Jump to content
Forum Cinema em Cena

Widescreen ou Fullscreen?


Cavalca
 Share

Widescreen ou Fullscreen?  

31 members have voted

  1. 1. Widescreen ou Fullscreen?

    • Widescreen
      104
    • Fullscreen
      13


Recommended Posts

  • Replies 354
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Olhem só descrições de comunidades que achei no orkut' date=' de gente que odeia widescreen:

Para todas as pessoas,que como eu odeiam quando alugam um DVD, e o formato da tela e esse.Voce simplesmente ve seu Telão, o qual vc deu o maior duro pra comprar, ser reduzido pela metade,com aquelas "odiosas tarjas ", emoldurando seu filme preferido.

Praquê WideScreen Meu Deus?!!!! A gente trabalha muitas horas todos os dias, Se mata para comprar um DVD que tanto quer, na hora que vai assistir está só a metade do filme!!! Revoltante isso!!! Abaixo WideScreen!

Pra você que odeia aquelas malditas tarjas pretas e que acha que elas são um atraso de vida junte-se a nós nessa comunidade. Então não perca tempo exponha aqui toda a sua opinião.

Quem é q gosta daquelas Tarjas pretas q aparecem emcima e embaixo da tela do seu video quando vc esta assistindo à algum filme vc ñ sabe se assiste a porra do filme ou presta a atenção nas tarja maldito Widescreen!!!!

Só rindo mesmo..... smiley11.gif

[/quote']

Pq não entramos nessas comunidades e detonamos por lá??

smiley15.gif

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

4993487.jpg
 

Japonês enxerga em WideScreen? 191 membros
Comunidade dedicada a todas as pessoas que ostentam a mesma dúvida:
"Será que japonês enxerga em WideScreen?"


WideScreen: pras antas que num sabem o que é isso - São aquelas duas tarjas pretas(cima e baixo da tela) que existem nos filmes, geralmente dvd tem isso!

14530333.jpg
 

Paraiba tem cabeça widescreen 89 membros
Paraiba não tem kbça chata, eh apenas formato widescreen!!!
Tecnologia!!!
São os avanços do Ceara, Paraiba e cia., modernizando, além d suas tvs, suas cabeças tb...

smiley36.gif

Link to comment
Share on other sites

WideScreen: pras antas que num sabem o que é isso - São aquelas duas tarjas pretas(cima e baixo da tela) que existem nos filmes, geralmente dvd tem isso!

 

Pra anta que criou a comunidade - Widescreen não é as "tarjas pretas" e sim o formato largo que em displays mais estreitos, para que caiba sem cortes, acaba provocando tarjas escuras.

Link to comment
Share on other sites

Olhem só descrições de comunidades que achei no orkut' date=' de gente que odeia widescreen:

Para todas as pessoas,que como eu odeiam quando alugam um DVD, e o formato da tela e esse.Voce simplesmente ve seu Telão, o qual vc deu o maior duro pra comprar, ser reduzido pela metade,com aquelas "odiosas tarjas ", emoldurando seu filme preferido.

Praquê WideScreen Meu Deus?!!!! A gente trabalha muitas horas todos os dias, Se mata para comprar um DVD que tanto quer, na hora que vai assistir está só a metade do filme!!! Revoltante isso!!! Abaixo WideScreen!

Pra você que odeia aquelas malditas tarjas pretas e que acha que elas são um atraso de vida junte-se a nós nessa comunidade. Então não perca tempo exponha aqui toda a sua opinião.

Quem é q gosta daquelas Tarjas pretas q aparecem emcima e embaixo da tela do seu video quando vc esta assistindo à algum filme vc ñ sabe se assiste a porra do filme ou presta a atenção nas tarja maldito Widescreen!!!!

Só rindo mesmo..... smiley11.gif

[/quote']

Pq não entramos nessas comunidades e detonamos por lá??

smiley15.gif

O mesmo que atirar pérolas aos porcos, Dook...Olhe bem o perfil dos participantes das comunidades...Adoradores de "Velozes e Furiosos" e "As Branquelas"...Realmente, ter metade desses filmes cortados é uma benção...

