Jump to content
Forum Cinema em Cena

Duna (⊃∪∩⪽ dir. Denis Villeneuve)


Jailcante
 Share

Recommended Posts

Gostei do filme, mas realmente a história foi banalizada pelas obras que foram inspirados por ela.

Agora tem uma coisa que me chateia muito, e que é recorrente em histórias de aventura e que eu defendo que esse clichê precisa acabar.

O personagem principal, do qual o filme assume que nunca matou alguém na vida, ganha a batalha contra um grande guerreiro, nas palavras de uma integrante do grupo do qual o guerreiro faz parte, e grupo esse que até mesmo o melhor dos guerreiros do grupo do qual o personagem principal disse que esse grupo eram mestres na arte.

Essa mania de querer associar ao tom messianico do personagem principal de que ele nunca pode perder, mesmo se ele não tiver experiência alguma, ele vai ganhar. Isso fica tão previsivel que a gente pode acelerar o filme e passar essa parte, porque já sabemos o final. 

Para piorar a situação, na invasão dos soldados do imperador ao local onde o personagem principal e a sua mãe estavam escondidas, soldados da população nativa, que foram consideradas mestres na arte de luta no deserto, aparecem com uma estratégia de emboscada empolgante e avassaladora, mas, no fim, os soldados do imperador aparecem na camara onde estão os personagens principais, o que se presume que eles derrotaram os guerreiros da população nativa. 

Isso dá a mesma sensação do "os orcs são monstros inabalaveis e indestrutíveis, que destroem tudo por onde passam" e no fim, um personagem mata 10mil orcs em poucos minutos de filme. Cria uma expectativa, que na prática, é justamente o contrário, todos os monstros alegados, no fim, não passam de um bando de papelão. 

E o pior não é isso, é que isso é tão recorrente que só o fato de algum filme falar da ameaça que é o vilão, já podemos prever todo o final, que haverá uma batalha entre eles, e mesmo contra todas as probabilidades, o vilão será vencido.

Para que assistir o filme, então?

A sorte é que o filme Duna não é sobre a rivalidade entre o personagem principal e o guerreiro, ou entre os povos do qual fazem parte o personagem principal e os povos dos quais o guerreiro rival faz parte. 

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Duna: Parte Um quase teve final diferente, diz Denis Villeneuve

Cineasta pensou em encerrar primeiro longa em outro ponto do livro de Frank Herbert

  •  
  •  
  •  
  •  
NICO GARÓFALO
17.11.2021
20h01

[Spoilers de Duna - livro e filme - à frente]

  •  

Com mais de US$353 milhões arrecadados nas bilheterias mundiais, Duna:  por muito pouco não teve um final diferente. Diretor da nova adaptação, Denis Villeneuve revelou que pensou em terminar o primeiro filme em outro ponto do livro de Frank Herbert, em que o autor insere um salto temporal de dois anos. O cineasta, no entanto, sentiu que o momento, que descreve a introdução de fato de Paul e Jessica à sociedade fremen, parecia com “o começo de um novo capítulo”.

Em entrevista à Empire, Villeneuve afirmou que essa parte específica da trama não funcionava como uma conclusão, “porque parecia que no fim de um filme de duas horas e meia, estávamos começando outra história”. Para o cineasta, o recomeço dos Atreides na comunidade fremen não se encaixaria no longa.

Tenho 100% de certeza que acabamos no ponto certo, vemos Paul (Timothée Chalamet) crescendo de criança para adulto, com todo o arco da primeira parte completo”, concluiu.

Na nova adaptação de Duna, Paul Atreides (Timothée Chalamet) é um aristocrata cuja família aceita controlar o planeta-deserto Arrakis, produtor de um recurso valioso e disputado por diversas famílias nobres. Ele é forçado a fugir para o deserto — com a ajuda de sua mãe — e se junta a tribos nômades, eventualmente liderando-as por conta de suas habilidades mentais avançadas.

O livro de Frank Herbert é conhecido como uma das obras mais complexas da história da ficção científica, e já rendeu uma adaptação para as telonas dirigida por David Lynch, em 1984. No Brasil, os livros da franquia Duna são publicados pela Editora Aleph.

 

FONTE: OMELETE

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

ETERNOS MUDOU CENA DE AÇÃO POR CAUSA DE DUNA

Capa da Publicação

Em uma nova entrevista, os roteiristas de Eternos da Marvel revelou que eles tiveram que fazer uma alteração no longa por causa de Duna. Assim como no filme de Villeneuve, Eternos também teria um ataque de um grande verde da areia, em Eternos, seria um deviante com a forma do monstro, porém isso foi removido já que os dois filmes estreariam muito próximos um do outro.
Em entrevista com o CBR, os roteiristas do filme, Kaz e Ryan Firpo, falaram sobre a mudança. Kaz explicou:
“Nós tínhamos um verme da areia no [roteiro] original de Eternos! Na Babilônia, seria um verme da areia que atacaria e eles mudaram porque ficaram tipo, ‘Bem, nós achamos que Duna vai sair em algum momento perto disso’. Eles não deveriam ficar parecidos, obviamente; isso aconteceu por causa da pandemia que tivemos, que você pode ter ouvido sobre. É, eles deveriam ter saído juntos, então…”
A cena em questão ocorre no meio do filme, quando vemos eles derrotando os “últimos deviantes” que eles acreditavam existir no planeta. Porém, ao invés de uma grande minhoca da areia, temos um deviante na forma de uma pantera ou leopardo no lugar.

image.png.0db32e8cc9e5abd569fdea74a82a3467.png
Já Ryan Firpo fez outra revelação bem interessante, o diretor de Duna, Denis Villeneuve, assistiu a uma sessão no final de semana de estreia do longa:
“Um fato divertido, nós fizemos uma sessão para amigos e família em um final de semana no Cinema da China e por coincidência, Denis [Villeneuve] estava no meio do público. Ele apenas entrou para assistir, eu acho”. 
Kaz Firpo completou dizendo que o diretor estava no fundo do cinema com seus parceiros assistindo Eternos. Ele também deixou claro: “Chloe [Zhao] tem um amor muito grande pelo Denis e vice versa. Eles são cineastas muito talentosos. Então, sim, ele estava lá. Ele estava nos apoiando no final de semana de abertura”. 

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

Duna foi uma das grandes surpresas do ano passado e já levou para casa seu primeiro prêmio no Globo de Ouro 2022.

Durante a cerimônia de vencedore, o filme foi condecorado com a estatueta de Melhor Trilha Sonora Original, composta pelo lendário Hans Zimmer.

Lembrando que o longa já está disponível na HBO Max!

 

FONTE: CINEPOP

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

×
×
  • Create New...