Jump to content
Forum Cinema em Cena

Control, de Anton Corbijn


jamesbond007
 Share

Recommended Posts

CONTROL, está sendo aguardado para o 2° semestre de 2007. O filme sobre a vida de Ian Curtis (Sam Riley) vocalista do grupo Joy Division e as razões que o levaram a cometer o suícidio aos 23 anos. O roteiro, escrito por Matthew Greenhaulgh é baseado no livro "Touching from a distance" de Deborah Curtis, a viúva de Ian.

 

Ian Curtis nasceu em 15 de junho de 1956 e morreu em 18 de maio de 1980. Ele era o vocalista, compositor e eventual guitarrista da banda que fundou, o joy Division em 1977, em Manchester, na Inglaterra. Na lápede de sua cova está escrito: Love will tear us apart... (o amor nos separará...) uma das músicas mais conhecidas do Joy Division.

 

Ian costumava dizer que viveria até os 25 anos. E se matou aos 23.

 

o fotógrafo Anton Corbijn, é conhecido por seus trabalhos em fotografar cantores e bandas de pop-rock e assinar a direção de alguns videos clipes, dentre os quais pode se destacar One e Please, do U2. Ele também trabalhou com diversas outras bandas como Coldplay, Travis, Depeche Mode e Nirvana. Em 1988, ele dirigiu o clipe da música Atmosphere que foi lançado para promover o greatest hists Substance.

 

E 1980, o disco de estréia do U2, Boy, tem uma música dedicada a Ian, chamada A Day Without Me.

 

O filme recebeu elogios em Cannes, e com isso espera-se que seja lançado nos EUA, segundo o site Joy Division Central.

 

Esse filme, protagonizado pelo inglês Sam Riley, de 27 anos, marca sua estréia como ator.

 

200pxcontrolfilmtq7.jpg
jamesbond0072007-07-22 23:34:50
Link to comment
Share on other sites

É de longe o filme que eu mais espero para ver este ano.

Na verdade não é o primeiro trabalho do Sam como ator, ele já havia feito um filme "24 Hour Party People" (nome de uma música do Joy Division) que fala sobre o cenário músical daquela época.

 

Eu postei umas fotos no final desta página.

 

E o trailer aqui:

 
Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

 

Control: Cinebiografia de Ian Curtis ganha trailer, site e pôster

E, importante, já tem distribuição garantida no Brasil

21/08/2007

Control, cinebiografia do ex-líder do Joy Division, Ian Curtis, teve inaugurado o seu site, ganhou um novo trailer e, mais importante, teve os seus direitos de distribuição comprados para o Brasil, pela recém-aberta Daylight Films.

Só não há ainda previsão para o lançamento por aqui. Visite a página oficial e assista ao trailer.

.

.

Que vem prá cá é certo, só não sabemos quando e nem como.03
Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

TIFF Review: Control

controlreview.jpgMy last movie of Day 1 (having missed Persepolis) was Control (The Weinstein Company), Anton Corbjin's profile on the life of Ian Curtis, the late singer of the British post-punk band Joy Division, who took his own life at the cusp of their fame. For fans of the band such as myself, there was always an air of mystery (and even romance) behind Curtis' suicide, because he did something so deliberate at such an odd time in his life that it left many early (and even later) fans wondering why the musical output of this talented singer was cut so short.

It's quite appropriate (almost fate) that photographer Anton Corbjin would make his feature film debut by telling Curtis' story, considering his involvement with some of the band's most memorable photos back in the day. Having that distinction helped make sure that Curtis' widow Deborah, Factory President Tony Wilson (who recently passed away) and the surviving members of the band, who found even greater success as New Order, would be on board and involved in telling Curtis' story. Like Corbjin's previous work, the film is entirely in black and white, and it's one of those rare cases where this filmmaker's flight of fancy is highly appropriate, since it adds to the tone of Curtis' life.

Sam Riley makes his feature film debut as the singer, whose life story is told quite linearly starting with his early days in Macclesfield, writing poetry and listening to Bowie and Roxy Music, meeting and marrying Debbie (played by Samantha Morton) at far too young an age. It then follows the short-lived career of the band that was well-documented in Michael Winterbottom's 24 Hour Party People, further legitimizing the events shown in that film. On the other hand, we see far more of Curtis' personal life, such as his day job at the unemployment agency which he kept event after the band first appeared on television.

