UA-130521384-1 Jump to content
Forum Cinema em Cena
Rei do cuco

Coringa - Joker (Joaquim Phoenix, 04/10/2019)

Recommended Posts

2 hours ago, Jorge Soto said:

o palhaco do crime e o rei da comedia

Coringa-De-Niro.jpg

 

Esse deve ser o melhor papel do Robert desde... desde... sei lá, a muuuuuuito tempo.

Ele tem perdido tempo com comédias idiotas faz tanto tempo, é bom ver ele voltar pra algo mais sólido.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Robert De Niro recebeu explosivo no primeiro dia de filmagens de Coringa
Robert De Niro apareceu nas manchetes na última Primavera após receber um pacote suspeito, que continha um explosivo. O incidente foi noticiado no mundo inteiro, mas há algo que não sabíamos: isso aconteceu no primeiro dia de filmagens de Coringa.
Em entrevista ao IndieWire, o diretor do filme, Todd Philliops, contou sobre o incidente.“Uns caras do FBI apareceram no set”, disse Phillips. “E eu pensei, ‘oh Deus, como ele vai estar?’. E ele [Robert De Niro] aparece como se não fosse nada, pronto para arrebentar, ele estava no controle. Ele é incrível”.

Imagem relacionada

Share this post


Link to post
Share on other sites
3 minutes ago, Jorge Soto said:

Robert De Niro recebeu explosivo no primeiro dia de filmagens de Coringa
Robert De Niro apareceu nas manchetes na última Primavera após receber um pacote suspeito, que continha um explosivo. O incidente foi noticiado no mundo inteiro, mas há algo que não sabíamos: isso aconteceu no primeiro dia de filmagens de Coringa.
Em entrevista ao IndieWire, o diretor do filme, Todd Philliops, contou sobre o incidente.“Uns caras do FBI apareceram no set”, disse Phillips. “E eu pensei, ‘oh Deus, como ele vai estar?’. E ele [Robert De Niro] aparece como se não fosse nada, pronto para arrebentar, ele estava no controle. Ele é incrível”.

Imagem relacionada

Se eu não soubesse, diria que foi o Jared Leto:lol:

Share this post


Link to post
Share on other sites
10 hours ago, Big One said:

diz diretor

na íntegra:

Em entrevista à revista Empire, Phillips:
"Não seguimos nada dos quadrinhos, e as pessoas vão ficar chateadas com isso. Apenas escrevemos nossa própria versão sobre de onde um cara como o Coringa pode surgir. Isso foi o interessante para mim. Nós não estamos fazendo um filme do Coringa, mas sim a história de se tornar o Coringa. É sobre esse cara".

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um assunto um pouco off topic, que se acharem melhor discutir em outro lugar, eu acharia massa.

Mas ao ver uma postagem de um youtuber que eu conheço no twitter associando o momento atual do brasil defendendo trabalho infantil com o coringa do Heath Ledger, me veio uma reflexão que não sei se faz sentido.

O youtuber associou a imagem do coringa a sociopatia, só que eu não acho que o Coringa do Ledger seja um sociopata, ou não só sociopata (talvez seja sociopata também, mas a sociopatia dele além de não ser a unica coisa que o faz agir como age, acho que a sociopatia dele é usada por ele pra outros fins, que eu irei abordar mais a frente). Acho que ele é um anarquista puro, uma pessoa que vê a teia, a estrutura social, e os consequentes costumes da sociedade, e se propõe a ser um critico sádico, explorando a natureza desse sistema para provar que ele leva as pessoas a um estado de insanidade naturalizado. 

Pois, diferente dos coringas dos quadrinhos, que queria por fogo no circo só pra por fogo no circo, só pra provar que todos querem por fogo no circo, ou que todos podem expor sua natureza má, o Coringa do Ledger, ao meu ver, (e, sim, do Ledger, não do Nolan, pois acho que o personagem teve muito mais a contribuição do ator do que do diretor, rick que venha me crucificar hehehe) acha que a forma como a sociedade se encontra, a sua organização e estrutura, cria esse monstro dentro da gente (ou a gente), e que se manifesta de várias formas e basta um empurrãozinho pra que ele expresse toda a sua sociopatia alimentada por esse sistema. 

