Jump to content
Forum Cinema em Cena
Jailcante

Vigilante do Amanhã - Ghost in the Shell

Recommended Posts

Sabem o que me irrita? O material base, seja anime ou manga, é tão inteligente, mexia décadas atrás com tópicos que hoje começaram a ser controversos, visualmente excitante, trilha sonora brilhante...

 

O filme? Scarlett não é japonesa...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sabem o que me irrita? O material base, seja anime ou manga, é tão inteligente, mexia décadas atrás com tópicos que hoje começaram a ser controversos, visualmente excitante, trilha sonora brilhante...

 

O filme? Scarlett não é japonesa...

Esquadrao Suicida idem.. :(  :rolleyes:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pra vc ver o público japa nem ligou pra esse papo de não terem escalado uma asiática. É como bem disso o cidadão abaixo na saída do.cinema. Seria diferente se escalassem uma japonesa-americana pra fazer o papel ? Seria pior.

 

"I heard people in the U.S. wanted an Asian actress to play her," he said. "Would that be OK if she was Asian or Asian-American? Honestly, that would be worse, someone from another Asian country pretending to be Japanese. Better just to make the character white."

Share this post


Link to post
Share on other sites

O filme é um grande exercício de intertextualidade do diretor, claramente um fã do material base, cria painéis maravilhosos, muitos vindo direto da fonte... Mas o resultado é um corpo sem o ghost. A ação é mediana, sem nada de excepcional.

Fogo de palha, o filme vem e vai sem deixar rastro nenhum, diferente do original, um dos sci-fi mais influentes das últimas décadas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Justo ou injusto, acho que eu teria gostado do filme caso não fosse uma adaptação ou tivesse menos laços ao anime... Fosse este um novo sci-fi, fortemente inspirado por Ghost In The Shell e outros, ideias em sci-fi se repetem bastante de qualquer forma, acho que eu teria gostado - não muito pois ainda seria uma trama tediosa, porém já teria achado algo positivo.

Deveria julgar filme no vácuo? Talvez... Meu problema é que Ghost in The Shell, ao contrário de se divorciar das suas origens como Blade Runner ou The Shining, tenta fazer o anime/manga desesperadamente. Ainda sim, também não é próximo o suficiente como The Martian ou Watchmen, pois bebe das diversas formas do material base (anime, manga, TV), não é uma adaptação "literal". É uma estranha quimera de intertextualidade, tal qual os remakes Disney do Jungle Book e Beauty and The Beast.

Além disso, também achei um filme um tanto "frio". Não dei a mínima pra Major de Scarlett, todo seu passado trágico vem de exposição forçada, o começo com a Juilette Binoche pareceu algo de video-game ruim, a cutscene começa, agente recebe um tanto de exposição e quando a informação foi depositada, fade-to-black... Corta para famosa cena em que Major pula do prédio e fica invisível.

No anime, ouvimos quase nada, Major inspeciona sua arma com paciência, observa o horizonte da cidade com uma pausa, quando ela se joga da beirada há close-up no seu rosto, cresce um sorriso de satisfação, vemos sua perspectiva de ponta cabeça, antes de dar fatality no político safado, ela arrisca uma tirada.

No filme live-action, a mesma cena precisa ser turbinada pela música de ação clichê, um passo rápido e certa tensão com o personagem do Kitano. Major é muito fria, estoica... O mesmo close-up na sua face não revela nada. Robótica, por falta de palavra melhor. Faltou a pausa, o cuidado com a arma, o sorriso e a satisfação, essas coisas são mais personagem que despejo expositório da Binoche.

E uma pena, pois Scarlett tem um sorriso muito bonito.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A única tirada que ela dá, quando ela sai um pouco dessa máscara eh quando ela diz pra personagem da Juliette Binoche. "Da próxima vez me faça melhor" e da um sorrrisinho. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 19/07/2017 at 3:57 AM, Mozts said:

Justo ou injusto, acho que eu teria gostado do filme caso não fosse uma adaptação ou tivesse menos laços ao anime... Fosse este um novo sci-fi, fortemente inspirado por Ghost In The Shell e outros, ideias em sci-fi se repetem bastante de qualquer forma, acho que eu teria gostado - não muito pois ainda seria uma trama tediosa, porém já teria achado algo positivo.

