Jump to content
Forum Cinema em Cena

Blade, O Caçador de Vampiros


Código (F)
 Share

Recommended Posts

Blade: A série de TV

Por Érico Assis
4/7/2006

pb.jpg

8.jpg

4.jpg

5.jpg

6.jpg

7.jpg

A telinha limita os pulos, piruetas e golpes que se tornaram marca registrada de Blade, mas agora é lá que o caçador de vampiros vai, hã, caçar vampiros.

Blade: The Series estreou no canal americano Spike TV na última quarta-feira, 28 de junho (ainda não tem previsão para chegar no Brasil). Wesley Snipes, que encarnou o personagem na trilogia do cinema, foi trocado pelo rapper (da banda Onyx) Kirk “Sticky Fingaz” Jones. David S. Goyer, que roteirizou os três filmes e dirigiu o último, é o produtor executivo e assina o roteiro do primeiro episódio da série com Geoff Johns.

(Sim, o mesmo Geoff Johns dos quadrinhos - Flash, Lanterna Verde, Infinite Crisis. Johns e Goyer estão repetindo a parceria de anos em Sociedade da Justiça.)

A nova série se passa em Detroit. Blade e seu parceiro Shen (Nelson Lee) investigam um clã de vampiros que, por sua vez, pesquisa a cura para a mítica (não ria) “alergia” a alho. Paralelamente, a ex-militar (e gostosa nas horas vagas) Krista Starr (Jill Wagner) descobre que seu irmão gêmeo foi morto pelos vampiros, e começa sua própria investigação. O Clã de Cthon, a tal turma vampiresca, é liderado por um milionário bem visto na cidade, Marcus Van Sciver (Neil Jackson).

Blade e Krista se batem de frente nas suas buscas, o que leva a uma aliança que não dá muito certo. A conclusão do primeiro episódio – com 1 hora e meia de duração – define que a briga de Blade e sua aliada contra o clã de vampiros de Detroit será o tema do seriado (ou pelo menos desta primeira temporada, de 11 episódios).

Para quem gosta de ação, o seriado é bem interessante. Como nos filmes, o foco está em criar cenas de luta legais – não tão legais quanto as de Blade II, coreografadas pela ótima câmera de Guillermo del Toro, mas ainda assim boas. Você tem que lembrar que não é cinema, é TV, e o que isso significa: as cenas têm que ser “à prova de idiotas”, o orçamento só permite efeitos especiais toscos e os cortes são mais rápidos.

Mesmo assim, ainda há aquelas famosas paradinhas “eu sou cool” que o Blade faz depois de dar o golpe fatal no vilão.

Kirk Jones atua tanto quanto Wesley Snipes: nada. Olhos escondidos pelos óculos escuros, cara dura e raríssimas palavras. Blade não deve ter mais que dez falas no episódio.

Quem tem que “atuar” mais um pouco é Jill Wagner (modelo de carreira curta no cinema e na TV). O episódio ganha sentido quando, lá pelos 40 minutos, ela coloca um vestido branco que realça seus atributos e o mantém por um bom tempo (depois troca por roupas, digamos, menores) – os produtores devem ter notado que a audiência só seguiria até o fim do episódio se Krista ficasse no vestido.

Aliás, erotismo parece que vai ser uma constante na série. Não aquela coisa luxuriosa dos vampiros da Anne Rice; tá mais para pornô soft. Krista e Chase (Jessica Gower), a vampirinha loira capanga do vilão, têm uma cena excitante: mulheres de pouca roupa falando de lábios quase colados. O preview do segundo episódio promete menos roupa e mais decotes. O negócio é apelar.

Se você gostou da trilogia Blade, pode ser que goste da série de TV. Ela é mais limitada, mas mantém alguns elementos dos filmes. Se não gostou do caçador de vampiros na telona, bom, lhe resta admirar a Jill Wagner. Se você não considera isso motivação suficiente para assistir a um seriado, e prefere ver fotos da atriz na Internet, bom, então não dá pra aproveitar mais nada de Blade – The Series.

E parece que o primeiro grupo vai se dar bem. A Spike TV já divulgou que o episódio teve um público de 2,5 milhões de pessoas, a melhor estréia para uma série original na história da emissora. Segundo os dados da audiência, Blade foi o destaque da noite de quarta-feira entre homens dos 18 aos 34 e dos 18 aos 49 anos.

Link to comment
Share on other sites

Pois é, depois de um início com pique, no desenrolar da temporada a audiência despencou e Blade - A Série foi cancelada. E não precisa ser um gênio para saber porque (independentemente de outros problemas que a produção possa ter tido): o Wesley Snipes pode não ser mesmo um grande ator, mas tinha a postura e a cara de Blade, estava perfeito no papel. Já este Kirk Jones tem o jeitão do que ele realmente é - mais um rapper canastrão que se mete a ator, e no fim só sabe fazer a mesma "cara de mau", que ainda por cima não convence.

Link to comment
Share on other sites

Ola turma, boa tarde!

 

 

 

Essa serie deveria voltar com o Wesley Snipes interpretando o personagem principal, ele caiu tão bem nos filmes, eu acredito não esta viajando, mas colocar músicos para fazer papel de autor é um risco comercial que eu como telespectador não tenho estomago para tomar!

 

 

 

T+! 16.gif

Link to comment
Share on other sites

  • 2 months later...

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...