Jump to content
Forum Cinema em Cena

Postem a Arte de Vocês


Recommended Posts

  • Replies 235
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

uso uma camera de 4mpx :S

Mais uma letra de uma música da minha banda.... em breve, assim que as músicas forem masterizadas eu coloco o link aqui pra vocês ouvirem.

 

 

Vôo Reverso

 

Eu tinha estrelas

Eu tinha o brilho delas na minha vida, mas agora não sei

Das dimensões do universo que já vaguei e iria além

Da gravidade à queda de um cometa

A relação que não quero enxergar

Porque os dois se atraem, os dois se traem

 

Eu tinha amor em prantos

Atrás de um oceano de lástimas havia em que

Se sustentar e acreditar num brilho eterno, refletir coragem

 

Da gravidade a queda de um cometa

A relação que não quis enxergar

Porque eu quis voar e ver o céu

Brincar com as nuvens e agora não sei

Eu quis vencer o medo, eu quis

Eu quis guardar segredo e agora não sei

 

Quem vai me resgatar, estou caindo pro céu

Agradeço se um dia encontrar

Quem vai me resgatar caindo pro céu

Agradeço se um dia encontrar alguém, alguém
Link to post
Share on other sites
Mais uma letra de uma música da minha banda.... em breve' date=' assim que as músicas forem masterizadas eu coloco o link aqui pra vocês ouvirem.

 

 

Vôo Reverso

 

Eu tinha estrelas

Eu tinha o brilho delas na minha vida, mas agora não sei

Das dimensões do universo que já vaguei e iria além

Da gravidade à queda de um cometa

A relação que não quero enxergar

Porque os dois se atraem, os dois se traem

 

Eu tinha amor em prantos

Atrás de um oceano de lástimas havia em que

Se sustentar e acreditar num brilho eterno, refletir coragem

 

Da gravidade a queda de um cometa

A relação que não quis enxergar

Porque eu quis voar e ver o céu

Brincar com as nuvens e agora não sei

Eu quis vencer o medo, eu quis

Eu quis guardar segredo e agora não sei

 

Quem vai me resgatar, estou caindo pro céu

Agradeço se um dia encontrar

Quem vai me resgatar caindo pro céu

Agradeço se um dia encontrar alguém, alguém
[/quote']

 

Me parece um tanto emo, não é a de vocês né?06 Mas tá legal cara, pode pôr as músicas aí. Só uma coisa, tu toca baixo?06
Link to post
Share on other sites
Mais uma letra de uma música da minha banda.... em breve' date=' assim que as músicas forem masterizadas eu coloco o link aqui pra vocês ouvirem.

 

 

Vôo Reverso

 

Eu tinha estrelas

Eu tinha o brilho delas na minha vida, mas agora não sei

Das dimensões do universo que já vaguei e iria além

Da gravidade à queda de um cometa

A relação que não quero enxergar

Porque os dois se atraem, os dois se traem

 

Eu tinha amor em prantos

Atrás de um oceano de lástimas havia em que

Se sustentar e acreditar num brilho eterno, refletir coragem

 

Da gravidade a queda de um cometa

A relação que não quis enxergar

Porque eu quis voar e ver o céu

Brincar com as nuvens e agora não sei

Eu quis vencer o medo, eu quis

Eu quis guardar segredo e agora não sei

 

Quem vai me resgatar, estou caindo pro céu

Agradeço se um dia encontrar

Quem vai me resgatar caindo pro céu

Agradeço se um dia encontrar alguém, alguém
[/quote']

 

Me parece um tanto emo, não é a de vocês né?06 Mas tá legal cara, pode pôr as músicas aí. Só uma coisa, tu toca baixo?06

 

Posso assegurar que de emo não tem nada.
Mas pô, pela qualidade da letra dá pra perceber que não é emo... 06

Toc baixo sim!
Link to post
Share on other sites
Pô cara' date='que legal!!!Sempre pensei em fazer isso...tu gasta +/- quanto em cada viagem?Tem que ter visto para ir a outros países da América do Sul?[/quote']

 

meu tem um site de viagem independente muito bom, com forum pra qq canto do pais gastando mixaria... o povo la costuma agitar altas viagens nos feriados..03

Link to post
Share on other sites

 

 

Um continho agora, então ;)

 

 

O que não engorda, mata!

