Jump to content
Forum Cinema em Cena

Vingadores


Jorge Soto
 Share

Recommended Posts

Livre' date=' Leve e Soto disse:

Eu nao vejo problemas nisso.. alem do mais, Downey Jr e o Evans seriam burros demais se nao aproveitassem a ocasiao de mais exposicao de imagem, coisa q inteiramente fantasiados nao conseguem. Ainda mais em divulgações como essa. Mas isso é coisa deliberada de seus proprios agentes.. Rufallo, Jackson, Renner, Johannson e o Thor de cara limpa, e eles de mascara?? 03 nem eu ia deixar barato no lugar deles.. Tem mto ego tb envolvido nessa constelacao de estrelasicon_biggrin

 

 

Ah, Soto, que cidadão do planeta não sabe que Downey Jr é o Homem de Ferro e Evans o Capitão América? E outra: precisava mesmo ser em todos os cartazes? Enfim, só espero que essa guerrinha de vaidades não tenha chegado às telas?

Obs: Rufallo não está de "cara limpa" nos cartazes. Na verdade, ele nem está ali. rsrsrsrs
[/quote'] 

 

Nao sabe quem sao os dito cujos quem nao viu nenhum dos filmes individuais..e este filme pretende ter como target nao a nerdaiada q prestigiou os mesmos , mas o publico convencional, mais amplo... qto mais, melhor. O Ruffalo, convenhamos, é o ator mais meia-boca de tds eles..nao vejo pq querer parecer mais do q nao é.
Link to comment
Share on other sites

Os Vingadores - The Avengers | Treze coisas que você precisa saber sobre o filme

Prepara-se para a estreia em 27 de abril

Érico Borgo
02 de Abril de 2012


vingadores

O Omelete esteve no set de Os Vingadores - The Avengers, representado pelos nossos parceiros e colaboradores do Collider, onde descobrimos algumas curiosidades sobre o filme mais aguardado pelos fãs da Marvel Comics em décadas!

Quando Joss Whedon foi contratado, os produtores Kevin Feige e Jeremy Latcham deram a ele uma estrutura básico do que queriam: como os Vingadores se reúnem, o que funciona com heróis Marvel, o que não funciona e como eles imaginavam o clímax.

Joss Whedon buscou as impressões de todos os astros do elenco antes de começar a filmar, para ter tempo de trabalhar mais uma vez no roteiro. Segundo Scarlett Johansson (a Viúva Negra), esse processo foi determinante para a coesão da história. Whedon depois sentou com cada um deles individualmente para discutir detalhes, exceto Tom Hiddleston, com quem ele já havia tido uma longa conversa logo depois de Thor para discutir tudo o que havia para ser discutido sobre Loki. O vilão, em Thor, era confuso e tinha problemas, mas em Vingadores sabe exatamente o que quer e entende seu poder.

Para Whedon, Os Vingadores é a "Parte 1" de uma nova série e não uma espécie de continuação dos filmes anteriores da Marvel Comics. Para tanto, ele reintroduz todos os personagens, como se fosse o primeiro contato do público com eles.

Os Vingadores é contado do ponto-de-vista da S.H.I.E.L.D. e inclui o dia-a-dia da agência de defesa e cerca de 20% do filme se passa no porta-aviões voador que é a base de operações deles. Agentes terão mais espaço, incluindo o já conhecido Coulson (Clark Gregg).

Depois de Os Vingadores, os personagens voltarão às suas franquias individuais e suas próprias histórias.

Loki tem cenas individuais com quase todos os Vingadores, sempre tentando separá-los.

O Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) vestirá uma armadura nova no filme, a Mark VIII.

Os diálogos do Capitão América (Chris Evans) foram trabalhados para parecerem saídos dos anos 1940.

O Hulk fala, mas não é muito articulado. Bruce Banner tem algum controle sobre ele, mas não muito. Mark Ruffalo se inspirou em gorilas para dar ao Hulk seus movimentos, já que fez toda a captura de movimento do monstro.

Thor retorna a Terra no começo do filme para caçar Loki.

Há uma história passada subentendida entre a Viúva Negra e o Gavião Arqueiro (Jeremy Renner).

