Jump to content
Forum Cinema em Cena
Tica

H. P. Lovecraft

Recommended Posts

Li os contos A ARVORE e DO ALÉM

 

A ARVORE eu não curti muito não. É a historia de dois amigos escultores na grécia antiga que recebem uma encomenda de um tirano. Ambos os escultores são muito bons, e esculpem estatuas lindas, mas de figuras não conhecidas pelo homem. Quando um dos escultores morre, o outro atende o ultimo pedido do morto, e planta uma arvore ao lado do tumulo do morto, para em seguida jogar-se obsessivamente no trabalho para entregar a aencomenda do tirano. Achei a historia fraca. Não conseguiu me dizer praticamente nada. O pior do Lovecrafr que lí até então.

 

Já DO ALÉM é bastante divertido e arrepiante. A historia é narrada por um homem sem nome (como em muitas obras do Lovecrafr), que vai visitar seu colega, o Dr. Crawford Tillinghast, que trabalha em uma maquina que estimula o desenvolvimento da glândula pineal. O problema, é que ao ter essa glândula desenvolvida, podemos ver bizarras criaturas que vivem ao nosso redor sem que saibamos, e pior ainda, elas tambem conseguem nos ver.

 

DO ALÉM tem uma premissa pra lá de bacana, que é bem explorada pelo Lovecraft. Senti que o conto podia ser um pouquinho maior, pois algumas coisas passaram corridas demais, e poderiam ter sido melhor desenvolvidas na minha opinião. Mas o conto é recomendado.

 

Stuart Gordon fez uma otima adaptação de DO ALÉM em 86. Ao meu ver, o filme é ainda melhor que o conto.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Lí os contos A ESTAMPA DA CASA MALDITA e O FESTIVAL.

 

 

Em A ESTAMPA DA CASA MALDITA, um viajante é apanhado por uma tempestade, e é obrigado a se abrigar em uma velha casa no meio da estrada. Lá, ele conhecera o estranho dono da casa, assim como seus hábitos bizarros relacionados a estampa de um livro.

 

Um bom conto de rapída leitura. Mais um com forte influencia de Edgar Allan Poe, especialmente do conto "Poeniano" A QUEDA DA CASA DOS USHER. Este conto fica num nivel intermediario, não ficando nem entre os melhores nem entre os piores do Lovecraft.

 

Já O FESTIVAL eu achei bem chatinho. É a historia de um homem que viaja a pequena cidade Kingsport para participar de um misterioso festival, festival esse que sua família participa a algumas gerações. O problema é que este festival possui uma natureza bizarra.

 

Não consegui me conectar ao conto. Não me prendeu, nem me causou tensão. Nem mesmo a presença do Necronomicon, livro tornado celebre pela franquia EVIL DEAD fez com que eu me interessase na historia.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Questão, você está a todo vapor! Já me ultrapassou em contos lidos do Lovecraft! :o

 

Enfim, li 'O Horror de Red Hook', 'Ele' e 'A Tumba'. Minha semana está corrida então depois volto aqui pra falar melhor sobre os contos!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pois é TICA. Consegui alguns contos dele, e me viciei um pouquinho. Hehehe

 

 

O que achou de A TUMBA , TICA (que parece ser a unica obra dele que ambos lemos)? Foi um dos primeiros contos dele, e senti alí uma grande tentativa de emular as obras do Poe. Tá certo que nota-se a influencia do Poe em outras historias do Lovecraft, mas misturado com o proprio toque do Lovecraft. Acho que quando escreveu A TUMBA, o Lovecraft aina não tinha encontrado uma identidade literária.

 

 

Lí mais quatro contos do Lovecraft.

 

A proposta de O INTRUSO é bem interessante, ao contar em 1ª pessoa a historia de um homem que cresceu em uma masmorra, não se lembrando de ter tido outra vida ou contato com outros seres humanos. Mas quando o protagonista consegue sair, vai descobrir uma terrivel verdade sobre si mesmo.

