Jump to content
Forum Cinema em Cena
joao_spider

X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido

Recommended Posts

Cir-El.. Singer tem um carinho especial pela franquia mutante e estou certo q irá buscar soluções razoaveis pros problemas encontrados e pela merda q o Ratner deixou em seu encalço. "First Class" ficou melhor q a encomenda, como frisou o Jail, agora resta ver como vao emendar td isso e torcer por um bom filme. Sou fã dos mutantes assim como vc é do Azulão, e poderia muto bem reclamar de antemão o fato de quem ta voltando no tempo ser o Wolvie e nao a Kitty Pride (conforme a HQ original em q o longa se baseia), mas e dai? Se resultar um bom filme e otimo entretenimento, ta maios no lucro. Não dá pra levar ao pé da letra uam franquia q já é um novelão com trocentos personagens, desdobramentos, mundos paralelos, etc.. Costurando as coisas de forma coerente e sensata, no celuloide, ja é um bom sinal. Resta saber se o Singer conseguirá esse feitio, juntar duas franquias. Essa é a pergunta. Mas "Avengers" provou q isso é possivel sim.

 

Concordo...em partes...rsrsrs...

 

Avengers não teve o pepino chamado X-Men 3 pra resolver...

 

E na verdade, antes de ser fã do Superman, lia muito mais X-Men na minha adolescência. Comecei a ler na fase Claremount e parei depois da Era do Apocalipse. Mas, sempre gostei e já li bastante sobre os mutantes. O Superman eu era mais fã dos filmes...

 

Mas, lembro muito bem que a muitos dos comentários para justificar o fato de não terem gostado do final de O Homem de Aço era que "Nos quadrinhos ele não mata"...Portanto eu acho que faz diferença sim pra alguns...

 

Eu estou torcendo muito por esse filme...de verdade...espero que o Singer faça um bom filme para que tenhamos novos, dessa vez mais decentes que o X3.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Por isso que:

 

1) fãs de quadrinhos são insuportáveis, não sabendo nunca separar uma arte da outra... 

2) sempre saem decepcionados dos filmes, salvo raríssimas exceções, porque, óbvio, é impossível ver os quadrinhos na tela. 

 

3) levam aquela máxima de "ler é sempre bom, nem que seja revistinha da mônica" ao pé da letra e já se acham com a propriedade de quem lê Carlos Drummond de Andrade, Machado de Assis, Sócrates, achados da Neurociência, e poemas e músicas do mundo.... E com essa "propriedade" julgam o que é bom e o que não é bom hahaha. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Avengers não teve o pepino chamado X-Men 3 pra resolver...

 

Mas, lembro muito bem que a muitos dos comentários para justificar o fato de não terem gostado do final de O Homem de Aço era que "Nos quadrinhos ele não mata"...Portanto eu acho que faz diferença sim pra alguns...

.

 

Avengers desconsiderou Iron Man 2, uma bosta...rsrs..mas a real é q o lance de ter muitos personagens na trilogia mutante foi o q de fato embolou, a seu modo, a continuidade. Singer ja tinha uma ideia desse universo, q Ratner tentou reinventar com insucesso, alem de nao saber trabalhar com trocentos personagens. Ficou aquele resultado bem irregular. Mas no fundo ambos estamos do mesmo lado, querendo q Singer conserte a bagaça...q é o q importa. É esperar pra ver.

 

PS: esse detalhe a q se refere no filme do Azulão a mim nao incomodou nem um pouco, exceto os fãs xiitas radicais. Seria o mesmo q reclamar do Nick Fury negro.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Na verdade qualquer assunto pode ser discutido desde que os lados deem abertura para isso (ou tenham argumentos convincentes).

 

Não estou batendo na tecla, apenas acho que não existem dois pesos e duas medidas...um filme baseado em HQ precisa sim ter as suas bases referenciadas por tal. Sou a favor de 100% os quadrinhos na tela? NÃO (e acho que nesse ponto você não entendeu as entrelinhas) até porque seria ingenuidade achar que isso é possível (como coloquei em outro post meu), mas é possível se manter o básico. E qual é o básico nos X-men? (foi uma retórica, ok?)

