UA-130521384-1 Jump to content
Forum Cinema em Cena
Administrator

Código Da Vinci

Recommended Posts

Cite tais livros aqui para que possamos comparar!smiley2.gif

 "O Enigma da Pedra"

 "A Cura de Dr. Neruda Para o Mal"

 "O Insensível"

 "O Homem dos Dados"

 "Sidarta"

 "Conhecimento Proibido" (Não é romance' date=' mas uma coletânea de considerações a respeito do Conhecimento e o impacto moral em todas as esferas)

 "O Grande Mentecapto"    

 "Trilogia O Senhor dos Anéis"

 "Grande Sertão: Veredas"

 Só prá fazer pensar...smiley2.gif

[/quote']

Aff... Vc cita alguns livros que não há como fazer comparação.smiley11.gif Sem ofensas, vou descartar sua opnião. A não ser que vc me convença como SDA pode ser comparado a CdV, são dois estilos muito diferentes!smiley17.gif

Share this post


Link to post
Share on other sites

Cite tais livros aqui para que possamos comparar!smiley2.gif

 "O Enigma da Pedra"

 "A Cura de Dr. Neruda Para o Mal"

 "O Insensível"

 "O Homem dos Dados"

 "Sidarta"

 "Conhecimento Proibido" (Não é romance' date=' mas uma coletânea de considerações a respeito do Conhecimento e o impacto moral em todas as esferas)

 "O Grande Mentecapto"    

 "Trilogia O Senhor dos Anéis"

 "Grande Sertão: Veredas"

 Só prá fazer pensar...smiley2.gif

[/quote']

Aff... Vc cita alguns livros que não há como fazer comparação.smiley11.gif Sem ofensas, vou descartar sua opnião. A não ser que vc me convença como SDA pode ser comparado a CdV, são dois estilos muito diferentes!smiley17.gif

 Poderia citar o porquê? Conhece algum dos livros mencionados, excetuando-se a trilogia SDA? No mais, fique à vontade. Mas parece-me que ao fazê-lo sem argumentar, você só demonstra que sequer entendeu meu post. Senão, vejamos:

 Definitivamente' date=' não vi o porquê de todo o "frisson" em torno deste livro... Existem livros 1000 vezes mais bem escritos e com estórias mais envolventes.[/quote']

 Eu disse que os livros versavam sobre o mesmo assunto? Possuiam a mesma estrutura narrativa? Acho que não... Só os achei 1000 vezes melhores.

 E outra: não quero te convencer de nada. Só expressei minha opinião atendendo um pedido seu.smiley2.gif   

Share this post


Link to post
Share on other sites

Cite tais livros aqui para que possamos comparar!smiley2.gif

 "O Enigma da Pedra"

 "A Cura de Dr. Neruda Para o Mal"

 "O Insensível"

 "O Homem dos Dados"

 "Sidarta"

 "Conhecimento Proibido" (Não é romance' date=' mas uma coletânea de considerações a respeito do Conhecimento e o impacto moral em todas as esferas)

 "O Grande Mentecapto"    

 "Trilogia O Senhor dos Anéis"

 "Grande Sertão: Veredas"

 Só prá fazer pensar...smiley2.gif

[/quote']

Aff... Vc cita alguns livros que não há como fazer comparação.smiley11.gif Sem ofensas, vou descartar sua opnião. A não ser que vc me convença como SDA pode ser comparado a CdV, são dois estilos muito diferentes!smiley17.gif

 Poderia citar o porquê? Conhece algum dos livros mencionados, excetuando-se a trilogia SDA? No mais, fique à vontade. Mas parece-me que ao fazê-lo sem argumentar, você só demonstra que sequer entendeu meu post. Senão, vejamos:

 Definitivamente' date=' não vi o porquê de todo o "frisson" em torno deste livro... Existem livros 1000 vezes mais bem escritos e com estórias mais envolventes.[/quote']

 Eu disse que os livros versavam sobre o mesmo assunto? Possuiam a mesma estrutura narrativa? Acho que não... Só os achei 1000 vezes melhores.

 E outra: não quero te convencer de nada. Só expressei minha opinião atendendo um pedido seu.smiley2.gif   

mmmmmff... Tratando-se de estórias envolventes, CdV é muito inteligente dentro do seu gênero... Mas pelo jeito vc tem suas prefências para outros, né?!

