Jump to content
Forum Cinema em Cena

Desbravadores (Pathfinder)


balehead
 Share

Recommended Posts

   

O épico Pathfinder, sobre uma guerra entre vikings e ameríndios, tem tudo para ser um trash legítimo. Mas não dá pra negar que as imagens divulgadas até agora são estilosas. Depois do pôster, agora são fotos de cenas. Confira:

pathfinder4.jpg

pathfinder.jpg

pathfinder2.jpg

pathfinder1.jpg

pathfinder3.jpg

O novo filme de Marcus Nispel (O massacre da serra elétrica) é baseado em Ofelas, filme de 1987 do norueguês Nils Gaup ambientado no ano 1000. Na refilmagem, porém, roteirizada por Laeta Kalogridis (Alexandre), a ficção se transfere para a América do Norte, quando lá aportam os nórdicos quinhentos anos antes de Cristovão Colombo. Karl Urban (Doom) interpreta um viking abandonado por seu clã enquanto garoto, depois de uma sangrenta batalha com nativos do Novo mundo. Criado no novo meio, ele passa a defender os ameríndios contra seu antigo povo.

O longa tem ainda Moon Bloodgood, Clancy Brown, Jay Tavare, Nathaniel Arcand, Ralf Moeller e Russell Means no elenco. A estréia foi adiada para 12 de janeiro de 2007 nos Estados Unidos.

Assista ao trailer

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

eu so te confesso que to com um pouco de medo, porque é tipo como a historia de leif ericsson o primeiro viking a aportar na america, mas eles estao mudando todo foco da historia, eu gostei do titulo tb. mas que queria que contassem a historia do leif ericsson seria mais legal, bom pelo menos tem vikings na historia.

Link to comment
Share on other sites

05/01/07
Pathfinder adiado para final de Abril!

A aventura viking Pathfinder da Fox foi adiado para 27/04 nos EUA! A estréia no Brasil continua agendada para Março, mas eu acredito que também seja adiada em breve.


O filme é dirigido por Marcus Nispel (Massacre da Serra Elétrica) e conta a história de um garoto viking deixado numa tribo.

 

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...
  • 1 month later...

pathfinderposter.jpgExclusive Interview : Karl Urban

 

 

It seems that New Zealander Karl Urban has come a long way since taking on Julius Caesar on the popular small screen fantasy adventure series" Xena: Warrior Princess". So it seems only natural that the actor would advance to slay orcs in Peter Jackson's epic "Lord of the Rings" trilogy. Appearing as a somewhat more rugged version of screen heartthrob Leonardo DiCaprio, it's obvious from his work in such films as "The Price of Milk" that the handsome young actor has the looks and the skills to make it on his own.

A Wellington native and son of a leather goods manufacturer, Urban's first acting experience came with an appearance in a New Zealand television show at the age of eight. Though he would subsequently eschew an acting career until after graduating from high school, Urban was drawn back in front of the cameras when he was offered the opportunity to appear on an evening soap opera entitled "Shortland Street" while preparing to attend Victoria University. The acting bug was a bit harder to shake the second time around, and after a mere year at Victoria, Urban abandoned higher education for a career on the stages of Wellington. A relocation to Auckland found Urban gaining exposure on New Zealand television, and after a turn as a heroin addict in "Shark in the Park", he made an impression in the 1998 Scott Reynolds thriller Heaven. An unaired pilot for a show called "Amazon High" was eventually incorporated into an episode of "Xena', and Urban would next take to the screen for the gory horror outing "The Irrefutable Truth About Demons".

A turning point of sorts came when Urban was cast as the lead in the romantic fantasy '"he Price of Milk", and his performance as a milk farmer whose relationship is on the rocks found him gaining increasing recognition on the international art house circuit. Though mainstream American audiences would begin to get acquainted with Urban courtesy of his role in the seafaring horror outing "Ghost Ship", his role in the "Lord of the Rings: The Two Towers" later that same year ensured that audiences would be seeing plenty more of him in the future. Following his escapades in Middle Earth, Urban would take to the stars opposite Vin Diesel in "The Chronicles of Riddick" (2004). Action roles continued to come at a clip when, after dodging bullets in the fast-moving sequel "The Bourne Supremacy", Urban jettisoned to Mars to do battle with a particularly nasty breed of evil in the video game-to-screen adaptation "Doom". From the far future to the distant past, Urban next laid down his plasma rifle to take up sword against his own people when he assumed the role of a Viking boy raised by Native Americans in director Marcus Nispel's fantasy adventure "Pathfinder", which finally unspools across North America in late April.

