Jump to content
Forum Cinema em Cena

Geisy Arruda e o Microvestido Rosa


Dook
 Share

Recommended Posts

 

 

Já sei' date=' vocês vão dizer que são situação diferentes. Mas diferentes porque? Porque discriminar pela cor não pode mas pelo sexo pode?[/quote']

 

Pera lá... é óbvio que são situações COMPLETAMENTE diferentes e incompatíveis. Em que momento a garota foi discriminada pelo fato de ser mulher?

 

Exato!

 

Antes se usava uma desculpa semlehante p/ eximir estupradores de pena.
[/quote']

 

Desconheço isso... poderia citar fontes, por favor?

 

Mas eh claro que ela foi discriminada por ser mulher Dook, vc acha que se um cara entrassse sem camisa, com as calças caindo, cueca aparecendo, as mulheres iriam cercá-lo, chamá-lo de vagabundo e ameaçá-lo de estupro?

 

Foi uma reação contra a mulher sim. Dizendo como ela deve ser portar e vestir, caso contrário ela poderia ser estuprada...o máximo que poderia acontecer e iria mesmo, eram os seguranças pedirem pro cara vestir a camisa ou se retirar do prédio.

Big One2009-11-10 10:44:40

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 545
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

 

 

Pera lá... é óbvio que são situações COMPLETAMENTE diferentes e incompatíveis. Em que momento a garota foi discriminada pelo fato de ser mulher?

 

Dook eu tenho certeza que você tem inteligência suficiente para entender que se trata de discriminação sexual. Não adianta vir com reducionismos para confundir que não vai adiantar. O vestido por si só não é nada. Ele não tem efeito algum sozinho. Ele só gera controvérsia quando usado por uma mulher. Ou seja, é o corpo da mulher a origem de toda a polêmica. Da mesma forma que é a cor da pele do negro a origem do problema do exemplo citado no post anterior.

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

aliás' date=' usei exemplo do travesti pq eu acho ofensivo isso, nojento. mas tenho plena convicção que se um dia eu fizesse algo semelhante o culpado seria exclusivamente eu. [/quote']

 

Vamos problematizar isso um pouquinho... Esse quadro que vc colocou agora é totalmente adequado numa situação onde vc vai até um local onde costumam haver travestis e aí, sem razão alguma, faz algo semelhante ao que aconteceu à garota...

 

Mas imagine um outro cenário: vc é dono de um comércio e um travesti adentra o estabelecimento se comportando da forma como sabemos que um travesti se comporta. Aquilo gera um desconforto para seus clientes e, vc, um cara meio desequilibrado (again, hipoteticamente, ok?) surta e trata o travesti da mesma forma como a garota foi tratada... Vc agiu errado? Sem dúvida... O fato do travesti agir da forma como ele age num local que não é adequado para isso justifica a sua reação? Claro que não. Porém isso elimina o fato de que o traveco poderia passar sem essa se ele não tivesse se comportado da maneira como se comportou? 

 

Acho que o ponto aqui é a questão de auto-preservação. O homem e a mulher que se expõem demais correm o risco de serem julgados pelos outros e as consequências dessa exposição raramente são boas. A menina não se atentou a isso. Simples.
Link to comment
Share on other sites

Como falei ontem na CMJ, numa discusão sobre o caso, engraçado como a

mulher é sempre culpada. Seja sendo violentada, seja num estupro ou no

caso da Geisy sendo execrada, humilhada publicamente, sem qualquer

defesa, num ato totalmente covarde e vergonhoso para os que

participaram da zoação toda.

 

 

 

Não adianta arrumar desculpa pro que não tem justificativa.

 

Link to comment
Share on other sites



Dook eu tenho certeza que você tem inteligência suficiente para entender que se trata de discriminação sexual. Não adianta vir com reducionismos para confundir que não vai adiantar. O vestido por si só não é nada. Ele não tem efeito algum sozinho. Ele só gera controvérsia quando usado por uma mulher. Ou seja' date=' é o corpo da mulher a origem de toda a polêmica. Da mesma forma que é a cor da pele do negro a origem do problema do exemplo citado no post anterior.


[/quote']

 

Eu tenho inteligência suficiente para discordar disso... Discriminação sexual contra a mulher é declarar que ela é incapaz de fazer coisas e de ser o que ela quiser ser, pelo fato de ser mulher. É isso que acontece com o negro.

 

Ela não foi inferiorizada por ser mulher, fêmea, mas por se comportar de forma inadequada.

 

O problema aqui é o que o bat falou lá atrás... para defenderem o seu ponto de vista, vocês DISTORCEM o que é dito por quem discorda gerando espantalhos e mostrando um desequilíbrio emocional latente na análise da questão. Não sou eu quem estou reduzindo nada, pelo contrário, estou PROBLEMATIZANDO a questão, que é complexa e vocês insistem em simplificá-la.
Link to comment
Share on other sites

Eu estava prestes a escrever algo, mas o Fulgora foi mais rápido. Também considero o raciocínio do Scofa um tanto equivocado. Seria como um cordão de ouro ser levado num assalto e você dizer que o dono não é 100% inocente pois sabia que passear pelas ruas brasileiras com uma jóia pendurada no pescoço é o mesmo que implorar para ser assaltado.

