Jump to content
Forum Cinema em Cena

Cartas de Iwo Jima


-felipe-
 Share

Recommended Posts

 

Letters from Iwo Jima: pôsteres e estréia adiantada

Por

Marcelo Hessel

 

17/11/2006

 

 

Letters from Iwo Jima, novo filme

de Clint Eastwood (Menina

de Ouro), estrelado por Ken Watanabe (O Último Samurai), mudou de data nos EUA. Estrearia em fevereiro,

mas a Warner Bros. acredita que o filme tem boas chances no Oscar. Assim, adiantou

a estréia para 20 de dezembro.

Alguns pôsteres japoneses também estão

na internet. Veja três abaixo e clique aqui

para conferir todos (no menu específico de Letters..., clique

na palavra em japonês que fica à esquerda de "top").

lettersfromiwojimaposter.jpg

lettersfromiwojimaposter2.jpg

lettersfromiwojimaposter3.jpg

O filme fala da batalha de Iwo Jima entre estadunidenses

e japoneses na Segunda Guerra Mundial. Inicialmente Eastwood realizaria apenas

Flags of our fathers, o ponto de vista dos EUA, mas depois de protestos

dos japoneses decidiu contar a mesma história dos dois lados.

Ambos se baseiam no livro de James Bradley sobre a

batalha, uma das mais sangrentas do conflito em 1945. Em apenas um mês, 22 mil

japoneses e 26 mil norte-americanos morreram para tomar Iwo Jima, ilha do Pacífico

cuja importância estratégica incluía pistas de pouso.

Letters from Iwo Jima estréia em 2

de março no Brasil. O trailer japonês une os dois longas e pode ser conferido

aqui. No Brasil Flags se chama A conquista

da honra e estréia no dia 2 de fevereiro.

 

-felipe-2007-01-12 19:02:37

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

 

"Letters from Iwo Jima" (***1/2)

letters1.jpg

 

It is extremely difficult to go about writing a review of Clint

Eastwood’s “Letters from Iwo Jima” without comparing it to' date=' or at least

considering, the film’s October cousin “Flags of Our Fathers.” After

all, the film was born out of a nagging sensation Eastwood felt while

shooting “Flags,” a sense that the full story wasn’t being told. What

he and his seasoned crew expedited as a result is a film more

penetrating than “Flags of Our Fathers” could have ever been, a film

unlike any other entry in the war genre and, ultimately, an anti-war

statement as lacerating and unique as the anti-violence mandate of his

masterpiece, “Unforgiven.”

 

 

Told from the perspective of the Japanese soldiers tasked with

defending the island of Iwo Jima as American forces pushed toward the

mainland, “Letters” is a long, deep breath of a film. Eastwood is not

the sort of person to work under the 120 minute barrier, and at 140

minutes, his latest takes its time getting there. But what has been

considered behind the scenes a “small” film, or an “art” film, I

actually find to be the most emotionally epic outing of the year.

 

The film is book ended, much like Steven Spielberg’s “Saving

Private Ryan,” by a modern setting. Japanese archaeologists are

excavating the tunnels on Iwo Jima, the refuge of the Japanese soldiers

who defended that God forsaken rock with all the futility in the world.

Cut to the pre-battle Iwo Jima, as the Imperial Army is readying the

island for battle, awaiting the arrival of Lt. General Tadamichi

Kuribayashi (Ken Watanabe) to lead the effort.

 

letters8.jpg

 

Kuribayashi is a forward-thinking leader whose views fly in the

face of traditionalist Imperial Army officers. He also holds a unique

perspective of the enemy as he formerly spent time in America as a

student and officer. A man’s man who capably wins the hearts of his

soldiers, Kuribayashi seems like a role tailor-made for Watanabe.

 

We meet Saigo (Kazunari Ninomiya), a baker who was shuffled off

to the war and hopes to make it back to the simple life with his wife

and child. Saigo irreverently curses the island, the war and his place

in it. We are also introduced to Baron Nishi (Tsuyoshi Ihara), a former

Olympic equestrian who, much like Kuribayashi, paradoxically shares

fond memories of life in America.

