Jump to content
Forum Cinema em Cena

SergioB.

Members
  • Content Count

    2936
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    38

Everything posted by SergioB.

  1. Nossa!! Eu tinha escrito que seria muito difícil um documentário me conquistar tanto quanto "American Factory" da Netflix, mas seu principal concorrente, da Amazon, "One Child Nation", é igualmente esbabacante! É sobre a Política do Filho único na China, com suas consequências terríveis. Pra mim, esse foi um assunto presente no ano, pois li o estupendo "As Rãs" do Nobel Mo Yan, que trata também sobre o tema, e, claro, esse doc serviu como um irmão gêmeo para o livro. Quase as mesmas situações inacreditáveis. E dá pra ver o poder das duas formas de arte. A conclusão desse doc é estupenda e bastante atual, fazendo um link perfeito com outras partes do mundo. A linguagem é do tipo que eu gosto, privilegiando o momento, a câmera na mão, com um assunto muito poderoso por trás. É o terceiro trabalho da diretora, que quase foi indicada pelo primeiro filme, "Hooligan Sparropw", chegando às semifinais no ano de "O.J: Made in America". A China pode ser um país assustador. O país não tem escapatória neste ano, sairá com a imagem defenestrada seja por "American Factory" seja por "One Child Nation". Não sei dizer qual o favorito. Qual o meu favorito.
  2. Nossa!! Eu tinha escrito que seria muito difícil um documentário me conquistar tanto quanto "American Factory" da Netflix, mas seu principal concorrente, da Amazon, "One Child Nation", é igualmente esbabacante! É sobre a Política do Filho único na China, com suas consequências terríveis. Pra mim, esse foi um assunto presente no ano, pois li o estupendo "As Rãs" do Nobel Mo Yan, que trata também sobre o tema, e, claro, esse doc serviu como um irmão gêmeo para o livro. Quase as mesmas situações inacreditáveis. E dá pra ver o poder das duas formas de arte. A conclusão desse doc é estupenda e bastante atual, fazendo um link perfeito com outras partes do mundo. A linguagem é do tipo que eu gosto, privilegiando o momento, a câmera na mão, com um assunto muito poderoso por trás. É o terceiro trabalho da diretora, que quase foi indicada pelo primeiro filme, "Hooligan Sparropw", chegando às semifinais no ano de "O.J: Made in America". A China pode ser um país assustador. O país não tem escapatória neste ano, sairá com a imagem defenestrada seja por "American Factory" seja por "One Child Nation". Não sei dizer qual o favorito. Qual o meu favorito.
  3. GENTE..."One Child Nation" !!!!!!
  4. Há uma certa pausa nos campeonatos mundiais neste mês. Apenas alguns torneios rolando. Um site espanhol que faz projeção de medalhas atualizou seu ranking hoje: Brasil em 13º lugar com 6 medalhas de Ouro, 6 de Prata e 9 de Bronze; 21 no total. Mas o site cobre a parte de Skate muito mal, considera os Roller Games...De qualquer forma, os números são mais ou menos parecidos com os meus. A Espanha olha de perto o Brasil. Nos Jogos do Rio ficamos um posto à frente deles. E os dois países brigam cabeça a cabeça pelos lugares mais próximos do TOP10. Neste site, eles estão em 17º, com 4 Ouros. Em um site inglês, que também atualizou suas previsões recentemente, os números são: Brasil em 15º lugar, com 5 medalhas de Ouro, 6 de Prata, e 12 de Bronze; 23 no total. Mas eles computam 2 medalhas no Caratê, Ouro no Futebol...Medalhas que eu não conto.
  5. "Harriet" é um filme apenas razoável. Tem bons figurinos de Paul Tazawell (que alguns apostam ainda com chances de ser indicado) e uma ótima atuação de Cynthia Erivo. Só. No momento, só vejo o filme indicado em Canção (que também não é lá grandes coisas) e em Atriz. Cynthia, como disse, tem uma ótima atuação, mas é extremamente prejudicada pelo PÉSSIMO Roteiro. Imaginava-se que com um papel como esse, uma importância histórica como essa, Cynthia seria pule de dez para o Oscar em Atriz. Mas, quando o filme saiu, as críticas ao filme foram muito mornas. Há momentos terríveis de abandono do realismo histórico. Do nada, a personagem está fugindo dos fazendeiros e...começa a cantar!! Vem uma canção "do nada". Socorro! Fora uma parte "sobrenatural", infantil, boba...Uma visão melodramática, espiritual, que ficou muito mal empregada. Não curti também a montagem, acelerando passagens da vida dessa lutadora emblemática. Tão emblemática que será a estampa da futura cédula de 20 dólares.
