Jump to content
Forum Cinema em Cena

Jorge Furtado


Fran Pierri
 Share

Recommended Posts

Não encontrei um trópico sobre ele. É um dos meus diretores favoritos e Saneamento Básico me faz rir sempre que assisto, sem contar seu curta maravilhoso que me fez conhecê-lo, o Ilha das Flores.

 

Segue um breve histórico retirado da Wiki e logo abaixo o link para um curta muito interessante chamado Barbosa, sobre a copa de 50 no Brasil e o dia trágico para esse goleiro.

 

http://www.viddler.com/explore/elliott13/videos/4/

 

Jorge Furtado

 

 

 

 

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

 

 

 

 

 

 

 

 

Jorge Alberto Furtado (Porto Alegre, 9 de junho de 1959) é um cineasta brasileiro.

Índice

[esconder]

 

Biografia

De formação parcialmente autodidata, cursou medicina, psicologia, jornalismo e artes plásticas, sem concluir nenhum dos cursos. Começou a carreira profissional no início dos anos 1980, na TV Educativa/RS, onde foi repórter, apresentador, editor, roteirista e produtor. Em 1982 foi um dos criadores do programa semanal "Quizumba", que misturava ficção e documentário, com uma linguagem bastante ousada para a televisão pública da época.

De 1984 a 1986 foi diretor do Museu de Comunicação Social de Porto Alegre. No mesmo período, com José Pedro Goulart e Ana Luiza Azevedo, criou a empresa Luz Produções, com a qual realizou seus dois primeiros curtas e também produziu teatro. A partir de 1986 trabalhou com publicidade, tendo dirigido dezenas de comerciais para televisão até 1990.

Em 1987, foi um dos fundadores da Casa de Cinema de Porto Alegre, da qual é integrante até hoje. No período de vigência da Lei do Curta, alcançou grande sucesso de público e crítica com os filmes O dia em que Dorival encarou a guarda (1986), Barbosa (1988) e, principalmente, Ilha das Flores (1989), com os quais recebeu vários prêmios nacionais e internacionais, inclusive no Festival de Berlim.

A partir de 1990 passou a trabalhar como roteirista para a TV Globo, em geral associado ao núcleo de Guel Arraes, com o qual escreveu e eventualmente dirigiu várias minisséries e dezenas de especiais.

Em 2002 estreou como diretor de longa-metragens com Houve uma vez dois verões. Mas foi com o segundo longa, O homem que copiava, que chegou ao grande público (mais de 600 mil espectadores nos cinemas) e recebeu vários prêmios, inclusive o Grande Prêmio Cinema Brasil, para o melhor filme brasileiro de 2003.

Ministrou vários cursos de roteiro para cinema e televisão, em

parceria com seus colegas da Casa de Cinema (1989 e 1990) ou

individualmente, no Festival de Inverno de Ouro Preto (1993 e 1995), na Fundação Cultural Banco do Brasil (1997) e na Escuela Internacional de Cine y Television de San Antonio de los Baños, Cuba (1999).

Festivais de vários países já realizaram retrospectivas e homenagens à obra de Jorge Furtado: em Hamburgo (1994), Rotterdam (1995), São Paulo (1997), Santa Maria da Feira (1998), Goiânia (2002), Toulouse (2004), Paris (2005), Londres (2006) e Bruxelas (2006). Em março de 2008, o Harvard Film Archive, ligado à Universidade de Harvard, promoveu a mostra "Jorge Furtado's Porto Alegre", com a exibição de 2 longas e 7 curtas.

Tem três filhos: Pedro, Julia e Alice.

Filmografia

Como diretor e roteirista

Apenas como roteirista

Principais premiações

  • 2003: Grande Prêmio Cinema Brasil de melhor diretor e de melhor roteiro original, por O homem que copiava.
  • 2003: Prêmio de melhor roteiro no Festival Internacional de Miami, por O homem que copiava.
  • 2003: Prêmio da Crítica no Festival Internacional de Punta del Este, por O homem que copiava.
  • 2002: Grande Prêmio Cinema Brasil de melhor roteiro original, por Houve uma vez dois verões.
  • 2002: Prêmio de melhor filme - crítica no Cine Ceará, por Houve uma vez dois verões.
  • 2002: Prêmio de melhor diretor no Cine Ceará, por Houve uma vez dois verões.
  • 2002: Prêmio de Melhor filme no Festival de Cinema Brasileiro de Paris, por Houve uma vez dois verões.
  • 2000: Indicação ao Grande Prêmio Cinema Brasil de Melhor Curta-metragem, por O Sanduíche.
  • 1995: Prêmio do Público no Festival de Gramado, por Felicidade é….
  • 1995: Kikito de melhor filme brasileiro no Festival de Gramado, por Felicidade é….
  • 1989: Urso de Prata de melhor curta-metragem no Festival de Berlim, por Ilha das Flores (1989).
  • 1988: Melhor curta-metragem no Festival de Havana, por Barbosa
  • 1986: Melhor curta-metragem nos festivais de Gramado, Havana e Huelva, por O dia em que Dorival encarou a guarda.

Livros publicados

 

 

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...