Jump to content
Forum Cinema em Cena
Sign in to follow this  
Jailcante

Halloween (2018)

Recommended Posts

'Halloween': Jamie Lee Curtis revela o motivo de ter retornado à franquia

Publicado em 16/06/2018 às 00:31 por Nefferson Taveira

Em entrevista ao Bloody Disgusting, Jamie Lee Curtis falou sobre sua participação na franquia e também sobre o motivo de ter aceitado retornar no novo filme. Confira:

"Eu fiz 'Halloween 2' porque continuava logo após o original, naquela versão da timeline, e senti que devia isso aos fãs do primeiro filme. A razão por eu não ter retornado depois é porque eu estava fazendo outras coisas. Então eu esqueci a franquia por um longe tempo até H20. [...] A ideia de H20 era contar uma história completa. A forma como eu queria terminar aquele filme foi a forma que nós o terminamos. Eu queria um desfecho completo."

Curtis confirma que retornou para 'Halloween: Ressurreição' pelo mesmo motivo: dar um desfecho para sua personagem em homenagem aos fãs, podendo assim, se afastar de vez da franquia. No entanto, a atriz revelou que não pode resistir ao conceito de David Gordon Green.

"Eles começaram a falar sobre o projeto, e eu disse 'não, não, apenas mande o roteiro para mim'. Eu li e achei muito inteligente, uma referência moderna de 'Halloween'. É um ângulo muito interessante porque faz referência ao original de todas as maneiras, estilisticamente, visualmente, emocionalmente; segue temas muito similares, mas consegue ter sua própria identidade, então é uma mistura muito inteligente do primeiro filme com uma re-imaginação, como uma sequência direta. Quando vocês verem o que eles criaram, vão ficar muito impressionados. É muito moderno e, ainda assim, um filme muito verdadeiro.

 

 

FONTE: CINEPPOP

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 Os caras já tão de olho no futuro. Não são bobos não.

 

'Halloween': Danny McBride e David Gordon Green querem fazer uma sequência para o reboot

Publicado em 11/06/2018 às 18:55 por Nefferson Taveira

Apesar do novo filme da franquia 'Halloween', que será uma sequência direta do original e irá ignorar todas as sequências, estar sendo promovido como o "confronto final" entre a Laurie Strode e o Michael Myers, os roteiristas David Gordon Green e Danny McBride conversaram com EWsobre uma possível sequência.

"Nós iriamos filmar dois filmes simultaneamente. Então ficamos tipo: Bem, não vamos nos antecipar. O filme pode ser lançado e todo mundo odiá-lo, e então nunca mais conseguiríamos trabalho. Não vamos ter que sentar por um ano enquanto esperamos o lançamento de outro filme que sabemos que as pessoas não vão gostar. Então, nós pensamos: vamos aprender com isso e ver o que funciona e o que não funciona. "

Eles completam, "Mas nós definitivamente temos uma ideia de qual direção seguir, e esperamos ter a chance de desenvolvê-la."

 

FONTE: CINEPOP

Share this post


Link to post
Share on other sites

Halloween | Michael Myers é o destaque na nova foto divulgada

POR
 CLÁUDIO GABRIEL
 -
 13/07/2018

O site Entertainment Weekly revelou mais uma imagem do filme Halloween, sequência do original da década de 70. Veja abaixo.

 

Nessa nova foto, o visual do grande vilão e personagem dessa história, Michael Myers, é visto por completo.

O diretor do longa ainda comentou com o EW que essa nova obra não renega as outras continuações da franquia:

“Este filme não é de reconhecer qualquer outro filme além do Halloween original, mas nós gostamos muito dos outros filmes e há muitos slogans muito sutis para uma série de coisas que eu acho que os grandes fãs da saga – e as pessoas que conhecem os filmes a distância – vão se divertir, espero.”

hw_2167523176318819239032.jpg

FONTE: OBSERVATÓRIO DO CINEMA

Share this post


Link to post
Share on other sites

Halloween | Produtor quer participação de William Shatner em novo filme

POR
 LUCAS NASCIMENTO
 -
 03/08/2018
 

Os fãs da franquia Halloween sabem que a máscara do assassino Michael Myersnão é um mero genérico.