Link to comment
Share on other sites

  • 1 year later...

Bem, depois da exposição do Freak e a contra-exposição do Dook, acho que deu para dirimir a maior parte das dúvidas.

 

Mas sobrou uma:

Agora uma perguntinha capiciosa: pq não aparecem tarjas em filmes com

aspecto 1,66:1, sendo que este aspecto é MENOR que o aspecto das TVs

Widescreen?

 

Gritos e Sussurros, por exemplo, tem aspect ratio de 1.66:1; o DVD da Versátil é anamórfico e não havia barras pretas laterais no TV 16:9 (que, salvo engano, tem proporção 1.78:1).

Cheguei até a pensar que tinham alterado o AR original do filme!

 

 

Link to comment
Share on other sites

Bem, depois da exposição do Freak e a contra-exposição do Dook, acho que deu para dirimir a maior parte das dúvidas.

Mas sobrou uma:
Agora uma perguntinha capiciosa: pq não aparecem tarjas em filmes com aspecto 1,66:1, sendo que este aspecto é MENOR que o aspecto das TVs Widescreen?


Gritos e Sussurros, por exemplo, tem aspect ratio de 1.66:1; o DVD da Versátil é anamórfico e não havia barras pretas laterais no TV 16:9 (que, salvo engano, tem proporção 1.78:1).
Cheguei até a pensar que tinham alterado o AR original do filme!

 

Pois é... não tem faixas pretas laterais pq a sua TV tem tubo convexo, onde ocorre o tal 'overscanning', ou seja, cortes mínimos dos lados devida à dimensão do tubo.

 

Tente rodar o filme num PC com monitor LCD e veja se as barras laterais não aparecem JUNTO com as barras superior e inferior?
Link to comment
Share on other sites

 

Tanto faz' date=' se for Wide numa TV comum lá vem as tarjas, se for full e assistir numa LCD lá vem as tarjas, mas nos lados. Então foda-se. É tudo uma boXta.

 

O filme automaticamente deveria se encaixar na tela que é assistida e pronto.

 

[/quote']

 

A solução é que os diretores filmes duas vezes cada cena, uma pra cada tipo de TV.

 

Eu tenho certeza que tem gente aqui que esquece do filme e fica olhando as tarjas pretas, lembrando do remédio que tomam...

 

Link to comment
Share on other sites

Tanto faz' date=' se for Wide numa TV comum lá vem as tarjas, se for full e assistir numa LCD lá vem as tarjas, mas nos lados. Então foda-se. É tudo uma boXta.

O filme automaticamente deveria se encaixar na tela que é assistida e pronto.
[/quote']

 

ÓTIMO 06


A solução é que os diretores filmes duas vezes cada cena, uma pra cada tipo de TV.

Eu tenho certeza que tem gente aqui que esquece do filme e fica olhando as tarjas pretas, lembrando do remédio que tomam...

 

ÓTIMO 0606

Link to comment
Share on other sites

Tanto faz' date=' se for Wide numa TV comum lá vem as tarjas, se for full e assistir numa LCD lá vem as tarjas, mas nos lados. Então foda-se. É tudo uma boXta.

O filme automaticamente deveria se encaixar na tela que é assistida e pronto.
[/quote']

A solução é que os diretores filmes duas vezes cada cena, uma pra cada tipo de TV.

Eu tenho certeza que tem gente aqui que esquece do filme e fica olhando as tarjas pretas, lembrando do remédio que tomam...

 

ÓTIMO !06
Link to comment
Share on other sites

 

Tanto faz' date=' se for Wide numa TV comum lá vem as tarjas, se for full e assistir numa LCD lá vem as tarjas, mas nos lados. Então foda-se. É tudo uma boXta.

 

O filme automaticamente deveria se encaixar na tela que é assistida e pronto.