Por que eu acho isso? porque o Coringa do Ledger a toda hora se refere aos planos deles (deles eu interpreto que seja do sistema, de quem se beneficia do sistema), de que ele não faz planos, ele é um cachorro que corre atrás da roda mas quando a alcança não sabe o que fazer (na verdade, quando ele fala essa frase, ele está defendendo o que o ser humano na verdade é e, portanto, o que a sociedade, como estrutura, deveria respeitar pelo ser humano ser assim). Tem outra parte também que ao falar do efeito na sociedade da morte de uma pessoa importante, ele expõe a loucura que é a casta e o aparthaid social. 

Esse filme presente, me parece, vai abordar mais o Coringa como um resultado traumático, como, qualquer pessoa normal, em situação de stress e após um momento traumático, está suscetível a se tornar um psicopata. Não vai abordar um Coringa sociopata por natureza, mas não vai ter a abordagem que o Heath construiu.

 Bem, particularmente eu prefiro a abordagem que o Heath deu, pois acaba também transcendendo a pessoa ou a complexidade do comportamento humano, como indivíduo, e faz uma abordagem social!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tem que ver como será abordada a evolução/transformação do Coringa do Phoenix. Por exemplo, se ele já um sociopata e só precisa de um empurrãoznho (frase que o Coringa do Ledger usa também quando ele diz:

"...sabe, a loucura é como a gravidade. Só precisa de um empurrão"
Joker (Heath Ledger)

..Ou se ele será um cara ferrado que aos poucos vai ficando louco até se transformar no Coringa.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
14 hours ago, Gustavo Adler said:

suscetível a se tornar um psicopata

bem interessante a postagem, Gustavo!

o q vc diria sobre essa.. "normalidade prévia" do personagem do Phoenix ali no trailer? parece que há um contexto (mãe, isolamento, frustrações etc.) que torna esse ambiente do Fleck uma bomba relógio, mais que a maioria. Como se... o empurrão, no caso dele, não precisasse ser tão forte, talvez?

Share this post


Link to post
Share on other sites

De acordo com a revista Empire, o cineasta Todd Phillips convenceu os executivos a fazer Joker num after party do premiere do filme War Dogs. Ele disse então que eles, Warner, poderiam fazer um filme do Coringa de baixo orçamento e sem CGI, e que isso poderia ser o começo de uma nova divisão..a DC Black..filme de baixo orçamento, sem CGI e com grandes atores e cineastas, filmes raiz para fazer contra-ponto aos filmes multimilionários Marvel. 

Então ele disse aos executivos, que o Coringa poderia ser o primeiro dessa leva. O diretor ainda completa que a energia que vc tira do ator numa rua do Bronx é totalmente diferente do ator numa sala com fundo verde. "Não há uma cena com fundo verde nesse filme" completa o Todd Phillips.

Share this post


Link to post
Share on other sites
11 hours ago, Big One said:

Tem que ver como será abordada a evolução/transformação do Coringa do Phoenix. Por exemplo, se ele já um sociopata e só precisa de um empurrãoznho (frase que o Coringa do Ledger usa também quando ele diz:

"...sabe, a loucura é como a gravidade. Só precisa de um empurrão"
Joker (Heath Ledger)

..Ou se ele será um cara ferrado que aos poucos vai ficando louco até se transformar no Coringa.

 

Sim, mas a loucura dentro desse contexto de sociedade com os problemas que ele apontou anteriormente ("se uma pessoa comum morre, o dia é normal como outro qualquer, mas se algum embaixador, político ou dono de um empreedimento famoso morre, as pessoas perdem suas cabeças" "Eles fazem planos, eu não, eu sou um cão que corre atrás da roda e quando alcança não sabe o que fazer com ela", tem a conversa dele com o Batman, que não me lembro bem, mas diz: "você não é assim, não é como eles, não aja como se fosse um deles, você não é" quando põe fogo na parte dele que foi combinada com os traficantes: "precisamos de vilões melhores nessa cidade" - aqui eu interpeto que ele critica essa nossa apatia por fazer aquilo que queremos fazer, e só nos prontificamos a fazer mediante a chantagem de um ganho econômico...).

