Jump to content
Forum Cinema em Cena

Bob Harris

Members
  • Posts

    8418
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by Bob Harris

  1. Um Review.. Comparando Sofia a Woody Allen e Mike Leigh REVIEW: “Somewhere” (***1/2) Posted by Guy Lodge · 6:21 am · September 3rd, 2010 Who’d be Sofia Coppola? (As an artist, I mean – I’m sure plenty of women would gladly trade for her beauty, wardrobe and Parisian rock-star husband.) No sooner had her bijou, highly personal breakthrough picture netted her an Oscar atop countless critical valentines than an acidic chorus of detractors began chiding her for aiming too low. When she shot for postmodern history and swirling visual excess in her strong follow-up, “Marie Antoinette,” the same people gleefully decided she was reaching too high this time. So when the pitch surfaced for her fourth feature film, it seemed that Coppola may have been cowed into submission by her critics: another story of a disaffected Hollywood actor adrift in hotel world, its apparently similarities to “Lost in Translation” could scarcely pass without comment. Was Coppola playing it safe, or worse, exposing a limited creative arsenal? The answer to both questions, happily, is no. With the wry, shimmery and thoroughly beguiling “Somewhere,” Coppola has perhaps made exactly the film she needed to at this point in her career: one that calmly takes stock of her abilities and interests rather than pushing them too severely. The director will, inevitably, take some flak for making a third consecutive film about the alienating side effects of celebrity and privilege – but as with Woody Allen and Upper East Side intelligentsia, or Mike Leigh and Britain’s Tetley-swilling middle classes, this is world she knows and feels, and if she feels a responsibility to keep circling back to it in her work, then she should do so. None of which is to say that the film has nothing new to offer: her first U.S.-set project since her now decade-old debut, “The Virgin Suicides,” it’s also her first film – coincidentally or not, made after becoming a mother – to examine notions of family with any real clarity. Argue for “Suicides” if you will, but while that blissed-out youth postcard centers on a family, it’s not really about family: “Somewhere,” on the other hand, begins as a solo portrait of Stephen Dorff’s scuzzy movie star Johnny Marco, holed up indefinitely in L.A.’s Chateau Marmont like the manboy counterpart to Kay Thompson’s Eloise, before deftly folding in a network of relationships with his ex, his brother and, most crucially, his daughter to assess the mark left by the unaccompanied life. Within minutes of meeting Johnny on screen, the on-paper parallels to Bill Murray’s Bob Harris retreat to the back of the mind: younger and less secure in his skin, his loneliness is longer-standing and his discontent more deeply ingrained. Coppola chooses to follow Dorff through a fragmented sequence of activities before he is afforded a word of dialogue, inviting us to assimilate the man through externals: his gaze, his stance, his tattoos, his faintly decaying hipster’s uniform of jeans, plaid and artfully scuffed work boots. It’s an appropriately distanced introduction to a man who doesn’t let much in, and Dorff underplays it beautifully, but both character and actor are unlocked when Johnny’s 11 year-old daughter Cleo (Elle Fanning) enters proceedings, and their warm, supple chemistry becomes the film’s dominant motor. Smart and self-possessed, but not preternaturally sage the way Hollywood so often likes its pre-adolescent girls, Cleo is able to take care of herself in ways that become increasingly poignant the more hints Coppola drops as to her upbringing thus far; it turns out that father and daughter are mutually reliant at alternating periods. Both actors are a delight: it’s higher praise than some might think to declare this Dorff’s finest hour, but it’s nonetheless a watershed performance that reflects on his established screen persona while adding softer accents. Fanning, meanwhile, is a quietly rewarding screen presence, perceptive rather than precocious, and possessed of one of the most deliciously subtle death-glares in the business. For her part, Coppola has shifted (if not necessarily upped) her game too: always languid, her filmmaking has never before been this patient, lingering long past the obvious cutting point in observational scenes in a manner that will bewitch some and enervate others. This studied approach allows certain stretches of the film to gather emotional momentum from relatively mundance beginnings, as in an exquisite ice-skating sequence incongruously choreographed to Gwen Stefani’s “Cool.” (Yes, the film sees Coppola embracing Top 40 pop, though Phoenix are still on hand to provide the requisitely lovely art-indie score.) Trading her regular DP Lance Acord for the great Harris Savides, meanwhile, is a move that pays off handsomely: as he also demonstrated earlier this year in Noah Baumbach’s “Greenberg,” Savides is able to make a virtual character of the hot, bleached Los Angeles light that appears to be complicit in Johnny’s disorientation. That I’m talking about light as a character should probably tip you off that Coppola is at her most low-key in “Somewhere,” but there’s barely a note in this moving, finely wrought miniature that isn’t in key either.