 

[/quote']

Humm, então pra vc o problema não é o filme ser ou não mutilado; não é vc ter q assistir apenas uma parte do q o diretor quis mostrar; o problema são as tarjas?? Ahhhnn..Vc odeia filmes; certo??

 

Link to comment
Share on other sites

 

Porra, tanto faz se tem tarja ou não, caralho.

 

A porra da culpa não é o filme e nem a puta do DVD e sim o caralho que tú chama de TV, tem um filme Wide e não quer tarja, então use uma TV wide, comprou um filme full então use uma TV de tubo mesmo, então é tudo uma BoXta, serve só pra encher o saco. Em vez de reclamar feito um viadinho, veja a porra do formato e assista num equipamento que serve.

 

Mas que o filme deveria se auto alinhar na TV que é assistida, deveria e pronto. Sorte que hj os players já fzm essa merda.

 

Não gostou, FODA-SE.

 

Maki2007-09-13 19:14:33

Link to comment
Share on other sites

Onde vc me viu reclamar??Vc não diz coisa com coisa... Foi vc q

reclamou das tarjas, não eu... releia o q vc mesmo escreveu(eu sei, eu

sei, é um esforço ler o lixo q vc escreve, mas tente...)

 

E pro filme se encaixar em qqr tela sem tarjas, somente se o aspecto da

imagem for distorcido, pra debilóides, ok, pra quem gosta de filmes,

inaceitável...

 

Link to comment
Share on other sites

A solução é que os diretores filmes duas vezes cada cena' date=' uma pra cada tipo de TV.

 

Eu tenho certeza que tem gente aqui que esquece do filme e fica olhando as tarjas pretas, lembrando do remédio que tomam...

[/quote']Puta merda. Tem coisas que só o CeC faz por você. 06

 

 

Porra' date=' tanto faz se tem tarja ou não, caralho.

 

A

porra da culpa não é o filme e nem a puta do DVD e sim o caralho que tú

chama de TV, tem um filme Wide e não quer tarja, então use uma TV wide,

comprou um filme full então use uma TV de tubo mesmo, então é tudo uma

BoXta, serve só pra encher o saco. Em vez de reclamar feito um

viadinho, veja a porra do formato e assista num equipamento que serve.

 

Mas que o filme deveria se auto alinhar na TV que é assistida, deveria e pronto. Sorte que hj os players já fzm essa merda.

 

Não gostou, FODA-SE.

 

[/quote']A razão de aspecto da TV Widescreen é 1.78:1 (16:9), então se o filme tiver um aspecto maior que isso (1.85:1 ou 2.35:1) por exemplo, ainda serão geradas barras pretas na imagem (menores que na TV convencional, mas ainda estarão lá).

 

Se o filme estiver em 1.78 fica em Tela Cheia nessa TV. 03

 

Claro que se a moldura estiver em fullscreen (1.33:1) serão geradas barras pretas laterais porque o filme é menos largo do que a própria TV. Tem um link do Cinedie que explica essa questão. OBS: écran = tela em português de Portugal.

 

E mais embaixo tem uma explicação do porquê o ajuste feito pelo player deve ser evitado. Além de distorcer a imagem, o zoom faz com que você perca qualidade.

 

 

Introdução

Se vir filmes numa sala de cinema – o local para onde foram concebidos

inicialmente – não deixará de notar que a forma do écran não é a mesma

do écran do seu televisor. Quando um filme é transferido para vídeo/TV

existem duas opções. Ou se formata a imagem, normalmente cortando-a

lateralmente, ou se preserva o formato, o que resulta no surgimento de

"barras pretas" no écran.

 

Matematicamente não é

possível utilizar um rectângulo para encher outro menos largo, sem

cortar o primeiro. É por isso que as "barras pretas" são naturais

quando se transfere um filme no formato original. As TVs no formato

16:9 permitem que a área não utilizada seja menor, mas não possuem o

"formato do cinema", apesar dos fabricantes normalmente o alegarem na

sua propaganda, já que existem vários formatos de projecção.

