Jump to content
Forum Cinema em Cena

Faéu

Members
  • Posts

    1432
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by Faéu

  1. Se alguém estiver interessado em comprar o DVD de WALLE fale comigo por email em [email protected] Tenho 2 unidades. São novos, não usados, ainda no plástico. Vendo por 40,00 mais frete.
  2. Não o exemplo é perfeito. O conselho era para o Bernardo. Tá passando de bom. Se é assim, sim.
  3. Aff Kirsten Dunst é uma excelente atriz, lindíssima também. Ela tá fora-de-sério em Brilho Eterno, apesar de um papel meio pequeno. Tão quanto em AS VIRGENS SUICIDAS e HOMEM ARANHA (s2 m.j. )
  4. (01) SANGUE NEGRO (02) WALL E (03) O NEVOEIRO (04) ANTES QUE O DIABO SAIBA QUE VOCÊ ESTÁ MORTO (05) ONDE OS FRACOS NÃO TÊM VEZ (06) APENAS UMA VEZ (07) FIM DOS TEMPOS (08) SPEED RACER (09) DESEJO E REPARAÇÃO (10) SENHORES DO CRIME HOMEM DE FERRO 4 MESES 3 SEMANAS 2 DIAS CLOVERFIELD AMAR NÃO TEM PREÇO UM BEIJO ROUBADO SWEENEY TODD * ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA O CAVALEIRO DAS TREVAS HORTON E O MUNDO DOS QUEM EU SOU A LENDA O SIGNO DA CIDADE A MORTE DE UM PRESIDENTE (00) MEU NOME NÃO É JOHNNY (-1) JUNO (-2) O SINAL (-3) CONDOR (-4) NOME PRÓPRIO (-5) DO OUTRO LADO (-6) IRINA PALM (-7) ANTES DE PARTIR
  5. Vocês viram Totalmente Apaixonados? Bom, nesse até a Julianne Fucking Good Moore tá insossa. Acreditem. Mas posso inverter o tópico? Eu não consigo conceber maior perfeccionismo em um papel dela que não seja naquela miníma participação dela em Filhos da Esperança. São quantos, 10 minutos? SUFICIENTES! Putaqueopareo. Ps. não ví as horas. Ps2. se alguém achar ruim o papel também mínimo dela em im not there, veja o doc do scorsesse no direction home, depois reveja.
  6. Eu achava Kill Bill e Sunset Boulevard perfeitos. Hoje com menos paixão até vejo coisinhas mínimas, minimíssimas, que não fazem diferença alguma , mas sendo 0,0000000000000000000000000000000001 imperfeitos, não o são.
  7. Eu não achei o longa tão contundente Calvin, apenas bom. Mas concordo que o casal não faz a mínima diferença, é só um adereçozinho, naquele momento leve, desprovido de pretenção. Não acho que colocar esse ponto do livro no longa significou alguma reviravolta no longa de Meirelles, faz apenas parte de uma cena de descontração dos personagens, para o filme.
  8. Aguardem os camelôs Depois de BOPE (tropa de elite), BOPE 2 (noticias de uma guerra particular), BOPE 3 (quase dois irmaos), vem ai BOPE 4 - O trabalho de Matias
  9. "A MULHER OLHOU PRA GENTE COMO SE FOSSEMOS ASSALTÁ-LA", minutos depois ele assaltam a mulher. "AS PESSOAS PENSAM QUE ARABES/PERSAS SAO TODOS ASSASSINOS E TERRORISTA", minutos depois, um arabe/persa tenta assassinar um americano. paul haggis é um gênio. algumas vezes preconceito tem fundamento.
  10. Ensaio Sobre a Cegueira (2008) dir fernando meirelles aka blindness Na verdade, o tom de “Ensaio Sobre a Cegueira” nunca muda, é leve, um suspiro. A voracidade está pouquíssimo na ação, sua força está na imagem e no som. Assim, começo dizendo que este filme é uma boa adaptação, tentando deixar para trás ao máximo a memória daquela coisa homônima mais que literária. O longa é dotado de uma humanidade bastante grande enquanto os são personagens mantidos à distância do espectador. Ponto positivo. Não é possível localizar geograficamente o filme, quanto a essa idéia, apesar de nós brasileiros identificarmos com facilidade a cidade de São Paulo, Meirelles dá o tom exato para isolar aquela estória como estudo - como seres-humanos em uma jaula - para questionar a cegueira da ignorância à tudo. A trilha sonora é ainda mais qualitativa ao longa, é atemporal, acultural, é um som quase identificável que funciona apenas como atenuador do espaço, dos sentimentos daquelas pessoas e da ocasião. A fotografia tão genial quanto. Desespera aquele mar branco tão profundo, sem horizonte e sem sombras. Não há como se enxergar além, a idéia é apenas observar aquela rede de pessoas que parecem síntese de tudo no mundo. Agora, ruim é que, com toda essa técnica apurada, uma criação exemplar de ensaio, Meirelles tenha optado pelo lado mais contista. O filme é mais explicativo e narrativo que contemplativo. O diretor parece preferir listar os problemas a que quer mostrar para apresentar-nos. Em “Ensaio Sobre a Cegueira”, acontece isso, depois aquilo, e aquilo, e é por conta do motivo a, motivo b e motivo c. Em parte não é difícil de identificar o porquê: Fernando Meirelles