Jump to content
Forum Cinema em Cena

Recommended Posts

Cara' date=' nada disso é proibido no cinema. O bom cinema só faz uso de muitas ferramentas mais que essas, então não fica tão forçado e repetitivo. Não achei Olga uma bosta completa, mas a maioria dos méritos vem da parte técnica, fotografia, direção de arte; a estória é apelativa e a execução é tacanha.[/quote']

Zoom deixa a imagem achatada, PPP é tenebroso em se ver numa telona, na TV é aceitavel, mas no cinema é medonho.

 

E como vc falou méritos na parte técnica, mas o que adianta ter um belo cenário se vc senta PP e PPP quase toda hora.
Link to post
Share on other sites

Zoom são praticamente proibidos no cinema



Então Robert Altman foi um criminoso em boa parte de sua filmografia...

 

Ele usa travelling adiante, Rá. Veja que os enquadramentos dos filmes dele são sempre bem devagar ou ele sabe que assim o achatamento não fica tão evidente.
Link to post
Share on other sites

 

 

Zoom são praticamente proibidos no cinema

 

 

Então Robert Altman foi um criminoso em boa parte de sua filmografia...

 

Ele usa travelling adiante' date=' Rá. Veja que os enquadramentos dos filmes dele são sempre bem devagar ou ele sabe que assim o achatamento não fica tão evidente.
[/quote']

 

 

 

Vejo que temos um estudante novato de cinema.

 

Mas você está errado. Altman é famoso por seus zooms. Assim como Kubrick.

 

Cremildo2011-07-27 14:18:42

Link to post
Share on other sites

Eu sou apenas um fã de cinema e como fã gosto mesmo é de uma boa história, sem furos, sem apuro. Quando percebo essas falhas me aborreço por minha inteligência ter sido subestimada. Dsses trecos tecnológicos eu nada entendo e não me meto em conversa de cachorro grande. Filmes como Dogville e Mandalay do Lars Von Trier são exemplos de como fazer um filme que nem cenário tem. Simplesmente genial. Nazista ou não ele é fenomenal.

Link to post
Share on other sites
E o Altman ainda usava os zooms com ênfase' date=' muitas vezes de forma brusca.[/quote']

Mas isso é para fzr um PD que faz parte da história, o tal do olhar investigavo (que é muito pouco usado), não é o caso do que ocorre no cinema nacional. É zoom para fzr PG, zoom para um americano, zoom para PP, zoom pra mostrar uma marca e isso é coisa de TV.

E estou tentando lembrar do Kubrick usar Zoom, logo ele que era tão chato com a fotografia.

PPP, primeirissimo primeiro plano, é quando  o quadro pega apenas a cabeça da pessoa para esconder o que se passa no cenário (novelas!!!).
Link to post
Share on other sites
Eu sou apenas um fã de cinema e como fã gosto mesmo é de uma boa história' date=' sem furos, sem apuro. Quando percebo essas falhas me aborreço por minha inteligência ter sido subestimada. Dsses trecos tecnológicos eu nada entendo e não me meto em conversa de cachorro grande. Filmes como Dogville e Mandalay do Lars Von Trier são exemplos de como fazer um filme que nem cenário tem. Simplesmente genial. Nazista ou não ele é fenomenal.[/quote']

cenário não tem, mas 25 milhões pra pagar a nicole kidman tem. No mais dogville é uma peça de teatro filmado por uma Panavision. Não tem nada de genial nisso, mas o filme é bom.
Link to post
Share on other sites

Mas é isso é que faz dele um fenômeno: gasta 25 milhões com uma atriz e não faz um cenário. Eu já vi teatro filmado e não identifiquei o mesmo em Dogville ou Mandalay. Aliás por citar os 25 milhões que você disse que foi o cachê da Nicole acho que ela se arrependeu amargamente pois não aceitou fazer Mandalay porque disse ter sido torturada pelo Lars. O diretor antes de filmar faz uma espécie laboratório com os atores: xinga, berra, vocifera, humilha e quando o outro já está à beira de um colapso ele amigavelmente pede para comerçar a rodar. Você que parece ser entendido cite um diretor genial para ver se eu como um simples cinéfilo tenho algum conhecimento para falar sobre cinema. Obrigado

