Jump to content
Forum Cinema em Cena

Noonan

Members
  • Posts

    7247
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by Noonan

  1. Grindhouse (Idem, 2007), de Robert Rodriguez e Quentin Tarantino. Tremenda idiotice a divisão que a distribuidora insistiu em fazer, até para o lançamento em DVD; dificilmente ver os dois filmes separados (e sem os trailers falsos!) será tão divertido quanto vê-los juntos — um faz referência ao outro, há personagens que se repetem, cenas que ficam mais claras tendo visto o outro filme, e assim por diante. O primeiro deles, “Planeta Terror”, dirigido por Rodriguez, é uma deliciosa salada/homenagem aos filmes de terror trash, aos westerns (sempre eles; a dupla é fascinada pelo gênero), e aos filmes de ação B (ou C, ou D, ou E), com uma espécie de mitologia própria, inclusive, e que funciona muito bem, obrigado. Ver uma mulher com uma metralhadora na perna detonando zumbis, ver tiros arrancando litros de sangue dos atingidos, ver cenas de ação e terror tão assumidamente delirantes e trash é algo que não tem preço. Quem se incomoda com filmes que mandem qualquer compromisso com a lógica às favas (às favas mesmo) deve passar longe. E isso tudo sem contar que o Rodriguez administra muito bem a tensão — o espectador fica sabendo do que ocorre logo no início da história, mas os personagens levam um bom tempo para isso; aquela coisa da bomba debaixo da mesa de que o Hitchcock falava.<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" /> “À Prova de Morte”, do Tarantino, é bastante parecido com os primeiros filmes do diretor, Cães de Aluguel e Pulp Fiction — e faz referência a eles: uma personagem comenta sobre massagens nos pés, e a conversa entre quatro garotas numa mesa é filmada de maneira idêntica à de Joe Cabot e seus comparsas antes do assalto à joalheria. De resto, é puro Tarantino: muitos diálogos offplot (quase todos, na realidade), obsessão por pés, uso de drogas e, principalmente, personagens femininas fortes, algo apenas esboçado <?:namespace prefix = st1 ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:smarttags" />em Pulp Fiction, transformado numa das características principais em Kill Bill e talvez se consolidando como uma nova tendência do diretor aqui. Falar mais poderia estragar a experiência, portanto paro por aqui. ========== Os dois filmes funcionam MUITO bem juntos, realmente não imagino como será vê-los separados (embora em versões estendidas)... E quem não está esperando nada do filme do Rodriguez, sério, assistam, mesmo que seja pra falar mal depois. Eu achei até melhor que o do Tarantino (sou minoria nisso, haha), e uma das melhores coisas que o Rodriguez já fez.
  2. Aliás, acho que essa coisa do Automavision desperta uma discussão interessante sobre autoralidade... Mas não vou falar nada sem ter assistido ao filme (coisa que espero fazer nesse fim de semana).
  3. Eu acho os Ewoks chatíssimos o suficiente para justificar até um zero para O Retorno de Jedi, haha. Mas eu até suporto a presença deles na história bem - o que não me desce é aquela batalha entre eles e as tropas imperiais subitamente emburrecidas, quem teve a idéia de fazer aquilo daquele jeito? Ridículo. Mas as cenas de ação no espaço são fodas - a corrida até o núcleo da Estrela da Morte é inesquecível, para mim - e ainda tem toda a seqüência do Jabba e o confronto entre Luke e Darth Vader, para compensar. No entanto é mesmo o mais fraco da TC e, no geral, só não é pior que A Ameaça Fantasma, acho - embora Ataque dos Clones também seja um forte concorrente ao posto de pior da saga.
  4. Mais um candidato a post do ano (a categoria vai ser concorridíssima nessa edição do Pablito):
  5. Mais um forte candidato a post do ano: porque... Esqueci.
  6. Saiu uma crítica na Folha de hoje e o filme foi bem elogiado... Chegaram a comparar o Friedkin com o Cronenberg, até.
  7. Pelo nome eu não lembro...
  8. Porra, Um Tira da Pesada é bem legal.
  9. O ponto é que o roteiro acaba sendo "filtrado" (na falta de expressão melhor) antes de chegar ao espectador. As cenas descritas lá no papel são mostradas através da visão do diretor; os diálogos chegam a nós através dos atores. Não adianta o roteiro ser cheio de idéias geniais se o diretor for um incompetente e não souber dirigi-las; não adianta o roteiro ter os melhores diálogos já feitos se os atores forem ruins. Em suma, um diretor ruim pode estragar um excelente roteiro... mas um grande diretor pode fazer um filme fantástico a partir de um roteiro péssimo. O roteiro tem méritos? Claro que tem, e não são poucos. Há filmes que se focam mais que os outros no roteiro e são ótimos ou mais que isso? Claro, e também não são poucos. Mas na minha opinião não se deve nunca diminuir a direção em relação ao roteiro porque ele é a BASE em cima da qual o filme é trabalhado... o resultado final são imagens e sons - diálogos incluídos aí -, e não descrições no papel de como uma cena se desenrola. E lembrando que direção que não interfere é muito diferente de ausência de direção. "Simplesmente acompanhar os atores com a câmera" não quer dizer que o diretor ficou com preguiça de fazer algo mais elaborado e falou "Ah, vamos só filmar os atores de qualquer jeito e pronto".