The Kiwi talked to Aussie Paul Fischer in Los Angeles.

So what’s a Kiwi doing dressing up as a Viking?
I don’t know, what’s a Kiwi doing dressing up as a gladiator, you know? That’s the job buddy. That’s the stuff I’m doing.

There hasn’t been a big Viking moving for, I don’t know, three or four decades. What was the particular appeal of this one for you?
Well for me I was really attracted to the character and the story. This is a story about a young Viking boy who gets shipwrecked on the coast of American, he gets adopted by Indians and then fifteen years later these bunch of Vikings return and massacre his village and he has to decide where his allegiance lies, whether it’s with his adoptive family or his blood family and ultimately it’s not much of a choice – he chooses to go with his adopted family and then he helps the Indians to defeat the Viking insurgents. So I was attracted to it on that level and I really enjoyed the journey of this character going from the sort of mode of hell bent on revenge to kind of learning that he has to use his brain to outsmart his enemy when he physically cannot do so.

How much did you have to prepare physically for something like this?
Oh I spent a hell of a lot of time getting into shape and learning how to wield a sword and ride a horse. I’d done a limited amount of that on Lord of the Rings, quite an extensive amount of horse work, not so much sword work on Lord of the Rings. But for me on this I did a lot of sword work and a little bit of horse work. Beyond that I really researched about the different cultures, about the Indian culture and the Viking culture and I think this film doesn’t really go anywhere towards dispelling the common perception that the Vikings were a murdering, raping, pillaging bunch of guys going around on the seas. They certainly, I think, get a little bit of a bad wrap for a couple of incidents in some of the monasteries off the English coast but as I researched the Vikings I came to realise that they were actually quite a highly evolved society with their own monarchy and their own sort of judicial system and what I came to realise is that the Vikings in our picture were probably closer to a faction of Vikings which were expelled called the berserkers who were expelled because they were just too barbaric and too violent.

So there’s a fair amount of historical accuracy in this you think?
Maybe as far as that the historical accuracy is the fact that there is evidence to support the fact that Vikings landed in Newfoundland and Viking artefacts have been discovered right down the eastern seaboard of the United States so they obviously came here. I think even in the Indian culture there are some references to the Viking and in the Viking culture, references to encounters that happened with the Indians and sometimes those encounters were peaceful and trade orientated and other times those encounters were violent clashes. In our film we’re sort of exploring the clash of these two cultures and it happens in a very barbaric and violent fashion.

How tough a picture was this for you to make?
This was literally the most gruelling shoot that I’ve ever done. We shot this film 100% on location and we were shooting it in winter, I was pretty scantily dressed in a very traditional Indian wardrobe which is consistent of a leather thong and some chaps and that’s about it. And literally I got injured on the first day of shooting this. Just walking down the hill, I sort of strained some muscle in my calf and it sort of became a process as the days wore on, I had to bandage up and support my ankles, my wrists, my elbows, my knees. I mean there was sword fighting, there was running through treacherous terrain, there was this whole sequence in the film where I evade the Viking pursuers as I’m sliding down the side of a mountain. We were working in at times quite hazardous situations. For example we were shooting this one sequence in a cave complex just outside of Swamish and fourteen members of the crew sustained various sort of fractures and sprains due to the fact of working in really tough places. That just happened on one day.

When you do something that’s physically as tough as this, what are the challenges for you as an actor to deliver a performance while dealing with physically exhausting conditions.
I think probably the biggest challenge is keeping your energy up and you really have to pay close attention to what you eat and you can’t eat things that slow you down, you know. And I’m just constantly snacking those health energy bars through the day to try and get through but that’s the job, you know. Quite often your action bits are about action and they fall into a difference place to some of your more kind of quite character developing moments.

Now this is a very competitive industry obviously. How hard are you finding it, and you still live in New Zealand right?
That’s correct, yeah.