Deveria julgar filme no vácuo? Talvez... Meu problema é que Ghost in The Shell, ao contrário de se divorciar das suas origens como Blade Runner ou The Shining, tenta fazer o anime/manga desesperadamente. Ainda sim, também não é próximo o suficiente como The Martian ou Watchmen, pois bebe das diversas formas do material base (anime, manga, TV), não é uma adaptação "literal". É uma estranha quimera de intertextualidade, tal qual os remakes Disney do Jungle Book e Beauty and The Beast.

Além disso, também achei um filme um tanto "frio". Não dei a mínima pra Major de Scarlett, todo seu passado trágico vem de exposição forçada, o começo com a Juilette Binoche pareceu algo de video-game ruim, a cutscene começa, agente recebe um tanto de exposição e quando a informação foi depositada, fade-to-black... Corta para famosa cena em que Major pula do prédio e fica invisível.

No anime, ouvimos quase nada, Major inspeciona sua arma com paciência, observa o horizonte da cidade com uma pausa, quando ela se joga da beirada há close-up no seu rosto, cresce um sorriso de satisfação, vemos sua perspectiva de ponta cabeça, antes de dar fatality no político safado, ela arrisca uma tirada.

No filme live-action, a mesma cena precisa ser turbinada pela música de ação clichê, um passo rápido e certa tensão com o personagem do Kitano. Major é muito fria, estoica... O mesmo close-up na sua face não revela nada. Robótica, por falta de palavra melhor. Faltou a pausa, o cuidado com a arma, o sorriso e a satisfação, essas coisas são mais personagem que despejo expositório da Binoche.

E uma pena, pois Scarlett tem um sorriso muito bonito.

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 hours ago, Gust84 said:

 

 

BRkm0vw_700wa_0.gif

Muito massa esse canal. Consegue ser várias coisas e ao mesmo tempo despretensioso (ou menos pretensioso que certos outros...).

Share this post


Link to post
Share on other sites

Okay, bebi umas ou duas ou trezuas e vou divagar...

O que acho mais lindo é que além da interpretação oferecida pelo nerdwriter1, no anime ainda resta um buffet self-service de ideias. As mais comuns são notadas imediatamente pelos fãs de sci-fi: Trans-humanismo, inteligencia artificial, vida como cyborgs, memórias artificiais, blá blá blá... Em muitas obras isso seria o pacote inteiro, mas para Ghost in The Shell é só uma premissa, a superfície do assunto.

Argumentaria que o anime não é sobre "identidade na cidade" como diz o nerdwriter1, mas sim "identidade na tecnologia". A cidade foi somente o construto tecnológico mais bonito e mais fácil de moldar no visual orgástico, contudo o roteiro não para de comparar e definir humanos baseado na tecnologia. Até mesmo um dos parceiros da Major, aquele que dirige a van, é definido baseado no seu revolver, e ele sequer é um cyborg. Análogo, vejo como certas máquinas mudaram rumo da sociedade. O barco a vela definiu as fronteiras, armas definiram as guerras, o fogo definiu o homo sapiens nas cavernas... Para por nome chique na coisa: Ghost in The Shell é sobre determinismo tecnológico.

Olhemos hoje, como guardamos informações, como limiar de atenção decresce, o impacto da tecnologia na sociedade nos últimos 100 anos foi do caramba, tudo mudou, o que isso vai junto nossa forma de pensar e resolver problemas. Pro martelo, todos parecem pregos. O meu muleque, um menino de 8 anos, cresceu com internet, por exemplo. Ele não vai raciocinar ou guardar informações como eu, jovem-velho dos anos 90, e muito menos como meus pais, dos anos 50/60. Eu e ele poderíamos muito bem ser um cyborg, pois a primeira coisa que fazemos na dúvida, é procurar na máquina a resposta. Pra criança hoje parece uma coisa INSANA esperar a hora do desenho começar, ora bolas, tenho Netflix, assisto o desenho quando quiser e ainda pauso para ir fazer xixi.

