Jump to content
Forum Cinema em Cena

Bullying


jujuba
 Share

Recommended Posts

 

A discussão tornou-se pessoal' date=' kako? Caso afirmativo, minha participação no tópico está encerrada!

 

Fui!

 

 

 

[/quote']

 

Não. Como eu disse antes, valorizo mais a opinião de quem já sofreu do problema. Além disso, um estudo de caso é sempre válido.

 

Mas se você quiser, pode correr e se esconder. Acho que tu sabe muito bem como fazer isso, não? Experiência é tudo...06

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

E só os mesmos continuam no fórum a varios anos...' date=' porque será... 06.gif [/quote']

 

Não sei o que você quis dizer com isso, mas te considero um bom exemplo de como lidar bem com um grupo de pessoas te zoando ao mesmo tempo. Ficou lá na CMJ, firme e forte.

 

Claro que as pessoas estavam te zoando porque tu só fala bosta, mas isso não importa para a discussão...06

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

 

Bá' date=' Scofa, vais me desculpar, mas agora esse teu post me pareceu uma bela salada de conceitos. Não teve nada, absolutamente nada, do que tu postaste até agora que eu já não soubesse e compreendesse desde muito antes de tu escreveres[/quote']

Ouch. Parei.

 

Link to comment
Share on other sites

WTF ! 13

Çeis tão se auto-cyberbullyinging no pprio tópico sobre Bullying?!

 

Caso afirmativo' date=' minha participação no tópico está encerrada!

Fui!
[/quote']

Tua participação tá sendo importante aqui, Rick, não só pelos seu depoimentos, ams pelas sugestões de videos e tals.

Se tá sendo valido p/ ti de alguma maneira participar do tópico, fica, pô!
MariaShy2011-06-06 11:36:04
Link to comment
Share on other sites

 

A discussão tornou-se pessoal' date=' kako? Caso afirmativo, minha participação no tópico está encerrada!Fui!

 

 

 

 

 

[/quote']

 

 

 

Cara, eu confesso que não conheço bem a tua história em particular, e acho que ela pode agregar à discussão. Gostaria que tu continuasse participando do tópico.

Link to comment
Share on other sites

Pessoal.

 

Estou neste fórum há muitos anos e conheço todos aqui, por mais pouco contato que tive com cada um. Não estou correndo, nem fugindo de nada. Nem teria motivos para tal, porque hoje, graças a Deus, tenho meus (poucos) amigos e aprendi bastante com a minha vida. Eu só acho, por experiência própria, que aqui não seja o lugar mais adequado para discutir detalhes das minhas experiências. E por isso que não vou tornar esta discussão pessoal como o kako está tentando.

 

Gosto e sempre admirei muitos usuários daqui (O Scof, a Shy...) e gosto de partilhar minhas histórias com estas pessoas. Mas, me sinto muito exposto na internet. Quem conhece a minha trajetória aqui no fórum, sabe o motivo.

 

Continuo achando que o kako está tendo uma abordagem um tanto quanto equivocada. Primeiro por querer tornar isto aqui em algo totalmente pessoal quando, de fato, ele não tem conhecimento sobre as experiências vividas por cada um. É só ver que ele acha que eu quero "fugir", que "apanhei a vida inteira". Eu não acho adequado. E não vou me desgastar em uma discussão assim. A própria vida me ensinou que não vale a pena.

 

Concordo em muito com o que ele diz. Realmente, bullying não é um problema de uma vertente só. É lógico que as vítimas possuem parcela de culpa: como já afirmei, é de praxe que boa parte das vítimas sofram com problemas de auto-estima, sejam ingênuas ou até reajam com dramaticidade. Entretanto, não é nem um pouco justo afirmar que as vítimas devem se acostumar e adequar a isso, que vivemos em no mundo dos "mais fortes".

 

Bullying não é só xingamentos, não é só zoação. A coisa vai muito além e é muito mais grave. Afinal, qual é o problema da sociedade? Os ingênuos ou os intolerantes? É grave.

 

Só acho que a questão não deva se resumir a adaptabilidade. Uma criança apanhar por ter sido a única da sala a não tirar nota vermelha em uma prova, por exemplo, não é questão de adaptabilidade.

