Jump to content
Forum Cinema em Cena

cauchies

Members
  • Content Count

    26
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by cauchies

  1. Conhecendo sua capacidade de interpretação, só imagino como deve ser complicada...
  2. Caro Serge, No caso da Ultima Tentação de Cristo' date=' sim, mas chamar o Código de arte já é ofensa a Beethoven. Sim, certamente. Mas isso não acontece apenas com a religião. Por exemplo, o novo filme de Andy Garcia, foi rejeitado em diversos festivais porque mostrava Che Guevara como um assassíno frio e cruel, portanto, há "fundamentalistas imbecis" na política também, mas duvido muito que alguém vá chamá-los assim, pq a religião é vista como lavagem cerebral por definição. Isso sim é patético e desprezível.
  3. Caro Dook, Quando uma pessoa aceita uma religião' date=' e tem consciência da responsablidade do que isso implica, ela o está fazendo de livre e expontânea vontade. Portanto, se ela deixou de ver o filme por acreditar que ia para o inferno, algo que duvido muito que um padre tenha dito, ela continua exercendo sua liberdade de escolha. Se os padres tivessem tanto poder sobre seus fiéis, o pecado já teria sido abolido da face da terra, não? A liberdade é algo que vai diminuindo a medida que fazemos escolhas. Escolheu ser cristão tem que aceitar o céu e o inferno,
  4. Caro Serge, Como disse, sou contra a censura pelo estado. Penso que o erro de Zimbaldi não foi se sentir ofendido, mas sim pensar que, por causa disso, o estado deveria fazer algo; aliás, como disse em algum outro post por aqui, é um traço característico brasileiro.
  5. Caro Jailcante, Exercer a liberdade de expressão é babaquice por quê? Bitolar como? Certamente não é uma atitude similar. Comparação extremíssima, pois queimar um livro, não é a mesma coisa de deixar de lê-lo.
  6. Por que? Não dá para explicar; é auto-explicativo. Adorei isso, de verdade. Aprendi novos argumentos nesse forúm, como, "auto-explicativo" e "discordo". Imagino eu na aula, o professor falando dos efeitos dos analgésicos opióides, quando de repente me levanto com toda a majestade de meus 1,69 - perdoem-me, bebi umas taças de vinho além da conta - e protagonizo a seguinte cena: Eu fazendo pose desleixada usando bone virado e headfones (escutando, Beethoven - claro -, pois vulgaridade tem limites) - "Professor, muito bem explicado, mas discordo". O
  7. Eu sei Mister Ass, tu me avisou... fui...
  8. Caro Serge, O que há de errado com o convite ao boicote? Só não vai quem não quiser. Quantos lugares comuns! Dá para explicar? Please...
  9. Caro Dook, Percebo agora por qual motivo tua fé é inabalável: quem não entende o que ocorre ao seu redor não se abala com nada mesmo. Uma daquelas confusões que me faz desconfiar que seja tu mesmo a amarrar teus tênis' date=' já que eu disse que se o crítico concorda com teus argumentos, ou melhor total falta, ou confusão dos poucos deles, teria a capacidade para o exercício de sua profissão altamente discutida. Note que disse profissão, e não que ele seria um imbecil, como aliás ele e tu adoram chamar os outros. E note que, então, não o critico como p
  10. Caro Dook, Sinceramente meu tempo é precioso e não vou mais perdê-lo contigo, pois está claro que tu não conheces o mínimo necessário para manter uma debate. É simples: há conclusões, que seguem de premissas e estas precisam, ou serem evidentes nelas mesmas, ou possuirem um nexo que transfira a evidência de outras que sejam evidentes nelas mesmas. Vamos, então, a uma análise dessa condição mínima de debate. Como toda tua tese é de que qualquer pessoa que se sinta ofendida com "O Código" teve sua fé abalada, precisamos analisar teu conceito de fé.