Acho que essa loucura que o Heath menciona é justamente essa tensão que a estrutura social da nossa sociedade (ou das sociedades megalomaniacas) cujos membros são um cachorro que não sabe bem o que fazer. Você põe o desejo e a necessidade de manter o controle sobre as coisas em um grupo de animais que somos nós humanos, que não sabemos muito bem o que é esse controle e como mante-lo, acabamos todos meio loucos em uma gaiola, em um estado de tensão que basta um empurrãozinho.

Da pra fazer essa extrapolação a uma matilha de lobos, também. Pega um lider alfa autoritário e centralizador (sim, há alfas menos autoritários e menos centralizadores), que quer mais comida, quer concentrar mais comida, e pra isso ele cobra sempre mais do seu grupo. Só que ele não sabe como obter mais e o que fazer pra obter mais, então ele vai cada vez mais usar da força e do seu status pra tentar alcançar esses desejos (e quanto menos "sábios os alfas são, sim, há lobos que aprende mais sobre o que está fazendo e lobos que sabem menos, maiores são a chance dele abusar de seu status de alfa).
 

4 hours ago, primo said:

bem interessante a postagem, Gustavo!

o q vc diria sobre essa.. "normalidade prévia" do personagem do Phoenix ali no trailer? parece que há um contexto (mãe, isolamento, frustrações etc.) que torna esse ambiente do Fleck uma bomba relógio, mais que a maioria. Como se... o empurrão, no caso dele, não precisasse ser tão forte, talvez?

Então, por isso que acho que o filme abordará mais a questão pessoal, como um trauma em uma pessoa que está já sob stress pode leva-lo a loucura (não sei se o filme vai abordar tão profundamente as questões sociais como o Heath Ledger apontou. E estou estou dando os créditos ao Ledger porque acho que essa abordagem, essa concepção do Coringa que eu estou pensando a respeito, ao meu ver, tem muito da visão de mundo do Heath, do que ele acredita ser a sociedade. Estou cada vez mais convencido que esse personagem foi mais criação do Heath Ledger do que do Nolan).

Share this post


Link to post
Share on other sites
21 hours ago, Gustavo Adler said:



O youtuber associou a imagem do coringa a sociopatia, só que eu não acho que o Coringa do Ledger seja um sociopata, ou não só sociopata (talvez seja sociopata também, mas a sociopatia dele além de não ser a unica coisa que o faz agir como age, acho que a sociopatia dele é usada por ele pra outros fins, que eu irei abordar mais a frente).

 Eu não achoque caiba duvida aqui. O Coringa decididamente é um sociopata. Ele tem um total desprezo por normas sociais, tem traços egocêntricos, desconsideração por sentimentos e opiniões alheias, comportamento impulsivo, personalidade manipuladora. Enfim, tem a foto dele do lado do termo sociopata. Somado a isso, o Coringa do Ledger também é um psicopata de alto nível, que não sente culpa, remorso, e não compreende de forma empática processos emocionais, além de ser altamente inteligente.

 Acho equivocado afirmar que ele "usa a sociopatia para outros fins" por que passa a idéia de ferramenta, ou seja, algo que você pode escolher não usar. E não é o caso. Ele é sociopata e ponto.

  

21 hours ago, Gustavo Adler said:

 Acho que ele é um anarquista puro, uma pessoa que vê a teia, a estrutura social, e os consequentes costumes da sociedade, e se propõe a ser um critico sádico, explorando a natureza desse sistema para provar que ele leva as pessoas a um estado de insanidade naturalizado. 

 Não sei se concordo com isso também. O Coringa do Ledger com certeza flerta com muitas das idéias do anarquismo. O desprezo por uma autoridade gestora, e pelo capital como fim. Mas o anarquismo puro acredita justamente que o ser humano tem total capacidade de se autogerir sem a gestão do estado ou de qualquer outra figura de autoridade. O Coringa do Ledger não acredita nisso. Ele acredita que a natureza real do ser humano sem "as regras" é se matar. Não tem coletivismo, não tem solidariedade. "Quando eu acabar, essas pessoas civilizadas, vão comer umas as outras", ele diz ao Batman em certo momento.  Esse pensamento é totalmente anti anarquista, pois o anarquismo prega justamente que somos plenamente capazes de viver em harmonia sem o sistema. O Coringa do Ledger quer destruir o sistema, mas ele não acredita em harmonia.