Formatos

de cinema

 

 

O formato que hoje as TVs convencionais possuem (4:3 ou 1.33:1)

foi concebido por Thomas Edison, na altura do cinema mudo, encolhendo

ligeiramente depois para ceder espaço às pistas sonoras. Essa primeira

relação horizontal:vertical viria a ser adoptada como standard pela Academy of Motion Pictures Arts and Sciences americana, em 1932.

 

Em 1953 surgiu o CinemaScope, com o filme bíblico «The Robe». O sistema utilizou lentes anamórficas,

criadas por Henry Chrétien, cuja patente foi adquirida pela 20th

Century Fox e registada. Uma lente comprimia a imagem no negativo de

35mm, e outra lente na projecção descomprimia o filme num rectângulo de

aproximadamente 2.55:1.

 

Existem diversos processos, na generalidade versões melhoradas do CinemaScope, sendo o mais utilizado hoje em dia o Panavision. Em filmes não-anamórficos utiliza-se com mais frequência o formato 1.85:1. Com menos frequência se utiliza um formato de aproximadamente 1.66:1.

Tal sucede principalmente na Europa. Este enquadramento foi mais vulgar

algumas décadas atrás, mas hoje em dia, infelizmente, a maioria dos

projeccionistas não coloca a moldura correcta para a generalidade dos

filmes não-europeus (1.85:1) com consequências nocivas, nomeadamente de permitir que se vejam microfones.

 

Há que ter em conta que a esmagadora maioria dos filmes continua a utilizar filme de 35mm que mantém a proporção 1.33:1. Os formatos não-anamórficos obtém-se tapando o filme na projecção ou logo quando se filma. É no primeiro caso que uma má-projecção pode levar a que se mostre imagem que os cineastas não planearam que fosse vista. (vd. soft-matte, hard-matte, anamórfico)

 

Formatos na

TV

 

Vamos agora ilustrar os formatos mais frequentes e os dois modos de transferência para vídeo.

 

 

images/tv.jpg

Comparação

entre as áreas dos diversos formatos, assinalando-se o espaço cortado

quando se opta por encher o écran da TV (coluna da esquerda). Aspecto

do écran televisivo com os formatos respeitados (coluna da direita)

images/europeu.jpg

images/widescreen166.jpg

Aimages/mericano.jpg

Widescreen185

Simages/cope.jpg

Widescreen235

 

 

Em filmes em scope, principalmente, pode-se notar que "a imagem" é mais pequena, numa cópia em letterbox, mas há que ter em conta que não se pode tornar o filme maior senão comprando outra televisão, já que o processo pan and scan apenas torna maior parte do filme. No caso dos formatos alargados, pouco mais de metade da imagem. Uma boa cópia em widescreen é bem visionável numa TV de 55 cm.

 

Um exemplo do filme «Blazing Saddles/Balbúrdia no Oeste»:

 

Imagem%20integral

Amostra%20para%20TV

Enquadramento cinematográfico integral aproximado (em cima), enquadramento cortado para encher o écran da TV (à direita, em cima), enquadramento integral transferido sem ampliação (à direita, em baixo). .

 

As imagens são retiradas

do DVD. Tenha em atenção que uma TV de 55 cm proporciona uma

visibilidade 5 ou 6 vezes superior à aqui ilustrada. Estas imagens são

uma mera referência, na impossibilidade de lhe mostrar as duas versões,

lado a lado, em dois écrans de TV médios.

 

Imagem%20integral%20na%20TV

 

 

Perto de metade da imagem é cortada na cópia pan and scan. (à

direita). Compare as duas imagens da direita. A cópia widescreen

(abaixo) permite ver todo o filme,

como foi concebido pelos cineastas. A cópia formatada para

TV é uma mera selecção de pouco mais de metade do enquadramento (56.6%).

 

Estas imagens estão disponíveis na Letterbox

and Widescreen Advocacy Page, que inclui mais exemplos comparativos.