  11. Caro Dook, Estava a escrever uma resposta, mas percebi que tu aumentaste em muito a gama de assuntos, os quais não vou me furtar de falar, mas antes vamos resolver umas coisas básicas. Primeiro tu fala delas, e só delas, please, e depois falamos do resto. E te lembro que concordar ou discordar não são argumentos. 1 - Alguém só pode se sentir ofendido por ter sua fé perturbada? Não pode ser simplesmente por ver algo que ama ser ridicularizado? E agir para proteger o que se ama de ser ridicularizado é ser imbecil? 2 - Como a fé de alguém pode ser a
  12. Caro Dook, Qual seria esse conceito de fé? Note que' date=' como disse acima, ninguém falou em abalo de fé, apenas tu. Concordo contigo que as informações do livro não devem abalar a fé de ninguém, mas certamente são ofensivas. É importante que seja dito que há uma nota no começo do livro que diz ser tudo verdadeiro, e que a Sony se negou a colocar uma mensagem no começo do filme alertando que tudo é ficção. Não acredito em conspiração, mas acredito em falta de respeito. Não houve um só regime totalitário que n
  13. Caro Dook, Conceito que se não aplica no caso da religião, pois dizer que "(...)todo o fundamentalismo tende a uma absolutização do “eu”, do “ego” em detrimento do “outro”" é um afirmação absurda dentro do quadro de valores do cristianismo ou do islamismo, pois eles visam exatamente o contrário: uma absolutização de Deus em detrimento do eu. O fundamentalismo apenas visa, nesses casos, a volta às origens, isto é, aos documentos sagrados. O texto, esse que linkaste, aliás, poderia render boas análises (o mito da globalização americana, fundamentalismo de mercado - faz-me ri
  14. Caro Pablo, Algo que' date=' ao contrário do que tu dizes, apenas piora o ataque ao cristianismo, pois vemos claramente que o herói, ao final, é totalmente convertido. Isso é apenas uma radicalização da idéia de Brown, pois, embora em momento algum do livro ou do filme seja dito, o final de ambos, implica em uma divinização do Santo Graal, como se ele tivesse uma essência divína; disto para a implicação que a sua, digamos, outra parte, também tenha essa essência divina, embora contradiga praticamente toda a teoria de Brown, é apenas um passo lógico. A
  15. Bom, vou postar uma crítica que escrevi sobre Casshern, porque adoraria ver outras Casshern: sobre nossa redenção? Falar sobre Casshern é difícil! Não sei nada de cultura japonesa, então, vou falar apenas das impressões que ficaram em minha alma. Visualmente falando o filme é lindo e, claro, revolucionário ao criar todos os cenários digitalmente; eu fiquei impressionado com o uso das cores com o propósito de ressaltar os sentimentos, como, por exemplo, no jardim da casa dos Azuma, que parece um sonho com cores vivas, alegres e luminosas, como se a luz divin
  16. Caros Serge e Conde, Eu já tive esse debate com vcs no fórum antigo. Infelizmente por causa de um golpe do destino, e do reitor da minha faculdade, terei feriadão a começar por hoje! Portanto, estou indo para a praia onde espero ficar bem longe de computadores. Segunda-feira, prometo trabalhar melhor esse assunto. Nesse meio tempo não chorem muito de saudades. A todos uma feliz Ressureição!
  17. Mas o hq não me parece ser panfletário' date=' não posso dizer, pois não o li, porém a entrevista com o Moore mostra que sua idéia era deixar tudo ambíguo criando personagens em ambos os lados que tivessem profundidade. Se vc não enxergou, foi simplesmente porque não viu, pois está lá!
  18. Vcs já leram os motivos pelos quais Alan Moore pediu para ter seu nome retirado dos créditos? Exatamente, porque, ao recriar o universo de V como neoliberais X democratas americanos, eles transformaram a história em um panfleto que, como todo o panfleto, é simplesmente retórica tendenciosa. A crítica do Pablo é ainda mais panfletária! Para ler a entrevista aqui. http://www.comicon.com/thebeat/2006/03/a_for_alan_pt_1_the_a lan_moore.html É interessante notar que a luta do fascismo contra o anarquismo não é, como acredita Alan, entre dois extremos polític
×
×
  • Create New...