Jump to content
Forum Cinema em Cena

Batman Begins


clark
 Share

Recommended Posts

 

   Ótima surpresa. O melhor filme do Batman' date=' o que faz valer a pena conferir, sem dúvida alguma.smiley2.gif

[/quote']

Vocês estão me atiçando. Então lá vai. felipef na sáida do cinema:

 

"O melhor Batman (Bale),

No melhor filme de Batman,

Num dos melhores filmes do ano,

Mas que ainda, acho eu, não é o filme definitivo do Batman."

 

Essa frase pode mudar no domingo, ou não.

Link to comment
Share on other sites

COM SPOILERS

Foi legal saber que o Coringa vai ser o próximo vilão(através da carta do baralho). Excelentes atuações do Cillian Murphy(Crane/Espantalho) e do Gary Oldman(Comissário Gordon). Só acho que o filme ficou totalmente focado no Batman, e o Espantalho foi pouco explorado. Espero que o Coringa seja mais explorado no próximo filme, aliás, se tivermos só um grande vilão no próximo filme, vai ser melhor. Posso ser criticado aqui, mas o Espantalho e o Ra´s Al Ghul não são vilões do primeiro time, espero que, nos próximos filmes tenhamos um Coringa bem interpretado, como foi por Jack Nicholson e quem sabe, no terceiro, um Charada igual aos dos quadrinhos(bem-diferente da caricatural interpretação de Jim Carrey em "Batman Eternamente").

Agora, tirem a minha dúvida, na cena em que Rachel derrota o Espantalho, o que ela joga nele ?

Eduardo38520.9979050926
Link to comment
Share on other sites

COM SPOILERS

 

Foi legal saber que o Coringa vai ser o próximo vilão(através da carta do baralho). Excelentes atuações do Cillian Murphy(Crane/Espantalho) e do Gary Oldman(Comissário Gordon). Só acho que o filme ficou totalmente focado no Batman' date=' e o Espantalho foi pouco explorado. Espero que o Coringa seja mais explorado no próximo filme, aliás, se tivermos só um grande vilão no próximo filme, vai ser melhor. Posso ser criticado aqui, mas o Espantalho e o Ra´s Al Ghul não são vilões do primeiro time, espero que, nos próximos filmes tenhamos um Coringa bem interpretado, como foi por Jack Nicholson e quem sabe, no terceiro, um Charada igual aos dos quadrinhos(bem-diferente da caricatural interpretação de Jim Carrey em "Batman Eternamente").

 

Agora, tirem a minha dúvida, na cena em que Rachel derrota o Espantalho, o que ela joga nele ?

[/quote']

 

 

 

tá ligado aquelas maquininha portátil de choque?

 

 

Link to comment
Share on other sites

COM SPOILERS


Foi legal saber que o Coringa vai ser o próximo vilão(através da carta do baralho). Excelentes atuações do Cillian Murphy(Crane/Espantalho) e do Gary Oldman(Comissário Gordon). Só acho que o filme ficou totalmente focado no Batman' date=' e o Espantalho foi pouco explorado. Espero que o Coringa seja mais explorado no próximo filme, aliás, se tivermos só um grande vilão no próximo filme, vai ser melhor. Posso ser criticado aqui, mas o Espantalho e o Ra´s Al Ghul não são vilões do primeiro time, espero que, nos próximos filmes tenhamos um Coringa bem interpretado, como foi por Jack Nicholson e quem sabe, no terceiro, um Charada igual aos dos quadrinhos(bem-diferente da caricatural interpretação de Jim Carrey em "Batman Eternamente").


Agora, tirem a minha dúvida, na cena em que Rachel derrota o Espantalho, o que ela joga nele ?

[/quote']

tá ligado aquelas maquininha portátil de choque?