Haverá tensão típica dos quadrinhos entre os heróis dos Vingadores.

O filme começa dois anos depois de O Incrível Hulk e seis meses após os eventos do último filme da Marvel (o final de Capitão América: O Primeiro Vingador).
Link to comment
Share on other sites

"Os Vingadores" será exibido antes para fãs do Facebook

 

 

 

O filme "Os Vingadores" terá pré-estreias especiais para as cidades que tiverem mais fãs pelo Facebook. O anúncio foi feito pelos estúdios Marvel, da Disney, nesta segunda-feira (2).

 

 

 

As exibições vão começar por Los Angeles, Nova York, Chicago, Houston e Miami em 14 de abril, quase três semanas antes da estreia nos Estados Unidos, que será em 4 de maio. No Brasil, o filme estreia em 27 de abril.

 

 

 

A Marvel planeja exibir o filme antes em mais cinco cidades. Os fãs do longa podem pedir que sua cidade seja incluída pelo perfil do longa no Facebook.

 

 

 

Fonte: uol.com.br

Link to comment
Share on other sites

Renatão, eu costumo fazer assim: uso sempre o Internet Explorer para acessar o fórum. Na janela de postagem, quando quero inserir imagem, clico na figura com desenho da árvore no cabeçalho, colo o link. Na janela aparecem então as dimensões da imagem cujo link colei. Para redimensionar, reescrevo as dimensões, tomando cuidado com a proporção. Se está 300 x 700, eu troco, por exemplo, por 200 x 466 (dois terços de 700). Mas, como a imagem já está ali, uma das formas de resolver seria abrir o fórum com o Explorer (de preferência), clicar ali em "editar" na sua postagem, deletar a foto e colar o link dela de novo.

Link to comment
Share on other sites

Ouça trechos da trilha de Alan Silvestri para OS VINGADORES

05/04 - 12h44

por Heitor Valadão

avengers_score.jpg

Na semana passada, divulgamos a lista de canções da trilha sonora de Os Vingadores. Inclusive, hoje, postamos, na íntegra, a nova canção do Soundgarden, que provavelmente irá tocar durante os créditos, como foi o caso do Velvet Revolver em Hulk. A maioria delas provavelmente nem será ouvida no filme, já que costumam ser apenas inspiradas nele. Mas ele terá uma trilha sonora osquestrada composta por Alan Silvestri e, esta sim, garantidamente vai acompanhar as aventuras dos heróis.

A venda das músicas só começa no dia 23, às vésperas do lançamento mundial do filme. Mas o site da Amazon da Inglaterra, onde o filme se chamará Avengers Assemble (ou "Avante Vingadores", para os fãs brasileiros dos quadrinhos), já tem uma amostra de todas as músicas. Cuidado apenas com o título de cada uma, pois pode estragar algumas surpresas. Clique aqui ou na capa do CD para ouvir.

Se você prefere as canções inspiradas no filme, confira a lista completa abaixo.

avengers_soundtrack.jpg

Jorge Soto2012-04-05 14:06:03
Link to comment
Share on other sites

Os Vingadores - The Avengers | Omelete entrevista Joss Whedon

"Filme é a culminação de um plano grandioso que já vem acontecendo há anos", diz o diretor

Steve Weintraub
09 de Abril de 2012


Os%20Vingadores%20Poster

Os%20Vingadores

Os%20Vingadores

Os%20Vingadores

Os%20Vingadores

Os%20Vingadores

Desacreditado em Hollywood depois do fracasso de Serenity - A Luta Pelo Amanhã - ele mesmo nunca achou que fosse conseguir realizar outro filme - Joss Whedon nunca perdeu o apoio dos fãs.

Criador de Buffy - A Caça-Vampiros e da série Firefly, ambas ótimos exemplos de como trabalhar produções cheias de personagens importantes, o diretor foi contratado pelo Marvel Studios (em cuja administração estão alguns dos maiores fãs de quadrinhos da indústria) em abril de 2010 para levar às telas a produção mais ambiciosa da casa: o filme que reuniria as séries de Thor, Capitão América e Homem de Ferro em um só superevento cinematográfico.

