Jump to content
Forum Cinema em Cena
Big One

Batman - The Dark Knight (# 4)

Recommended Posts

[

3) Quando eu morrer quero ir direto para o céu e não aceito um Não de Deus como resposta . Fiz a suprema penitência paterna de levar minhas filhas para ver esta prevista bomba neste final de semana .

 

Vc nao pode estar falando sério. Não gostar do filme tudo bem' date= mas bomba????

 

 
[/quote]

 

Questão de gosto pessoal. Detesto todo e qualquer filme sobre HQs , Dcs etc...

Acho um tremendo desperdício de recursos que poderiam ter sido melhor alocados em outro tipo de produção .
  Mas vc têm q ver o filme de mente aberta MARKO RAMIUS. Vc têm q pensar q não esta indo ver um filme de Hqs, esta indo ver um filme, ponto.

 Vc é o chamado fãzoide ao contrario06

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pode ser' date=' mas o Coringa do Jack Nicholson não fez tantos fãs quanto o do Heath Ledger. E olha que era o Jack Nicholson! O.O[/quote']

 

A diferença se encontra NOS personagens que os atores tiveram que interpretar, o Coringa do Ledger é infinitamente superior ao do Jack Nicholson.

 

Pode ser... É uma opinião.

 

Mas eu acho que os Coringas do Nicholson e do Ledger são diferentes.

 

O segundo é mais louco, perturbador...

 

O primeiro é mais... Joker. Gargalha das desgraças.

 

 

 

Não sei, eu acho diferentes.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 

Pode ser' date=' mas o Coringa do Jack Nicholson não fez tantos fãs quanto o do Heath Ledger. E olha que era o Jack Nicholson! O.O[/quote']

 

A diferença se encontra NOS personagens que os atores tiveram que interpretar, o Coringa do Ledger é infinitamente superior ao do Jack Nicholson.

 

Pode ser... É uma opinião.

 

Mas eu acho que os Coringas do Nicholson e do Ledger são diferentes.

 

O segundo é mais louco, perturbador...

 

O primeiro é mais... Joker. Gargalha das desgraças.

 

 

 

Não sei, eu acho diferentes.

 

Para mim a diferença é que o Coringa do Nicholson foi uma atualização do trabalho do Romero ao universo Burton. Somente.

Já o Ledger pegou tudo que havia do Coringa e ainda acrescentou algo. E o resultado foi fantástico. Por isso acho ele melhor. O Coringa do Ledger é único.

leoJoker2008-07-28 20:16:00

Share this post


Link to post
Share on other sites

São dosi coringas diferentes.. é óbvio que haverá comparações, principalmente entre os fãzóides.

 

Ledger fez um Coringa louco e anárquico.

Nicholson fez um Coringa louco, mas também zé graça e com toques de perversão sexual.

 

Aliás, o Nicholson adora deixar seus personagens meio tarados, como o bandidão de Os Infiltrados06

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Duas dúvidas:

 

1) Quando o Batman lançou aquelas lâminas do bracelete no rosto do Coringa, alguma delas acertou? 17

 

2) Quando Batman dispara o arpão e salva o Coringa da queda, o arpão atravessou a perna do Coringa ou magicamente se enlaçou no tornozelo? 17

Share this post


Link to post
Share on other sites

1) Pela reação do Coringa, aparentemente, algumas devem ter acertado sim...

 

2) Deve ter, magicamente, se elançado no tornozelo dele... E, mais a mais, quando o problema se foi isso? Vai começar a encheção de saco com realismoe  tal... Pelo amor de Deus, é um filme de herói, e dá pra notar que aos poucos ele vai abandonando o realismo, o que creio que seja até proposital para mostrar o quão incrível Batman vai se tornando dentro de Gotham...

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

JOÃO PEREIRA COUTINHO

 

 

 

Adultos em pijamas

 


Se a fantasia já é difícil de engolir como fantasia, imaginem apresentá-la como "documental"

 

 

NADA TENHO contra vigilantes.

Contra? Minha adolescência

cinéfila não foi só Bergman,

não foi só Bresson, não foi só Renoir.

