Jump to content
Forum Cinema em Cena
henrique felipe

A Coisa (20??) Stephen King

Recommended Posts

6 hours ago, Jailcante said:

Como o Jeremy falou, é A Hora do Pesadelo com Goonies. E até acho que agora pode se fazer um A Hora do Pesadelo com crianças (se bem que ficaria pouco relevante agora por causa desse filme aqui).

É verdade. Tinha essa ideia. Acho que eram os caras de A INVASORA que pensaram em fazer a A HORA DO PESADELO protagonizado por crianças quando eles foram considerados pra fazer o remake.

 

6 hours ago, Jailcante said:

Minha ressalva - spoilers - seria que tem poucas mortes, porque a gurizada a gente já sabe que não morre, então as vezes que o Pennywise aparece pra eles, já se sabe que vai ficar no susto. Faltou ele ir atrás de outras pessoas e "ir até o fim", pra dar uma sensação de perigo maior pra ele (não estou falando em se matar 1000 pessoas, mas umas 2 ou 3 ali poderiam ter ido pro saco - os bullies ali poderiam ter ido todos pro saco).

    Cheguei a pensar nisso. Tinha uma galera aqui que podia ter servido de comida pro Pennywise mesmo, como os outros bullies que andavam com o Henry, ou aquela menina que trabalhava na farmácia e liderava o bullyng contra a Beverly, pra depois ele ficar obcecado pelos Losers. Por outro lado, isso acabaria tirando o tempo de desenvolvimento dos Losers, que é de qualidade tão impar.

 

6 hours ago, Jailcante said:

Mas a morte do menino no começo foi bem ousada, já que é difícil ver criança morrendo de modo tão violento no mainstream americano.

 

 Pois é. Aquela morte ali passa a sensação que qualquer coisa pode acontecer com qualquer um. Em alguns momentos, até cheguei que eles iam mudar o livro e matar um dos losers. O melhor é que toda a sequência antes disso com o moleque interagindo com o irmão e indo buscar a cola no porão faz a gente gostar dele e sentir a morte dele.

 

6 hours ago, Jailcante said:

Que bom ver criança se comportando como criança mesmo no meio de uma situação tão extrema.

 

 Com certeza uma das melhores coisas do filme. Eles reagem como criança o tempo todo mesmo. Gostei especialmente da cena depois da primeira visita deles a casa abandonada, com a galera começando a brigar e achar que devem deixar o Pennywise pra lá. O melhor é a forma como a cena transita entre a comédia e o drama. Ri muito com o Richie dizendo "Olha pra esse infeliz! Ele tá vazando ketchup!":P

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não diria que é a Hora do Pesadelo com os Goonies. Mas uma mistura de Stand By Me e Monster Squad.

Acho que o terror podia ter sido mais assertivo em algumas partes. Me diverti muito mais com a sensação de comédia e aventura que com terror propriamente dito. As cenas de terror foram muito corridas na criação da tensão e desfecho (tirando a primeira envolvendo o Georgie). Podia explorar mais. 

Mas bom que o filme de vez em quando dá umas surtadas, como a cena do cartaz do New Order atrás da porta e o slow motion da guerra de pedras. Ri pra caramba!! 

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 hours ago, conan said:

Não diria que é a Hora do Pesadelo com os Goonies. Mas uma mistura de Stand By Me e Monster Squad.

 

 Eu não concordo. Os personagens de MONSTER SQUAD nunca se sentem ameaçados pelos vilões daquele filme da forma que os Losers se sentem ameaçados pelo Pennywise aqui. MONSTER SQUAD é ótimo, mas você não sente que aquelas crianças estão realmente em risco com o Drácula, o Franenstein, e por ai vai (e a intenção do filme não era essa mesmo). Em IT não . Aqui realmente a gente sente que o Pennywise pode ferir essas crianças, e ele fere.

 Então, acho a comparação que o JAIL fez com A HORA DO PESADELO é bem válida. Afinal, Pennywise e Freddy não só são monstros que dividem o senso de humor sádico e capacidade de mexer com os medos de suas vítimas, mas todas as vítimas de A HORA DO PESADELO eram jovens com algum tipo de conflito familiar que de certa forma eram negligenciados pelos pais, assim como em IT.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vocês estão exagerando.

 

Gostei muito do filme Mas não tanto do terror.

