Jump to content
Forum Cinema em Cena

Dinhow

Members
  • Content Count

    354
  • Joined

  • Last visited

Posts posted by Dinhow

  1. Eu indicaria FACILMENTE a Bigelow por Detroit que por sinal eu AMEI !! Acho que o filme poderia ter uns 20 minutinhos a menos, algumas cenas ali do final são desnecessárias, mas PQP que roteiro bom, que trabalho estupendo de direção !! Bigelow como sempre consegue construir um clima de tensão que é único em seus filmes.

  2. Visto Lady Bird e sensação que tenho com essa temporada é que quase tudo está abaixo da média.

    Ano passado eu achava POUCOS defeitos nos filme, até os mais bobinhos como Lion eu curti. Esse ano não consegui ser fisgado pelos grandes favoritos. Achei 3 anúncios caricato demais em alguns momentos (aquela cena do suco eu me revirava) e maioria dos personagens não me convenceu. Já A Forma da Água eu senti falta de uma construção de personagens melhor sabe, achei que o romance aconteceu muito rápido sem a personagem da Sally temer a fera em momento algum. Lady Bird achei fofinho, ri bastante no cinema e só, sai de sessão e já tinha esquecido o filme.

    Da lista final o que eu realmente curti foi Me Chame pelo seu nome, Corra! e Dunkirk...o restante pra mim que por sinal são os favoritos achei abaixo da média.

    Colocaria Eu, Tonya facilmente na lista, e olha até Blade Runner 2049 e Planeta dos Macacos eu prefiro do que os favoritos desse ano. BIZARRO !!!

  3. Alguns filmes que estão em cartaz nos cinemas do Brasil:

    "A Forma da Água"
    "Artista do Desastre"
    "Com Amor, Van Gogh"
    "Lou"
    "Me Chame Pelo Seu Nome"
    "Os Iniciados"
    "Pela Janela"
    "Sem Fôlego"
    "The Post - A Guerra Secreta"
    "The Square - A Arte da Discórdia"
    "Visages, Villages"
    "Corpo e Alma"
    "Uma Mulher Fantástica"
    "O Insulto"

    Que época LINDA pra ser amante da SÉTIMA ARTE !! Aproveitem bem pq já já os "50 tons de mierda" vão dominar as salas de cinema!!!

  4. 5 hours ago, SergioBenatti said:

    Livro: Me chame Pelo seu Nome; André Aciman; Intrínseca; 288 páginas; +-R$39,90.

    (Contém Spoilers do livro)

    Como acontece frequentemente nessa época do ano, um livro que serve de base a um filme indicado ao Oscar entra na lista dos mais vendidos. Está difícil encontrá-lo nas livrarias, e a notícia que eu tenho é que a editora já prepara uma nova edição para março. Estive tão obcecado com o filme neste último mês, que, se bobear, há comentários meus em todas os vídeos do Youtube, seja em inglês, seja em francês, seja em português. Sentei o dedo no like e no deslike, com força.

    Mas só terminei de ler hoje. Gente...que trabalho do James Ivory! Se tivesse de resumi-lo em uma palavra seria: condensação. "Ora, Sergio, toda adaptação é isso". Com efeito, mas eu acrescentaria, toda boa adaptação condensa, a maioria das adaptações apenas restringe. Condensar é outra coisa,  tem a ver com o ar. É pegar o clima, a atmosfera, o perfume constitutivo de algo. Em "Me chame pelo Seu nome", filme, o local, a casa, a Itália; e o quando, a estação, a época, são fundamentais. Está-se no verão, a temperatura da luz é 30 graus,  a casa é antiga, repleta de livros, cheira a frutas cítricas, e há ainda todo o resto...