 

Soon enough, the battle begins, and the viewer gets an eyeful to

say the least. The Japanese are knowingly left to their own defenses,

as the majority of the Japanese fleet has recently been destroyed off

the Marianas. These men know they are going to die, whether it is at

the hands of the Americans or by their own honorable methods. Yes, the

suicides-by-grenade heard from afar in “Flags of Our Fathers” are

depicted with ruthless candor in “Letters,” and it is the most

harrowing sequence committed to film this year.

 

letters2.jpg

 

The three aforementioned performances head up what has to be

seen as one of the year’s most organic and accomplished ensemble

performances. The cast seems to live and breathe as something singular

in that light, each character a part of a greater being. This makes the

concentration on individuality in the film’s flashback sequences all

the more poignant, sometimes more so than the greatest of American war

cinema. Watanabe seems all but assured an Oscar nomination for Best

Actor, and should the buzz really amp up, he’s got the stuff to steal

the statue. Ninomiya also has enough heart-twisting moments to declare

a place amongst the supporting actor regiment, should the snowball

continue to build.

 

The craftsmanship is on par with “Flags of Our Fathers,” though

the sound elements seem somehow more terrifying. Tom Stern’s

cinematography really gets to show its stuff in the final act as the

Japanese soldiers push through smoldering fields of dead trees and

smoky post-battle remains. It might prove to be Academy award-winning

work.

 

Joel Cox’s editing, meanwhile, is sufficient, though anything

that runs nearly two and a half hours has fat to trim. Much of the

central portion of “Letters” feels bloated and could have been

consolidated, but within each sequence, his hand is masterful as

always. Finally, Clint Eastwood’s score is mesmerizing. Truly, the

simplicity of his approach reaches somewhat profound levels in the

delicate, lingering theme he created for this film. It isn’t the

orchestral accompaniment you typically see recognized by awards groups,

but it is a deserving piece of work nonetheless.

 

letters3.jpg

 

Broad in its intentions and majestic in its revelations, I would

go so far as to call “Letters from Iwo Jima” one of the most important

cinematic creations of modern times. Regardless of perceived success or

failure, there is something exceptional about an American filmmaker

taking this approach, sympathetically revealing the story of a former

enemy of his homeland. There is also something unsettling and

altogether revealing about watching American soldiers depicted as

faceless, nameless antagonists in this manner. As such, there is no

film as self-inspecting as “Letters from Iwo Jima” this year or,

seemingly, any other. Not in this manner.

 

“Letters” has already secured its place in the awards race of

2006, and from here, who knows what the unsuspecting late entry has in

store? But ultimately, it can’t be stated enough that Clint Eastwood

deserves ample appreciation and respect for creating these two films.

Any director who would take on such a task would be deemed ambitious

beyond his years, but for this filmmaker to do so at his age, it is

staggering. Bravo.

Kris Tapley
[/quote']

 

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

Letters from Iwo Jima: assista a sete clipes do filme

 

lettersfromiwojimaposter4.jpgLetters from Iwo Jima, novo filme de Clint Eastwood (Menina de Ouro), estrelado por Ken Watanabe (O Último Samurai), ganhou sete clipes.

Para assisti-los clique aqui.

O lançamento do filme no Brasil acontecerá em 2 de março, exatamente um mês depois da estréia de A Conquista da Honra (Flags of our Fathers). Ambos se baseiam no livro de James Bradley sobre a batalha de Iwo Jima, uma das mais sangrentas da Segunda Guerra Mundial. Em apenas um mês, milhares de japoneses e estadunidenses morreram para tomar o local, ilha do Pacífico cuja importância estratégica incluía pistas de pouso.

Inicialmente Eastwood realizaria apenas Flags of our fathers, o ponto de vista dos EUA, mas depois de protestos dos japoneses decidiu contar a mesma história dos dois lados. Visite o site da versão nipônica da história e assista ao trailer.