How hard to you find it then as a New Zealander, as an itinerant travelling actor, to find work that challenges you.
You know what? I’ve been pretty fortunate to date. I mean in the last year I shot three projects pretty much back to back starting with Pathfinder and then I went on to do a little New Zealand film called Out of the Blue and then from that I went to New Mexico and shot a western…

With Simon Wincer.
Yeah with Simon. Yeah that’s right. So finding work isn’t really the challenge, the challenge lies in sustaining a balance in your life with your family and everything else that goes in your life.

How do you do that?
Well quite simply, I take time off. I shot three films back to back and I ended in July last year and then I didn’t take a job since because I spent that time with my family, you know. I have a twenty month old son and a six year old son and I realised we were at a point where I really needed to be at home because my youngest boy, he wasn’t eating properly and he wasn’t sleeping and I needed to be there and be dad and to me that’s my most important job and my career unfortunately has to come secondary to that.

So are you taking a break at the moment then?
When I’m actually in the process of negotiating on a couple of projects that I hope to start shooting in the next couple of months.

Out of the Blue was in Toronto I believe. Is it likely to see the broader theatrical release?
Well yeah definitely. It was picked up by the Weinstein Company and the last I heard they were planning to release it about May this year I think. It’ll get some sort of a, probably a limited art house cinema release.

And Pathfinder opened in some parts of the world as I understand it.
Yeah it’s actually opened in Russia and I think Malaysia and it’s done extraordinary well actually. I think it’s pulled in like about $5 million to date and that’s just on the limited territories that it has opened. So there’s definitely an audience for it. I think it’s a great little film. I mean, we really are the little engine that could in the midst of all these big summer blockbusters, these $100 million movies. We’re a little sort of, you know, $22 million film looking like $100 million film and it’s just an epic action, adventure, survival, love story and it’s relentless, you know, when the film starts it doesn’t let you go and it’s just kind of one tragedy or calamity befalling the next for this character and these people. It’s a real tale of survival and struggle and I’m really proud of it.

 

< ="http://pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js" =text/>

 

Link to comment
Share on other sites

eu so te confesso que to com um pouco de medo' date=' porque é tipo como a historia de leif ericsson o primeiro viking a aportar na america, mas eles estao mudando todo foco da historia, eu gostei do titulo tb. mas que queria que contassem a historia do leif ericsson seria mais legal, bom pelo menos tem vikings na historia.

[/quote']

 

Seria mil vezes mais interessante eles fazerem a saga de Leif Ericsson. Que na verdade é o primeiro europeu a chegar ao Novo Mundo, pelo o que se sabe até hoje. E também estou com o pé atrás do que vi no trailer, me pareceu aqueles filmes feitos para TV. Estou torcendo que eu esteja redondamente enganado.

<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

E já começaram bem errados. Escolheram o estereótipo comum de Vikings, que têm capacetes córneos, com grande estatura e escravocratas. Os produtores preferiram isto afirmando que já esta inserido na sociedade este visual. Esta foi à coisa mais idiota, para justificar. Afinal, como esperam mudar o estereótipo se focando constantemente nele, eles poderiam muito bem buscar outro viés para expor esta cultura de forma coerente e não mais fantasiosa como fez Richard Wagner e centenas de outros depois. Eles tinham a oportunidade de originalidade, fora dos padrões conhecidos e jogaram fora. Se é que os produtores realmente sabiam que isto era mesmo mito? Tipo:  “Vamos fazer um filme que tenha Vikings. E outro pergunta: Como eles eram mesmo? O produtor chefe responde: Seu burro eles tinham capacetes córneos, Altura elevada e adoravam escravizar”.

 

E seguiram firme sem qualquer consulta de um especialista.

 

Muito tempo depois... o faxineiro do Estúdio da Fox protelou durante a limpeza da sala de projeção:

 

“Perai camarada. Pelo que eu sei, esta imagem é focada no romantismo nacionalista por Richard Wagner em plena época do Pan-Germanismo na Europa do Século XIX. Ai o executivo chefe responde: É mesmo? Não sabia? E daí?”  

Link to comment
Share on other sites

A título de Curiosidade a Saga de Vinland:

<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

Vinland foi o nome dado pelos Viking à zona do Golfo de São Lourenço, Nova Brunswick e Nova Escócia. A área foi explorada por iniciativa de Leif Ericson a partir de Leifsbudir, um colonato estebelecido por volta do ano 1000 na costa norte da Terra Nova (atual Canadá). A ocupação de Leifsbudir foi precária e durou apenas uma década mas representou o primeiro contacto da Europa com a América, cerca de 500 anos antes das viagens de Cristóvão Colombo.

