Jump to content
Forum Cinema em Cena

O Que Você Anda Vendo e Comentando?


Nacka
 Share

Recommended Posts

Blue Valentine
Ta bem interessante a nova safra de dramas românticos independentes q descontroem as convenções e clichês tipicos do “Happy end” hollywoodiano' date=' como “ Candy” e “500 Dias com Ela” . Este aqui agrega mais um bom exemplo com uma historia pra lá de batida, onde os pequenos detalhes estéticos e narrativos fazem diferença. Casal em crise (Michelle Williams e Ryan Gosling, ambos ótimos) busca nos flashbacks do passado os motivos q os mantiveram unidos. Pra assistir com um gostinho agridoce e lenço na mão. 9/10
[/quote']
Acho que Ellie Parker é o único filme assim que eu assisti. Gostei de ver a fórmula sabendo que rumo o filme tomaria se tivesse o estilo hollywoodiano. Fiquei com vontade de assistir Blue Valentine.

so nao gostei do titulo piegas q ganhou aqui... Namorados para Sempre..14
Link to comment
Share on other sites

Viagem ao Centro da Terra - 3/10

 

Nem os efeitos especiais salvam.

Esse filme é um vômito. Sem contar que Brendon Fraser é um dos piores atores de todos os tempos.
[/quote'] Estou com esse filme faz uns 2 a 3 anos. Como era o último inédito, tive que ver e um dos motivos para a demora é o ator mencionado.
Link to comment
Share on other sites

Escritor Fantasma foi um que me pegou de surpresa forte. Aquela atmosfera que o Polanski criou é demais' date=' praticamente um Conan Doyle moderno (e a comparação não é gratuíta não, porque o Sir Doyle conseguia se safar com tramas super idealizadas do Sherlock Holmes justamente pelo ambiente quase tangível que criava pro leitor). [/quote']

 

Eu assisti a esse "Escritor Fantasma" sem nenhuma pretenção e também me surpreendeu. Excelente filme! Depois deste fiquei curioso para ver outros filmes dele.
Link to comment
Share on other sites

 

Os olhos sem rosto (Les yeux sans visage, Georges Franju, 1960) 4/5

 

É impossível não sentir pena de Christiane, ainda que ela seja e conivente com a morte das moças. Inexpressiva, usando uma máscara como rosto, ela é visivelmente infeliz e frágil, não mais do que semi-viva. Um monstro peculiar. Os atos praticados por ela e seus pais são imorais e perturbadoramente compreensíveis. É lógico que garantir a nossa felicidade e a de quem amamos é mais importante do que a vida dos outros. O filme não passa muito tempo em nenhum ponto e não sofre com a pouca duração. O diretor encontrou uma boa medida para a parte mais "desagradável", que não é totalmente escondida nem aparece muito. É um filme de terror triste.

 

 

 

Lucy fer2011-02-24 15:41:09

Link to comment
Share on other sites

Dente Canino

Interessantissima (e curiosa) produção grega candidata ao Oscar de filme estrangeiro q pode ser interpretada como uma parábola satírica do poder imbecilizante-alienante dos reality shows e a educacao politicamente correta. Casal meio lelé mantém seus filhos jovens 100% isolados do mundo exterior em sua casa de campo e os cria feito cachorros' date=' educando-os como criancas com conceitos morais deturpados. E pra mantê-los ocupados do tédio cria joguinhos q trarão curiosidade, promiscuidade e conseqüências a médio prazo. A casa por si só já é um personagem ativo do filme, pois é uma réplica da do BBB. Cenas surreais como os peixes na piscina, dos aviões de “brinquedo”, do “gato-tigre”, da trepada com walkman e a coreografia “Rocky” e “Flashdance” fazem deste filme - onde a putaria rola solta até um final súbito – ser merecedor de uma visita. 10/10

[/quote']

Até mesmo o trailer impressiona...aff!