Nem tava, mas agora que vc falou, vc esclareceu a minha dúvida. Valeu !smiley1.gif

Link to comment
Share on other sites

COM SPOILERS

Foi legal saber que o Coringa vai ser o próximo vilão(através da carta do baralho). Excelentes atuações do Cillian Murphy(Crane/Espantalho) e do Gary Oldman(Comissário Gordon). Só acho que o filme ficou totalmente focado no Batman' date=' e o Espantalho foi pouco explorado. Espero que o Coringa seja mais explorado no próximo filme, aliás, se tivermos só um grande vilão no próximo filme, vai ser melhor. Posso ser criticado aqui, mas o Espantalho e o Ra´s Al Ghul não são vilões do primeiro time, espero que, nos próximos filmes tenhamos um Coringa bem interpretado, como foi por Jack Nicholson e quem sabe, no terceiro, um Charada igual aos dos quadrinhos(bem-diferente da caricatural interpretação de Jim Carrey em "Batman Eternamente").

[/quote']

O nome do filme é Batman Begins e não Espantalho ou Ra´s Begins.

O vilão do filme é o Ra´s, o Espantalho é segundo plano.

Vilões de primeiro time? O que você quer dizer com isso? Mais famosos ou mais terríveis? Porque, o Coringa (famoso) se limita a Batman e Gotham. Já os planos do Ra´s para o mundo depois de Gotham...

E SE rolarem continuações, Goyer já disse quais serão os vilôes. Nada de ?.

felipef38521.0069212963
Link to comment
Share on other sites

Vilões do primeiro time : Coringa, Charada, Pingüim e Mulher-Gato.

Vilões do segundo time : Espantalho, Senhor Frio, Hera, Chapeleiro, aquele vilão que é manipulado por um fantoche, Ra´s.

Sei lá, eu sei que o foco tinha que ser na origem do Batman, e o Bale está brilhante no filme, mas achei que os vilões principais tinham que aparecer um pouco mais.

Mas a atmosfera sombria que o Nolan deu ao filme foi muito boa.

riddler.jpg

Eduardo38521.0126157407
Link to comment
Share on other sites

COM SPOILERS

Foi legal saber que o Coringa vai ser o próximo vilão(através da carta do baralho). Excelentes atuações do Cillian Murphy(Crane/Espantalho) e do Gary Oldman(Comissário Gordon). Só acho que o filme ficou totalmente focado no Batman' date=' e o Espantalho foi pouco explorado. Espero que o Coringa seja mais explorado no próximo filme, aliás, se tivermos só um grande vilão no próximo filme, vai ser melhor. Posso ser criticado aqui, mas o Espantalho e o Ra´s Al Ghul não são vilões do primeiro time, espero que, nos próximos filmes tenhamos um Coringa bem interpretado, como foi por Jack Nicholson e quem sabe, no terceiro, um Charada igual aos dos quadrinhos(bem-diferente da caricatural interpretação de Jim Carrey em "Batman Eternamente").

Agora, tirem a minha dúvida, na cena em que Rachel derrota o Espantalho, o que ela joga nele ?

[/quote']

Acho que foi o certo, o filme tem que ser focado em sua maioria no Batman o ostros são parte da historia.

Acho que todos esperamos um coringa completamente pirado, com cara de maluco, narigudo, olhos vermelhos que mata e acha graça ..

..... Crispin Glover !! ..... Crispin Glover !! ..... Crispin Glover !!

Link to comment
Share on other sites

smiley10.gifsmiley10.gifsmiley10.gifsmiley10.gifsmiley10.gif - BATMAN BEGINS

Antes de escrever qualquer coisa sobre "Batman Begins" é preciso reconhecer de imediato que o filme é fantástico. A produção de Christopher Nolan, diretor e co-roteirista juntamente com David Goyer, não apenas redime o material ridicularizado por Joel Schumacher em "Batman e Robin", não apenas dá um fôlego novo e realista ao homem-morcego como se apresenta como a melhor adaptação de uma HQ para a telona deixando para trás até mesmo o excelente trabalho realizado em "Homem-Aranha 2". "Batman Begins" é de uma competência invejável capaz de sustentar uma trama de maneira equilibrada, ágil e consciente.

A primeira incursão do personagem no cinema se deu em 1989 em uma produção ao estilo de Tim Burton alavancada principalmente pela atuação de Jack Nicholson como "Coringa" e a trilha sonora clássica. Em "Batman – O Retorno", o estilo gótico e sombrio ganhou tons mais contundentes e uma maior dimensão permitindo um sucesso arrebatador. Nas mãos de Joel Schumacher a franquia perdeu o tom com o esquecível "Batman Eternamente" e foi ao fundo do poço com a derradeira produção do uniforme com mamilos. No fundo do poço, amaldiçoado, esquecido até então nas gavetas dos produtores da Warner. Até então ...

