Jump to content
Forum Cinema em Cena

Pequenas Causas Cinematográficas


Nacka
 Share

Recommended Posts

Entrando tardiamente na discussão...

 

Não tenho nada contra a crítica. Aliás, acho ridículo meter o pau na crítica simplesmente por ela ser... CRÍTICA. Se o crítico é um cineasta frustrado para os ignorantes de plantão o que seria o (pseudo) cinéfilo que mete o pau em toda e qualquer crítica?

 

Conheço algumas figuras assim (não no fórum, graças a Deus!) e em sua maioria são pessoas que não conseguem sequer sustentar a própria opinião com argumentos convincentes. Daí para demolir um outro ponto de vista mais abalizado e embasado é um pulo.

 

O meu problema com alguns críticos repousa na tentativa de objetivar a arte impondo regras e dogmas absurdos. O enquadramento tem que ser sempre 'x'; a iluminação tem que ser sempre daquela forma; o roteiro tem que ter essa ou aquela estrutura; e por aí vai. Nada contra essa postura de alguns críticos, DESDE QUE tais posturas não viessem acompanhadas de um 'guia-dos-críticos-para-fazer-um-filme-decente'.

 

Recentemente o Pablo fez um comentário na crítica de Superman - O Retorno que me fez arrepiar os pelinhos da nuca. É exatamente o tipo de postura que repudio na crítica. No mais, apenas me atenho à uma paráfrase de uma vinheta eleitoral de nosso último pleito: 'Deixa o cineasta filmar'.   
Link to comment
Share on other sites

  • Replies 884
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

 

André Bazin, que entre outras coisas ajudou a fundar a Cahiers du Cinéma e escreveu para revistas como L`Esprit, L`Ecran Française, La Révue du Cinéma, Radio-Cinéma-Télevision, e nos jornais France-Observateur e L`Observateur e além do que, com sua presença intelectual, influenciou toda uma geração de cineastas que iriam formar o movimento da Nouvelle Vague, como François Truffaut, Jean-Luc Godard, Eric Rohmer e Jacques Rivette, disse o seguinte:

 

"A função do critico não é trazer numa bandeja de prata uma verdade que não existe, mas prolongar o máximo possível, na inteligência e na sensibilidade dos que o lêem, o impacto da obra de arte".


[/quote']

 

Perfeita colocação (destacado)... É uma pena que pouquíssimos críticos se atenham a esta função descrita.
Link to comment
Share on other sites

Pra mim, a função de um crítico é quase a mesma da de postar no fórum (por aqui vc tem retorno. mas o crítico é remunerado 06). Eu gosto de escrever, nem que seja pra mim mesmo, pra organizar as minhas impressões, e toda aquela velha história de aprimorar o senso crítico, blábláblábláblá. Apontar incoerências na argumentação de alguns críticos indica o retorno e a utilidade da profissão, porque vc 'está se pondo acima' de alguém cuja profissão é justamente ser crítico quanto às coisas que vê.

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Para variar, muitos aspectos da crítica ficaram de fora pela falta de opiniões. Enfim...

 

Ontem, um jornal aqui de Brasília, publicou uma matéria sobre a tese de mestrado de um psicológo da Universidade de Brasília: Relações entre Valores Pessoais e Preferências por Categorias de Filmes ou trocando em miúdos: Você é o filme que você vê. Após 2 anos de pesquisas, 926 entrevistas depois, ele concluiu que a decisão que envolve a escolha dos filmes que assistimos pode dizer muito sobre o nós mesmos e que a pesquisa pode auxiliar o mercado a identificar as preferências do público. "Com o perfil do espectador em mão, fica mais fácil elaborar uma campanha promocional direcionada a uma determinada faixa de audiência. Pode auxiliar até mesmo a produção dos filmes" diz Keynes Fortes do Nascimento. Keynes utilizou a teoria de Shalon H. Schwartz que dá ênfase à base motivacional e usa isso para explicar a estrutura de valores. Segundo a teoria, as pessoas agregam diversos valores ao longo da vida. Daí o psicólogo traçou o vários perfis dos espectadores de acordo com os valores inseridos nos filmes de ação, aventura, romance, terror, comédia, drama. Ele concluiu após o estudo, que o público tem uma preferência maior pelos filmes do gênero drama e prefere menos o terror.

 

 

E você, o que acha de ser definido pelos filmes que assiste?

