UA-130521384-1 Jump to content
Forum Cinema em Cena
Tensor

O Que Você Anda Vendo e Comentando?

Recommended Posts

Resultado de imagem para o intrépido general custer

 

 Totalmente impreciso como cinebiografia do General Custer, ícone da Guerra Civil americana e históricamente, mas o carisma de Errol Flynn como Custer conduz o fime nos fazendo esquecer disso. Arthur Kennedy também traz um vilão bem interessante, e tem até alguma consciência nos trechos "Western" para um filme da década de 40.  Em resumo, um bom entretenimento.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Muito bonito esse "Marjorie Prime". Consigo visualizar essa premissa tornar-se vida real em um futuro próximo.

Sei que muita gente desiste de ver pela lentidão dos primeiros 40 minutos, o que é uma pena pois o filme cresce bastante.

Geena Davis, Tim Robbins, e, principalmente, a veterana Lois Smith estão ótimos. Lembro-me da Lois arrasando em "Ressureição", de 1980, fazendo dupla com a sempre incrível Ellen Burstyn - o talento das duas desviando do caricato religioso daquele filme. Estamos em 2018, e as duas estão aí, oitentonas, trabalhando muito, e sempre excelentes. Cogitou-ser por muito tempo dar à Lois uma indicação ao Oscar em Atriz Coadjuvante por esta produção. Mas faltou barulho, não méritos.

Resultado de imagem para marjorie prime imagens

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

66de272117a763b49ef0bf2fa4575006.jpg

 

Jurassic World - Falling Kingdon - É um filme que tem a cara dos novos tempos e talvez por isso vá desagradar a alguns com seu viés politicamente correto, mas a seu favor, faz homenagens ao saudoso Jurassic Park do Spielberg difíceis de ignorar, coisa que seu antecessor Jurassic World estava devendo e isso para mim bastou. Reparem na cena de abertura e no discurso do Dr. Macolm (Jeff Goldblum) em aparição rápida mas certeira e o uso do mix de animatrônicos com cgi. Tem ainda a trilha épica do Giacchino que opta por não se apropriar de riffs da trilha de John Willians e dá o tom soturno necessário a algumas cenas. O diretor J. A. Bayona egresso do cinema de horror e pupilo de Del Toro, faz um filme onde o medo flerta o tempo todo com a aventura. Conselho? Não vá para a sessão de mau humor, se desarme e ponha um sorriso maroto no rosto que é muito provável que ele permaneça mesmo depois de subirem os créditos. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Esse é dos grandes...

Os minutos finais são fantásticos. Pra mim, o Curtis está ligeiramente melhor, mas o Poitier fez história, com a primeira indicação de um negro à Melhor Ator.

Amo as discussões sobre raça entre os dois personagens, por que ali nenhum precisa fazer média com o outro - estão equiparados, acorrentados. Assim como os Estados Unidos. Não dá pra soltar.

A registrar a cena de sexo que é calmamente desviada para a paisagem de árvores de uma janela. Por que registro isso? "Call me By Your Name". Vou começar a reparar nessas saídas.

Resultado de imagem para the defiant ones imagens

Share this post


Link to post
Share on other sites

"Spinning Man" é um thriller frouxo com jeitão de telefilme. O tema ja foi visto de forma muito melhor em "A Caça", e dá dó ver um baita elenco ser desperdiçado aqui. 7,5-10

Resultado de imagem para Spinning Man poster

 


"Ali´s Weeding" é uma simpática comédia romântica que sabe brincar sabiamente com os estereótipos, no caso, os árabes. Espécie de "Romeu e Julieta" islãmico e elenco carismático, é pedida fofuchis pruma matinê com a patroa. 8,5-10

Resultado de imagem para Ali's Wedding poster

 


"24 Hour to Live" é um thriller de ação divertidinho do naipe "John Wick" ou daqueles do Liam Neeson. Aqui o justiceiro grisalho é o canastra Ethan Hawke que desce o pau com ares de ficção cientifica. Filme B pra ver e esquecer. 8-10
Imagem relacionada

 

"Ghostland" é um terrorzão dos bons que dá uma renovada no "home invasion" por seguir uma estrutura similar ao penúltimo filme do diretor, "Martyrs". Barra pesada, o forte é seu forte elenco feminino e sua reviravolta na metade da fita.  9-10
Resultado de imagem para ghostland pascal laugier poster

 

"Rota de Fuga 2" é uma merda de sequência de acão pauleira...acredite! O primeiro ao menos tinha o carisma do Schwarrza mas este aqui nem o Bautista salva. Mal feito, confuso e má interpretado, parece que o Stallone fez no automâtico apenas pra atender o mercado asiático e streamming. Fuja. 3-10

Imagem relacionada

Share this post


Link to post
Share on other sites

Continuando com os filmes de 1958...