E por incrível que pareça, a aparência do palhaço mongoloide funcionou muito bem dentro das cenas e contextos e atuação (fantástica) e do clima. O problema foi uma ameaça a la senhor dos anéis latiu mas não mordeu. E quem tem medo de cara feia? Palhaço com dentes de monstro não assusta tanto. A sorte é que a climatação e as cenas bem efetuadas somada ao roteiro e a atuação fizeram com que as cenas derem sim uma impressão gostosa de horror.

A primeira cena de morte foi espetacular e me deu uma expectativa altíssima de que agora sim teríamos um filme que desse uma ameaça de fato. Uma criança morrendo tendo seu braço amputado foi bem bem corajoso pra hollywood e me fez acreditar que aquela ameaça era pra Vale. Mas aí chegou la pelo meio do filme e depois de todas aquela repetições em que os membros dos lusers escapavam e os outros morriam, ai já dava pra prever que o it não era ameaça alguma pra aqueles cinco, por mais envolvidos com os personagens estivéssemos e eu me envolvi muito com eles. 

Sim, de fato teve efeito a questão do medo, o it estava ganhando força assustando aquelas crianças e como não tinha conquistado o medo genuíno de nenhuma delas ainda, a coisa não teve forças pra suplantar a resistência e luta daquelas crianças. Porém, a falta de coerência de crianças com aparente menos exposição ao medo explorado pelo palhaço serem mortos e alimentaram a coisa enquanto as crianças bem amedrontada dos grupos dos lusers nenhuma ter morrido atrapalhou muito essa relação do poder da coisa adquirida com o medo e pra piorar e uma perfeita ilustração é um dos membros no final estar com a cabeça na boca do bicho, a cena me chocou na hora e eu pensei "opa, agora a coragem que o diretor teve na primeira morte voltou". Ele ter escapado foi a cena mais "aaaah, esse palhaço mongoloide não Mata ninguém" (teve outras cenas como a daquele que toma remédios quando tava nas garras do palhaço, mas nenhuma tão gritante como essa do final).

Mas a alegoria e discurso todo do filme foi excelente, as crianças enfrentando seus próprios medos, medos causados e criados pelos adultos, tendo que criar coragem para não alimentar o monstro do medo e poder enfrentar a causa de seus medos, é aqui como ficou perfeito a sequência da menina criando coragem para se defender do pai abusador e logo em seguida não ser morta pelo monstro justamente porque não tinha o medo pra alimenta-lo.

E foi muito divertido vê-los convivendo e passando a vida juntos, brincando. A coragem de expor um bullying agressivo. Como era legal aquela vida longe de computador e televisão, as pessoas podiam ter suas doenças mentais mas não ficavam trancadas nas suas masmorras.

E foi muito bem feito o Lance da União do grupo ser a chave pra enfrentar o it (e os garotões lá e seus medos ou as causas deles,  era isso que o it representava)

 

Aaah em alguns momentos, mais no começo pro meio, as aparições da coisa aconteciam e intercaladas com o dia a dia da turma deu uma sensação um pouco de episódios separados.

Em resumo, minha opinião foi bem parecia com essa: 

 

As cenas deram calafrio mas não amedrontaram mas foi um filme muito bom me diverti, me envolvi, adorei a mensagem e alegoria, e teve cenas que fizeram seu efeito (a sequência da garota com a cabeça presa na pia esperando o jato de sangue - que eu já estava esperando - com o balde de lixo que ela tinha recebido no começo e com o nojo que ela sentiu do toque do pai que a fez cortar o cabelo achando que era culpa dela foi excelente).

Share this post


Link to post
Share on other sites
Modo noturno

It: A Coisa | Freddie Krueger quase apareceu no filme

Publicado em12 de setembro de 2017 às 19h30
freddy-760x428.jpg

Numa entrevista ao Ain’t Cool News, o diretor Andy Muschietti revelou que Freddie Krueger quase apareceu em It: A Coisa. No livro, a criatura eventualmente toma a forma de um dos Monstros da Universal e como A Hora do Pesadelo era um filme popular nos anos 80, o cineasta pensou em colocar o vilão no longa, mas na última hora sentiu que não seria uma boa ideia:

Nós pensamos em colocar Freddie em um momento, mas eu não achei uma boa ideia. Eu amo a história e como Stephen King pinta um retrato da infância nos anos 50. Ele é genuíno e mostra a Coisa se transformando nos Monstros da Universal porque as crianças têm medo dos filmes. Seria um caminho natural colocar Freddy na história já que nossa versão se passa nos anos 80. Mas eu não gostei, achei que seria muito metalinguístico, ia distrair o público, não parecia certo. Eu quis trazer medos mais ligados a traumas passados e mais surpreendentes.

