Jump to content
Forum Cinema em Cena
Big One

The Dark Knight Rises (#2)

O Bane vai quebrar a coluna do Batman?  

45 members have voted

  1. 1. O Bane vai quebrar a coluna do Batman?

    • Sim
      20
    • Não
      25


Recommended Posts

Assisti o filme ontem que e realmente muito bom mesmo e tem muitas qualidades mas também não esconde os seus defeitos, que infelizmente prejudica se compararmos como o TDK e não vou citar nem o Coringa que foi o grande vilão da trilogia e nem sequer foi citado. por mais que Nolan não quis desrespeitar a memória do Ledger e impossível você ver os resultado amargo que Wayne e Gordon sofreram e ninguém falar oque aconteceu com o Coringa (que supostamente esta no Arkhan) e nem o próprio Bane em utiliza-lo em seu plano , mas conhecendo a instabilidade e inteligência do Coringa ele voltaria atras. Acho que simples fato de menciona-lo ia ser bem coerente com a trama e ia agradar a todos (os fãs)

 

Bane a meu ver o segundo melhor vilão da trilogia, tem um presença grande e assustadora e jeito peculiar de falar com as pessoas sempre com um tom de deboche e irônico a tudo que representa ordem,esperança e vida. Tom Hardy faz milagre com aquela máscara que cobre 50% do seu rosto e sim o seu confronto com o Batman e brutal,cruel e seco e traz o grande momento da queda do morcego nas hqs o cara mandou bem e muito injusto compara-lo com Coringa. Mas acho que ele poderia ter um embate mas duradouro com Batman no fim do filme, e uma pena achei pífio o final dele na historia tira bem a importância dele na conclusão da saga.

 

A grande revelação e Anne Hathaway e sua Mulher Gato um mulher movida pela ambição e acima de tudo uma ladra compulsiva que vive se arriscando com o seus golpes e se formos analisar o 2 personagem (alem de Bane) que move a trama muito bem ela que desperta a atenção do Wayne que ate antes estava isolado de todos e traz aquela boa cena no bar com os policiais e os bandidos e enfim revela em parte os planos dos vilões. a presença da Selina Kyle acaba se tornando vital já que ela ajuda tanto os bandidos quanto o herói com quase com uma certa esquizofrenia já que odeia os ricos e poderosos mas se ressente quando ver a crueldade do plano do Bane. ainda acho o designer do uniforme foi bem modesto e tirou um pouco ar sexy da personagem mas ela tá ótima em cena especialmente com Batman.

O policial John Blake que puxa a responsabilidade para si no início da confusão e ganha a confiança do Comissario Gordon e de certa forma reata a união da dupla desfeita ao ter um papo sincero com o Wayne (debitado) sobre dor,vingança e justiça. confesso que ainda achei muito forçado a dedução de Blake mas que no fundo faz sentido. ele que acende a esperança no coração dos 2 homens destruídos pela mentira da Lei Dent e prova inúmeras vezes coragem e uma dedução brilhante. Pra mim este e o personagem a mais bela homenagem que Nolan prestou aos fãs do Batman no seu universo realista. valeu Nolan.

 

Mais uma vez os codjuvantes de luxo brilham neste épico Gary Oldman (Gordon) que mesmo ferido e sem esquema tático policial tenta manter Gotham segura e tenta unir os seus homens, Morgam Freeman (Fox) que tenta manter dura penas a empresas Wayne e ainda constrói a nave morcego e claro Michael Caine (Alfred) que tem o momento mais belo e triste a tentar dissuadir Bruce da sua jornada mundana de limpar Gotham a emoção do dois atores fica clara.

 

Mais sem duvida o grande personagem e Bruce Wayne a qual Christian Bale o faz brilhantemente, pois e visivel ver o sofrimento e apatia de Wayne que vira uma sombra do grande heroi que foi que se tornou um homem abatido e deficiente e mais uma vez trilha o seu caminho de volta e nos faz acreditar a que pode vestir o manto morcego e lutar novamente. Nolan disse que se inspirou em Poderoso Chefão este aventura do Batman tem todos os elementos trágicos do melancólico Poderoso Chefão 3 traz uma realidade amarga a Wayne que sofre muito e agora busca redenção e tentar ajudar Gotham da opressão e terror criados por Bane.

 

O filme e muito bom e vai trazer um debate difícil nos fãs para saber qual e o melhor dos 3 Begins, TDK ou TDKR mas em especial este filme fala mais sobre Batman e Wayne mais do que foram os seus antecessores e traz boas surpresas ao fãs com presença de ótimos e novos personagem. E obrigatório para os fãs do Batman assistirem pois o final e muito bonito e antológico.