 

Achei esse conto um pouco chato. Não sei explicar direito o por que não gostei dele, talvez por que seja "introspectivo" demais pra mim, não sei explicar. Essa foi uma das obras adaptadas pelo Stuart Gordon. A adaptação foi chamada CASTELO MALDITO (Castle Freak no original). Curti o filme bem mais que o conto, e acho que o Gordon fez uma boa adaptação, pegando a idéia básica do conto em uma historia mais dinâmica.

 

Em OS GATOS DE ULTHAR, um casal de velhos mata todos os gatos que passam pela sua propriedade, muitos deles pertencentes a seus vizinhos. Mas quando os velhos matam o gato de estimação de um menino pertencente a uma trupe de egipcios que passavam pela cidade, as consequencis são graves.

 

OS GATOS DE ULTHAR é bem arrepiante, e ao mesmo tempo vem carregado com um humor negro que eu só havia percebido na obra do Lovecraft em O VELHO TERRIVEL. Eu até queria que o conto fosse um pouco maior, e não por falha do conto, mas por que queria saber mais detalhes da idéia que o Lovecraft apresenta aqui. Uma excelente historia curta.

 

Em HYPNOS,o narrador (mais uma vez sem nome) ajuda um homem epilético em uma estação de trêm, e desenvolve uma grande amizade por ele. Os dois são metafisicos e passam a desenvolver uma pesquisa sobre um mundo que não existe no nosso tempo e espaço, e que só alcançamos quando sonhamos. Através de drogas experimentais, a dupla consegue manter-se lucidos durante o sonho para visitar este mundo. Mas a que preço?

 

Excelente conto do Lovecraft, com uma baita idéia envolvendo um mundo paralelo que só alcançamos quando sonhamos. Mais uma vez percebe-se a influencia de Lovecraft na cultura pop do horror. Wes Craven com certeza teve esse conto como uma de suas influências quando escreveu o roteiro do clássico A HORA DO PESADELO. Lovecraft merece muitos pontos nesse conto por tratar de um tema complexo sem ser confuso, chato ou didático. Ao mesmo tempo, cria um final que pode ser interpretado das mais variadas formas. Um dos melhores (quiça o melhor) do autor.

 

Em O INOMINÁVEL, o autor tráz de volta o protagonista de O DEPOIMENTO DE RANDOLPH CARTER. Desta vez, Carter debate com um amigo em um cemitério abandonado, a validade do termo "Inominavel". Para provar seu ponto de vista, o protagonista conta uma historia de sua família.

 

O INOMINAVEL tem com certeza um cárater autobiográfico. Afinal, temos aqui Randolph Carter, um escritor de contos de horror rebatendo as críticas de um amigo a respeito da repetição de termos como "Inominavel", "Indizivel" e por ai vai em suas obras. Ora, eu mesmo critiquei este mesmo vício do Lovecraft na página anterior. Embora não seja particularmente brilhante, creio que o INOMINAVEL resume a resposta que a TICA me deu sobre este vício do Lovecraft na página anterior.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Calma, Questão! Agora que me formei vou ter mais tempo pra ler e logo vou te ultrapassar em Contos lidos do Lovecraft! B)

 

Então, a TUMBA realmente é algo que podemos considerar a linha tênue entre a influência do Poe e o Lovrecraft em sua mais pura essência. Esse é um conto bem surrealista e o que mais gosto, e que o Lovecraft faz sempre questão de colocar, é essa coisa do protagonista ser uma pessoa de sanidade dúbia. Essa brincadeira perversa que ele faz com nossa mente: o personagem é louco e criou toda a situação que ele narra ou ficou louco após vivê-la? Acho que o horror em Lovecraft mora na dúvida, na incerteza se realmente estamos seguros e nesse conto isso fica bem explícito.

 

Porém, uma ressalva deve ser feita, esses contos nos quais o Lovecraft ainda está apegado aos seus ídolos, são os mais fracos. É na ficção científica de horror que ele consegue desenvolver melhor seu dom. 'A sombra vinda do Tempo' é algo surreal, o conto tem esse toque de 'A Tumba' em certo aspecto, mas ultrapassa-o mil vezes e não são os "monstros" que ele cria que nos amedrontam, mas sim o que nós criamos em nossas próprias mentes ao ler o que ele escreveu.