 

 

Quanto a qualidade de X2...não estou discutindo isso...

Estou dizendo que para ter que consertar algo, é necessário que esteja quebrado...palavras de Bryan Singer:

 

Um dos aspectos mais criticados da franquia de X Men são seus problemas de continuidade, e mesmo sendo um filme excelente, Primeira Classe não ajudou muito nesta área. Quando perguntaram de Dias de Um Futuro Passado será um tipo de reset na série, Singer deixou escapar, “Eu vou poder corrigir algumas coisas.”

 

X2 foi muito bom? Foi...só que depois teve X-men 3 (que foi um erro ao meu ver)...o próximo filme vai levar em consideração a trilogia toda, certo? Então, vai ter que consertar algumas coisas mesmo.

 

Mas é só eu que leio os seus post e interpreto que você tá falando que filme tem que ser igual a HQ? Leia os últimos post do tópico que verá que não é só eu... 

 

Creio que o erro de comunicação é seu. Releia essa parte em negrito aí: O que isso tem a ver com "adaptação de HQ pro cinema"?  Se você tá reclamando de os filmes terem erros de continuidade é uma coisa, agora eles serem fiéis ou não a fonte é outra coisa. Você tá misturando assuntos distintos nos seus post.

 

E sobre o que o Singer falou: isso foi em relação mais ao fato dele não ter feito o X-Men 3, então natural ele não gostar de algumas coisas no filme, ainda mais considerando fizeram o filme em cima de muitas idéias dele, e que no fim não foram executadas como ele queria ou imaginava. Mas o filme vai ser sim considerado, com seus erros ou não. Já falaram que o próximo filme vai acontecer 10 anos depois dele, e depois com a viagem no tempo, 10 anos depois do First Class.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas esse tipo de erro de continuidade existe nas HQs também. Creio que o Dook tá falando de outra coisa...

 

 

  E por que existe nas HQS é desculpa pra existir nos cinemas também? Sinceramente, não entendi do que o DOOK tá falando. Até por que meu comentário nem entrou no mérito Original vs Adaptação.

 

 E como eu disse, os erros de continuidade não diminuem os grandes méritos atingidos pela franquia. E incluo ai X MEN 3, que mesmo com seus defeitos, deu colaborações bem interessantes (pessoalmente, prefiro ele ao 1º do Singer).

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas é só eu que leio os seus post e interpreto que você tá falando que filme tem que ser igual a HQ? Leia os últimos post do tópico que verá que não é só eu... 

 

Creio que o erro de comunicação é seu. Releia essa parte em negrito aí: O que isso tem a ver com "adaptação de HQ pro cinema"?  Se você tá reclamando de os filmes terem erros de continuidade é uma coisa, agora eles serem fiéis ou não a fonte é outra coisa. Você tá misturando assuntos distintos nos seus post.

 

E sobre o que o Singer falou: isso foi em relação mais ao fato dele não ter feito o X-Men 3, então natural ele não gostar de algumas coisas no filme, ainda mais considerando fizeram o filme em cima de muitas idéias dele, e que no fim não foram executadas como ele queria ou imaginava. Mas o filme vai ser sim considerado, com seus erros ou não. Já falaram que o próximo filme vai acontecer 10 anos depois dele, e depois com a viagem no tempo, 10 anos depois do First Class.

 

Bom...gostei do seu post...bem 'inflamado'...mas vamos lá.

 

Mario Quintana dizia que "Quando um leitor tem de perguntar pro autor do que ele quer falar, um dos dois é burro" e eu admito que nesse caso, sou eu. Portanto tentarei ser mais claro e objetivo nas minhas colocações.

 

O que estava tentando dizer tem total relação com Adaptações, porque todos esses filmes de super-heróis são adaptações.

Ser uma adaptação já diz por si só que ela está adaptando algo, ou seja, a obra original.

