Jump to content
Forum Cinema em Cena

O Que Você Anda Vendo e Comentando?


Nacka
 Share

Recommended Posts

The Faculty (Robert Rodriguez)<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

Scream versão invasão alienígena. Não há quase nada do Rodriguez aqui e talvez por isso seja um de seus melhores filmes. Além de pegar o Williamson em uma fase boa' date=' mesmo que este aqui fique beeeem abaixo dos dois primeiros filmes do ghostface, equiparando-se ao terceiro.[/quote']

 

 

Um dos filmes subestimados do Rodriguez...
Link to comment
Share on other sites

 

...

 

Undead (Michael Spierig' date=' 2003) - Esse é bem legal, é uma comédia que tem até abduções durante a trama, mas sem perder a identidade do gênero zumbi. É tudo bem criativo, onde as coisas vão ficando cada vez mais estranhas e curiosas, mesclando gore com cenas meio wtf, mas que funcionam.

 
[/quote']

 

 Aéé!!!! 10 Até que enfim aparece alguém aqui para comentar sobre esse filme... E bem!! 05 Pensei que só eu, e meu peculiar gosto, seria demente o suficiente para ter curtido demais essa bagaça.  

 Cenas antológicas, muitas homenagens e citações ao "clássico" Fome Animal, um dos enredos mais bizarros e criativos nesse subgênero (zumbis) e um dos personagens mais WTF de todos os tempos (Sargento Harrison).

 E, cá entre nós, THX, que twisted esse filme tem, heim??!!    
Link to comment
Share on other sites

 

O Scorsese fez Kundun; O Woody Allen fez Match Point; E o Bergman fez O Ovo da Serpente...

 

Mas durante todo o filme fiquei sentindo que ele não era o diretor para aquilo' date=' um nazi-noir com mistério desinteressado. Tem até personagem explicando o título para mastigar qualquer ambiguidade surgente...

 

Ainda assim, o filme tem material suficiente para não manchar a carreira, como a atmosfera de Berlim, o olhar perdido (proposital?) do Carradine, e algumas fagulhas que remetem ao Bergman de costume...

 

Por mim, algum diretor ocioso devia refilmar isso aqui, um toque do Polanski

por exemplo tranformaria o filme em ouro. 

 

O Ovo da Serpente (The Serpent's Egg, 1977, Ingmar Bergman)

 

Próximo: Da Vida das Marionetes. Alguém pode me confirmar se dá pra ver esse antes de Cenas de um Casamento?
[/quote']

 

Não entendi esse paralelo, Match Point é muito bom, Kundun não é o único filme fraco do Scorsa e muito menos esse "Ovo da Serpente" o do Bergman - esse por sinal fez um penca de filmes irregulares (incluindo esse Da Vida das Marionetes).
Link to comment
Share on other sites

Eu só tenho propriedade pra falar do que assisti até agora.

 

O paralelo é simples, são filmes que destoam muito do estilo dos diretores, ué. Não coloquei a qualidade no meio. McCabe & Mrs Miller é talvez o filme mais diferente do Altman, dentro de sua filmografia, e nem por isso deixa de ser uma beleza...

 

Aliás, O Ovo da Serpente não é ruim. Só é impessoal, para quem vai assistir sedento por Bergman.
Link to comment
Share on other sites

 

 

 
 

Cube 2: Hypercube (Andrzej Sekuła' date=' 2002) - Aqui descambou para o ridículo. Inventaram tanta coisa sem sentido que depois de um tempo, nada mais poderia surpreender. Ignoraram praticamente tudo do primeiro filme, agora nada de armadilhas e pesoas tensas, nem o cubo muda mais de cor... Na intenção de mostrar um ambiente mais futurista, sustentado por um roteiro confuso de mundos paralelos, a única manifestação dos cubos é nesse contexto. E o que dizer dos atores? Simplesmente patéticos, agindo como se estivessem num jogo qualquer da forma mais descontraída possível.

 [/quote']

Eu gosto muito mais de Hypercube do que do primeiro, apesar das atuações serem REALMENTE muito ruins. E digo justamente por causa da estória (eu adoro universos e mundos paralelos, especialmente quando envolvem distorção do tempo e espaço), é bem complexo mesmo, mas bastante interessante. O primeiro para mim parece videogame.

 

Nossa, e eu acho The Faculty um lixo, completamente descartável.

Mr. Scofield2010-08-02 19:48:43
Link to comment
Share on other sites

The Faculty (Robert Rodriguez)<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

Scream versão invasão alienígena. Não há quase nada do Rodriguez aqui e talvez por isso seja um de seus melhores filmes. Além de pegar o Williamson em uma fase boa' date=' mesmo que este aqui fique beeeem abaixo dos dois primeiros filmes do ghostface, equiparando-se ao terceiro.[/quote']

 

 

Um dos filmes subestimados do Rodriguez...