Tô reunindo coragem p/  coragem de vê-lo.
Link to comment
Share on other sites

 

Fora-da-lei (Hors La Loi, 2010) 2.5/ 5

É um filme com pretensões de ser um épico familiar, tendo como fundo as lutas pela libertação da Argélia da dominação francesa. Apesar de tratar de um tema essencialmente interessante e polêmico, o filme prefere se focar no relacionamento e vida de uma família argelina, enquanto dois irmão se envolvem com atividades criminosas dentro da FLN, uma organização que busca a libertação do país através da violência. O paralelo de um dos irmãos com Michael Corleone é bastante óbvio, conforme ele se torna mais importante na organização. Porém, já a partir de sua primeira cena (a melhor do filme, na realidade), a produção enfraquece e os laços familiares se perdem em meio à narrativa. A mãe, por exemplo, que prometia ser o grande elo de ligação dos três irmãos, acaba sendo relegada ao esquecimento e simplesmente some na última metade do filme. Alguns acontecimentos soam fáceis demais, sem qualquer planejamento ou verossimilhança. No final, o que fica é um retrato imperfeito e incompleto de uma violência crua, mas que se mostra necessária.

 

A meu ver, um filme apenas mediano, embora tenha gerado discussões na França por assumir o ponto de vista dos "terroristas" sobre os acontecimentos.

 

leomaran2011-02-24 17:04:10

Link to comment
Share on other sites

 

Dente Canino

Interessantissima (e curiosa) produção grega candidata ao Oscar de filme estrangeiro q pode ser interpretada como uma parábola satírica do poder imbecilizante-alienante dos reality shows e a educacao politicamente correta. Casal meio lelé mantém seus filhos jovens 100% isolados do mundo exterior em sua casa de campo e os cria feito cachorros' date=' educando-os como criancas com conceitos morais deturpados. E pra mantê-los ocupados do tédio cria joguinhos q trarão curiosidade, promiscuidade e conseqüências a médio prazo. A casa por si só já é um personagem ativo do filme, pois é uma réplica da do BBB. Cenas surreais como os peixes na piscina, dos aviões de “brinquedo”, do “gato-tigre”, da trepada com walkman e a coreografia “Rocky” e “Flashdance” fazem deste filme - onde a putaria rola solta até um final súbito – ser merecedor de uma visita. 10/10

[/quote']

Até mesmo o trailer impressiona...aff!

Tô reunindo coragem p/  coragem de vê-lo.
[/quote']

O trailer é meio engraçado.

 

 

Link to comment
Share on other sites

Grbavica 2006<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

Filminho da bosnia beeeem fraco.

 

Somewhere

Sutil demais…fraco.

Um filme morno da Coppola, ruim com glamour.

 

Lula o filho do Brasil

O filme é Bonzinho... tem todo aquele estilo meio novela da Record mas algumas sequencias bem boas. não tem nada dessa propaganda eleitoral que tão falando ai.Um autobiográfico meio fora de objetividade e só, mas vale muito a pena relembrar a luta do Lulinha.

 

É proibido fumar

Esse aqui foi uma grande surpresa,é aquele light muito bom, muito bem feito. Show de Bola. O ponto alto do filme são os comentários gastronomicos

 

127 horas

Esse aqui é....deixa eu ver...Bom pra caralho!!

 

King’s speech

bonzinho, mas só merece a categoria de melhor ator.

 

True grit 1969

Trilha sonora cativante desde o inicio, maravilhoso, simpático.  A dupla de wayne e Kim Darby funciona perfeitamente.

 

True grit 2010

Pra que isso? Por Queeee?

Pode ter boas atuações e talz mas é ,ao meu ver, desnecesssario, não da pra comparar com o original. Nada, NADA de novo surpreende.

Link to comment
Share on other sites

Revistos:

 

Speed Racer (Andy Wachowski, Lana Wachowski, 2008)

 

Os Wachowski

correram um risco enorme com as escolhas aqui. Eu achei genial a

estética escolhida para esse filme que possui bem mais acertos do que

erros. As cenas de corrida são fantásticas, memoráveis, o final é

empolgante. Pena que é longo demais e tem aquele moleque chatíssimo que

faz o irmão do Racer.