 

O Panorama nacional

Em Portugal o critério é a ausência de critérios, i.e., não existe

nenhum canal ou editora que demonstre ter qualquer preocupação para com

a exibição de cinema no écran de TV. Em termos de vídeo, aparentemente

apenas a Lusomundo rotula os filmes que edita em formato original. A situação mais normal é que um filme não proveniente dos EUA surja em letterbox,

excepto se o filme for muito popular. Neste caso já teve cópia vídeo no

mercado americano que não deixa passar uma, e é muito possível que seja

essa a cópia a ser adquirida. (Por algum motivo tantos filmes italianos

e orientais existem dobrados em inglês no nosso mercado).

 

A informação ao

cinéfilo ou consumidor é nula. Apesar de tudo, o país que mais

"formata", rotula todas as apresentações de filmes, e é frequente o

aviso "este filme foi formatado para encher o écran de TV", indicando que se trata de uma cópia alterada.

 

A falta de interesse pela apresentação do filme é notória quando se apresentam trailers,

em cassete ou na TV, que não correspondem ao estado em que o filme é

apresentado ou editado. Também é frequente que se emitam séries

(Indiana Jones, Alien, etc.) em que alguns filmes estão grosseiramente

formatados e outros estão no formato original. E isto vale para

qualquer canal nacional.

 

O mínimo que devemos exigir é essa consciencialização no canal cultural suportado pelo Estado. A TV2 tem obrigação de ter critérios. Também é de lamentar que uma editora pretensamente privilegiadora do cinema de autor – a Atalanta Filmes

– se esteja nas tintas para esta questão, para além de costumar vender

cópias em muito más condições (má imagem e som mono de baixa

fidelidade).

 

Em relação à TV, recomenda-se sempre que se expresse a opinião perante os canais (vd. Secção Lobby).

Quanto a cassetes vídeo recomenda-se que se importem do Reino Unido.

Têm melhor qualidade em termos gerais e pode-se escolher cópias em widescreeen, se se quiser. (Consulte os links para lojas video on-line.) Recomenda-se atenção ao facto de que algumas cópias são censuradas por lá.

 

As TVs "Wide" e o formato 16:9

 

O formato 16:9 não irá alterar a situação no que diz respeito à emissão de cinema na TV. Os novos suportes digitais (DVD) possibilitam diversos formatos num mesmo disco, mas deverá demorar até que entrem em fase de consumo de massas.

 

O problema vai permanecer o mesmo, porque a TV continua com o formato fixo e o cinema continua a existir em diversos formatos, como se ilustra acima. Os filmes em scope serão menos cortados, mas filmes menos largos, nomeadamente europeus (1.66:1) ou no "formato da Academia" (1.33:1) poderão ser cortados acima e abaixo.

 

Pense duas vezes antes de adquirir um aparelho de um fabricante que mente, dizendo que o 16:9

permite ver o filme "como o realizador o concebeu". Tenha em conta que

por vezes pertencem a corporações que, elas próprias, editam filmes

cortados para a TV, contra a vontade da generalidade dos cineastas.

Estas afirmações também procuram ignorar que a TV não altera a cópia

cortada que o consumidor pode já ter em casa. Se essa cópia tivesse

sido editada sem adulterações desde o início pareceria que estas TVs já

não seriam necessárias?

 

As TVs wide também não dão "outra dimensão ao desporto", por si só. É preciso que a emissão seja em 16:9, porque, de contrário, a "dimensão" é conseguida distorcendo a mesma imagem 4:3!

 

Quem venda o

formato com a questão de ter mais imagem não sabe o que está a dizer,

ou aproveita-se da falta de informação do consumidor médio. Não esqueça

que uma imagem 4:3 pode ter mais imagem acima e abaixo do que uma 16:9, da mesma forma que uma imagem 16:9

pode ter mais imagem lateral, i.e., de um formato para o outro pode

sempre usar-se a mesma fonte e cortar-se informação em qualquer deles. A vantagem prende-se sobretudo como o modo como é distribuída essa informação.

 

O formato 16:9 (1.78:1) aproxima-se do formato "americano" (1.85:1).