Nos intervalos, escondido de meus

amigos intelectuais, eu gostava de

assistir a Clint Eastwood limpando

as ruas de San Francisco. "Do you

feel lucky, punk?" converteu-se para

mim em mantra espiritual, tão emblemático como o "Play it again,

Sam" que Ingrid Bergman (nunca)

disse em "Casablanca".

 

Para não falar de prazeres menores, ou maiores, como Charles Bronson em "Desejo de Matar". Que será

feito de Bronson? Divago. Recordo

apenas uma seqüência de um dos filmes da série: Bronson, caminhando

lentamente nas ruas do bairro, com

câmera fotográfica sobre o ombro e

tomando sorvete em pose turística.

Subitamente, o bandido entra em

cena, pega a câmera de Bronson e foge como um galgo de competição.

 

Bronson não corre atrás. Com a mesma displicência com que tomava o

sorvete, joga-o fora, saca da arma (a inevitável Magnum 44), aponta sem

pressa e atira no bandido, como quem atira em um animal. O bandido

tomba. Bronson recupera a câmera (mas não o sorvete). Só quem nunca

teve uma câmera roubada em plena rua é que não entende o prazer de

assistir a essa cena.

 

Nada tenho contra vigilantes, repito. Mas também acrescento que os

vigilantes têm de cumprir dois requisitos básicos.

 

Em primeiro lugar, só podem

existir na tela, não na vida real. Na

vida real, continuo a preferir o Estado de Direito, em que existem leis,

polícia e tribunais, e não loucos ou

beneméritos que gostam de fazer

justiça com as próprias mãos.

 

Mas mesmo os vigilantes das telas

têm de cumprir um segundo requisito: não podem usar collants, máscaras, pinturas ou capas supostamente voadoras. Dizem-me que

Batman, ou Super-Homem, é uma

metáfora profunda sobre a nossa

condição solitária e urbana; heróis

derradeiros da pós-modernidade.

Não comento. Exceto para dizer que

morro de rir quando vejo um ator,

supostamente adulto e racional, enfiado num pijama colorido e disposto a salvar a humanidade das mãos

maléficas de um vilão tão ridículo e

tão colorido quanto ele.

 

Sem falar dos fãs: homens feitos,

alguns casados, que continuam a

acreditar que um super-herói em

pleno vôo compensa todas as ereções falhadas.

 

E foi assim que assisti ao último

Batman, "O Cavaleiro das Trevas",

dirigido por Christopher Nolan. Não

vale a pena apresentar o filme: durante meses e meses e meses, uma

máquina publicitária que não pára

tentou convencer o mundo de que

"O Cavaleiro das Trevas" era o melhor da série e, juro que ouvi, um dos

maiores filmes de toda a história do

cinema. De acordo com os promotores, Nolan trocara a fantasia sombria de Tim Burton e o espetáculo

adocicado de Joel Schumacher por

um realismo digno de Michael

Mann: desde "Fogo contra Fogo"

ninguém filmava assim uma cidade,

cruamente e no osso.

 

E os atores? Os atores seriam

exemplos de um realismo ainda

mais brutal, com destaque para o

Coringa, papel que pode valer a

Heath Ledger o Oscar póstumo. Alguns, mais ousados, ainda acrescentam que Ledger morreu de overdose

precisamente por causa das exigências do papel.

 

Não tenciono polemizar com a sabedoria dos críticos, mas suspeito de

que Heath Ledger morreu de overdose porque, depois de assistir ao resultado, não agüentou a vergonha. E

quem o pode censurar?

 

Eu não, rapazes. E confesso que

entrei na sala com boa vontade: "O

Cavaleiro das Trevas" apresenta o

herói (Batman) em luta final contra

o mestre da anarquia (Coringa), um

lunático que não deseja dinheiro

nem poder como os vilões tradicionais, mas sim pura destruição. Na

cabeça dos criadores, essa oposição

simplória entre civilização/caos seria uma metáfora sobre o mundo

pós-11 de Setembro: um mundo em

que o terrorismo niilista não deseja

um objetivo político preciso, mas

simplesmente mergulhar o Ocidente num clima de paranóia destrutivo

e autodestrutivo.

 

Infelizmente para os criadores, a

narrativa não é apenas infantil em

sua pretensão política e filosófica; é

incongruente quando Batman ou

Coringa entram no enquadramento.