 

FONTE: JOVEM NERD

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 13/09/2017 at 1:26 AM, Gustavo Adler said:

E quem tem medo de cara feia? 

Muita gente, creio eu.

 Pois a "Cara feia" representa alguma coisa, e pode sim ser muito assustadora. Nesse caso, o Pennywise era muito mais assustador pra mim quando estava usando a sua "cara inofensiva" (que de inofensiva não tinha nada, pois o vilão claramente tem dificuldade em disfarçar as suas intenções, o que achei ótimo). O problema é que as presas surgiam em um CGI que acaba soando intrusivo e acaba cortando o clima, mas quando os dentões do palhaço surgiam como próteses e maquiagem, funcionavam bem, como na cena em que ele ameaça o Eddie no casarão.

 

On 13/09/2017 at 1:26 AM, Gustavo Adler said:

Sim, de fato teve efeito a questão do medo, o it estava ganhando força assustando aquelas crianças e como não tinha conquistado o medo genuíno de nenhuma delas ainda, a coisa não teve forças pra suplantar a resistência e luta daquelas crianças. Porém, a falta de coerência de crianças com aparente menos exposição ao medo explorado pelo palhaço serem mortos e alimentaram a coisa enquanto as crianças bem amedrontada dos grupos dos lusers nenhuma ter morrido atrapalhou muito essa relação do poder da coisa adquirida

Acho que a união do grupo de alguma forma parecia interferir com essa relação de poder do Pennywise "If we stay together. All of us. We'll win" diz o líder do grupo em certo momento. Acho que poderia sim ser interessante um dos Losers morrerem em certo momento, mas não acho essencial não. Afinal, nenhuma daquelas crianças saiu ilesa dessa experiência. Elas realmente se machucam quando lutam contra a Coisa., fisicamente e psicologicamente.

 Concordo que o verdadeiro alcance dos poderes do Pennywise e do que ele pode ou não fazer é deixado em aberto pelo filme. Entendemos que além da questão do medo, existe uma questão de espaço (Pennywise parece ser mais forte nos esgotos e no casarão) além da própria questão do medo em si. Talvez pudesse ser mais esmiuçado? Talvez. Mas apesar disso, não acho que o filme caia em contradição também sobre as habilidades do Pennywise, já que pelo menos pra mim, ficou claro que em certa altura, Pennywise não vê mais aqueles sete como vítimas comuns (como foi com o George e o outro valentão que morre no esgoto) tanto que ele manipula o valentão lá pra matar os Losers no fim do filme.

 

On 13/09/2017 at 1:26 AM, Gustavo Adler said:

é um dos membros no final estar com a cabeça na boca do bicho, a cena me chocou na hora e eu pensei "opa, agora a coragem que o diretor teve na primeira morte voltou". Ele ter escapado foi a cena mais "aaaah, esse palhaço mongoloide não Mata ninguém" 

  Aqui eu concordo, pois foi uma provocação desnecessária. Podiam ter matado o garoto ali, já que começaram. Mas se não tivessem criado essa provocação, não creio que necessariamente algum personagem tivesse que morrer. Acho que se pode dar gravidade e peso de ameaça pra uma história (inclusive de terror) sem matar ninguém. E pelo menos comigo, o filme conseguiu isso até o desfecho.

 

On 13/09/2017 at 1:26 AM, Gustavo Adler said:

(teve outras cenas como a daquele que toma remédios quando tava nas garras do palhaço,

 Essa cena eu achei fantástica, e acho que super funcionou. Ali claramente o Pennywise estava se deliciando em atormentar o Eddie. Ele estava "brincando" com a comida.

 

On 13/09/2017 at 1:26 AM, Gustavo Adler said:

Aaah em alguns momentos, mais no começo pro meio, as aparições da coisa aconteciam e intercaladas com o dia a dia da turma deu uma sensação um pouco de episódios separados.