Dois anos depois, Os Vingadores - The Avengers é uma realidade que promete agradar a todos os leitores que cresceram com as propriedades da Marvel Comics ou estão tomando contato agora com esse universo através dos filmes da empresa.

Na entrevista que realizamos com ele no ano passado, durante as filmagens, Whedon discute seu trabalho no roteiro, a administração de tantos personagens, suas cenas favoritas, o vilão, vários dos personagens em detalhe e como não destruir as franquias isoladas dos super-heróis da Marvel com seu filme.

Todos do elenco e equipe com quem falamos disseram que o roteiro está ótimo.

E agora é a minha vez!

Até [Robert] Downey [Jr.] disse que não está adicionando tantas coisas em suas falas - quer dizer, não está adicionando muitas coisas.

Existem dois lados nisso. Ele não adicionou muitas coisas durante as filmagens, mas ajudou bastante durante a construção do roteiro. Todos parecem estar bem satisfeitos com o texto, mas eu ainda estou o finalizando. Espero que consiga terminar antes do lançamento do DVD. [risos] As coisas são bem complicadas, mas sempre acaba sendo como em qualquer outro filme - principalmente um no qual as perspectivas mudam nove vezes a cada cena. Eu jurei que nunca faria outro
Serenity - A Luta Pelo Amanhã
e aqui estou eu.

Eu ia te perguntar exatamente sobre isso. Muitos roteiristas, principalmente de quadrinhos, têm medo dos Vingadores. Existem muitos personagens, o que acaba deixando tudo mais complicado. Você sabia que podia fazer um bom trabalho em Os Vingadores depois do que fez em Serenity?

Serenity
foi muito difícil e eu literalmente disse:
"Nunca farei nada como isso novamente. Vários personagens que já são conhecidos e estão bem estabelecidos, mas têm de ser apresentados para o público novo".
Mas não tive medo de nada, só me arrependo muito. Ao primeiro olhar, fiquei todo animado por entender o porquê deles serem um time. Mas depois me lembrei que aquilo ainda tinha que ser explicado ao público. É como "xadrez vulcano", existem muitos detalhes e níveis a serem explorados. É como se tudo tivesse efeito dominó; contanto que você se mantenha fiel às perspectivas de todos, que todos tenham seu momento sob os holofotes e falem com propriedade de seus personagens, não tem como errar.

Existe alguma cena específica da qual você sinta mais orgulho?

Acho que não existe nenhuma cena que eu acertei em cheio. Os melhores momentos, para mim, são aqueles em que eu consegui juntar dois personagens que ninguém nunca imaginou e vê-los em ação. Sempre há conflito, então não me importa se eles estão se dando bem ou não. Talvez essas cenas não sejam o motivo das pessoas quererem ir ao cinema ver o filme, mas foram as mais divertidas - e definitivamente minhas favoritas. Tem bastante ação e as cenas cômicas que criamos estão ótimas. Mas é nesses momentos mais quietos que eu me sinto no paraíso.

Teve alguma cena em particular que você quis colocar logo no roteiro, pra provar que podia fazer aquilo?

Basicamente, começamos com [os produtores]
Keving Feige
e
Jeremy Latcham
me dizendo que já sabiam a estrutura básica de como eles acabam juntos, o que funciona e o que não funciona, além do clímax. Isso foi bom, porque já me deu uma base dos três grandes atos que eu sabia que teria que adicionar. Mas aí veio a pergunta de como eu chegaria até eles. Que momentos levariam essas pessoas a ficarem nessa situação? Sou partidário de encontrar um motivo para tudo, sem deixar que as coisas fiquem à mercê do destino ou da coincidência. Se essas pessoas vão lutar ou encarar um inimigo, têm que haver uma motivação interna - alguma coisa na qual eles acreditam, e não simplesmente uma luta cronometrada. Eu ainda tive o luxo de, depois de ser contratado, passar duas semanas com minha família na Austrália apenas pensando em cenas e criando momentos entre os personagens. Escrevi vários discursos para o Capitão América - e acho que nenhum deles está no filme. Escrevi monólogos e longas cenas para todos os personagens que ajudaram na construção de todos eles. Tive a oportunidade de viver nesse espaço de criação por um momento. Na verdade, tive tanta liberdade criativa que pude continuar escrevendo o roteiro enquanto filmava. Mas no final, tudo que está no filme veio de perguntas como:
"Não seria incrível ouvir tal coisa do Gavião Arqueiro? Ou então da Viúva Negra?"