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

 

 

Depende muito das situações' date=' primeiro ele tem que saber o motivo de porque o filho ter sofrido Bullying, sentar com ele e conversar é sempre importante, assim entra na proxima étapa, o que vai ser feito, tem opções, ou o cara vai para a diretoria e faz uma reclamação e fala para eles tomarem medidas educativas sobre seus alunos no geral sobre bullying ou especificamente esses que praticaram o bullyng acabem com uma suspensão, para não tomar uma medida mais drástica, a justiça, mas são apenas crianças, isso se os que praticaram o Bullyng não sejam muito mais velhos, o problema pode se estender fora da escola, mas duvido que nessa idade aconteça algo assim, em ultima medida, se o garoto dependendo de como ele pensa sobre o problema, se ele acha que pode continuar na escola se não estiver tão traumatizado, a ultima alternativa e ter que mudar para outra, ai não tem jeito, a mudança de escola e de novos ares vai acabar fazendo com que o menino fique mais tranquilo e continue a sua vida educacional sem tanta pressão, agora se acontecer de novo é porque o garoto tem algum problema, a melhor coisa agora e depois e dirigir-lo a um psicologo, que será a melhor indicação para ele superar seus possiveis traumas e medos que podem se estender em toda a sua vida letiva, porém os pais precisam de dialogo sempre para tentar ajudar-lo e encaminhar-lo da melhor forma, muitos dos pais acham que os filhos não tem problema nenhum e são perfeitos, nem sempre eles tem um dialogo mais profundo, os pais tem uma visão diferente sobre os filhos do que qualquer outra pessoa, mas neste caso é diferente, o bullyng chegou ao ouvido dos pais, tem que tomar alguma medida.

 

 

 

O que não pode sair barato é a escola continuar como se nada tivesse acontecido, ela precisa tomar alguma medida para evitar futuros casos e essa tradição tem que ser eliminada.

 

 

 

A melhor coisa para meninos dessa faixa etária, os que fizeram Bullyng é suspender-los e entrar em contato com seus pais sobre o assunto, para que?, para que esses pais eduquem seus filhos sobre os problemas que um bullyng pode fazer com as pessoas, elas são apenas crianças imaturas sem noção, onde seus hormonios estão começando a pipocar e essa a melhor idade para educar-los. [/quote']

Angellus, seu excelente post ficou perdido e acabei não lendo, perdoe-me.  Mas então, acho um pouco difícil o menino revelar aos pais o que realmente aconteceu. Ainda mais que acho que ele sofre um pouco com a separação dos pais. Meu chefe se recusa a ver o filho como é qualquer pessoa, para ele o garoto é um santo (mas parece haver uma garota envolvida no episódio mesmo o menino sendo bastante novo).  O diálogo às vezes é bem difícil e eles refletem o drama da separação em suas atitudes com o garoto.

A propósito, o menino que bateu não é mais velho que o filho do meu chefe. Eles estão na mesma sala. Normalmente imaginamos os bullies como pessoas muito mais fortes e maiores que os agredidos, mas algumas vezes não são, como é o caso. Nesse ínterim, a situação é mais grave porque a cobrança em relação a um revide é maior.

Enfim, sabe o que a escola fez? Suspendeu o rapaz. UM dia. E só. Atualmente não sei como está a situação, mas creio que meu chefe pretende tirá-lo da escola se não nesse ano, no ano que vem.

 

Mr. Scofield2011-06-06 14:00:40

Link to comment
Share on other sites

 

 

 

<font face="Times New Roman' date=' Times, serif" size="3">Angellus, seu excelente post ficou perdido e acabei não lendo, perdoe-me.  Mas então, acho um pouco difícil o menino revelar aos pais o que realmente aconteceu. Ainda mais que acho que ele sofre um pouco com a separação dos pais. Meu chefe se recusa a ver o filho como é qualquer pessoa, para ele o garoto é um santo (mas parece haver uma garota envolvida no episódio mesmo o menino sendo bastante novo).  O diálogo às vezes é bem difícil e eles refletem o drama da separação em suas atitudes com o garoto.A propósito, o menino que bateu não é mais velho que o filho do meu chefe. Eles estão na mesma sala. Normalmente imaginamos os bullies como pessoas muito mais fortes e maiores que os agredidos, mas algumas vezes não são, como é o caso. Nesse ínterim, a situação é mais grave porque a cobrança em relação a um revide é maior.Enfim, sabe o que a escola fez? Suspendeu o rapaz. UM dia. E só. Atualmente não sei como está a situação, mas creio que meu chefe pretende tirá-lo da escola se não nesse ano, no ano que vem.