 

21 hours ago, Gustavo Adler said:

Pois, diferente dos coringas dos quadrinhos, que queria por fogo no circo só pra por fogo no circo, só pra provar que todos querem por fogo no circo, ou que todos podem expor sua natureza má, o Coringa do Ledger, ao meu ver, (e, sim, do Ledger, não do Nolan, pois acho que o personagem teve muito mais a contribuição do ator do que do diretor, rick que venha me crucificar hehehe) acha que a forma como a sociedade se encontra, a sua organização e estrutura, cria esse monstro dentro da gente (ou a gente), e que se manifesta de várias formas e basta um empurrãozinho pra que ele expresse toda a sua sociopatia alimentada por esse sistema. 

 

 Eu discordo. No meu entender, o Coringa do Ledger não acredita que o sistema cria a natureza monstruosa do ser humano. Ele acredita que o sistema nos permite ser monstruosos de forma anestesiada e hipócrita. Mas não é o sistema que torna o ser humano monstruoso, na visão do vilão. O ser humano é um monstro por si só, e é isso que ele tenta provar o filme todo. O Coringa percebe a estrutura social, e sabe manipula-la, mas as motivações dele no fim não são politicas. Apontar as insanidades do sistema é um meio, não um fim.

21 hours ago, Gustavo Adler said:

 

Por que eu acho isso? porque o Coringa do Ledger a toda hora se refere aos planos deles (deles eu interpreto que seja do sistema, de quem se beneficia do sistema), de que ele não faz planos, ele é um cachorro que corre atrás da roda mas quando a alcança não sabe o que fazer (na verdade, quando ele fala essa frase, ele está defendendo o que o ser humano na verdade é e, portanto, o que a sociedade, como estrutura, deveria respeitar pelo ser humano ser assim). Tem outra parte também que ao falar do efeito na sociedade da morte de uma pessoa importante, ele expõe a loucura que é a casta e o aparthaid social. 

  Mas tem que ver o contexto da cena. Todo esse diálogo que você cita é dado para o Dent. Um cara que acreditava piamente no sistema. Vamos lembrar, o Coringa é um manipulador, então ele sabe muito bem pra quem ele tá falando. Não tem nenhuma mentira ali, e essa é a beleza da coisa. "a policia tem planos, a mafia tem planos, o Gordon tem planos. Você tinha planos". Mas ao mesmo tempo que o Coringa tá expondo a insanidade e crueldade do sistema, ele também tá dizendo que todos esses planos, mesmo os bem intencionados como o do Harvey e do Gordon não servem pra nada, por que no fim todo mundo é podre, no fim todo mundo se corrompe. Não tem a ver com o sistema, tem a ver com a nossa natureza. Não é o Coringa dizendo "olha, como o sistema é malvado", e sim dizendo "cara, o mundo já é louco, eu só aceito isso".

 

21 hours ago, Gustavo Adler said:


Esse filme presente, me parece, vai abordar mais o Coringa como um resultado traumático, como, qualquer pessoa normal, em situação de stress e após um momento traumático, está suscetível a se tornar um psicopata. Não vai abordar um Coringa sociopata por natureza, mas não vai ter a abordagem que o Heath construiu.

 A questão é que o Coringa não tem origem no filme do Nolan, e aqui vai ser uma história de origem. Mas em muitos aspectos, podem ser vistas como abordagens semelhantes. "Loucura é como gravidade. Só precisa de um empurrão", é o que o Coringa do Ledger diz. E ele tenta provar isso com o experimento da balsa (onde ele falha) e com o Harvey (onde ele tem sucesso). Não é uma questão de sociedade (não completamente, mas as mazelas da sociedade seria mais um fator aqui).  O argumento é que qualquer um pode quebrar, e se tornar um monstro, bastando apenas um dia ruim para isso. Se a sociedade fosse outra, ocorreria do mesmo jeito, pois é uma questão de natureza humana. É o que parece que o filme do Phoenix vai mostrar.

