Jump to content
Forum Cinema em Cena

Leaderboard

Popular Content

Showing content with the highest reputation since 08/03/20 in all areas

  1. aí, essa é pra vc @Jailcante @Gust84 @Questão..adivinhar os filmes nesse desenho.. eu ja achei vários.. O Iluminado Loucademia de Policia Fantasmas se divertem O Rapp(to) do Menino Dourado... que infame esse 🤣
    3 points
  2. 🤔 Se vc não fosse usuário antigo eu diria que vc é um clone do @Rick kkkkk.... Falando sério, acho que a Marvel não iria tão longe..eh aquele tipo de coisa que seria louco mas eles vão no feijão com arroz.
    3 points
  3. Os redneck vão conseguir atrasar os EUA do mundo. Tem notícia falando que o BR da massa, com um pateta negacionista no front, vai imunizar o país antes deles. E quando estávamos vacinando 70+ eles já estavam nos 18. Inacreditável.
    3 points
  4. OFF total.. enfim vacinado!😂😷 chicovacinafim.mp4
    3 points
  5. Cara, a cena da Martha ainda tinha uma função, pelo menos. A cena do Caçador de Marte com a Lois é absolutamente inútil. Até por que ela só tá lá pra acalmar o Super justamente por que tá ignorando o conselho da "fake Martha". kkkkk. Ou seja, não serviu pra nada. Alias, nesse lance da Lois estar lá pra acalmar o Super, prefiro muito mais como foi feito no corte do Whedon/Warner, em que o Batman, ja antevendo que o Super podia acordar cabreiro, traz a Lois pra acalmar o Super (ainda que o jeito que o Whedon dirigiu a cena foi ridículo).
    3 points
  6. É complicado porque o Snyder não se esforça em fazer um filme pensando em quem vai assistir. Ele pensa nas ideias DELE para os personagens. E não está totalmente errado em ele querer isso... Errado é quem contrata um diretor que tem visão própria e faz questão de colocar ela, independente do tipo de filme. Existem filmes que "cabem" mais essa coisa do diretor colocar sua visão sem freios. Filmes com personagens tão massificados como os heróis de quadrinhos, é muito mais difícil. Não foi a toa que BvS gerou tanta polêmica e não é a toa que os filmes e séries da Marvel fazem muito mais sucesso. A visão que o Snyder tem pro Superman é de um deus mitológico que paira acima da humanidade. Logo, pro Snyder, não faz sentido trabalhar uma relação com o Clark Kent, que o aproximaria da humanidade. Infelizmente, é a visão dele... Assim como, a Mulher Maravilha na cabeça do Snyder é uma guerreira que corta cabeças, também personificando deuses mitológicos que faziam o que faziam por puro senso de guerra. Puro instinto. E isso, com certeza gerou dissonância com o olhar que a Patty Jenkins tem pra personagem. Já o Batman, que seria esse personagem que não é um deus mitológico, o Snyder o coloca como um ser totalmente amargurado e sem perspectiva de seguir um código de conduta (mesmo que seja um código brutal, como nos quadrinhos). Mesmo nesse cenário, o Snyder poderia colocar o Batman ou a Lois como esse ponto de encontro entre esses deuses e a humanidade, gerando empatia com o público. Mas o Snyder não sabe (ou não quer) trabalhar isso.
    3 points
  7. Scatman

    Mulher Maravilha 1984

    Assisti o filme e detestei. Situações forçadas, falta de eixo narrativo, vilões patéticos que depertam inclusive a simpatia por eles. Diana querer o Steve de volta ? OK, poderia muito bem fazer o pedido de voltar no tempo para salvar ele! Já o amado "possuir" um corpo qualquer poderia ter sido uma escolha de roteiro que levaria para discutir aspectos de ética que simplesmente ignora e vem com discurso final patético para convencer a humanidade? Fala sério. Eu achava Aves de Rapina o pior filme da DC, esse disputa com ele o posto deplorável. Torço bastante pela concorrência com a Marvel, todavia me parece um problema de roteiro e reflexão sobre as histórias que se pretende contar em tela na DC algo a ser refinado. Para um Wonder Woman 3, a diretora precisa esquecer Steve Trevor, a heróína não precisa de um sidekick. Construir uma vilania é um baita desafio para o roteiro do proxímo filme.
    3 points
  8. Saga S.