Link to post
Share on other sites
Mas é isso é que faz dele um fenômeno: gasta 25 milhões com uma atriz e não faz um cenário. Eu já vi teatro filmado e não identifiquei o mesmo em Dogville ou Mandalay. Aliás por citar os 25 milhões que você disse que foi o cachê da Nicole acho que ela se arrependeu amargamente pois não aceitou fazer Mandalay porque disse ter sido torturada pelo Lars. O diretor antes de filmar faz uma espécie laboratório com os atores: xinga' date=' berra, vocifera, humilha e quando o outro já está à beira de um colapso ele amigavelmente pede para comerçar a rodar. Você que parece ser entendido cite um diretor genial para ver se eu como um simples cinéfilo tenho algum conhecimento para falar sobre cinema. Obrigado[/quote']

Sergio Leone e um brazuka Eduardo Coutinho.
Link to post
Share on other sites
"26/07/2011 - 10h13
Mulher de Marcos Paulo diz que jornalista que criticou longa do marido "tem cara de cearense"

Do UOL' date=' no Rio

A atriz Antonia Fontenelle, mulher de Marcos Paulo, diretor do longa “Assalto ao Banco Central”, usou o Twitter para mostrar sua irritação em relação à critica feita pelo jornalista mineiro Pablo Villaça, do portal Cinema em Cena. “Gente, quem é Pablo Vilaça? Essa pessoa se intitula critico de cinema, tem cara de cearense, percebi que ele quer 5 minutos de fama. Pablo Vilaça, nem me dei o trabalho de ver se o seu portal é do Ceará, mas se for, obrigada porque lá estamos bombando, logo se vê que você não tem credibilidade nenhuma, só falou besteira na sua critica. Você não é critico, você é desorientado. Internet é mesmo terra de ninguém”, escreveu.

Após dizer que o jornalista tinha cara de cearense, Antonia tentou consertar sua declaração. “Antes que me interpretem mal, porque o povo adora ir por esse lado, um dos personagens que amo no filme é o Caetano (Fabio Lago). Ele faz um cearense engraçadíssimo, perfeito, o cinema vai abaixo com ele”, postou.

Também através do Twitter, Pablo Villaça respondeu às críticas de Antonia, que faz uma participação no filme como Regina, namorada de Telma, personagem vivida por Giulia Gam. “Não sei o que acho mais divertido: o fato de @ladyfontenelle ignorar que o @cinemaemcena tem 14 anos e é um dos portais mais acessados do Brasil ou se é o fato de me chamar de ‘cearense’ acreditando que isso iria me ofender. @ladyfontenelle, sou mineiro, mas teria imensa HONRA em ser cearense - como são alguns de meus amigos mais queridos”, escreveu o jornalista."

Pablo deu um owned na mulher, hehehe.[/quote']

 

O "Cinema em Cena" ganhará destaque nas páginas de fofoca agora. 07

 

Aiai Dá pra ver o naipe da mulher pelo tipo de comentário. Se ela quiser atacar todos os críticos que falaram mal do filme do marido, ainda tem uma longa lista pela frente. Aliás, o longa é realmente muito ruim. Até que o Pablo não foi maldoso na crítica . Aquele detalhe da mesa do delegado com uma foto dele mesmo sozinho foi muito bem observado.
leomaran2011-07-29 00:37:34
Link to post
Share on other sites

Como não aprendeu? Ela simplesmente se deu conta de que a vida não é um conto onde uns são felizes, mandam e desmandam, sufocam, roubam, trapaceiam e outros simplesmente se submetem aos caprichos dos primeiros. Ou seja: de boas intenções o inferno está cheio. Na minha terra tem um ditado que diz: quando alguém estiver à beira do precipício ao invés de dar-lhe a mão empurre-o.

 

Não há gratidão no coração humano.

Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
×
×
  • Create New...