Jump to content
Forum Cinema em Cena

Brasil: O País do Futuro. Até Quando?


Administrator
 Share

Recommended Posts

E outra coisa: vou na contra-mão da maré e acho que a redução da maioridade não vai resolver o problema. Será apenas uma medida paliativa. Não custa lembrar que o meliante Diego - o motorista do veículo que DESPEDAÇOU o garoto - é MAIOR de idade, portanto, sujeito ao Código Penal e não ao ECA.

 

Ademais, com a redução da maioridade vc terá mais deliquentes sendo processados pela Justiça Criminal comum e, em consequência, o problema da superlotação dos presídios será agravado.

 

Solução absurda: manda essa molecada infratora e todos os presos lutarem no Iraque, de preferência para servirem de alvo para os americanos...
Link to comment
Share on other sites

  • Replies 199
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Pois é Dook,o problema é sempre mais abrangente.

Para melhorar esse problema várias medidas têm que ser tomadas,mas reduzir a maioridade é uma delas.

 

Esse Diego,ele já passou diversas vezes pela polícia mas não foi preso por ser menor de idade.Se a maioridade fosse reduzida,ele estaria preso hoje em dia e não teria matado a criança.

E ainda temos que acabar com esse negócio de "regime semi-aberto"11
Link to comment
Share on other sites

Será que se ele tivesse sido preso lá atrás, ele não teria matado a criança? Quem nos garante que ele não teria sido agraciado com uma mudança de regime ou ainda saído no período de indulto e não voltado à prisão (como ocorre em diversas situações).

 

Não que eu discorde da redução da maioridade. Mas acho que ela deve ser uma das ÚLTIMAS medidas a serem tomadas. A primeira seria um enrijecimento das normas penais. Uma outra coisa a ser feita é a questão prisional: coloquem essa cambada de vagabundos para trabalhar. A amazônia quase não possui estradas, pq não pegam esses infelizes e os colocam no meio do mato para fazerem estradas? Enfim, há muita coisa que precisa ser feita ANTES da redução da maioridade.

 

E outras duas observações:

 

1) Onde andam os grupos de direitos humanos agora?

 

2) Também não acho que a Educação seria a solução para esse tipo de problema. Infelizmente, situações como a do garoto despedaçado evidenciam UMA coisa somente: nós somos uma geração completamente desprovida de valores. Logo, é um problema de berço, não de escola.
Link to comment
Share on other sites

Por isso que falei sobre o fim do regime semi-aberto também.03

Acho que colocar prisioneiro para trabalhar é metade certo metade errado,colocando-os para trabalhar,tiraremos o trabalho de pessoas honestas.

 

Vai me dizer que se o governo anunciar que vai contratar temporariamente pessoas para construir estradas na Amazônia, não ia ter um monte de gente fazendo o concurso?

 

Sobre suas observações:

 

1)Pois é,dificilmente vão aparecer.É aquilo,se tacaram pedra na casa dos pais dos assassinos,imagina o que não farão com quem defender os direitos deles06

 

2)Pode parecer meio estranho,mas fico feliz do mundo atual estar assim, Dook...03

 

 
Link to comment
Share on other sites

Eu só fico imaginando a dor daquela família.

 

Cara... Era uma criança...

 

Não tem nem como explicar a indignação.

 

 

 

Li em algum lugar que "estamos sentindo essa dor porque o que a mãe dele sentiu foi uma dor tão grande que transcedeu". Talvez seja.

 

 

 

O que me resta sentir é vergonha. Dos que têm poder pra mudar leis, e não mudam. Dos que tratam vidas como se fossem lixo. Dos que "estão cumprindo o dever" acima de tudo.

 

Vergonha e medo de um país que não tem autoridade, governo nem justiça.

 

 

 

----------

 

 

 

Post brinde dado pelo ShyCold no BBBCeC.