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

Comentário do Filipe Furtado , crítico da Contracampo :

 

Cartas de Iwo Jima (Clint Eastwood,06)

Se Flags of Our Fathers nos faz pensar em Ford, Cartas de Iwo Jima é um legitimo herdeiro de Samuel Fuller. Melhor ainda, estamos diante de Clint Eastwood em sua melhor forma. Um filme de guerra direto, intenso e sem rodeios. Sequencia a sequencia este é um dos melhores e mais bem sustentados filmes do cineasta. A primeira hora que estabelece os personagens é riquíssima no acumulo de detalhes, e quando os americanos finalmente chegam Eastwood apresenta uma sucessão de cenas de horror atrás do outra. O cineasta sempre foi mais habil com blocos do que com narrativa, e a estrutura do filme lhe serve muito bem. Diz muito sobre a sua habilidadepara construir uma sequencia que o momento em que Ken Watanabe percebe que a sua estrategia vai fracassar por falta de recursos é tão efetivo e pesado quanto a cena em que um pelotão inteiro se suicida com granadas.

 

 
Link to comment
Share on other sites

 

The Japanese Soldier, a Casualty of War Films

Washington Post Staff Writer

 

Sunday, January 14, 2007; Page N03

 

 

The Japanese soldier -- that is, the human being under the helmet and behind the rifle -- has long been AWOL from our movies.

No

director has ever really looked at him, until now, in Clint Eastwood's

corrective "Letters From Iwo Jima," which opened here Friday. By my

count, of the more than 600 English-language World War II movies made

since 1940, only four have even acknowledged the humanity of the

soldiers of Nippon. There may be a few I've missed, but not many.

enlarge_tab.gif

A%20scene%20from%201967s%20

A

scene from 1967's "Beach Red"

The war was over so long ago, and the German soldier has been

humanized, time and again, beginning in 1958 with "The Young Lions," in

which Marlon Brando played a civilized Lt. Christian Diestl, thereby

utterly reversing novelist Irwin Shaw's portrait of a decent young man

lured into decadence and evil by Nazism. As early as 1977, Sam

Peckinpah could make a movie called "Cross of Iron," in which the

heroes were German soldiers fighting on the Eastern Front, and a big

American star, James Coburn, could front the picture. A jovial TV

comedy played for years about American POWs and their merry captors at

a fictitious Stalag, the late and unlamented "Hogan's Heroes."

So it's odd that such a revision never occurred for our opponents from the Greater East Asian Co-Prosperity Sphere.

Perhaps

the reason is partially about race. The worst stereotypes emerged from

the ids of enraged, to-the-death fighters charged with representing the

national interest with bayonet, and every physical difference just

fuels the slander. To them, we were "hairy beasts." To us, they were

bucktoothed fanatics in goggle-glasses with long swords, all the better

for separating heads from necks. But most of all, they were treacherous.

Any

look at the movies made during the war itself confirms this portrait.

Our filmmakers, enraged over Pearl Harbor, seemingly always included a

signature scene where Japanese perfidy expressed itself, only to be

wiped out most satisfyingly by the righteousness of our soldiers. In

"Air Force," Howard Hawks's 1943 encomium to the B-17, Japanese fighter

pilots gunned down a boy as he hung helplessly in his parachute,

earning John Garfield's ire and a beltful of .30 caliber. That same

year, in "Destination Tokyo," an American sailor scrambled down the

hull of his sub to pick up a Japanese aviator; he was stabbed as he

pulled the man up the side of the vessel. My favorite was 1945's

"Objective Burma." More sophisticated and documentary-like (though it

shortchanged the British, who actually waged war in Burma), it

chronicled an American paratrooper mission led by Errol Flynn in one of

his best performances. This is the one where sneaky Japanese

infiltrators creep through American lines, softly calling, "Hey, Joe,

where are you?" When Joe answers, he gets a judo chop in the throat.