 

 

The Gift (Sam Raimi, 2000)

 

Esse filme é um daqueles casos

estranhos de telefilme vagabundo lotado de atores bons e com um diretor

foda, que nos fazem questionar que diabos aconteceu pra esse povo

resolver fazer. Sério, o Raimi deve ter pedido pra um estagiário fazer,

pois tava com preguiça de trabalhar. Quase nada de sua genialidade

aparece aqui. A Blanchett tá bem como quase sempre, mas não salva do

esquecimento.

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

Revistos:

 

The Gift (Sam Raimi' date=' 2000)

 

Esse filme é um daqueles casos

estranhos de telefilme vagabundo lotado de atores bons e com um diretor

foda, que nos fazem questionar que diabos aconteceu pra esse povo

resolver fazer. Sério, o Raimi deve ter pedido pra um estagiário fazer,

pois tava com preguiça de trabalhar. Quase nada de sua genialidade

aparece aqui. A Blanchett tá bem como quase sempre, mas não salva do

esquecimento.

[/quote']

Só o que presta é a atuação de Blanchett, que espreme tudo o que pode da personagem e cria uma mistura de força e fragilidade. No resto o filme é irrelevante. Não tem uma cena de suspense/terror que não seja totalmente sem sal.

 

Link to comment
Share on other sites

A JOVEM RAINHA VITÓRIA - 5.5/10 - Não há boa vontade que faça com que esse filme se torne mais do que um desbunde de técnica seja através do seu belíssimo trabalho de direção de arte que ostenta os ambientes fechados dos palácios reais, seja pela sua fotografia de tons fortes e vibrantes, seja pelos figurinos suntuosos, mas isso é nada já que o filme não é dotado de emoção. A direção é fria, vazia e sem vida, o diretor parece anestesiado, incapaz de conferir dinâmica à narrativa e o roteiro obriga os atores a uma verdadeira ditadura das palavras. O elenco acaba salvando filme, especialmente a bela Emily Blunt, muito embora dividir a cena com Rupert Prince seja um desperdício de talento já que se trata de um ator sem o menor carisma, o que compromete sensivelmente a história de amor entre Vitória e Albert vista no filme. Jim Broadbent e Paul Bettany surgem bem mais à vontade em cena enquanto Mark Strong faz questão de rebaixar a qualidade do elenco sempre quando está em cena. Thiago Lucio2011-02-24 21:54:10
Link to comment
Share on other sites

 

gion5.jpg

 

 

Sisters of the Gion (Gion no shimai, Kenji Mizoguchi, 1936) 3/5

 

 

Uma das irmãs insiste em trabalhar honestamente, suportando a constante

falta de dinheiro. Enquanto a outra arma estratégias para se aproveitar

dos homens, tão interesseiros quanto ela, pois enquanto um lado corre

atrás do dinheiro, o outro busca tirar proveito da beleza. A irmã que

ambiciona riqueza ganha mais espaço no filme e é a mais interessante.

Existe um desentendimento entre os sexos, e apesar das duas mulheres

terem comportamentos distintos, ambas sofrem e vivem aprisionadas,

limitadas pela falta de oportunidades.

 

 

 

 

Lucy fer2011-02-24 22:20:51

Link to comment
Share on other sites

 Amor Sem Escalas - 3,5/5,0

 

 O filme é legal, tem ritmo, tem "charme" e bons diálogos e tals, mas não é nada demais. Sou muito mais "Obrigado por Fumar". Além disso, alguém aqui me explica de onde tiraram de indicar a Anna Kendrick para o Oscar de coadjuvante??! 09

 

 O Clooney tá perfeito! Carrega o filme inteirinho nas costas...

 

 Atividade Paranormal - 1,5/5,0

 

 Filme chato da porra!! Por mais que eu quisesse ativar o status "suspensão da descrença", não deu. Principalmente face às ações irracionais e idiotas (principalmente do namorado da endiabrada). Lixo e perda de tempo total.