 

Quantidade de posts: 10

 

Post Nº (10)

 

 

Link to comment
Share on other sites

Será que se ele tivesse sido preso lá atrás' date=' ele não teria matado a criança? Quem nos garante que ele não teria sido agraciado com uma mudança de regime ou ainda saído no período de indulto e não voltado à prisão (como ocorre em diversas situações).

 

Não que eu discorde da redução da maioridade. Mas acho que ela deve ser uma das ÚLTIMAS medidas a serem tomadas. A primeira seria um enrijecimento das normas penais. Uma outra coisa a ser feita é a questão prisional: coloquem essa cambada de vagabundos para trabalhar. A amazônia quase não possui estradas, pq não pegam esses infelizes e os colocam no meio do mato para fazerem estradas? Enfim, há muita coisa que precisa ser feita ANTES da redução da maioridade.

 

 
[/quote']

 

Não põe trabalhando na Amazônia porque seria trabalho compulsório. Não sei como é o esquema, mas quando presos trabalham é para o sustento prórpio, não? Quer dizer, aprendem um ofício e o exercem como fonte de sustento, e não trabalho para o Estado.

Sem contar que colocar preso para trabalho no meio do mato seria dar liberdade a eles, 06. Se em presídio eles fogem, imagine no meio do mato...
Link to comment
Share on other sites

Pois é' date=' eu tb não sou muito favorável a pena de morte mas talvez ela fosse uma opção justa em alguns casos específicos, como crimes bárbaros contra crianças. [/quote']

 

Haha, e você pensa que eles não vão morrer? Por que você acha que o último suspeito se entregou assim, fácil fácil...Acho que este tipo de crime não fica impune não. Se os policiais não derem um sumiço neles, os próprios colegas de cela suicidam eles.
Link to comment
Share on other sites

 

Não põe trabalhando na Amazônia porque seria trabalho compulsório.

 

O cara tá preso' date=' não está em condições de fazer exigências do tipo 'só trabalho querendo'...

 

 

Não sei como é o esquema, mas quando presos trabalham é para o sustento prórpio, não?

 

Não sei como funciona. Até onde sei, preso não trabalha. Se trabalhassem, um monte deles já estariam ressocializados o que não ocorre.

 

 

Sem contar que colocar preso para trabalho no meio do mato seria dar liberdade a eles' date=' 06. Se em presídio eles fogem, imagine no meio do mato...
[/quote']

 

Na Amazônia? Duvido... capaz de morrerem de fome ou rangados por algum animal selvagem...
Link to comment
Share on other sites

 Mais uma "piada" perpetrada pela maioria dos nossos Congressistas (entenda-se cambada de safados, sem moral e vergonha). Essa é inacreditável! 13 07

 

 "Deputados do governo e da oposição questionam o salário de 9 mil reais pago a jornalistas contratados pela Câmara. E já acenam com a possibilidade de pedir a suspensão do concurso que vai contratar 13 profissionais, além dos 132 que já trabalham na Casa."

 

 Notícia veiculada hoje pela Band News.

 

 É isso mesmo. O Congresso tem 132 jornalistas (oi??!!09) trabalhando (cuma??! 17 06) lá e eles querem mais 13... 09 09

 Jesus, ilumina!!! duas
     
Link to comment
Share on other sites

Que belezinha... mais uma notícia legal:

 

 

12/02/2007 - 20h56

Chinaglia diz que Câmara não vai votar projetos contra violência sob pressão

< = =text/>

 

< =1.1 ="http://de.uol.com.br/js.ng/site=folha&chan=online.cotidiano&size=180x150&page=7&expble=0&conn=1&ord=46291758?" =text/>

O presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), rebateu hoje as críticas de que o Congresso decidiu colocar em votação projetos na área de segurança pública somente depois de provocado pela morte do menino João Hélio Fernandes, de 6 anos. Na pauta da Câmara desta semana estão nove projetos de lei que endurecem a legislação criminal.