    No livro, o cenário é outro, a casa debruça-se sobre o mar. Isso influi um pouco nas demonstrações de carinho. Elio vai gostar de correr na praia com Oliver, colocando seu pé sobre a pegada do outro. Oliver passará os finais de tarde sentado em uma pedra próxima da arrebentação. O penhasco, é dito, onde Monet pintou alguns de seus quadros, servirá de ligação intelectual entre eles.

    Os diálogos entre os dois personagens do livro são bastante vagos. É dizer: não se nomeia o que se sente. Não tem nome de amor. Não tem nome de paixão. Isso o filme conservou maravilhosamente, no qual a cena ao redor do monumento é o melhor exemplo. Já vi gente que achou aquele diálogo confuso. No livro, igualmente, não há confrontação direta. E são quase exatamente as mesmas frases. O que quero ressaltar é que não há questionamentos sobre: "Sou bissexual?", "Sou homossexual?", "Sou cis?", "Sou não binário"? Não há meditações desse tipo. Ninguém se vitimiza! Ninguém é coitado profissional. Ninguém vota no PT! Conta-se uma história do desejo e pronto. Da mesma maneira, a questão etária é tão desimportante no livro, quanto no filme. Prova de que a questão realmente está na cabeça oca das pessoas.

     Informa o livro que Elio já teve alguma experiência no passado, 3 anos antes, com um garçon de Roma. De Oliver, continuamos sabendo pouco sobre seu passado sexual.  Porque ele tem a função de ser misterioso, né (Às vezes é justamente por isso que a atuação do Hammer não foi tão celebrada.)? O que se acrescenta é que ele foi estudante de Harvard, além de barman. No mais, ele é professor de Filosofia. Não História, ou Artes. E estará lançando um livro em breve.

    A escrita do André Aciman ( já disse: só conhecia antes pela peça Variações Enigmáticas, com o Paulo Autran) é muito bonita,  muita erudita, com muitas referências a "alta cultura" digamos assim: Dante, Mozart, Ferruccio Busoni, etc, e  vai ser muito dahora ver, depois do sucesso do livro, tantos adolescentes gays procurarem  "Variações Goldberg" de Bach, após ouvirem Pablo Vittar pela milésima vez. Voltando: a escrita do Aciman é bastante chique, elegante, e sedutora, combinando a mais não poder com o histórico de trabalho do James Ivory.

    A passagem relativa ao pêssego no livro... Quase idêntica ao filme. Mas a deliciosa piada do Oliver no filme sobre os reinos animal, vegetal e mineral... No livro é um pouco diferente. Ficou melhor, mais redondo, no filme. Agora se as pessoas acharem que esta é a parte mais controversa da história...Preparem-se para a página 200 do livro! Eu jamais, seja em literatura, seja em artes plásticas, seja em filme, li/vi algo tão...sedutor/nojeto...como aquilo que está no livro. É muito impactante! Nem o Guadagnino, nem o Ivory, nem o Chalamet, nem o Hammer, poderiam retratar aquela passagem. O filme não seria exibido em lugar nenhum do planeta! Como a Literatura é a arte principal da Humanidade, e pode TUDO!, ainda bem, o Aciman conseguiu criar uma passagem muito lírica, o máximo de intimidade que eu já vi. E olhem que eu já vi muita coisa por aí desde "O Sabor da Melancia" do Tsai Ming-Liang a "Visitor Q" do Takashi Miike.

    O diálogo do pai de Elio é exatamente o mesmo. Mas as ocasiões são um pouco diferentes. No livro, Elio volta sozinho de trem, Anchise o espera na estação. No filme, ele precisa pedir que a mãe o busque, numa fraqueza de ainda inocência. Depois ele cai no sono, cai no choro, cai na saudade, e só depois há a conversa. 