Sendo assim, ela necessita se basear (ter como referência) na obra original ou na obra ao qual ela está adaptando.

 

Precisa ser 100% fiel? É claro que não, pois senão não seria chamado de adaptação. Nem os filmes adaptados de obras "fechadas" (como Watchmen, 300, Senhor dos Anéis e por aí vai) não são 100% fiéis a obra.

 

Porém, elas mantém o básico desse original para ter uma relação mais próxima com a obra e serem mais facilmente identificáveis com o público.

 

Por serem adaptações, alguns elementos são alterados e não interferem na recepção da obra. Já alguns elementos fazem parte da obra original de forma intrinseca, ou seja que lhe é próprio e é essêncial.

 

X-Men- O filme foi adaptado de várias épocas das histórias dos X-men nos quadrinhos e é claro que levo isso em consideração. Não quer dizer que o filme seria ruim, mas também não quer dizer que é fiel a obra e nem a essa parte intrínseca.

 

Com o passar dos anos, as histórias dos X-men foram se tornando uma colcha de retalhos (mais pro inicio dos anos 90), mas isso não muda o fato de que a formação original do Grupo é Cyclope, Garota Marvel, Fera, Anjo e Homem de Gelo.

 

Precisa começar um filme dessa forma obrigatóriamente? É claro que não, porque isso depende do autor. Mas, iniciar dessa forma cria uma melhor identificação com quem conhece a história? É claro que sim.

 

É isso que questiono. A FOX encomendou First Class, como uma forma de reiniciar a franquia (por vários motivos, orçamento com atores antigos, o filme confuso e a baixa repercussão de X-Men 3) e como deu certo, Singer, que era produtor, assumiu a direção e irá fazer uma jogada (que pode ser de mestre ou pode ferrar tudo) para promover de novo a antiga trilogia a partir do sucesso do ultimo filme. É uma forma de revitalização que tem seus riscos, mas pode dar certo.

 

E torço pra que dê. Mas isso não apaga ao fato de que me incomoda ver o inicio dos X-men sem sua formação original, assim como não gostaria de ver o Superman nascer em outro planeta que Krypton, ou ver os Vingadores sem Capitão América, Thor, Homem de Ferro e Hulk.

 

Além do que, poderiam reiniciar uma nova franquia sem ter que acertar os problemas de adaptação (olha a palavra de novo) em X-Men 3.

 

Mas isso é uma discussão que é só por não ter assunto mesmo, porque no fim não vai mudar nada do que já foi feito.

 

Ok? Nada pessoal, meu amigo...não discuto pessoas, discuto assuntos. ;)

Share this post


Link to post
Share on other sites

3) levam aquela máxima de "ler é sempre bom, nem que seja revistinha da mônica" ao pé da letra e já se acham com a propriedade de quem lê Carlos Drummond de Andrade, Machado de Assis, Sócrates, achados da Neurociência, e poemas e músicas do mundo.... E com essa "propriedade" julgam o que é bom e o que não é bom hahaha. 

 

4) achar que ler Carlos Drummond de Andrade, Sócrates, Descartes...te faz conhecedor de Histórias em Quadrinhos...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bom...gostei do seu post...bem 'inflamado'...mas vamos lá.

 

Mario Quintana dizia que "Quando um leitor tem de perguntar pro autor do que ele quer falar, um dos dois é burro" e eu admito que nesse caso, sou eu. Portanto tentarei ser mais claro e objetivo nas minhas colocações.

 

O que estava tentando dizer tem total relação com Adaptações, porque todos esses filmes de super-heróis são adaptações.

Ser uma adaptação já diz por si só que ela está adaptando algo, ou seja, a obra original.

Sendo assim, ela necessita se basear (ter como referência) na obra original ou na obra ao qual ela está adaptando.

 

Precisa ser 100% fiel? É claro que não, pois senão não seria chamado de adaptação. Nem os filmes adaptados de obras "fechadas" (como Watchmen, 300, Senhor dos Anéis e por aí vai) não são 100% fiéis a obra.