 

Pontos Negativos:

1-Infelizmente o Batman aparece pouco e isto e sentido entra a primeira aparição e o 3 ato do filme. mas nada que incomoda demais

2- A exaltação que todos fazem e falam de Ra's Al Ghul no filme e esquecem de falar do Coringa e sua atual situação.

3-O relacionamento de Miranda Tate e Wayne começa do nada, poderia ter ocorrido nos nestes últimos anos de sua exclusão

4- O 3 ato do filme onde praticamente ocorre varias subtramas ao mesmo tempo e tira o impacto de uma revelação.

5-O desfecho dos vilões, já que em Begins e TDK praticamente o Batman defende o seu ponto de vista com os vilões isto não ocorre aqui.

6-Não vemos a reação do povo de Gotham e oque eles acham de Bane já que este se diz homem do povo (acho que devido a corte na metragem)

7- Achei que faltou um pouco de humor ao filme apesar de Alfred e Mulher Gato trazerem em seus personagens.

8- Aguem pode me dizer se o (spoiler: prefeito ) morreu ? pois ninguém fala disto na segunda do filme e ficou muito estranho a sua ausência no longa.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Visto.

 

Nem sei dizer se considero melhor ou não que o TDK ou até mesmo que o BB, porque o filme repete maneirismo do Nolan a rodo, como os outros dois filmes, maneirismos esse que não sou fã, mas também não sou um hater, porque é aquilo lá: umas coisas dele funcionam, outras não. Enfim. Então, só posso dizer que não achei nem melhor e nem pior, achei igual.

 

Ponto Negativo: Bane

 

Pra mim, acho que uns 60% (ou até mais que isso) das história do Batman, são os vilões. E o Batman é conhecido por ter um rol enorme de vilões interessantes e bem estruturados, então difícil entender como o Nolan tentou promover pra vilão principal esse sub-sub-vilão das HQs de Batman: Bane (nem sei se nas HQs ele é subvilão, mas nos filmes, é). O personagem simplesmente não funciona por diversos fatores:

 

01) Como o REF falou: O principal dele seria o olhar, já que tem uma máscara tampando 80% do rosto dele. E o ator escolhido não conseguiu desenvolver isso bem.

 

02) O cara veio substituir o Coringa, e aí comparação direta não dá nem pro cheiro. Coringa sempre vai ser o "master vilain" e Bane "sub-sub-sub-vilain", um capacho de outro vilão (de novo, diga-se), que aqui tentaram empurrá-lo como vilão principal. (Pior ainda imaginar que se o Ledger não tivesse morrido, ele estaria aqui sendo o Coringa fazendo basicamente a mesma coisa que o Bane, se associando com A Liga das Sombras pra causar terror na cidade e etc, só que de maneira bem mais magistral do que essa emenda pobre que o Nolan tentou colocar aqui). Nos filmes do Burton, ele substituiu o Coringa do Nicholson pela Mulher Gato da Pfeifer e o Pinguim do DeVito. Aqui o Coringa do Ledger é substituído por esse Bane do "quem é? Não sei ainda que é, não vi a cara dele.". Complicado...

 

 

 

 

03) Pra quem tem um ligeiro conhecimento sobre o universo Batman sabe que o Ras Al Ghul tem uma filha e não filho, então pelo menos pra mim, quando a Marion Cotillard aparece no filme na primeira vez, já dá para saber que ela era a vilã ali, querendo vingar a morte do pai. O Nolan se esforça pra esconder isso, mas é meio óbvio demais. Ele quis repetir o esquema do BB quando o personagem do Liam Neeson morre, mas depois reaparece no fim assumindo a vilania. Mas no BB isso até funciona. Aqui não. Seria bem melhor se logo de cara o Nolan entregasse pro público que ela era a vilã principal, e a atriz, assim, fazer o jogo duplo durante o filme e aparecer mais (ela é uma ótima atriz, saberia fazer isso magistralmente), assim o Bane não teria esse peso de ser vilão principal, que ele não consegue carregar. Funcionaria bem melhor.

 

 

 

 

Ponto Positivo: Blake

 

 

 

 

Um dos motivo de choro de fazóide é que "o Robin não funciona" e mimimimimimimimi, e "ele nunca funcionaria nos filmes do Nolan!" e mimimimimi. Pois é, o Nolan da uma cusparada na cara dos fazóides que falaram isso, e coloca o Robin no filme, e sim, ele funciona magistralmente. Aqui Nolan assume que o personagem, é sim importante no universo Batman.