    Há muitas coisinhas diferentes: no livro, joga-se tênis, e não vôley. Há uma criança da vizinhança em tratamento de câncer que torna-se grande amiga de Oliver. A questão do pôquer fica mais bem entendida: é como Oliver ganha dinheiro (no filme, isso é estranhamente enquadrado). Marzia no livro tem até uma função ligeiramente menor. No livro, os dois viajarão a Roma e ficarão 3 dias por lá, conhecendo a cidade de bar em bar; gozando da companhia de intelectuais da editora de Oliver, vomitando pelas vielas e se beijando depois ("Quem nunca?" Eu nunca!  Risos)...Mas, no fundo no fundo, ou melhor, lá em cima, no ar, na atmosfera, no perfume, a adaptação é bastante fiel. 

    Até que se chega ao final do livro. Onde o filme para, no livro há ainda um avanço de cerca de um capítulo, e um avanço temporal importante. Chegam-se a mais 20 anos de história. Eu não vou contar o que acontece. Deixo vocês lerem.

    Vale a pena ler o livro? Sim. É curto, é muito bem escrito, é, contrastando-se com o filme, uma aula de roteiro. Um roteiro que tem tudo para levar a estatueta para casa.

    O que "causa" o Roteiro? Um roteiro original  é causado por um desejo, por uma inquietação, por uma necessidade de quem o escreve.

    O que "causa" o Roteiro? Um roteiro adaptado frequentamente é causado por um livro. Um livro que você quer "ver" fora da cabeça. Uma imagem que saia (por favor!) de apenas dentro de você e ganhe o mundo. Agora o mundo tem Elio e Oliver vivendo fora das páginas, num ampliado imaginário popular.

    Como eu li o livro depois, agora eu os tenho à mão, sempre que quiser tocá-los, "dentro de um livro/ dentro da noite veloz".

     

    Sérgio, e já estão dizendo por aí que o filme terá 2 continuações...você acredita que seja possível isso? Será que o Ivory conseguiria expandir essa história?

    Eu também fiquei bem obcecado pelo filme....na verdade me vi no Elio, vi meus pais ali (com papéis invertidos mas ví), vi amores de verao, decepções..

    No fim já comprei até o vinil com a trilha sonora rs rs rs.

    Comprei o livro assim que lançou por aqui...devo ler assim que a corrida terminar.

  5. Galera agora ta dizendo que a Brie foi seca pra premiar o Affleck por conta dos escandalos de abuso....OOOOOO galera chata do caralho viu...me perdoem, mas tudo é motivo pra crucificarem alguém...já vi e revi mil vezes ela entregando o prêmio e ta super sorridente !!

  6.  Mas o que fica pra nós que comentamos o ano inteiro, e não só na véspera, é que houve um grande "choque sistêmico" em todas as nossas referências. 

     

     Não só em Melhor Filme. As categorias de Som ficaram de cabeça pra baixo, seus modelos de premiação foram trocados.

     

     Figurino é um grande e total non sense.

     

     A vitória do Casey deve ter sido até por uma margem maior do que todos imaginávamos. 

     

    Depois que um filme com 14 indicações, PGA, DGA, ACE, Globo de Ouro, e BAFTA, perde o Oscar...Acabou nosso software! Tela azul total nos nossos dados! 

     

    A gente vai ter de reaprender a jogar esse jogo.

     

    E acredito que um dos fatores (não sei se o principal) por essa tela azul sejam os novos membros da AMPAS não acha? Pq eles votam no Oscar mas não nos sindicatos né? Acho que nossos parâmetros não podem mais ser considerados 100% e acho isso ótimo....vamos especular muito sem certeza de nada rs rs...

     

    Eu literalmente buguei com: Figurino, Edição de Som, Mixagem de Som e Edição.

  7. Quem não mereceu passar por isso foram os apresentadores Beatty e Dunaway. O povo está caindo em cima deles, falando é culpa da senilidade ou porque o Beatty não queria dar o prêmio para um filme com negros. O mal estar e frustração passará com o tempo para a equipe do La La Land, mas não conserta assim do dia para noite a reputação dos apresentadores.