  6. "Harriet" é um filme apenas razoável. Tem bons figurinos de Paul Tazawell (que alguns apostam ainda com chances de ser indicado) e uma ótima atuação de Cynthia Erivo. Só. No momento, só vejo o filme indicado em Canção (que também não é lá grandes coisas) e em Atriz. Cynthia, como disse, tem uma ótima atuação, mas é extremamente prejudicada pelo PÉSSIMO Roteiro. Imaginava-se que com um papel como esse, uma importância histórica como essa, Cynthia seria pule de dez para o Oscar em Atriz. Mas, quando o filme saiu, as críticas ao filme foram muito mornas. Há momentos terríveis de abandono do realismo histórico. Do nada, a personagem está fugindo dos fazendeiros e...começa a cantar!! Vem uma canção "do nada". Socorro! Fora uma parte "sobrenatural", infantil, boba...Uma visão melodramática, espiritual, que ficou muito mal empregada. Não curti também a montagem, acelerando passagens da vida dessa lutadora emblemática. Tão emblemática que será a estampa da futura cédula de 20 dólares.
  7. Weekend Results:1. Midway – $17.5 million2. Doctor Sleep – $14.1 million3. Playing with Fire – $12.8 million4. Last Christmas – $11.6 million5. Terminator: Dark Fate – $10.8 million
  8. "Vita & Virginia" é um filme bastante esforçado, que conta com uma atuação excelente da Elizabeth Debicki como Virginia Woolf, e uma atuação razoável da Gemma Arterton, como Vita Sackville-West. É a adaptação de uma peça de 1993, escrita pela grande atriz Eileen Atkins, com base na correspondência entre as duas escritoras. Bom, é verdade, claramente se trata de uma "peça". Pois é muito falado, com muitos diálogos grandes, preciosos, elaboradíssimos, literários demais, que, a meu ver, tornam-se artificiais no cinema. Embora o filme trate do longo relacionamento entre as duas, e mostre o momento de escritura de vários livros de Virginia, o filme acaba privilegiando ao final a escrita do SUBLIME, MARAVILHOSO, INESQUECÍVEL "Orlando" - um dos meus livros favoritos da vida. Então, pra mim, especialmente, o filme se tornou muito interessante, muito melhor do que realmente é, enquanto cinema.
  9. "Minha Vida em Marte" é um dos melhores exemplos de como a linguagem da televisão campeia no nosso cinema popular. O povo brasileiro tem uma tendência de querer reencontrar na tela grande aquilo que viu em casa. Tanto é assim que esse filme arrecadou espetaculares 21 milhões! Não tem como avaliá-lo como cinema, pois não tem linguagem de cinema. É o programa da tevê ( por sua vez, originado da peça), por sinal dirigido pela mesma Susana Garcia, que deu azo ao primeiro filme, e a essa sequência. Uma comédia sobre relacionamentos amorosos que vão e vêm. E eu filosofo: é sobre o mal que o Mito do Amor Romântico pode causar na cabeça de alguém. Paulo Gustavo e Mônica Martelli são excelentes comediantes, e, mais do que intepretar um personagem, projetam aqui suas personas deliciosas. Não sou o público alvo, mas eu ri pra caramba.
  10. Inveja de quem ainda não viu! Voltava no tempo só pra repetir a experiência da primeira vez. Obra-prima. Depois diga o que achou.
  11. Vencedor do Urso de Ouro este ano, além de outros prêmios pelo mundo, para mim, eram favas contadas que ele seria o candidato de Israel ao Oscar. Não foi. Elegeram outro, que acabou desclassificado por ter mais de 50% de falas em inglês; que foi substituído por outro filme ...Pensei: por que não o ganhador de Berlim? O protagonista é críptico, enigmático, talentoso, e louco. Ele incorpora as memórias do diretor Nadav Lapid (de "A professora do Jardim de Infância"), que realmente rejeita Israel, que também nunca quis voltar ou falar hebraico. Ou seja, é uma autobiografia, o que me faz, de per si, dar um joinha, por que fugiu bastante do que entendemos como autobiografia, pois acabamos não sabendo exatamente muito da sua vida, mas entendemos bastante bem, politicamente falando, o que ele quer dizer: a vida do imigrante é difícil, é um perrengue; a França está aberta, mas as portas estão fechadas...Israel, contudo, é apenas uma terra para ser esquecida. Há uma cena de caráter sexual muito, muito, muito, perturbadora. Palmas para o ator. Um animal em cena. Fui pesquisar: era cotado para ser lutador olímpico de Judô por Israel; foi ser bailarino; aprendeu francês perfeitamente...Carrega o filme, o seu primeiro filme.