 

Robin não funciona quando se coloca ele como casal com Batman, como acontece na série antiga e no Batman & Robin (já no Batman Eternamente, considero que o Joel Schumacher colocou bem o personagem e ali ele funciona também), mas ele tem importância sim, porque é alguém que vai continuar o legado do cara, coisa que o Nolan pois muito bem aqui.

 

Claro que ele usou a manobra de não assumir a identidade do cara, porque aí os fazóides nem iam ver o resto do filme quando ele aparecesse pra postar na internet "o filme não presta porque tem o Robin e fim!". Então, no caso, até achei certo isso: tentar fazer o público gostar do personagem pra depois mostrar quem ele é. Apesar de achar que seria melhor, se ele desde o começo já tivesse colocado a identidade do cara ali pra todo mundo ver do que se trata. Mas enfim, do jeito que rolou tá bom.

 

E sim, eu gosto do Robin (mas quando ele é bem usado - como aqui e no Batman Eternamente, por exemplo), e sim acho ele importante no universo Batman.

 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

8- Aguem pode me dizer se o (spoiler: prefeito ) morreu ? pois ninguém fala disto na segunda do filme e ficou muito estranho a sua ausência no longa.

 

Ele morreu lá. Mostrou que a explosão principal foi bem no lugar onde ele tava.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mostrou o lugar em seguida, mas a mise en scène do Nolan é tão fraquinha que você não sente o efeito da cena como deveria. Você apenas junta na sua cabeça que tal pessoa estava naquele lugar e que ela morreu. Nolan também não é nenhum mestre na montagem. Apesar da longa (e inustificável) duração alguns momentos importantes parecem muito corridos; não temos tempo de assimilar tudo. Culpa também dos cortes rápidos de Lee Smith e dos chefões da Warner, que deveriam ter imposto uma duração máxima de 155 minutos ao filme, estourando (e contando com os créditos finais). Abro espaço ainda para reclamar de alguns enquadramentos do diretor, que desperdiçam o potencial de diversas cenas de forma irritantemente amadora. O uso excessivo de foco no primeiro plano em diversos momentos tira a epicidade de algumas cenas que Nolan gostaria de tornar grandiosas, mas que soam como tentativas frustradas; alguém que tem Orson Welles como influência não deveria fazer esse tipo de coisa.

 

Ah, em tempo: o hino dos EUA e alguns closes na bandeira foram ridículos. Nolan não é americano, mas se porta como um republicano middle-class. Se for pra mostrar a patriotada, que seja como fez Spielberg em O Resgate do Soldado Ryan, que abre e fecha o filme com a bandeira americana, mas a sensação que temos nessas duas situações ao ver a bandeira são distintas (pura e aparente patriotice no primeiro instante, e um tom amargo e reflexivo no final; pelo menos ao meu ver).

Share this post


Link to post
Share on other sites

Zona de Spoilers!!! Fuja com os olhos ou será contaminado.

 

Vou bancar um de arrogante agora já que egos não se inibem ao comentarem muitas vezes sobre cinema. Seria justo no mínimo igualar a parada.

Em minha suprema opinião, que obviamente é a que mais conta para mim acima de tudo na criação. O Plutão sempre tem razão. Hehehehe! :D

 

Acabei de ver e achei até melhor que Begins. Mas claro quer era bem difícil superar o último. Eu diria quase impossível.

 

É sempre assim na trilogia. Um filme sobrecarrega o outro e é inevitável. Por isto não é bom uma série muito longa de filmes, pois desgasta mesmo. Contudo é mais um ótimo filme.

 

Esqueçam do Coringa aqui é outra época e passou anos. Sabe lá o que aconteceu neste intervalo? E Falcone por exemplo? E não tem como superar alguns vilões ainda mais depois que o Coringa do Ledger foi o melhor até hoje de todos os filmes do Batman e não só do Batman. Óbvio que o Bane não iria superar um dos maiores vilões do cinema. Todavia sua presença era de um personagem forte e não só fisicamente para mim às vezes eu até me lembrava do Darth Vader. Ainda mais com a “máscara”, o som assustador e o jeito intimidador. Não acho que isto prejudique o filme se baseando em outro vilão icônico. Até por que os métodos para mim foram diferentes aplicados aqui para mim o Nolan mandou bem. Convenceu-me do poder e astucia do Bane (Tom Hardy). Se bem que não é só ele, mas funcionou muito bem a “teatralidade”.