    Mulher Maravilha 1984

    Filme muito fraco mesmo. Aquele começo, Após o Flashback, é vexatório do começo ao fim, principalmente no Shopping. Entendo a intenção, mas não funcionou para mim. O Pascal parece que encarnou o Jim Carrey. Muito tempo de filme para um fiapo de história que fica andando em círculos. O final é medonho também. Se parar para pensar nos furos então... Minha nota seria 5 por caridade.
    3 points
  9. E ainda tem a questão de que o Dr Estranho estará no filme . Isso pode corroborar mais ainda os rumores de multiverso atingindo o filme do teioso (já que será o mote do filme do Dr Estranho) e mais uma vez o Peter Parker ser "o tutelado". Acho que eu já estou cansado dessa coisa de multiverso antes mesmo de começar....rsrs...e acho que o Homem Aranha "tutelado" também já deu...tá parecendo o Neymar sendo eternamente o "garoto Ney", mesmo já sendo homem barbado...rsrs
    3 points
  10. Será um plot-twist demonstrando que o Robert Pattinson é na verdade o Dick Grayson, o Charada é o Jason Todd e no final aparecerá o Bale como Batman????? A letra "T" de The Batman significa o "T" de TDK? Saudades das teorias do Rick ? ???
    3 points
  11. Falando na trilogia, esses dias descobri alguns vídeos bem interessantes que vou aproveitar pra compartilhar aqui. Em inglês. Esse talvez seja o primeiro e único vídeo que foi até o local das filmagens da parte 3, que saiu em 1990. O set foi desmontado/desfeito (queimado?) pelo que entendi. Talvez tenham feito isso pra ninguém reaproveitar nada, talvez mesmo que nada tivesse sido mexido isso ocorreria cedo ou tarde, pois pegariam tudo como recordação. Vejam que o autor do vídeo observa no chão sinais (artefatos) que indicam que houve movimentação naquela área. Nesse vídeo (só tem áudio) o Tom Wilson fala sobre como foi a experiência de gravar com o Eric Stoltz; Acima um vídeo curto em que o Jeffrey Weissman (que substituiu Crispin Glover nas partes 2 e 3) comenta que esse último fechou um acordo de 750 mil dólares por conta da ação movida por ele contra os produtores, por aquilo que já comentei, que foi a sacanagem de darem a impressão de que Crispin ainda estava no filme (tem gente que até hoje acredita nisso). O papo que rola é de que Glover pediu 250 K e negaram, mas parece que foi até menos que os protagonistas, mas que o impedimento dele voltar nem foi esse, mas porque ele era uma pessoa problemática demais, em entrevistas recentes ele voltou a tocar no assunto e disse que tinha ressalvas quanto ao final materialista do primeiro filme, engraçado que na parte 2 o tema do dinheiro foi o foco central (Almanaque dos Esportes...), enquanto que na parte 3 o Dr. Brown é morto por uma dívida de 80 dólares. Não dá pra colar tudo aqui, pois são vários vídeos (alguns nem vi), mas jogando o nome deles dá pra encontrar as entrevistas. Crispin Glover chegou até a dizer que foi uma má atuação, um ator ruim, e de fato ficou ridículo, uma caricatura, aquele George de 2015, que se vcs lembram, aparecia de cabeça pra baixo. Esse vídeo abaixo eu nunca tinha visto: RARE screen-test moments and Behind the Scenes footage from Back to the Future and Back to the Future part II - Crispin Glover as 1985 George McFly (with alternate Michael J Fox) - Lea Thompson & Crispin Glover as 1985 Lorraine and George McFly (with alternate MJF) - Crispin Glover as 1985 George McFly - Crispin Glover as 1955 George McFly - Crispin Glover and Tom Wilson as 1985 George McFly & Biff Tannen - Jeffrey Weissman in Make-up chair - LeaThompson and Jeffrey Weissman as 1955 Lorraine & George at the Enchantment Under the Sea Dance (Earth Angel) OBS: esse ator que aparece aos 2:40 não é Eric Stoltz, disseram nos comentários que é o sobrinho do produtor Neil Canton. E aos 18 minutos e 20 dá pra ver um pouco do Jeffrey Weissman. Outro ponto: ele aparece também na parte 3, mas no final, como George McFly, em 1985, de óculos. Que Crispin Glover foi (ou é) babaca, excêntrico, etc. disso acho que não resta dúvida, mas o que fizeram com ele foi também imperdoável, e por isso que ele não quer