 

Podemos ainda

ir mais longe para desmistificar que o 16:9 é "o formato do cinema",

pegando nos filmes estreados no Reino Unido (já que não é possível

obter os mesmos dados para Portugal) em Junho de 1997, de acordo com a

revista Sight and Sound.

 

Temos 25 filmes, dos quais:

 

8 são em formato alargado (2.35:1);

 

12 são americanos sem referência a formato alargado (1.85:1);

 

5 são não-americanos sem referência a formato alargado (em princípio 1.66:1).

 

Ou seja, apenas

48% (12) destes filmes estarão no formato americano, próximo do formato

16:9. Menos de metade destes filmes sofria um corte mínimo na adaptação

(9.4%; menos 4.7% em cada lado não será visível a olho nu); 32% (8)

teriam de ser cortados horizontalmente em mais de 25%, para serem

adaptados ao "formato do cinema"... na TV. Os 20% (5) restantes seriam,

provavelmente cortados verticalmente em 6.2%. filmes ou programas de TV

antigos em 4:3/1.33:1 seria cortados em 25%.

 

Leia também o artigo referente às emissões 16:9 da RTP (Porquê 16:9?)

 

O que concluir?

 

1.

Ninguém gosta de "barras pretas", mas estas são um efeito secundário

necessário à preservação da integralidade do filme. Ninguém de bom

senso deve preferir um formato para ver um filme; posso gostar do scope, mas não quero ver «Casablanca»

em scope, porque não foi assim rodado. O formato relevante é o formato

que os cineastas escolheram para rodar o filme, não o formato da TV do

espectador ou o que o distribuidor ou emissora de TV escolher a seu

bel-prazer. O espectador tem tanto direito a escolher o formato da

mesma forma que pode exigir alterações no argumento ou na cor da roupa

dos actores.

 

Se as "barras pretas" se admitem como estética em video-clips não há que negá-las onde são naturais.

 

2. É

difícil constituir uma videoteca só com filmes com o enquadramento

integral. Ou se importam de países onde, pelo menos, se identifica os

filmes em widescreen,

e onde existem edições especiais para quem procura filmes no formato

cinematográfico original (o Reino Unido, por exemplo), ou se investe

num leitor de Laser Disc, cujas cópias são em widescreen

em 99% dos casos, mas cujo mercado é reduzido, e cujas cópias são

caras. A importação tem a desvantagem (?) da língua falada ou legendada

ser diversa da nossa. Espera-se que o DVD - que se começa a implementar

- venha democratizar tudo isto, com a possibilidade de escolher

formatos (e línguas).

 

3. Os "novos" formatos não vão alterar nada, enquanto houver uma pseudo-necessidade de encher o écran da TV. Quem quer ver «Casablanca» ou «Citizen Kane» cortados para 16:9 (75% de filme)?

 

Porquê 16:9?

 

 

A RTP inicia transmissões em formato 16:9, segunda-feira, 5/12, e tem estado a publicitar o evento com um conjunto de spots

que são, no mínimo, desinformativos. A patetice de quem os concebeu é

confrangedora. Das duas uma: ou não sabe o que está a promover, ou acha

que enganar o público é mais fácil que informá-lo porque é que o 16:9 é

melhor, e quais os efeitos secundários das emissões nas TVs

convencionais.

 

Os referidos spots

promocionais caem no ridículo ao afirmarem que o actual formato deixa

imagem de fora. Isto é uma mentira lamentável. Qualquer pessoa com uma

câmara de vídeo sabe fazer um "zoom out" ou afastar-se do objecto que

centra na imagem, se quiser aumentar a área filmada. Quando a emissora

mostra, por exemplo, a imagem de um atleta que salta para fora do

enquadramento, está a querer dizer que andam há décadas a mostrar

imagens incompletas, e que só este formato permite mostrar "tudo". A

verdade é que os cameramen que insistissem em filmar daquele modo seriam sumariamente despedidos.