Chinaglia negou, no entanto, que tenha incluído as matérias depois do clamor popular provocado pela morte do menino. "Não há necessidade de acontecer um caso novo para que nós saibamos que temos um drama nesse país. Anunciamos antes da duríssima tragédia essa definição [da pauta]. É uma crítica precipitada, mas respeitamos essa opinião. (...) É nosso dever transformar indignação em decisão eficaz", afirmou.

Apesar da negativa de Chinaglia, a pauta de votações da Câmara só foi definida na última sexta-feira em uma reunião do deputado com integrantes da Mesa Diretora da Casa. A morte de João Hélio ocorreu na quarta-feira.

Chinaglia também rebateu críticas sobre a paralisia, na Câmara, do pacote anti-violência aprovado pelo Senado Federal em junho do ano passado. As dez propostas que integram o pacote esperam por votação na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara desde então.

"O que veio do Senado não está em condições de ser votado. A iniciativa da Câmara de votar projetos como o que aumenta a reclusão para quem comete crimes hediondos é sinalização clara de que essa discussão vai continuar", afirmou.

O presidente da Câmara reconheceu que as nove propostas dificilmente serão apreciadas pelos deputados esta semana. "Dou garantia do nosso esforço. Os projetos vão continuar na pauta. Vamos selecionar aqueles sobre os quais há acordo", explicou.

Chinaglia garantiu que o tema segurança pública será prioridade para os deputados nos próximos meses --acima inclusive da votação do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). "Não vamos nos restringir somente a projetos de lei", encerrou.

 

-----------------------------------------------------

 

Acho que hibernei nos últimos 10 dias (culpa do intensivão Hitchcock, talvez?)... Já foi a eleição e o Chinaglia foi o 'premiado'?
Link to comment
Share on other sites

"O cara tá preso, não está em condições de fazer exigências do tipo 'só trabalho querendo'..."
Teoricamente é isso aí mesmo...na prática, é bem diferente

"Não sei como funciona. Até onde sei, preso não trabalha. Se trabalhassem, um monte deles já estariam ressocializados o que não ocorre."
Realmente não trabalham...ainda que morressem de fome, tudo bem...mas não, não trabalham, queimam 30 colchões por mês, comem melhor que muito pobre, e ainda quem paga somos nós

"Na Amazônia? Duvido... capaz de morrerem de fome ou rangados por algum animal selvagem..."
A Amazônia é uma boa opção, mas eu prefiro o Sertão Nordestino...morrem desidratados...ou...sendo mais radical, seria a favor de comprar a Ilha De Santa Helena no meio do Atlântico, e mandar todos eles pra lá...

Link to comment
Share on other sites

Vejam esse texto da Marilene Felinto, publicado pela Caros Amigos...que a Caros Amigos é uma das revistas mais ridículas, idiotas e BURRAS do país, todos sabemos...mas, putz, agora chegaram no cúmulo da Intragabilidade070707...!


http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=516954&tid=2514927778921285462&start=1

Só não mandei um e-mail pra Caros Amigos chingando eles de TUDO QUE FOSSE POSSÍVEL pelo fato deu não ter conseguido confirmar a origem desse texto...
Link to comment
Share on other sites

Esse texto da Marilene Felinto está com jeito de paródia' date=' ou pelo menos é nisso que eu quero acreditar. [/quote']

 

...eu quero acreditar que foi um Macaco ou Chimpanzé que escreveu esse texto...não pode ter sido um humano...não, não, não e NÃO!Foi alguém com Síndrome De Down...ou com DME(Déficit De Massa Encefálica)...ou com TPM(Todos Os Problemas Mentais)...nem isso...foi algum ser de outra espécia que não seja a Humana...putz, essa obra-prima passou com MUITO SUCESSO o limite da Burrice Humana...se o Everest é o cúmulo da Ignorância, então essa mulher tá Orbitando a Terra!
Link to comment
Share on other sites

esse texto é forjado. não pode ser.