 

[/quote']

 

 

 

Pelo menos já é um começo, acho que para um garoto de 12 anos pode funcionar, os pais devem ter feito algum tipo de repreensão nele, tem que ver se a situação muda para o filho do seu chefe, talvez ele acabe permanecendo na mesma escola, vai ser opção dele, mas acredito que é primordial ele ir a um psicólogo, pelo fato dele não se abrir com seus pais e pelo fato que ele vêm vivendo uma fase de separação dos pais, que já é um grande problema a ser engolido por um garoto dessa idade, que muitas vezes aparece inseguranças que acabam levando a qualquer lugar que eles vão, até na própria escola que motivou o bullying.

 

 

 

Hoje todos fazem terapias e vão para psicólogos, as vezes só para trocar idéias com pessoas mais experientes, todo tipo de pessoa procura um psicólogo, é o mundo moderno, antigamente era algo diferente, hoje fazer terapia é a coisa mais comum que existe, as vezes como uma forma para desabafar os problemas do cotidiano.

Link to comment
Share on other sites

 

Pessoal.

 

1) Estou neste fórum há muitos anos e conheço todos aqui' date=' por mais pouco contato que tive com cada um. Não estou correndo, nem fugindo de nada. Nem teria motivos para tal, porque hoje, graças a Deus, tenho meus (poucos) amigos e aprendi bastante com a minha vida. Eu só acho, por experiência própria, que aqui não seja o lugar mais adequado para discutir detalhes das minhas experiências. E por isso que não vou tornar esta discussão pessoal como o kako está tentando.

 

2) Gosto e sempre admirei muitos usuários daqui (O Scof, a Shy...) e gosto de partilhar minhas histórias com estas pessoas. Mas, me sinto muito exposto na internet. Quem conhece a minha trajetória aqui no fórum, sabe o motivo.

 

3) Continuo achando que o kako está tendo uma abordagem um tanto quanto equivocada. Primeiro por querer tornar isto aqui em algo totalmente pessoal quando, de fato, ele não tem conhecimento sobre as experiências vividas por cada um. É só ver que ele acha que eu quero "fugir", que "apanhei a vida inteira". Eu não acho adequado. E não vou me desgastar em uma discussão assim. A própria vida me ensinou que não vale a pena.

 

4) Concordo em muito com o que ele diz. Realmente, bullying não é um problema de uma vertente só. É lógico que as vítimas possuem parcela de culpa: como já afirmei, é de praxe que boa parte das vítimas sofram com problemas de auto-estima, sejam ingênuas ou até reajam com dramaticidade. Entretanto, não é nem um pouco justo afirmar que as vítimas devem se acostumar e adequar a isso, que vivemos em no mundo dos "mais fortes".

 

5) Bullying não é só xingamentos, não é só zoação. A coisa vai muito além e é muito mais grave. Afinal, qual é o problema da sociedade? Os ingênuos ou os intolerantes? É grave.

 

6) Só acho que a questão não deva se resumir a adaptabilidade. Uma criança apanhar por ter sido a única da sala a não tirar nota vermelha em uma prova, por exemplo, não é questão de adaptabilidade.

 

 

[/quote']

 

Vou até numerar a parada:

 

1) Peraí, tu vem aqui e diz que é/foi vítima de bullying a vida inteira, solta algumas frases de efeito e quando questionado por detalhes, não quer contar? Isso é injusto para o debate. Veja, muitos te darão crédito por ter sido vítima, mas o estudo do caso não pode ser completo sem detalhes.

 

2) Outra coisa que não compreendo. Se sente exposto porque? Não te conheço, não quero te conhecer e não há simplesmente nenhum motivo para que você "perca" algo por expor seu problema aqui. Esse é o lugar ideal. É uma ligação anônima para a polícia.

 

3) Bonitão. Na mesma frase ele diz que eu estou errado por querer tornar pessoal e também diz que eu não tenho conhecimento das experiências. Ué porra, posta a merda da experiência aqui que eu terei conhecimento e analisarei. Senão vou continuar expressando minha opinião me baseando no que eu tenho em mãos.