At first, Riley doesn't look so much like the Curtis that most people remember but over the course of the movie, as he faces the harsh realities of epilepsy and becomes over-medicated in order to prevent it, his face starts to change and he starts looking eerily like the dark, brooding Curtis from Corbjin's pictures. Riley so perfectly captures Curtis' mannerisms, both onstage and off, that its hard not to feel as if he's channelling the late singer, and this dynamic performance keeps you riveted to the screen.

Samantha Morton is also very good as Debbie, even though she's playing well younger than her normal age and much of the movie focuses on their relationship and how their marriage fell apart when Ian met and fell in love with the Belgian groupie Annik Honoré (Alexandra Maria Lara), who was pretending to be a journalist.

Rob Gretton--in this case played by Toby Kebbell--is once again the funniest part of the movie, as he says whatever is on his mind, most of which is quite inappropriate.

Corbjin's long career working in the limited worlds of black and white ensures that the film looks as gorgeous and stark as his photos and music videos, and after ten minutes, it becomes apparent that a film like this would never have worked quite as well if done in color. The soundtrack is just as stripped down with very little incidental scoring, instead letting Joy Division's music (and Curtis' influences) be the sole accompaniment to the images.

Either way, this is a stunning debut from Corbjin that makes you wonder why it took him so long to make his first feature film. (I guess that's one of the questions I can ask him when we talk on Saturday.)

Either way, this is a film that must be seen by any true Joy Division fan, but it's also entertaining enough as an introduction to this influential band and its troubled singer.

Rating: 8.5/10

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...
  • 3 weeks later...
  • 3 months later...

Vi ontem, filme simpático sobre a vida do vocalista da banda Joy Division, Ian Curtis... quem quiser apronfuda-se um pouco na história este texto é interessante!

 

Parece que o filme vai ter estréia por agora...

 

control.jpg

 

Control e o revival Joy Division

:::Control, filme de Anton Corbijn (U2 e Depeche Mode) sobre a vida de Ian Curtis, vocalista do Joy Division, foi apresentado recentemente no Festival de Cinema do Rio de Janeiro e também será exibido na 31º Mostra de Cinema de São Paulo, mas só deve estrear comercialmente por aqui no início de 2008. Na Inglaterra, o filme estreou no último dia 05. A película, rodada em preto-e-branco, se baseia no livro “Touching from a distance” (1995), escrito pela esposa de Ian, Deborah Curtis, e narra um período da vida do amargurado cantor, vivido pelo elogiado ator Sam Rilley.

Muito tem sido falado a respeito do filme e grandes são as expectativas que rondam a cinebiografia do lendário vocalista do Joy Division, descoberto pelas gerações mais recentes via bandas contemporâneas como Interpol e Editors. Um dos comentários que tem sido feitos é que o roteiro centrou-se no relacionamento de Ian com a esposa e a amante belga, a jornalista Annik Honoré, em detrimento da poesia de suas letras. Também tem sido bastante citada a ótima interpretação de Toby Kebbell como Rob Gretton, empresário da banda, que rouba algumas cenas e adiciona um pouco de humor à estória.

O filme de Corbijn é bastante oportuno, pois já há alguns anos que presenciamos um revival pós-punk (“movimento” que alguns afirmam ter iniciado justamente com o Joy Division), iniciado justamente pelos novaiorquinos do Interpol e prontamente seguido por uma infinidade de bandas. Mas o culto a Ian vem de bem antes. Lembro que no vídeo “New Order Story” (1993), antes de começar a falar do New Order (surgida das cinzas do Joy Division) é prestada uma bela homenagem a Ian, inclusive com depoimento de Bono (U2), falando principalmente a respeito da voz de ian.

Observamos também a “reconciliação” entre o New Order e o Joy Division, com a banda tocando várias músicas de sua antiga formação, algo que até algum tempo era impensável.

“Control” vem então se somar a "24 Hour Party People” (2002), filme de Michael Winterbottom, que ao mostrar o surgimento da cena de Manchester e da gravadora Factory Records, teve que, de forma inevitável, falar do Joy Division, já que o filme é centrado neles e no Happy Mondays.

Diante desse revival joydivisiano, Chris Lee, do Los Angels Time, escreveu um texto chamado “Joy Division is multiplying”, ou, “O Joy Division está se multiplicando”, onde analisa os motivos desse revival. O autor questiona: “Why Joy Division? Why now?” (Por que Joy Division? Por que agora?). Através de vários depoimentos, incluindo o de  Corbijn, de Justin Warfield (She Wants Revenge) e de Grant Gee, que fez o pouco falado e recente documentário chamado “Joy Division” (2007), Lee vai puxando vários pontos que podem explicar essa “onda”, indo desde os aspectos musicais, passando pela aura de mistério que sempre cercou a banda, pelas temáticas tratadas nas letras de Ian e também pela falta de identificação do ouvintes com os artistas atuais.