saber da trilogia. Em Hollywood não tem ninguém santo, lógico. P.S. O trechinho da última vez que ele falou sobre o tema pode ser visto abaixo: Vejam que eles não colocaram outro ator pra substituir ele apenas, é preciso deixar BEM CLARO que eles disfarçaram que ele não estaria nas sequências. Todas as cenas em que o Jeffrey Weissman aparece foram elaboradas de propósito pra deixar no ar a dúvida se o ator que aparece seria ele ou outro, até a voz do Crispin Glover foi imitada. E claro, tem na parte 2 a repetição dessa cena abaixo, já que Marty volta a 1955: Utilizar arquivo do primeiro filme não seria problema algum, mas fazer isso somado a fingir que ele ainda está nos filmes, aí foi sacanagem mesmo.
    3 points
  12. Por favor, pelo menos uma notícia boa essa ano. Torcemos.
    3 points
  13. EX-DIRETOR DO FILME CRITICA NOVO TRAILER DA ADAPTAÇÃO O primeiro trailer de Duna, o novo épico da Warner comandado por Denis Villeneuve, foi liberado recentemente e agradou muito público e crítica. No entanto, Alejandro Jodorowsky, diretor que tentou adaptar a história para o cinema nos anos 70, não compartilha dessa opinião positiva sobre o material. Jodorowsky está na lista considerável de diretores que tentaram, mas falharam em adaptar Duna, a saga de Frank Herbert, para as telonas. Ele iniciou o projeto nos anos 70, porém a ideia não decolou por falta de orçamento. Conversando com o francês Le Point (via CB), Jadorowsky compartilhou sua opinião sobre o primeiro trailer da versão de Villeneuve para Duna: Eu espero que a versão de Duna dele seja um grande sucesso, porque Denis Villeneuve é um bom diretor, sobre quem eu ouvi várias coisas boas. Eu vi o trailer. É muito bem feito. Nós podemos ver que é cinema industrial, que tem muito dinheiro envolvido e que é muito caro. Mas se é muito caro, ele precisa se pagar em proporção. E esse é problema: não há surpresas. O formato é idêntico ao que é feito em todo canto, a iluminação, a atuação, tudo é previsível. Cinema industrial é incompatível com o cinema autoral. Para o primeiro, dinheiro antes, para o segundo, é o oposto, não importa a qualidade do diretor, se é meu amigo Nicolas Winding Refn ou Denis Villeneuve. Cinema industrial promove entretenimento, é um show que não intenciona mudar a humanidade ou sociedade.
    3 points
  14. Confesso que vendo a página anterior no último video do ator e como a especulação em torno de sua forma física, reflito como a decisão de manter silêncio sobre a doença foi realmente algo mais de foro íntimo ou se foi mesmo resultado de uma indústria de Cinema implacável.Acharia correto que se ele tivesse anunciado de forma clara o vilão que estava enfrentando, mas não sei se Marvel iria esperar mesmo pelo ator... Talvez por vivenciar o mesmo drama na minha família, gostaria que essa doença que não discrimina pobres ou ricos tivesse um tratamento mais eficaz. O quanto estamos atrasados na Medicina em torno de vencê-la, que fosse dado o mínimo de dignidade aos doentes dela. O tratamento é algo que deixa o indíviduo em um estado que confesso dúvida até da existência de Deus no percauço dos últimos dias, sem muita chance de êxito. Desculpem o desabafo. Sobre um Recast, acho que o filme Pantera Negro 2 ganharia um componente emocional forte e não vejo como um outro ator poderia resgatar o manto do personagem. Acho mais correto sim encerrar o ciclo do personagem,isso sim daria a força devida que o protagonista requer. Por mais que a Shuri seria uma escolha mais razoável, até o contexto de inserção dela seria mais indicado em uma trama focada. Em um filme qualquer e mal roteirizado, com a aura de viuvez (vide recente Star Wars) poderia perpassar um tom de melodrama pela substituição, que deveria ser evitado. Aliás, aplaudo a Disney/Marvel se encerrar o ciclo do personagem, porém não seria surpresa alguma se,infelizmente, evitarem colocarem uma mulher negra como protagonista e escalarem o MIchael B Jordan para se transformar em um vilão redimido e novo Pantera. Prefiro uma chance pra ela.
    3 points
  15. 2 points
  16. Jailcante