     Com certeza, e já está mais do que provado que ele estava com o cartão errado coitado...o desconforto dele ao abrir e ver o erro era visível. To vendo uma molecada galera jovem chamando ele de senis, etc...um verdadeiro absurdo.

     

    De ontem pra hj vi muita gente desmerecendo Moonlight por n motivos, mas tenho lido coisas bem positivas no foruns da vida. A própria Boscov elogia e muito e vitória de Moonlight.

     

    Tanto Moonlight quanto La La Land e A Chegada saem desta temporada eternizados !! To feliz !! 

  8. Quando o gay não é gay, é muito bem recebido. Todos os gays sabem disso. 

     

    Coloca uma cena de sexo como em Brokeback Mountain,pra ver o que acontece. 

     

    Gosto de "Moonlight", acho um ótimo filme, ficou no meu top 10, aceito as pessoas faraem que é uma "obra-prima", que é melhor do que "La LA LAnd", e tudo mais, aceito. O único elogio que  não me desce é falarem que o filme é "corajoso". Ele é extremamente controlado para parecer cult e agradar aos héteros.

    Mas não achas que é justamente por todo contexto social do Chiron? Reprimido de todas as formas por toda a vida, aquelas cenas finais transbordam sexualidade reprimida. Eu não acho o filme corajoso, mas acho sensível e intenso....tudo ali é reprimido pra mim. Vejo o Chiron voltando pra cidade e conseguindo se reconectar com a mãe e tentando fazer o mesmo com a sexualidade ao procurar o Kevin....

  9. Moonlight foi meu preferido do ano. Achei o filme tão sensível, me identifiquei demais com o Chiron em todas as suas fases. Todo silêncio do personagem, o contexto social a sexualidade contida. A cena do restaurante e da cozinha me fizeram vibrar na cadeira do cinema junto com várias borboletas no estômago e aquela sensação de: AGORA VAI!!! Quanto mais penso no filme mais ele cresce, pretendo rever no cinema ainda essa semana (assisti numa poltrona bem no canto e perdi muito dos planos e da fotografia), comprei a trilha sonora do itunes e fico ouvindo repetidamente Hello Stranger...

     

    Mas to triste pela confusão, a equipe de La La Land não merecia passar por isso, e a vitória de Moonlight ficou bem apagada...

    Quanto à paixão, alguém amou Spotlight incondicionalmente? 

  10. Meu RANKING com os filmes que assisti esse no:
     

    LISTA COMPLETA:

     

