Jump to content
Forum Cinema em Cena

O Que Você Anda Vendo e Comentando?


Tensor
 Share

Recommended Posts

Confiar: bem interessante pela execução, embora não seja nada de muito surpreendente. O interessante é encerrar a parte da sedução logo no primeiro ato. O drama familiar tem bons momentos e outros meio chatinhos, do tipo que parece que já vem pronto e o diretor insere no meio do filme. No geral, entretanto, é um trabalho bem digno do Ross Geller na direção.

Link to comment
Share on other sites

 

 

 

 

 

 

 

 

Margin Call - Um Dia Antes do Fim (2011) - 2/5

 

Uma grande decepção. O filme não é só medíocre, é

realmente ruim. Todos os personagens parecem ter nascido de clichês. Tem

o chefe que está preocupado com a saúde de sua cachorra enquanto demite

mais da metade do escritório, em um ridícula e apelativa tentativa de

dizer "ei, esse é um cara mau". E, depois, na verdade ele é o "cara

bom", o que deve deixar todo mundo um tanto confuso. Tem o chefe

ambicioso e mais jovem, que, por sua inexperiência e ganância, parece ser quem leva

a firma toda (e, sim, a economia dos EUA também) pro buraco. E tem (o

ápice) o poderoso chefão, que é burro, mas tem dinheiro e por isso

comanda tudo. E não, eu não deduzi isso pelo seu comportamento. O cara

simplesmente chega em uma reunião e diz: "Eu não sei merda nenhuma, mas

mando nessa porra". Ok, talvez não com essas palavras, mas algo próximo

disso.

 

Aliás, a repetição excessiva é um dos grandes problemas. Será que é preciso que três personagens digam que não entendem nada de seu próprio trabalho pra descobrirmos que eles não deveriam estar na posição que ocupam? Ou então que mais de uma pessoa diga que o trabalho deles não produz nada, e então que um personagem tenha largado a engenharia de espaçonaves pra trabalhar sem produzir nada, e que ainda um engenheiro fale sobre a ponte que gostaria de construir (citando números estranhamente complicados, o que me fez pensar que inventou a história toda) pra que as pessoas entendam que eles não produzem nada de bom? O grande problema é que o roteiro preguiçoso não soube explicar nada

através de sutilezas ou gestos ou acontecimentos, e por isso

absolutamente tudo teve que ser dito, o que o torna entediante e sem

importância.

 

E, ainda pior que isso tudo, depois que o filme trata de seus

personagens de forma tão linear e mostra o quanto são maus e

insensíveis, tem a pachorra de chegar e dizer "a culpa é da sociedade

capitalista". Tudo bem que eu posso concordar com essa ideia, mas não da

forma como é mostrada. E o último som que se ouve na sala é o de uma pá

cavando, fazendo uma analogia barata, praticamente gritando que está tudo

indo pro buraco.

 

Só pra citar uma coisa boa: a grande maioria dos

atores está bem, mas longe de salvar essa bomba de mediocridade.

 

Momento Rubens Ewald: Aquele cara que fez o Spock é muito estranho. A

sobrancelha dele também.

 

 

 

 

 

 

leomaran2011-12-12 23:17:43

Link to comment
Share on other sites

O Palhaço
Simpático e sensível drama familiar-circense com jeitão de road-movie tupiniquim, q nada mais é uma merecida homenagem à velha guarda da comédia nacional. O enredo gira em torno da crise existencial do titulo do filme, interpretado com responsa pelo Selton Mello, e sua busca de identidade dentro da trupe mambembe itinerante q integra. Paulo José tb não faz feio como o pai do dito cujo, q torce pro velho ditado “filho de peixinho..” se concretizar de fato. O filme lembra um pouco aqueles dos Trapalhões , se estes fossem feitos com mais lirismo, intimismo e algo de poesia. Fora a dupla principal, atente pras deliciosas (e oportunas) pontas de muita gente das antigas, como o Zé Bunitinho, Ferrugem, Tonico Pereira, e mtos outros, com destaque principal ao Moacir Franco, impagável como o delegado Justo. 9,5/10


Pôster%20de%20O%20Palhaço,%20novo%20filme%20de%20Selton%20Mello

 