O filme tem mesmo um caráter episódico no começo, mas pessoalmente não é uma coisa que me incomoda, quando os segmentos se conectam de forma coerente. E achei que valeu a pena pelo desenvolvimento que esses segmentos dão a cada um dos losers.

 

 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
17 hours ago, Questão said:

Muita gente, creio eu.

 Pois a "Cara feia" representa alguma coisa, e pode sim ser muito assustadora. Nesse caso, o Pennywise era muito mais assustador pra mim quando estava usando a sua "cara inofensiva" (que de inofensiva não tinha nada, pois o vilão claramente tem dificuldade em disfarçar as suas intenções, o que achei ótimo). O problema é que as presas surgiam em um CGI que acaba soando intrusivo e acaba cortando o clima, mas quando os dentões do palhaço surgiam como próteses e maquiagem, funcionavam bem, como na cena em que ele ameaça o Eddie no casarão.

Então, por incrível que pareça, concordo com vc. a cara de inofensivo nele caiu como uma luva a ameaça que ele apresentava. Realmente, essa cara mongolóida em movimento e em ação e com a grande atuação do ator, ficou muito daora. 

E eu não me incomodei com o CGI nesse filme

Quote

Acho que a união do grupo de alguma forma parecia interferir com essa relação de poder do Pennywise "If we stay together. All of us. We'll win" diz o líder do grupo em certo momento. Acho que poderia sim ser interessante um dos Losers morrerem em certo momento, mas não acho essencial não. Afinal, nenhuma daquelas crianças saiu ilesa dessa experiência. Elas realmente se machucam quando lutam contra a Coisa., fisicamente e psicologicamente.

Exato, achei que isso foi muito bem explorado, mas não explica as lacunas, explica ele perder no final, explica ele não ter conseguido matar na primeira investida do grupo na casa abandonada. Mas não explica ele não ter matado o garoto que toma remédios  quando ele estava só, o garoto estava claramente em pânico, era pra ter morrido ali.

Quote

 Concordo que o verdadeiro alcance dos poderes do Pennywise e do que ele pode ou não fazer é deixado em aberto pelo filme. Entendemos que além da questão do medo, existe uma questão de espaço (Pennywise parece ser mais forte nos esgotos e no casarão) além da própria questão do medo em si. Talvez pudesse ser mais esmiuçado? Talvez. Mas apesar disso, não acho que o filme caia em contradição também sobre as habilidades do Pennywise, já que pelo menos pra mim, ficou claro que em certa altura, Pennywise não vê mais aqueles sete como vítimas comuns (como foi com o George e o outro valentão que morre no esgoto) tanto que ele manipula o valentão lá pra matar os Losers no fim do filme.

aaai tu viajou, acho meio conveniente essa explicação. Pra mim, não tem nada a ver a força dele com o lugar, ele apanhou em sua casa. 

 

Quote

Aqui eu concordo, pois foi uma provocação desnecessária. Podiam ter matado o garoto ali, já que começaram. Mas se não tivessem criado essa provocação, não creio que necessariamente algum personagem tivesse que morrer. Acho que se pode dar gravidade e peso de ameaça pra uma história (inclusive de terror) sem matar ninguém. E pelo menos comigo, o filme conseguiu isso até o desfecho.

Bem, pra mim esses filmes que tem uma ameaça mas que não mata nenhum dos personagens com quem o filme se dedica pra nos criar apego a eles me da a clara sensação de falsa ameaça, de fogo de palha. 

Só que nesse filme a coisa ficou realmente muito incomoda. Porque a cena se repetia sempre, o palhaço corria atrás das crianças (sozinhas e com medo) e não pegava, não matava. a ponto de no meio do filme todas as cenas você já ficar tranquilizado que ninguém ali que você se apegou ia morrer, e aqueles que você criou uma repulsa (os garotões playboy que sacaneavam) a gente sabia que iam morrer e a gente torcia pra isso. Ficou uma coisa meio fogos de artifício, o palhaço monstrego vinha, as cenas eram muito boas para dar um calafrio, e seriam fantásticas se a gente não conseguisse prever com exatidão o desfecho delas no sentido de temer pela vida daquelas crianças, mas como já se sabia que todos estavam seguros, as cenas só davam o calafrio devido a excelente direção. Faltou sim ousadia em materializar a ameaça que era o Penny.

E essa cena final do garoto de oculos na boca do Penny foi a pior brochada que eu vi de filmes do ultimos tempos, expôs uma cena que seria foda em termos de tudo, pra depois peidar na tanga. 

