Jump to content
Forum Cinema em Cena

Recommended Posts

  • Replies 140
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Nossa Pablo, mas já? Que rapidez!!! Não esperava q "300", fosse realmente um filme com uma boa narrativa, afinal de contas são poucos os épicos (que contam histórias reais) que conseguem algum ótimo resultado em relação ao roteiro. E como ultimamente só vem mesmo filme épico fraco ou mediano ("Tróia", "Alexandre", Cruzada", etc.) esse "300" consegue se sobressair. Ainda não deu tempo pra ver o filme direito, mas na 4ª sem dúvida verei, tô seguindo aqui o q um amigo muito confiável me disse.

 

 

 

P.S.: Por favor Pablo, faça uma crítica sobre o filme "Ó, Paí, Ó"[email protected] 19:28:02

Link to post
Share on other sites

Dito isso, não há absolutamente nada de revolucionário na realização de 300, ao contrário do que vários imbecis andam propagando por aí depois de comprarem esta tese dos publicitários da Warner.

 

Ui! Não sei quem são todos os imbecis, mas tenho certeza de que, segundo o Pablo, um deles está no Omelete. Ô.o 

 

Ainda não assisti ao filme (vou assistir hoje). Vamos ver se concordo com o Pablo ou se me sinto como um imbecil...
Link to post
Share on other sites

Não acho que já uma contradição entre defensores da liberdade e a escravidão. Pelo menos para os gregos. Incluir esta temática seria também incorreto, já que os gregos não pensavam como falta de coerência entre prezar tanto pelo direito do cidadão e a existência da escravidão. Aliás, críticas feitas à escravidão seria em relação à submissão da pólis, o problema é o cidadão perder o seu direito. Mas o escravismo era uma instituição normal, e não levantava qualquer peso moral na consciência.

 

Mas o Pablo distinguiu problemas políticos dos sociais, ao afirmar que o verdadeiro problema seria como as minorias são tratadas e não algum conteúdo polítco (que é raso demais). Mas não estariam os dois juntos? É possível separar tão facilmente assim? Acho que a questão seria justamente no tratamento que "o outro" recebe. O outro (e neste momento  os orientais, os etnicamente e culturalmente distintos) aparece como uma antítese dos espartanos (clara associação aos ocidentais). A intenção do autor pode não ter sido colocar isso em questão (e tenho certeza disso). Mas invariavelmente o contexto faz parte.

 

E uma observação que acho interessante (não é o caso do Pablo especificamente): muita gente elogia o filme pela parte técnica, que certamente é impressionante, apesar do resto não ser tão importante. Mas num filme do Mel Gibson criticam justamente pelos mesmos argumentos que é o ponto alto do filme 300.
Conan o bárbaro2007-03-30 20:07:09
Link to post
Share on other sites

Possiveis Spoillers

 

 

 

Eu gostei das cenas de luta do filme achei muito boas, e tambem achei a parte da mulher totalmente dispensavel, odiei quando ela se entrega ao cara.

 

 

 

O filme muito fiel aos quadrinhos isso é legal, gostei bastante do filme, a trilha sonora empolga tambem

Link to post
Share on other sites

Uma correção Pablo, um erro q tem sido subseqüentemente cometido pelos críticos é dizer que 300 ignora os outros 7 mil gregos comandados por Leônidas, mas o fato é que (historicamente falando) Leônidas quando descobriu que seria cercado pelos persas e que aquilo era uma questão de tempo, ele tomou uma medida de razão até hj desconhecida. Ele dispensou os outros soldados para q esse recompossem as forças gregas para uma batalha posterior e resistiu no defiladeiro de Termófilas única e exclusivamente com seus 300 homens e isso, como disse, é fato. Falo isso pq pesquisei em livros de história sobre o assunto.

Link to post
Share on other sites

Sim, Vicente, mas no filme os 7.000 JAMAIS são vistos; não é como se sumissem depois que os persas descobrem a passagem graças a Elphiates.

 

Com relação à "contradição" sobre por que o filme é raso para ser levado a sério politicamente, mas exibe preconceitos, a resposta é simples: posições políticas nascem intencionalmente, mas preconceitos geralmente se traem sem que o autor os perceba.
Link to post
Share on other sites

Tipo na questão politica o filme nem fez muita questão de ter. Muito menos da realidade, por isso os cenarios eram daquele jeito e os personagens tambem daquele jeito.