But when they try the trick one time too many, a street-educated tough

guy answers, "I'm over here," and pops the pin on a pineapple. "My name

ain't Joe," says the Yank.

When you look at this kind of

hate-fueled agitprop today, it's easy to be embarrassed. And though it

may not be a politically correct thing to suggest, try to imagine how

Americans felt immediately after Pearl Harbor, and the images of

"hordes," "monkeys" and Japanese officers as decadent aristocrats,

though ugly, may be viewed as cathartic, perhaps even necessary for

military victory. Demonization of the enemy is one part of war.

By

the '50s and '60s, war movies had become big and impersonal. They

almost never bothered to characterize the Japanese enemy as

particularly evil; in fact, they never bothered to characterize him at

all. In the big war films of those days -- "The Naked and the Dead,"

"Away All Boats," "In Love and War," "Battle Cry," even the grittily

realistic "Merrill's Marauders," made by combat veteran Samuel Fuller

-- the Japanese were seen as formidable but anonymous. They didn't

cackle with evil irony or ritually behead our guys, but they stood for

indefatigable tenacity, to the point of fanaticism. We hated them

because they'd never surrender; it wasn't part of their code.

One

of the first movies that understood they were human, shaped by their

culture, pressured by their traditions, perhaps unhappy in their work

but nevertheless obligated to perform it, was David Lean's great "The

Bridge on the River Kwai" of 1957. The film sets up a comparison of

military codes. The British POWs in Southeast Asia, led by Alec

Guinness, are presented as reasonable; their Japanese captors as the

cruel, unreasonable tyrants of yore. But as the movie unspools, it

rearranges the moral equation. The same Western rationality of Col.

Nicholson (Guinness) results in an act, really of treason, when he

builds too sound a bridge for the Japanese. Meanwhile, the sane and

reasonable Maj. Warden (Jack Hawkins), leader of a commando team out to

destroy the bridge, eventually proves just as irrational, just as

indefatigable, just as delusional as either Nicholson or the Japanese

officer, Col. Saito (Sessue Hayakawa). In the end, a surviving

character looks at the carnage and can only say, "Madness! Madness!"

and he's indicting all codes in that statement.

The great John

Boorman made a 1968 film called "Hell in the Pacific," in which Lee

Marvin and the great Japanese actor Toshiro Mifune find themselves the

only men on an island during the war. They get to know each other and

in the natural paradise of the tropics, discover a common humanity.

Alas, they can never escape the war.

Yet both "Kwai" and "Hell"

were prestige projects, made by high-end, visionary directors with

clout in the business. Far more surprising are two littler films, made

at the bottom half of the studio production spectrum.

The first is Phil Karlson's "Hell to Eternity," of 1960, which for my money is the unacknowledged

classic of the Pacific island war. Karlson was a tough, macho B-grade

director (he did the first "Walking Tall") but for all the film's

close-quarters combat violence, he clearly wanted to make something

other than a tub-thumping bloodletting in which righteous white guys

vanquish the hated Other. He chose the story of Guy Gabaldon, a

Hispanic Angeleno who was raised in a Japanese American foster

household. The movie tells of Gabaldon's heroism on Saipan, when he

used his Japanese language skills to talk the suicide-inclined Japanese

into surrendering, and was credited with saving thousands of lives,

both American and Japanese. It starred Jeffrey Hunter, who is about as

Hispanic as I am, but even though he has a rep as one of those late

'50s handsome stiffs, he's superb in the role. It's a wonderful film if

little remembered. (Memo to someone: Get this baby on DVD now!)

Finally,

there's "Beach Red," directed by a maverick named Cornel Wilde,

originally a studio movie star (ever seen "Forever Amber" of 1947?) who

went his own way after losing his contract. "Beach Red," which I

confess I have not seen though it is on DVD, is widely known for its

startling realism and its willingness, 40 years before Clint Eastwood's

film, to portray the Japanese as human beings with families and dreams

and the accoutrements of regular Joes. It must have been a brave thing

to do in 1967, particularly at the height of the Vietnam War when

everybody was shouting about a new yellow peril.