Quote

 Essa cena eu achei fantástica, e acho que super funcionou. Ali claramente o Pennywise estava se deliciando em atormentar o Eddie. Ele estava "brincando" com a comida.

Seria fantástica se ele tivesse matado o garoto, como ele ficou se deliciando e perdendo tempo se deliciando, pareceu mais a velha e cliche cena do vilão conversando com o herói já rendido, ali a gente já sabe que o garoto vai sobreviver. No começo dessa cena eu sabia que o garoto não ia morrer, se o garoto morresse o diretor iria realmente me surpreender e dali passaria a encarar as cenas de perigo com mais temor.

 

Aah e sem falar que aquela sequência toda do penny quase matando um quase matando outro, (o de óculos do stranger things tbm foi meio feia) deixou claro que nenhum ali ia morrer e que o diretor estava criando aquelas cenas de quase pegar os moleques só pra conquistar nosso temor, mas que o diretor não ia matar nenhum. Ao invés de ser uma escapada da morte se tornou um "aaah eu entendi o truque".

Quote

O filme tem mesmo um caráter episódico no começo, mas pessoalmente não é uma coisa que me incomoda, quando os segmentos se conectam de forma coerente. E achei que valeu a pena pelo desenvolvimento que esses segmentos dão a cada um dos losers.

me incomodou um pouco no começo, mas a partir do meio pro final já não me incomodei.

 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 15/09/2017 at 0:45 AM, Gustavo Adler said:

Mas não explica ele não ter matado o garoto que toma remédios  quando ele estava só, o garoto estava claramente em pânico, era pra ter morrido ali.

Ué, mas os outros chegaram e o salvaram. A explicação é essa.

On 15/09/2017 at 0:45 AM, Gustavo Adler said:

aaai tu viajou, acho meio conveniente essa explicação. Pra mim, não tem nada a ver a força dele com o lugar, ele apanhou em sua casa. 

 Com certeza, estou teorizando. Mas o fato de os ataques mais violentos da criatura acontecerem nas proximidades desse ambiente, abre uma brecha pra essa interpretação. E sua derrota no final não contradiz isso, já que ali o grupo estava unido, e essa era a chave pra derrotar o Pennywise. Claro, eu também posso estar completamente errado.

 

On 15/09/2017 at 0:45 AM, Gustavo Adler said:

Bem, pra mim esses filmes que tem uma ameaça mas que não mata nenhum dos personagens com quem o filme se dedica pra nos criar apego a eles me da a clara sensação de falsa ameaça, de fogo de palha. 

  Pessoalmente eu já acho que acreditarmos que a ameaça pode se concretizar é muito mais importante do que concretizar a ameaça de fato. Claro, dependendo da situação, o impacto da morte de um personagem querido pode colaborar muito pra história, mas não acho que seja em todos os casos não. Mas acho que ai já é questão de opinião.

 

On 15/09/2017 at 0:45 AM, Gustavo Adler said:

E essa cena final do garoto de oculos na boca do Penny foi a pior brochada que eu vi de filmes do ultimos tempos, expôs uma cena que seria foda em termos de tudo, pra depois peidar na tanga. 

    Só uma duvida. Aquele que o Pennywise morde a cabeça no final, não é o garoto de óculos (o moleque piadista do STRANGER THINGS) e sim o filho do rabino que tinha medo do quadro do pai, certo?

 Mas concordo que esse poderia ter sido o momento de sacrificar um dos protagonistas.

 

On 15/09/2017 at 0:45 AM, Gustavo Adler said:

Seria fantástica se ele tivesse matado o garoto, como ele ficou se deliciando e perdendo tempo se deliciando, pareceu mais a velha e cliche cena do vilão conversando com o herói já rendido, ali a gente já sabe que o garoto vai sobreviver. No começo dessa cena eu sabia que o garoto não ia morrer, se o garoto morresse o diretor iria realmente me surpreender e dali passaria a encarar as cenas de perigo com mais temor.

  Acho que ai entra de novo aquela questão que disse acima. Nos fazer acreditar que a ameaça pode se concretizar é muito mais importante que concretiza-la de fato (e concretiza-la não é o único caminho pra nos fazer acreditar). Mal comparando, é como um truque de mágica. Ninguém acha realmente que o mágico vai cerrar a mulher em dois, ou que o mágico não vai sair do tanque de água, mas a construção do espetáculo deve nos fazer acreditar, mesmo que por alguns momentos, que essa possibilidade existe.