 

Na verdade, John Carpenter e sua equipe usaram uma máscara do capitão James Kirk, da série original de Star Trek, para cobrir o rosto de Nick Castle durante as filmagens do clássico de 1978.

Agora, o produtor Malek Akkad diz que gostaria que seu intérprete, William Shatner, fechasse o círculo e fizesse uma participação no novo filme de David Gordon Green.

>> CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

“Eu acho que ele tem ciência disso. Nós temos uma das impressões originais do Shatner no nosso escritório em Los Angeles, então obviamente somos gratos a ele, e nós o convidamos para fazer uma aparição. Sabemos que ele é ocupadíssimo com coisas de Star Trek… Mas nunca se sabe”, diz Akkad.

Halloween | Novo filme não aconteceria sem a bênção de John Carpenter

O novo Halloween é ambientado 40 anos após o clássico de John Carpenter, trazendo Jamie Lee Curtis, Nick Castle, Judy Greer e Miles Robbins no elenco central. Green dirige o filme e escreve o roteiro ao lado do comediante Danny McBride, além de ter produção do renomado Jason Blum e trilha sonoral original de Carpenter.

Halloween estreia nos cinemas brasileiros em 18 de outubro.

 

FONTE: OBSERVATÓRIO DO CINEMA

Share this post


Link to post
Share on other sites

Halloween | Diretor revela que Michael Myers continua sendo a essência do mal

 
 
00


Em uma recente entrevista ao L.A Times, o cineasta David Gordon Green (Profissionais da Crise), revelou que a personalidade do vilão Michael Myers não mudou no novo filme da franquia Halloween

"Ele não evoluiu como personagem de nenhum jeito ou forma: ele é a essência do mal. Ele não tem caráter. Ele não tem personalidade. Ele não tem interesses. Ele nunca teve. Ele é alguém que avança e reage ao mundo que está ao seu redor, mas sem nenhuma consciência objetiva. E como o mundo reage ao comportamento dele é onde a história nasce.", contou Gordon Green.

Uma equipe de documentários britânica viaja aos Estados Undos para visitar Michael na prisão, para uma retrospectiva sobre a noite de terror, mas seu projeto entra em caos e se torna mais interessante quando Michael escapa da custódia, recupera sua antiga máscara e busca vingança de Laurie (Jamie Lee Curtis), naturalmente fazendo outras vítimas em seu caminho. Nas décadas seguintes da trágica noite de Halloween que mudaram para sempre a vida da ex-babá, Laurie se armou e preparou para o inevitável retorno de Michael, para o detrimento de sua família, incluindo sua filha Karen (Judy Greer) e neta Allyson (Andi Matichak).

No elenco ainda estão Judy Greer, Virginia Gardner, Miles Robbins, Will Patton, Toby Huss, Nick Castle, Andi Matichak e Omar J. Dorsey.

Halloween estreia em 19 de outubro de 2018.

 

FONTE: PREMIEREONLINE

Share this post


Link to post
Share on other sites

Divulgada a lindona faixa "The Shape Returns". Carpenter não perdeu o seu toque nas trilhas.

 

 

Halloween | Liberada primeira faixa completa da trilha sonora do novo filme

John Carpenter, compositor e diretor do filme de 1978, retorna como músico e consultor criativo da produção.

 

A Sacred Bones Records divulgou uma canção como prévia do lançamento da trilha sonora do vindouro “Halloween”. Intitulada “The Shape Returns“, a composição faz referência ao personagem Michael Myers, também conhecido por The Shape. Escute abaixo:

A nova trilha homenageia a sonoridade clássica de “Halloween“, reforçada pelo retorno de seu compositor original, John Carpenter (“O Hospício“). Colaboraram também seu filho, Cody Carpenter (“Love“) e Daniel Davies (“Vampiros de John Carpenter“), com quem John já trabalhou anteriormente.

