Jump to content
Forum Cinema em Cena

Gust84

Members
  • Content Count

    2449
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    19

Everything posted by Gust84

  1. Primeira revira de alguém que gostou de verdade do filme que vejo.
  2. Bem no meu aniversário essa merda. Tristeza demais.
  3. Isso, ta aí alguém que fala melhor que eu. Esses comentários são muito pinçados. Não se atentam ao contexto geral.
  4. Não discordo, por isso que eu disse que se espremer bem a reclamação, é uma disputa de "no meu tempo era melhor". O que eu me incluo, haha.
  5. Vou tentar fazer um exemplo bem idiota pra me fazer claro, mas isso se dá apenas pela minha dificuldade de deixar claro dentro do assunto. Pra alguém que só come arroz e feijão, um estrogonofe é alta gastronomia. Pra alguém que sempre comeu estrogonofe, e experimenta um corte de carne, com um creme de alguma hortaliça, e uma espuma de alguma coisa, isso se torna alta gastronomia, e este por sua vez se experimenta uma cozinha molecular, ou alguma técnica de um restaurante premiado onde foram horas de cocção em baixa temperatura, mais molhos com ervas não sei o que, apenas alimentos orgânicos e sazonais, este entende que chegamos na alta gastronomia. Meu ponto é que existe um processo como qualquer outro de evolução e para aguçar os sentidos, mesmo que seja na arte, ou no cinema, ou nas hqs. De alguma forma, está acontecendo um nivelamento por baixo, que não só não desenvolve o expectador/leitor, como hoje cria indústrias apenas para alimentar esse mesmo nível, sequer sobrando espaço pra uma linguagem mais complexa ou rebuscada. Então, na média, uma pessoa que tem 20 anos, e só viu filmes de herois nos últimos 10 anos, tropeça num coringa, na minha visão o cara fica vislumbrado quase que num mal sentido, já que por ele sequer ter visto as referências reais do filme do coringa, de que esse filme está reinventando a roda. O que não está, nem de perto, e como disse o questão se nem se chamasse o coringa não teria esse sucesso. Mas há o lado positivo disso, que é servir de porta de entrada pra quem de fato está interessado.
  6. Eu entendo o posicionamento tanto do Moore, quanto do Scorcese, em que pese eu não concorde 100% com eles, por que ambos os comentários, são válidos, mas carecem de uma avaliação um pouco mais abrangente do cenário/contexto em que estão colocando suas posições. Em resumo, concordo que está havendo um banalização da cultura, uma facilitação, seja narrativa ou de linguagem, que trouxe inúmeros consumidores pra esse nicho, que hoje se tornam uma parcela "exigente" do mercado, ainda que sequer tenham de fato conhecimento ou bagagem pra cobrar algo. Essa inversão de valores, em que a arte está sendo feita sob encomenda, e não, sendo realizada e impactando ou gerando o debate após sua apreciação é o cerne de toda essa questão. Ocorre é que na hora de expor isso, fica muito no papo de "na minha época era melhor que isso", o que, na minha opinião faz perder muito o peso desses argumentos. Num exemplo concreto, como consumidor de quadrinhos desde a minha infância, hoje pra mim é muito difícil conversar com alguém que quer falar comigo sobre isso, que eu não veja que tenha esse "backround" comigo, me sinto exposto, não sei se posso evar a sério, ou se posso de fato argumentar como eu penso, já que nossa cultura fora colocada na vitrine, hoje todo mundo conhece, consome, ou gosta de alguma maneira desses personagens. Não sei se vocês passam por isso, mas nossa "tribo" sempre foi fechada, foi nossa. Ver o uso assim, e o pessoal de fora ditando as regras é bizarro. E hoje isso está desenrolando até um efeito contrário, porque também está afetando o cinema. MILHÕES de pessoas foram levadas a consumir o cinema agora por causa desses filmes, e o impacto que isso gera transforma até a avaliação disso. Minha relação com o cinema não é a mesma de quadrinhos, não gosto de um por causa do outro e vice versa, então vejo como possível enxergar que alguém que só consome filmes de hqs, vê um coringa e EXIGE que o filme