 

o caso do moleque me fez rever algumas coisas sobre prisão perpétua e pena de morte (aliás, as regalias devem ser cortadas NOW), mas não acho que seja a solução a redução da maioridade penal; supostamente, o menor de idade deveria tentar se reintegrar e chegar a maioridade em uma forma que não seja a de um animal do nível das coisas que fez. talvez não ande muito por 'ele já ser capaz de responder por seus atos', mas sim pelo fato de que sendo menor de idade ele ainda está em processo de educação. mas é estranho, pq tbm é dito por aí que essa função de corretivo tbm é atribuída a prisão, embora isso não seja muito seguido no mundo todo (e por mim tbm, pq depois de ficar preso se reintegrar a sociedade num passe de mágica é...). mas na prática a Febem é aquilo que a gente conhece, mas se for julgar as coisas por esse ponto o raciocínio fica um pouco conformista.

 

pelo que me parece, alterar lei quando as prévias ainda nem são aplicadas direito é um pouco insensato. uma pena que ter uma unidade socioeducativa de menores e um sistema penitenciário funcionando sejam quase utopia por aqui...

 

mas no mais, os meliantes vão cair na cela do pica grande, provavelmente e não vou negar que tem uma parte em mim satisfeita; e o menor de idade se somar os fatores do que ele é hoje, mais o que vai passar na Febem, é um possível caso perdido. a redução da maioridade penal faz sentido onde a Febem é praticamente uma prisão mais leve (?)...

 

não sei se eu fui claro...
Link to comment
Share on other sites

 

 

...eu quero acreditar que foi um Macaco ou

Chimpanzé que escreveu esse texto...não pode ter sido um humano...não' date='

não, não e NÃO!Foi alguém com Síndrome De Down...ou com DME(Déficit De

Massa Encefálica)...ou com TPM(Todos Os Problemas Mentais)...nem

isso...foi algum ser de outra espécia que não seja a Humana...putz,

essa obra-prima passou com MUITO SUCESSO o limite da Burrice

Humana...se o Everest é o cúmulo da Ignorância, então essa mulher tá

Orbitando a Terra![/quote']

 

 

Não me surpreenderia se essa louca tivesse escrito este texto, afinal ela já defendeu o Chambinha em um outro artigo.

 

 

Link to comment
Share on other sites

E outra coisa: vou na contra-mão da maré e acho que a redução da maioridade não vai resolver o problema. Será apenas uma medida paliativa. Não custa lembrar que o meliante Diego - o motorista do veículo que DESPEDAÇOU o garoto - é MAIOR de idade' date=' portanto, sujeito ao Código Penal e não ao ECA.

 

Ademais, com a redução da maioridade vc terá mais deliquentes sendo processados pela Justiça Criminal comum e, em consequência, o problema da superlotação dos presídios será agravado.

 

Solução absurda: manda essa molecada infratora e todos os presos lutarem no Iraque, de preferência para servirem de alvo para os americanos...
[/quote']

 

1. Vale lembrar que esse bandido tem ficha na polícia desde os 15 anos.

Vale lembrar que centros de reabilitaçao não resolvem muita coisa.

 

2. Concordo, esse é o principal "motivo" para não a diminuirem, sem ele a postura das autoridades seria bastante diferente. Entretanto, não é fator contra, pelo contrário, é apenas mais uma deficiência do Estado que precisa ser sanada.

 

3. Falar que não vai resolver o problema e apresentar esta como solução, sendo de brincadeira ou não, é triste.

 

Edit: Ignore, fui ver agora que isso já foi discutido e já li seu ponto de vista.
filmesking2007-02-13 23:28:39
Link to comment
Share on other sites

1. Whatever... Ter ficha na polícia desde os 15 só agrava a situação dele. Ponto para a sociedade, pois não haverá sursis nem liberdade condicional para o moleque em certeira condenação. E a coisa tá tão preta que nem advogados eles têm...

 

2. A forma como o Estado age (resolvendo uma coisa de cada vez em doses homeopáticas) acaba tornando a questão das prisões um fator contra a redução da maioridade penal.