 

Veja aqui os perfis:

 

Filmes Ação

 

Envolve espectadores com perfis mais tradicionalistas, mais centrados na satisfação das necessidades pessoais.

 

Filmes de Aventura

 

Espectadores mais voltados à busca do sucesso. São pessoas que acreditam na excitação e no desafio pela vida e que se preocupam com o bem estar das pessoas e da natureza.

 

Romance

 

Pessoas que buscam harmonia estabilidade e segurança das relações, assim como aceitam idéias e costumes tradicionais. Atribuem mais importância ao prazer.

 

Terror

 

Abrange um público mais centrado na demonstração de competência e prazer. São pessoas que dão pouca importância à estabilidade, harmonia e o bem estar das pessoas.

 

Ficção Científica

 

Espectador que busca independência e dá prioridade para metas de competência. É mais desapegado e não se preocupa em contar com o apoio de outras pessoas ou grupos, como a própria família.

 

Comédia e comédia romântica

 

Os dois estilos mostram um espectador em busca do prazer. A preferência por comédias românticas demonstra um perfil de preocupação com a família e amigos.  O outro tipo, revela um perfil mais centrado na satisfação das necessidades individuais e autopromoção.

 

Drama

 

Tem um público mais altruísta, que se preocupa com o bem-estar das pessoas com quem o indivíduo está em contato mais próximo; são mais tolerantes com as pessoas. 

 

 
Link to comment
Share on other sites

E aquele que não têm uma predileção pré - definida por um gênero específico?? Agregaria todas as características descritas na reportagem ou seria uma pessoa impossível de ser analisada???

 

Falando um pouco mais sério: A predileção por um gênero específico de filme, como a reportagem mesmo disse, PODE revelar alguns aspectos pessoais nossos, assim como QUALQUER ato feito por nós de forma inconsciente...Eles são nada mais do que espelhos de tudo o que absorvermos...
Link to comment
Share on other sites

 

Terror

 

Abrange um público mais centrado na demonstração de competência e prazer. São pessoas que dão pouca importância à estabilidade, harmonia e o bem estar das pessoas.

 

 

[/quote']

Odeio essas besteiras...É óbvio que uma pesquisa que pretende "reduzir" características das pessoas (ou formar perfis) a partir de tão poucas palavras optando pelo que "parece óbvio" de acordo com alguma estrutura lógica (pessoas que gostam de terror gostam de violência...se gostam de violência, provavelmente não se importam com o bem estar das pessoas..) se esquecem de que somos infinitamente mais complexos e relações humanas não podem ser descritas ou deduzidas com tanta facilidade - principalmente com tanta racionalidade - elas não funcionam simplesmente por serem simplistas demais.

Terror é meu gênero preferido e não me encaixo nesse perfil... Acredito que para os outros o caso seja o mesmo.

Seria  necessário ver a pesquisa de forma mais detalhada para ver quais são os argumentos e o que fez com que tirasse essas conclusões, mas a princípio, com o que está escrito apenas, parece algo muito distante da realidade.
Mr. Scofield2006-11-28 11:44:45
Link to comment
Share on other sites

E aquele que não têm uma predileção pré - definida por um gênero específico?? Agregaria todas as características descritas na reportagem ou seria uma pessoa impossível de ser analisada???

 

Falando um pouco mais sério: A predileção por um gênero específico de filme' date=' como a reportagem mesmo disse, PODE revelar alguns aspectos pessoais nossos, assim como QUALQUER ato feito por nós de forma inconsciente...Eles são nada mais do que espelhos de tudo o que absorvermos...
[/quote']

 

1 - Para definir isso precisaríamos ler a tese inteira (infelizmente o jornal não a disponibilizou) como toda pesquisa, ela se utiliza de amostragem para definir perfis. As pessoas que foram entrevistadas admitiram ter pontos em comum com o perfil traçado pelo psicológo. E Silva, você não tem uma preferência por um gênero de filme?

 

2 - Sim, são os valores agregados que o psicólogo usa como parâmetro. Mas, curioso, eu confesso que sempre achei que os filmes que eu assisto me definem muito bem. Muitas vezes ouço pessoas (quem me conhece) falando de determinados filmes e invariavelmente alguém comenta, tenho certeza que este é o tipo de filme que ele assistiria. Já ganhei filmes de presente porque refletem o meu gosto. Mas cabe a cada um achar que tudo é uma grande besteira... uma espécie de horóscopo (que eu não acredito) cinematográfico.