 Mas a questão dessa sequência da visita da casa é que ninguém ali podia morrer mesmo por várias razões. Primeiro, por que seria uma antecipação dramática no conflito do líder do grupo, o Bill. Toda a trama dele era uma metáfora sobre como parte de crescer e se tornar adulto é aceitar a realidade da morte. Tanto que depois dessa cena, ele briga com o moleque piadista por que ele diz que o irmão dele tá morto. Matar qualquer um dos losers ali concretizaria a realidade da morte, e resolveria a trama do Bill no meio do filme, prejudicando a progressão dramática. O Bill só podia aceitar a realidade da morte no final mesmo. Por isso, foi mais do que acertada a decisão do diretor de não matar ninguém nesse confronto, ao meu ver.

 Segundo, que matar um dos personagens ali significaria impor um trauma a essas crianças que poderia tornar inverossímil a união deles contra o Pennywise no final. Afinal, o legal do filme é que o tempo todo, eles ainda agem como crianças (crianças muito corajosas, mas sem isso o filme não aconteceria). Uma morte no grupo nessa altura do filme quebraria essa dinâmica ao meu ver. Fora que o Eddie era muito divertido pra morrer tão cedo no filme:P

  

Share this post


Link to post
Share on other sites

It: A Coisa quebrou um recorde de bilheteria por dia em sua primeira semana em cartaz

POR
 CAIO COLETTI
 -
 15/09/2017
 
 
 
  
7-filhos-696x464.jpg It: A Coisa
 

Ouça este conteúdo

 

0:00

02:23

 
 

Com a divulgação dos números da quinta-feira (14) nos EUA, It: A Coisa completou uma semana em cartaz no país, e o TheWrap notou que o filme quebrou um recorde de bilheteria por dia nesse tempo. Veja a linha do tempo:

?dc=5550003218;ord=1505615203905

Quinta-feira, 7 de setembro: US$13.5 milhões na pré-estreia, batendo Deadpool como maior pré-estreia para um filme para maiores.

Sexta-feira, 8 de setembro: US$50.4 milhões, ultrapassa o recorde de melhor fim de semana de estreia para o mês de setembro em apenas um dia (pertencia a Hotel Transilvânia 2).

Sábado, 9 de setembro: US$44.5 milhões (US$95.4 milhões no total). Ultrapassa Hannibal como o maior fim de semana de estreia para um filme de terror.

 

Domingo, 10 de setembro: US$27.9 milhões (US$123.4 milhões no total). Filme de menor orçamento a arrecadar mais de US$100 milhões no primeiro fim de semana.

Segunda-feira, 11 de setembro: US$8.7 milhões (US$132 milhões total). Maior segunda-feira da história para o mês de setembro, ultrapassando O Sexto Sentido.

Terça-feira, 12 de setembro: US$11.4 milhões (US$143.5 milhões total). Maior terça-feira para o mês de setembro (ultrapassando Sully), para um filme de terror (Invocação do Mal), maior adaptação de Stephen King da história nos EUA (À Espera de um Milagre).

Quarta-feira, 13 de setembro: US$7.9 milhões (US$151.5 milhões total). Maior quarta-feira para o mês de setembro e para filmes de terror.

Quinta-feira, 14 de setembro: US$7.2 milhões (US$158.7 milhões total). Maior quinta-feira para um filme de terror e para o mês de setembro.

Mundialmente, o filme ultrapassa US$250 milhões de bilheteria.

A continuação de It: A Coisa ainda não tem data de lançamento, mas já confirmou o retorno do roteirista Gary Dauberman e do diretor Andy Muschietti.

 

FONTE: OBSERVATÓRIO DO CINEMA

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 16/09/2017 at 4:33 PM, Questão said:

Ué, mas os outros chegaram e o salvaram. A explicação é essa.

 Com certeza, estou teorizando. Mas o fato de os ataques mais violentos da criatura acontecerem nas proximidades desse ambiente, abre uma brecha pra essa interpretação. E sua derrota no final não contradiz isso, já que ali o grupo estava unido, e essa era a chave pra derrotar o Pennywise. Claro, eu também posso estar completamente errado.