It was a lot tougher on Karlson and Wilde than it was on Eastwood.

-felipe-2007-01-19 22:50:41

Link to comment
Share on other sites

  • 4 weeks later...

Clint Eastwood ilumina a guerra sob a ótica dos japoneses

15/02/200 7   Marcelo Hessel

Ainda que tenha sido dirigido três vezes por um dos maiores estetas do cinema, Sergio Leone, como diretor Clint Eastwood não

tem muitos arroubos de estilo. Sua economia visual é célebre, e não só

no jeito de filmar, sempre com o mínimo de takes e o máximo de rapidez.

Em seus últimos três filmes, porém, Clint parece ter se apaixonado

pelos efeitos de luz.

Desde Menina de Ouro, com aquele ginásio envolto em sombras, o cineasta encontrou na contraluz e no chiaroscuro uma forma de intensificar o drama de seus personagens. O recurso alcançou momento baixo em A Conquista da Honra,

quando se banalizou nas cenas em que o filho do sobrevivente da Guerra

entrevista outros veteranos no meio da penumbra, trucagem

hiperdramática. A iluminação de cena segundo Clint Eastwood agora

encontra sua reabilitação e seu auge com Cartas de Iwo Jima (Letters from Iwo Jima, 2006).

O pôster de A Conquista da Honra mostra os soldados entrando na trincheira com a luz às suas costas. O cartaz de Cartas de Iwo Jima é

parecido, com o sol ao fundo, mas ao longo do filme sucede o contrário

- é o exterior que se torna negro, o interior nós vislumbramos em tons

de alto contraste. São as cavernas que os japoneses cavam no interior

da ilha, ponto estratégico na disputa entre Aliados e Eixo na Segunda

Guerra, para se proteger do ataque dos estadunidenses. É difícil

mensurar, mas uns 70% do filme se passam dentro dos buracos mal

iluminados.

Clint tem em John Ford outra inspiração declarada - Cartas de Iwo Jima paga tributo, especialmente, a Rastros de Ódio.

A cena que abre o faroeste de 1956 é inesquecível, a porta da

aconchegante casa dos Edwards se escancarando para a brutalidade do

deserto. São dois mundos inconciliáveis: o interior e o exterior.

Passar de um para outro implica transformação. Os mais de 20 mil

japoneses entranhados na ilha vivem conflito semelhante. Dentro das

cavernas, guardam ainda alguma humanidade. Fora delas, alvos fáceis,

são apenas o que são: gente mal equipada morrendo num combate que não

lhes diz respeito.

Falar que Clint "humaniza o inimigo", ao escolher filmar o episódio histórico do ponto de vista dos japoneses, é reduzir a questão ao óbvio. Mais do que isso, Cartas de Iwo Jima

é quase uma recusa do filme de guerra como espetáculo - ao retratar os

subterrâneos, geográficos e mentais, o diretor mostra que guerras não

são feitas só de heróicos sobreviventes, mas também de medos. Rendição

misturada com instinto de sobrevivência misturado com esperança. Tudo

isso pode ser encontrado nos buracos de Iwo Jima, signo invertido do

mito da caverna de Platão - o clarão das bombas e dos sinalizadores, lá

fora, só nos ajuda a ver melhor o interior.

 

Link to comment
Share on other sites

Eu gostei bastante, mas me assustei algumas maneiras. Talvez fossem pelo conteúdo das tais cartas, que fizeram perder o filme em algumas horas meio cheesy, mas talvez fosse um problema cultural e tal pq as cartas são verídicas.
Mas, por exemplo, não consegui curtir muito o plano final pelo que parece que ele podia significar...