 

 

 

Isso foi proposital, porque se o filme fosse bem perto da realidade seria bem mais estranho não ser fiel a realidade

Link to post
Share on other sites
Sim' date=' Vicente, mas no filme os 7.000 JAMAIS são vistos; não é como se sumissem depois que os persas descobrem a passagem graças a Elphiates.

 

Com relação à "contradição" sobre por que o filme é raso para ser levado a sério politicamente, mas exibe preconceitos, a resposta é simples: posições políticas nascem intencionalmente, mas preconceitos geralmente se traem sem que o autor os perceba.
[/quote']

 

Pelo menos na minha parte não disse que é  uma "contradição" entre posição política e preconceito, mas que um está intimamente relacionado ao outro na realidade atual, e o filme não está separado da realidade. Não é um filme político, mas não significa que não tenha um diálogo com o político.

Não que seja simplesmente uma representação de Iraque e cia. Não necessariamente limitado à invasão do Iraque, sendo o filme uma recriação do evento (seria procurar pêlo no ovo). Mas se insere dentro de um "conflito entre ocidente e oriente".
Conan o bárbaro2007-03-31 16:53:16
Link to post
Share on other sites

Eu li a crítica do Pablo e vi que um dos pontos em que ele foi mais forte foi com relação ao preconceito às minorias, mas eu pergunto: naquela época não havia escravidão e portanto os negros eram tratados de maneira discriminatória ? As mulheres não eram tratadas com desdém naquela sociedade ? Em Esparta, quem nascia com algum deficiência não era morto, pois não eram aceitos pelos espartanos ? Ou seja, toda essa estrutura preconceituosa não faz parte do contexto histórico do filme ? Se nós só vemos homens brancos e fortes ao lado de Lêonidas, depois de dito isso tudo, não seria nada mais do que normal ? Preconceituoso e normal ? 

Link to post
Share on other sites
Eu li a crítica do Pablo e vi que um dos pontos em que ele foi mais forte foi com relação ao preconceito às minorias' date=' mas eu pergunto: naquela época não havia escravidão e portanto os negros eram tratados de maneira discriminatória ? As mulheres não eram tratadas com desdém naquela sociedade ? Em Esparta, quem nascia com algum deficiência não era morto, pois não eram aceitos pelos espartanos ? Ou seja, toda essa estrutura preconceituosa não faz parte do contexto histórico do filme ? Se nós só vemos homens brancos e fortes ao lado de Lêonidas, depois de dito isso tudo, não seria nada mais do que normal ? Preconceituoso e normal ? [/quote']


Exato, e visto que o filme é narrado por um espartano, e acompanha esse povo até o fim, nada mais normal mostrar o Leônidas pregando seus ideais de "liberdade" como se fossem a coisa mais certa para eles, era nisso que ele acreditava, por mais que sua lógica seja distorcida.
Link to post
Share on other sites
Sim' date=' Vicente, mas no filme os 7.000 JAMAIS são vistos; não é como se sumissem depois que os persas descobrem a passagem graças a Elphiates.

 

Com relação à "contradição" sobre por que o filme é raso para ser levado a sério politicamente, mas exibe preconceitos, a resposta é simples: posições políticas nascem intencionalmente, mas preconceitos geralmente se traem sem que o autor os perceba.
[/quote']

 

Pelo menos na minha parte não disse que é  uma "contradição" entre posição política e preconceito, mas que um está intimamente relacionado ao outro na realidade atual, e o filme não está separado da realidade. Não é um filme político, mas não significa que não tenha um diálogo com o político.

Não que seja simplesmente uma representação de Iraque e cia. Não necessariamente limitado à invasão do Iraque, sendo o filme uma recriação do evento (seria procurar pêlo no ovo). Mas se insere dentro de um "conflito entre ocidente e oriente".

 

Eu acho que a carapuça serve... mesmo assim, o tratamento aos espartanos não é de ocidentais bonzinhos, como essa análise talvez sugira que o filme faça.
Link to post
Share on other sites