seja ARTE, SEJA RECONHECIDO, "OLHA SÓ COMO EU CONSUMO COISA SÉRIA, MIMIMI", quando na realidade, é um filme comum. Um drama e um estudo de personagem, que pra não ir longe ou ser muito cult, Scorcese abordou em taxi driver de forma muito melhor. Concluindo, os dois estão certos, mas estão se sentindo "lesados" ou com gente infiltrada que não deveria estar ali de fato. Orgulho ferido. Scorcese está puto porque o cinema era dele e ele sabia o que fazer com seu público, e conversar com eles através de sua arte, e hoje ele não entende metade de quem está na sala de cinema, e que hoje realizadores dão importância a esses intrusos, e Moore por sua vez está exatamente assim, sobre os quadrinhos, dos quais ele culpa o cinema que expôs e transformou muito do pessoal que gosta de hq, trazendo gente não "preparada", ou algo do gênero. Enfim, me alonguei e não sei se me fiz claro.
  7. Filme será ruim? Com certeza. Visual ficou melhor? Com mais certeza ainda.
  8. Eu lia mais o blog dele, do que via os vídeos.
  9. Eu vou te falar que eu havia gostado da concepção de um coringa GANGSTA. A idéia era boa e inovadora. Mas a realização não deu muito certo né. O filme inteiro do esquadrão é uma derrota.
  10. Brad pitt muito bem. Cenas lindas. Trilha bonita. Tommy Lee Jones surpreendente . Mas o filme é muito chato, meu deus. Devagar quase parando, tem tanta narração que me lembrou filmes do Malick .
  11. A título de curiosidade, os power rangers dos Estados unidos foram feito, com os EUA comprando direitos de um tokusatsu japa, e dali gravavam com os atores americanos as cenas sem o uniforme, mas as batalhas todas, eram usadas as cenas da série japonesa.
  12. Ela tem carreira musical até. Eu acho os dois ótimos atores, de verdade.
  13. Caralho Questão. Meus parabéns, segue com a procuração, hehe. Fico me perguntando se entro ou não na discussão, mas não sei se poderia acrescentar mais ao que está sendo dito.
  14. Gostei Muito dos paralelos que você colocou, e também havia reparado. O tal didatismo também pesa a mão em alguns momentos. Confesso que fiquei com vergonha de parecer chato sobre o "movimento" se formar tão facilmente também e por isso não levantei a bola, mas concordo em número gênero e grau. Ainda assim tem muito mais acertos que erros.
  15. Nossa. Você não entendeu nada do tropa de elite.
  16. Pra muitos a polarização bizarra do Brasil que estamos vivendo hoje que se torna impossível debater de forma relevante, se deu início nas passeatas pela tarifa de ônibus de 2013. Pra mim foi com o tropa de elite 1. A mensagem do Padilha de mostrar que o mundo era uma merda e achou que ia chocar o Brasil com aquela realidade, só fez o pessoal passar pano pra tortura de policial, e não enxergar o tamanho dessa cagada, o obrigando a desenhar na sua sequência e mesmo assim grande parte da sociedade não entendeu. Se existe de fato um paralelo entre coringa é tropa de elite, esse paralelo é perigoso se colocarmos no senso geral. Tipo a galera se cagando de rir na cena pós assassinato, do anão na porta.
  17. Só pra postar que o Questão tem minha procuração no tema "CORINGA", hehe.
  18. Justamente. Não mostrar isso tira o peso do coringa "monstro".
  19. Essa questão da violência "justificável" também me incomodou um pouco.
  20. Com certeza absoluta. Esse filme foi uma liberdade criativa dentro de um personagem de hq. Quase como nos anos 80 convidavam o Alan Moore pra contar alguma história de um personagem. Não vejo relação com um universo aberto. Toda a pegada do filme foge do modelo de franquia ou algo assim. Esse filme não é pra adolescentes, não terão brinquedos ou nada parecido pra vender desse personagem. Tô com o questão.
  21. Visto. FILMAÇO. Não acho que terá relação com mais nada da DC. Depois posto com calma minhas impressões. Alguns pequenos aspectos me incomodaram na questão coringa/hq/ etc, mas não diminui em nada como filme. É um filme pesado, com cheiro, com textura e com conteúdo. Lembra muito táxi driver. Joaquim fez algo do nível Daniel Day Lewis .
×
×
  • Create New...