    Viuva Negra

    hehehe.
    2 points
  17. Abbas Kiarostami ficou conhecido por dilatar os limites de narrativas e representações cinematográficas. Close-up, Dez, Gosto de Cereja, Cópia Real e outros são maravilhosos exemplos desta mente inquieta. Eis que tenho contato com "Onde fica a casa de meu amigo?", um filme de "simplicidade" ímpar em sua obra. Essencialmente, um garoto (Ahmed) vê seu amigo tomar um esporro de professor por estar sem seu caderno na aula. Se ele esquecer novamente, será expulso. Ao voltar pra casa, percebe que está com o caderno dele e para evitar o pior, precisa devolvê-lo. Detalhe: ele não sabe onde o amigo mora. Temos aqui início de uma jornada épica para este menino de 08 anos. Incorporando o próprio Sisifo em suas subidas e descidas do Morro que separa os bairros de onde moram, a narrativa toma contorno kafkaniano na impossibilidade de achar a casa. Mais do que isso, a grande beleza é o contraste que fica dos códigos morais dos adultos, com destaque para respeito às autoridades versus a moralidade própria de Ahmed, brilhantemente encenada na sequência que Ahmed "some" por alguns minutos e o foco vai para seu avô e outras autoridades da Vila. Além disso, Kiarostami insere algumas observações incríveis, sem precisar gritar, como um outro colega de Ahmed que reclama de dores nas costas e descobrimos o porquê. Emulando Ozu com um toque de Neo-Realismo, este é um dos trabalhos mais singelos sobre cumplicidade e caridade sem qualquer pieguismo. Tenho muita saudades de Abbas Kiarostami.
    2 points
  18. (217) Minha vez de assistir a "In The Heights"/ "Em um Bairro de Nova York", dirigido por John M. Chu; uma adaptação do musical do prolífico Lin-Manuel Miranda. É um bom filme; apenas isso. A intenção é divertir, ser despretensioso, e consegue. Mas intimamente lutei contra o recado social. Explico. Sua referência máxima, a obra-prima "West Side Story", consegue ser muito mais profunda sobre a divisão de classes nos Estados Unidos, notadamente na letra inigualável de "America". Aqui não há a violência de gangues, nem o preconceito social explícito, o inimigo é algo mais abstrato, impessoal: a "gentrificação" do bairro. O personagem principal quer voltar para a sua República Dominicana (Até eu, 1 dólar vale 57 pesos dominicanos), assim como o elenco masculino latino do musical dos anos 1960 deseja Porto Rico. O protagonista ressente-se do "sonho americano", ele tem trinta anos, é dono de um pequeno mercado, e não conseguiu avançar além disso. Ou seja, o prometido sonho americano para ele deu "errado". Assim como para a maioria dos moradores do bairro, lentamente expulsos pelos indies e novos aluguéis. A solução apresentada então, em vez de continuar a trabalhar, ou completar a (racista) faculdade, é...tchan tchan tchan tchan ...ganhar na loteria!!! Poxa, mas como nunca ninguém pensou nessa solução? Todos os sonhos se resolvem! Fiquei de cara com isso. O sonho americano não existe, mas o sonho da loteria sim. Falando tecnicamente, as canções são funcionais, mas não há nenhuma excepcional. Nenhuma. A