 

E a mulher gato é fantástica em vários sentidos. Embora ainda prefira a Michelle Pfeiffer, que é mais insana e sexy. A Mulher Gato da Anny Hathaway não faz feio aqui é a melhor “vilã” do filme. Muito embora aqui ela seja muito mais ladra e oportunista que exatamente uma “vilã”.

 

E o Batman (Christian Bale) aqui brilhou e foi muito mais humanizado do que em toda a trilogia. Por mim isto valeu muito mais e encerrou de forma merecida e foi melhor que ter um supremo vilão “motherfucker”. Aqui eu de fato senti a importância do símbolo e a lenda do herói. Enfim isto é um dos pontos mais sólidos e melhores deste longa.

Teve outros personagens importantes. Contudo, a participação deles não são tão memoráveis, pois foi ofuscado pelos ai citados. Pra mim até agora estes foram os pilares fundamentais deste novo filme.

 

E algumas poucas coisas negativas que não me desceram:

 

Como que um bando de policiais treinados vão fazer briga de rua com caras armados. Muitos morreram só na corridinha com peito aberto em direção de caras armados até os dentes. Até me lembrou da guerra de mosquetes do século XVIII. E outra a “aero dinâmica” ou falta dela é horrível mesmo e irreal. Não me convenceu mesmo. Foi muito ruim aquele veículo eu até acreditei no Tumbler e Batmoto, mas neste veículo. Requer muita suspensão de crença na gravidade. Parece uma bigorna voadora, besouro algo abrutalhado voando como nenhuma outra aeronave. O tumbler pode se acreditar, pois remete ao tanque de guerra, a moto lembra obviamente uma moto. Mas e aeronave? Até se fosse no futuro não dava para acreditar. Até os veículos futuristas tem aerodinâmica melhor. O design não é nada funcional e crível. Não dá para acreditar naquela “espaçonave”. Enfim por isto até agora foi alguns dos poucos pontos negativos do filme.

 

E por fim não gostei do hino que não atrapalhou, mas também não ajudou. Enfim não precisava e acima de tudo eu não precisava ouvir. Hehehe! :D

 

Até ouvi gente dizendo que o menino cantou mal. Hehehe!

 

Por enquanto é só isto.

 

Sábias palavras, Indy.

E apesar de concordar com quase tudo o que você disse, eu gostei muito do filme.

Dá pra entender? rs!

 

Não! Não dá para entender o Indy e você que diz ter gostado. Para mim parece claramente que o Indy não gostou. Tanto que postou só os pontos negativos e nem se deu o trabalho de postar os positivos, pois segundo diz ter spoilers. Porém fez questão de por spoilers sobre os lados negativos. WTF???

 

E que “Gabinete do Doutor Caligari” tem a ver com este filme? Tem certeza que viu o filme de 1920? Eu acho que não.

 

E nada contra quem tenha gostado ou não ter gostado, mas tenha coerência. Aproveitando anteriormente sobre criticar o gosto dos outros. E gosto pode ser discutido sim. Afinal gente aqui é um fórum de que? Bate papo?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bem, não consigo entender certas críticas negativas, outras entendo perfeitamente.

 

Primeiro, dizer que o roubo das digitais fora inútil é meio non sense porque foi através dela que a Tale

consegue falir o Wayne e ter total controle sobre a energia/bomba nuclear.

 

 

A alteração de ritmo. Desde quando existe uma regra que filme não pode alterar seu ritmo? os ritmos foram alterados por motivos ÓBVIOS. O primeiro ato porque a cidade vivia em uma falsa paz. O segundo porque Batman estava preso. Mas as cenas ocorreram sem o Batman (e isso eu acho o ponto mais positivo, porque o diretor ousou em um filme de herói contar uma grande parte do filme sem o herói presente, e funcionou, porque me senti envolvido com a história de Gotham porque a cidade faz parte do Batman).

 

Para mim, a alteração de ritmo, a quebra do ritmo, só é danosa quando é apelativa, quando o roteiro não caminha até essa quebra, quando não há auto explicação. O filme caminha para essas rupturas, não há nada pra que ele não quebre o ritmo, se não quebrasse ficaria até estranho. Se não quebrasse soaria até ao contrário, soaria forçado.

 

E eu não fui ao cinema para ver Batman, fui ao cinema para ver UM FILME que tem o Batman, ou que fala sobre o Batman...