21 hours ago, Gustavo Adler said:

 

 Bem, particularmente eu prefiro a abordagem que o Heath deu, pois acaba também transcendendo a pessoa ou a complexidade do comportamento humano, como indivíduo, e faz uma abordagem social!

 A abordagem social existe na versão do Ledger (e acho que vai estar presente na versão do Phoenix também, afinal, a principal inspiração é TAXI DRIVER) mas no caso do Coringa do Ledger, o argumento social não é o principal ponto do personagem, apenas um caminho para o comportamento humano, onde parece residir o argumento central do palhaço do Ledger.

Share this post


Link to post
Share on other sites
5 hours ago, Questão said:

Eu não achoque caiba duvida aqui. O Coringa decididamente é um sociopata. Ele tem um total desprezo por normas sociais, tem traços egocêntricos, desconsideração por sentimentos e opiniões alheias, comportamento impulsivo, personalidade manipuladora. Enfim, tem a foto dele do lado do termo sociopata. Somado a isso, o Coringa do Ledger também é um psicopata de alto nível, que não sente culpa, remorso, e não compreende de forma empática processos emocionais, além de ser altamente inteligente.

 Acho equivocado afirmar que ele "usa a sociopatia para outros fins" por que passa a idéia de ferramenta, ou seja, algo que você pode escolher não usar. E não é o caso. Ele é sociopata e ponto.

acho que tu não leu o que eu disse, eu não neguei que ele é um sociopata, só disse que ele não é só um sociopata e além disso, ele usa a sociopatia pra mostrar o quão o sistema social que vivemos já predispõe todos nós a loucura, ou a sociopatia, e que basta um empurrãozinho (o texto todo que tracei da exemplos dessa visão do Heath)

 

5 hours ago, Questão said:

 Não sei se concordo com isso também. O Coringa do Ledger com certeza flerta com muitas das idéias do anarquismo. O desprezo por uma autoridade gestora, e pelo capital como fim. Mas o anarquismo puro acredita justamente que o ser humano tem total capacidade de se autogerir sem a gestão do estado ou de qualquer outra figura de autoridade. O Coringa do Ledger não acredita nisso. Ele acredita que a natureza real do ser humano sem "as regras" é se matar. Não tem coletivismo, não tem solidariedade. "Quando eu acabar, essas pessoas civilizadas, vão comer umas as outras", ele diz ao Batman em certo momento.  Esse pensamento é totalmente anti anarquista, pois o anarquismo prega justamente que somos plenamente capazes de viver em harmonia sem o sistema. O Coringa do Ledger quer destruir o sistema, mas ele não acredita em harmonia.


Sim, é verdade, mas ai é a questão da arte que deixa em aberto. 

Será que ele falou isso de quando ele acabar as pessoas civilizadas vão se comer umas as outras, ele não está fazendo uma crítica justamente a esse civilizismo que faz as pessoas ficarem predispostas a loucura? será que se não houvesse essa necessidade de civilidade, as pessoas não poderiam livremente gerir suas próprias vidas? 

De fato o Heath não aborda se não tivesse antes a civilização das pessoas como elas seriam. Mas eu tenho a impressão de que esse trecho ele fala com base no processo civilizatório do qual as pessoas já foram sujeitas por todas as suas vidas. 

Ele acha que o caos é a harmonia, resta saber o que ele pensa de caos, cada um cuidando da sua vida e a coletividade ser resultado disso, ou não existir coletividade e cada um cuidar da sua, ou há guerra e conflito eterno sem ninguém conseguir cuidar da sua vida, ou o pessoal cuida da sua vida mas sempre em conflito eterno, ou há coletividades e conflitos caoticamente dispostos no tempo das pessoas e das gerações, sem haver uma estrutura que as delimite....

mas o que eu tenho certeza é que ele prega que cada um tem que se mover solto, livremente, caoticamente, sem uma ordem, e o resultado disso será apenas isso, resultado, consequencia, sem um fim, sem um plano, sem objetivo. 