    1.       Moonlight: Sob a Luz do Luar (EUA)

    2.       Manchester à Beira-Mar (EUA)

    3.       A Criada (Coréia do Sul)

    4.       A Chegada (EUA)

    5.       Animais Noturnos (EUA)

    6.       Aquarius (Brasil)

    7.       O Que Está Por Vir (França)

    8.       Elle (Alemanha, Bélgica e França)

    9.       La La Land: Cantando Estações (EUA)

    10.   Capitão Fantástico (EUA)

    11.   Quando Se Tem 17 anos (França)

    12.   Os Olhos de Minha Mãe (EUA)

    13.   Pardais (Islândia)

    14.   A 13ª Emenda (EUA)

    15.   Um Homem Chamado Ove (Suécia)

    16.   Terra de Minas (Dinamarca e Alemanha)

    17.   Docinho da América (EUA, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte)

    18.   A Qualquer Custo (EUA)

    19.   Depois da Tempestade (Japão)

    20.   O Lamento (Coréia do Sul)

    21.   O Apartamento (Irã)

    22.   Toni Erdmann (Alemanha)

    23.   A Bruxa (EUA, Canadá, Reino Unido)

    24.   Bacalaureat (Bélgica, França e Romênia)

    25.   Loving (EUA)

    26.   Jackie (EUA)

    27.   Visita ao Inferno (Áustria e Reino Unido)

    28.   Sete Minutos Depois da Meia-Noite (Espanha e EUA)

    29.   Mogli - O Menino Lobo (EUA)

    30.   Christine (EUA)

    31.   Julieta (Espanha)

    32.   Horizonte Profundo: Desastre no Golfo (EUA)

    33.   Os Capacetes Brancos (Reino Unido e Irlanda do Norte)

    34.   A Luz Entre Oceanos (EUA)

    35.   Snowden: Herói ou Traidor (Alemanha, Estados Unidos e França)

    36.   Muito Amadas (Marrocos)

    37.   Deadpool (EUA)

    38.   Vivendo com a Minha Mãe (Japão)

    39.   Estados Unidos Pelo Amor (Polônia e Suécia)

    40.   Um Limite Entre Nós (EUA)

    41.   Estrelas Além do Tempo (EUA)

    42.   Lion: Uma Jornada Para Casa (Austrália e EUA)

    43.   Sob As Sombras (Irã, Jordânia, Qatar e Reino Unido)

    44.   Henry Gamble's Birthday Party (EUA)

    45.   Extremis (EUA)

    46.   Rogue One: Uma História Star Wars (EUA)

    47.   Loucas de Alegria (Itália)

    48.   Capitão América: Guerra Civil (EUA)

    49.   Sieranevada (Bósnia-Herzegovina, Croácia, França, Macedónia e Romênia)

    50.   Conexão Escobar (Reino Unido) 

    51.   O Homem nas Trevas (EUA)

    52.   Sing Street – Música e Sonho (Irlanda)

    53.   Águas Rasas (EUA)

    54.   Eu, Daniel Blake (França, Reino Unido e Irlanda do Norte)

    55.   A Garota no Trem (EUA)

    56.   Invasão Zumbi (Coréia do Sul)

    57.   Rua Cloverfield, 10 (EUA)

    58.   Doutor Estranho (EUA)

    59.   Deserto (França e México)

    60.   Eu, Olga Hepnarová (República Tcheca)

    61.   Florence: Quem é Essa Mulher? (Reino Unido e Irlanda do Norte)

    62.   Até o Último Homem (EUA)

    63.   Batman v Superman: Dawn of Justice (EUA)

    64.   Dois Caras Legais (EUA)

    65.   Nise: O Coração da Loucura (Brasil)

    66.   O Roubo da Taça (Brasil)

    67.   Procurando Dory (EUA)

    68.   Mãe Só Há Uma (Brasil e França)

    69.   Café Society (EUA)

    70.   Tanna (Austrália)

    71.   A Frente Fria Que a Chuva Traz (Brasil)

    72.   Blue Jay (EUA)

    73.   The Monster (EUA)

    74.   Amor & Amizade (EUA)

    75.   Indignação (China e Estados Unidos)

    76.   Warcraft: O Primeiro Encontro de Dois Mundos (EUA)

    77.   O Nascimento de Uma Nação (EUA)

    78.   Star Trek: Sem Fronteiras (EUA)

    79.   Esquadrão Suicida (EUA)

    80.   King Cobra (EUA)

  11. Os sindicatos responderam pouquíssimas dúvidas....

    seria um sinal de que os novos quase 700 membros farão diferença na hora H? Espero que sim...

     

    Sempre achei que os sindicatos acabam com a graça do Oscar...agora quero ver a galera ficar prevendo tudo rs rs rs

  12. Convém avisar aos jornalistas e experts de Youtube que o mundo não começou ontem. O que é "Hacsaw Ridge" perto de "Sargento York"? 

    Num é nada, pra mim Mel Gibson foi bom apenas nas cenas de guerra, e não é exagero não. Pra mim até agora é o pior dos indicados que assisti.