O senso de responsabilidade e realidade que "Batman Begins" é absurda de tão perfeccionista. Bruce Wayne ( Christian Bale de "O Império do Sol", "Psicopata Americano", "Equilibrium", "Shaft" e "O Operário" ) tem um pesadelo, aquele que insiste em atormentá-lo ano após ano, muito maior que a sua própria realidade trancafiado em uma prisão lúgubre e traiçoeira. Sem esperança e dominado pela raiva que assola sua alma, a única escapatória parece ser a violência e violenta é a passagem em que ele enfrenta um grupo de presidiários incansavelmente até a chegada do misterioso Henri Ducard ( Liam Neeson de "A Lista de Schindler", "A Ameaça Fantasma" e "Cruzada") que promete conduzí-lo pelo melhor caminho para que ele canalise toda sua fúria. Treinado e renascido das sombras, Wayne se recusa a participar dos atos de vingança praticados pela Liga dos Assassinos liderada pelo gélido Ra’s Al Ghul ( Ken Watanabe de "O Último Samurai" ) travando assim uma batalha com seus "mestres" que será difícil de ser esquecida, apagada.

A maneira como Nolan e Goyer estruturam todo esse epílogo é repleto de bom senso desde a apresentação da infância do personagem, sua admiração pelo pai, seu trauma e até mesmo o singelo passeio de trem que culminará como sendo o coração da trama. Ótima opção também foi apresentar gradativamente, através de eficientes flashbacks, toda a inclinação da personalidade de Wayne e tudo aquilo que o motivou a guiar-se pelo mundo dos criminosos, inclusive quando jovem e acompanha a libertação do assassino de seus pais, Joe Chill. O embate moral e ético sobre justiça e vingança reserva momentos de merecida reflexão apenas para evidenciar o grau de complexidade dado pelo roteiro de "Batman Begins" ao conflito interno do seu personagem principal.

Em Gothan City, os roteiristas exteriorizam uma realidade que não está no gibi. Caótica e desequilibrada socialmente, a cidade foi vastamente corrompida pela alta sociedade despreocupada através de seus representantes corruptos, ou seja, um retrato de qualquer capital do mundo. É nesse momento que o personagem Batman torna-se mais abrangente e conquista ainda mais a admiração e a identificação do espectador, pois suas motivações foram claramente sendo moldadas ao longo do filme e são mais sensatas a partir do momento que ganha uma proporção mais ampla, mais voltada ao senso comum.

Só que é claro que estamos falando de um filme baseado em uma HQ, logo a figura do nosso herói ganha contornos igualmente interessantes e condizentes apresentando toda a criação do "símbolo" Batman, a idealização que Wayne cria para buscar justiça desde a adaptação de seu uniforme, passando pelos acessórios, "bat-caverna" e o "bat-móvel", mesmo reconhecendo que não é tão plausível um segmento militar de uma mega-organização manter-se "desativada" e "exposta" de tal maneira. De qualquer maneira, os detalhes são de encher os olhos e plenamente compreensíveis e destaco a justificativa pelas orelhas pontiagudas, o sistema articulado das asas e da capa e até mesmo a própria entonação de Bale quando devidamente caracterizado.

Caracterizar-se, aliás, é o menor dos atrativos que se dá pela atuação de Christian Bale. A sua composição é riquíssima e a sua postura em cena deixa nítido seu comportamento que vai muito além da amargura por si só, mas se mostra indefeso, sensível e raivoso nas devidas proporções. Seu conforto na pele de Wayne é autêntico e natural enquanto que na pele de Batman mostra-se forte e vigoroso. A propósito o elenco todo está impecável apresentando nomes de primeira grandeza e todos merecem destaque: seja pela confiável atuação de Liam Neeson, da excêntrica e distinta performance de Cillian Murphy como o doutor Jonathan Crane e a surpreendente segurança que Katie Holmes transparecesse de maneira agradabílissima na pele da jovem promotora Rachel Dawes. Michael Caine tornando Alfred uma figura ainda mais "finíssima", um Gary Oldman plenamente divertido e descontraído na pele do então tenente Gordon assim como as sempre bem-vindas participações de Tom Wilkinson e Morgan Freeman. São atuações de primeira-linha.