 

Primeiras explorações

A exploração de Vinland foi efectuada pelos vikings estabelecidos nas colónias da Gronelândia e motivada pela escassez de recursos que se verificava nesta região. As colónias eram em certa medida apropriadas à ocupação humana mas apresentavam desvantagens como o clima frio, escassez de madeira como material de combustão e de construção ou falta de fontes acessíveis de ferro. Para suprir estas carências, Leif Ericson, filho de Eric, o Vermelho, fundador da colónia da Gronelândia, tomou a iniciativa de explorar a área circundante.

As primeiras viagens revelaram descobertas promissoras num continente de clima relativamente mais ameno e repleto de recursos essenciais à sobrevivência. Para além de Vinland (terra das vinhas), Leif Ericson descreveu ainda Markland (a costa de Labrador), Straumfjord e Helluland (costa este da Ilha de Baffin), relatadas nas sagas como locais ideais para a criação de rebanhos. No entanto, a costa este do actual Canadá situava-se a mais de 1000 milhas marítimas da Gronelândia, o que representava pelo menos três semanas de viagem de barco. Dada a impossibilidade de viajar a não ser no Verão, devido às condições climatéricas, Leif Ericson depressa encontrou vantagem em estabelecer uma base de Inverno na região. Leifsbudir foi o nome dado a este colonato.

Leifsbudir

A única fonte histórica que menciona a colónia de Leifsbudir em Vinland são as sagas nórdicas, contemporâneas das expedições. De acordo com estes textos, Leifsbudir foi fundado por Leif Ericson, seu irmão Thorvald, sua irmã e sua mulher, por volta do ano 1000. O local era descrito uma pequena aldeia destinada a servir como quartel-general às expedições que continuavam a decorrer no Verão. À falta de fontes independentes e de vestígios Viking na América do Norte, os historiadores mantiveram-se cépticos quanto a estas narrativas, classificadas por alguns académicos como fantasias.

A dúvida esfumou-se em 1961 quando uma equipa de arqueólogos descobriu ruínas de arquitectura viking na área de L’Anse aux Meadows na costa norte da ilha da Terra Nova. O sítio era constituido por oito edifícios, dos quais três camaratas com espaço para acolher cerca de 80 pessoas, uma oficina de carpintaria e uma forja com tecnologia de extração de ferro idêntica à dos vikings. As datações por carbono 14 indicaram ainda idades em torno do ano 1000. A localização e características destas ruínas estavam por isso de acordo com os descrito pelos contemporâneos de Leif Ericson e confirmavam a veracidade da presença viking na América do Norte.

Uma das características mais marcantes da aldeia descoberta pelos arqueólogos era a ausência dos artefactos que normalmente acompanhavam os vikings. As escavações revelaram apenas e só a presença de: 99 pregos estragados, 1 prego em boas condições, um pregador de bronze, uma roca, uma conta de vidro e uma agulha de tricot. Este magro espólio arqueológico foi interpretado como abandono deliberado da colónia, o que é suportado pelas narrativas da época que contam como Leifsbudir foi abandonada ao fim de poucos anos de vida.

Abandono

De acordo com as sagas, Vinland tinha todas as características de uma terra prometida mas no entanto as ideias de exploração e colonização foram abandonadas ao que tudo indica de repente. Os motivos para o abandono são descritos pelos próprios relatos contemporâneos: Vinland era a morada de um povo hostil com o qual os vikings não conseguiram estabelecer relações pacíficas.

O primeiro contacto dos vikings de Leifsbudir com os índios americanos é relatado em pormenor nas sagas. O acampamento foi visitado por um grupo de 9 nativos, que os vikings chamavam genericamente skraelings (“os feios”, uma palavra também aplicada aos Inuit) dos quais os vikings mataram 8 por razões não especificadas. O nono elemento fugiu e regressou em canoas com um grupo maior que atacou os colonos. Na luta, morreram algumas pessoas de parte a parte incluindo Thorvald, irmão de Leif Ericson. Apesar deste início pouco auspicioso, foi possível estabelecer relações comerciais com os Índios, com a troca de leite e têxteis nórdicos por peles de animais locais. A paz durou algum tempo até que nova batalha começou quando um índio tentou roubar uma arma e foi morto. Os vikings conseguiram ganhar este conflito mas o acontecimento serviu para perceberem que a vida em Vinland não seria fácil sem apoio militar adequado ao qual não tinham acesso. De acordo com as sagas decidiram então abandonar a aldeia de Leifsbudir e o sonho de colonizar Vinland.