Vem esse "Auntie Mame", indicado a 6 Oscars, veículo para a Rosalind Russell brilhar e tentar ganhar sua estatueta que....Afinal, nunca chegou.

É uma comédia centrada em uma personagem excêntrica, mas que, depois de 20 minutos iniciais muito bons, desanda totalmente. A piada, única, seu jeito de ser, não sustenta 143 minutos.

Imagem relacionada

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Este tipo de filme já foi feito milhares de vezes, mas a direção classuda e a trilha sonora impecável aumentam o nível. Há também um subtexto religioso que enriquece a experiência. (Cotação=Bom). Visto no Now - Claro Vídeo. 

Resultado de imagem para end of affair

Share this post


Link to post
Share on other sites
4 hours ago, frossit said:

Este tipo de filme já foi feito milhares de vezes, mas a direção classuda e a trilha sonora impecável aumentam o nível. Há também um subtexto religioso que enriquece a experiência. (Cotação=Bom). Visto no Now - Claro Vídeo. 

Resultado de imagem para end of affair

Filmão. Considero a prece mais bonita do cinema, rivalizando com a de "Jhonny Belinda"

Share this post


Link to post
Share on other sites

Indicado a 9 estatuetas, ganhou todas. Apenas "Gigi" e "The Lord of The Rings: The Return of The King" conseguiram tal feito. Mas enquanto o último é uma obra-prima incontestável, "Gigi" tornou-se um saco de pancada. Tem machismo, tem canção pedófila, tem um brinde ao suícidio da primeira mulher que fizer isso por você...Ou seja, no plano do discurso esse filme do Vincente Minnelli envelheceu muito mal. Noto que foi um dos três projetos que ele realizou em 1958, mas resolveram premiá-lo por esta comédia musical em vez do drama "Deus Sabe Quanto Amei", que é muito mais filme. Vai entender...

Figurinos  de Cecil Beaton, que seria premiado mais uma vez por "My Fair Lady", figurinos que parecem um quadro de Renoir.

 

 

Resultado de imagem para gigi imagens filme 1958

Share this post


Link to post
Share on other sites

Continuando com os filmes de 1958...

Vem o sublime, fantástico, espetacular, "The Big Country", ou Da Terra Nascem os Homens.  É William Wyler, né, minha gente?! É só filmão! Ridiculamente indicado a apenas 2 Oscars, ganhou o de Ator Coadjuvante para o formidável ( ator preferido de meu pai) Burl Ives. A memorável trilha de Jerome Moross perdeu, mas, em compensação, tornou-se eterna, própria simbiose do Oeste americano. Os atores? Charlton Heston, Gregory Peck, Carrol Baker, Jean Simmons, Charles Bickford...Nossa! Que isso! Só lenda!  E o discurso do filme é o discurso da civilidade, da concórdia e da paz, refletindo, quero crer, a experiência marcante de Wyler após a Segunda Guerra.

Creio que as pessoas estavam um pouco saturadas de filmes de faroeste grandiosos, pois vinham de "Giant", "Rastros de ódio", etc, então para quê mais um filme de 166 minutos sobre aquele universo? Só a saturação pode explicar a ausência desse filme nas categorias principais.

Filmaço.

Imagem relacionada

Share this post


Link to post
Share on other sites

Dizem que Susan Hayward fez tanta campanha para que essa sua quinta e última indicação finalmente se convertesse em um Oscar que o título mudou de "Quero Viver!" para "Quero Vencer!". Fora isso, ela está es-pe-ta-cu-lar! A campanha deu certo e a estatueta veio. Ela dançando bêbada nesse filme é um deleite, um espetáculo. O roteiro do filme também é maravilhoso com frases que todo mundo que vive a noite intensamente entenderá: "Estou farta de buscar gelo de madrugada". Oh, tão eu em certas épocas...

A luta contra a pena de morte tem aqui um do seus primeiros e também um dos seus pontos mais altos.

Filmão.