 

- Carlos, aquela coxinha piscou para mim!

Imaginem

ouvir uma declaração desta, no balcão de uma lanchonete. Sim, Carlos

fez a cara que qualquer de nós faria, ao ouvir tamanho absurdo da boca

de uma pessoa que, por mais que beba socialmente, não estava

alcoolizada e nunca passou por tratamento psiquiátrico por causa de

algum distúrbio mental ou abuso de psicotrópicos.

- Hein?

-

É sério! Eu juro que vi aquela coxinha de galinha piscar pra mim. Não,

não essas com catupiry, aquela ali com a azeitona enfiada. Aliás, foi a

azeitona que piscou ...

Carlos caiu numa sonora gargalhada, enquanto apontava para o salgado dito animado.

- Tadeu, você tá doidão? Tudo bem que esse lugar é uma espelunca, a gente não precisa vir comer mais aqui, mas ...

- Cara, to falando sério. Não tá vendo como eu to tremendo?

E

estava mesmo. A gargalhada foi desaparecendo e o sorriso sacana sumiu

do rosto de Tadeu, que conhecia o amigo e sabia que ele não era de

fantasiar coisas, por mais que vez ou outra costumasse seguir conselhos

do horóscopo do dia e ainda tinha fé cega no time do Flamengo.

- Bicho, deve ser uma merda de uma barata que andou ali em cima. Vou chamar esse chinês safado pra limpar essa porcaria.

-

Na boa, não era barata não. A azeitona piscou, sei lá, eu consegui ver ela girando como se fosse um olho, sumir dentro da massa, voltar e

depois ficou parada de novo.

Carlos

se aproximou do vidro e ficou fitando a coxinha, para ver se notava

algo. Realmente ficou assustado com a maneira que Tadeu falou, mas não

conseguia observar nada. Era apenas um salgado típico de lanchonetes e

botecos, gorduroso a ponto de realmente poder matar alguém (entupindo

suas artérias, com a degustação dele e de toda a sua família por vários

anos) e provavelmente com alguns dias de idade, por mais que o chinês

insistisse que saira do forno algumas horas antes. Achou que, se

estivesse mesmo vivo, iria no mínimo, respirar suavemente como um bebê.

- Cara, não olha assim de perto não. Eu acho que ela ta observando a gente.

-

Aí já é demais não, Tadeu? Eu sei que está tarde e ficar no trabalho

diagramando revista até essa hora é foda, mas isso passou do limite. Você ta

precisando descansar um pouco, pede pra te darem uns dias de folga

depois que a gente fechar o arquivo.

- Carlos, eu to ficando nervoso mesmo, sai de perto daí.

- Chega, eu vou comprar essa coxinha.

Foi

aí que Tadeu desesperou-se e falou para o amigo para que fossem embora.

Carlos disse que só iria verificar, cortar a coxinha em dois pedaços

com uma faca, para ver se iria sangrar ou ter um espasmo até morrer,

piscando enlouquecidamente até o último suspiro. Tadeu pediu e implorou

para que desistisse da idéia, mas Carlos estava irredutível - seja na

ânsia em descobrir que o amigo estava realmente desequilibrado ou, quem

sabe, ter um absurdo contato em primeiro grau com o mundo dos lanches

sobrenaturais.

Enquanto

brigavam, um negão com longos dreads entrou na lanchonete e pediu uma

coxinha pro chinês, apontando aquela que ele achava a mais apetitosa

(devo informar; o cliente odiava catupiry), pagou e, quando os dois

amigos viram o que tinha acontecido, já tinha ido embora. O chinês

arrumou as restantes, deixando Tadeu e Carlos confusos em relação ao

salgado escolhido pelo homem. Chegaram a correr até a porta da

lanchonete, mas não sabiam para que direção ele tinha ido - não estava mais

a vista. Ao voltarem, o dono da birosca os aguardava com uma coxinha

sobre um prato pequeno.

- Queria coxinha da frente, né? Lee Pong separar para você.

O

medo se instalou na mente de ambos, fazendo Tadeu recuar até a porta da

lanchonete, esperando o bote da criatura-comestível. Carlos pediu uma

faca e aproximou-a do salgado, de maneira até relutante, aguardando um

esguicho de gosma negra ou um ataque mortal. Afundou a lâmina com

cuidado e quase sentiu o bicho se mexer; mas não passou de uma

impressão errada e, finalmente, verificou que ali dentro havia apenas o

recheio habitual de frango. Sem catupiry.

