old-fashioned epic that may well become the definitive moon-landing movie.
  17. Like
    SergioBenatti got a reaction from Big One in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Lambuzado de mel, bonitinho, fofinho, legalzinho. A falha é a ausência de conflito. Não há nenhum problema relevante a ser superado.

  18. Thanks
    SergioBenatti got a reaction from Mozts in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Não indico os filmes de Hong Sang-Soo a ninguém, pois, embora sejam do meu agrado, sei que eles são muito difíceis para a grande maioria das pessoas. Difíceis por que simplesmente NADA acontece. Sempre giram em torno de um microacontecimento, uma filigrana, sendo completamente desossados de trama.
    Neste "A Câmera de Claire", filmado durante o Festival de Cannes de 2016, provamos mais uma vez da habilidade do diretor de escrever um roteiro com pura conversa fiada, ou não conversação. As protagonistas (coreana e francesa) tentam se comunciar em inglês, então, usam e abusam de frases fáceis, monossílados, respostas com as mesmas palavras usadas nas perguntas; enfim, o que é expressado apenas tangecia o que de fato foi compreendido.
    Um cinema rico é um cinema com vertentes variadas. A Coreia dá show em thriller, dá show com monstros, dá show em dramas, e... a Coreia  também dá show em "cinema francês".

  19. Like
    SergioBenatti got a reaction from Nacka in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    "First Reformed" pode dar a primeira indicação ao Oscar - acreditem se quiser - a Paul Schrader. Ainda mais que a categoria de Roteiro Original está esvaziada. 
    O filme é ótimo, principalmente passados os mornos 40 minutos iniciais. Mistura religião + ambientalismo + terrorismo, de um jeito bastante singular. Em referências, o Bergniano "Luz de Inverno" e, muito na cara, "Taxi Driver" - qual o problema copiar a si mesmo?
    Ethan Hawke está divino. 

  20. Like
    SergioBenatti got a reaction from Big One in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Existem filmes de arte e existem filmes "de resposta", aqueles últimos cujo resultado é esperado.
    Megatubarão é um filme de resposta, todo trabalhado no clichê, do tipo que podemos antecipar qual o coadjuvante da vez que irá morrer. Em todo caso, diverte, vale a pipoca, principalmente pelos seus eletrizantes 20 minutos finais.
    No final - não é spoiler - tremula a bandeira da China. É a última coisa, o último signo, que vemos. Mas na real é só a continuação de tudo que vimos antes, desde o início. O dinheiro chinês que financiou o filme bancando o imaginário social, 1/3 do elenco, 1/3 da língua. 
    Para quem ainda não se atentou que o futuro é asiático, os blockbusters já se deram conta disso.

  21. Like
    SergioBenatti reacted to Jailcante in Oscar 2019 - Previsões   
    Também achei altamente patético isso. Razão de ser nenhuma essa categoria.
  22. Like
    SergioBenatti reacted to Questão in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Visto EM FAMÍLIA
     
     
     
     Competente drama setentista brasileiro comandado por Paulo Porto (que também atua). O ponto de partida já foi visto em alguns filmes, onde um casal de velhinhos (vividos por Rodolfo Arena e Iracema de Alencar) incapazes de continuar pagando o aluguel da casa onde viveram a vida toda, recorrem a ajuda dos cinco filhos para que os ajudem a financiar uma nova casa, ou que os receba. Claro que todos alegam serem incapazes de ajudar no tal financiamento, e resolvem separar o casal.  Dona Lu indo morar no Rio de Janeiro com o filho (Paul Porto) casado e pai de uma adolescente, enquanto o velho Seu Souza vai morar com a filha Corinha (Anecy Rocha), casada e com um bebê de colo.
     Como dito antes, a trama do grande numero de filhos que entra em um jogo de empurra com os pais idosos, absortos demais com seus próprios problemas já não era nova na década de 70, mas Porto conduz o seu filme com grande sensibilidade. O casal de idosos é o destaque, mas a participação de atrizes como Fernanda Montenegro e Odete Lara também é digna de nota.
     
    Não é uma pérola esquecida, mas vale a conferida.
  23. Like
    SergioBenatti reacted to frossit in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    A Espada da Maldição: Planejado para ser a primeira parte de uma trilogia. Infelizmente os demais filmes nunca foram realizados. Talvez isto até trabalhe a favor, pois temos um final totalmente aberto a interpretações. Definitivamente temos aqui um dos maiores vilões da história do cinema. No papel do samurai psicopata e assassino Ryonosuke Tsukue, o ator Tatsuya Nakaday entrega mais uma atuação perfeita. Nem todas as cenas de luta funcionam perfeitamente, mas quando isso acontece, o resultado é fantástico. Cotação - Muito Bom. Assistido em DVD da coleção Versátil - Cinema Samurai Vol 2. 
     

  24. Like
    SergioBenatti got a reaction from Nacka in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Alguém anotou a placa?
    Que filmaço! Muito provavelmente o representante da França à corrida ao Oscar de Filme Estrangeiro, esse primeiro longa de Xavier Legrand ( indicado por um Curta há alguns anos, com a mesma atriz, e algo parecido na história) ganhou o Leão de Prata em Veneza em 2017. 
    É uma história de separação que vira ...nossa...um filme de terror, sem perder o tom documental. Até os 40 minutos, você pensa que é só mais um bom filme indie, mas depois, mermão, o bagulho fica tenso, agoniante. Os atores estão soberbos. 
    Necessário e urgente, em especial para os profissionais do Direito.

  25. Like
    SergioBenatti got a reaction from Nacka in O Que Você Anda Vendo e Comentando?   
    Se há um livro que merecia uma nova adaptação, é a obra máxima de Ray Bradbury. Ao esculacharem a versão HBO de 2018, deparo-me com elogios derramados ao filme de 1966, de Truffaut, quando, verdade seja dita, é um dos filmes mais baixos na filmografia do francês. Muitas das críticas a essa versão de Ramin Bahrani (o cara fez "99 homes", tem crédito suficiente!) poderiam ser tranquilamente feitas ao filme anterior: não é fiel ao livro, é nonsense, cadê o personagem tal?, efeitos de merda... A melhor coisa do filme do Truffaut eram aqueles créditos narrados e o design vermelho amalucado, o resto...
    Falando deste aqui, eu o achei razoável. Mas também creio ser a pior atuação do Michael B. Jordan que eu já vi. Oskar Werner foi bem melhor - aliás, estava na crista da onda naquele ano, tendo até sido indicado ao Oscar pelo ótimo "A Nau dos Insensatos".
    Minha opinião pessoal: Não é o Estado que vai acabar com os livros, é a própria sociedade civil. O desinteresse atual é genuíno, de dentro para fora.
     

×