Pelo jeito, gostas de ficção bem fantasiosa, eu tbm acho as mesmas muito charmosas... Amo os escritos de Tolkien. Nesse ambito recomendaria que vc ler Eragon, se não o fez ainda...smiley2.gif

Share this post


Link to post
Share on other sites

(...) Entretanto' date=' a linguagem (não sei se culpa da tradução...) é rasteira e pobre. No geral, nota 7,5.

 

Definitivamente, não vi o porquê de todo o "frisson" em torno desse livro... Existem livros 1000 vezes mais bem escritos e com estórias mais envolventes.

 

 

 

     

[/quote']

 

 

 

Concordo com Você. Sem dúvida que as pessoas podem achar a história empolgante, visto que Dan Brown domina a técnica do folhetim, em que um capítulo chama o seguinte, deixando o leitor à espera, tenso e preso à trama, nela enredado. Com efeito, ele achou uma fórmula de contar uma história, cativando seus fãs, e não vai abandonar isso tão cedo. Bem se vê que Dan Brown seria um bom novelista da Globo...

 

Mas - aí está o ponto -, o seu estilo, a sua escrita propriamente dita, a linguagem, em suma, como você definiu, é banal, pobre, insossa. Não há arte alguma em quanto escreve. Não é problema da tradução. Basta ler os outros livros dele, com tradutores diferentes. Seu estilo literário é realmente medíocre.

 

 

 

Só para comparar, e ao mesmo tempo citar um escritor do qual se pode afirmar possuir um estilo, único e facilmente identificável, posto aqui um passo do célebre capítulo do Delírio, do mestre Machado de Assis, cujas páginas, das melhores escritas na língua portuguesa, outro gênio da língua, Eça de Queiroz, sabia de cor. Quem quer que passar os olhos neste tópico, faça o favor de ler umas duas vezes o trecho abaixo; se depois da leitura não ficar idéia alguma do que seja estilo, pode-se afirmar, sem medo de errar, que a Literatura e você não foram ainda apresentados. "Muito prazer", diria ela então. Veja:

 

 

 

"Isso dizendo, arrebatou-me ao alto de uma montanha. Inclinei os olhos a uma das vertentes, e contemplei, durante um tempo largo, ao longe, através de um nevoeiro, uma coisa única. Imagina tu, leitor, uma redução dos séculos, e um desfilar de todos eles, as raças todas, todas as paixões, o tumulto dos impérios, a guerra dos apetites e dos ódios, a destruição recíproca dos seres e das coisas. Tal era o espetáculo. A história dos homens e da terra tinha assim uma intensidade que lhe não podiam dar nem a imaginação nem a ciência, porque a ciência é mais lenta e a imaginação mais vaga, enquanto o que eu ali via era a condensação viva de todos os tempos. Para descrevê-la seria preciso fixar o relâmpago. Os séculos desfilavam num turbilhão, e, não obstante, porque os olhos do delírio são outros, eu via tudo o que passava diante de mim, — flagelos e delícias,— desde essa coisa que se chama glória até essa outra que se chama miséria, e via o amor multiplicando a miséria, e via a miséria agravando a debilidade. Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelado e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, — nada menos do que a quimera da felicidade, — ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se como uma ilusão."J. de Silentio2006-3-2 11:58:23

Share this post


Link to post
Share on other sites

 J. de Silentio, andas sumido, heim!? Mas, li sua MP e não só entendi os motivos, como aguardo seus comentários adicionais aos meus "posts" sobre o que nomeei de "O Paradoxo" (tópico da Subjetividade x Objetividade).

 Talvez seja chamado de herege, indiscreto ou vulgar, mas ao reler esta demonstração de talento e genialidade do nosso caro Machado de Assis, só consegui, ao final, pensar numa frase parafraseando a justificativa de Millôr Fernandes no texto "Palavrão-Uma Terapia": P*** que pariu!!! smiley32.gif smiley32.gif

 Comparar Dan Brown's e Paulo Coelho's da vida com textos desta estirpe é covardia... smiley36.gif

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Qual a diferença entre linguagem simples e mediocre?smiley5.gif Pois eu não julgo muito, Dan Brown por isso,  conto apenas com a genialidade da narrativa e seu desenvolvimento.