  10. Ih, então me enganei, hauahua. Mas enfim, estou com o Carioca, resenhe Fargo aí. Há bastante gente no fórum que não gosta, será muito divertido.
  11. Se não me engano, o Vicking não gosta muito de Fargo, ou seja, uma resenha dele para o filme seria muito interessante.
  12. [/REF Mode] Vamos lá, quem sabe dessa vez a discussão anda: por que acha o filme um dos piores que já viu na vida?
  13. Ah, sim, não tinha entendido na primeira resposta, hauha.
  14. Não, nem foi por isso que eu perguntei, foi por causa da posição dele no top mesmo, acima de filmes com notas maiores...
  15. Ué, tá certa essa nota de O Iluminado, Foras? Enfim, meu top atual (não gosto de listas, mas enfim, já é bom ir treinando pro Top CeC ): 1) 2001: Uma Odisséia no Espaço - 10/10 2) Laranja Mecânica - 10/10 3) Dr. Fantástico - 10/10 4) Barry Lyndon - 10/10 5) De Olhos Bem Fechados - 9/10 6) Nascido para Matar - 9/10 7) O Iluminado - 9/10 8) Glória Feita de Sangue - 8/10 9) O Grande Golpe - 8/10 10) Spartacus - 8/10 11) A Morte Passou por Perto - 6/10 12) Lolita - 4/10Noonan2007-10-16 19:26:14
  16. Os extras daquelas edições duplas que estão anunciando: 2001: A Space Odyssey # Commentary by Keir Dullea and Gary Lockwood # Theatrical trailer # Channel 4 documentary: 2001: The Making of a Myth # Standing on the Shoulders of Kubrick: The Legacy of 2001 # Vision of a Future Passed: The Prophecy of 2001 # 2001: A Space Odyssey - A Look Behind the Future # 2001: FX and Early Conceptual Artwork # Look: Stanley Kubrick! # Audio-only interview with Stanley Kubrick A Clockwork Orange # Commentary by Malcolm McDowell and historian Nick Redman # Theatrical trailer # Channel 4 documentary: Still Tickin’: The Return of Clockwork Orange # New featurette: Great Bolshy Yarblockos! Making A Clockwork Orange # Career profile: O Lucky Malcolm! Eyes Wide Shut # Scene specific commentary by Sydney Pollack and historian Peter Loewenberg # Theatrical trailer and TV spots # Channel 4 documentary: The Last Movie: Stanley Kubrick and Eyes Wide Shut # Lost Kubrick: The Unfinished Films of Stanley Kubrick # Kubrick’s 1998 DGA D.W Griffith Award acceptance speech # Interview gallery featuring Tom Cruise, Nicole Kidman, and Steven Spielberg Full Metal Jacket # Commentary by Adam Baldwin, Vincent D’Onofrio, R. Lee Ermey and Jay Cocks # New Featurette: Full Metal Jacket: Between Good and Evil # Theatrical trailer The Shining # Commentary by Garrett Brown and John Baxter # Theatrical trailer # Documentary The Making of the Shining, with optional commentary by Vivian Kubrick # Three new featurettes: * View from The Overlook: Crafting the Shining * The Visions of Stanley Kubrick * Wendy Carlos, Composer Noonan2007-08-04 17:05:07
  17. Essa estranha fascinação adolescente que cerca Laranja Mecânica hoje em dia é uma versão do efeito Ferris Bueller: assim como gostamos do protagonista de Curtindo porque ele fez tudo o que sempre quisemos fazer e não fizemos (ou fizemos apenas parcialmente, ou não fizemos de uma vez num único dia), os adolescentes pseudo-revoltados com o mundo de hoje em dia gostam de Alex porque ele é a personificação do que queriam ser e nunca serão. Ele faz o que quer, é um parasita social, e ainda se dá bem no fim. É o que o Enxak falou: eles extravasam tudo isso em videogames, no visual... e assistindo ao filme. Por um lado é bom, ajuda na popularização do filme, e tal. Por outro é ruim, porque, sinceramente, Laranja é muito mais que só a historinha de um delinqüente juvenil.
  18. Era o Bauer que ia resenhar Magnólia.
  19. Sobre essa questão da repercussão na mídia, a Folha de hoje até que dedicou um espaço considerável do caderno Ilustrada ao Bergman - biografia, o texto de um crítico, reações de cineastas de países variados, recomendações de filmes, etc. Achei bem interessante, capaz que amanhã façam o mesmo com o Antonioni. EDIT: E fizeram mesmo.Noonan2007-08-01 08:37:57
  20. Não acredito nisso. Bergman e Antonioni NO MESMO DIA?
×
×
  • Create New...