 

Porém, elas mantém o básico desse original para ter uma relação mais próxima com a obra e serem mais facilmente identificáveis com o público.

 

Por serem adaptações, alguns elementos são alterados e não interferem na recepção da obra. Já alguns elementos fazem parte da obra original de forma intrinseca, ou seja que lhe é próprio e é essêncial.

 

X-Men- O filme foi adaptado de várias épocas das histórias dos X-men nos quadrinhos e é claro que levo isso em consideração. Não quer dizer que o filme seria ruim, mas também não quer dizer que é fiel a obra e nem a essa parte intrínseca.

 

Com o passar dos anos, as histórias dos X-men foram se tornando uma colcha de retalhos (mais pro inicio dos anos 90), mas isso não muda o fato de que a formação original do Grupo é Cyclope, Garota Marvel, Fera, Anjo e Homem de Gelo.

 

Precisa começar um filme dessa forma obrigatóriamente? É claro que não, porque isso depende do autor. Mas, iniciar dessa forma cria uma melhor identificação com quem conhece a história? É claro que sim.

 

É isso que questiono. A FOX encomendou First Class, como uma forma de reiniciar a franquia (por vários motivos, orçamento com atores antigos, o filme confuso e a baixa repercussão de X-Men 3) e como deu certo, Singer, que era produtor, assumiu a direção e irá fazer uma jogada (que pode ser de mestre ou pode ferrar tudo) para promover de novo a antiga trilogia a partir do sucesso do ultimo filme. É uma forma de revitalização que tem seus riscos, mas pode dar certo.

 

E torço pra que dê. Mas isso não apaga ao fato de que me incomoda ver o inicio dos X-men sem sua formação original, assim como não gostaria de ver o Superman nascer em outro planeta que Krypton, ou ver os Vingadores sem Capitão América, Thor, Homem de Ferro e Hulk.

 

Além do que, poderiam reiniciar uma nova franquia sem ter que acertar os problemas de adaptação (olha a palavra de novo) em X-Men 3.

 

Mas isso é uma discussão que é só por não ter assunto mesmo, porque no fim não vai mudar nada do que já foi feito.

 

Ok? Nada pessoal, meu amigo...não discuto pessoas, discuto assuntos. ;)

 

 

 Espere ai. A Fox nunca anunciou FIRST CLASS como um reboot. Desde o princípio, ficou bem claro que era um prequel dos eventos da trilogia, tanto é que Hugh Jackman faz uma ponta do filme, e alguns trailers vinham com cenas da trilogia e narração de Patrick Stewart e Ian McKellein..

 

 O que aconteceu ao meu ver foi o seguinte. Após FIRST CLASS, muitos queriam ver X MEN 4 enfim sair do papel, e outros queriam ver uma sequência direta de FIRST CLASS. A Fox resolveu então fazer dois filmes em um, já que tinha o plot perfeito pra fazer isso, que é a trama de DIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Espere ai. A Fox nunca anunciou FIRST CLASS como um reboot. Desde o princípio, ficou bem claro que era um prequel dos eventos da trilogia, tanto é que Hugh Jackman faz uma ponta do filme, e alguns trailers vinham com cenas da trilogia e narração de Patrick Stewart e Ian McKellein..

 

 O que aconteceu ao meu ver foi o seguinte. Após FIRST CLASS, muitos queriam ver X MEN 4 enfim sair do papel, e outros queriam ver uma sequência direta de FIRST CLASS. A Fox resolveu então fazer dois filmes em um, já que tinha o plot perfeito pra fazer isso, que é a trama de DIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO.

 

realmente QUESTÃO. Você está correto na informação. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

4) achar que ler Carlos Drummond de Andrade, Sócrates, Descartes...te faz conhecedor de Histórias em Quadrinhos...