 

Senti todo o peso do Bruce acabado, de muleta no começo. Achei muito massa, deu o drama perfeito a uma vida dedicada a um ideal.

 

E não vejo como furo o Bruce ter ficado no limbo ao mesmo tempo que o Batman, e 8 anos de ausência de Batman. Alguém poderia duvidar, mas isso é uma especulação ainda. O nível de descrença é muito mais baixo do que outros filmes do gênero, e sinceramente, o Bruce pode ter adotado N estratégias para dissipar essa dúvida durante os 8 anos. Reclamar disso é querer procurar pelo em ovo.

 

Alfred SENSACIONAL, chorei com ele. E quanto ao sumiço, ora, o sumiço do Alfred está PERFEITAMENTE explicado, foi demitido, sumiu da cidade, viajou, porque simplesmente não quis se envolver mais com a coisa, simples assim. Isso não precisa ser explicado, TA NA CARA.

 

O plano do vilão me pareceu fodástico, apesar de previsível (e aqui vai minha resposta ao Questão que não é a surpresa que faz um filme bom ou ruim). Não precisa ser um plano surpreendente para ser fodástico. Achei fantástica a

ideia do povo achar que tem o controle sendo que o controle já se perdeu a muito tempo.

 

 

Não vi problema algum em o plano ser contado pelo vilão. Ora, era essa a intenção,

a bomba explodir e quem vai decidir é um herói de Gotham

. Isso faz parte do golpe. E contar para o herói, ora, também fazia parte do interesse do Bane. Há outro grandessíssimo problema inerente geneticamente na forma de fazer filme do Nolan, mas irei abordar nos pontos negativos.

 

 

E o fórum popular presidido pelo juiz o Espantalho foi sensacional

 

 

A Talia foi uma vilã que cumpriu seu papel perfeitamente. E até senti a grande ligação que ela tem com toda a trilogia,

pelo fato dela ser filha do Al Ghul e apadrinhada pelo Bane, gostei muito. E achei perfeitamente normal ela contar isso pra o Bruce devido a ligação entre os dois, ao bruce ter matado o seu pai e tudo o mais

 

 

A Mulher-Gato gostei muito, e a achei essencial a trama. Principalmente a química entre ela e o Batman. E a relação dos dois gostei muito, me pareceu que ela já guardava uma pequena empatia pelo Batman (

na cena em que o Batman aparece pela primeira vez no Batciclo, ela mostra um olhar de felicidade, no interrogatório do Blake com ela, e no decorrer da franquia, quando ela pergunta por que se importar com Gotham, a cena dela no bar, de repente mudando a feição gritando aos berros fingindo ser uma mulher em choque pelo tiroteio...

 

 

Blake, esse pra mim foi um dos melhores personagens (excetuando o Coringa) da trilogia. Quão forte foi sua integridade e valor, me senti-me apegado realmente a ele.

 

E sim, as viradas do filme eram perfeitamente previsíveis, mas e dai? isso em nada atrapalhou a história.

 

E as subtramas me pareceu encaixar no tom do filme de criar uma ligação de Gotham, seu povo, sua história, com o Batman, seu símbolo, sua luta. O orfanato, a crise financeira da empresa..

 

As duas lutas do Bane x Batman estão muito boas, mas a primeira luta está ESTUPENDA, com o som ambiente, sem trilha sonora, fantástico.

 

Agora aos pontos negativos.

 

De fato o Romance do Batman com a Tale é inútil, não ajuda em nada, e só põe mais uma sequencia a uma história que já tem muitas.

 

O empresário competidor do Bruce foi WTF totalmente, o que tinha haver? até gostei da cena que ele pensando que tem poder e o Bane demonstra claramente a verdade (tirando a frase horrorosa "você é um demonio" proclamada pelo empresário). Mas o filme é complicado, e ficar colocando histórias inúteis só atrapalha, e essa história não é só inútil, mas faz parte da linha principal, logo atrapalhou um pouco mais.

 

Algumas cenas importantes me pareceram apressadas realmente.

 

E mais uma vez o problema genético da forma Nolan de fazer filme, contando e explicando detalhe por detalhe. E dessa vez foi pior porque repetiu 3 ou 4 vezes o procedimento da arma do Bane,

como desarmar a bomba nuclear foi desenhada verbalmente por uns 3 policiais, pela Talia, por quase toda Gotham

. O próprio plano de por Gotham pro chão foi muito detalhado, tudo pareceu-me um pouco detalhado.