 

Pra mim, é o único.
Link to comment
Share on other sites

Aéé!!!! 10 Até que enfim aparece alguém aqui para comentar sobre esse filme... E bem!! 05 Pensei que só eu' date=' e meu peculiar gosto, seria demente o suficiente para ter curtido demais essa bagaça.  

 Cenas antológicas, muitas homenagens e citações ao "clássico" Fome Animal, um dos enredos mais bizarros e criativos nesse subgênero (zumbis) e um dos personagens mais WTF de todos os tempos (Sargento Harrison).

 E, cá entre nós, THX, que twisted esse filme tem, heim??!!    
[/quote']

Tem um aspecto de homenagem trash mesmo, já é um dos meus favoritos. Uma das cenas antológicas é a da espora na parede06

 

Eu gosto muito mais de Hypercube do que do primeiro, apesar das atuações serem REALMENTE muito ruins. E digo justamente por causa da estória (eu adoro universos e mundos paralelos, especialmente quando envolvem distorção do tempo e espaço), é bem complexo mesmo, mas bastante interessante. O primeiro para mim parece videogame.
[/quote']

Eu também gosto do assunto, mas além das atuações serem ruins, tinha muita gente ali. Não gostei da velhinha irritante e da Sasha. Qual o motivo de colocarem personagens com alguma conexão? No primeiro pelo menos os personagens deixavam a sensação de desespero e ansiedade naquele ambiente. As armadilhas não estavam lá apenas como um obstáculo, existe uma interação até o ponto em que elas nem eram a maior ameaça.

 

 
Link to comment
Share on other sites

Tidal Wave (Haeundae, Je-gyun Yun, 2009)

 

Esse é o mais fraco que

vi dos coreanos. Tem uma hora daquele humor meio sem graça mas

completamente ensandecido deles e depois, quando a ação começa, me

decepcionei demais. Se tem algo que esses caras sabem fazer é cinema

moderno de ação, mas aqui é uma cagada só, CGI fraco, cenas pouco

imaginativas, uma pieguice tacanha, etc. Enfim, pelo menos tem a

tradicional voadora que todo filme coreano tem, hehe.

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Martyrs
Filmaço francês de terror q faz “Jogos Mortais” parecer desenho da Pixar. Ultraviolento e perturbador como “Violencia Gratuita” , mistura elementos torture-porn de “Hostel” com assombracão oriental de “O Chamado” . Garota meio-lelé atormentada por fantasmas do passado volta pra se vingar de seus algozes, mas ai coisa muda radicalmente e acaba sobrando pra irmã. E olha q isso são os 10 minutos iniciais, pois comentar mais já seria entregar spoillers. O desfecho é surrealmente genial e abrupto, sem meias palavras, tão bizarro qto o resto. É um filme q explora a dor sem usar cenas on screen, criando tensão constante. A producão se divide claramente em dois atos: a chacina (gore) e a tortura (psicologica). Eu q achava deprimente e revoltante o “Centopéia Humana por conta da situação extrema a q seus personagens eram submetidos, este aqui ultrapassa td isso e vai alem, pois testemunhamos o enorme sofrimento da protagonista ao ser espancada, mutilada e privada de sua dignidade minuto após minuto. Uma coisa é certa: qto menos se sabe sobre a pelicula, melhor. E assista logo pois a crepusculete Steward ja anda sendo sondada pra ser martirizada no remake americano. 9,5/10

 

martyrs6c7f5b4ba.jpg

orange-loader.gif

Jorge Soto2010-08-03 08:21:36
Link to comment
Share on other sites

pqp, escrevi uma resposta e essa merda não foi 06

Então, li sim, acho esse filme incrível (comprei o bd assim que saiu).

O Roeg tem esse dom de filmar o mundo pelos olhos de gente deslocada né, física e psicologicamente. É o tema recorrente nos filmes dele - e nesse Walkabout, o deslocamento é literal, vem do choque de culturas, geográfico (depois ele viria a radicalizar ainda mais a idéia com o Man Who Fell To Earth, com um sujeito de outro planeta, hehe).

O resultado é sempre de um certo estranhamento, enquadramentos e montagem pouco usuais , etc - mas é um estranhamento deslumbrante. Acho que o fato dele ter sido diretor de fotografia por um tempo antes de dirigir ajuda nesse quesito, ele desenvolveu um estilo visual que é só dele. Sou fã, acho um diretor diferenciado.
Link to comment
Share on other sites

127194-9-ponyo-sur-la-falaise.jpg

 

Este é meu segundo do Myiazaki. O primeiro (Chihiro) vi em 2003 e na ocasião achei bem estranho... Sim, a imaginação do cara é foda, mas não me pegou a ponto de louvar como a um Sylvain Chomet da vida (ha, como se houvessem muitos!).