Foi noticiado (via ComingSoon) que várias novas versões do icônico tema principal servem como o pulso do filme que está para ser lançado. O restante da trilha, igualmente cativante, incorpora sintetizadores atmosféricos a estranhas peças de piano e percussão eletrônica. Dessa forma, preserva o espírito musical do original, ao mesmo tempo em que inova.

Inspirado pelo clássico de Carpenter, o diretor do novo filme, David Gordon Green (“An Evening with Beverly Luff Linn“), optou por contar sua própria história, que será uma continuação direta do original de 1978, ignorando todas as sequências. No entanto, Green afirmou que o filme quase começou com uma recriação do final do original. Foi o próprio John Carpenter quem o convenceu de que isso não era necessário (via Bloody Disgusting😞

“Mesmo com o novo roteiro indo para a produção, nós estávamos cogitando refilmar o final do filme original de uma perspectiva diferente. Houveram conversas sobre a utilização de imagens do filme original e alterá-lo digitalmente. Tudo isso começa a custar dinheiro e quando você olha para o que estamos tentando fazer, se pergunta se precisa realmente da mesma configuração. Ao final do dia, era Carpenter quem me acalmava durante as filmagens. Entendi então que as pessoas podiam deduzir sozinhas o que estava acontecendo e de onde estávamos vindo.”

 

FONTE: CINEMA COM RAPADURA

Share this post


Link to post
Share on other sites

'Halloween': Jamie Lee Curtis está pronta para se defender em capa de revista

Por Thiago Muniz 
Publicado em 27/09/2018 às 13:34
 
COMPARTILHE!
 

A EW divulgou a capa de sua nova edição, que destaca o lançamento de 'Halloween', mostrando Jamie Lee Curtis pronta para se defender. Confira:

halloween1-768x1024.jpg

A nova produção é uma parceria da Blumhouse Productions e a Miramax, e tem estreia prevista para 25 de outubro de 2018.

Recentemente, o órgão de classificação indicativa americano classificou o filme como sendo para maiores de 18 anos, por conter "violência e imagens sanguinárias, linguagem ofensiva, uso de drogas e nudez".

 