 

Dawson Ilha 10
Interessante drama político (co-producao chilena-venezuelana-brasileira) q trata da saga dos prisioneiros de um campo de concentração reservado à alta cúpula do governo deposto do Allende, durante o golpe militar de 73. Espécie de “Alcatraz” ou “A Rocha” p/ politicos, a tal ilha Dawson ficava nos cafundós da patagônia, e seus “hóspedes” alem de perderem a identidade (eram chamados por números) sofriam constantemente tortura psicológica afim de serem “reeducados” pelo novo governo. Mas isto não é novidade em dramas prisionais, pois o diferencial desta produção é q evita o maniqueísmo militar vigente (q costuma pintar de capeta os milicos), pois aqui há aqueles q se solidarizam aos detentos com pequernos gestos de bondade. O tom documental, a fotografia cinza e fria aliada á interpretações sinceras faz da película merecedora de uma visita 9/10

 

dawsonilha10_1.jpg

Jorge Soto2011-12-13 06:57:30
Link to comment
Share on other sites

 

 

HOMEM DE FERRO 2 - Uma máquina de entreter mais bem azeitada do que a incensada predecessora: fotografia mais elaborada, edição mais potente, elenco secundário mais interessante (Mickey Rourke! Scarlet Johansson!), atores (e diretor) herdados mais à vontade nos respectivos papéis, mais desenvolvimento de histórias de fundo (o depoimento num Comitê do Congresso, os vídeos com Howard Stark). B+

 

KUNG FU PANDA - Contém boa parte dos ingredientes que fazem uma animação valer a pena, como design visual elaborado, senso de humor afiado, ação espetacular, personagens carismáticos, mensagem construtiva (no caso, "acredite em si mesmo"). A dublagem de Dustin Hoffman torna o Mestre Shifu a figura mais completa do filme, consistindo no melhor trabalho do ator desde Mera Coincidência. B+

 

 

 

Cremildo2011-12-13 12:48:39

Link to comment
Share on other sites

Estou vendo todos os filmes do James Bond' date=' na sequência que foram sendo lançados. Ainda estou na fase do Sean Connery, mas estou gostando bastante. Até agora o filme que mais curti foi Goldfinger, que filmaço. Espero gostar também dos outros atores na pele do 007 e que venha Skyfall, esse filme promete![/quote']

De todos os James Bond só não curtia Roger Moore... aff!
Link to comment
Share on other sites

Bruna Surfistinha: surpreendente. Apesar de não ser uma estória particularmente inovadora, o clima de realismo que surge através da filmagem e, especialmente, da atuação da Secco é quase inacreditável de tão interessante. Em um ou outro momento, dá uma derrapada - e tem umas cenas que, de tão manjadas, não dá pra crer que aconteceram mesmo - mas isso não estraga a experiência. Aprovadíssimo.

Link to comment
Share on other sites

O Corte
Comédia de humor negro das boas, daquelas q são pra cutucar na ferida mesmo, no caso, do capitalismo, ganância corporativa e do desemprego. Executivo dedicado se vê subitamente no olho da rua e decide literalmente eliminar a concorrência, isto é, os possíveis candidatos a sua vaga noutra empresa. Nisso, se transforma num desajeitado serial-killer e suas incursões criminosas rendem os melhores momentos da película. Um filme atual onde fatalmente td mundo irá se identificar com este cara, q vai às ultimas conseqüências pelo simples fato de estar numa situação limite. Roteiro bacana sem nenhum maniqueísmo é o trunfo desta produção simplória, porém atual (e globalizada). Junte o José Garcia despontando no papel principal e tem um ótimo filme q te prende do inicio ao fim, apesar da longa e excessiva duração desta produção franco-belga. Quem ja levou pé na bunda no trampo fatalmente sabe od esespero q dá nesas horas. 9/10

 

o+corte+costa+gravas.jpg
Jorge Soto2011-12-14 08:42:37
Link to comment
Share on other sites