     

    Minha ordem até agora:

     

    1 - Manchester à Beira-Mar

    2 - La La Land

    3 - A Qualquer Custo

     

     

     

     

    ABISMO

     

    4 - Até o último homem

  13. Olha esse filme do Mel Gibson foi uma das PIORES coisas que vi nessa temporada.

     

    Com exceção da mixagem de som, edição de som e dos efeitos visuais, nada ali me agradou. A primeira parte me remeteu à um Nascido para Matar,só que clichê, piorado a décima potência. Quando finalmente chega a parte da guerra o filme começa a crescer, mas no terço final Gibson consegue jogar toda "merda no ventilador". O personagens principal ganha contornos messiânicos que me incomodam profundamente, é óbvio que aquilo ali não aconteceu daquela forma, colocasse um "baseado em eventos reais" que ficaria mais bonito. Os últimos 20 minutos me lembraram Matrix (piada interna, quando assistirem vão entender) e também Deephan (só que sem armas). Olha, não tem como defender o Gibson e nem sua indicação. Só agradou a AMPAS mesmo por retratar a história do herói norte-americano.

     

    Nota: 5.0 (10) 

  14.  Esclarecimentos: Sim, eu queria ver a Meryl trabalhando com os fodões do cinema, não com Phyllida Lloyd, por exemplo. Sob esse ponto de vista, muita zona de conforto.  Porém, contudo, todavia, acho que ela está ótima em "Florence Foster Jenkins". É muito difícil desafinar sem parecer intencional (a própria Marília Pêra, que eu vi no teatro, dizia isso da personagem), acho que a Meryl faz a gente querer proteger a personagem. Ela entraria na minha lista das 5 (Ruth Negga fora). Hugh Grant , pra mim, tá ótimo também, embora seja claramente Lead. Amo o Figurino louquinho, doidivanas, da Consolata Boyle. E acho que as cenas de canto foram muito bem filmadas, pois a Meryl não poderia errar o "erro", então com certeza houve muito ensaio pra tudo sair bem daquela maneira.

     Eu indicaria o filme em Maquiagem e Cabelos e olhe lá...

     

    Indicaria o Aaron por Animais Noturnos...os olhares dele no filme, a sociopatia...curti muito !!

     

    Eu indicaria a Amy Adams mesmo e tiraria a Negga pra colocar a Rebecca Hall por Christine...fechou , estaria linda a categoria. 

     

    PS: Um amigo que está em NY disse que o filme da Annette Bening é ótima e que ela tbm está maravilhosa, e que deveria estar no lugar da Negga ou da Streep. 

     

    Essa categoria de atriz foi complicadíssima esse ano heim? E pensar que sonhei com a Sonia Braga entre as 5 no começo do ano....sonho impossível !!

  15. Passando pra dizer que Passengers teve o dobro de indicações de Silence...

     

    Guerra Civil fora e Esquadrão Suicída dentro...

     

    A Chegada indicada em filme, direção, roteiro, montagem e o coração do filme (Amy Adams) fora de Atriz...

     

    Meryl Streep indicada por outra bobagem, outra atuação mediana/ruim....lembro uma análise que o Sérgio fez anos atrás sobre como ela está numa zona de conforto e não poderia concordar mais. A maioria dos cinéfilos está puto da vida hoje.

     

    Eu vou morrer abraçado com a Huppert...La La Land é bom sim, mas não vejo um filme desse com gabarito pra carregar 11 vitórias ou mais....que termine com 10 ou 9 prêmios.

  16. Queria mais reconhecimento pra Animais Noturnos.

     

    Assisti La La Land. Gostei do filme, mas achei homenagens demais sabe? Teve um certo momento que eu tive vontade do filme ser menos carregado delas, mas não era a proposta né? É uma coisa besta, mas eu DETESTEI o merchan da Toyota no filme. A Mia vai lá e diz que o carro dela é um Prius, o cara vai ver a chave no claviculário e TODAS as chaves com símbolo da Toyota....REALLY??

     

    Vai ganhar uma penca de Oscars sim, mas como dizíamos antigamente por aqui....será o estouro da boiada né? 