FONTE: CINEPOP

Share this post


Link to post
Share on other sites

critica

legiao_IMyGcN5E9nlYgd2Ua_BkJxATq3ezhFL4Qm01ZC7KwP.jpg

Um dos maiores problemas que o horror enfrentou nos cinemas, desde os anos 80, foi a expansão das franquias. O que antes eram obras excelentes e intocáveis, como o primeiro A Hora do Pesadelo, O Exorcista e Poltergeist, logo se transformaram em séries contínuas, com filmes cada vez mais decadentes e desinteressantes.
Por sorte, o novo Halloween sabe cortar o mal pela raiz: aqui, temos uma espécie de "retcon" da série de filmes, o que significa que qualquer coisa feita após o filme original de 1978, sejam as sequências ou os reboots, é sumariamente ignorado. E essa é a melhor decisão possível, pois o longa de 2018 é o melhor sucessor já feito ao filme de John Carpenter.
A história do longa é simples: após seu frenesi assassino, em uma noite de Dia das Bruxas há quarenta anos, Michael Myers finalmente se livra da prisão. E então, ele sente a necessidade de ir atrás da única sobrevivente de seu ataque: Laurie Strode. Felizmente, ela está mais preparada do que nunca para enfrentar esse psicopata diabólico.
O novo Halloween é um slasher clássico, em sua essência. Acompanhamos o assassino à solta, enquanto suas vítimas vão sendo reveladas aos poucos, todas com mortes brutais e violentas. No entanto, o que torna ele diferente de zilhões de filmes do mesmo subgênero é a construção de tensão e atmosfera, que nunca esteve tão sufocante.
Aqui, temos o retorno de Michael Myers à melhor maneira possível. Enquanto o ator James Jude Courtney oferece uma fisicalidade impressionante ao papel, é justamente Nick Castle - que interpretou o personagem no longa de 1978 - que traz vida a Myers, já que "dubla" a respiração pesada do vilão. E pode parecer besteira, mas faz uma grande diferença.
No entanto, quem está brilhando mais do que nunca é Jamie Lee Curtis no papel de Laurie Strode, a vítima original. A atriz entrega uma performance séria e que retrata todos os traumas deixados na sobrevivente. É possivelmente um dos melhores papéis em sua carreira, principalmente porque, dessa vez, ela também parte para a ação bruta.
Aliás, há toda uma construção muito interessante no que diz respeito aos paralelos entre os dois. De certa forma, ambos foram marcados pelos eventos retratados no primeiro filme. E enquanto Michael Myers se tornou uma criatura desesperada para reencontrar a "que escapou", Laurie também se tornou uma máquina de matar - embora não pratique isso prazerosamente.
É justamente essa dicotomia que torna os dois os arqui-inimigos mais impressionantes dentro de uma franquia de horror. O longa faz você sentir na pele o ódio e a repulsa que um sente pelo outro, enquanto os dois vão se tornando mais parecidos. Destaque para a "batalha final", que, apesar de curta, faz você sentir cada segundo da tensão.
Claro que os dois não são os únicos a ter espaço. Judy Greer está excelente, interpretando a filha de Laurie Strode. A atriz, geralmente conhecida pela comédia, entrega aqui um papel mais sério - e consegue trazer à vida uma mulher torturada pela sua infância, mas que cresceu preparada para o pior.
Além dela, temos destaque para Andy Matichak, que interpreta a neta de Laurie; Will Patton, no papel do Policial Hawkins; Rhian Rees, que vive uma jornalista e participa de uma das cenas mais tensas do longa. No geral, o filme é uma ode às scream queens (ou "rainhas do grito"), título que Lee Curtis assumiu com prazer. A diferença é que, aqui, as mulheres fazem bem mais do que gritar: elas também sabem se defender.
A direção de David Gordon Green é, em maior parte, excelente. O cineasta tem uma visão bem interessante e sua cadência da obra lembra muito a de John Carpenter no filme original, embora ele também demonstre sua identidade autoral aqui. Destaque para a fotografia de Michael Simmonds, com direito a um plano-sequência de cair o queixo.
No entanto, nem tudo são flores. E com isso, falo do roteiro. O texto foi escrito pelo diretor, em conjunto com Danny McBride (sim, ele mesmo) e Jeff Fradley. É, basicamente, um poço de exposição e frases de efeito baratas. Só nos primeiros trinta minutos de filme, a história do longa original já foi contada e recontada pelo menos umas três vezes.
Esse é um problema severo, que faz com que alguns personagens percam força. Por exemplo, mais de uma vez, vemos Jamie Lee Curtis falando frases altamente mecânicas, mas carregadas de várias frases de efeito genéricas. Em outra cena, temos Judy Greer contando para sua filha de como foi sua infância, de uma forma bizarramente inorgânica.
Ainda assim, você pode relevar pela construção de atmosfera - que realmente é genial. O maior elogio precisa ir para o brilhante uso de som contrastado com silêncio. Mais de uma vez, você vai se encontrar na beira da cadeira, esperando pelo pior - que você sabe que virá. E a trilha sonora, composta por John Carpenter, é um dos pontos altos. Além de atualizar o tema clássico, ela fica na cabeça por um bom tempo.
Em termos de narrativa, há também uma reviravolta que acontece antes do início do terceiro ato. É um plot twist simplório, bem previsível, e que não soa muito bem - mas logo se corrige quando Michael Myers volta a ter destaque. Não é nada muito abrupto, mas faz com que o filme perca o gás momentaneamente.
Ainda assim, a fluidez da história é essencial - e se mostra presente em boa parte do filme. Com 106 minutos de duração, e ação ao máximo, o filme passa num estalar de dedos, se mostrando uma experiência bem divertida e agradável. Mas não se engane, há um terror evidente aqui - e, mais uma vez, você vai acreditar que Myers é o bicho-papão.
Halloween voltou com tudo. E embora já existam discussões a respeito de uma possível continuação, o longa serve como uma conclusão muito satisfatória para o conflito entre Michael Myers e Laurie Strode. É uma história de ódio, vingança e medo, mas acima de tudo, é um slasher de primeira, que vaia gradar os fãs do gênero.
Apesar de algumas falhas no roteiro e na construção da narrativa, o filme com certeza vai conquistar os amantes do clássico de John Carpenter, ao mesmo tempo que prepara o terreno para uma nova legião de fãs. David Gordon Green conseguiu; ele fez a primeira continuação decente de Halloween, e lembraremos dela por um bom tempo.
Nota: 4/5