 

Enfim, tô apaixonada por esse autor.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sabe que tem razão, TICA? Dos contos que lí até então, os que mais me agradaram foram justamente as ficções científicas de horror. Destaco ai AR FRIO, DO ALEM e HYPNOS.

 

Lí mais quatro contos do Lovecraft, mas acho que estava sem sorte, pois nenhuma me agradou pra valer.

 

A BUSCA DE IRANON conta a historia de um musico que parece ninca envelhecer, e vagueia de cidade em cidade procurando o publico perfeito. Não é propriamente uma historia de horror. Ela trata emoções como sensibilidade e amizade, o que eé curioso vindo do Lovecraft, que geralmente centra suas narrativas nos "sentimentos negativos". É um conto bonitinho (mais uma vez, um sinonimo estranho pra se usar quando se fala de Lovecraft) mas nada memoravel, excetuando a interessante reviravolta final.

 

Em O QUE VÊM COM A LUA, um homem descobre um mundo assustador no lago em frente a sua casa quando este é ilumidado pela luz do luar. O conto tem um clima de pesadêlo interessante, mas a narrativa onírica não conseguiu me prender realmente. Creio que era pra ser surreal e algo totalmente extra imagético como em outros bons contos do autor, mas não rolou.

 

O curtissimo MEMÓRIA (só uma pagina e meia) mostra a conversa entre um gênio e um dêmonio em uma velha cidade em ruinas. Um dos piores trabalhos do Lovecraft que lí.

 

Por fim, NYARLATOTHEP é mais um dos contos dos Mythos Chtullu. A historia é narrada por um homem que sobreviveu a visita da entidade que dá título a historia a sua cidade, onde ele nos conta as terriveis consequencias que sucederam-se depois que os cidadãos ousaram zombar do personagem-título. Mais uma vez, o Lovecraft parece ter se perdido aqui. A historia tem um forte clima de pesadelo, mas daqueles que não nos lembramos quando acordamos, pois tudo acontece tão rapido, que o leitor não tem tempo de absorver, e por consequencia temer os acontecimentos que são narrados.

 

PS: De onde o Lovecraft tirava esses nomes? O titulo desta historia é praticamente impronunciavel.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Questão, onde você acha todos esses contos?!!

 

Então, pelo que li nos apêndices desses livros que comprei da Editora Hedra, o Lovecraft lia muita mitologia. Mas assim, à fundo mesmo, ele era um mestre nisso e começou desde criancinha. Então, acho que com base em todo o seu conhecimento, ele criou sua própria mitologia. Salvo engano, esses nomes bizarros são a fusão de termos mitológicos que ele mesmo criou.

 

Imagine que surreal ter seu próprio universo mitológico? Lovecraft foi demais nisso, tanto que esses seres que ele criou foram base de inspiração para muitos autores posteriormente e tal!

 

Se eu achar o apêndice posto aqui depois! ;)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Encontrei um arquivo ebook com alguns contos, TICA.

 

O Lovecraft foi muito crânio mesmo. Pouquissimos podem dizer que criaram sua propria mitologia. E como você disse, inspirou muita gente boa. Stephen King, Clive Baker, e Neil Gaiman são só alguns exemplos.

 

Lí mais quatro contos do cara.

 

Em POLARIS, um homem vê uma cidade ser revelada diante de seus olhos pela estrela polar. Sera a cidade uma ilusão, ou nosso proprio mundo é uma ilusão?

 

Achei POLARIS bem fraco. O conto é confuso demais. Lovecraft trabalhou um conto com temática semelhante em HYPNOS de forma bem mais interessante.

 

No conto OS OUTROS DEUSES, um velho possuidor de altos conhecimentos sobre os antigos deuses, decide escalar a montanha mais alta do mundo para ver os deuses com seus proprios olhos. Mas sua ousadia pode ter um alto preço.