 

Há algo de muito errado nisso, não acha?

 

Link to comment
Share on other sites

Não, não acho... Errado seria se o cordão estivesse em um local não visível, dentro de uma bolsa, ou por debaixo da roupa... É o mesmo de vc sair na rua carregando sua carteira na mão, quando é cediço que o mais seguro é colocá-la no bolso. Se vc for assaltado e pegarem a carteira da sua mão, vc será responsável no sentido da OMISSÃO, ou seja, deixou de observar princípios de cuidado para evitar o ato. É exatamente o caso da garota.

Num mundo ideal, com criminalidade controlada, pessoas vivendo civilizadamente, vocês estariam 100% certos.

Dr. Calvin2009-11-10 11:14:20
Link to comment
Share on other sites

Mas desse modo você está transferindo vários tipos de erro para a liberdade da pessoa. O ato ilícito praticado por um delinquente não pode ter parte de sua culpa transferida para o gosto pessoal legítimo da vítima (vestido, jóia, boné, etc.). Esse raciocinio de vocês fica ainda mais incompreensível pra mim quando você diz que estaríamos certos num mundo no qual a criminalidade é controlada. A pessoa está simplesmente certa ao gozar do direito de usar o cordão e o marginal está errado em praticar o furto. Uma falha do Estado (proporcionar segurança e bem-estar) não pode ser deslocada assim, acho.

Link to comment
Share on other sites

 

Antes se usava uma desculpa semlehante p/ eximir estupradores de pena.

 

Desconheço isso... poderia citar fontes, por favor?
[/quote']

Nem citarei a Africa.

 

Falo do fato  de que se usar uma mini seja maior do que agressão.

 

É uma da razões da criação da Delegacia da Mulher.

Antes a mulher que denunciava estupro e era atendido por policiais homens (e não só por eles) passava pelo constrangimento de de vítima passar a provocadora, incitadora (by the way, até me lembrou o filme da Jodie Foster). algumas retiravam queixas e muitas nem faziam denuncias por conta disso.

 

 

 
MariaShy2009-11-10 11:30:23
Link to comment
Share on other sites

 

 

Não' date=' não acho... Errado seria se o cordão estivesse em um local não visível, dentro de uma bolsa, ou por debaixo da roupa... É o mesmo de vc sair na rua carregando sua carteira na mão, quando é cediço que o mais seguro é colocá-la no bolso. Se vc for assaltado e pegarem a carteira da sua mão, vc será responsável no sentido da OMISSÃO, ou seja, deixou de observar princípios de cuidado para evitar o ato. É exatamente o caso da garota.

Num mundo ideal, com criminalidade controlada, pessoas vivendo civilizadamente, vocês estariam 100% certos.

[/quote']

 

Agora o correto é se adaptar às falhas da sociedade? E se a falha de amanhã for perseguição religiosa?

 

Absurdo.

 

 

Perucatorta2009-11-10 11:36:24

Link to comment
Share on other sites

 

Não' date=' não acho... Errado seria se o cordão estivesse em um local não visível, dentro de uma bolsa, ou por debaixo da roupa... É o mesmo de vc sair na rua carregando sua carteira na mão, quando é cediço que o mais seguro é colocá-la no bolso. Se vc for assaltado e pegarem a carteira da sua mão, vc será responsável no sentido da OMISSÃO, ou seja, deixou de observar princípios de cuidado para evitar o ato. É exatamente o caso da garota.

Num mundo ideal, com criminalidade controlada, pessoas vivendo civilizadamente, vocês estariam 100% certos.

[/quote']

 

 

Exatamente!

 

Não estamos atribuindo toda a culpa na menina, nem ao menos evocando uma discriminação em relação a mulher, mas sim apenas ressaltando o fato de que o estopim de toda a confusão foi a vestimenta dela, nada mais do que isso...

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

Não' date=' não acho... Errado seria se o cordão estivesse em um local não visível, dentro de uma bolsa, ou por debaixo da roupa... É o mesmo de vc sair na rua carregando sua carteira na mão, quando é cediço que o mais seguro é colocá-la no bolso. Se vc for assaltado e pegarem a carteira da sua mão, vc será responsável no sentido da OMISSÃO, ou seja, deixou de observar princípios de cuidado para evitar o ato. É exatamente o caso da garota.

Num mundo ideal, com criminalidade controlada, pessoas vivendo civilizadamente, vocês estariam 100% certos.

[/quote']

 

Agora o correto é se adaptar às falhas da sociedade? E se a falha de amanhã for perseguição religiosa?

 

Absurdo.

 

 

 

PT, o Dook não quis dizer que seria o correto, é mais como um "instinto de preservação". Infelizmente para PREVINIR certos atos, ás vezes precisamos inibir um pouco da nossa liberdade.