 

4) Ué, se elas tem parcela de culpa (você disse isso), elas devem no mínimo mitigar seus problemas antes de querer resolver os problemas alheios. É a mesma coisa ue tu reclamar do vizinho porque a calçada dele tá cheia de merda de cachorro enquanto a sua também está. Mas é mais fácil se fazer de vítima da sociedade malvada do que atacar problemas de difícil solução.

 

5) Eu já disse aqui que agressão física é intolerável. Agora, nada tira da minha cabeça que em alguns casos (não todos) a situação só chega à esse ponto porque o bullied não se adaptou ao ambientes de forma satisfatória.

 

6) Nunca dissemos que ela se resume à isso. Só acho que esse fator não pode ser tirado da equação e, preste atenção ao item 4. Bora limpar nosso próprio quintal...

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Se tu, Rick se sente desconfortável em falar sobre aqui,

tu pode participar do tópico falando de maneira generalizada.
Masss, como tu mesmo disse,  conhece a maioria das pessoas aqui, então sabe que ninguém hostilizaria vc.

 

Anyway, sei lá pq, tu me parece mais seguro hoje que há 2 anos atrás, no fórum.


Apelando desavergonhadamente a Freud, este disse que temos tendencia a rechaçar com violência reflexo ruim de nós mesmo.

Daí, que se o bullied tem problemas, por isso se mostram passivos aos ataques, os bullies tb os têm e mais profundos até.

 

 
MariaShy2011-06-06 17:17:30
Link to comment
Share on other sites

Continuo achando que o kako está tendo uma abordagem um tanto quanto equivocada. Primeiro por querer tornar isto aqui em algo totalmente pessoal quando' date=' de fato, ele não tem conhecimento sobre as experiências vividas por cada um.[/quote']

 

 

 

Ele não está tornando pessoal. Só está trollando como sempre. Ele não tem argumentos que sustentem as asneiras que está falando, então acaba tendo que recorrer a provocações infantis e repetições das mesmas bobagens para tentar cansar os outros. 06.gif

Link to comment
Share on other sites

Continuo achando que o kako está tendo uma abordagem um tanto quanto equivocada. Primeiro por querer tornar isto aqui em algo totalmente pessoal quando' date=' de fato, ele não tem conhecimento sobre as experiências vividas por cada um.[/quote']

Ele não está tornando pessoal. Só está trollando como sempre. Ele não tem argumentos que sustentem as asneiras que está falando, então acaba tendo que recorrer a provocações infantis e repetições das mesmas bobagens para tentar cansar os outros. 06.gif

 

Pois é, e tem gente que tem anos de fórum e ainda não percebeu isso 06
Link to comment
Share on other sites

Este fórum é cheio de Trolls, muitos não percebem, mas fazem um tipo de bullying virtual e psicologico, acham que qualquer pessoa que chega tem que ser tratado da mesma forma, usando um calibre nas palavras como se você fosse da mesma turma, no final das contas eles fazem parte do A.D.I.D.A.S., Associação De Idiotas Dispostos A Superar.

Link to comment
Share on other sites

 

 

 

Pelo menos já é um começo' date=' acho que para um garoto de 12 anos pode funcionar, os pais devem ter feito algum tipo de repreensão nele, tem que ver se a situação muda para o filho do seu chefe, talvez ele acabe permanecendo na mesma escola, vai ser opção dele, mas acredito que é primordial ele ir a um psicólogo, pelo fato dele não se abrir com seus pais e pelo fato que ele vêm vivendo uma fase de separação dos pais, que já é um grande problema a ser engolido por um garoto dessa idade, que muitas vezes aparece inseguranças que acabam levando a qualquer lugar que eles vão, até na própria escola que motivou o bullying.

 

 

 

Hoje todos fazem terapias e vão para psicólogos, as vezes só para trocar idéias com pessoas mais experientes, todo tipo de pessoa procura um psicólogo, é o mundo moderno, antigamente era algo diferente, hoje fazer terapia é a coisa mais comum que existe, as vezes como uma forma para desabafar os problemas do cotidiano.[/quote']

Ah, eu confesso que me senti um pouco decepcionado com o desfecho. Não sei se um dia de suspensão vá surtir efeito. Não voltei a abordar o assunto para não causar desconforto.