 

  Pessoalmente eu já acho que acreditarmos que a ameaça pode se concretizar é muito mais importante do que concretizar a ameaça de fato. Claro, dependendo da situação, o impacto da morte de um personagem querido pode colaborar muito pra história, mas não acho que seja em todos os casos não. Mas acho que ai já é questão de opinião.

 

    Só uma duvida. Aquele que o Pennywise morde a cabeça no final, não é o garoto de óculos (o moleque piadista do STRANGER THINGS) e sim o filho do rabino que tinha medo do quadro do pai, certo?

 Mas concordo que esse poderia ter sido o momento de sacrificar um dos protagonistas.

 

  Acho que ai entra de novo aquela questão que disse acima. Nos fazer acreditar que a ameaça pode se concretizar é muito mais importante que concretiza-la de fato (e concretiza-la não é o único caminho pra nos fazer acreditar). Mal comparando, é como um truque de mágica. Ninguém acha realmente que o mágico vai cerrar a mulher em dois, ou que o mágico não vai sair do tanque de água, mas a construção do espetáculo deve nos fazer acreditar, mesmo que por alguns momentos, que essa possibilidade existe.

 Mas a questão dessa sequência da visita da casa é que ninguém ali podia morrer mesmo por várias razões. Primeiro, por que seria uma antecipação dramática no conflito do líder do grupo, o Bill. Toda a trama dele era uma metáfora sobre como parte de crescer e se tornar adulto é aceitar a realidade da morte. Tanto que depois dessa cena, ele briga com o moleque piadista por que ele diz que o irmão dele tá morto. Matar qualquer um dos losers ali concretizaria a realidade da morte, e resolveria a trama do Bill no meio do filme, prejudicando a progressão dramática. O Bill só podia aceitar a realidade da morte no final mesmo. Por isso, foi mais do que acertada a decisão do diretor de não matar ninguém nesse confronto, ao meu ver.

 Segundo, que matar um dos personagens ali significaria impor um trauma a essas crianças que poderia tornar inverossímil a união deles contra o Pennywise no final. Afinal, o legal do filme é que o tempo todo, eles ainda agem como crianças (crianças muito corajosas, mas sem isso o filme não aconteceria). Uma morte no grupo nessa altura do filme quebraria essa dinâmica ao meu ver. Fora que o Eddie era muito divertido pra morrer tão cedo no filme:P

  

A ameaça só se torna ameaçadora se ela for real. Se vc já souber de ante mão que não vai acontecer nada, então você até late de volta Zoando o cachorro. 

 

E sim, concordo que a primeira reunião na casa abandonada uma morte ali iria por em cheque uma parte importante da metáfora, e da história, mas ele acabou perdendo a confiança minha com ralação a ser uma ameaça real. Talvez deixando um em coma de forma que o Bill ainda acreditasse que não havia um fim na morte, é podia até ser uma oportunidade de usar ela, a necessidade de se manter unido e sem medo pra que o Penny não tivesse força de matar de vez a criança em coma (poderia até fazer umas tomadas do penny atormentando a criança em coma nos sonhos).

 

E a criança que era pra ter morrido mesmo foi o rabino, ali foi de fato broxante

Share this post


Link to post
Share on other sites

‘It – A Coisa’ se torna a 2ª maior bilheteria de todos os tempos para um filme de terror

Publicado em 18/09/2017 às 10:40 por Renato Marafon
COMPARTILHE!
 

Em apenas duas semanas, ‘It – A Coisa‘ já se tornou a segunda maior bilheteria de todos os tempos para um filme de terror nos EUA.

O filme arrecadou mais US$ 60 milhões em sua segunda semana, e já soma incríveis US$ 218,7 milhões em apenas 10 dias em cartaz.

A maior bilheteria de um filme de terror ainda pertence ao clássico ‘O Exorcista‘, que arrecadou US$ 232,9 milhões em 1974. Nos próximos dias, It deve ultrapassar esse valor.

1. O Exorcista (US$ 232,9 milhões)
2. It – A Coisa (US$ 218,7 milhões)
3. Corra! (US$ 175,4 milhões)
4. A Bruxa de Blair (US$ 140,5 milhões)
5. Invocação do Mal (US$ 137,4 milhões)
6. Atividade Paranormal (US$ 107,9 milhões)
7. Entrevista com o Vampiro (US$ 105,2 milhões)
8. Atividade Paranormal 3  (US$  104 milhões)
9. Pânico (US$ 103 milhões)
10. Invocação do Mal 2 (US$  102 milhões)

O terror já soma sensacionais US$ 218.7 milhões nos EUA e US$ 152.6 milhões no resto do mundo, totalizando US$ 371.3 milhões.