Apesar do abandono, os viking continuaram a visitar a América do Norte, em particular a região de Markland. Estas viagens não se destinavam a exploração ou eventual estabelecimento, mas sim à recolha de madeira e ferro, recursos que continuavam a escassear na Gronelândia natal. A última referência a uma viagem a Markland data de 1347.

Referências

Jared Diamond - Collapse: How Societies Choose to Fail or Survive, Allen Lane (Penguin Books)

Categoria: Vikings

Leif Eriksson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Estátua%20de%20Leif%20Eriksson%20em%20Reykjavík.

magnify-clip.png
Estátua de Leif Eriksson em Reykjavík.

Leif Ericson (islandês antigo: Leifr Eiríksson) foi um explorador popularmente conhecido como o primeiro europeu a descobrir a América do Norte e, mais especificamente, a região que se tornaria o Canadá. Era o filho de Eric, o Vermelho (Eiríkr rauði), um fora-da-lei norueguês, que por sua vez era o filho de um outro fora-da-lei, Þorvaldr Ásvaldsson. Sua mãe era Þjoðhildr. Seu pai fundou duas colônias nórdicas, a Colônia do Oeste e a Colônia do Leste, na Groenlândia, cujo nome foi de sua autoria.

Leif tinha boas noções de navegação e, por volta do ano 1000, acreditando em uma história de que havia terras além da Groenlândia, partiu daí para o sul para encontrar terras onde o frio fosse menos intenso.

Rumando para o sul, encontrou terras bastante arborizadas, e mais tarde sinais de povoamento, onde ele desembarcou para fazer contato com os habitantes nativos (os índios americanos). Leif chamou aquela terra de Vinland (para atrair mais nórdicos àquela terra, sendo que significa terra das vinhas) os habitantes locais de Skraelings, que quer dizer feios, já que os nórdicos eram loiros e ruivos de pele branca e os índios muito diferentes do que eles estavam acostumados.

A convivência com os índios foi pacífica durante os meses de acampamento, onde trocaram-se peles e couro por tecidos nórdicos. Leif fundou ali a cidade de L'Anse-aux-Meadows que tinha a população de cerca de trinta pessoas, e voltou à sua terra para buscar mais pessoas para aquela maravilhosa terra, porém soube que seu pai havia morrido e teve que assumir a vila Brattahlid em seu lugar. Mesmo assim pessoas continuaram a ir para a nova cidadezinha até o ano de 1012, quando a população indígena invadiu e destruiu todas as casas (algumas sobreviveram e foram encontradas, junto com resquícios de cerâmicas Vikings, em escavações realizadas em 1962, o que provou de fato a existência de Vinland).

Por isso alguns historiadores preferem considerar como o real descobridor da América não Cristóvão Colombo, porém sim Leif Eriksson.

Link to comment
Share on other sites

  • 6 months later...
  • 3 weeks later...

Infelizmente não tive esta sorte de passar longe Naka. O infeliz do meu amigo, me trouxe este filme. Eu até tentei argumentar que pelo que já sabia. Falei que tinha mais probabilidade de ser uma bomba do que algo que vale a pena. Então, como não sou dó tipo que julga o filme pelo o que foi exposto aqui fui conferir para tirar a prova dos nove.

<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

É uma bosta, uma bosta podre. Karl Urban pagou um mico gigantesco. Na verdade levou o soco do King Kong. Eles tentaram fazer uma espécie de Conan o Bárbaro com Vikings e ameríndios. Foi como pensei. O filem parece feito para TV e tão ruim quanto.07

 

No mais eu até tentei argumentar com o meu amigo que depois eu via o filme e que tinha acabado de receber por encomenda Cinema Paradiso, que era infinitamente superior a este longa. Ele preferiu dar o tiro no escuro e perdeu a oportunidade de ver um filme melhor e eu perdi meu tempo. 11

Link to comment
Share on other sites

  • 1 year later...

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...