Jump to content
Forum Cinema em Cena

François Truffaut


NoraEnfyl
 Share

Recommended Posts

Isso mesmo.

"Os Incompreendidos" é sensacional.

Ontem revi "Fahrenheit 451" e gostei ainda mais quando assisti pela primeira vez.
Curioso que por ser o primeiro filme falado em inglês do Truffaut e uma ficção científica baseada em um romance, o filme tem cara de Stanley Kubrick - tanto no ritmo quanto no visual. Primo de "Laranja Mecânica"

Link to comment
Share on other sites

  • 9 months later...

Terminei a saga Antoine Doinel hoje. E tipo assim mêo. 1316

[/troy]

 

Fenomenal, foda, uma das melhores coisas já feitas, etc.

A princípio parece uma série feita meia de relapso, mas o carinho que o Truffaut dedicou todo aquele universo criou uma alma, Doinel é praticamente real. Os Incompreendidos acabou por ser o mais diferente da série, mesmo assim é tão romântico quanto todos os outros e ainda assim, muito leve, muito solto (os próprios cortes são assim, etc. - adoro aquela cena na escada). A cena do carrossel, subjetiva, também me lembra isso, e vai ser recuperada em Amor em Fuga. E também é muito forte e etc, (minha mãe, ela morreu; pode até ser engraçado, mas simbolicamente, até que era verdade). Depois tem o curta Antoine et Colette, que é legal assim, serve não só como uma boa ponte temporal, mas também é muito bem realizado (nos apartamentos, e da maneira como o Doinel se insere nos lugares). Mas o sentido só fica completo mesmo depois de Amor em Fuga. Depois vem Beijos Proibidos (aliás, Beijos Roubados que deveria chamar, hehe), que também tem mais um conjunto de momentos memoráveis - como os do título, os na praça, e uns no trabalho. E technicolor nunca foi tão sedutor como aqui. Só que eu tive um problema pra assistir, a cópia estava com o áudio acelerado, então na primeira metade parecia tudo perfeito, até então ia piorando cada vez mais a situação. Tava sendo meu preferido até perder o pique. 04 Mas vou rever ainda nesses dias. E eu esperava relativamente menos de Domicílio Conjugal. Filmaço, simplesmente indescritível. Todas as nuances que o Doinel já demonstrava, vc acompanha se desenrolar por aqui... e é aqui que o quesito de acompanhar os personagens, se importar com eles, é mais forte. a narrativa é perfeita do mesmo jeito, se um dia eu possuir esse filme eu vou rever sempre, é praticamente um remédio contra qualquer coisa mesmo, hehe. E depois disso tem Amor em Fuga, que é mais introspectivo, pelo caráter das recordações (sempre é bom rever as cenas...) e do Doinel tentando entrar em paz consigo mesmo. É o menos genial de todos, se preocupou em deixar todas as pontas amarradinhas, (não é um defeito, anyway) e é um fecho que faz jus.

 

Só sei que não fiz jus ao quanto eu achei esses filmes fodas. Mass, se for colocar os filmes dele num top, individualmente, seria assim:

 

01. Jules e Jim (1962)

02. Os Incompreendidos (1959)

03. Domicílio Conjugal (1970)

04. Beijos Proibidos (1968) [a considerar, pular pra primeiro? 13]

05. Amor em Fuga (1978)

06. Antoine et Colette (1962)
Link to comment
Share on other sites

  • 3 months later...

Só assisti Fahrenheit 451 e Os Incompreendidos.. Mas já estou, de certa forma, abismado com a filmografia dele. É absolutamente exepcional. São tantas cenas marcantes, tantas passagens poéticas... Foram sensações que jamais havia tido. A seqüência final de Os Incompreendidos é uma das melhores coisas que já presenciei. 10

 

E estou desesperado atrás de Jules e Jim.
Link to comment
Share on other sites

Esse é o diretor cujo trabalho eu mais me identifico. Todos os filmes do Truffaut fazem uma conexão imediata com minha alma, é uma coisa impressionante. Ajuda o fato de ele ter uma estética tão apurada e construir personagens tão fascinantes.

A iniciativa do post que abriu o tópico é ótima, mas há dois links no YouTube que eu quero destacar. O primeiro deles é a canção Le Tourbillon, do filme Jules e Jim. Esse é o filme mais bonito que eu já vi na minha vida, acredito, e a cena (sem o fullscreen, que mata qualquer estética) é tão linda quanto a canção na voz de Jeanne Moreau:

 

 

O segundo é o trabalho extraordinário do Georges Delerue, que compôs a trilha sonora para o filme A Noite Americana. Esse filme do Truffaut é muito interessante por contar um pouco das dificuldades que o diretor enfrenta para fazer um filme:

 

 

Para quem quiser se familiarizar com a obra desse diretor, o mais lírico de todos os tempos, esses links são uma boa pedida. Não esqueçam de aumentar o volume!

 
Link to comment
Share on other sites

Fahrenheit é ótimo, mas acredito que o melhor mesmo é começar por Os Incompreendidos. não apenas por ser o primeiro, mas é que fica como uma introdução ao cinema dele, ao estilo. meu Truffaut preferido, no momento, é A Noite Americana. é um filme muito simples e sincero, uma pequena homenagem à arte de se fazer cinema.

um que fui ver achando que seria um dos filmes da minha vida foi Jules e Jim, mas, talvez pela expectativa, não cheguei a me apaixonar tanto assim. todavia, é um ótimo filme, poético e amargo como poucos.

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...