Por outro lado, creio que a punição é mais psicológica. Um dia em casa com os pais sabendo que o filho ganhara uma suspensão pode ser interessante dependendo da forma como for tratado. Há um lado perverso, entretanto. Se o menino reproduz agressividade talvez seja uma liberação de "energia" por conta do que acontece em casa (indiferença dos pais, agressividade dos próprios pais, rebeldia do garoto) e, portanto, pode haver uma reversão do efeito. O troço é complicado.

Em todos os casos, no caso da vítima, acho fundamental a presença do psicólogo, muito embora eu discordo que o mundo ande tããão moderno assim. É claro que houve uma grande evolução a respeito (até porque os pais mais novos possuíram convivência com ideias mais modernas desde crianças) mas o preconceito ainda é muito grande, Angellus.

Felizmente, nesse caso, meu chefe mesmo frequenta um psiquiatra, então as coisas podem ser mais fáceis de acontecer.

 

Quanto ao Rike, uma opinião polêmica: sou amigo dele, o admiro demais, conheço o caso (e muitos do fórum também) e sou contra a exposição aqui dos eventos por ele vivenciados - inclusive esta superexposição não foi nada proveitosa para ele na época e duvido que será agora - ainda mais nos termos que o pessoal vem falando aqui. Ele não é uma "amostra para análise", os termos gerais já bastam enormemente para o âmbito do que está discutido aqui.

 

Link to comment
Share on other sites

Ah, eu confesso que me senti um pouco decepcionado com o desfecho. Não sei se um dia de suspensão vá surtir efeito. Não voltei a abordar o assunto para não causar desconforto.
...

[/quote']

Eu acho que 1 dia de suspensão é suficiente, pq a intenção é que os pais saibam sobre o comportamento do filho e tomem providências.

Se forem pais omissos, 1 dia, 2 dias ou 9473756645 dias de suspensão não farão diferença.

 

Sem falar que a suspensão é registrada e os pais tem que darem ciencia com a assinatura, o que consiste num documento que pode ser usado até junto o Conselho Tutelar, se a situação se repetir.

 

Ruimé que nem todas as escolas tomam medidas assim por achaem drásticas demais.
Link to comment
Share on other sites

 

 

Pelo menos já é um começo' date=' acho que para um garoto de 12 anos pode funcionar, os pais devem ter feito algum tipo de repreensão nele, tem que ver se a situação muda para o filho do seu chefe, talvez ele acabe permanecendo na mesma escola, vai ser opção dele, mas acredito que é primordial ele ir a um psicólogo, pelo fato dele não se abrir com seus pais e pelo fato que ele vêm vivendo uma fase de separação dos pais, que já é um grande problema a ser engolido por um garoto dessa idade, que muitas vezes aparece inseguranças que acabam levando a qualquer lugar que eles vão, até na própria escola que motivou o bullying.

 

 

 

Hoje todos fazem terapias e vão para psicólogos, as vezes só para trocar idéias com pessoas mais experientes, todo tipo de pessoa procura um psicólogo, é o mundo moderno, antigamente era algo diferente, hoje fazer terapia é a coisa mais comum que existe, as vezes como uma forma para desabafar os problemas do cotidiano.[/quote']<font face="Times New Roman, Times, serif" size="3">Ah, eu confesso que me senti um pouco decepcionado com o desfecho. Não sei se um dia de suspensão vá surtir efeito. Não voltei a abordar o assunto para não causar desconforto.Por outro lado, creio que a punição é mais psicológica. Um dia em casa com os pais sabendo que o filho ganhara uma suspensão pode ser interessante dependendo da forma como for tratado. Há um lado perverso, entretanto. Se o menino reproduz agressividade talvez seja uma liberação de "energia" por conta do que acontece em casa (indiferença dos pais, agressividade dos próprios pais, rebeldia do garoto) e, portanto, pode haver uma reversão do efeito. O troço é complicado.Em todos os casos, no caso da vítima, acho fundamental a presença do psicólogo, muito embora eu discordo que o mundo ande tããão moderno assim. É claro que houve uma grande evolução a respeito (até porque os pais mais novos possuíram convivência com ideias mais modernas desde crianças) mas o preconceito ainda é muito grande, Angellus.Felizmente, nesse caso, meu chefe mesmo frequenta um psiquiatra, então as coisas podem ser mais fáceis de acontecer.<font face="Times New Roman, Times, serif" size="3">Quanto ao Rike, uma opinião polêmica: sou amigo dele, o admiro demais, conheço o caso (e muitos do fórum também) e sou contra a exposição aqui dos eventos por ele vivenciados - inclusive esta superexposição não foi nada proveitosa para ele na época e duvido que será agora - ainda mais nos termos que o pessoal vem falando aqui. Ele não é uma "amostra para análise", os termos gerais já bastam enormemente para o âmbito do que está discutido aqui.