Apesar do filme ter um foco bastante no lado cultural - e quer dizer, os americanos aparecem nesse filme, o que torna o contraste ainda mais forte; a trilha, que eu não sei se gostei ou não que é praticamente a nossa referência de 'música japonesa' - ele é a cara do Clint na maneira como ele aborda a estranheza da morte, (a cena do cachorro por exemplo, anda na navalha de gostar muito ou não gostar) chegando àquele melodrama que ele faz bem.

A cena da batalha eu achei superboa, muito mais pirotécnica e barulhenta que a de A Conquista da Honra, além de ele usar aquela câmera subjetiva chacoalhante, que me pega de jeito desde que eu vi Soldado Ryan.

Mas vários momentos eu me peguei achando que o filme era superestimado e tal, talvez pelo fator cultural do material, visto sob a ótica do Clint (é clara, bem clara a visão dele no filme). Tem toda a questão da cultura das cartas e conduzindo a emoção dos personagens pelas memórias, e da pressão do país (acho que devem ter umas 57 legendas com a palavra 'apatriota' e variantes). E o personagem do Watanabe tbm é bem interessante, que se sente motivado para lutar, mas cria todo o esquema de túneis, sabendo que vai perder. Além do que, o filme faz um sentido maior quando você lembra que o Japão é um dos maiores lares de suicidas do mundo (a cena das granadas é bem 'the horror, the horror'), e visto na GG2 é algo que o diretor trabalhou bem contando a história. É estranho ver uma mistura dessas, mas não acho que deva ser negativo. Anda nessa navalha, e tbm na navalha do sentimentalismo as vezes. Eu saí menos satisfeito do cinema do que quando vi A Conquista da Honra, mesmo vendo pontos claros em que Cartas era mais ambicioso e cumpria isso (apesar de Flags pegar mais pesado na questão política e na estrutura narrativa, e tal).

A fotografia eu gostei bastante é quase em preto-e-branco, que dá um efeito emocional bem legal, assim como o filme, andando sempre no fio da navalha.

Mas outra coisa que eu reparei foi o número de japas na sessão, o que de um jeito ou de outro deixou ela um pouco interessante.
Link to comment
Share on other sites

Achei bem superior que A Conquista. A narrativa flui bem melhor e funciona melhor, há uma sequência. Os flashbacks se encaixam bem e não interrompem o filme. Gostei mais do drama envolvendo os soldados, pois é mais atraente ver o evento em si do que as consequências. Sem contar que A Conquista não sabe se parte para o drama ou o político - escolha bem feita pelo filme A Rainha, que optou por explorar o lado político, o que muita gente reclamou, taxando o filme de sem-graça e frio.

 

Mas não sei se concordo com o Rubysun, pois não achei que Cartas de Iwo Jima enfoca tanto o lado cultural assim. Pois para mim, o filme retrata temas mais universais do que coisas específicas do japão. Tanto é assim, que a cena do suicídio passa uma sensação bastante desconfortável (não só do protagonista, mas de todos), como qualquer um se sentiria angustiado e cheio de dúvidas. Ou os paralelos entre os soldados japoneses e americanos, e mesmo entre as cartas. Daí a cena do americano capturado ser bem tocante (alguns acharam melodramático demais, eu gostei), pois é uma alegoria desta universalização de valores (como a mãe termina a carta, e como o oficial fala para os seus subordinados "faça o certo"). Aliás, o filme funciona mais do que um simples contraponto ao Conquista, pois dentro do próprio filme há estas relações.
Conan o bárbaro2007-02-17 20:17:11
Link to comment
Share on other sites

Cartas de Iwo Jima (Clint Eastwood) - *****

 

Merecidíssima indicação ao Oscar e melhor que Flags em diversos aspectos. A cena das granadas é de embrulhar o estômago e Clint não faz concessões ao mostrar a forma como os japas lidavam com a questão 'honra x animus de lutar'. O personagem de Watanabe me pareceu um militar a frente de seu tempo, lutando contra estratégias de guerra furadas que somente traziam um resultado: uma morte supostamente 'honrada' aos seus soldados. Dá pra imaginar pq o Japão tomou um ferro na 2ªGG...