A trilha sonora composta de Thomas Newton Howard e Hans Zimmer alcança uma efetividade dramática importantíssima dentro da jornada de Wayne, voltando-se para essa dimensão emocional, enquanto que os momentos mais frenéticos recebem um tratamento mais impactante e tenso. Nem se pode comparar à excelência do tema clássico da obra de 1989, mas é um trabalho de respeito realizado por dois profissionais fora de série. Aliás, as sequências de ação são bem dirigidas e pontuadas por efeitos especiais discretos, porém eficientes com destaque ao clímax final e mesmo as lutas apresentadas apresentam um bom ritmo que não chega a ser prejudicado pela edição ( elas não se mostram tão confusas como "A Supremacia Bourne" de Paul Grengrass ).

"Batman Begins" estrutura o seu final na base da reconstrução deixando várias pontas em aberto para que novas aventuras sejam realizadas ( que se forem tão boas como essa que sejam bem-vindas ) inclusive cogitando a possibilidade do mais novo vilão. O roteiro também investe no romance entre Bruce e Rachel, mas também foge da solução fácil e de uma maneira tão satisfatória como a que foi alcançada em "Homem-Aranha" entre Peter Parker e Mary Jane ( confesso que não me agradou o pedido de Rachel ao Batman para que ele desse uma pista de quem ele seria, da maneira como foi feita, muito embora reconheça méritos nas atitudes dele em dizer a ela, justamente para evidenciar a confiança que ele tem dela e também para esclarecer aquilo que ela supostamente colocou como algo que desagradaria seu pai se estivesse vivo ). Um excelente filme altamente recomendável. O filme do ano ! Nota 10 !

Link to comment
Share on other sites

smiley36.gifaaha, pera la, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa smiley36.gif

o Batman nas HQs é uma coisa, no cinema é OUTRA!!

eu não consigo entender como um heroi pode ser temido cujo um simples tiro o deixaria rendido!!

eu acho que pra um cara ser heroi ele tem que ser capaz de obreviver a surpresas do seu trabalho, eu li pouco as hqs do Batman, mas gostava do pouco que lia, mesmo sendo roupa de pano, mas no filme, roupa de pano NÃO ROLA!!

ROLA o Batman ser mais assassino, mais violento, mas roupa de pano, é coisa de doido, se o Batman pode morrer com um simples tiro de um simples bandido, imagine então com um super vilão, com armas de ultima geração, bem, e imagine o Batman de pano aqui nas favelas do Rio smiley36.gif

eu acho que é apenas questão de bom senso, e a unica coisa que vejo nas HQs do Batman que não cairiam bem no cinema é a roupa de pano, O RESTO, é PERFEITO!!

aah, eu faria um Batman MATANDO MESMO os vilões!!

smiley10.gifsmiley10.gifsmiley10.gifsmiley10.gifsmiley10.gif - BATMAN BEGINS

Antes de escrever qualquer coisa sobre "Batman Begins" é preciso reconhecer de imediato que o filme é fantástico. A produção de Christopher Nolan, diretor e co-roteirista juntamente com David Goyer, não apenas redime o material ridicularizado por Joel Schumacher em "Batman e Robin", não apenas dá um fôlego novo e realista ao homem-morcego como se apresenta como a melhor adaptação de uma HQ para a telona deixando para trás até mesmo o excelente trabalho realizado em "Homem-Aranha 2". "Batman Begins" é de uma competência invejável capaz de sustentar uma trama de maneira equilibrada, ágil e consciente.