Razão simples: se a fantasia já é difícil de engolir como fantasia, imaginem apresentá-la em tom "realista"

e até "documental".

 

Confrontado com Batman e Coringa, nenhum adulto equilibrado

vê um super-herói e um super-

vilão. Vê, simplesmente, dois dementes em pijamas que fugiram do

asilo da cidade.

 

Publicado na Folha de São Paulo. Comentem.

 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Perae... agora é questão de opinião? A função do diretor e do DP no processo de criação de um filme é "subjetiva"?
 

Não, mas se eu falar de outra forma, categorizando uma afirmação, corre o risco de haver mal entendidos novamente.

Passando adiante, aqui está uma matéria que, na minha opiniãio, é muito intresante. É sobre o conceito visual do filme e, sobretudo, o processo de filmar em IMAX:

http://www.ascmag.com/magazine_dynamic/July2008/TheDarkKnight/page1.php

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não achei a crítica ridícula pelo cara não ter gostado do filme, mas sim por pensar que, escrevendo um bando de referências de nomes e filmes e falando difícil, faria uma crítica impecável.

 

 

 

14.gif

Share this post


Link to post
Share on other sites

 A questão imbecil dessa "crítica" desse tal João da Folha de São Paulo é que ele parte de uma premissa equivocada e burra: ele acha que o fato do Nolan ter escrito/dirigido um filme com personagens e situações obviamente fantasiosas, mas em "tom realista" (algo beeem diferente de SER realista...), desmerece o filme enquanto Cinema e entretenimento minimamente plausível.

 É um cara que JAMAIS achará qualquer validade em ler uma HQ de super hérois e/ou assistir qualquer filme de ficção/fantasia.

 Ele não dispõe de nenhum tipo de "suporte" que lhe permita ver mensagens e/ou "histórias outras" nas entrelinhas das metáforas ou nas releituras de Mitos (sempre presentes em obras desse tipo),  sejam elas apresentadas visualmente e/ou através da narrativa per si, principalmente se essas envolverem seres "encapuzados" e "vestindo roupas ridículas" (sejam eles vigilantes ou não).

 Resumindo: é um adulto otário e sem um pingo de imaginação. 

 É um coitado.         
The Deadman2008-07-29 13:46:20

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Eu não gosto da abordagem realista do Nolan. Eu acho que a grande merda do texto foi dizer de cara que as roupas dos personagens já os desqualificam. Isso torna IMPOSSIVEL que o cara goste de algum filme de super-herói.

Perucatorta2008-07-29 12:43:24

Share this post


Link to post
Share on other sites

Fala sério' date=' pouquissimas pessoas sabem que era o ator que fazia o Coringa...
[/quote']

É... o fato de passar no Fantástico e no Jornal Nacional quase não ajudou06

 

Como se brasileiro prestasse muita atenção nesses programas... a não ser pra saber o resultados dos jogos do Brasileirão. 07

Share this post


Link to post
Share on other sites

Polícia dos EUA prende 'Coringa' que destruiu fotos de Batman em cinema

Jovem de 20 anos invadiu local fantasiado de personagem de 'O cavaleiro das trevas'.
Ele foi preso e liberado após pagar fiança.

Foto

 

 

A polícia de Three Rivers, no estado americano de Michigan, prendeu na manhã deste domingo (27) um homem que, fantasiado do personagem Coringa, tentou roubar um cartaz e outros objetos promocionais do filme "Batman - O cavaleiro das trevas".

Além de tentar roubar os objetos, o "Coringa" de Michigan rasgou fotografias do novo filme de seu "rival", que bateu recorde de espectadores no cinema local.

Spencer Taylor, de 20 anos, foi parar na cadeia por suas atitudes de "vilão". Pagou fiança e ficou livre, mas não sem antes ser obrigado a tirar fotos - ainda com a maquiagem inspirada na versão de Heath Ledger do palhaço - e ser fichado pela polícia.[/quote']

 

Pronto, tava até demorando pra começar a aparecerem os idiotas achando que são o Coringa!
Black2008-07-29 13:10:54

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...

×
×
  • Create New...