  2. E Veneza tem seu primeiro filme ovacionado! De quem mais poderia ser? Claro que da Sofia Coppola! Sofia Coppola, primera ovación en la Mostra La cineasta ha presentado su última creación, 'Somewhere' 1 voto Añadir comentario 03/09/2010 | Actualizada a las 15:17h | Cultura Venecia (Italia) (EFE).- La cineasta estadounidense Sofia Coppola volvió a deslumbrar este viernes en la Mostra gracias a esa rara habilidad suya, la languidez cinematográfica, que alcanza su máxima expresión en Somewhere, interpretada por Stephen Dorff y en la que sigue haciéndose eco del lamento de los que lo tienen todo. Con su habitual gesto de desagrado y hablando para el cuello blanco de una camisa de rayas azules, la pequeña de los Coppola enfoca con muy buen gusto una historia en la que un actor, Johnny Marco, insatisfecho con sus toneladas de fama, busca reencontrarse a través de la relación con su hija, interpretada por Elle Fanning. "Me interesa mirar a las personas en sus momentos de transición", explicó la directora de Lost in Translation, "se tienen que aislar del mundo y entrar en contacto con la soledad". A lo que Dorff, manso y a la vez espléndido en su papel, añadió que "la soledad llega al actor cada vez que acaba una película". Tras el infantil acercamiento al compromiso social realizado ayer por Julian Schnabel, nadie reprochó este viernes a Coppola su honesto elitismo al retratar, en tiempos de crisis, el lamento de quienes nunca han cocido un espagueti. Y mientras se estarán preparando ya los fastos para su fiesta con Marc Jacos y con Maria Antonieta como penúltima pieza cinematográfica, la cineasta sigue exhibiendo sin pudor y con genialidad y sutileza el punto de vista de la pobre niña rica. "Me gusta ambientar las películas en hoteles porque yo pasé mucho tiempo en ellos cuando viajaba con mi padre (Francis Ford Coppola). Es un mundo es sí mismo y me gusta la sensación de no permanencia", explica. Rodada en Milán, Los Ángeles y Las Vegas, Somewhere, vuelve a ser un acto sostenido de prestidigitación de la cineasta: siempre tiene truco, pero sin duda también magia. Mucha magia, en este caso. Y así, su buen ojo para la música, su talento para la composición y su atmósfera se funden en una estructura narrativa casi invisible, pero que sin embargo mantiene con vigor a la película en las alturas del mejor cine. La segunda cinta a competición fue la francesa Happy Few, de Antony Cordier, que, por el contrario, se abona a la multitud al filmar un cuarteto sexual y amoroso entre los actores Marina Fois, Elodie Bouchez, Roschdy Zem y Nicolás Duvauchellex. Teniendo en cuenta que a este último se le recuerda más por su faceta de modelo de Hugo Boss, sobra decir que la cinta apuesta por el preciosismo de anuncio de publicidad. "Es una historia de personajes que viven una utopía pero que, finalmente, se dan cuenta de que son más normales de lo que les gustaría y sienten celos, posesión...", explicó el director. Happy Few acierta en su reflexión sobre cómo la ruptura de tabúes sentimentales y sexuales requiere a veces, más que apertura moral, una madurez sentimental capaz de sobreponerse a las inevitables inseguridades, comparaciones y envidias. En definitiva, al doble filo de la libertad. "La propuesta de los personajes es muy pragmática. Inventan una nueva moral que encaje con sus deseos", aseguró Fois. Pero el planteamiento teórico explota con el baño de realidad: si ya es difícil que dos personas encajen emocionalmente, ampliar la combinatoria a cuatro es sólo abrir la caja de Pandora. Pero pese a la profundidad de Happy Few, la cinta fue recibida con cajas destempladas porque, a pesar del sexo explícito, la batalla la gana el exceso de almíbar en el tratamiento estético y musical, así como en algunas secuencias íntegras de la película. Eso sí, la cinta se reserva el derecho de contener una de las escenas más comentadas hasta el momento: una relación sexual entre los cuatro protagonistas embadurnados en 40 kilos de harina. Pero la reacción del público describe el principal lastre del filme. Antes que la sensualidad o incluso la excitación, la gran cuestión fue si lo que desconocía el director era la calidad espesante de la harina o el requisito "sine qua non" de la lubricación para el buen sexo.