 
Link to comment
Share on other sites

Segundo esse perfil, eu seria fanzaço de ficção científica, gênero que apenas gosto.

 

 

E não sei se me encaixaria como mais fã de dramas, comédias ou ação.

 

Meu filme favorito deste ano é ação (X3), assim como meu favorito no geral (Retorno do Rei), passo toda hora reclamando que não dão à comédia seu verdadeiro valor e assisto mais drama do que qualquer outro gênero.

 

Piração. 06

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

2 - Sim, são os valores agregados que o psicólogo usa como parâmetro. Mas, curioso, eu confesso que sempre achei que os filmes que eu assisto me definem muito bem. Muitas vezes ouço pessoas (quem me conhece) falando de determinados filmes e invariavelmente alguém comenta, tenho certeza que este é o tipo de filme que ele assistiria. Já ganhei filmes de presente porque refletem o meu gosto. Mas cabe a cada um achar que tudo é uma grande besteira... uma espécie de horóscopo (que eu não acredito) cinematográfico.

 
[/quote']

Acho que todo mundo se identifica com os filmes que vê e é capaz de, no conjunto agregar características que o definem de certa forma sim. No entanto, temos que considerar, para isso, uma série de fatores que a pesquisa parece não abranger a princípio: eu não gosto só de terror (embora seja o gênero que mais gosto) e mesmo que gostasse, há preferências dentro do próprio gênero (não gosto, por exemplo, de filmes que lidam com religião, apesar de agnóstico - Deus x Demônio..notem que O Exorcista não está entre meus filmes preferidos), dentre inúmeros outros fatores.

Talvez se considerássemos uma gama muito maior de filmes não separadas por gênero e observássemos fatores em comum, confrontássemos valores morais e ideais que fazem parte de nossas experiências, etc. - coisa que acredito que o Nacka tenha feito, mesmo que inconscientemente (com certeza ele não particularizou suas experiências a um gênero) ao dizer que os filmes que assiste o definem muito bem, talvez pudéssemos traçar um perfil psicológico concreto e descobrir até coisas interessantes e ocultas. Pessoas são diferentes demais...não podemos agregá-las em "grupos" de tal maneira por uma única característica.

Quanto a frase em marrom, acho que isso acontece com todo mundo (você vai adorar tal filme..e muitas vezes têm razão)..mas o que é fundamental: essas pessoas o conhecem "individualmente".
Link to comment
Share on other sites

Pessoas são diferentes demais...não podemos agregá-las em "grupos" de tal maneira por uma única característica.

Quanto a frase em marrom' date=' acho que isso acontece com todo mundo (você vai adorar tal filme..e muitas vezes têm razão)..mas o que é fundamental: essas pessoas o conhecem "individualmente".
[/quote']

 

Sim a tal da amostragem acontece o tempo todo... e isso talvez torne o trabalho do rapaz pretensioso, mas lhe dando um mérito diria que muitas vezes nos omitimos de dizer aquilo que gostamos de assistir, por diversos motivos (vergonha, medo de ter de explicar 06...) confesso que eu não me sentiria muito à vontade sendo "estudado" oficialmente e no meu caso, conhecer-me significa o quê? A fundo? Ou superficialmente? Minha mãe tem a capacidade de errar em todos os presentes que me dá... ultimamente percebendo isso ela sabiamente me envia uma quantia X em dinheiro (fez isso no meu aniversário) para que eu compre o que quiser (adoro mamãe). 

 

Não sei se o autor da pesquisa particularizou as preferências de cada um, mas é claro para mim que as pessoas podem ter uma ou várias, eu por exemplo gosto muito de filmes de ação e aventura e sci-fi, ocasionalmente vejo dramas e comédias e raramente terror. Então eu tenho grande parte das características apontadas ali... e folks, é só uma pesquisa... queria mesmo é que vocês respondessem à pergunta:

 

Você é o filme que vê? Porquê?

 
Link to comment
Share on other sites

 A despeito de não conhecer o teor completo da tese do rapaz me permitirei (seguindo pela mesma vereda do citado) incluí-lo na categoria dos pretenciosos e simplistas.

 Haja vista o teor da listinha com as características utilizadas para a criação dos "grupos". 07

 Ou seja, faço minhas as palavras do Enxak e do Scofield.

 Tremenda de uma besteira!!!  