 

Resultado de imagem para quero viver! filme imagens

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Indicado apenas ao Oscar de Melhor Diretor, essa obra de Mark Robson (indicado no ano anterior pelo excelente "Peyton Place) é inacreditável. Nos dias de hoje ganharia todos os prêmios. Imagine uma mulher salvar 100 crianças da guerra atravessando as montanhas da China?! Vida real, não é ficção. A gente chega ao final do filme se sentindo um nada. O filme é todo impressionante, uma coisa...

Performance maravilhosa da Ingrid Bergman, num ano em que ela se reconciliaria com Hollywood, a ponto de ser ela a entregar o prêmio de Melhor Filme. 

 

Resultado de imagem para a morada da sexta felicidade imagens

Share this post


Link to post
Share on other sites
22 hours ago, SergioBenatti said:

Dizem que Susan Hayward fez tanta campanha para que essa sua quinta e última indicação finalmente se convertesse em um Oscar que o título mudou de "Quero Viver!" para "Quero Vencer!". Fora isso, ela está es-pe-ta-cu-lar! A campanha deu certo e a estatueta veio. Ela dançando bêbada nesse filme é um deleite, um espetáculo. O roteiro do filme também é maravilhoso com frases que todo mundo que vive a noite intensamente entenderá: "Estou farta de buscar gelo de madrugada". Oh, tão eu em certas épocas...

A luta contra a pena de morte tem aqui um do seus primeiros e também um dos seus pontos mais altos.

Filmão.

 

Resultado de imagem para quero viver! filme imagens

 

 

Esse é otimo mesmo. E a agonia daqueles minutos finais (Segura a pena, libera a pena, segura a pena, libera a pena) é angustiante.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Fechando essa seleção com o maravilhoso "Gata em teto de Zinco Quente", seis indicações e saiu de mãos abanando do Oscar 1959...

Burl Ives e Judith Anderson estão excelentes, mas quando a gente pensa no filme só vem à mente esse casalzão dono da porra toda...

Não se faz mais astros como antigamente!

Sinceramente, acho a peça um pouco melhor, ela é mais clara a respeito da homossexualidade, não precisando de dedos ou subterfúgios.

O diretor, Richard Brooks, teve uma grande carreira, talvez seja lembrado por este filme, mas eu pessoalmente prefiro "Doce Pássaro da Juventude" (Paul Newman, Geraldine Page).

Fiquei uma semana fazendo essa retrospectiva de filmes de 1958, em função de um canal do Youtube chamado "Meu Tio Oscar", de um ex-leitor/participante do "Previsões Para O Oscar" aqui do site. É o Felipe Haurelhuk. O canal analisa a fundo vários filmes selecionados pelo Oscar em um determinado ano. Ocorre um debate mesmo, com outras pessoas que entendem do riscado, tudo muito bem filmado, com muito capricho. Vale a pena conhecer o canal. No próximo episódio, 1958.

Acho que o Felipe escolheu esse ano justamente para todo mundo chegar à mesma conclusão: "Com tanta coisa boa, ganha `Gigi`!!"

 Que mancada da Academia!

 

Cat on a Hot Tin Roof (1958)

Share this post


Link to post
Share on other sites

"Thoroughbreds" é um thriller indie sombrio porém bacaninha, que só peca pela lentidão em sua metragem. É um "Tragedy Girls"tocado de forma cerebral, séria e muito mais estilo, sem terrir. E  a Ana Taylor Joy aqui  repete seus outros trocentos papéis, o de doida varrida.  8,5-10

Resultado de imagem para Thoroughbreds Poster

 

 

"The Mercy" é um survival dramático interessante pela história mas sem muita emocão. Falta algo pra dar a liga neste filme com bons atores e bem produzido. Ainda quero ver essa história ser contada de forma decente. 7,5-10

Resultado de imagem para "The Mercy" James Marsh poster

 


"Josie" é um thriller indie interessante por parecer uma coisa mas não o é. Comeca feito "Lolita" mas a reviravolta final revela que não o é. Pronto, dei spoiler..kkk.. E a delicinha da Sansa ta uito bem no papel, melhor que a apagada Fenix de X-Men.  8,5-10

Resultado de imagem para Josie Poster Eric England poster

 


"They Remain" é uma scy-fy indie, bem curiosa, de proposta interessante mas enfadonha até o sabugo da unha. Fora a ausencia total de quimica dos protagonistas, eis um ótimo sonífero a quem precisar. 5-10
Resultado de imagem para They Remain Poster

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 Visto FUGITIVOS DO INFERNO

 

 Resultado de imagem para desperate journey 1942

 

  Na trama, a tripulação de um bombardeiro britânico é abatida em pleno solo alemão. Os cinco sobreviventes, liderados pelo Tenente Terrence Forbes (Errol Flynn) agora precisam cruzar a Alemanha nazista sem serem capturados, enquanto são caçados pelo sádico Major Otto Maumeister (Raymond Maussey), devido ao roubo de importantes planos nazistas..