A primeira incursão do personagem no cinema se deu em 1989 em uma produção ao estilo de Tim Burton alavancada principalmente pela atuação de Jack Nicholson como "Coringa" e a trilha sonora clássica. Em "Batman – O Retorno", o estilo gótico e sombrio ganhou tons mais contundentes e uma maior dimensão permitindo um sucesso arrebatador. Nas mãos de Joel Schumacher a franquia perdeu o tom com o esquecível "Batman Eternamente" e foi ao fundo do poço com a derradeira produção do uniforme com mamilos. No fundo do poço, amaldiçoado, esquecido até então nas gavetas dos produtores da Warner. Até então ...

O senso de responsabilidade e realidade que "Batman Begins" é absurda de tão perfeccionista. Bruce Wayne ( Christian Bale de "O Império do Sol", "Psicopata Americano", "Equilibrium", "Shaft" e "O Operário" ) tem um pesadelo, aquele que insiste em atormentá-lo ano após ano, muito maior que a sua própria realidade trancafiado em uma prisão lúgubre e traiçoeira. Sem esperança e dominado pela raiva que assola sua alma, a única escapatória parece ser a violência e violenta é a passagem em que ele enfrenta um grupo de presidiários incansavelmente até a chegada do misterioso Henri Ducard ( Liam Neeson de "A Lista de Schindler", "A Ameaça Fantasma" e "Cruzada") que promete conduzí-lo pelo melhor caminho para que ele canalise toda sua fúria. Treinado e renascido das sombras, Wayne se recusa a participar dos atos de vingança praticados pela Liga dos Assassinos liderada pelo gélido Ra’s Al Ghul ( Ken Watanabe de "O Último Samurai" ) travando assim uma batalha com seus "mestres" que será difícil de ser esquecida, apagada.

A maneira como Nolan e Goyer estruturam todo esse epílogo é repleto de bom senso desde a apresentação da infância do personagem, sua admiração pelo pai, seu trauma e até mesmo o singelo passeio de trem que culminará como sendo o coração da trama. Ótima opção também foi apresentar gradativamente, através de eficientes flashbacks, toda a inclinação da personalidade de Wayne e tudo aquilo que o motivou a guiar-se pelo mundo dos criminosos, inclusive quando jovem e acompanha a libertação do assassino de seus pais, Joe Chill. O embate moral e ético sobre justiça e vingança reserva momentos de merecida reflexão apenas para evidenciar o grau de complexidade dado pelo roteiro de "Batman Begins" ao conflito interno do seu personagem principal.

Em Gothan City, os roteiristas exteriorizam uma realidade que não está no gibi. Caótica e desequilibrada socialmente, a cidade foi vastamente corrompida pela alta sociedade despreocupada através de seus representantes corruptos, ou seja, um retrato de qualquer capital do mundo. É nesse momento que o personagem Batman torna-se mais abrangente e conquista ainda mais a admiração e a identificação do espectador, pois suas motivações foram claramente sendo moldadas ao longo do filme e são mais sensatas a partir do momento que ganha uma proporção mais ampla, mais voltada ao senso comum.

Só que é claro que estamos falando de um filme baseado em uma HQ, logo a figura do nosso herói ganha contornos igualmente interessantes e condizentes apresentando toda a criação do "símbolo" Batman, a idealização que Wayne cria para buscar justiça desde a adaptação de seu uniforme, passando pelos acessórios, "bat-caverna" e o "bat-móvel", mesmo reconhecendo que não é tão plausível um segmento militar de uma mega-organização manter-se "desativada" e "exposta" de tal maneira. De qualquer maneira, os detalhes são de encher os olhos e plenamente compreensíveis e destaco a justificativa pelas orelhas pontiagudas, o sistema articulado das asas e da capa e até mesmo a própria entonação de Bale quando devidamente caracterizado.

Caracterizar-se, aliás, é o menor dos atrativos que se dá pela atuação de Christian Bale. A sua composição é riquíssima e a sua postura em cena deixa nítido seu comportamento que vai muito além da amargura por si só, mas se mostra indefeso, sensível e raivoso nas devidas proporções. Seu conforto na pele de Wayne é autêntico e natural enquanto que na pele de Batman mostra-se forte e vigoroso. A propósito o elenco todo está impecável apresentando nomes de primeira grandeza e todos merecem destaque: seja pela confiável atuação de Liam Neeson, da excêntrica e distinta performance de Cillian Murphy como o doutor Jonathan Crane e a surpreendente segurança que Katie Holmes transparecesse de maneira agradabílissima na pele da jovem promotora Rachel Dawes. Michael Caine tornando Alfred uma figura ainda mais "finíssima", um Gary Oldman plenamente divertido e descontraído na pele do então tenente Gordon assim como as sempre bem-vindas participações de Tom Wilkinson e Morgan Freeman. São atuações de primeira-linha.