menina fera que sigo no Youtube também não gostou do filme, embora seja louca (como eu) por musicais. Ela disse a frase certeria: parece um comercial da Coca-Cola! Não apenas por quem tem vários merchandising do refrigente ao longo do filme, mas por que visualmente parece um comercial da Coca-Cola mesmo. Com vários jovens diferentes, descolados, de etnias minoritárias, dançando, pulando, sorrindo o tempo todo, empunhando bandeiras de seu países (Essa cena é triste!! Parece clipe de época de Copa do Mundo.). Mas além do filme se parecer um comercial de Coca-Cola, parece, acrescento, um clipe da Anitta! Extremamente preocupado com representatividade, não tem substantividade. É muito fácil lacrar na mídia atualmente, basta cuidar da superfície das coisas, incluir, incluir, incluir, incluir. Mas, no fundo, não saber fazer nada com isso! Ao Brasil, uma leve menção a Carmen Miranda, uma menção ao jeito sexy das brasileiras, e uma bandeirinha nossa, perdida ao fundo da cena citada acima. É que o filme é muito mais "caribenho" do que capaz de dar conta da América do Sul também. A favor, sua excelente montagem (mesmo sendo um filme longo) de Myron Kerstein; a muito bem cantada cena da cubana Olga Merediz (Ganhou o Tony pela sua grande cena, e a querem indicada ao Oscar de Coadjuvante); e a boa iluminação das cenas. Mas esperava mais.
    2 points
  19. Belo trailer. Curti muito também. 😃
    2 points
  20. Meo deos... Snyder, ficar repetindo o que fãzóides seus dizem na internet pode? Sim, pode. É de bom tom? Não, não é de bom tom.
    2 points
  21. Finalmente recuperei minha conta !!! O Fantástico Sr Raposo é a primeira incursão do W. Anderson no mundo das animações. O filme exagera um pouco na quantidade de informações jogadas na tela, mas tirando isso é um desenho para adultos muito divertido e que levanta algumas questões sobre o que gostariamos de ser e o que nos tornamos. Destaque para o impagável Rato marginal. Assistido no Primevideo. Avaliação: Muito Bom.
    2 points
  22. Acho que o Pablo meio que se perdeu. O envolvimento dele com outras questões, principalmente políticas (além de problemas que não sabemos que ele pode estar passando), tirou o foco dele. Ele era para ser uma referência nacional
    2 points
  23. GENTE... EU FUI PÉSSIMO NAS PREVISÕES!! Quem iria colocar LaKeith Stanfield em Ator Coadjuvante? E, além do mais, o filme ter dois Coadjuvantes? Risos Gente...Thomas Vinterberg indicado por esse filme bobo, depois de ter feito "Festa de Família" e "A Caça".... Pai do Fincher fora de Roteiro Original...Que justiça! Paul Raci indicado!!! Filme da Tunísia indicado! Sempre acreditei em "Professor Polvo" Tirei ontem, vocês viram, "The White Tiger" pra por "The Mauritanian". Que droga!
    2 points
  24. O cara viveu bem. Teve uma carreira brilhante, longa e produtiva, deixando o cinema no mesmo nível em que sempre esteve. Vai fazer falta. R.I.P
    2 points