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Pi (1998) - 3,5/5

Aronofsky começa sua carreira com uma esquizofrenia alucinante, que beira a ficção científica (e lembra bastante Eraserhead, do Lynch). Fica óbvio que ele não tinha muito dinheiro, pois o filme só tem uns três cenários internos e algumas partes gravadas na rua. A produção trata de um gênio obcecado em descobrir uma espécie de padrão matemático universal, que traz respostas a elementos tão diversos como a Bolsa de Valores e Deus. Aprecio bastante as mudanças bruscas e cortes rápidos de seus filmes, que neste caso têm a função de caracterizar o estado de espírito confuso e frenético do protagonista. Tem alguns bons momentos, como belas visões de um tabuleiro de Go e as crises esquizofrênicas de Max Cohen. Basicamente, nada é explicado, mas isso não incomoda. Aqui,  o que importa mesmo é a jornada, e não seus resultados.
leomaran2011-02-24 23:53:11
Link to comment
Share on other sites

Folego

Belo filme sul corano q fala com frieza impar da solidao da condicao moderna, sobre amor, sexo e morte. Sao tres historias q se entrelacam td tempo, sem perda alguma de interesse. E a tipica historia de Joao q gostava de Maria q gostava de Zeca q gostava de Juca, etc. No caso, um marido infiel, a esposa burguesa, um condenado a morte e seu amante biba. A cena q da nome ao filme e de um lirismo poucas vezes visto. Atores e direcao ok. vale uma visita. 9,5-10

 

breath_poster_1.jpg
Jorge Soto2011-02-25 11:10:16
Link to comment
Share on other sites

(SPOILERS DE BLACK SWAN)

1) Acho que o Aro erra bastante em suas escolhas' date=' mas acerta infinitamente em outras. A cena que o Estroncio citou como ruim eu acho perfeita, divina, daquelas estilo projeção na fumaça de Basterds. E eu sou um rato audio-visual, amei a estética de terrorzão do Aro aqui, amei a câmera desleixada filmando algo tão "perfeito", achei que casa com o propósito do filme. Achei que é uma evolução gigantesca sobre Wrestler (onde ele se contenta em emular os Dardenne) e que é ridiculamente superior ao carnaval de Pi, Requiem e Fonte da Vida. O trabalho com espelhos então, fodasso.

[/quote']

 

Essa parte do post do kako engloba exatamente alguns dos principais aspectos pelos quais gostei de Cisne Negro.

 

O Aronofsky definitivamente não é elegante como o Polanski (que é o meu diretor favorito, sendo Repulsa ao sexo um dos melhores filmes que já vi, pegando um link mais óbvio com esse aqui) mas como já disse anteriormente tem algo nessa forma "descontrolada" dele de filmar que combina perfeitamente com Cisne Negro e com toda a dramaticidade da narrativa. Se foi feito antes e melhor .... don't really care.

 

Dente Canino

Interessantissima (e curiosa) produção grega candidata ao Oscar de filme estrangeiro q pode ser interpretada como uma parábola satírica do poder imbecilizante-alienante dos reality shows e a educacao politicamente correta. Casal meio lelé mantém seus filhos jovens 100% isolados do mundo exterior em sua casa de campo e os cria feito cachorros' date=' educando-os como criancas com conceitos morais deturpados. E pra mantê-los ocupados do tédio cria joguinhos q trarão curiosidade, promiscuidade e conseqüências a médio prazo. A casa por si só já é um personagem ativo do filme, pois é uma réplica da do BBB. Cenas surreais como os peixes na piscina, dos aviões de “brinquedo”, do “gato-tigre”, da trepada com walkman e a coreografia “Rocky” e “Flashdance” fazem deste filme - onde a putaria rola solta até um final súbito – ser merecedor de uma visita. 10/10

[/quote']

Até mesmo o trailer impressiona...aff!

Tô reunindo coragem p/  coragem de vê-lo.
[/quote']
O trailer é meio engraçado.