  3. A primeira sessão de Somewhere é depois de amanhã.
  4. Tá de brincadeira, né? É uma das piores atuações juvenis da história do cinema. Bob Harris2010-08-24 22:02:46
  5. Não é nem de longe a bomba que todos estão afirmando. Só comprova, mais uma vez, a má vontade dos críticos com os filmes do Shyamalan. Tem algumas cenas incríveis e bem bacanas. Aliás, Shyamalan deveria dar aulas para o Zack Snyder de como se usar câmera lenta. Os efeitos estão ótimos, assim como o desenho de produção e fotografia. Gostei bastante das coreografias das cenas de luta. O que afunda mesmo são as atuações. Aliás, os péssimos diálogos parecem ser frutos das atuações, como se fosse consequência. Há tempos que não me constrangia tanto com as performances em uma sala de cinema. Chega a ser irritante. No mais, não deixa de ser um entretenimento despretensioso.
  6. Não é possível que esse vídeo não vai vazar!
  7. Um boato está ganhando força. http://stylenews.peoplestylewatch.com/2010/08/10/is-emma-watson-the-girl-with-the-dragon-tattoo/ Did Emma Watson Cut Her Hair to Play ‘The Girl with the Dragon Tattoo’? Emma Watson may have credited her dramatic new pixie cut to the end of the Harry Potter series, but now it seems that her freshly shaven do might in fact be for a new movie role. According to British paper The Sun, Watson is up for the coveted role of Lisbeth Salander in the much-anticipated movie The Girl With The Dragon Tattoo, based on the best-selling novel by Stieg Larsson. And while Emma’s Harry Potter character, Hermione Granger, was a girly wizard with wavy chestnut locks, Lisbeth Salander is a troubled computer hacker with spiky hair and tattoos. Watson’s role in the new flick has yet to be confirmed, but she certainly has some stiff competition: Kristen Stewart, Natalie Portman, Keira Knightley, Scarlett Johansson and Zoe Saldana have all also expressed interest in the part—as well as a potential unknown. Whether Watson lands the gig or not, we think she can certainly pull off this chic gamine style. We can’t help but wonder who will be the next to shave it all off for this role!
  8. Pois é, dark angel. É bem por aí mesmo. Há coisas mutio mais importantes de serem criticadas na saga do que a caracterização dos personagens/criaturas.
  9. O nome oficial do filme é apenas "Bruna Surfistinha". Corrigir o título do tópico.
  10. http://www.imagemfilmes.com.br/blog/2010/07/teaser-de-bruna-surfistinha-com-deborah-secco-esta-no-ar/ Teaser de Bruna Surfistinha, com Deborah Secco, está no ar Produção dirigida por Marcus Baldini chega aos cinemas brasileiros no dia 25 de fevereiro A partir de hoje é possível dar uma espiada nas primeiras cenas da aguardada produção Bruna Surfistinha, que chega aos cinemas em 25 de fevereiro. O teaser do filme foi lançado pelo Twitter oficial da protagonista Deborah Secco (http://twitter.com/dedesecco) na manhã desta terça-feira (20) e espalhou-se rapidamente pelas redes sociais. Na história, Raquel (Secco) é uma menina da classe média paulistana que estuda em um colégio tradicional e um dia toma uma decisão surpreendente: vai ser garota de programa. Raquel se torna Bruna Surfistinha que ganha destaque nacional ao contar suas aventuras sexuais e afetivas em seu blog. Completam o elenco principal Cássio Gabus Mendes (Chico Xavier), Drica Moraes (Os Normais 2), Cristina Lago (Olhos Azuis) e Fabiula Nascimento (Estômago). Dirigido por Marcus Baldini e produzido pela TvZero, Bruna Surfistinha é uma adaptação livre do best-seller O Doce Veneno do Escorpião que vendeu cerca de 300 mil cópias no Brasil. ESTREIA NOS CINEMAS 25 DE FEVEREIRO.