  25. (47) Simplesmente não gostei da história desse "the Little Things" / "Os Pequenos Vestígios". Não me disse nada. Não tem a surpresa de "Seven", nem o ar enigmático de "Zodíaco", suas claras referências em [email protected] One citou a cena do interrogatório, e é a única que de fato gostei, pela quantidade de ironias. Jared Leto pra mim teve a melhor atuação, mas não justifica a indicação ao Globo de Ouro. O final é particularmente terrível. Forçadão. Então é isso, pessoal, o personagem do Denzel não quer que o Malek tenha a mesma história familiar que a dele... É esse o foco do filme. Você que não percebeu, ficou distraído com o resto... Imagine que o Clint Eastwood dirigiria esse filme!
    2 points
  26. Essa parte me lembrou isso aqui: hehehe
    2 points
  27. Acordei às 4:44hrs sem sono. Então lembrei que as 5:00hrs ia estrear WandaVision. E lógico, fui assistir. Achei ótimo. Tem uma pegada Show de Truman, muito humor. O formato ficou ótimo. Me surpreendeu. O fato de.eles não se lembrarem quem são exatamente gera ótimas gags e claro eles ainda usam seus poderes. Eles agem como se estivessem numa sitcom.
    2 points
  28. Finalmente vi Tenet e eu só conseguia lembrar dessa cena do filme Top Secret!
    2 points
  29. Eu tambem curto esse tipo de humor mais visual, das gags, bem pastelao, etc e tal...pior que consegue fazer graca sem ser vulgar , como faz essa atual dupla Marlon e Damon Wyams..é o mesmo, mas enfiam peido e toda escatologia apelativa possivel pra fazer rir.. O primeiro assisti no cinema e so depois fiquei sabendo que a trilogia era baseada num seriado oitentista, Police Squad, que depois assisti completo em VHS, surrupiando as fitas da locadora Hobby Video onde trabalhava na época, no Jd América..?
    2 points
  30. que tragam tb a Jessica do KK 3, mas acho que o Daniel tem uns cornos ai
    2 points
  31. Gente...pelo segundo ano consecutivo, vi mais filmes do que o Pablo (só 454...tsc... tsc... tsc...)! Mew, a crítica do Pablo de "Mank" é maravilhosa! Me fez odiar o filme! Ele passa uma informação que eu não tinha. A de que o Fincher consultou o roteirista Eric Roth ( O Informante, Forrest Gump, Munique) para dar uma geral no roteiro e não o creditou. Assim o pai dele ficaria como unicreditado. Gente, na escala da hipocrisia, isso atinge quanto? O martelinho faz o gongo e sai da esfera terrestre... Além de espalhar uma fake news cinematográfica, ainda tem essa aula de hipocrisia.
    2 points
  32. 2 points
  33. Sim, ele pode ter sido mais ponderado nas colocações, entretanto, ele parte de um pressuposto "saudosista". Digo, é óbvio que Blockbusters, Arrasa Quarteirões, Hipermegaproduções há muito tempo são feitos para serem "consumidos" nos cinemas, com cineplexes passando o mesmo filme em diversas salas e horarios, todos abarrotados de gente e com longas filas, e se tornarem "sucessos de bilheteria" o que deixa, principalmente, os estudios com seus bolsos profundos bem cheios. Poderia passa horas escrevendo títulos feitos com esse propósito e bem sucedidos nisso. Entretanto hoje estamos diante de um cenário de certa forma apocalíptico (e veja só, já vislumbrado em filmes) e que não permite, a curto prazo, as aglomerações. A médio e longo