 

OS OUTROS DEUSES trata de um dos assuntos mais recorrentes na obra do Lovecraft. O castigo que os seres humanos sofrem quando tentam obter conhecimentos que não lhe pertencem. Aqui, o conhecimento da mitologia citado pela TICA fica muito claro, pois a historia tem fortes influências de mitos como de Icaro e Prometheus. Curiosamente, a historia faz referência ao otimo conto OS GATOS DE ULTHAR, mostrando que muitas das historias de Lovecraft se passam no mesmo universo.

 

Em A MALDIÇÃO DE SARNATH, conhecemos a historia da cidade do título, um lugarque já foi habitado por estranhas criaturas, e que foram exterminadas pelos seres humanos. Nos mil anos seguintes, Sarnath se tornou a cidade mais gloriosa da humanidade, mas o que significa a palavra "maldição" esculpida no mais velho templo da cidade?

 

Assim como em OS OUTROS DEUSES, A MALDIÇÃO DE SARNATH mostra o que acontece quando a soberba do ser humano faz com que ele desafie forças alem de sua comprensão. Mas em SARNATH, a coisa é muito melhor descrita, com o autor retratando a soberba crescente dos habitantes de Sarnath até o excelente fim da historia, apropriadamente apocaliptico e aterrorizante.

 

No conto A HISTORIA DO NECRONOMICON, ficamos conhecendo a origem de um dos mais famosos elementos da mitologia Lovecraftiana. A historia do Livro Dos mortos é interessante, mas senti que o autor foi breve demais, e a origem de um elemento tão interessante merecia mais atenção. Mas acho que Lovecraft não tinha idéia do que estava criando.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sou uma "véia conservadora" nesse sentido, Questão. Só leio livros físicos e tal :P Sei lá, e-book não é pra mim.

 

Mas como a editora Hedra está lançando vários livros dele, não vou sofrer muito pra achar (só para pagar!)

 

Ps.: Não sei se já ouviu, mas esse NerdCast é interessante ;) 

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Eu sempre vou preferir os livros fisicos aos E- books, TICA. Frequento varios sebos onde consigo otimos livros bem baratos. Mas não curto encomendar pela internet e tals (mesmo sabendo que posso conseguir mais barato), coisa minha mesmo. Então, quando não consigo os livros em sebos, e eles não estão num preço que considero confortavel nas livrarias, apelo pro E-book mesmo.

 

 

  Falando nisso, li mais tres contos do Lovecraft.

 

  Em A TRANSIÇÃO DE JUAN ROMERO, um trabalhador de uma mina na fronteira dos Estados Unidos com o Mexico nos conta as circunstancias misteriosas envolvidas na morte do personagem título.

 

 Bem fraquinho esse conto, e dizem que o proprio Lovecraft o renegava. O conto tem umas coincidencias absurdas que não me descem. A atmosfera é muito bem construida, como é tipico do Lovecrafr, mas faltou alguma coisa pra que fosse realmente bom..

 

 Em O HORROR DE MARTIN BEACH, um grupo de pescadores mata uma bizarra e gigantesca criatura que surge nas aguas da cidade litoranêa de Martin Beach. Semanas depois, em um dia lotado de praia, algo aterrorizante vai se abater sobre aqueles que ousaram matar a criatura, e de quem mais ficar no caminho.

 

  Um bom conto do Lovecraft. Curiosamente, enquanto lia, lembrava bastante da classica sequência de TUBARÃO, que mostrava o ataque da fera do mar aos banhistas. A classica atmosfera Lovecraftiana esta presente. Alem disso, temos mais uma referencia mitológica por parte do Lovecraft aqui. Alguns podem discordar, mas senti que parte da inspiração veio do mito de Grendel e sua mãe.

 

  Em CELEPHAIS, um homem de cinquenta anos começa a sonhar com uma gloriosa cidade chamada Celephais, onde ele é adorado como um deus. A medida que o tempo passa, o homem passa a preferir Celephais do que o mundo real.