As maiores arrecadações de It foram no México (US$ 13.8 milhões), Reino Unido (US$ 8.2 milhões), Austrália (US$ 4 milhões) e Rússia (US$ 4 milhões).

No Brasil, o filme fez ótimos US$ 3.4 milhões.

 

FONTE: CINEPOP

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

It – A Coisa’ se torna a maior bilheteria de todos os tempos para um filme de terror

Publicado em 20/09/2017 às 14:54 por Diego Domingos
COMPARTILHE!
10

Em três semana, ‘It – A Coisa‘ já se tornou maior bilheteria de todos os tempos para um filme de terror nos EUA.

Em pouco menos de 15 dias em cartaz, a produção faturou US$ 228 milhões.

A quantia é menor do que os US$ 232,9 milhões de O Exorcista‘, de 1974, mas pela projeção, ‘It – A Coisa‘ ultrapassará o clássico de hoje para amanhã.

Vale lembrar que o terror ultrapassou ‘Invocação do Mal 2‘ e se tornou a maior abertura da história para um filme de terror no Brasil! ‘Invocação do Mal 2‘ atraiu 997.629 mil espectadores em seu fim de semana de estreia, enquanto  ‘IT – A Coisa‘ foi visto por 1.180.000 de pessoas.

 

FONTE: CINEPOP

Share this post


Link to post
Share on other sites

It: A Coisa | Ator mirim revela que filme quase teve um final um pouco diferente

POR
 PEDRO VIEIRA
 -
 20/09/2017
 
 
 
  
it-696x290.jpg Jaeden Lieberher em It: A Coisa
 

Ouça este conteúdo

 

 

 

0:00

00:54

 
 

ATENÇÃO, POSSÍVEIS SPOILERS 

?dc=5550003218;ord=1505957274231

Jaeden Lieberhe, o Bill de It: A Coisa, revelou em recente entrevista ao Heroic Hollywood que o longa-metragem de terror inicialmente iria ter um final um pouco diferente, com Bill enfrentando sozinho Pennywise.

“Eu tinha essa cena onde eu escalava aquela montanha no final. Eu ia atrás de Georgie, e na escalada da montanha enfrentava Pennywise sozinho e então eu dizia que não tinha medo dele, que nenhum dos perdedores tinha medo dele, e era assim que nós o derrotávamos” disse Lieberhe. “Era uma cena bastante difícil”.

A continuação de It: A Coisa ainda não tem data de lançamento, mas já confirmou o retorno do roteirista Gary Dauberman e do diretor Andy Muschietti, além do elenco infantil, que deve aparecer em flashbacks enquanto suas versões adultas voltam a enfrentar Pennywise.

 

FONTE: OBSERVATÓRIO DO CINEMA

 

Ficou melhor do jeito que foi pro cinema mesmo, creio eu.

Share this post


Link to post
Share on other sites

‘It – A Coisa’ continua a subir nas bilheterias, rumo aos US$500 milhões

Publicado em 24/09/2017 às 16:35 por Pablo R. Bazarello
COMPARTILHE!
 

A New Line Cinema, subsidiária da Warner, possui muitos motivos para comemorar neste verão norte-americano. O estúdio vem se mostrando a maior potência no terror mainstream na atualidade.

Não bastasse a franquia Invocação do Mal e seus derivados, como Annabelle 2, que aprendeu com os erros do primeiro, o estúdio possui uma nova galinha dos ovos de ouro para se orgulhar: It –A Coisa.

A obra baseada no livro de Stephen King quebrou recordes de bilheteria em sua estreia e agora se aproxima dos US$ 500 milhões ao redor do mundo, com menos de um mês em cartaz. O feito não é nada menos do que impressionante para um filme de terror.

Além disso, It se tornou a quinta maior bilheteria de 2017 nos EUA, atrás somente de A Bela e a Fera, Mulher Maravilha, Guardiões da Galáxia Vol 2 e Homem-Aranha: De Volta ao Lar, os quatro primeiros respectivamente.

 

FONTE: CINEPOP

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×