  12. "Ghosts of Sugar Land" é um mini doc da Netflix, premiado em Sundance 2019, que talvez se torne o candidato do Serviço ao Oscar na categoria. A partir da montagem de uma série de fotografias, espertamente modificadas, o doc narra um grupo de amigos do Texas que tenta compreender as razões que levaram um amigo deles de juventude a defender o Estado Islâmico na Síria. Na onda da representatividade, é feito por muçulmanos americanos. É bom, mas não é ótimo. 21 minutos.
  13. Mini doc da Netflix sobre uma adorável menina praticanete de sumô. Diz a sinopse do documentário que ela luta pela profissionalização do sumô feminino no Japão, etc, mas, na real, o doc mostra que se se é dito que há preconceito dos tradicionalistas, por outro lado, ela até participa de um campeonato mundial pelo Japão, como integrante da equipe feminina de sumô do país... Portanto, o "problema" do doc é muito mal desenhado. Vi mais a "mudança" do que o "preconceito".
  14. "The King" é um filme muito esforçado, de muito capricho na parte técnica (Trilha bonita do Britell, Fiona Crombie ("The Favourite") no Design, Fotografia cinza do Akapaw), com atores talentosos, e é um bom divertimento, no geral. Porém, acrescenta pouco a essa seara de filmes históricos ingleses da época medieval. O diferencial fica por imaginarmos pessoas tão jovens, inexperientes, imaturas, com tantas responsabilidades naquela época... O Timothée está muito bem, principalmente do meio para o final. Ele tem uma coisa que me encanta num ator. Reparem como ele "ouve bem" a fala alheia, parece que ele "medita" sobre a frase do colega de cena. Ele tem uma expressão de um ator que "visualiza" a palavra emitida. Não gostei da atuação do Robert Pattinson, aqui. Ficou desconfortável tendo que usar um sotaque francês.
  15. A titulo de curiosidade, a ciência ainda não entrou num consenso em relação a isso. Tem os profissionais que defendem e os que não, logo não tem como cunhar essa assertiva como verdade universal. Por enquanto essa tendência alimentar (que hoje virou moda) ta do naipe do gostar ou não de certo time, algum político ou qualquer outra coisa. Ou seja, cada um segue sua preferência. Falo como alguém que comeu um suculento churrasco regado a cerveja neste domingão..😂 E viva as diferenças😁. O documentário trata desse argumento da falta de consenso, mas como uma jogada da indústria da carne para justamente colocar em dúvida as pessoas. Mas, como você disse, cada um faz sua opção de vida. Pra mim, foi mais fácil cortar a carne do que cortar a cerveja. Convida a galera para o próximo churrasco aí, @Jorge Soto!!!
  16. Weekend Results:1. Terminator: Dark Fate – $29 million2. Joker – $13.92 million3. Maleficent: Mistress of Evil – $12.17 million4. Harriet – $12 million5. The Addams Family – $8.49 million
  17. PREVISÕES NOVEMBRO/2019 BEST PICTURE 1. Once Upon a Time in Hollywood 2. Marriage Story 3. Parasite 4. The Irishman 5. Jojo Rabbit 6. 