 

bem, não é uma obra prima dos filmes pipocas (coisa que o TDK foi), e MUITO MENOS merece concorrer ao oscar. Mas, ao meu ver, é um ótimo filme, onde o Drama é a ação do filme. Não vou dizer que o filme é drama, porque a linha dorsal do filme ainda é a aventura/ação de um herói, mas a drama é quem sustenta, cria, e da intensidade a ação, a espinha dorsal. Achei que muitos foram com implicância querendo ver furos no filme.

 

E para mim, a trilogia Batman de Nolan concorre sim as trilogias do cinema do gênero pipoca, como Star Wars, Indiana Jones, é superior a trilogia Xmen e Spider Man...

 

Não, não chega NEM AOS PÉS da trilogia do Poderoso Chefão, ai o pessoal tá querendo apelar né. Nenhum filme do Nolan chega aos pés do Poderoso Chefão.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Rapaz, que filmão... as bochechas ficaram doendo pois nos 10 minutos finais um sorriso ficou grugado na minha cara hehehehe

 

Como ainda não aprendi a colocar o botão de spoiler, tá em branco no comentário

 

Obs: um cara na poltrona ao lado resmungou que o Superman ía aparecer pra salvar o Batman quando a bomba explodisse.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu não gosto do botão de spoiler.

 

E quem entrar aqui para ler sabe perfeitamente do risco de saber ter informações de um filme que está m cartaz para todos verem. Eu até fui piedoso demais que qualquer coisa na criação ao colocar spoiler no início do post. Para mim, o cara que entra no tópico a partir de sexta dia 27 aqui no Brasil merece ficar sabendo que “Batman morreu” pelo preço da sua curiosidade. :angry:

 

No mercy! :angry:

Share this post


Link to post
Share on other sites

No meu post anterior eu disse que eu iria listar as referências tiradas das HQs e até mesmo de outas mídias. Então, vamos lá:

 

 

- John Blake parece ser uma amálgama de todos os garotos que já vestiram o uniforme do Robin. Ele é um tira, assim como Dick Grayson foi durante um tempo. Ele tem uma mãe que morreu doente e um pai ligado à contravenção que foi morto por um chefão do crime igual a Jason Todd. Ele deduz que Bruce Wayne é o Batman do mesmo modo que Tim Drake fez. Ele até é chamado de "esquentadinho" durante o filme e, veja só, o 4º e último Robin - Damian Wayne - é conhecido pelo seu temperamento explosivo.

 

- Bane tbém parece ter sido construído a partir de um mix de outros vilões que já desfilaram pelas HQs. Além do próprio Bane, ele agrega características do Líder Mutante (da minissérie Cavaleiro das Trevas), do diácono Blackfire (da mini O Messias), do KGBesta e até do líder terrorista Qayin (da graphic novel O Filho do Demônio).

 

- A amiga da Selina interpretada pela Juno Temple é claramente inspirada na personagem Holly Robinson.

 

- Teria o vice-comissário Peter Foley feito uma alusão ao Killer Croc qdo comenta que Gordon teria visto crocodilos gigantes nos esgotos? Na animação Gotham Knight (compêndio de curtas situado entre os filmes BB e TDK), Batman e Gordon enfrentam o Killer Croc nos esgotos de Gotham. E é neste mesmo desenho animado que o Dr Crane aparece fazendo uma espécie de julgamento e sentenciando uma pessoa à morte.

 

- O empresário John Daggett foi inspirado em Roland Daggett da série animada dos anos 90. Roland era o dono das Indústrias Daggett, uma companhia rival das Empresas Wayne.

 

- Da série camp dos anos 60 temos 2 homenagens (pelo menos o que eu pude perceber): (1) o uniforme da MG, que a própria figurinista de TDKR disse ter se inspirado no modelito usado pela Julie Newmar; (2) a bomba sendo jogada no mar...kkk :lol:

 

- Da minissérie O Reino do Amanhã: (1) o aparato que Wayne usa para "melhorar" o joelho e as justas detonadas se parece com o exoesqueleto que ele utiliza na série; (2) qdo a Selina desaparece e o deixa falando sozinho, ele comenta "Então, essa é a sensação..." (na minissérie é o Superman que some de repente, mas Bruce fala exatamente isso).

 

- Da minissérie O Cavaleiro das Trevas: (1) o retorno após um período afastado de suas atividades como Batman; (2) a aposentadoria forçada e a vida excêntrica como um ermitão após a morte de um ente querido - no filme foi a morte da Rachel, na mini, a morte do Jason Todd;(3) o "blefe" da própria morte; (4) o comentário que o policial mais velho faz para o mais novo na cena da perseguição ("Prepare-se para assistir a um show, filho").