 

5) julga as obras como se elas tivessem a obrigação de suprir critérios criados e esperados pelos fãs do quadrinho ao invés de encarar  como ela é, uma obra por si só, resultado da expressão de seu autor, e que, portanto, tem a simples obrigação de ser coerente com as intensões do autor naquilo que ele quer dizer. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

5) julga as obras como se elas tivessem a obrigação de suprir critérios criados e esperados pelos fãs do quadrinho ao invés de encarar  como ela é, uma obra por si só, resultado da expressão de seu autor, e que, portanto, tem a simples obrigação de ser coerente com as intensões do autor naquilo que ele quer dizer. 

 

6) Achar que os fãs de quadrinhos estão se importando com a intenção do autor... :lol:

Share this post


Link to post
Share on other sites

6) Achar que os fãs de quadrinhos estão se importando com a intenção do autor... :lol:

 

7) Misturar a importância dada a um fato com o reconhecimento do fato. 

 

Na verdade é esse o grande problema, ao achar que a obra tem que ter os elementos que você julga importante, você ignora o fato de que a obra é um produto da expressão dos autores a respeito do que e como eles (os autores) acham que ficaria legal nos cinemas aquela história dos quadrinhos. 

 

Dessa forma cria uma contradição, se o diretor conseguiu produzir uma obra que conseguiu te cativar (sendo uma evidência que o autor teve exito em expor sua ideia do que seria legal nos cinemas daquela história dos quadrinhos), você até gosta do filme mas não se identifica com aquela história que nos quadrinhos te marcou, e ai determina que o filme não é bom.  

 

Só que o que vocês exigem é impossível, cada pessoa fã daquela história de quadrinhos vai dar importância a uma coisa específica dos quadrinhos, e por mais que o diretor se preocupe em acrescentar essas coisas importantes, o que ele estará fazendo, na realidade, é acrescentar coisas que ele, diretor, julga ser importante para os fãs. Ou seja, o que os autores estão fazendo é expressar a ideia deles do que os fãs gostarão de ter no filme. Ou seja, é uma obra do autor, não um produto de consumo dos fãs de quadrinho.

Share this post


Link to post
Share on other sites

7) Misturar a importância dada a um fato com o reconhecimento do fato. 

 

Na verdade é esse o grande problema, ao achar que a obra tem que ter os elementos que você julga importante, você ignora o fato de que a obra é um produto da expressão dos autores a respeito do que e como eles (os autores) acham que ficaria legal nos cinemas aquela história dos quadrinhos. 

 

Dessa forma cria uma contradição, se o diretor conseguiu produzir uma obra que conseguiu te cativar (sendo uma evidência que o autor teve exito em expor sua ideia do que seria legal nos cinemas daquela história dos quadrinhos), você até gosta do filme mas não se identifica com aquela história que nos quadrinhos te marcou, e ai determina que o filme não é bom.  

 

Só que o que vocês exigem é impossível, cada pessoa fã daquela história de quadrinhos vai dar importância a uma coisa específica dos quadrinhos, e por mais que o diretor se preocupe em acrescentar essas coisas importantes, o que ele estará fazendo, na realidade, é acrescentar coisas que ele, diretor, julga ser importante para os fãs. Ou seja, o que os autores estão fazendo é expressar a ideia deles do que os fãs gostarão de ter no filme. Ou seja, é uma obra do autor, não um produto de consumo dos fãs de quadrinho.

 

Não ignoro nada...pelo contrário...eu sou um dos que mais "briga" para que as pessoas enxerguem as adaptações como elas realmente o são: adaptações (e acho que você não entendeu nada do que eu quis dizer)...

 

Pela última vez, porque ficar explicando a mesma coisa cansa, me desculpe (não é pessoal, ok?). Não exigi o impossivel...na verdade não exigi nada, apenas fiz uma observação de que uma adaptação pode existir mantendo elementos básicos da história de onde ela é baseada...e um dos elementos básicos podem ser os personagens.

 

Um autor não é obrigado a seguir ao pé da letra a obra original e por isso se chama adaptação (repetindo), ou seja, tem total liberdade de utilizar os elementos que mais o agradar...agora, o efeito de interação com o público irá depender de quais elementos ele descartar.

 

Não julguei se o filme é bom ou ruim, mas que alguns elementos básicos da história original não foram bem utilizados.