1917 7. Little Women 8. Bombshell 9. Joker 10. The Two Popes BEST DIRECTOR 1. Bong Joon-Ho - Parasite 2. Quentin Tarantino - Once Upon a Time in Hollywood 3. Martin Scorsese - The Irishman 4. Sam Mendes - 1917 5. Noah Baumbach - Marriage Story BEST ACTOR 1. Joaquin Phoenix - Joker 2. Adam Driver - Marriage Story 3. Leonardo DiCaprio - Once Upon a Time in Hollywood 4. Robert de Niro - The Irishman 5. Jonathan Pryce - The Two Popes BEST ACTRESS 1. Scarlett Johansson - Marriage Story 2. Renée Zellweger - Judy 3. Charlize Theron - Bombshell 4. Saoirse Ronan - Little Women 5. Cynthia Erivo - Harriet BEST SUPPORTING ACTOR 1. Brad Pitt - Once Upon a Time in Hollywood 2. Al Pacino - The Irishman 3. Willem Dafoe - The Lighthouse 4. Tom Hanks - A Beautiful Day in the Neighborhood 5. Anthony Hopkins - The Two Popes BEST SUPPORTING ACTRESS 1. Laura Dern - Marriage Story 2. Margot Robbie - Bombshell 3. Jennifer Lopez - Hustlers 4. Thomasin McKenzie - Jojo Rabbit 5. Shuzhen Zho - The Farewell BEST ORIGINAL SCREENPLAY 1. Marriage Story 2. Once Upon a Time in Hollywood 3. Parasite 4 The Farewell 5.Bombshell BEST ADAPTED SCREENPLAY 1. Jojo Rabbit 2. The Irishman 3. The Two Popes 4. Little Women 5. Joker BEST CINEMATOGRAPHY1. 1917 - Roger Deakins2. The Lighthouse - Jarin Blaschke3. The Irishman - Rodrigo Prieto4. Once Upon a Time in Hollywood - Robert Richardson5. Parasite - Kyung-pyo Hong BEST COSTUME DESIGN1. Once Upon a Time in Hollywood - Arianne Phillips2. Little Women - Jacqueline Durran3. Dolemite is My Name - Ruth E. Carter4. Downton Abbey - Anna Mary Scott Robbins5. Rocketman - Julian Day BEST PRODUCTION DESIGN 1. Once Upon a Time in Holywood - Barbara Ling e Nancy Haigh2. 1917 - Dennis Gassner3. Little Women - Jess Gonchor4. The Irishman - Bob Shaw5. Parasite - Lee Ha-jun BEST FILM EDITING1. Ford v Ferrari - Michael McCusker2. 1917 - Lee Smith3. The Irishman - Thelma Schoonmaker4. Once Upon a Time in Hollywood - Fred Raskin5. Parasite - Jinmo Yang BEST VISUAL EFFECTS1. Avengers: Endgame2. The Lion King3. Star Wars: The Rise of Skywalker4. The Irishman5. Ad Astra BEST MAKE UP AND HAIRSTYLING 1. Bombshell2. Avengers: Endgame3. Rocketman4. Judy5. Joker BEST ORIGINAL SCORE1. 1917 - Thomas Newman2. Joker - Hildur Guonadóttir3. Jojo Rabbit - Michael Giacchino4. Avengers: Endgame - Alan Silvestri5. Ford v Ferrari - Marco Beltrami BEST SOUND MIXING1. Ford v Ferrari2. 19173. Avengers:Endgame4. Star Wars: The Rise of Skywalker5. Once Upon a Time in Hollywood BEST SOUND EDITING1.19172. Ford v. Ferrari3. Avengers: Endgame4. Star Wars: The Rise of Skywalker5. Once Upon a Time in Hollywood BEST SONG1. "Speechless " - Aladdin2. "(I`M Gonna) Love me Again" - Rocketman3. "Stand Up" - Harriet4. "Into the Unknown" - Frozen 25. "The Ballad of a Lonesome Cowboy" - Toy Story 4 BEST ANIMATED FEATURE1. Toy Story 42. Frozen 23. How to Train Your Dragon: The Hidden World4. Weathering With You5. I Lost My Body BEST INTERNACIONAL FEATURE FILM1. Parasite - Coreia do Sul2. Pain & Glory - Espanha3. Les Misérables - França4. Atlantics - Senegal5. And Then We Danced - Suécia BEST DOCUMENTARY FEATURE1. American Factory2. One Child Nation3. The Cave4. Apollo 115. Honeyland
  18. Como sou vegetariano há 15 anos, migrando para o veganismo, fiquei com os ânimos renovados ao assistir a esse "The Game Changers" (com um título muito apelativo no Brasil), "Dieta de Gladiadores", salvo engano, documentário sobre alimentação, produzido pelo Schwarzenegger. Que possamos a cada dia, com mais consciência, reduzir nossa pegada ecológica! Mas melhor ainda quando tivermos mais consciência que ficamos mais saudáveis, mais bonitos, mais fortes, com uma alimentação menos dependente de proteína animal. O doc traz ainda exemplos de muitos atletas (olímpicos ou não) que são grandes campeões sem comer carne. Meu lado esportivo adorou. O documentário é dirigido por Louie Psihoyos, ganhador do Oscar na categoria, pelo maravilhoso "The Cove". Está na Netflix.