 

3. Por isso coloquei o termo 'absurda' depois de 'solução': trata-se de algo extremo que jamais virá a cabo. Mas dane-se, é uma solução mesmo que em nível extremamente hipotético.
Link to comment
Share on other sites

 

 Pra mim, bastou apenas 10 minutos vendo essa triste e cara produção pra saber que era lixo.  Pelo texto abaixo, percebo que, infelizmente, não estava errado... Vamô que vamô!! 07 04 

 

--------------------------------------------------------------

 

AMAZÔNIA
Galvez, a gente se vê por aí

Por Jair Alves em 13/2/2007 - Observatório da Imprensa

Curiosa, se não fosse preocupante, a decisão de a TV Globo adquirir os direitos do romance histórico Galvez, o Imperador do Acre, do escritor Márcio Souza. Essa escolha resultou, como todos sabem, na minissérie Amazônia, atualmente em exibição, que, no entanto, é baseada nas obras Terra caída, de José Potyguara da Frota e Silva, e O seringal, de Miguel Ferrante. Constata-se, então, que tudo o que não interessa à Globo é que o conteúdo de Galvez, Imperador do Acre venha a ser conhecido. Mas não é só isso.

Quem tenha tido a paciência de acompanhar pari passu os capítulos da minissérie percebeu que a ficção de Glória Perez acaba tendo mais destaque do que a história que, no subtítulo da obra, a TV Globo promete contar. O título Amazônia – de Galvez a Chico Mendes não corresponde à verdade histórica, nem de longe. Está mais próximo de "de Galvez a Chico Mendes, segundo a piração de Glória Perez". Abundam absurdos lingüísticos, onde a aristocracia metida a besta usa expressões na segunda pessoa do singular, tais como "tu queres o meu amor" com "deixa comigo", na boca dos filhos abastados dos coronéis. Mas isso não é tudo – tem mais.

Uma gafe histórica

Em uma cena do capítulo do dia 8 de fevereiro, a certa altura, um dos coronéis da borracha, preocupados com o andamento da "revolução" e da tramóia envolvendo o governo federal e a Bolívia, diz mais ou menos o seguinte: "A exportação da borracha vai ser muito importante para todos nós, principalmente com a indústria automobilística." Santo Deus!!! Como é sabido, basta ler em qualquer livro de história que o presidente Campos Salles e o presidente do Estado Silvério Nery governaram o Brasil e o Amazonas, respectivamente, de 1899 a 1903. Ambos são citados várias vezes nas conversas, inclusive com inserção direta da história contada pela Globo. Ora, apesar de Henry Ford ter se interessado pelo motor a explosão desde o final do século 19, somente em 16 de junho de 1903 foi criada a Ford Motor Company que passou a produzir em série, processo conhecido como taylorismo. Como o insignificante personagem da minissérie veio a conhecer tão importante notícia que iria provocar tamanho aumento nas exportações de látex? Pela internet?

Mas a TV Globo "não está nem aí". Eles perdem a vergonha, mas não a piada. Se colarmos essa gafe aos resultados do conhecimento dos alunos de primeiro e segundo graus SAEB (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica), amplamente divulgados no mesmo dia em que o capítulo foi ao ar, a situação não parece assim tão engraçada, e sim, trágica. E vejam vocês que a TV Globo, através de um de seus programas, pretende alfabetizar o Brasil, com ensino à distância pela TV Futura. Mas tem mais ainda.