queria a certeza de realizar o pedido de Saramago, queria que ao enxergarem seu filme, vissem. O que não é de todo ruim, a pessoa (que não é o caso de dois casais sentados atrás de mim no domingo) que tiver um mínimo de atenção, entenderá toda a idéia central da tese facilmente. Porém é esta sem força. A falta de pessimismo chega a deixar com tom de exagero o filme, deslocando uma realidade mais agressiva. O que deixa “Ensaio Sobre a Cegueira” não tão longe de execuções como a de “Eu Sou a Lenda”. Com bem disse o Saymon, falta “sangue e merda”. A cena do estupro, no supermercado e as imagens que levam os doentes à uma proximidade com mortos-vivos são fortes ao demonstrar a degradação, mas o espaço ainda parece imune (apesar do abando e dos papeizinhos picados). Deixa parecer sempre à beira do abismo, sociedade migrando, mas não habitando aquele caos. É mais a realidade documentada do que uma possibilidade alarmante do que já está acontecendo. E ainda tem aquela coisa irritante de ser interrompido pela voz de Danny Glover, em duas das cenas que beiram lágrimas. PS.: Julianne Moore e, por que não, Gael Garcia Bernal.
  11. Aff... várias coisas absurdas que você critica aí.
  12. THE MIST Vale ir sabado que vem de novo
  13. Até que enfim!!!! Depois de Por Um Sentido na Vida ela não fez mais nada de interessante! E, por Deus, que desperdício!!!!
  14. Durmo com dois filmes que amo. Mas porque coloco no dvd na intenção. Dois filmes que me dão uma paz danada. Um é MANHATTAN, não sei porque. Outro é TAXI DRIVER: aquela trilha sonora colossalmente boa...
  15. A distribuidora é a DOWNTOWN FILMES, a qual nunca ví lançamentos em DVD. Acho difícil. Talvez a ótima VIDEOFILMES traga para ela. Quem sabe.
  16. Tá. foi uma piada. Mas o absurdo é simples de se resolver. Inverte-se! Existe filme legal mas ruim?
  17. e 2001? chato mas bom, né verdade?
  18. Revendo as fotos é que eu entendo menos ainda o "porque não ver" ENCARNAÇÃO DO DEMÔNIO. De segunda o cinemark é 3,00 ... não seria ruim rever.
  19. Encarnação do Demônio, de José Mojica Marins (2008) Um chute no saco ou um soco na barriga de tão bom. Zé do Caixão impecável quando Zé do Caixão. A voz narrando os fatos com aquela fluência de um aluno de língua inglesa de curso de fundo de quintal. O filme B sem medo, sem vergonha. Me fez brilhar os olhos e não conseguir evitar um espanto (positivo) do que a direção de arte fez com um Playcenter, as alucinações em preto e branco ou quando o trash alcança máximo: um cara costurando bocas no purgatório com luvas cirúrgicas. E o terror sem firulas ganha o filme. As feiticeiras cegas, cemitérios nebulosos, magia negra, onde foi que o cinema desaprendeu o que realmente assusta. Um filme com grandes momentos banhados em cômicos traz pânico forte. Até quando desce o nível, quando se atualiza a lembrar “O Albergue” ou “Jogas Mortais 3″, é melhor: nadar em sangue de porco ou ser costurado dentro de um? Baratas vivas, ratos, comer da própria carne, arrancar o couro. Onde foi que esqueceram dessas obviedades que ainda são o que há de mais assustador? Por mais que o roteiro acabe mais desleixado do que pretende, a persona criada por José Mojica Marins (nome novo, já que o personagem acabou engolindo o realizador) é auto-suficiente, críticas parecem impenetráveis no que poderia parecer puro amadorismo e falta de talento. O roteiro é mal acabado, sim, mas em grande escala o amadorismo toma para si a atenção transformando novamente um filme de Marins em peça única, coisa que só ganharão paridade com Romero. Não há nem a necessidade de comentar à partir da cinematografia brasileira. Terror nu e cru. O tom absurdo do final de “Planeta Terror” merece aplausos, mas o concebido por José Mojica/Zé do Caixão chega quase a emocionar.
  20. RANKING: Pixar Animation Studios 9 A Bug’s Life Dir.: John Lasseter 1998 8 Cars Dir.: John Lasseter 2006 8 Monsters Inc Dir.: Peter Docter 2001 6 The Incredible Dir.: Brad Bird 2005 5 Toy Story 2 Dir.: John Lasseter 1999 4 Finding Nemo Dir.: Andrew Stanton 2004 3 Ratatouille Dir.: Brad Bird 2007 2 Toy Story John Lasseter 1997 1 WALL●E Dir.: Andrew Stanton 2008
  21. No blog não publiquei os piores. Mas vamos lá 1 - IRINA PALM 2 - MEU NOME NAO E JOHNNY 3 - CONDOR 4 - JUNO 5 - DEATH OF A PRESIDENT Lista rasa, porque evitei algumas coisas problemáticas. Mas o primeiro é o único que realmente não gostei, os outros todos regulares, até ano que vem já nem lembro mais.
×
×
  • Create New...