  11. Eu acho que o MENOR do problema da saga é os vampiros brilharem no sol ou os lobisomens não serem peludos e feios. É licença poética sim. Por vampiro ser uma criatura mitológica, ele está sujeito sim a diferentes interpretações e retratos. Obviamente, cria-se uma convenção. Mas nada impede novas leituras. É a mesma coisa com alienígenas. Convencionou-se que eles são cinzas, baixinhos, de olhos pretos e largos. Mas temos os alienígenas de Alien, de Guerra dos Mundos, de O Enigma do Outro Mundo, de Invasores de Corpos. Cada um com uma releitura diferente. É ridículo vampiro brilhar no sol? Muito. Entretanto, opção da autora e da sua leitura sobre o que são vampiros. Assim como em Harry Potter os bruxos vão à escola, estudam e etc. Na saga de J.K. Rowling, não vemos o estereótipo da bruxa de chapéu pontudo, nariguda e com verruga no nariz. Simples.
  12. Site oficial: http://www.thenightchronicles.com/ Achei o trailer muito bacana. E concordo, Frank. Uma pena Shyamalan não estar dirigindo. O projeto é bem a cara dele.
  13. Não vou nem comentar. Só digo uma coisa: Eu só pentelhei mais com Maria Antonieta. Bob Harris2010-07-14 14:01:22
  14. Definitivamente, se antes havia alguma dúvida que o público de Harry Potter havia amadurecido, agora não há mais nenhuma. Os filmes tomaram um rumo e não considero a saga como sendo infanto-juvenil. Agora, é juvenil-adulto.
  15. Pois é, Plutão. Só como exemplo, a Liga Mundial de Vôlei começou em junho. E ninguém notou ou percebeu. E o Brasil se classificou em primeiro, de todos os grupos, na primeira fase. Boa parte da culpa é da mídia. A própria não dá espaço e nem relevância para o esporte. Digo. A Globo altera a grade dela quando a seleção de futebol está jogando um simples amistoso. Você já viu a grade ser alterada para exibir um jogo de vôlei? Pelo contrário, o campeonato deve se adequar as exigências e ser exibido em um sábado ou domingo às 9:00 da manhã. E a audiência? Na minha opinião, é um descaso total.
  16. E essa história de que o futebol é mais acessível pela falta de exigência física é bullshit também. Isso não impede ninguém de praticar, muito menos de torcer. Sou baixinho e adoro ver basquete e vôlei. Mais que futebol. Qual a relação? Inclusive, já pratiquei ambos.
  17. Opa. Pera lá. Falta de infraestrutura nunca foi obstáculo para o esporte. NUNCA mesmo. Se os caras podem pegar uma bola e jogar futebol em um terreno baldio, o que os impede de, ao invés de chutar, usarem as mãos para jogar vôlei? Quem disse que para jogar basquete precisa ter uma quadra perfeita? Piscina? PISCINA? O litoral brasileiro é um dos maiores do mundo. Lugar para nadar não falta. Dinheiro só é obstáculo para esporte quando este envolve necessidade de equipamento, como o Hockey, por exemplo. Não precisa muito mais do que um taco e uma bolinha para jogar baseball, não é mesmo? E depois eu que falo asneiras... A partir do ponto que para praticar a maioria dos esportes você só precisa de uma bola, a falta de infraestrutura não é nenhum obstáculo. Se fosse assim, não teríamos nenhum jogador de futebol. Afinal, no Brasil não se tem "gol's", "campos" e etc, não é mesmo? E depois a minha visão é simplista? Tsc tsc. Pra rir mesmo. Sabe qual é o esporte mais praticado na Índia? Inclusive nas favelas? O cricket. Você acha que eles possuem ginásios para jogar? Não. Então pronto.