Scarlett Johansson e Jeremy Renner disseram que você deu aos atores um dos primeiros rascunhos do roteiro, o que lhes deu a oportunidade de te trazer de volta algumas anotações. Cada um deles falou com você para abordar algumas coisas que eles tinham pensado. Fale um pouco sobre o que eram essas anotações e se elas foram utilizadas na versão final do roteiro.

Sabe, essa é uma das melhores épocas pra se divertir com os atores. Mas o fato de que eu entrei no projeto depois deles - com a exceção de Jeremy, Mark
[Ruffalo]
e alguns dos papéis secundários -, eu tinha que respeitar o fato de que aquelas pessoas já tinham uma história com seus personagens. Tudo era parte de um plano maior; eu já tinha elementos da estrutura definidos, tinha o elenco, já conhecia os personagens, lia as histórias desde que tinha 11 anos... Geralmente, eu simplemente escrevo algumas coisas e peço que uma pessoa que eu contratei as leia. Mas, neste caso, sentar e conversar com cada um deles foi incrivelmente proveitoso, exatamente pelo fato de que eles já conheciam a história de seus personagens no cinema. Eu podia perguntar o que eu quisesse:
"Me diga o que você não quer fazer de novo e o que sente que ainda não explorou"
, e eu explicava minhas ideias base de como via seus personagens. Acho que minha resposta favorita foi a de
Samuel L. Jackson
. Quando eu perguntei se ele queria adicionar ou evitar alguma coisa, sua resposta foi:
"Claro que sim. Obrigado por perguntar. Eu não quero correr. Não me faça correr muito"
. Aí, já no set de filmagens, ele apontou para a frase que dizia
"Fury corre"
no roteiro e disse:
"Eu sei... é só essa vez".

Qual é o momento mais icônico nos quadrinhos dos Vingadores? Você conseguiu adicioná-lo no filme?

Os momentos mais icônicos dos quadrinhos não estão no filme.
Os Vingadores
são parte do meu coração, principalmente por causa dos especiais anuais de
Jim Starlin
; com
Thanos
,
Warlock
e o
Coisa
. Claro que tudo isso aconteceu há algum tempo e a
Serpente da Lua
não está no filme. Mas desde então, acho que as coisas mais importantes, como a
Guerra Civil
, os
Supremos
... Eles acabaram ampliando a tensão entre
Os Vingadores
, e foi isso que deixou tudo bem mais interessante para escrever o roteiro. Mas quando se trata dos momentos icônicos, você precisa filtrá-los e criar seus próprios momentos. No final das contas, o momento mais memorável do filme é quando eles juntam.

Acho que um dos papeis mais difíceis é o de Bruce Banner e do Hulk, pelo fato deles terem sido interpretados por outros dois atores em outros dois filmes. Chris Hemsworth, Chris Evans e Robert Downey Jr. já interpretam seus personagens há algum tempo. Como foi o trabalho de desenvolvimento de Bruce Banner com Mark Ruffalo?

Eu já tinha uma imagem bem clara de como queria que Bruce Banner fosse, e parte dessa imagem era Mark Ruffalo - a outra parte era
Bill Bixby
[que viveu Banner na série de TV dos anos 1970].
A performance dos atores nos filmes é bem internalizada, principalmente porque as tramas pediam isso por serem mais focadas em Bruce Banner. A série abordava o problema
[de Banner]
de outra maneira, seguindo as linhas de que ele tem um problema com o qual tem que conviver e ainda consegue ajudar outras pessoas. Mark e eu conversamos bastante no início sobre o sentimento da raiva, como ele se manifesta, o que o causa, como você se sente depois - toda a estrutura do sentimento. Ainda assim, Mark como Hulk neste filme ficou bem convincente. Mesmo que as pessoas não tenham assistido aos filmes anteriores, dá pra entender que ele é um cara bom.