 

 

 

Realmente não se sabe como os pais podem reagir, tem alguns que não conseguem controlar seus filhos, porém falamos de uma criança de 12 anos, é mais fácil do que um com mais de 15.

 

 

 

Acho que tudo isso vai se solucionar fácil, pela idade deles e pelo fato do pai também frequentar psicologo, o que diz que não é tanto quanto você pensa, hoje é mais comum pessoas irem a psicologo, tem assuntos que as pessoas falam para um psicologo que geralmente não falam nem para familiares.

Link to comment
Share on other sites

  • 1 year later...

Adolescente se suicida após sofrer bullying virtual no Canadá

 

 

2595561-1025-rec.jpg

 

 

 

Uma adolescente foi encontrada enforcada, possivelmente após ter se suicidado, na quarta-feira, no Canadá, semanas após postar um vídeo na internet no qual mostrava os problemas causados por sofrer um tipo de bullying virtual. Segundo o Mirror os problemas de Amanda Todd, 15 anos, começaram após ela ter mostrado os seios em uma sala de bate-papo online.

A foto da menina com os seios à mostra circularam por toda a web. Com isso, a adolescente mudou-se de cidade e escola, mas os insultos continuaram por meio do Facebook.

No vídeo - de cerca de oito minutos - que a menina colocou na internet, ela se pergunta: "cada dia eu acho, por que eu ainda estou aqui?" e ainda afirma que se sente sozinha e presa.

A mãe de Amanda afirmou ao jornal The Sun Vancouver que a menina era uma pessoa muito carinhosa e que queria ajudar outras pessoas que sofriam bullying como ela.

 

 

Ah sei lá, viu? Tanto já se discutiu sobre Bullying e parece que anda muda...aff!

 

Aqui a garota em questão chegou até a mudar de escola, de cidade...

Sei lá o que mais poderia ser feito!

Link to comment
Share on other sites

Intervenção dos pais, alguém que cuidasse dela porque se obviamente ela coloca essas frases "cada dia eu acho, por que eu ainda estou aqui?"e ainda afirma que se sente sozinha e presa.

 

tirar ela do computador ou filtrar os contatos do Face, eliminar as amizades antigas

 

Alguns aprenderão a lição de ter contribuído com a morte da garota, mas sempre vai ter novos seres que irão humilhar e fazer bullying.

Link to comment
Share on other sites

Mas adolescência é dificil. É uma fase em que amizade dos pais não é relevante pq é como se eles tivessem mesmo que te amr por serem pais e tals, anda a ser conquistado aí, mas a dos amigos...aff! Ser popular nessa idade e quase tão vital qto comida.

 

Não acho que quem pratique bullying aprenda qquer coisa com o suicidado.

Eles acharão que era mesmo um fraco, um loser.

 

Talvez se programas de conscientização fossem feito nas escolas desde de muito cedo o problema fosse amenizado, talvez...

Link to comment
Share on other sites

Eu só acho curioso, por que, vamos falar a real né. O Tal do Bullying existe a eras.

 

E De repente, virou o motivo de todo e qualquer comportamento diferente dos adolescentes. Bem complicado isso. A geração de adolescentes de hoje, com a internet, apesar de não se relacionar mais tanto de maneira física com as pessoas (brincadeiras, esportes, praças etc) perdeu toda e qualquer privacidade com a internet.

 

Tudo é supervalorizado e estimado. Uma foto, um mico numa festa, uma encheção de saco, um erro de português, viraram algo importante tanto pro "zoado", quanto para quem "zoa", que se prende nisso.

 

Ninguém mais pode rir, ninguém mais pode se comportar como bem entende com medo da pegação no pé, mas ninguém faz nada objetivo pra melhorar isso. Continuam dependente de redes sociais e tuiteres, pra expressar opinião que não teriam coragem de falar em voz alta nem no espelho.

 

Tudo ficou sério demais, rápido demais.

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

×
×
  • Create New...