  Dirigido por Raoul Walsh como parte do esforço de Hollywood de "filmes de propaganda" (a produção é de 1942) FUGITIVOS DO INFERNO revela-se uma boa aventura de ação para o período, fazendo valer a indicação ao Oscar de melhores efeitos visuais que levou (onde perdeu para VENDAVAL DE PAIXÕES, filme que não vi). Um dos grandes méritos do filme é a grande integração e química existente entre o seu elenco principal, que além de Flynn, conta ainda com Arthur Kennedy (repetindo a parceria de O INTÉRPRIDO GENERAL CUSTER) o futuro presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan e Alan Hale (o filme até se tornou um pouco polêmico retroativamente, já que a certa altura os personagens devem se disfarçar de nazistas, o que não pegou bem para Reagan quando ele se lançou em carreira politica)

 O filme ganha alguns pontos por não retratar todos os alemães como nazistas, mostrando que havia resistência interna dentro do regime de Hitler, resistência representada aqui pela enfermeira Kaethe Brahms (Nancy Coleman). Também é impressionante e louvável para a época que o filme evite transformar Kaethe em interesse amoroso de algum dos protagonistas, o que seria forçado. O filme pega apenas por não ter um roteiro muito redondo. Percebemos que os personagens podiam ter escapado da Alemanha bem mais rápido do que fazem, mas ficam entrando em "missões paralelas" que parecem estar ali apenas para esticar a duração do filme.

 Mas ainda assim, é um bom entretenimento, e um "filme de propaganda" que não fica refém de seu aspecto de propaganda a favor dos Aliados.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tá certo que tem Canastrice do Bem ! Tá certo que os vilões parecem saídos de um HQ de quinta categoria ! Mas temos que admirar a coragem de filmar a absoluta paranoia americana quando as coisas estavam absolutamente pegando fogo. Gosto bastante também do clima psicodélico de pesadelo. Cotação = Muito Bom. Assistido no Telecine Play. 

Resultado de imagem para sob o domínio do mal 1962

 

Achei levemente inferior ao original que me parece mais corajoso na retratação do soldado e das moradoras...talvez mais visceral seja o termo correto. Pode ser também uma diferença entre a sensibilidade feminina e a masculina dos anos 70. De todo modo, as duas fitas valem muito a pena. Cotação = bom. Visto no Now - Telecine.

 

Resultado de imagem para o estranho que nós amamos

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Incrível na parte técnica, na vocalização dos atores em tons quase melancólicos, e em sua direção mais uma vez alinhada ao centro; por sua vez tem - surpreendentemente - sua parte baixa na própria história, ao tentar ser metáfora social.

Grande trilha de Alexandre Desplat e grande Design de Produção de Adam Stockhausen. 

Um autor? Estilo e substância empurram-se mutuamente. Wes Anderson é um gênio.

Imagem relacionada

Share this post


Link to post
Share on other sites

O inocente aqui esperava um "Velvet Goldmine" - que é um dos meus filmes preferidos - e acabei vendo uma bobagem à la "The Rocky Horror Picture Show".

Gostei apenas dos figurinos da Sandy Powell ( mas que também não atingem aquele deslumbramento de "Velvet Goldmine") e da atuação do protagonista Alex Sharp.

Punks são alienígenas, estranhos, a parte que ficou presa na engrenagem social... Partindo dessa mesma premissa, talvez se pudesse atingir um resultado melhor de roteiro/ou texto. Não li o original.

John Camerom Mitchell já foi mais estranho com mais substância.

Resultado de imagem para how to talk to girls at parties

Share this post


Link to post
Share on other sites

Os últimos dois minutos trouxeram mais novidade do que os últimos 2 filmes somados. 