Tadeu

não aceitou a metade oferecida pelo amigo, que acabou comendo o quitute

sozinho, gastando pelo menos uns quatro saquinhos de catchup vagabundo, daqueles meio rosa, para

esconder o gosto de fritura velha. Foram embora rindo do incidente,

cada um para sua casa e, ao contrário do mínimo que se poderia esperar,

Carlos não teve diarréia por causa da indigesta refeição.

-------------------

Algumas

horas depois, em uma rua escura alí mesmo no Catete, jazia o corpo de

um homem negro, aparentando vinte e poucos anos. Foi encontrado por uma

velhinha que passeava com seu chihuahua Abelardo, que tinha sim certas

tendências para gostar de cães do mesmo sexo, porém de raças diferentes.

Dona

Mirinda contava ao oficial Milton que teve a impressão de ouvir o som

de inúmeros pequenos pezinhos correndo para longe da cena do crime, acompanhado

de uma perversa risadinha abafada. A polícia continuava a investigar o local e o

cadáver, que havia sido violentamente deformado, tendo sua mandíbula

inferior arrancada por inteiro e transformada em uma mistura de diversos

pedacinhos de ossos e dentes, que se encontravam jogados na poça de

sangue, miolos e enormes dreadlocks cultivados ao longo de muitos anos.

 

O

Investigador Peçanha desconfiava, mesmo que não tivesse confessado para

ninguém, de um inverossímel grupo de neonazistas que rondava o bairro, armados com

tacos de baseball.

-------------------

Lee

Pong ouviu os guinchos, se abaixou e pegou a coxinha ensanguentada que

pulava no chão, sobre dezenas de pequenas patinhas, como um cachorrinho agitado que pede colo e afagos do dono. Colocou-a debaixo do fio de água que saía da torneira da

pia e tirou aquele vermelho todo do corpinho de massa frita,

colocando-a de volta junto das outras coxinhas no balcão (que sim, eram

vendidas com muitos dias de idade e causam aos consumidores, vez por outra, fortes e duradouras diarréias). Não havia mais ninguém na lanchonete - que

já estava fechada - e Lee Pong terminou de jogar água no chão da sua espelunca enquanto repetia baixinho com sua voz levemente anasalada:

- Iä, Iä, Cthulhu Phtagn!! Iä, Iä, Cthulhu Phtagn!! Iä, Iä, Cthulhu Phtagn!!

A

coxinha ronronou (ou algo bem próximo disso) feliz e de barriga cheia,

se mexeu para achar a melhor posição, piscou uma última vez antes de

esconder seu olho-azeitona e embalou em um sono bastante barulhento

para um salgado de frango.

 

De Pedro Fraga, em fevereiro de 2005.

 

PedroFraga2006-09-28 13:01:22

Link to post
Share on other sites
PUTA QUE PARIU CARA!!! MUITO BOM ISSO!!!! TÁ DE PARABÉNS MESMO!!!

iagree Muito bom mesmo' date=' cara. Um Thanks pra você.
[/quote']

Adorei, mas não consegui parabenizar... 12

quando cliquei na mensagem tava falando que já tinha o feito (o que é impossível, pois só li agora).

Vou começar a mandar meus contos "macabros" pra vocês lerem depois... 01
Link to post
Share on other sites

 

 

 

PUTA QUE PARIU CARA!!! MUITO BOM ISSO!!!! TÁ DE PARABÉNS MESMO!!!

 

 

iagree Muito bom mesmo' date=' cara. Um Thanks pra você.

 
[/quote']

 

Adorei, mas não consegui parabenizar... 12

quando cliquei na mensagem tava falando que já tinha o feito (o que é impossível, pois só li agora).

Vou começar a mandar meus contos "macabros" pra vocês lerem depois... 01

 

 

Comigo também aconteceu isso.. 09

Posta sim, Scof!!! Devem ser ótimos, já que tu escreve bem a rodo. Só eu que não sei escreve por aqui? 12
JeFFs2006-09-28 13:53:32
Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...

Announcements


×
×
  • Create New...