Junto com Os Infiltrados, é o melhor filme na disputa pelo careca dourado...

Link to comment
Share on other sites

Excelente filme e maravilhoso elenco, forte candidato ao Oscar. O filme segue a mesma linha, sóbria, do Clint e não se perde no final, como "Os Infiltrados" com aquele final sem pé, nem cabeça. Os flashbacks foram usados no momento certo, o ator que faz o "padeiro" é ótimo, assim como o Ken Watanabe. Faz a gente pensar sobre o absurdo que é uma guerra, agora fiquei com vontade de ver "A conquista da honra", até porque os dois lados vão me mostrar o quão estúpida é uma guerra.

 

Link to comment
Share on other sites

Excelente abordagem sobre a honra e patriotismo que sempre rondaram a realidade dos japoneses. Porém o roteiro faz questão em mostrar tais costumes como antiquados, focando a narrativa nos personagens mais "americanizados". Como o recruta que, assim como os soldados mostrados em A Conquista da Honra, só estava preocupado em permanecer vivo e voltar pra casa, e portanto se recusa a ter uma "morte honrosa" com seu pelotão. E o general (Watanabe) que, após uma estadia nos EUA, traz uma visão estratégica de guerra muito mais moderna e eficaz do que a tradicional que outros oficiais insistem em manter, até o desobedencendo (gerando cenas que beiram o ridiculo).

 

Em suma, enquanto, Cartas faz uma dura crítica quanto às tradições arcaicas do oriente, ainda mais por se passar nos anos 50, onde há um Japão extremamente feudal sem o menor preparo para vencer uma guerra. O mesmo que seu filme irmão fez pela política norte-americana de guerra.
Link to comment
Share on other sites

qd já pensava q clint estaria perdendo a mão (flags), eis q surge logo depois esse filmaço, putz, não tem jeito, eu me rendo, o cara é bom pra ******* mesmo! 10 ..., tudo bem q pra mim esse filme não é perfeito, tiveram 2 coisas q não me agradaram muito, primeiro esse código de honra japonês atrelado ao suicidio (é claro q eu já sabia q seria assim, mas é o tipo da idéia q não compro muito), segundo é q determinados flashbacks atrapalham o ritmo, a narrativa do filme (pelo menos foi usado de uma forma muito mais eficaz do q em flags), ..., tirando esses 2 pequenos detalhes, ele mais 1 vez conseguiu moldar um enorme sentimento de humanidade em seus personagens, em vários deles, e não somente nos 2 protagonistas principais, ninomiya e watanabe, e tecnicamente falando, mostrou a guerra do jeito q deve ter sido (é claro q nessa hora pode ter rolado uma mãozinha do spielberg! 03), enfim, se como ator ele não conseguiu ser completo, um ator completo, eis como diretor, ele prova q realmente não deve nada a ninguém.

 

nota 9
Link to comment
Share on other sites

  • 4 months later...

CARTAS DE IWO JIMA – 9/10 – Uma produção mais fria, mais introspectiva e nem por mais impessoal. Os dramas pessoais e os conflitos éticos dos japoneses que fazem parte do conflito alimentam a dinâmica e a tensão dentro da narrativa. Um trabalho de direção de Eastwood que valoriza o clima claustrofóbico das cavernas onde os soldados japoneses ficam escondidos e a tensão deles diante do avante inimigo. Uma grande oportunidade de questionar o valor de uma guerra já que independente do lado em que se está sempre haverá dramas e sentimentos humanos envolvidos no conflito. Alguns flashbacks ocorrem de maneira intrusiva enquanto outros ocorrem de maneira mais natural dentro da narrativa, alguns momentos escorregam pela pieguice (a carta da mãe do soldado americano), outros são extremamente sensíveis (principalmente aqueles que envolvem as questões de honra dentro da cultura japonesa), mas o resultado final é uma produção poderosa.
Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...