  18. Eu achei bacana que resgataram Enio Morricone. Mas aí é outro caso, né? É mais uma homenagem do que outra coisa. Só que é difícil engolir que a utilizaram a trilha sonora de Sunshine como homenagem. O que tem a ver mesmo? Pareceu lapso criativo. A primeira coisa que me causou foi lembrar o quanto Sunshine (e sua trilha) são bons. Além disso, o filme do Danny Boyle é muito recente, né? A trilha não se consolidou nem nada. Me causou uma péssima impressão. E olha que é uma das melhores sequencias do filme.
  19. Achei bem superestimado. Curioso que em um filme de personagens título, o mais divertido parte dos coadjuvantes. Possui belas sequências (apesar de sugar trilha de John Murphy, dos filmes de Danny Boyle, o que me causou uma péssima impressão, diga-se de passagem), mas o meio é uma enrolação narrativa sem igual. Bem mais ou menos.
  20. Para mim, um dos melhores do ano (passado e deste). É um ode à poesia e à literatura.
  21. É sério, Renato. E não é só o vôlei. Acho triste que dão atenção para outros esportes aqui no Brasil só em Olimpíadas. Afinal, quem fica torcendo por Cesar Cielo e acompanha todos os mundiais? Cito os EUA como exemplo. São fantáticos por Futebol Americano, Baseball, Hockey, Basquete... Lá não falta esporte que forneçam atitudes patrióticas.
  22. Eu acho que o argumento do Scof perde forças ao citarmos o Vôlei masculino. Somos uma potência do vôlei mundial, com 8 títulos na Liga (alo lado da Itália), e 2 na copa, ficando só atrás da Rússia. Valorizam o vôlei como o futebol? Não. São patriotas no Vôlei como no Futebol? Não. Para mim, há uma obsessão tremenda por futebol, o que é prejudicial até na varloização de outras atividades esportivas.
  23. A Saga Crepúsculo: Eclipse (David Slade, 2010) 1.5/4 Criticar a saga soa redundância. Depois de todas as obras literárias lançadas e de duas versões cinematográficas, não há dúvidas que se trata de um novo fenômeno. Afinal, mais de 1 milhão de espectadores nos cinemas brasileiros em apenas 5 dias não é para qualquer produção. Desta forma, não vejo muito sentido em realizar uma resenha de um filme o qual já possui um público fiel e consolidado. Sendo assim, talvez seja cabível apenas um pequeno comentário. O fato é que Eclipse não é muito diferente dos anteriores. E continua apresentando os mesmos problemas destes. Obviamente, não há muito o que fazer dada a linha narrativa. A trama continua superficial, mantendo o mesmo discurso absurdos - e inserindo outros piores ainda. As atuações, pífias. É impressionante destacar que até a competentíssima Bryce Dallas Howard realiza um trabalho medíocre por falta de orientação. A direção é um pouco mais ágil e, pelo menos tecnicamente, David Slade tenta fugir da obviedade dos anteriores criando algumas sequencias interessantes. Mas é só. Diálogos que beiram o ridículo, momentos e situações constrangedoras que até rendem piadas. Normal, nada que já não tenha presenciado nos outros dois filmes da série. Entretanto, não adianta criticar. Assistir foi uma opção (ou falta de) minha e não ficarei batendo na mesma tecla. Que o seu público fiel continue encontrando qualidades e apreciando. Bob Harris2010-07-05 15:49:06
  24. É o fim da carreira do cara. Se o filme fracassar na bilheteria, quero ver ele conseguir uma produtora de novo. Vai ter que voltar para a Índia.
  25. http://www.rottentomatoes.com/m/last_airbender/ 8 Reviews. 0% Inclusive, o Roger Moore está chamando de o fiasco do ano. Framboesa de Ouro again para o Shy.
×
×
  • Create New...