prazo não tem como saber o que vai acontecer. A curto já está complicado o suficiente. Os cinemas vão voltar (espero) e com eles as grandes produções. Mas supondo que a médio prazo as salas não possam abarrotar de gente, qual o problema de se conciliar o streaming e o cinema? A estratégia no momento não é estimular as pessoas a ficarem em casa? Então os estudios vão deixar de fazer mega produções? Não, eles vão se adaptar! O conteúdo vai para onde o público está, e hoje não é nas salas de cinema, são em suas casas. As teves estão cada vez maiores, com maior qualidade, e acessiveis ao publico em geral, os equipamentos de áudio também. Acho exagero falar que o streaming é a morte das superproduções, como se as salas de cinema fosse a tabua da salvação. Ok, ao invés de 5 ingressos, por filme, vai vender apenas 1. Mas o Streaming também alcança um público que nem sempre pode ir ao cinema. Parece que esquecem que a tabua de salvação é o Público. Unico e exclusivamente o público. Faz-se cinema para o público, não para as salas de cinema. Tão batendo o pé mas a Warner não está errada no que está fazendo, pelo menos a curto prazo.
    2 points
  34. Ouçam bem, um dos melhores filmes do ano! "Sound of Metal"/ O Som do Silêncio, dirigido por Darius Marder, seu primeiro longa, com roteiro dele e de Derek Ciafrance, é uma obra extremamente cativante, sensível, e imersiva. Um baterista de rock que perde a audição. A história é muito boa, os personagens são encantadores, o tema é forte, e tudo é feito com muito cuidado e carisma. Poderia ser sobre música, mas é sobre o silêncio. Poderia ser sobre deficiência, mas é sobre ressignificação. Poderia ser lacrimoso, mas é elegante. Poderia ser sobre reaprender a ouvir, mas é sobre reaprender a falar. Olivia Cooke está ótima como a namorada, e vocalista da banda, que fica no dilema entre ajudar ou seguir em frente com o trabalho. Mas é Riz Ahmed quem está verdadeiramente excelente. Ele já tinha me chamado a atenção em "O Abutre", quando deveria ter sido indicado aos grandes prêmios, mas agora a brincadeira ficou séria. Que atuação linda! Vou torcer pela indicação dele ao Oscar. Mas o trabalho genial é do Som. Deem todos os prêmios! Sentimos na pele as falhas auditivas, a variação de volume, os agudos extremos, a ausência apavorante, e por fim, a quietude búdica. Um filme que ainda conta com boas sacadas de direção, como focar por muitas vezes o ator de perfil, centrando a atenção para as orelhas, mesmo nos planos-médios. Detalhes que me ganham. Parabéns! Amei!
    2 points
  35. Assisti esses dias It: Uma Obra Prima do Medo, de 1990. Achei fantástico, porém (e isso até o diretor concorda) o final cagou na história, todo um potencial foi desperdiçado da pior maneira possível, e pra mim talvez um dos desfechos mais decepcionantes de todos os tempos. O vilão é memorável, e tanto o elenco infantil quanto o adulto funcionam muito bem, toda a história é bem construída, apenas no encaminhar pro final (já nessa parte 2) é que a telessérie perdeu muitos pontos. Nota: 4/5
    2 points
  36. Jailcante