 

- Do arco A Queda do Morcego: (1) o origem do Bane; (2) a liberação dos detentos da Prisão Blackgate pelo Bane; (3) o Alfred indo embora pq não quer ver o seu patrão/ filho se auto destruir; (4) Bane detonando a coluna do Batman.

 

- Do arco Terra de Ninguém: Gotham sendo isolada do resto do país com o auxílio das forças armadas e sendo declarada terra de ninguém.

 

- Do recente arco Gates of Gotham: as pontes que ligam a cidade ao continente são destruídas e a população isolada.

 

- Da minissérie Bane of the Demon: a ligação dos Al Ghul com Bane.

 

 

Ufa! Talvez até tenha mais coisas p/ serem destacadas, mas estas são as que eu percebi.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ver crocodilos no esgoto não tem nada a ver com o vilão Killer Croc (meio homem e meio crocodilo) é apenas um termo de deboche.

 

Tipo: Viu homezinhos verdes de marte.

 

E também o termo ver crocodilos no esgoto tem a ver com lendas urbanas.

 

 

0,,21193242-EX,00.jpg

 

 

 

Não viaja gente. Nolan não inseriu e nunca vai inserir neste Batman elementos fantásticos e fantasiosos. Conforme-se este Batman não vai ser o Batman da Liga.

Share this post


Link to post
Share on other sites
E que “Gabinete do Doutor Caligari” tem a ver com este filme? Tem certeza que viu o filme de 1920? Eu acho que não.

Claro que vi. Muitas vezes inclusive. E é até bem simples fazer a associação entre o "juiz" de Ressurge com o Dr. Caligari do filme de Wiene, a não ser que você tenha se esquecido dos detalhes de Batman Begins. O próprio cenário do filme de Nolan remete ao expressionismo alemão, na cena em questão.

 

Aproveito para deixar claro que vou comentar o filme com mais profundidade daqui há algumas semanas, quando muita gente já terá visto o filme. Por enquanto, prefiro evitar qualquer forma de spoilers.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vi Batman Begins por estes dias por causa do lançamento deste.

 

Lembro-me bem do filme de 1920 e não tem nada a ver com este Batman em minha opinião. Se ainda fosse o Batman do Tim Burton, que bebe e muito mais das fontes do expressionismo alemão, eu até acreditaria. Eu até poderia associar e perceber uma coisa ou outra do expressionismo alemão.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já te contaram algum spoiler Dook?

 

Ainda não... mas li a crítica da Boscov e, apesar dela liberar um spoiler mediano ali - sobre a participação de certo personagem de um dos filmes anteriores - que achei bacana, inclusive, o final da crítica parece, PARECE, sugerir o mega-blaster-possível spoiler que alguns falaram... Oh céus...

Share this post


Link to post
Share on other sites

É um filme do Batman, porra. Gosto de ver um personagem bem desenvolvido, seja ele como Bruce Wayne ou como Batman. Mas que o diretor faça direito. Nolan demora uma hora para chegar no ponto que interessa, investindo em um desenvolvimento sonolento do personagem. Simplesmente não interessa ver Wayne quebrado no início, gastando um tempo precioso da projeção para, logo depois do seu retorno ao uniforme, ser quebrado novamente, e Batman ficar até o terceiro ato fora de cena. O problema não chega nem a ser a duração do filme, mas o tempo que Nolan gasta desenvolvendo bobagens (e ainda de forma pouco clara e interessante, diga-se de passagem) e ignora momentos realmente importantes. Dava para aproveitar todo o tempo gasto com o draminha besta da primeira parte do filme nas cenas da prisão, por exemplo. E o que dizer da revelação chumbrega do final? Era previsível, e isso é um defeito. Não tem como negar que é, se alguém achou que foi previsível. "O clímax é previsível mas eu gosto, porquê é o Nolan, e o restante do filme é bom". É isso então?

 

Disse que o filme ficou over the top. Isso inclui O Morcego, a fonte de energia limpa-bomba atômica, a queda inacreditável das Indústrias Wayne, o número absurdo de personagens com destaque na trama (dava para excluir o deputado, Foley, Dagget, e aquele monte de policiais com diálogos sem nenhum prejuízo à trama; a tal Jen também é um desperdício de filme). Não são defeitos muito graves a ponto de comprometer o filme como um todo, mas não deixam de ser falhas.