A FAMÍLIA SAVAGE - Irmãos negligenciados a vida inteira pelo pai precisam cuidar dele quando este tem um agravamento do seu quadro de demência. Eles precisarão colocar suas vidas profissionais em pausa, lidar com o ressentimento familiar, contornar as rusgas pessoais entre si, enfim, preparar-se para o inevitável. Tamara Jenkins encontra espaço para inserir aquele humor 'sarcástico-espirituoso' típico de dramédias independentes, mas no fundo seu filme é, do início ao fim, marcado pelos efeitos do ocaso da vida, das dificuldades da velhice e pela onipresença da morte. Valroso veículo para o talento de Laura Linney como protagonista. B

 

 

Link to comment
Share on other sites

O Nevoeiro (2007) - 5/5

 

Um dos filmes

mais maus e impiedosos que eu já vi. Aliás, leva às últimas

consequências o conto do Stephen King, que é o melhor dele que li até

agora. O filme acaba se mostrando ainda melhor. Nenhuma surpresa que

tenha sido dirigido pelo mesmo cara de The Walking Dead e A Espera de um

Milagre. O mais interessante é que, não importando o quanto as criaturas sejam assustadoras, os personagens humanos acabam sendo os principais responsáveis por todo o horror do longa.

 

 

Link to comment
Share on other sites

O Nevoeiro (2007) - 5/5

 

Um dos filmes mais maus e impiedosos que eu já vi. Aliás, leva às últimas consequências o conto do Stephen King, que é o melhor dele que li até agora. O filme acaba se mostrando ainda melhor. Nenhuma surpresa que tenha sido dirigido pelo mesmo cara de The Walking Dead e A Espera de um Milagre. O mais interessante é que, não importando o quanto as criaturas sejam assustadoras, os personagens humanos acabam sendo os principais responsáveis por todo o horror do longa.

Esse não funcionou comigo, mas confesso que tenho que reve-lo.
Link to comment
Share on other sites

O Nevoeiro (2007) - 5/5

 

 

 

Um dos filmes mais maus e impiedosos que eu já vi. Aliás' date=' leva às últimas consequências o conto do Stephen King, que é o melhor dele que li até agora. O filme acaba se mostrando ainda melhor. Nenhuma surpresa que tenha sido dirigido pelo mesmo cara de The Walking Dead e A Espera de um Milagre. O mais interessante é que, não importando o quanto as criaturas sejam assustadoras, os personagens humanos acabam sendo os principais responsáveis por todo o horror do longa. [/quote']

 

 

 

Marcia Gay Harden está assombrosa. Um filme que eu achei subestimado à época do lançamento - acabei alugando-o por acaso e tornou-se um dos meus favoritos; já nem me recordo de que ano foi. Aos poucos tornou-se mais cultuado, ainda mais depois da paixão geral por The Walking Dead.

 

 

 

Só um comentario adicional, para você que gosta de escrever - e o faz costumeiramente tão bem. O Scofield terá a resposta precisa, mas eu creio que "mais mau" não é correto ortograficamente não - pelo menos soa mal aos ouvidos, rs. O ideal seria "mais malvados", não?

Link to comment
Share on other sites

 

 

Só um comentario adicional' date=' para você que gosta de escrever - e o faz costumeiramente tão bem. O Scofield terá a resposta precisa, mas eu creio que "mais mau" não é correto ortograficamente não - pelo menos soa mal aos ouvidos, rs. O ideal seria "mais malvados", não?[/quote']

 

Na verdade, também não sei se está errado, mas com certeza soa bem feio. É que se eu tivesse dito "mais malvado" ia pensar no vilão bonitinho de algum desenho da Disney. Fico com "mais maldoso" então 06

 

Em relação ao filme: É interessante, porque eu li o conto há algum tempo atrás, mais ou menos uns dois anos antes de o filme ser lançado. E já então eu tinha lido em algum lugar gente dizendo que era uma das obras mais cinematográficas do King e que precisava ser filmada. Aí eu lembro que vi o nome do filme, quando ele saiu, fui atrás e descobri que era a adaptação do conto, do qual eu tinha gostado bastante. E daí... puf, ninguém falou do filme, ele ficou esquecido e eu também acabei esquecendo. Só lembrei de assistir agora por causa dos comentários aqui no fórum sobre a atuação da Marcia Gay Harden (que está mesmo fantástica, tive vontade de esganá-la diversas vezes).