 

 
Link to comment
Share on other sites

Ando com pouco tempo pra ler e escrever aqui no fórum por esses dias, portanto cheguei atrasado na discussão, e uma muito interessante por sinal.

 

Tem dois filmes, dois dramas, que eu gosto muito e que servirão para exemplificar meu ponto de vista. O primeiro é o Terra de Sonhos, do Jim Sheridan. Esse filme me toca muito por tratar, entre outras coisas, da dificuldade que algumas pessoas têm de perdoar a si próprias (sou daqueles cujos erros ficam martelando na cabeça por dias, às vezes meses, anos). Outro é Os Imorais, do Stephen Frears. Nesse a ênfase é completamente diferente: a assunção da porção ruim que cada pessoa tem, o lado maldoso e egoísta. É um filme que me atrai tanto quanto o primeiro, por razões diferentes.

 

Ao gostar muito do Terra de Sonhos e dOs Imorais, certamente que há uma relação de identificação. Se eu não tivesse interesse em me aprimorar nestas duas dimensões da personalidade que mencionei, decerto esses filmes não teriam o mesmo apelo que têm para mim, independentemente de seus méritos artísticos.

 

De outro lado, qualificar dois filmes diferentes como esses apenas como dramas é tão reducionista quanto dizer que, por gostar de dramas, minha personalidade é esta ou aquela.

 

Resumindo, o gosto por determinados filmes pode, sim, ser revelador da personalidade, mas isso não justifica a rotulação das pessoas. Aquela que foi postada aqui é estreita demais, pois tem muitas outras coisas que me definem (o que me lembrou um bom tópico que o Pato Maluco abriu ano passado, 7 Filmes que me definem) além de tolerância e preocupação com os outros, inclusive meu lado mau, hehe.
Link to comment
Share on other sites

A Istoé online publicou um

teste

que relaciona gostos cinematográficos e personalidades baseado na

pesquisa do tal psicólogo da Unb. A julgar pela simplicidade das

respostas apresentadas não consigo deixar de pensar que essa pesquisa é

tão científica quanto aqueles testes da Capricho.

 

 

 

No mais, acho que as postagens do scofield e do Alexei resumem bem a questão.

 

 

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

Quais os filmes que vocês cansaram de discutir e porquê? O assunto esgotou? O outro lado da discussão TE esgotou? Não é muita pretensão achar que determinadas discussões estão definitivamente encerradas? Como uma discussão sobre um filme do cacife de Pulp Fiction por exemplo, pode ser considerada estéril?

 

Não me canso de discutir filmes, me canso de discutir com certos usuários, aliás fadiga extrema... e com isso quem perde? Não me desce alguém ter um filme na prateleira e não se dignar a discuti-lo... mas enfim.. digam aí.  
Link to comment
Share on other sites

Tornou-se enfadonho discutir sobre A Vila, por exemplo... E ocorreu por uma série de razões: a) o filme é auto explicativo, só crianças de 5 anos precisam que vc diga direitinho sobre o que o filme é; B) as 'pedras' (termo eufemista para 'sandices') eram sempre as mesmas; c) repetir a mesma coisa o tempo todo para pessoas supostamente inteligentes cansa; d) os detratores, não raro, utilizam-se das mesmas 'pedras' over and over again

... Vc explica pro Joe Doe como a coisa funciona, o cara vai lá e repete a asneira de novo.  

 

Nesse sentido não diria que acho que discussões estão definitivamente encerradas. Apenas perco o tesão de travá-las novamente.

 

Aliás, vc disse certíssimo: o que fadiga não é a discussão sobre filmes, mas a discussão com certos usuários.

 

Mas de qualquer modo, preciso pensar nas minhas úlceras e em como contê-las para que não se multipliquem.
Link to comment
Share on other sites

Esse é o ponto. Pelo desgaste que alguns causam, outros jogam a toalha, decretando que o debate do filme está esgotado. Esgotado como cara-pálida? Eu não consigo imaginar como um debate sobre 2001 do Kubrick estaria esgotado (ou que não se possa falar mais dele) visto que são poucos os que conseguem entender o filme...

 

E Dook, sobre o filme cujo-o-nome-não-se-deve-nomear de um certo diretor indiano, como eu disse lá no Cineclube em Cena, cada vez que aquele tópico vai para a grade principal do Filmes em Geral, fico esperançoso e penso, quem sabe uma alma caridosa resolveu enfim DISCUTIR o filme, mesmo que não concorde com ele (mas usando argumentos sólidos).  
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...