Durante nossa visita ao set em que filmavam cenas de segunda unidade, percebi que existe bastante coisa que não está diretamente sob seu controle. Quão envolvido você estava nessas etapas do projeto? O que John Mahaffie [diretor de segunda unidade] trouxe de novo? Você é muito obcecado?

Sou bem obcecado. É um sistema bem estranho, porque eles
[os produtores]
já haviam definido uma data de lançamento antes do roteiro estar pronto. A partir do momento que eu me juntei ao projeto, todas as ideias que eu tinha eram transformadas em
storyboard
- coisa que é de extrema importância quando se está caminhando nesta velocidade mas, ao mesmo tempo, pode ser bem frustrante. Ainda assim, quando elas ficavam boas, o crédito era todo meu. Mas tudo o que eles fizeram era extremamente calculado, além de John ser bem inventivo, preciso e cuidadoso. Nós passamos muito tempo conversando exatamente sobre o que eu queria, por isso tudo ficou bem parecido. Eu nunca tive segunda unidade antes, eu que fazia a segunda unidade de
Serenity
, de
Cabin in the Woods
... Tudo isso é novo para mim, ter que entregar parte do filme a outra pessoa. Quando o projeto é tão grande como esse, não tem como não fazer isso. E eu confio muito na minha equipe.

Você rodou o filme com a [câmera digital] Arri Alexa, que Roger Deakins [conhecido diretor de fotografia] usa muito. Por que escolheu essa câmera? Por que não película?

Nós íamos rodar com a Red, porque o filme ia ser em 3D, mas todos disseram que as novas plataformas são mais rápidas e menores. Eu dirigi a cena pós-créditos de
e rodamos tudo com a Red. Depois de perder três horas e meia entre troca de lentes e esquisitices da câmera, decidimos não usá-la mais. Sempre soubemos que o filme seria em HD e eu não tenho nenhuma fidelidade à película - se a história está na minha frente e é compreensível, tudo bem. Seamus
[McGarvey, diretor de fotografia do filme]
adorava a Alexa e queria muito usá-la, então, uma vez que estávamos livres da restrição de ter que rodar em 3D, seguimos em frente com ela.

É verdade que você deu algumas ideias de diálogo para o filme do Capitão América?

Sim, é verdade. Tive a oportunidade de "polir" um pedaço do roteiro, o que foi bem divertido, pois pude trabalhar com diálogo dos anos 1940.
Capitão América
é um bom filme - e que funcionou para mim. O roteiro estava ótimo, a estrutura... É lindo. Mas eles
[os produtores]
queriam se aprofundar um pouco mais em alguns pedaços, e foi aí que eu entrei em cena. "O que? Eu ainda tenho que fazer Os Vingadores
? Relaxa, vai dar tudo certo."

Quanto do seu trabalho em Capitão América foi preparatório para Os Vingadores, especialmente para o personagem Steve Rogers? Você construiu alguma coisa ali dentro que te ajudaria com este filme?

Eu não adicionei nenhum
easter egg
, mas passei bastante tempo com o personagem, o que foi muito importante para mim. A perspectiva de Steve em
Vingadores
é praticamente a da audiência. Ele está observando um novo mundo - e não está impressionado. O sentimento de desconexão que ele sente é o que será explorado ao longo do filme.
Vingadores
é um filme sobre pessoas solitárias porque sou eu que o estou fazendo - e meu cavalinho só conhece um truque. Steve é um homem clássico, completamente fora de sua época em um sentido muito literal da coisa. Ter trabalhado em sua persona dos anos 1940, mesmo que por pouco tempo, foi uma boa introdução para mim.

Estão presentes neste filme todos os personagens que a Marvel precisa para possíveis continuações e franquias, então não é como se você pudesse simplesmente matar o Homem de Ferro ou qualquer outro deles.

[pausa]

Já sabemos que você gosta de matar personagens para ganhar um pouco de drama em seus filmes e seriados. Mas como você cria qualquer expectativa quando sabe que não pode matar os sete personagens principais?