A trilha sonora composta de Thomas Newton Howard e Hans Zimmer alcança uma efetividade dramática importantíssima dentro da jornada de Wayne, voltando-se para essa dimensão emocional, enquanto que os momentos mais frenéticos recebem um tratamento mais impactante e tenso. Nem se pode comparar à excelência do tema clássico da obra de 1989, mas é um trabalho de respeito realizado por dois profissionais fora de série. Aliás, as sequências de ação são bem dirigidas e pontuadas por efeitos especiais discretos, porém eficientes com destaque ao clímax final e mesmo as lutas apresentadas apresentam um bom ritmo que não chega a ser prejudicado pela edição ( elas não se mostram tão confusas como "A Supremacia Bourne" de Paul Grengrass ).

"Batman Begins" estrutura o seu final na base da reconstrução deixando várias pontas em aberto para que novas aventuras sejam realizadas ( que se forem tão boas como essa que sejam bem-vindas ) inclusive cogitando a possibilidade do mais novo vilão. O roteiro também investe no romance entre Bruce e Rachel, mas também foge da solução fácil e de uma maneira tão satisfatória como a que foi alcançada em "Homem-Aranha" entre Peter Parker e Mary Jane ( confesso que não me agradou o pedido de Rachel ao Batman para que ele desse uma pista de quem ele seria, da maneira como foi feita, muito embora reconheça méritos nas atitudes dele em dizer a ela, justamente para evidenciar a confiança que ele tem dela e também para esclarecer aquilo que ela supostamente colocou como algo que desagradaria seu pai se estivesse vivo ). Um excelente filme altamente recomendável. O filme do ano ! Nota 10 !

[/quote']

VIXI, o Thiago dando nota 10!!!!!!!!! smiley17.gif smiley3.gif

MASSA smiley32.gif

isso me da mais vontade de assistir smiley2.gif

Link to comment
Share on other sites

smiley36.gifaaha' date=' pera la, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa smiley36.gif

o Batman nas HQs é uma coisa, no cinema é OUTRA!!

eu não consigo entender como um heroi pode ser temido cujo um simples tiro o deixaria rendido!!

eu acho que pra um cara ser heroi ele tem que ser capaz de obreviver a surpresas do seu trabalho, eu li pouco as hqs do Batman, mas gostava do pouco que lia, mesmo sendo roupa de pano, mas no filme, roupa de pano NÃO ROLA!!

ROLA o Batman ser mais assassino, mais violento, mas roupa de pano, é coisa de doido, se o Batman pode morrer com um simples tiro de um simples bandido, imagine então com um super vilão, com armas de ultima geração, bem, e imagine o Batman de pano aqui nas favelas do Rio smiley36.gif

eu acho que é apenas questão de bom senso, e a unica coisa que vejo nas HQs do Batman que não cairiam bem no cinema é a roupa de pano, O RESTO, é PERFEITO!!

aah, eu faria um Batman MATANDO MESMO os vilões!!

 [/quote']

Tem favela em Gotham. smiley3.gif

E para ficar perfeito no segundo, é só darem um relax no borracão.

Link to comment
Share on other sites

EXEPCIONAL' date='  Superou e mto minhas expectativas.

Nota: 10/10

PS:  Apesar do filme ser incrível eu ainda sou mais Spider Man 1 e 2,, talvez por eu gostar mais do Aranha doq Morcegão smiley2.gif

[/quote']

Como filme, minha expectativa finalmente foi atendida.

Como Batman, apesar de ter a essência, ainda acho que não é O filme.

Quanto ao meu top filmes de heróis/HQs só terei a opinião definitiva no domingo.

Link to comment
Share on other sites

Guest
This topic is now closed to further replies.
 Share

×
×
  • Create New...