Ah, não compare com noveas globais! Acredite, elas são muito, muito mais pobres de infomação do que um flashback de Robert Langdon!smiley2.gif

Adoro o humor refinado de Machado de Assis, o linguajar rebuscado e tals. Considero o cara um gênio da literatura brasileira, tanto que minha leitura Prefeirda é o conto "O Alienista" que acho hilário!smiley36.gif 

Existem diversos níveis de linguagem, assim como culturas diferentes, e creio que comparar uma coisa com outra e declamar uma superior é burrice. Já que não deve-se fazer isso... O romance de Dan Brown e diferente de Christopher Paolini, como difere de José de Alencar ou Machado de Assis... Porque são estilos diferentes, linguagens diferentes; não porque um é melhor que o outro.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não sei se você se dá conta do que diz, pois sabemos que há quem não saiba o que faz, mas o que fica tácito naquilo que você declara outra coisa não é que a apologia da mediocridade.

 

 

 

Se nos é vedado declarar que algo ou alguém é superior a outro ou a alguma coisa, quem mais, senão unicamente, se beneficia disso é o medíocre, que ficará ao lado da estante junto com os gênios, seus pares.

 

 

 

A linguagem do Lordshake é diferente da prosa do Marcel Proust; ambos têm um "estilo" diverso (uso um exemplo extremo para demonstrar a natureza do seu absurdo); nem por isso, abster-me-ei em considerar a primeira um caso de analfabetismo, bem como a segunda uma nobre ilustração da capacidade humana de, a partir dos fatos simples da existência, sublimá-los e transformá-los em Arte, captando a natureza do Amor, as sutilezas do Ciúme, a cor indefinível, iridescente, da asa de uma borboleta, o gosto pleno de memória da madeleine, o Tempo perdido recuperado, em suma, a essência, oculta e efêmera, que subjaz à realidade, e que só o talento de um verdadeiro escritor, de um verdadeiro músico etc., é capaz de revelar para nós outros.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não sei se você se dá conta do que diz' date=' pois sabemos que há quem não saiba o que faz, mas o que fica tácito naquilo que você declara outra coisa não é que a apologia da mediocridade.

Se nos é vedado declarar que algo ou alguém é superior a outro ou a alguma coisa, quem mais, senão unicamente, se beneficia disso é o medíocre, que ficará ao lado da estante junto com os gênios, seus pares.

[/quote']

Juro... Ainda não veio-me aos neurônios a compreensão exata de suas palavras acima!smiley5.gif Explicite onde exatamente está o meu equívoco, por favor. Talvez aí eu encontre-me.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Existem diversos níveis de linguagem' date=' assim como culturas diferentes, e creio que comparar uma coisa com outra e declamar uma superior é burrice. [/quote']

 

Se "comparar uma coisa com outra e declamar (sic) uma superior é burrice", então o Minha Vida, do Hitler, vale tanto quanto, nem mais nem menos, A Odisséia. O texto de um simpatizante semi-analfabeto do anti-semitismo equivale ao de Louis Ferdinand Céline, que por sua vez tem o mesmíssimo valor de Shakespeare e de Paulo Coelho, todos iguais, nivelados por baixo...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Existem diversos níveis de linguagem' date=' assim como culturas diferentes, e creio que comparar uma coisa com outra e declamar uma superior é burrice. [/quote']
Se "comparar uma coisa com outra e declamar (sic) uma superior é burrice", então o Minha Vida, do Hitler, vale tanto quanto, nem mais nem menos, A Odisséia. O texto de um simpatizante semi-analfabeto do anti-semitismo equivale ao de Louis Ferdinand Céline, que por sua vez tem o mesmíssimo valor de Shakespeare e de Paulo Coelho, todos iguais, nivelados por baixo...

Eu não disse que as obras seriam então equivalentes... Apenas diferentes! Singulares, conforme seu estilo, seu intento e abordagem.smiley2.gif

Share this post


Link to post
Share on other sites

Existem diversos níveis de linguagem' date=' assim como culturas diferentes, e creio que comparar uma coisa com outra e declamar uma superior é burrice. [/quote'] Se "comparar uma coisa com outra e declamar (sic) uma superior é burrice", então o Minha Vida, do Hitler, vale tanto quanto, nem mais nem menos, A Odisséia. O texto de um simpatizante semi-analfabeto do anti-semitismo equivale ao de Louis Ferdinand Céline, que por sua vez tem o mesmíssimo valor de Shakespeare e de Paulo Coelho, todos iguais, nivelados por baixo...