Share this post


Link to post
Share on other sites

Visto.

Olha curti muito, não. Como continuação de Halloween prefiro bem mais Halloween II (1981), Halloween 4 e H20. E como filme que recria o clima do primeiro Halloween, considero que o Halloween 4 fez isso bem melhor.

Esse é bom, tem muita coisa boa aqui e ali, só não é uma coca cola toda. Tem umas falhas que incomodam. Comento mais depois (com spoiler pq não consiguirei fugir deles).

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

SPOILERS MIL:

 

 

 

Sempre me perguntei porque esse Halloween não considerou o Halloween II (1981) em sua história, se focando em só em continuar a história do filme original de 1978. E vendo o filme, tive a resposta do porque isso ocorreu. Simplesmente, esse Halloween 2018 'rouba' o final do Halloween II. O jeito que derrotam (tentam derrotar) Michael Myers é similar ao do filme 1981. Laurie prende ele num lugar e explode tal local. Se tivessem considerado o segundo filme, ficaria estranho ela tentar derrotar ele de um jeito que já tinha ocorrido antes e que não deu certo. Mas vendo o filme, fiquei com a sensação de que o roteiro inicialmente considerava o segundo filme, mas por causa do 'final repetido', tiveram que retirar essa ligação, só que aí achei que o filme ficou com certos 'buracos'. Sei lá. Se tivessem considerado o segundo filme, daria pra 'arredondar' certas coisas aqui.

Tirando o segundo filme da equação, Michael e Laurie não tem ligação (não são mais irmãos, o filme deixa claro isso), então Michael aqui está livre para atacar. Saiu do hospício pra matar mais pessoas, não pra ir atrás de alguém. Isso de certa forma poderia dar certo, mas olhando somente o primeiro filme, Michael tinha sim 'alvos'. Mesmo desconsiderando uma ligação dele com a Laurie, ele ficou observando ela e as amigas pro um tempo, ele tinha colocado elas como alvos, e que iria atrás delas. Aqui, ele ataca a esmo quando chega na cidade. A primeira pessoa que ele vê dando sopa, ele vai lá e tchau. Isso tira uma característica que ele tinha em todos (ou quase todos) os filmes anteriores, que era de um assassino meio focado, meio calculista. Aqui, eu sinto ele perdido na cidade mesmo, como um louco qualquer. Não sei se isso funcionou pro bem, tirar esse foco dele e deixar ele simplesmente solto sem "uma meta". E essa falta de foco dele rola de forma estranha, já que em 2 casas, ele entra e já mata as pessoas lá dentro, sem muita concessões (mostrando ele como um assassino mais brutal, mais selvagem). Na terceira casa, ele é mais sorrateiro e se esconde, tem uma estratégia de ataque e tals. Ficou estranho (pra mim) essa mudança de comportamento nos ataques.

E sem ligação Michael-Laurie, o roteiro tem que inventar um novo jeito de fazer os 2 se juntarem pra batalha final. O material de divulgação (trailer e etc) deixava no ar que dessa vez seria a Laurie que iria atrás dele (para matá-lo de vez), o que seria um ótimo plot twist pra série/filme. Mas isso não rola muito bem, já que em determinado momento, Laurie vai pra casa dela e fica por lá esperando o Michael (com a neta dela perdida na cidade, porque é que ela faz isso? Não entendi). Mas porque o Michael iria pra lá? Acho que ele nem sabia onde a Laurie mora e o Michael em nenhum momento dá indício que iria pra lá, ou que estava atrás dela. Ele tava se divertindo a beça em Haddonfield matando o pessoal a esmo. Tiveram que inventar um médico louco no roteiro com um motivo mais louco pra levar o assassino pra perto dela e mover a ação pra casa da Laurie. 