 

 Um otimo conto do Lovecraft, onde ele volta a abordar a recorrente têmatica dos sonhos, que ele já havia trabalhado em HYPNOS. Em CELEPHAIS, o protagonista passa a preferir cada vez mais sua cidade dos sonhos, onde ele é respeitado e glorificado, alem de ter varios amigos, do que o mundo real, onde ele é um homem falido e solitário. Ao meu ver, é mais um conto drámatico do que propriamente uma historia de horror e suspense; Há tambem um certo tom autobiográfico na historia tambem, já que o protagonista é um escritor que transforma muitos de seus sonhos em historias, assim como o proprio Lovecrafr; Inclusive, CELEPHAIS é baseado em um sonho que Lovecraft teve.

 

  Comentamos aqui no tópico a grande influencia que Lovecraft teve no trabalho do cineasta Guilherme Del Toro. Quem víu O LABIRINTO DO FAUNO vai identificar muitas semelhanças entre o desfecho desta pelicula e de CELEPHAIS.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Questão, eu curto isso de garimpar em sebos...Mas ultimamente ando super sem tempo, apesar de que aqui em SP tem o Sebo do Messias que dá pra comprar pela net :B (mas perde a magia de garimpar e tals).

 

Porém, contudo, todavia, eu estou apaixonada pela editora Hedra e quero todos os livros do Lovecraft que estão sendo lançados por ela.

 

Recentemente li "O Chamado de Cthulhu e outros contos", amei. Não vou fazer um resumo dos contos como o Questão porque morro de preguiça, mas posso dizer que essa edição da Hedra vale muito à pena porque vem os seguintes contos:

 

Dagon

Ar Frio

O que a Lua Traz Consigo

A música de Erich Zann

O modelo de Pickman

O Assombro das Trevas

O Chamado de Cthulhu

 

chamado-de-cthulhu.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites

 LI SONHOS NA  CASA DA BRUXA

 

 A premissa de um matemático que vai viver na casa de uma velha bruza, e começa a ter sonhos horriveis com criaturas monstruosas e a própria bruxa é bem interessante, mas Lovecraft conta  ahistoria de maneira tão maçante que é um parto terminar de ler. Ele exagerou demais aqui em seus termos rocambulescos, e torna uma tarefa complicada terminar de ler uma história curta. Não gostei muito não.

 

 Mas fiquei curioso pra ver a adaptação que o Stuart Gordon fez desse conto.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Li o conto ALÉM DA BARREIRA DO SONO

 

  Mais uma incursão de Lovecraft dentro do chamado "Ciclo dos Sonhos" ao contar a história de um jovem estagiário de um sanatório que torna-se obcecado pelo caso de um camponês que é internado após matar um vizinho de forma barbara durante um ataque de sonambulismo. O camponês é acometido por sonhos perturbadores, descritos por ele de forma tão criativa que intriga os médicos. O estagiário resolve então usar um aparelho que permite com que ele estabeleça contato telepático com o camponês durante o sono para saber o que perturba tanto a mente do homem.

 

 Não é segredo para ninguém que apesar de ser um homem genial, H.P Lovecraft também era um homem xenofóbico. Não é justificável, mas explicável até certo ponto visto o contexto em que o autor viveu. O problema é que a xenofobia do escritor nunca esteve tão em evidência quanto neste conto. O narrador passa basicamente metade do conto apontando o camponês como uma "criatura inferior" devido as suas origens imigrantes. Não apenas o paciente, mas todos aqueles que viviam com ele nas montanha O narrador insiste tanto nesse ponto que torna-se cansativo e repelente em certo ponto.

 

  A mistura de ficção científica e fantasia esta alí, e a breve descrição de Lovecraft de um mundo dos sonhos, misturando conceitos de espiritismo, psicologia e astrologia são bem interessantes, mas mal trabalhados pelo autor aqui. O autor trabalharia tais temas de forma muito mais eficientes em outros trabalhos. No geral, achei este um dos contos mais fracos do Lovecraft que eu já li. Se o autor tivesse se concentrado mais nos interessantes conceitos que apresenta, e menos no caráter xenofóbico da narrativa, teria saído um conto melhor.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...

×
×
  • Create New...