 

O fime em si é meio engraçado, com um humor bem descolado no sentido de sátira mesmo como o Soto falou ali em cima. Acho que se leva bem menos a sério do que algumas pessoas que o assistem e o taxam de pretensioso e etc. Tem umas cenas bizarras no sentido de caminharem por um lado não previsível e realmente tenta puxar pra lados extremos mas não deixa de ser curioso assistir a situação toda a qual aqueles três irmãos se submetem. É efetivo como um exercício de atmosfera, e isso que importa mais na real.
Link to comment
Share on other sites

Na verdade eu não desgosto do climax de Black Swan, apesar de não achar que se trata de um êxtase cinematográfico e de ilustrar bem o meu problema com o trabalho do Aroldão ali.

 

Saving Private Ryan, de Steven Spielberg - Patriotismo barato à parte, ainda impressiona. Impressiona pq vi garoto e o Dia D continuou inteiraço, provavelmente alojado na minha cabeça. Tem tb a expectativa antes da batalha final onde Spilba colocou, estrategicamente, o coração da bagaça.

 

My Night at Maud's, de Eric Rohmer - Os personagens se apaixonam com uma frequência incrível. Eu não os culpo - com esses diálogos, é inevitável. Um, em especial, dura 40 minutos, tem vida própria e quando acaba parece aquela visita agradável que precisa ir embora.
Link to comment
Share on other sites

Folego

Belo filme sul corano q fala com frieza impar da solidao da condicao moderna' date=' sobre amor, sexo e morte. Sao tres historias q se entrelacam td tempo, sem perda alguma de interesse. E a tipica historia de Joao q gostava de Maria q gostava de Zeca q gostava de Juca, etc. No caso, um marido infiel, a esposa burguesa, um condenado a morte e seu amante biba. A cena q da nome ao filme e de um lirismo poucas vezes visto. Atores e direcao ok. vale uma visita. 9,5-10

k5fnb.jpg

[/quote']

Meu asiático preferido!
Esses filmes asiáticos misturam romance, tragédia de uma forma pouco convencional, quase inédita.

É daqules filmes que tu termina de ver e fica alguns minutos em estado catatonico...aff!

 

By the way, quem curtiu esse deve curtir tb "Casa Vazia"

 
MariaShy2011-02-25 17:19:46
Link to comment
Share on other sites

Luzes da Cidade (1931) - 5/5

É difícil falar do Chaplin, com todo o peso que ele tem na história do cinema. Luzes da Cidade, no entanto, é um filme inegavelmente belo. Muitas de suas cenas cômicas se concentram no eterno dilema rico x pobre (entre elas, um baile bastante movimentado). A força dramática da relação de Chaplin com a florista cega é muito bem construída, culminando em um final bem montado e realista. Além disso, a famosa cena da luta de boxe "arranjada" é uma das mais memoráveis que já assisti. A sensação que fica é de que é um filme praticamente impossível de não gostar e que possui muita força ainda hoje em dia, tanto em seu roteiro quanto na performance dos atores.

 

Meu comentário completo sobre o filme em: http://imperiodocinema.blogspot.com/2011/02/luzes-da-cidade-1931.html

 

 

Link to comment
Share on other sites

Anne%2Bof%2Bthe%2BThousand%2BDays.jpg

 

Ana dos Mil Dias (Anne of the Thousand Days, Charles Jarrott, 1969) 2/5

 

Não tem vigor para incorporar a força da história, que inclui a disputa entre Henry e a Igreja, o grande amor por Anne e a crueldade ao ordenar a execução dela. Anne é impertinente com Henry, mesmo antes do casamento, e nem sequer tem charme para compensar, de modo que o sentimento dele não é tão crível. A morte dela, um acontecimento crucial, parece que foi feita ás pressas. Em todo o filme, só o que há de realmente emocionante são as palavras proféticas de Anne sobre a filha, Elizabeth. O diretor fez uma novela razoável, em que os cenários, elegantes e de aspecto pesado, e o figurino são a melhor parte.

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Guest
This topic is now closed to further replies.
 Share

×
×
  • Create New...