Aliás, fazendo um aparte aqui pra falar desse médico: O filme tenta estabelecer ele como o 'novo Dr. Loomis', pra depois colocar esse plot twist que ele, na verdade, é do mal e só quer ver o circo pegar fogo. Mas, ao meu ver, seria muito melhor se tivessem dado essa função pro documentarista no início do filme que tinha obsessão com o caso Michael-Laurie. O documentarista tinha muito mais a vibe do Dr. Loomis, do que esse médico louco que cuidava do Michael. E se o plot twist tivesse sido com o documentarista 01) Faria mais sentido (pela obsessão dele de reviver o caso de 1978); 02) Surpreenderia mais já que ele pareceria muito mais do bem que o médico louco (o médico louco já parecia louco desde o começo). Mas enfim...

O filme, mesmo desconsiderando todas continuações, acaba fazendo referências a algumas delas. O Michael mata um mecânico numa oficina como rolou no Halloween 4, tem uma cena num banheiro público que me lembrou o H20; tem um guri usando uma máscara do Halloween III; e sem falar a várias referências ao Halloween II: Como o final 'roubado'; ou a cena envolvendo uma mulher cortando um sanduíche em casa e o Michael pegando a faca dela pra usar nos assassinatos; ou o atropelamento do Michael, similar ao atropelamento que rolou no Halloween II. Aliás, o Michael perdido na cidade matando todo mundo tem a vibe do começo do Halloween II mesmo, quando a policia tá atrás dele, e ele indo nas casas matando o pessoal.

Vou parando por aqui porque já escrevi muito., mas falaria outras coisas que sei lá, não funcionaram bem (pra mim).

Só que mesmo com defeitos que me incomodaram, o filme é dos bons da série, tem momentos ótimos e a Jamie Lee é sempre um prazer revê-la como Laurie. Filme tá bem longe de tralhas da série como os do Zumbie/Ressurrection/Halloween 6, mas é o mais fraco dentre os bons (acho que colocaria só na frente do Halloween III, mas atrás do 1, 2, 4 e H20).

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 4/3/2012 at 10:03 AM, Questão said:

 

 

  Pelo menos esta em melhores mãos do que se estivesse com o Zombie. A Platinum nunca tentou "explicar" o Freddy e o Jason como tentarão fazer com o Michael Myers. Freddy foi Freddy no remake e Jason foi Jason no reboot.

 

 

 

  Já o Michael virou uma cópia do Jason com a historia de mãmaezinha e tudo mais.

 

 

 

 O Lussier que se deu mal, hein? Primeiro perdeu o remake de Hellraiser e agora perdeu H3

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Chegou a época do ano que muitos fãs de terror estavam esperando Hoje é bom para assistir filme de terror como Ao Cair da Noite Ao Cair da Noite revela-se um estudo de nossa espécie, capaz de mostrar como cedemos ao nosso lado primitivo a qualquer sinal de desordem.  Eu estou grata com  HBO eles dizem as horas para assistir ao filme eu tive a oportunidade de assistir novamente. 😊 Ao cair da noite, antigão, mas ainda me dá medo do escuro  o mestre Stephen King declarou ser um dos filmes mais assustadores que ele já viu na vida. 🎃🎃👻👻

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 Filme visto no Halloween. Olha, minhas impressões desse novo filme é bem parecida com a do JAILCANTE. Não é ruim, mas fiquei com a impressão que perderam a oportunidade de fazer algo bem melhor. O diretor David Gordon Green tem uma boa mão, e talvez seja um dos diretores mais virtuosos a passar pela série, a trilha do Carpenter é maravilhosa (e ouvi-la no cinema pela primeira vez foi especialmente emocionante) mas o roteiro tem uma série de problemas que o deixam bem longe de ser a melhor sequência da série, como algumas críticas tem apontado por ai.