 

leomaran2011-12-15 00:27:20

Link to comment
Share on other sites

 

O Nevoeiro (2007) - 5/5

 

O mais interessante é que' date=' não importando o quanto as criaturas sejam assustadoras, os personagens humanos acabam sendo os principais responsáveis por todo o horror do longa.

 

[/quote']

 

 

 

Um filme chocante.

 

Volte às telonas, Darabont!

 

Link to comment
Share on other sites

Cold Weather
Produção indie bacaninha q se propõe um filme investigativo light (e quase “noir”) porém em tom documental e de baixíssimo orçamento. Nerd viciado em Sherlock Holmes e CSI , formado em criminalistica e ciências forenses (mas q trampa num entediante subemprego), vê sua oportunidade de colocar seus conhecimentos em prática ao investigar o desaparecimento da ex-namorada (numa convenção de Star Trek !). O bacana é o processo lúdico e ingênuo q move td filme, além do “modus operandi” do protagonista metido a detetive. O elenco desconhecido tem o carisma e talento necessários pra se apegar á esta trama simplória. O humor tb funciona mto bem qdo necessário, principalmente nas pontas em q aparece o amigo do personagem principal, espécie de Watson latino. Contudo, esta película fófis peca pelo ritmo arrastado, e seu súbito e imprevisível final, q deixa mais perguntas q respostas. Mas ate ai já nos entreteve em presenciar em como um pequeno “mistério” pode mudar a medíocre rotina das pessoas. Conan Doyle estilo minimalista é isso ai. 9/10

 

cold-weather-poster.jpg
Link to comment
Share on other sites

O Nevoeiro (2007) - 5/5

Um dos filmes mais maus e impiedosos que eu já vi. Aliás' date=' leva às últimas consequências o conto do Stephen King, que é o melhor dele que li até agora. O filme acaba se mostrando ainda melhor. Nenhuma surpresa que tenha sido dirigido pelo mesmo cara de The Walking Dead e A Espera de um Milagre. O mais interessante é que, não importando o quanto as criaturas sejam assustadoras, os personagens humanos acabam sendo os principais responsáveis por todo o horror do longa. [/quote']

Marcia Gay Harden está assombrosa. Um filme que eu achei subestimado à época do lançamento - acabei alugando-o por acaso e tornou-se um dos meus favoritos; já nem me recordo de que ano foi. Aos poucos tornou-se mais cultuado, ainda mais depois da paixão geral por The Walking Dead.

Só um comentario adicional, para você que gosta de escrever - e o faz costumeiramente tão bem. O Scofield terá a resposta precisa, mas eu creio que "mais mau" não é correto ortograficamente não - pelo menos soa mal aos ouvidos, rs. O ideal seria "mais malvados", não?

 

entao ces devem assistir Red State 16 pois no fundo trata (quase) do mesmo assunto..e a oscarizada Melissa Leo ta quase pau a pau com a Marcia Gay Hardem num papel bem similar..

 

red-state-poster-AU.jpg
Link to comment
Share on other sites

 

Isto Não é um Filme (2011) - 3/5

 

Documentário filmado contra determinação do Irã. O diretor havia sido proibir de gravar qualquer filme durante 20 anos. Então, decidiu pegar uma câmera e gravar um documentário dentro da sua casa e falar, basicamente, sobre nada. Então, ele discursa sobre os filmes que fez antigamente, trava conhecimento com vizinhos, brinca com seu lagarto de estimação, etc. O filme, obviamente, é bastante irregular, já que é um trabalho contínuo, cuja maior parte é gravada em um único dia, sem nenhum planejamento. Às vezes, chega a ser extremamente sonolento. Em outras, é interessante, por mostrar o estado arbitrário em que se encontra o país e o desalento do ex-cineasta, que não enxerga nenhuma esperança no horizonte. O final consegue ser surpreendentemente bom, valendo-se de um personagem encontrado ao acaso no prédio onde o documentarista mora e de um apocalíptico contato visual com o mundo exterior.

 

 

 

leomaran2011-12-15 23:22:37

Link to comment
Share on other sites

 

 

Um filme chocante.