A crítica ao filme quando feita nas bases apresentadas, se torna pouco relevante por dois aspecto s principais: usa valores atuais pra justificar elementos de uma história antiga e desconsidera a fonte original da história em que o filme se baseou que são os quadrinhos de Miller, sendo assim o que temos ao inves de uma crítica são opniões de gosto pessoal que não se encaixam no que é mostrado no filme. Mostrar os espartanos como brancos, violentos que amam a guerra e desprezam minorias e imperfeições pode não ser adequada para os padrões e gostos atuais, mas é exatamente assim que Miller os retrata, faze-los diferentes seria mudar a fonte original, o que seria pior, mesmo que não gostemos desses conceitos eles nos foram apresentados na obra original assim, e nela Leonidas é sim pouco razoável e agressivo, arrisco dizer que o discurso extremente sintetico de Miller nos quadrinhos reforça isso ainda mais, se o filme peca nessa aspecto é em aumentar o melodrama do personagem e deixá-lo menos duro e rispido que o original. O papel secundário e de objeto das mulheres foi inclusive amenizado no filme, (já que a rainha não tem sequer seu nome menciona por Mller e aparece em 5 quadrinhos) resultando em uma sequencia original que poderia sim ser dispensável, e é passível de critica, mas imagino que ela esteja no filme justamente como tentativa de satisfazer aqueles que veem na obra comparações infundadas com a realidade atual. Sobre o aspecto homoerótico do filme, ele está na visão do observador, e não no contexto original, já ele não tem importância para Miller e provavelmente não tinha para os gregos daquele período, mesmo assim em tentativa de satisfazer tais críticos, ele também foi anemizado, basta lembrar que os espartanos desenhados por Miller, não vestinham nada além das sandalhas e capas vermelhas. Se o filme é ruim ou merece crítica não é por ser duro ou radical, mas pelo contrário, por tentar não ser tão extremo como as Hqs, eu imagino o que aconteceria do contrário, certamente criticos que misturam gosto pessoal com avaliação técnica teriam se esbaldado. Sobre os comentários dos sites pop e a rivalidade do cinema em cena, é desnecessario dizer, o omelete acusou o crítico desse site de copiar-lhe resenhas inúmeras vezes, então sem entrar no mérito da questão (sempre leio ambos), é mais um exemplo de informação de cunho pessoal contaminando uma análise técnica. Abraços. d6662007-04-01 01:16:31

Link to post
Share on other sites
o omelete acusou o crítico desse site de copiar-lhe resenhas inúmeras vezes' date=' então sem entrar no mérito da questão (sempre leio ambos), é mais um exemplo de informação de cunho pessoal contaminando uma análise técnica. Abraços. [/quote']

 

Esta é uma acusação seríssima e da qual estou tomando conhecimento neste momento, já que não costumo entrar no referido site. Em 13 anos de profissão, sempre me orgulhei de manter uma postura ética irrepreensível e em diversas ocasiões (aqui, no blog e nas Conversas de Cinéfilo) manifestei meu ódio mortal ao plágio - o maior crime que pode ser cometido contra alguém que vive da escrita.

 

Aliás, meu desprezo pelo plágio é tamanho que jamais leio críticas de outros profissionais antes de escrever a minha própria - justamente para evitar até mesmo ser influenciado por outros textos. Depois de publicar minhas análises, porém, faço questão de ler as opiniões de alguns críticos que respeito, pois acredito que isto faz parte de meu constante crescimento profissional (mesmo ao ler um argumento do qual discordo posso acabar aprendendo algo). Porém, entre os profissionais que gosto de prestigiar não há um único integrante do tal site citado, lamento dizer.

 

Como já disse, esta é uma acusação séria que, se realmente foi feita, deve ser respondida à altura. Assim, peço o favor de que me aponte o(s) link(s) para textos que digam respeito à questão ou que esclareça quando e onde tais declarações foram feitas. Se isto realmente proceder, temo que serei obrigado a interpelar judicialmente os autores da acusação, já que minha reputação profissional é algo que valorizo imensamente.

 

Aguardo resposta.
Pablo Villaça2007-04-01 05:34:57
Link to post
Share on other sites

Puxa! Pelo teor da crítica acho que o filme não mereceria mais que 2 estrelas09

 

Será que foi a "contagiante beleza plástica"? Bem de qualquer forma, uma bela crítica, e fiquei matutando sobre o verdadeiro significado da frase: "... meter com força e em todas a direções"0617
Link to post
Share on other sites
Eu li a crítica do Pablo e vi que um dos pontos em que ele foi mais forte foi com relação ao preconceito às minorias' date=' mas eu pergunto: naquela época não havia escravidão e portanto os negros eram tratados de maneira discriminatória ? As mulheres não eram tratadas com desdém naquela sociedade ? Em Esparta, quem nascia com algum deficiência não era morto, pois não eram aceitos pelos espartanos ? Ou seja, toda essa estrutura preconceituosa não faz parte do contexto histórico do filme ? Se nós só vemos homens brancos e fortes ao lado de Lêonidas, depois de dito isso tudo, não seria nada mais do que normal ? Preconceituoso e normal ? [/quote']


Exato, e visto que o filme é narrado por um espartano, e acompanha esse povo até o fim, nada mais normal mostrar o Leônidas pregando seus ideais de "liberdade" como se fossem a coisa mais certa para eles, era nisso que ele acreditava, por mais que sua lógica seja distorcida.