 

 

5 hours ago, Questão said:

Eu discordo. No meu entender, o Coringa do Ledger não acredita que o sistema cria a natureza monstruosa do ser humano. Ele acredita que o sistema nos permite ser monstruosos de forma anestesiada e hipócrita. Mas não é o sistema que torna o ser humano monstruoso, na visão do vilão. O ser humano é um monstro por si só, e é isso que ele tenta provar o filme todo. O Coringa percebe a estrutura social, e sabe manipula-la, mas as motivações dele no fim não são politicas. Apontar as insanidades do sistema é um meio, não um fim.


pois eu discordo, pra mim, Heath tenta a toda hora demonstrar como a sociedade deixa a gente louca. Não vi em nenhum momento o filme ou ele demonstrar que a pessoa é louca e que a sociedade permita que nós sejamos monstruoso anestesiados e hipócritas, pois ele não acha que exista monstruosidade. Ao meu ver, a monstruosidade é também uma criação, na visão do Heath.

Pelo que eu pude perceber, é justamente isso que baseia a ideia de que o caos seria o ideal. Pois ele a todo momento aponta como que a monstruosidade é decorrente da necessidade criada pelo sistema social das pessoas conviverem obrigatoriamente umas com as outras, desejando uma coisa, recompensa, sobre a regra e planos de quem está no poder.

Para o Coringa de Heath, o ideal seria cada um viver sua vida livremente, vagar pelo espaço da  vida sem planos e objetivos, podendo ou não ocasionalmente haver conflitos entre um(s) e outro(s), mas também podendo haver afiliações entre um(s) e outro(s), e não necessariamente ligações e conflitos duradouros, e, que, no meio da liberdade das pessoas, tais eventos se dispersariam na mistura de multiplos eventos decorrentes da liberdade caotica da pessoa consigo mesma. 

Ao meu ver, a tal natureza monstruosa do ser humano é porque ele é obrigado a seguir os ritos da sociedade, preso em suas estruturas. De fato, não há nada que aponte que ele ache que a monstruosidade é decorrente disso, mas sei lá, algo na postura dele quando ele trata esses assuntos me faz ter essa leitura. Por exemplo, ele percebe que o Batman foge das regras dessa estrutura, e age conforme ele mesmo, opa.

Acho que estou repensando isso.

Ta ai, um ponto que talvez aponte pra o que você está dizendo, ele percebe que o Batman não age como os outros, aceitando seguir os planos e os ritos, e, por isso ele quer demonstrar que ele pode expor a monstruosidade inerente a ele, como ele acredita que é inerente a todo o ser humano?

 

Mas ai é que está, eu não acho que o Coringa vê o Batman como uma monstruosidade, eu não acho que o Coringa acredita na existência da monstruosidade, e, no fim, ele acha que o Batman segue não caindo na loucura que ele tanto prega, porque ele, Batman, acreditou em valores que  aceitou ter durante sua socialização.

A luta do Coringa com o Batman é fazer com que ele perca esses valores e haja livremente, caoticamente, se ele quiser matar mata, se quiser salvar salva, e siga sua vida. Algo assim. Não entendo o Leagder acreditando na monstruosidade humana, como características (sim, talvez que o homem faz atos monstruosos, mas caoticamente se livre fosse permitido viver).
É justamente a ideia do cão que corre atrás do carro mas quando o alcança não sabe o que fazer.   

Ao meu ver, o Coringa tem um certo desprezo pelo Batman ter esses valores e se segurar neles (e ao meu ver esse desprezo fica bem claro na conversa entre os dois na prisão, quando ele diz pra não agir como eles, reconhecendo que ele não é como eles, e portanto, deve se livrar dessas amarras bestas que são esses valores que ele segue). Esse desprezo só vai se perder quando ele ve que realmente não consegue dobrar o Batman.

Se o Coringa acreditasse na monstruosidade humana, logo, não vejo porque o mesmo citar o caos frequentemente, pois se somos monstros, logo, há uma ordem aqui de ação devido a nossa natureza, sermos monstros nos atacando. 