 

O 16:9 é mais largo do que

o 4:3? Mostra mais imagem? Depende da escala, claro. Abstractamente, é

mais largo, mas também se concebe que o 4:3 possa mostrar mais imagem,

acima e abaixo. Para visualizar isto basta imaginar que numa TV actual,

a emissão 16:9 aparece com barras pretas horizontais. E quem não se

lembra dos noticiários da TVI, que, usando as peças legendadas em 4:3,

as mostrava cortadas em 16:9, com uma linha de texto fora do écran?

 

Ou seja, se colocar-mos,

lado a lado, duas TVs de diferentes formatos com a mesma altura, é

evidente que a TV 16:9 é mais larga. Mas, se usar-mos receptores iguais

em comprimento, então a TV 4:3 é mais alta. Numa patetice paralela aos spots da RTP podia-se promover o 4:3 dizendo que o 16:9 não consegue mostrar o cabelo dos actores (por exemplo).

 

O formato é mais largo, mas

não se pode reduzir a aumento da "quantidade" de imagem. Basear a

promoção em algo como isto é perfeitamente descabido. O que for

concebido para um formato vê-se perfeitamente nesse formato, qualquer

que ele seja. Mesmo num écran convencional, se o formato for mais largo

- com barras pretas variáveis - é diferente a forma como os nossos

olhos recebem a informação. Aumenta a distância entre os extremos do

écran e a imagem pode ser "panorâmica" de igual maneira: dois actores,

nos extremos de uma imagem em formato widescreen, expressam a distância e a largueza que uma imagem adaptada para encher o écran não transmite ao cortar um dos actores.

 

 

Am%20I%20missing%20something?

Edivídeo?%20Ah!

Uma

televisão 4:3 pode mostrar uma imagem mais larga. Afinal é o que a RTP

vai fornecer à generalidade dos espectadores, mas, seguindo a filosofia

patente nos famigerados spots, como vai justificar todos os

filmes cortados que tem exibido e que vai continuar a exibir? Quem

perceber o conceito, e não tenha uma televisão com 20cm de diagonal,

dificilmente sairá a correr para comprar o pacote da «Guerra das

Estrelas - Edição Especial», cortesia da Edivídeo. (As imagens

pertencem a cópias vídeo reais)

 

 

O formato 16:9 é muitas vezes apresentado como "o formato do cinema", o que não passa de mais uma pequena mentira. O formato 16:9 é apenas mais um formato da TV,

e há que insistir que o cinema não têm um único formato, o que

implicará sempre diferentes modos de apresentação no pequeno écran,

i.e., o efeito secundário de barras pretas, de tamanho variável,

horizontais ou verticais, se se desejar ver o filme como foi

concebido, e não meros excertos. O formato 16:9 é aproximadamente o

formato intermédio entre o écran da TV convencional e o formato Panavision (tradicionalmente conhecido por CinemaScope,

que hoje corresponde a uma horizontal 2,35 vezes maior do que a

vertical). É um compromisso e é, sem dúvida, um formato melhor para ver

quaisquer filmes, porque utiliza maior área do écran. Isto é, sobram

menos "barras pretas". Não é nisto, nem na maior resolução das emissões

Pal Plus que a RTP se baseia para promover o evento. Prefere recorrer a

uma mistificação e a enganar os espectadores. Que percentagem de

telespectadores é que percebeu que a RTP vai "pôr barras pretas na

televisão"?

 

 

 


Exemplo 1: «Os Suspeitos do Costume»

 

Os%20Suspeitos%20do%20Costume

 

 

A imagem original corresponde aproximadamente ao enquadramento real do filme. As imagens "adaptadas" são simulações.