 

On 10/30/2018 at 11:26 AM, Jailcante said:

SPOILERS MIL:

 

 

 

Sempre me perguntei porque esse Halloween não considerou o Halloween II (1981) em sua história, se focando em só em continuar a história do filme original de 1978. E vendo o filme, tive a resposta do porque isso ocorreu. Simplesmente, esse Halloween 2018 'rouba' o final do Halloween II. O jeito que derrotam (tentam derrotar) Michael Myers é similar ao do filme 1981. Laurie prende ele num lugar e explode tal local. Se tivessem considerado o segundo filme, ficaria estranho ela tentar derrotar ele de um jeito que já tinha ocorrido antes e que não deu certo. Mas vendo o filme, fiquei com a sensação de que o roteiro inicialmente considerava o segundo filme, mas por causa do 'final repetido', tiveram que retirar essa ligação, só que aí achei que o filme ficou com certos 'buracos'. Sei lá. Se tivessem considerado o segundo filme, daria pra 'arredondar' certas coisas aqui.

Tirando o segundo filme da equação, Michael e Laurie não tem ligação (não são mais irmãos, o filme deixa claro isso), então Michael aqui está livre para atacar. Saiu do hospício pra matar mais pessoas, não pra ir atrás de alguém. Isso de certa forma poderia dar certo, mas olhando somente o primeiro filme, Michael tinha sim 'alvos'. Mesmo desconsiderando uma ligação dele com a Laurie, ele ficou observando ela e as amigas pro um tempo, ele tinha colocado elas como alvos, e que iria atrás delas. Aqui, ele ataca a esmo quando chega na cidade. A primeira pessoa que ele vê dando sopa, ele vai lá e tchau. Isso tira uma característica que ele tinha em todos (ou quase todos) os filmes anteriores, que era de um assassino meio focado, meio calculista. Aqui, eu sinto ele perdido na cidade mesmo, como um louco qualquer. Não sei se isso funcionou pro bem, tirar esse foco dele e deixar ele simplesmente solto sem "uma meta". E essa falta de foco dele rola de forma estranha, já que em 2 casas, ele entra e já mata as pessoas lá dentro, sem muita concessões (mostrando ele como um assassino mais brutal, mais selvagem). Na terceira casa, ele é mais sorrateiro e se esconde, tem uma estratégia de ataque e tals. Ficou estranho (pra mim) essa mudança de comportamento nos ataques.

E sem ligação Michael-Laurie, o roteiro tem que inventar um novo jeito de fazer os 2 se juntarem pra batalha final. O material de divulgação (trailer e etc) deixava no ar que dessa vez seria a Laurie que iria atrás dele (para matá-lo de vez), o que seria um ótimo plot twist pra série/filme. Mas isso não rola muito bem, já que em determinado momento, Laurie vai pra casa dela e fica por lá esperando o Michael (com a neta dela perdida na cidade, porque é que ela faz isso? Não entendi). Mas porque o Michael iria pra lá? Acho que ele nem sabia onde a Laurie mora e o Michael em nenhum momento dá indício que iria pra lá, ou que estava atrás dela. Ele tava se divertindo a beça em Haddonfield matando o pessoal a esmo. Tiveram que inventar um médico louco no roteiro com um motivo mais louco pra levar o assassino pra perto dela e mover a ação pra casa da Laurie. 

 Isso me incomodou muito também. O filme bate o tempo todo na tecla que Michael e Laurie são figuras antagônicas, opostos, e da parte da Laurie, é verdade. Mas a gente nãosente isso vindo do Michael, como no H20, por exemplo. Aqui, o Michael parece matar de forma totalmente aleatória. A impressão que fica é que se o psiquiatra louco lá tivesse levado ele pra qualquer casa que não a da Laurie, ele ia entrar pra matar todo mundo de qualquer jeito. Não parece que a Laurie é especial pro Michael como em outros filmes da série, ou como a Jamie no HALLOWEEN 4.