 

Um mérito grande do filme é dar o clima "Ra's al Ghul" à trama. Os momentos mais etéreos, misteriosos, são o trunfo de Nolan. Os problemas com a montagem e mise en scène estão presentes em todo o filme, mas as qualidades de determinados momentos maquiam bem as falhas de Nolan como diretor. Para cada bobagem envolvendo os subalternos de um policial coadjuvante em Gotham, Nolan nos brinda, em contrapartida, com um breve relance dos enforcamentos na cidade, só para citar um exemplo.

 

Na verdade, é nosso interesse pela jornada dos personagens que aprendemos a admirar nos filmes anteriores que sustenta o filme. Bruce Wayne sempre foi o protagonista nos filmes de Nolan, mesmo com o público se esquecendo da performance discreta (e eficiente) de Bale em detrimento do Coringa de Ledger, durante o segundo filme. Nolan acerta em cheio ao deixar claro que o coração dos três filmes é a jornada de Bruce Wayne, que não deve ser eclipsado por nenhum outro coadjuvante. Bale contribui ainda com sua melhor performance nos três filmes, fazendo com que acreditemos e nos importemos com aquele personagem. E esse é o ponto forte da obra: seu aspecto emocional é devastador, mesmo quando Nolan infla o ritmo do filme com subtramas desncecessárias. Poderia citar precisamente alguns pontos mais precisos do filme mas prefiro esperar a poeira baixar.

 

Em tempo: Miranda Tate é mal desenvolvida, mas não compromete de forma grave o filme, mas não deixa de ser um defeito.

 

PS: não é porque algo em um filme não funciona 100% que isso seja ruim. São defeitos, graves ou não. Nolan não cometeu esse tipo de bobagem nos dois primeiros filmes, pelo menos não de uma forma que comprometesse a estrutura do filme. Só é uma puta ignorância vocês fingirem que os erros (que alguns admitiram que existem) não prejudicam o filme. Erro é erro, qualidade é qualidade. Gostar é algo diferente. Eu admito que gostei muito do filme mas consigo reconhecer seus defeitos. Simplesmente não consigo ignorar o que deu errado (na minha concepção) e fingir que é o maior filme do ano ou de todos os tempos. Ou pior, uma obra-prima.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bom, já que a Boscov mandou um spoiler... Dá para dizer que é curioso ver a influência totalitária de Bane em Gotham tendo um tribunal sumário presidido pelo chefe do hospício da cidade, num cenário expressionista e levemente surreal. Caligari era o chefe do hospício no filme alemão e, de certa forma, representa o poder totalitário que os realizadores anteviram que tomaria conta da Alemanha em alguns anos. Cinema é subjetivo. Foi a sensação imediata que a cena me causou. O Pinguim de Burton é visualmente parecido com o Caligari (e tem ideias parecidas com as de Bane...), mas não no aspecto ideológico.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O problema não chega nem a ser a duração do filme, mas o tempo que Nolan gasta desenvolvendo bobagens

 

Gotcha.

 

Não me importaria de ver duas horas e quarenta do nível da hora e quarenta final (ou melhor, 1h20, já que o final também achei um lixo. Leia-se momento revelação até o surgimento dos créditos).

Share this post


Link to post
Share on other sites

Trilogia fechada com chave de ouro ! A pergunta que fica é: QUANDO VEREMOS UM BOM FILME DO BATMAN novamente ? Daqui a 20 anos ?

 

Como estão desenvolvendo A Liga da Justiça, não duvido que daqui uns três já role um remake. Se vai ser bom ou não eu não sei.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Estamos falando de um filme mesmo? Ou que 1 +1 = 2. Erro? O que é erro para um não é necessariamente um erro para outro. Achei fundamental esta trama “arrastada” que foi para alguns. Já para mim não foi arrasta e nem inútil foi interessante e muito. Afinal no início é fundamental mostrar isto a dor, o sofrimento, o arrependimento, a humanidade do "herói", para que nos importemos futuramente com o personagem só para dar exemplo.

 

E por último o Plutão sempre tem razão. Hehehehe! :D

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ou, ví um comentário que falava o seguinte:

 

Não procede o fato de a;gumas pessoas acharem que o Alfred teve uma ilusão ao ver o Bruce, pelo simples motivo da Selina estar lá. Alfred não conheceu a Selina, apenas viu uma empregada que não tinha nada a ver com o contexto. Se fosse uma ilusão, ele podia até ver o Bruce, mas sem ou com outra mulher.

 

Será?! hehehehe Filmão bão demais...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...

×
×
  • Create New...