É realmente bem difícil. Como criar expectativa quando todos eles são fortes, altos e bonitos? No final das contas, a expectativa tem que vir de algo além de suas vidas. Tem que ser algo maior externamente e menor internamente. Tem que existir uma luta interna que é comparável àquela que está acontecendo do lado de fora para que, mesmo que todos sobrevivam, eles têm que estar tão comprometidos que não consigam mais se recuperar. Se você tem isso e realmente os empurra na direção de algo que não pode ser tão facilmente resolvido, é aí que você consegue expectativa. Expectativa emocional, que vai além dos soquinhos e chutinhos.

Então é mais o risco dos personagens se perderem do que perderem suas vidas?

Exatamente.

Mas existe perda de vida. Vimos algumas cenas que mostravam o que parecia a morte de alguém diretamente ligado a Tony.

É um filminho bem triste, no final das contas.

Tive a impressão de ser um filme gigantesco, se comparado aos outros. Não é perigoso lançar um filme assim, tão grande, que pode impossibilitar a Marvel de lançar outros menores mais pra frente? Como se sair um Homem de Ferro 3, as pessoas podem pensar: "Ah, não é Os Vingadores".

Essa é uma boa pergunta. Eu fui bem inflexível no fato de querer tirar toda a estrutura de suporte, os personagens secundários - exceto Pepper Potts - que os heróis tinham em seus próprios filmes - e ninguém brigou comigo por causa disso. Seria bem difícil usar qualquer tipo de personagem das histórias independentes e, depois, acabar em briga com os diretores dos projetos futuros. Existem momentos e pessoas icônicas em suas histórias que eu não vou nem encostar. Eles têm que sair de seus mundos e entrar no mundo dos Vingadores. Ainda existe o problema de que eu nunca vou poder explorar as tramas de cada um dos heróis neste filme. Existem muitos deles e é para isso que servem os outros filmes.

Mas existem coisas importantes acontecendo em suas vidas.

Sim, não dá pra simplesmente virar as costas, mas eu tento fazer o menor estrago possível nas outras franquias. No geral, tenho que levá-los a lugares e situações nas quais eles nunca estiveram mas, ao mesmo tempo, tenho que tirá-los de lá para um possível próximo filme. É uma linha tênue. Acontece mais ou menos a mesma coisa quando se escreve uma HQ. Existe história individual do herói, a da equipe da qual aquele herói faz parte, o grande acontecimento... Ao meu ver, um roteirista tem dois lemas; o primeiro é
"não faça o mal"
. O segundo é
"foda-se, estrague tudo".

Com Homem de Ferro 2, [Jon] Favreau comentou como a Marvel pediu que ele adicionasse certos elementos à trama para preparar o terreno para Os Vingadores. Você está fazendo a mesma coisa com seu filme?

Não... Digo, existem algumas cenas que eu penso que podem servir para alguma coisa que vier depois. Acho que pode significar a morte de um filme quando a única coisa que você consegue pensar é "franquia". Aí, quando você se dá conta, está fazendo algo como
,
ou
. Você precisa se concentrar. Este filme é a culminação de um plano grandioso que já vem acontecendo há anos. Além disso, pode até haver algumas sementes plantadas, mas nunca dá pra saber o que vai nascer daquilo.

Por ser um grande fã de quadrinhos, deve ter alguns personagens da Marvel pelos quais sente um carinho maior. Mesmo que não esteja plantando nada para próximos filmes, ainda existe a possibilidade de colocar um personagem em um cantinho no fundo ou coisa do tipo. Você está fazendo algum easter egg como esse?

Não. Meu trabalho já está difícil de ser completo da maneira simples, eu não tenho tempo de ser fofo. Em algum ponto do filme, pode ser que um jovem
Stanley Lieber
apareça, mas é isso. Existem tantos personagens que seria fácil colocá-los em algum cantinho e fazer uma referência. O problema é que depois, aquele ator que usamos para fazer uma pontinha, pode ser contratado para interpretar outro herói - estragando um roteiro todo. São águas turbulentas.

Aproveitando que você mencionou a rotineira participação de Stan Lee... você se divertiu enquanto a escrevia?

Foi bem divertido. Vocês verão um lado de Stan Lee que nunca viram antes. Um lado sombrio.