Mas de Ponyo eu gostei. O deux ex machina que me incomodou tanto em Chihiro desta vez causou o contrário. O clima náutico, os cenários coloridos com aquarela e principalmente a imaginação milionária do diretor, "represent, represent" o melhor que o 2D ainda pode oferecer.

 

A parte que mais gostei, nem tinha tanto movimento. Foi a cena em que o menino precisa dizer se amaria um peixe.

 

 

Ponyo - Uma Amizade que Veio do Mar (Gake no ue no Ponyo, 2008, Hayao Miyazaki)

 
Stradivarius2010-08-03 15:04:04
Link to comment
Share on other sites

 

THX 1138 (George Lucas, 1971) - Obra prima absoluta que melhora a cada revisão.

 

Mad Max (George Miller, 1979) - Esse tem um dos cenários mais devastadores de todos os tempos, falar em pessimismo seria redundância. A ambientação é tão morta quanto a esperaça, num local árido onde o ronco dos motores turbinados cortam as estradas violentamente. De qualquer forma, o pouco que existia de esperança acabou no nascimento do "herói" Max , do tipo que leva a identidade do contexto cruel da trama, onde vingaça tem mais sentido que justiça. Obra prima, que ainda não tinha visto.

 

Mad Max 2: The Road Warrior (George Miller, 1981) - Revisto depois de muito tempo. Tentar explicar detalhes de uma obra prima, como foi o primeiro filme, pode ser arriscado. Às vezes é bom deixar lacunas e seguir em frente, mas nos primeiros minutos, esse explica de forma genial o caos global de Mad Max. Embora essa segunda parte não supere o original, mantem a identidade apocalíptica e amarga do primeiro. Agora o guerreiro das estradas ganha status de lenda com seu V8 turbinado. Gostei da história e das cenas de perseguição. Muito bom.

 
Link to comment
Share on other sites

44 Inch Chest (Malcolm Venville, 2009)

 

Tem um ótimo elenco de

britânicos xingando e profanando durante uma hora e meia. Isso não deixa

de ser bem interessante mas é tudo totalmente pointless. Parece que o

diretor pensou: ingleses xingando são legais, vamos pegar um monte de

ator bom e mandar eles xingarem o tempo todo. Plot? Who cares?

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Milk (2008)

 

 

 

Ok, tenho pre-conceitos, não só sobre gays, mas sobre quase tudo que existe, o que me torna um extremo imbecil. E esse filme me mostra mais ainda o quão idiota eu sou. Se alguém é gay ou não, é irrelevante. O que importa é o quanto somos seres humanos e os ideais, as lutas, a interpretação emocionante de Sean Penn me pegou em cheio e é de abrir os olhos. Mas provavelmente daqui a 5 minutos eu vou voltar a ser pre-conceituoso e entender que eu não sou metade do homem que Milk foi.

Link to comment
Share on other sites

 

THX 1138 (George Lucas' date=' 1971) - Obra prima absoluta que melhora a cada revisão.

 

Mad Max (George Miller, 1979) - Esse tem um dos cenários mais devastadores de todos os tempos, falar em pessimismo seria redundância. A ambientação é tão morta quanto a esperaça, num local árido onde o ronco dos motores turbinados cortam as estradas violentamente. De qualquer forma, o pouco que existia de esperança acabou no nascimento do "herói" Max , do tipo que leva a identidade do contexto cruel da trama, onde vingaça tem mais sentido que justiça. Obra prima, que ainda não tinha visto.

 

Mad Max 2: The Road Warrior (George Miller, 1981) - Revisto depois de muito tempo. Tentar explicar detalhes de uma obra prima, como foi o primeiro filme, pode ser arriscado. Às vezes é bom deixar lacunas e seguir em frente, mas nos primeiros minutos, esse explica de forma genial o caos global de Mad Max. Embora essa segunda parte não supere o original, mantem a identidade apocalíptica e amarga do primeiro. Agora o guerreiro das estradas ganha status de lenda com seu V8 turbinado. Gostei da história e das cenas de perseguição. Muito bom.

 
[/quote']

Todos sci fi estupendosss ! 1010

 

sei lá pq o final de "THX 1138" me lembrou tremendamente  "Planeta dos Macacos".

Estranho que seja o longa primogenito de Lucas
Link to comment
Share on other sites

 

4 filmes revistos:

 

Zodíaco (Zodiac, David Fincher) - lixo descartável

 

Amnésia (Memento, Christopher Nolan) - nem pra adubo serve...

 

Onde Os Fracos Não Tem Vez (No Country For Old Men, Coen Brothers) - reciclavel, mas lixo de qualquer maneira.

 

e finalmente...

 

Clube da Luta (Fight Club, David Fincher) - lixo da pior espécie.

 

 

 
Link to comment
Share on other sites

Guest
This topic is now closed to further replies.
 Share

×
×
  • Create New...