  19. Se esse chileno estivesse vivo, já teria ganhado o Nobel. Porque era um gênio, escrevia bem demais, tinha obsessões, temas, tinha tudo. Seus livros são hilários, enigmáticos, uma pergunta constante sobre o que é literatura...Eu amo! Agora é esse lançamento no Brasil de "A Literatura Nazista na América": uma coleção de escritores fictícios e delirantes, que, por diversos motivos, apoiarão governos de mão forte, mostrando que os intelectuais podem se comprometer de diversas formas diante do poder.
  20. A China não ganhou em Pequim 2008? Ganhou. A Grã-Bretanha não ganhou lá atrás, nos primórdios, quando sediou pela primeira vez? Ganhou. A então U.R.S.S. não ganhou 6 vezes? Ganhou. Dê um Google aí, meu filho. Quanto ao Brasil...não merece resposta.
  21. Terminei de ler hoje o romance de Giorgio Bassani, "O Jardim dos Finzi-Contini", e corri pra rever o filme. O livro é ótimo, e, do meio para o final, excelente, embora trate bastante de poesia italiana e alguns temas regionais da época, que, claro, me fugiram do entendimento completo. Mas mesmo assim é maravilhoso ver como pode ser construída uma narrativa de amor em uma primeira camada, mas que repousa em outras mais terríveis, como antissemitismo, fascismo, guerras. O texto é lírico, é pausado, poético, terno, devagar, mas a perturbação do período pré-guerra na Itália vai nos alarmando pouco a pouco. Sim, o livro é ótimo, mas esse filme do De Sica é magnífico. É uma obra-prima de delicateza. Tudo é tão elegante, refinado, chic, simbólico, digno, e, no final, a realizade da guerra se impõe duramente sobre a beleza, sobre a riqueza, sobre a elegância, unindo os mais afortunados aos menos afortunados dos judeus da época. Justificadíssimos o Leão de Ouro em Berlim em 1971 e o Oscar de Filme Estrangeiro de 1972, bem como a indicação a Melhor Roteiro Adaptado para Ugo Pirro (indicado no mesmo ano pela outra obra-prima "Investigação Sobre um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita" de Elio Petri) e Vittorio Bonicelli. A adaptação do livro, diga-se, foi muito fiel, mas, no filme, optou-se por deixar bem claro as razões para o descaminho amoroso. Ficou bom. No livro, tudo é mais ambíguo, deixado para as conclusões do leitor, mas acho que o cinema precisa de mais decisão. É outro veículo. Agora, como eu não vi antes as inúmeras ligações desse filme com "Me Chame pelo Seu Nome"? Uma quadra de esporte, passeios de bicicletas, uma casa extraordinária pertencente a judeus intelectuais, e...o principal...a conversa entre pai e filho sobre as dificuldades do amor!!! No livro, a passagem é maravilhosa, emocionante, pois o pai judeu realmente se esforça para tentar abrir o coração, considerando que pode ser a última, dada a aproximação da guerra...No filme, essa conversa de pai e filho é bonita, mas o diálogo é bem menor, foi mais cortado. No filme de Guadagnino, no entanto, a conversa não se preocupa em durar pouco, é uma cena grande em tempo...Mas as duas, porém, tem o mesmo fundamento, e semelhante emoção. Enfim, sou obcecado por "Call Me By Your Name". Sou obcecado por "O Jardim dos Finzi-Contini". Dois filmes, irmãos de elegância.
  22. Ainda está sob embargo, mas parece que "Little Women" é mesmo ótimo, e que Saoirse Ronan está magnífica. E Atriz que parecia uma corrida definida, ou quase definida, torna-se muito disputada.
  23. Sucesso em Sundance 2019, "Luce" supreendeu o público com sua trama provocadora, mas principalmente causou admiração pela performance do duo Naomi Watts e Octavia Spencer, a quem, ainda hoje, suscita apostas longínquas para indicação a Melhor Atriz Coadjuvante, o que seria sua quarta nomeação em 8 anos. Enfim, Hollywood aprendeu a amá-la e, pelo jeito, não sem motivo - é verdade - ela está excelente aqui. O roteiro não é nada óbvio, é quase enigmático. A toda hora somos desafiados a não cair nos jogos mentais do adolescente modelo do colégio, ou da professora exigente. Na base, as máscaras sociais, o papel do negro na sociedade americana, e o fato de que todos somos imperfeitos. Gostei bastante.
  24. Tudo estava indo de modo aceitável, mas, vamos combinar, que lá pro final, na cena do carro, ocorrem algumas situações muito inverossímeis naquele conflito ali... Não posso dizer que gostei.
×
×
  • Create New...