 

 

 

Formato 16:9

 

 

só%20para%20encher%20o%20olho!

us169ws.jpg

Se

o editor optasse por centrar este plano (esq.) o resultado não era

muito agradável: a composição com os números que marcam a altura dos

suspeitos perdia-se. Na imagem fixa não se percebe facilmente que

estamos perante uma linha de identificação. Chegando-se o scanner a um

dos lados, um dos actores terá de ser cortado. Optando-se pela

transferência do filme, como foi concebido (dta.), teríamos um muito

reduzido espaço não utilizado (barras pretas). Numa TV convencional a

imagem ficava igual à apresentada abaixo, à direita, i.e., as "barras"

da emissão 16:9, mais as barras que preservam a composição original. Um filme em Panavision / scope perde cerca de 25% da área, se for formatado para encher o écran.

 

 

 

 

Formato 4:3

 

 

alguns%20suspeitos%20do%20costume

todos%20os%20suspeitos%20do%20costume

A

imagem da esquerda, por mais patética que seja, é o pão nosso de cada

dia na TV e no mercado vídeo nacional. O que os olhos não vêem... Num

plano destes é costume mover-se o scanner de um lado ao outro. Um plano

estático torna-se um travelling artificial. No fim, talvez se cheguem a mostrar todos os actores, mas, em cada momento cerca de 43% do enquadramento está cortado.

 

 

 

 

 


 

Exemplo 2: «Casablanca»

 

And%20when%20two%20lovers%20woo...

 

E como será um filme pré-widescreen, i.e., num formato com a proporção equivalente à da actual TV (1.33:1 ou 4:3), apresentado na TV ou transferido para vídeo?

 

Três hipóteses abaixo.

 

 

 

Esta

imagem patética ilustra o modo como 99% dos lojistas expõe as TVs

widescreen. Nunca foi a uma secção de "Home-Cinema" de uma grande

superfície, e deparou com um écran gigante 16:9, emitindo um vídeo das

Supremes distorcido horizontalmente? Apesar de tudo, espera-se que

ninguém se lembre de emitir filmes assim...

Ilsa,%20demasiados%20croissants?

Pela

experiência, e tudo indica que se manterá o "interesse supremo" em

encher o écran artificialmente, temos de concluir que, daqui a alguns

anos, a cópia "normal" de «Casablanca» poderá ser assim. Isto é, 25% cortado,

mas - para variar - acima e abaixo (a liberdade criativa do editor pode

escolher cortar só acima, só abaixo, ou subir e descer...).

Um%20novo%20corte%20de%20cabelo

A

solução mais fácil - e, claramente, a única aceitável - é colocar o

filme ao centro, num processo que se começou a designar por windowbox, com barras verticais laterais, de certa forma o inverso do letterbox

que nós conhecemos. Dizer "solução" é força de expressão, porque nós

não reconhecemos haver um problema. Basta que se editem os filmes

integralmente.

Hey,%20estão%20barras%20a%20tapar%20a%20imagem.%20Doh!

 

Apesar de tudo, as perspectivas não são completamente negras. O DVD conterá, em princípio, várias versões do filme (pan and scan, 16:9, widescreen total). Se o filme for longo, e a memória do disco escassear, qual será a versão a ficar de fora?

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

O filme que me fez finalmente ver a diferença (e demorou para ver...) foi o Tá Todo Mundo Louco. Tinha comprado o DVD do filme em Widescreen (e na época comprei porque não tinha achado o fulll06) e sempre via no DVD. Mas uma vez fui ver quando passou na TV... E que eca!07 Tinha uma cena que tinha quatro personagens sentados ao redor de uma mesa de um restaurante. Dois de um lado da mesa e dois do outro. No wide sempre tinha a mudança de um lado para o outro (mostrando dois personagens), mas no full a imagem sempre focava o personagem que estava falando, e o outro que estava sentado no lado só um pedaço aparecia. Trash total! 06

Link to comment
Share on other sites

Todo munda sabe disso.

 

Mas em vez de reclamar da bagaça, compre o equipamneto certo e pronto. Não tem, então foda-se, não é só vc que terá problemas, para mim tanto faz, wide, full, oval triangular, dá na mesma, vou assistir de qualquer jeito.

 

E quer ter a frescura de ver a fita como foi gravada, ótimo, vai num Cine IMAX, não tem, se ferrou, fica sem.

 

 

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...