Projeto político

Desde os gregos, o protagonista geralmente é o personagem mais destacado da trama. Os demais, muitas vezes pelas circunstâncias, acabam tendo grande importância, porém a fábula contada sempre tem como enfoque o destino do personagem central. A saber: Édipo; Medéia; Antígona; Gimba (Guarnieri); Papa Higuirte (Vianinha) e outros mais modernos. Na minissérie, curiosamente, o coronel Firmino (José de Abreu) tem mais inserções do que o papel-título, o de Galvez (José Wilker). A ficção, ou piração, de Glória Perez é mais importante do que a história de Galvez, que na obra é tratado como se fosse um inveterado mulherengo, sem vergonha alguma, ao passo que o coronel Firmino, apesar de ter um filho fora do casamento, não permite que sua cunhada e mulher dêem um passo em falso, de contrário ambas vão terminar seus dias num convento, enclausuradas. O que interessa à Globo – o que parece – é o show, o que pode servir como elemento de indução ao momento presente, não importando se isso tem ou não a ver com a verdade histórica. Esse mote, aliás, foi uma escolha desde há muito. Em outras minisséries, que esse humilde escriba não teve paciência para ver e apreciar, o mesmo crime contra a educação nacional também se manifestou. O que é mais do que evidente é que isso serve aos interesses da Globo, mas não é necessariamente o que a maioria da população quer e precisa conhecer. O compromisso com a informação, o jornalismo sério, deu lugar ao projeto político imediato, e este é inquestionável, vide as últimas trapalhadas em que a emissora se meteu. Com essa amostragem dá pra prever os problemas que vamos ter, quando chegarmos aos tempos de Chico Mendes. Tremo nas calças, mas com muitos personagens ainda estão vivos para contestar os descalabros, morro de expectativa...

Mas a realidade, essa sim, é dinâmica e apresenta contradições deliciosas. No caso, duas envolvendo o ator José de Abreu.

Realidade e ficção

Pouca gente sabe que o ator José de Abreu é oriundo do movimento estudantil de 68, foi segurança, naquela oportunidade, do nada menos que ex-ministro José Dirceu. A história registra uma foto na primeira página de o Estadão: José de Abreu de joelhos, sendo preso pelos agentes do DOPS. Também naquela época, José de Abreu figurava entre os atores do espetáculo O&A do Tuca, conhecido grupo, pensado e dirigido pelos então estudantes revolucionários da AP (Ação Popular); hoje, em sua maioria, adeptos do PSDB. José de Abreu militava na Dissidência (Dissidência Comunista de São Paulo, corrente paulista da qual participava José Dirceu, presidente da UEE; no Rio, de uma corrente com o nome semelhante, Dissidência Comunista da Guanabara, participava Vladimir Palmeira).

No período de abertura, trabalhamos com José de Abreu na montagem Qualé meu (1980), que pretendia contribuir historicamente para esclarecer os acontecimentos trágicos dos governos militares. Originalmente, seria uma adaptação do livro O que é isso, companheiro?, mas seu autor resolveu cair fora e vender os direitos para o cinema. Deu no que deu. Sem comentários. Escrevemos a quatro mãos nossas memórias e de amigos e companheiros do passado ainda recente. Da montagem também participou Ecila Pedroso, apenas como atriz, hoje novelista da Globo. Bons tempos, aqueles. O artista gráfico Elifas Andreatto imortalizou essa montagem em mais um cartaz, anexado a este texto.

Nos capítulos anteriores, o personagem Firmino, interpretado por José de Abreu, numa conversa com um dos filhos tenta convencê-lo (numa boa) a voltar a estudar em Paris. O filho argumenta que prefere o seringal, onde se dá bem, e que "afinal, vou tomar conta mesmo". Firmino retruca, dizendo que é importante o estudo porque se ele, Firmino, tivesse estudado, teria ido mais longe. O filho, então, contesta novamente: "Se a escola é tão importante, pai, por que o senhor não deixa criar uma aqui?" Ele arremata: "Escola para seringueiro é problema à vista. Vai ficar assim mesmo, e ponto final. Você vai para Paris querendo ou não."

Essa inserção cênica, que a princípio poderia ser considerada semente de insatisfação, uma contribuição ao mundo civilizado, se perde nas inúmeras contradições da minissérie que reforça o conformismo e a aceitação de uma produção mentirosa. Mesmo com exemplos de belas interpretações, a começar pelo próprio José de Abreu, a minissérie despreza a cultura, as artes, a história e a inteligência.

The Deadman2007-02-14 13:15:41
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...