Em geral, gostei mais do que do último, mas ainda assim tenho ressalvas. A Fotografia é um pouco escura demais; os diálogos são bem ruins principalmente os concernentes aos vilões; e...ai..essa premissa de defesa dos "animais"...O resultado é o inverso do pretendido. Parece dizer: Cuidado, protetores de animais são pessoas tresloucadas!

Cena memorável do dinossauro solitário na ilha.

Resultado de imagem para reino ameaçado cartaz

Share this post


Link to post
Share on other sites

"Rampage" é um filme de destruicão em massa acerebrada que so encontra similar com "Transformers", só que ao invés de robôs são monstros gigantes. Mas neste aqui é mais entendivel e menos trêmulo. E só um tiquim mais divertido. 8,5-10

Resultado de imagem para Rampage poster

 


"Com Amor, Simon" divertida comédia romântica teen gay que parece ter sido feita pelo John Hughes. O carismático ator principal do titulo leva o filme nas costas facim, facim... 8,5-10

Resultado de imagem para Com Amor, Simon poster

 


"The Asrham" é daqueles dramas fantásticos que pegam vácuo da tendência new age de auto-ajuda, tipo um "A Cabana" indiano. Pior que apesar de não ser espetacuoso ele te arrebata pela temática. Pena que a precariedade da producão não colabore. 7,5--10

Resultado de imagem para The Asrham poster

 


"Jogador Número Um" é diversãozinha passageira com visu deslumbrante, nada mais. Na boa, fiquei procurando um enredo diferente que prestasse no meio de tanta referência oitentista. 8-10

Resultado de imagem para Jogador Número Um poster

 


"Little Forest" é uma producão coreana que faz da comida um personagem ativo e o elemento de coesão do trio prncipal. Fora as interpretacões metafóricas, é um filme igualmente delicioso e altamente recomendado. 9-10

Resultado de imagem para Little Forest Soonrye Yim poster

Share this post


Link to post
Share on other sites

Fruto de um livro que recebeu loas de parte da crítica americana, mas quando eu li foi uma decepção só, sendo, inclusive, o pior livro que eu li em 2017 , "Pássaros Amarelos", vinha ganhando certa atenção no ano passado também por que em tese poderia permitir uma indicação ao Oscar à Jennifer Aniston.  Eu sabia que isso jamais aconteria, pois a personagem era diminuta. Era só trabalho de Relações Públicas, mesmo.

Pois bem, fui ver a adaptação hoje, e, olha, o filme é melhor do que o livro. Me surpreendeu. As cenas de guerra são ótimas, a Jennifer está realmente bem,  assim como a Fotografia. Mas o filme não poderia contornar o grave problema do livro que é a completa falta de enredo. Não há conflito, não há história que sustente 90 minutos. É uma enorme lamentação nostálgica, que em literatura pode até funcionar, mas em cinema...Falta ação dramatúrgica! É um drama de guerra desossado de ação.

O diretor, Alexandre Moors, ainda fez muito. Poderia ter sido um curta! Ou então um clipe. Como o seu inigualável, fantástico, extraordinário, "I", de Kendrick Lamar. 

Resultado de imagem para the yellow birds cartaz movie

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sei que criticar obra prima pode ser uma heresia...mas vamos lá....

Claro que se trata de um filme fantástico, mas achei que algumas cenas não funcionaram, especialmente o alívio cômico e certos monólogos tão característicos do Bergman (parecem aqueles balões de pensamento de HQs...rs). Tirando isso há uma série de momentos memoráveis...o que mais me marcou foi a procissão...que coisa maravilhosa. A profundidade do filme também é admirável. (Cotação = Excelente).  Assistido no Telecine Cult. 

Resultado de imagem para setimo selo filme

Share this post


Link to post
Share on other sites
11 hours ago, frossit said:

Sei que criticar obra prima pode ser uma heresia...mas vamos lá....

Claro que se trata de um filme fantástico, mas achei que algumas cenas não funcionaram, especialmente o alívio cômico e certos monólogos tão característicos do Bergman (parecem aqueles balões de pensamento de HQs...rs). Tirando isso há uma série de momentos memoráveis...o que mais me marcou foi a procissão...que coisa maravilhosa. A profundidade do filme também é admirável. (Cotação = Excelente).  Assistido no Telecine Cult. 

Resultado de imagem para setimo selo filme

 

"_ Você vai interpretar a Alma Humana!"

"_ O pior papel de todos."

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×