  17. I, Daniel Blake (pequenos spoilers que não prejudicam a história)

     

    Sim, pelo segundo ano consecutivo a Palma de Ouro foi para um filme com foco em seu teor social/político ao invés do viés artístico, e não que isso seja ruim, mas, será que esse é realmente o caminho pra levantar essas bandeiras? Gostei do filme, é um crítica pesada ao neoliberalismo e expõe as falhas de um estado que deveria presar pelo bem estar e qualidade de vida da população. O diretor Ken Loach escancara a falência do sistema de saúde, a dificuldade em se encontrar emprego e principalmente a burocracia que enfrentamos no dia-a-dia em tudo que envolve o estado ou setores terceirizados. Eu não sou de esquerda e muito menos de direita, me considero no centro (não sei se isso é bom ou não) então concordei e discordei de diversas coisas no filme. Achei bem sensacionalista a saída que o diretor deu pra personagem Katie, não apenas o emprego que ela arrumou mas também o fato de estar passando fome e não contar pra ninguém, exagero total. Além disso, discordo da inércia do Daniel quando fica desempregado e esperando o auxílio desemprego, nós aqui no Brasil sabemos muito bem nos virar nos 30 quando o desemprego bate na porta, vendemos bijuterias, nos vestimos de papai noel, vendemos trufa no trabalho, enfim, acredito que ele poderia ter confeccionado uns daqueles peixinhos de madeira e vendido na rua ao invés de ficar séssil daquele jeito em alguns momentos. Mas, em contrapartida é um choque de realidade saber como não somos nada dentro desse sistema, não valemos nada nem para as empresas e muito menos para o estado, Daniel e Katie que o digam. Quem de nós dentro desse sistema neoliberal, conseguirá chegar ao 50/60 anos trabalhando no mesmo emprego sem ser trocado por mão de obra barata? Quem de nós conseguirá investir em outras previdências para uma velhice mais digna? Quem de nós acompanhará o desenvolvimento tecnológico e se adequar nesse sistema? Quem de nós não sucumbirá por uma doença e necessitará de algum auxílio do governo? O que o futuro nos reserva amigos?

     

    Nota: 7/10 

  18. Pra mim Emma Stone está mais próxima do Oscar do que a Portman...Eu particularmente espero que nenhuma vença e que Huppert seja consagrada.

     

    Este ano teremos um Best Picture fazendo a rapa né?

     

    THe Artist em 2012 venceu 5 e THe Hurt Locker em 2010 venceu 6.

     

    To achando que La La Land vai arregaçar nas indicações e vitórias.

  19. Huppert não foi indicada ao SAG (será que ela é sindicalizada?) e tambén não foi indicada ao BAFTA (o filme não estreou a tempo no UK). Será que esse ano poderemos usar o SAG de parâmetro? Desde 2013 o SAG não erra na categoria.

     

    Acredito e torço pra que o SAG tenha menos valor nas previsões, se a gente pensar que a AMPAS conta com quase 700 novos membros em busca da tal representatividade e a maioria desses não é sindicalizado, espero que os resultados ali na hora do Oscar deem uma divergida legal. 

     

    Hupper é a atriz mais premiada da temporada seguida por Portman. Se a Portman vencer o SAG ela continua firme e forte, se a Stone vencer acredito que as chances de Portman diminuem bastante.

     

    Mas precisamos logo do dia 24 pra saber se Huppert será lembrada ou esnobada no Oscar.

     

    A felicidade dela recebendo o prêmio foi emocionante. Tanto nos Globo de Ouro quanto no Gothan Awards.

     

    GO HUPPERt !!!!

  20. Quais serão as reais chances da Huppert em Atriz por Elle? Desde a Riva em 2012/2013 eu não ficava tão angustiado por uma indicação/vitória....Eu to com uma preguiça gigantesca de Jackie, não queria a Portman vencendo não =( 

×
×
  • Create New...