 

Volte às telonas' date=' Darabont!

[/quote']

 

06  Ele deve estar esperando o King permitir a filmagem de algum outro dos seus livros. O único filme que ele dirigiu pra telona que não era baseado em uma obra do cara foi Cine Majestic. Que, diga-se de passagem, não foi lá muito bem recebido pela crítica.

 

Link to comment
Share on other sites

Este filme já existe em DVD no Brasil, Soto?

 

 

 

Capitão América: O Primeiro Vingador - Dir.: Joe Johnston

 

 

 

O começo é bem fraco e, apesar de não poder culpar os filmes pelas origens dos super-heróis, estou começando a me cansar de tudo ser culpa de nazista na II Guerra (é a típica crítica fácil). O filme alterna momentos de muito palavreado com outros de total aleatoridade, e suas cenas de ação têm pouco efeito.

 

 

 

Mesmo com todos estes defeitos, gostei da ambientação - fotografia sépia ressaltando as cenas fechadas, dando uma áurea de tempos pré-modernos -, de como o romance é criado (ainda que atriz que faz o par com o Capitão seja feia e fraca) e do próprio personagem Capitão América contextualizado às necessidades norte-americanas durante a Guerra.

 

 

 

Agora, aguardo por "Os Vingadores".

Link to comment
Share on other sites

Midnight Clear 

Odeio filmes natalinos pq são sempre um porre em sua pretensiosa missão de “catequizar” as pessoas. Este aqui ao menos tem o diferencial “indie” q o torna mais palatável q seus similares blockbusters, mas ainda assim não justifica a penca de prêmios q faturou. O roteiro trata da historia vivenciada por cinco estranhos (tds no fundo do poço) cujas vidas tristes e melancólicas se entrecruzam na noite q deveria ser a mais “feliz” do ano. Imagine o Inharratu filmando um conto natalino. Pronto, é isso! Do quinteto de perdedores (tds clichezados até o sabugo da unha), vale destacar a interpretação acima da média do boçal e balofo Stephen Baldwin, como o pai-desempregado-pé-de-cana-q-perde-a-familia. Enfim, é apenas mas um filme simpático q cairia melhor numa “Sessão da Tarde” do dia 25, ao lado de “A Rena do Nariz Vermelho” . 7,5/10

 

 

Um%20Brilho%20Na%20Escuridão%20–%20AVI%20Dual%20Áudio

Jorge Soto2011-12-16 07:33:29
Link to comment
Share on other sites

 

O único filme que ele dirigiu pra telona que não era baseado em uma obra do cara foi Cine Majestic

 

Pra mim é o único filme meia-boca (mas não ruim) do Dara.

 

------------------------------------------------------------------------

 

FÚRIA DE TITÃS - Seria incoerente defenestrar este filme por ser um produto, um enlatado de estúdio dirigido por um operário-padrão e para o qual foi dada a luz verde apenas por ser um promissor pontapé inicial para uma franquia potencialmente lucrativa. Outros caça-níqueis assemelhados conseguiram superar as limitações das suas origens, tornando-se entretenimentos competentes (vide Homem de Ferro 2, Thor, Transformers). Há um fundamento apropriado para criticá-lo, qual seja, a qualidade pedestre, anêmica, genérica do "cinema" que Louis Leterrier exercita aqui, com um avançar narrativo tão básico que beira as raias do infantil, além dos enquadramentos, do arranjo de elementos em cena e do design visual pobres. Levando isso em conta, sobram o elenco respeitável (destaque para Ralph Fiennes, Gemma Arterton e Mads Mikkelsen) e as tomadas dominadas por CGI - as únicas que parecem ter sido desenvolvidas com zelo. B- 

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

Pra mim é o único filme meia-boca (mas não ruim) do Dara.

 

Esse eu realmente precisava rever, porque assisti na época que lançou, quando eu tinha uns 10 ou 11 anos. Lembro de ter gostado do filme, apesar de não ter nenhuma memória realmente especial em relação a ele. Como não estava muito acostumado a ver o Carrey desacompanhado das usuais caretas, foi a performance dele que mais me chamou a atenção.

 

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

×
×
  • Create New...