 

5 hours ago, Questão said:

Mas tem que ver o contexto da cena. Todo esse diálogo que você cita é dado para o Dent. Um cara que acreditava piamente no sistema. Vamos lembrar, o Coringa é um manipulador, então ele sabe muito bem pra quem ele tá falando. Não tem nenhuma mentira ali, e essa é a beleza da coisa. "a policia tem planos, a mafia tem planos, o Gordon tem planos. Você tinha planos". Mas ao mesmo tempo que o Coringa tá expondo a insanidade e crueldade do sistema, ele também tá dizendo que todos esses planos, mesmo os bem intencionados como o do Harvey e do Gordon não servem pra nada, por que no fim todo mundo é podre, no fim todo mundo se corrompe. Não tem a ver com o sistema, tem a ver com a nossa natureza. Não é o Coringa dizendo "olha, como o sistema é malvado", e sim dizendo "cara, o mundo já é louco, eu só aceito isso".


Eu acho que discordo em partes, de fato o Coringa fala de que tem planos, mas definitivamente ele define ter planos como algo ruim e ponto. Não há, para o Coringa, planos bons ou planos ruins, há ter planos, e eles são ruins (pois somos cachorros que quando alcançamos o carro não sabemos bem o que fazer com ele), porque acabam sendo feitos pela limitação humana, e, portanto, em benefício dessa limitação, ou seja, acabamos destroçando o carro porque nos foi criado a necessidade de ter um plano pra ele. 

Então, eu não acho que o Coringa diz que o sistema é malvado e que somos loucos. Acho que o Coringa diz que como podemos aceitar viver sob essas regras e ritos, dentro desse sistema, que acaba nos levando a uma situação completamente tensa e propensa a loucura. Pra o Coringa, ao meu ver, a loucura não é uma característica, é assumir que esse estilo de vida é insana (que é reforçado até pela atitude do Duas caras quando ele fala pro Gordon: vivemos em um mundo insano em tempos insanos" algo assim, como que assumindo a sugestão do Coringa, de que esse modo de vida nessa gaiola que é a sociedade é insana e precisa ser tratada como, precisamos ser insanos mesmo, e não por mascaras). 

Ou seja, a loucura, na visão do Coringa, nem é consequencia, nem é natureza humana, nem é fruto de um trauma, é viver sob essas circunstâncias acima citadas, sobre regras, planos, em uma estrutura separada e hierarquizada (justamente pra fazer os planos acontecerem). Com o caos, não há loucura, porque há muita tanta coisa, pois não haverá a vida sob o julgo de regras e planos. É isso que estou entendendo do filme de Heath, atualmente. 

 

5 hours ago, Questão said:

A questão é que o Coringa não tem origem no filme do Nolan, e aqui vai ser uma história de origem. Mas em muitos aspectos, podem ser vistas como abordagens semelhantes. "Loucura é como gravidade. Só precisa de um empurrão", é o que o Coringa do Ledger diz. E ele tenta provar isso com o experimento da balsa (onde ele falha) e com o Harvey (onde ele tem sucesso). Não é uma questão de sociedade (não completamente, mas as mazelas da sociedade seria mais um fator aqui).  O argumento é que qualquer um pode quebrar, e se tornar um monstro, bastando apenas um dia ruim para isso. Se a sociedade fosse outra, ocorreria do mesmo jeito, pois é uma questão de natureza humana. É o que parece que o filme do Phoenix vai mostrar.


Percebe que o lance das balsas é um plano? são regras que o Coringa estipulou? é isso que o Coringa quer mostrar, viver sobre regras é loucura, e leva a loucura, basta só um empurrãozinho.

E, pelo trailer e suposto enredo que vazou, eu acho que não é o que o filme do Phoenix vai mostrar não, pois parece que o trauma e stress com que ele, pessoalmente, passou, vai ser o transformador de uma pessoa que genuinamente queria fazer rir pra uma pessoa que genuinamente ri fazendo sofrimento. 

mas trailer não diz nada (embora muitos trailers são melhores que o filme hahaha)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×