  Tentaram transformar a Laurie no novo Loomis, e muitas vezes chegam perto disso, muito pela ótima atuação da Jamie Lee. Mas parece que se perdem no caminho. Senti falta também da Laurie ir arás do Michael, ainda mais sabendo que a neta dela tava na rua. Afinal, a filha dela tinha muito mais condições se defender, e sabia como operar a armadilha se o Michael aparecesse por lá. O tempo todo o texto também parece botar que o trauma da Laurie pode ter transformado ela em um monstro parecido com o Michael, coisa que alguns dos filmes antigos também fazia com o Michael/Loomis. A ideia da Laurie ficar tão obcecada com o Michael a ponto de arruinar a relação com a filha pra estarr pronto pra alguém como ele, e "rezar pra que ele escape pra poder mata-lo" é interessante, mas nem sempre o filme se compromete com isso.

 Achei também que tirando a própria Laurie, o filme não tem personagens legais. Os clichês do gênero são muito mal utilizados. Parece que não souberam trabalhar muito bem nem a filha da Laurie, nem a neta dela, e nem os amigos dela. Não vu nem comparar com o original, mas a galera do hospital no HALLOWEEN 2, ou a Rachel e os colegas dela no HALLOWEEN 4 são muito mais carismáticos. Acho que até a Laurie e as amigas dela no primeiro Halloween do Zombie eram mais carismáticos.

 O climax com a luta do Michael com a Laurie e a família dela, e todas as referências ao primeiro filme, e inversões (o Michael que se esconde no armário, a Laurie que cai da janela e some) são bem legais, mas o filme e o gancho que deixaram deixou o filme aberto demais. Entendi que o final mostrando o porão em chamas vazio remete ao final do primeiro filme, que é homenageado aqui, com o Loomis atirando no Michael, e ele indo olhar e ver que o Myers sumiu. Mas não funciono. No final do primeiro filme, ficava essa sensação de terror que o mal tinha escapado pra perseguir outra pessoa que nem fez com a Laurie. Mas aqui fica a impressão ruim que o Michael escapou em dois minutos da armadilha que a Laurie passou quarenta anos preparando.

 

E sim, a reviravolta do médico é bem inútil.

Apesar de tudo, o filme tem ótimos momentos, mas acabei não curtindo tanto.

 

Se rolar novo filme (e com o gancho e sucesso desse filme, quase certo que vai rolar) espero que caprichem mais com um roteiro mais redondo

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 Meu top Halloween ficou assim

 

1) HALLOWEEN (1978)

2) HALLOWEEN 4: O RETORNO DE MICHAEL MYERS 

3) HALLOWEEN 2: O PESADELO CONTINUA

4) HALLOWEEN H20

5)HALLOWEEN 3: A NOITE DAS BRUXAS

6)HALLOWEEN (2018)

7) HALLOWEEN (2007)

08) HALLOWEEN 5: A VINGANÇA DE MICHAEL MYERS

09) HALLOWEEN 6: A ULTIMA VINGANÇA

10) HALLOWEEN: RESSURREIÇÃO

11) HALLOWEEN 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu não amei o Halloween, acho que poderia ter sido melhor, nada parecido com o original. Também eu estou contente porque eu achei um filme que precisa de toda minha atenção Ao Cair Da Noite é uma história que vai crescendo todo o tempo. Quando eu olhei a programação de HBO eu não tive dúvida em assistir novamente. Eu recomendo 100%!

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 11/1/2018 at 8:45 PM, Questão said:

 

a trilha do Carpenter é maravilhosa (e ouvi-la no cinema pela primeira vez foi especialmente emocionante) 

Esqueci de falar da trilha do Carpenter e como é um sonho ouvi-la no cinema (ainda mais que esse foi o primeiro filme da série que vejo no cinema).

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

×