 

Pense da seguinte forma: Muitas pessoas aumentam o tamanho dos muros de sua casa, colocam grades em todas as janelas, pedem para os seus filhos não falarem com nenhum estranho (ou ainda os buscam no colégio, e os impedem de sair para certos lugares) para evitar que algo de mal aconteça com eles e a sua família. É correto essa castração da liberdade? Claro que não! Mas é uma medida de auto-preservação...

 

É disso que nós estamos falando...

 

Link to comment
Share on other sites

Mas desse modo você está transferindo vários tipos de erro para a liberdade da pessoa. O ato ilícito praticado por um delinquente não pode ter parte de sua culpa transferida para o gosto pessoal legítimo da vítima (vestido' date=' jóia, boné, etc.). Esse raciocinio de vocês fica ainda mais incompreensível pra mim quando você diz que estaríamos certos num mundo no qual a criminalidade é controlada. A pessoa está simplesmente certa ao gozar do direito de usar o cordão e o marginal está errado em praticar o furto. Uma falha do Estado (proporcionar segurança e bem-estar) não pode ser deslocada assim, acho.[/quote']

 

Vc está colocando termos jurídicos a situação (pelo menos foi assim que entendi). Uma pessoa que tem o seu cordão de ouro furtado na rua pq o usava de forma bem visível NUNCA será responsável judicialmente pelo furto... O delinquente será processado, condenado e preso.

 

Não é errado a pessoa gozar do direito de usar o cordão... Em momento algum isso foi dito. O que foi afirmado é que, no mundo em que estamos, a liberdade de usar o cordão de ouro possui um preço a ser eventualmente pago: a pessoa corre mais risco de ser assaltada. Diante deste risco, é preferível eu ser tolhido por mim mesmo e abrir mão de andar com o cordão de ouro do que andar com ele, ser assaltado e depois ficar botando a culpa no Estado - o que não trará o cordão de volta. No final, a vítima SEMPRE perde e perde pq não se preservou. É assim que o mundo funciona. É o certo? Claro que não. Foi o que aconteceu com a garota que, ao usar aquele vestido, ela correu o risco de ser zoada. Isso não pode ser ignorado. Infelizmente ela foi muito mais que zoada.
Dr. Calvin2009-11-10 11:57:14
Link to comment
Share on other sites

 

PT' date=' o Dook não quis dizer que seria o correto, é mais como um "instinto de preservação". Infelizmente para PREVINIR certos atos, ás vezes precisamos inibir um pouco da nossa liberdade.

 

Pense da seguinte forma: Muitas pessoas aumentam o tamanho dos muros de sua casa, colocam grades em todas as janelas, pedem para os seus filhos não falarem com nenhum estranho (ou ainda os buscam no colégio, e os impedem de sair para certos lugares) para evitar que algo de mal aconteça com eles e a sua família. É correto essa castração da liberdade? Claro que não! Mas é uma medida de auto-preservação...

 

É disso que nós estamos falando...[/quote']

 

Pelo que eu entendi das últimas respostas do Dook, ele não disse isso. Basta pegar o item 4 do Scofa como referência.

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

PT' date=' o Dook não quis dizer que seria o correto, é mais como um "instinto de preservação". Infelizmente para PREVINIR certos atos, ás vezes precisamos inibir um pouco da nossa liberdade.

 

Pense da seguinte forma: Muitas pessoas aumentam o tamanho dos muros de sua casa, colocam grades em todas as janelas, pedem para os seus filhos não falarem com nenhum estranho (ou ainda os buscam no colégio, e os impedem de sair para certos lugares) para evitar que algo de mal aconteça com eles e a sua família. É correto essa castração da liberdade? Claro que não! Mas é uma medida de auto-preservação...

 

É disso que nós estamos falando...[/quote']

 

Pelo que eu entendi das últimas respostas do Dook, ele não disse isso. Basta pegar o item 4 do Scofa como referência.

 

Bom, foi o que eu entendi em relação ao que o Dook e o Scofa disseram. Apenas eu evitei mencionar as palavras "culpa" e "vítima", para não haver confusão com o sentido legal, jurídico dos termos. Até porquê não se trata disso, é mais relacionado a preservação, como eu disse no post anterior...

silva2009-11-10 12:17:56

Link to comment
Share on other sites



Agora o correto é se adaptar às falhas da sociedade? E se a falha de amanhã for perseguição religiosa?

Absurdo.


 

Mas a perseguição religiosa já existe... Ela só não é legalizada e formal... E você é a prova viva disso, pois só neste tópico há pelos menos dois posts seus nesse sentido.
Link to comment
Share on other sites

Nem citarei a Africa.

 

Falo do fato  de que se usar uma mini seja maior do que agressão.

 

É uma da razões da criação da Delegacia da Mulher.

Antes a mulher que denunciava estupro e era atendido por policiais homens (e não só por eles) passava pelo constrangimento de de vítima passar a provocadora, incitadora (by the way, até me lembrou o filme da Jodie Foster). algumas retiravam queixas e muitas nem faziam denuncias por conta disso.

 

 

 
[/quote']

 

Talvez eu não tenha sido claro... Quero fontes de situações onde o estuprador foi eximido de culpa (i.e., declarado INOCENTE do crime) por causa da mulher estuprada.
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...