    Tom & Jerry

    Alguém no youtube fez a versão com os sons originais. Ficou bem melhor.
    2 points
  37. Jorge Soto

    Creed 2

    minha homenagem á mitologia de Rocky Balboa...Gonna Fly Now!! ???‍♂️?‍♂️??? ??
    2 points
  38. Achei que seria Homem-Aranha: Em casa na pandemia, mas pelo jeito seria muito óbvio...kkkk
    2 points
  39. Questão

    Flashpoint (202?)

    Honestamente, eu não vejo por que a DC travou que o filme do Flash tem que ser baseado em "Ponto de Ignição", como se fosse a única história do Flash que merece ser contada. Afinal, essa é uma história que redefiniu não só o universo do Flash, mas todo o universo da DC (Na verdade, é muito mais uma história da Liga da Justiça centrada no Flash, do que propriamente uma história solo do Flash). Para uma história dessas ser contada e ter impacto real, tu tem que ter construído um universo (estou falando aqui só do Flash, e não necessariamente de todo o UDC, até por que a DC/Warner tá em outra). Do que adianta redefinir todo o universo de um personagem, se eu não me importo com esse personagem? A questão não é nem fazer uma versão "pobre" do PONTO DE IGNIÇÃO (embora a TV já tenha feito isso na série do Flash). Afinal, a Marvel também tornou a GUERRA CIVIL um evento bem menor e menos impactante do que ele foi nos quadrinhos. Mas quando a Marvel fez isso, o Capitão América já tinha toda uma trajetoria, coisa que o Flash do Ezra Miller tá bem longe de ter (de fato, as pessoas nem gostam muito dele). Posso estar errado, ma acho que a DC tá dando uma bola fora ao seguir esse caminho com o Flash nos cinemas.
    2 points
  40. lembrando também que esse filme foi produzido pela Touchstone Pictures..subsidiária da Disney?, dirigido pelo Spock, Leonard Nimoy... Ah, e que esse filme deu polemica na época porque numa cena aparece um suposto fantasma, treta que até apareceu no Fantastico, e que no final era um cartaz de papelao esquecido no cenário..?
    2 points
  41. Tron 3 confirmado. Estrelado pelo Jared Leto e dirigido por Garth Davis. Edit: Tinham colocado que seria pro Disney+, mas corrigiram. Disney vai fazer o filme, mas não diretamente pro Disney+.
    2 points
  42. Animal..não tem como não se arrepiar tocando um tema desses!!!
    2 points
  43. A Warner Games é publisher dos jogos Mortal Kombat e pode ser que o estúdio Rocksteady anuncie algum novo game do Batman (ou outro personagem da DC) no evento, por isso a ligação. Expectativa alta com especulações sobre um game da Corte das Corujas no Universo Arkham dos games.
    2 points
  44. "Cidade Pássaro", com título internacional, "Shine Your Eyes", é um filme brasileiro que competiu em Berlim 2020, na Mostra Panorama, e foi bem recebido por lá. Pudera, é um ótimo filme, muito melhor do que eu pensava. O diretor Matias Mariani, e um time de muitos roteiristas que incluem sua esposa Júlia Murat, fizeram uma história muito inteligente, e muito original, filmado sem o miserabilismo tradicional do nosso cinema, mesmo se passando no castigado centro velho da capital paulista ( Há até uma cena na belíssima Sala São Paulo). Conseguiu também tocar em pontos colaterais, como a ocupação de imóveis abandonados, a pouca mas importante assistência ao imigrante, bem como na falta de cultura linguística do brasileiro. A história: Um nigeriano vem ao Brasil procurar o irmão mais velho que desapareceu, logo descobre que ele contava mentiras, alardeando sucesso, para a família se tranquilizar por lá. Na busca pelos passos do irmão, descobre outras pessoas que se relacionaram com ele, e também descobre o lado mais duro da cosmopolita São Paulo, bem como seu histórico de receber imigrantes do mundo todo. O filme é falado mais em Igbo (uma das línguas da Nigéria) do que em português, mas há muito espaço para o inglês, chinês, e também até húngaro. Tudo para mostrar essa faceta multicultural da cidade. Ademais, o roteiro consegue, às vezes de forma bem sucedida, às vezes não, aliar a ancestralidade africana com a matemática e a tecnologia - áreas de interesse do irmão desaparecido. Mas o melhor lado da história pra mim é o relacionamento amoroso formado por tabela, entre o protagonista vivido de forma excelente pelo nigeriano O.C. Ukeje e a atriz brasileira Indira Nascimento. Gostei muito. É uma pena que o filme, acredito, não tenha 50% de português para se qualificar na disputa para ser o candidato a Melhor Filme Internacional.
    2 points
  45. 2 points
  46. Luciana Souza, classe.
    2 points

Announcements

×
×
  • Create New...