Ghost in The Shell GRITA esse tipo de "determinação tecnológica" na protagonista. Ela é literalmente feita de máquinas e não consegue se definir, sentir-se completa além da sua condição de cyborg. Ao final do filme ela acha um certo tipo de catarse emocional se "mesclando" com uma tecnologia, uma inteligencia artificial. Sci-fi comumente fazem o contrário, tentam definir humanidade através da rejeição da máquina, ou quando há aceitação, existe clara diferença entre robôs e humanos, no máximo ocorre um equilíbrio "maquina x humanos". Ghost in the Shell pega nossa protagonista e só lhe deixa em paz quando ela se torna um misto de humanidade com tecnologia, não somente no nível corporal - isso já acontece torto e direito no filme - mas também no mental. O seu "ghost" torna-se uma máquina, além da sua "shell" que já era uma.

A própria inteligencia artificial do filme aparece esclarecendo para protagonista como "não existe pessoa individual, somente o conjunto". Momentos atrás a câmera mostraria um puta dum tanque destruindo uma árvore evolucionária, a árvore da evolução em que somos o rei da cocada preta, nossa espécie, história anciã e DNA, sendo superado pela máquina humana.

GITS_8x6.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 19/07/2017 at 3:57 AM, Mozts said:

Justo ou injusto, acho que eu teria gostado do filme caso não fosse uma adaptação ou tivesse menos laços ao anime... Fosse este um novo sci-fi, fortemente inspirado por Ghost In The Shell e outros, ideias em sci-fi se repetem bastante de qualquer forma, acho que eu teria gostado - não muito pois ainda seria uma trama tediosa, porém já teria achado algo positivo.

Deveria julgar filme no vácuo? Talvez... Meu problema é que Ghost in The Shell, ao contrário de se divorciar das suas origens como Blade Runner ou The Shining, tenta fazer o anime/manga desesperadamente. Ainda sim, também não é próximo o suficiente como The Martian ou Watchmen, pois bebe das diversas formas do material base (anime, manga, TV), não é uma adaptação "literal". É uma estranha quimera de intertextualidade, tal qual os remakes Disney do Jungle Book e Beauty and The Beast.

Além disso, também achei um filme um tanto "frio". Não dei a mínima pra Major de Scarlett, todo seu passado trágico vem de exposição forçada, o começo com a Juilette Binoche pareceu algo de video-game ruim, a cutscene começa, agente recebe um tanto de exposição e quando a informação foi depositada, fade-to-black... Corta para famosa cena em que Major pula do prédio e fica invisível.

No anime, ouvimos quase nada, Major inspeciona sua arma com paciência, observa o horizonte da cidade com uma pausa, quando ela se joga da beirada há close-up no seu rosto, cresce um sorriso de satisfação, vemos sua perspectiva de ponta cabeça, antes de dar fatality no político safado, ela arrisca uma tirada.

No filme live-action, a mesma cena precisa ser turbinada pela música de ação clichê, um passo rápido e certa tensão com o personagem do Kitano. Major é muito fria, estoica... O mesmo close-up na sua face não revela nada. Robótica, por falta de palavra melhor. Faltou a pausa, o cuidado com a arma, o sorriso e a satisfação, essas coisas são mais personagem que despejo expositório da Binoche.

E uma pena, pois Scarlett tem um sorriso muito bonito.

Faço minhas, suas palavras... E vc usou um adjetivo que me incomodou muito durante toda a projeção: frieza. Ao final do filme, pensei: "Legal." e fui dormir. Period. Uma pena, pois material tinha de baciada... 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×