 

Na verdade o evento é narrado através da ótica do autor e do diretor. Não pretende ser uma recriação histórica.
Link to post
Share on other sites

Como sempre, concordo com Pablo em 95% do texto dele. Achei interessante perceber que os quadros que mais o impressionaram pela beleza estética foram EXATAMENTE os mesmos para mim: a cena dos guerrreiros de Esparta caídos, crivados de flechas; a "árvore"; a queda dos guerreiros persas n precipício (quadro esse que, na edição da graphic novel 300 que li, era a capa); a dança da oráculo e a sombra do lobo por trás da figura de Leônidas jovem.

 

O que não concordo:

 

1- Gostei da subtrama e da personagem da rainha. ADOREI aquela cena em que ela dá cabo do traidor. Como dizemos aqui no Nordeste, "eita mulé da gota serena!"

 

2- Me identifiquei e simpatizei com Leônidas, bem como com os principais guerreiros do seu pequeno exército: o pai e o filho (me emocionei com a cena em que o primeiro dos dois morre), o que "volta para contar a história", o "doidão" que começa a rir quando as flechas chegam, porque aí eles realmente "lutam na sombra".

 

3- Eu não acho relevante julgar a moralidade do filme (Pablo diz que o achou "moralmente repreensível") ou chamar atenção para a "macheza exagerada" de Leônidas. Os espartanos eram criados daquele jeito, principalmente o rei. Acho que as atitudes dos personagens (principalmente de Leônidas) foram sempre coerentes com as personalidades para eles estabelecidas desde o início.

 

4- Theron não é feio. Dominic West é sexy sexy sexy. 06
Marcela2007-04-02 09:59:55
Link to post
Share on other sites
Puxa! Pelo teor da crítica acho que o filme não mereceria mais que 2 estrelas09

 

Será que foi a "contagiante beleza plástica"? Bem de qualquer forma' date=' uma bela crítica, e fiquei matutando sobre o verdadeiro significado da frase: "... meter com força e em todas a direções"0617
[/quote']

 

Cara, o verdadeiro significado dessa frase (ele usa a palavra "posições" e não "direções") é o que ela realmente significa ipsi literis, se referindo a noite de amor entre Leônidas e sua esposa. 08

 

Mas não vejo absolutamente nada de errado nessa macheza toda e no visual "homoerótico" (mais uma palavrinha q entrou na moda) dos espartanos. Ou vcs acham q eles eram de outra forma?

 

Só acho que o termo "meter" utilizado por Pablo foi inapropriado e grosseiro para uma crítica de cinema.  Sem falso moralismo.... só acho que uma crítica de cinema é bem diferente de uma conversa de bar.
Alexander_Bell2007-04-02 12:53:54
Link to post
Share on other sites

 

 

1- Gostei da subtrama e da personagem da rainha. ADOREI aquela cena em que ela dá cabo do traidor. Como dizemos aqui no Nordeste' date=' "eita mulé da gota serena!"
[/quote']

 

Então aí no nordeste usar o corpo pra conseguir algo e depois matar o cara  se não conseguir é coisa boa?

 

E viva o Sudeste !!!

 

Link to post
Share on other sites

Ela se sacrificou pelo marido que amava. Foi uma estratégia de guerra. E ela não o matou porque não conseguiu o que queria. Ela o matou porque sentiu sua honra ferida. E a morte dele o desmascarou.

 

Vc foi ridículo nesse comentário. Não sei porque essa agressão gratuita. Não sabe brincar não brinca... mas não desrespeita as pessoas sem conhecê-las, nem leva tão a sério uma mera brincadeira que eu fiz a ponto de alardear tanto preconceito e intolerância.  Uma agressão completamente sem sentido. Você arruina o espírito desse fórum assim.

 

Tenho pena de você.04

 

 
Marcela2007-04-02 17:04:16
Link to post
Share on other sites

Sem querer por lenha na fogueira, eu estou comentando de boa viu

 

 

 

 

 

Mas não concordo com o que ela fez, ela não deveria ter se entregado ao cara, de jeito nenhum, e depois dela ter se entregado seu corpo em troca de um favor, e o favor não foi retribuido, ela fica ofendida, ofendido ficaria o leonidas ao saber daquilo tudo.

 

 

 

 

 

 

Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...

Announcements


×
×
  • Create New...