 

Não é nada pessoal Adler, de verdade, mas evitarei prolongar o assunto já que não estamos mais discutindo o tema inicial e sim o quanto as minhas observações são ou não compreendidas.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Jennifer Lawrence fala sobre seu arco como Mística em X-MEN
05/09/13 - 12h49
 
por Luísa Gomes

 

img5228a96061ce2.jpg

Dois anos depois de viver Mística pela primeira vez, Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida) volta para a personagem com um Oscar no currículo e um pouco mais sádica. Em entrevista ao site SciFi Now, a atriz disse como será a personalidade de Mística em X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, novo filme da franquia que tem direção de Bryan Singer.

“Eu fico nua, mas quando uso roupas, elas são dos anos 70. A aparência de Mística está um pouco diferente, mas estamos usando a mesma pintura. Ela também está com sua personalidade diferente. Ela estava tentando se adaptar com sua forma e precisou de ajuda. Em Dias de um Futuro Esquecido, ela está com o lema ‘mutante com orgulho’”, confirmou Lawrence.

No novo filme baseado nas HQs da Marvel, Wolverine volta ao passado para encontrar a primeira geração de mutantes e evitar um acontecimento que terá consequências catastróficas no futuro.

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido chega às telonas brasileiras no dia 23 de maio de 2014.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hugh Jackman diz que pode não voltar mais a ser Wolverine

- 11/09/2013 13:57

 

  fto_ft1_26621.jpg Wolverine na primeira foto oficial do novo filme

O mutante chegou com seu segundo longa solo neste ano e também estará em X-Men: Dias de um Futuro Esquecido em 2014 e pode ser que não o vejamos mais em ação durante um bom tempo. Hugh Jackman deu entrevista ao site da MTV americana e falou sobre o futuro do personagem: “Talvez não tenhamos mais Wolverine. Talvez seja isso aí apenas. [Dias de um Futuro] pode ser o último. Aliás, isso não tinha me ocorrido até três dias antes do fim das filmagens, porque eu estava promovendo Wolverine Imortal, voltei às filmagens e só aí que pensei ´bem, quem sabe? Talvez não tenha mais Wolverine. Talvez seja isso. Quem sabe? Talvez´. Então, aproveitei ao máximo estas últimas semanas. Curti cada minuto em que usei as garras”.

O pessoal da MTV também quis saber mais sobre a participação de Wolverine no novo filme dos X-Men. Jackman disse que desta vez, ao contrário do terceiro filme, o mutante consegue dominar mais sua natureza violenta e que isso “o coloca no centro de tudo”. O ator não disse mais nada a respeito da história quando foi perguntado sobre a última cena que filmou em Dias de um Futuro Esquecido: “Se eu contar isso, vou entregar totalmente a principal cena. Eles me matariam. Não posso dizer nada sobre esta cena”.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bryan Singer mostra ilha de edição do novo filme dos X-MEN
24/09/13 - 13h33
 
por Luísa Gomes

 

O Instituto Xavier para Estudos Avançados parece estar em ruínas na nova foto dos bastidores de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, publicada no Twitter pelo diretor Bryan Singer. A imagem mostra a ilha de edição do longa, que está em fase de pós-produção. O contexto da imagem é um mistério.

img5241bf8dc81c8.jpg

Dias de um Futuro Esquecido é baseado nas HQs da Marvel e mostrará Wolverine (Hugh Jackman) sendo mandado para o passado por Kitty Pryde e tentando evitar um acontecimento que afetará as próximas gerações de mutantes.

O novo filme da franquia X-Men chega às telonas brasileiras no dia 23 de maio de 2014.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu nunca faria edição de um filme com um copo de coca em cima da mesa. Bebida e componentes eletrônicos definitivamente não combinam. Ah, Bryan Singer, seu relaxado, hehe!!

 

po, dá um desconto... eu trampo assim direto... mas coloco o copo de café ou suco sobre o hd... agorinha mesmo to com uma latinha de Skol na bagaça.. e nunca derramei nada..

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×