Fale um pouco sobre os vilões desse filme.

Bem, eles me entregaram
Tom Hiddleston
[o Loki]
de bandeja. Eu já tinha assistido Tom interpretando Cassio na versão de
Otelo
da Donman Warehouse há alguns anos, então eu já tinha noção do que ele era capaz. Por Loki ser uma grande parte do início dos
Vingadores
na franquia, saber que Tom tem todo o potencial que ele mostrou em
Thor
e conseguir fazê-lo se transformar em um vilão de verdade, foi bem incrível. Conversamos sobre vários vilões secundários, mas nem vale discutir sobre isso porque Tom e Loki são os principais.

Você pode falar um pouco sobre o primeiro dia de filmagens? Você chegou a se sentir intimidado pela grandiosidade do projeto ou tentou esquecer de tudo quando percebeu que era parte de um projeto que as pessoas já queriam ver há mais de quarenta anos?

Umas duas semanas depois de eu ter sido contratado, eu senti um pequeno desespero. Aí minha esposa me acalmou, dizendo que esta era apenas
"a próxima história"
. Mas foi só isso. O encargo financeiro não depende de mim. Como eu sempre digo, o primeiro final de semana
[das bilheterias]
não depende de mim. O segundo, sim. Se a história é interessante, se eu acertei de um modo geral e se as pessoas quiserem ver o filme, aí eu fico feliz. Eu realmente não posso ficar acompanhando e me preocupando com os números
[de orçamento e bilheteria],
senão ficaria louco. Na verdade, não me importa muito se o filme faz sucesso ou não.

Eu também acabei descobrindo, durante a primeira semana de filmagens, que estava completamente à mercê das agendas de todas as outras pessoas envolvidas no projeto. Nós constantemente tínhamos que ajustar quais cenas íamos rodar e quem estaria presente nelas. Foi tudo bem bizarro.

Vamos falar um pouco sobre seus gostos musicais. Em Homem de Ferro, a trilha teve muito do gosto musical de [Jon] Favreau. Quais são suas ideias para Os Vingadores? A trilha vai ser bombástica? Você vai colocar musicas mais puxadas para o metal?

Eu não consigo imaginar metal neste filme - ao menos que seja Tony ouvindo alguma música. Cada diretor tem suas fontes, suas próprias
vibes
. Eu vejo esse filme mais com uma trilha clássica, não bombástica. Não quero que pareça que estou martelando a cabeça das pessoas, mas procuro por algo parecido com John Williams. Quero alguma coisa que seja específica para cada personagem, para os momentos do filme. Mas, ao mesmo tempo, enfatizar que todo o filme acompanha a jornada do Capitão América e o sentimento de que
"tínhamos algo que agora não temos mais, e essas pessoas vão tentar reconquistá-lo".

Link to comment
Share on other sites

cultura inutil na área!!!1606

 

 

Mark Ruffalo é o primeiro Hulk com pelos

12/04 - 10h47

por Heitor Valadão

Em toda a história do Hulk nos quadrinhos, séries de TV e filmes, sempre foi ignorado o fato de que o ser humano tem pelos. Seja a versão de Lou Ferrigno, Eric Bana ou Edward Norton, o gigante verde sempre foi liso como um bebê.

hulk_01.jpg hulk_02.jpg hulk_03.jpg

2_markruffalo.jpgSerá que os pelos caíam quando ele se transformava? Se sim, por que ele não perde os cabelos ou a sobrancelha? Afinal, no Hulk da série de TV os cabelos ficavam ainda mais longos e as sobrancelhas mais cheias.

Esta dúvida tola provavelmente não será respondida em Os Vingadores, mas o diretor Joss Whedon não ignorou o fato de que Mark Ruffalo tem uma inegável manta em seu peitoral. Por isso, a fisionomia do monstro criado digitalmente para o filme é tão semelhante à do ator que interpreta sua versão humana, que o resultado final não podia ser diferente do apresentado na capa da revista americana sobre musculação Muscle & Fitness.

hulkmusclefitness.jpg

Hulk esmaga Hulks depilados em 27 de abril, quando chegar aos cinemas brasileiros.

 
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

×
×
  • Create New...