 

Eu não disse que as obras seriam então equivalentes... Apenas diferentes! Singulares, conforme seu estilo, seu intento e abordagem.smiley2.gif

 

Mas apenas e tão-somente chegamos à conclusão de que as obras são diferentes, singulares etc., se as comparamos dentro de um mesmo esquema mental e de valores... Ou isso, a especificidade da obra, vem descrito na orelha do livro, como os componentes de um remédio?

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Existem diversos níveis de linguagem' date=' assim como culturas diferentes, e creio que comparar uma coisa com outra e declamar uma superior é burrice. [/quote'] Se "comparar uma coisa com outra e declamar (sic) uma superior é burrice", então o Minha Vida, do Hitler, vale tanto quanto, nem mais nem menos, A Odisséia. O texto de um simpatizante semi-analfabeto do anti-semitismo equivale ao de Louis Ferdinand Céline, que por sua vez tem o mesmíssimo valor de Shakespeare e de Paulo Coelho, todos iguais, nivelados por baixo...

Eu não disse que as obras seriam então equivalentes... Apenas diferentes! Singulares, conforme seu estilo, seu intento e abordagem.smiley2.gif


Mas apenas e tão-somente chegamos à conclusão de que as obras são diferentes, singulares etc., se as comparamos dentro de um mesmo esquema mental e de valores... Ou isso, a especificidade da obra, vem descrito na orelha do livro, como os componentes de um remédio?

Exato! É uma formal racional de ser crítico. Conforme as concepções "a beleza está nos olhos de que vê" e "gosto é que nem cu, cada um tem o seu".smiley36.gif

Share this post


Link to post
Share on other sites

Li o livro em apenas 4 dias. É uma das "vantagens" de se estar desempregado. smiley17.gif Mas não tiro o mérito da empolgante obra que me deixou algumas madrugadas agarrado ao livro, sem querer parar de ler. smiley2.gif Se alguém pretende comprar o livro, sugiro a edição especial ilustrada. É mais cara, mas vale cada centavo. Eu não conseguiria visualizar sozinho todos aqueles lugares e obras de artes citados na estória.

Achei o livro excelente! Com apenas duas ressalvas:

SPOILER ABAIXO!!!!!

1) O clichê do vilão que, apontando uma arma para o herói, conta todo o seu plano diabólico.

2) O fato de que Dan Brown acumulou muitos mistérios ao longo da obra e ao invés de revelá-los ao longo da mesma, reteve tudo até ao final, bombardeando o leitor com uma série de revelações e explicações nas páginas finais.

FIM DO SPOILER!!!!

O bom foi poder ler o livro já tendo em mente os rostos dos personagens (Hanks, McKellen, Reno, etc) smiley1.gif Ah!!  E mérito para mim, que descobri a última senha do críptex antes de Langdon!!! smiley9.gif

LIVRO X FILME:

Me preocupo com o roteiro do filme, pois é bastante complicado conciliar de forma plausível na tela, a estória principal com os vários "flashbacks" que têm no livro, mostrando a infância de Sophie e as palestras de Langdon e as curiosidades que ele expõe nessas palestras. Sem falar nas explicações finais do livro, que como eu já disse, são "jogadas" de uma só vez em cima do leitor.

Curiosidade (SPOILER!!!!!):

No trailer do filme, na hora em que Langdon arremessa o Críptex para cima, o que vemos é o crítptex branco !!!!(meio creme na verdade) Será que pra simplificar a estória, vão omitir no filme a existência do críptex preto???? smiley5.gif

Share this post


Link to post
Share on other sites

Li o livro em apenas 4 dias. É uma das "vantagens" de se estar desempregado. smiley17.gif Mas não tiro o mérito da empolgante obra que me deixou algumas madrugadas agarrado ao livro' date=' sem querer parar de ler. smiley2.gif Se alguém pretende comprar o livro, sugiro a edição especial ilustrada. É mais cara, mas vale cada centavo. Eu não conseguiria visualizar sozinho todos aqueles lugares e obras de artes citados na estória.

Achei o livro excelente! Com apenas duas ressalvas:

 

[/quote']

 

Tb fiquei agarrada ao livro quando o li!

Minha amiga tem a versão ilustrada e tb achei bem melhor.

Eu só consegui visualizar tudo melhor pq já estive na França...

E as cenas do museu eu consegui encaixar perfeitamente =)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×