Para aumentar o burburinho causado por Control, o site Guardian Unlimited Film, convidou Natalie Curtis, filha de Ian Curtis, atualmente com 28 anos, para fazer uma espécie de review para o filme sobre seu pai. A resenha começa assim: “Em um dia ensolarado de agosto finalmente eu pude ver a versão final de Control, de Anton Corbijn, um filme sobre a vida de Ian Curtis, meu pai e vocalista da banda Joy Division”. Ao longo da resenha, Natalie comenta do quão foi estranho ver na tela a representação sobre a vida de sua família e de si mesma; fala também da interpretação de Sam Rilley e da semelhança entre o ator e seu pai: “É difícil pra mim comentar a atuação de Sam Rilley como meu pai, é muito estranho pra mim ouvir todos dizendo o quanto Sam se parece com Ian. Certo, ele tem o cabelo e as roupas, mas eu me pareço com Ian, e Sam não se parece nada comigo! A voz de Sam soa bem no filme, mas não é a voz de meu pai e é embaraçoso pra mim ouvir as pessoas dizendo que a voz de Sam é idêntica a dele”.

Natalie faz uma série de críticas à maneira como o roteiro foi conduzido, dentre elas o fato de não mostrar o quanto o problema mental de Ian influenciava em sua depressão e angústia. Lá pelo final ela diz: “Talvez eu tenha dado a entender que o filme é terrível, o que não é”, e finaliza afirmando que “...o mais importante é e sempre será a música”.

* * *

:::Por esses dias me deparei com uma entrevista no mínimo interessante com três figuras atuantes no meio jornalístico:  Pedro Alexandre Sanches, Ricardo Alexandre e Alexandre Matias. A entrevista saiu no site www.gafieiras.com.br e está dividida em 38 partes devidamente intituladas de forma bem curiosa: “A Bizz era um morto muito louco”, “Marisa Monte e Calypso são do mesmo planeta”, “Cada número da Bizz era uma vitória”, dentre outras. Na entrevista os três Alexandres falam disso aí e também sobre o mercado editorial musical, MP3, blogs, Rolling Stone, Folha de São Paulo, RPM, Tim Festival, Cansei de Ser Sexy, Caetano Veloso, etc, etc.

* * *

:::Querem mais um bom texto sobre a situação da música pop atual? Com um texto intitulado  “Palpiteiros, Apocalípticos e Integrados”, Marco Antonio Bart, em seu blog http://telhadodevidro.wordpress.com, destrincha de forma irônica e concisa o perfil dos “formadores de opinião” musical. Uma amostra: “O palpiteiro apocalíptico anseia, a suspirar, pela volta de tempos mais simples. Ele se angustia com os novos tempos - tempos nos quais a informação é descentralizada, democrática… excessiva?” e mais adiante: “O apocalíptico não apenas culpa a internet pelo “lamentável” estado de coisas atual. Ele também taxa automaticamente de “descartável” qualquer artista que utilize a web e/ou recursos paralelos para divulgar sua obra”.

Link to comment
Share on other sites

eu consegui ver o filme, tive q apelar pra meios alternativos (rsrsr) sem dúvida alguma um dos melhores filmes que eu vi do ano passado. no começo fiquei meio assim pelo filme ser em preto e branco, mas no final, acabei achando bem legal, transmite bem pela imagem o que as letras das musicas querem dizer.

 

fiquei supreso das premiações americanas terem esquecido esse filme. ainda bem q o mesmo não aconteceu na europa, onde foi amplamente aclamado, inclusive com indições ao BAFTA.
Link to comment
Share on other sites

Control tem estréia marcada nos cinemas brasileiros
(15/02/2008 - 16h28)

Da Redação www.cineclick.com.br

 

img_news_15022008controldentro.jpg

Cena de Control
O longa-metragem Control já tem data prevista para estrear no Brasil. A Daylight Films, distribuidora do drama no Brasil, marcou para o dia 16 de maio o lançamento nos cinemas brasileiros. A data coincide com os 28 anos passados desde a morte do cantor Ian Curtis, ocorrida em 18 de maio de 1980.

Trata-se do primeiro trabalho do holandês Anton Corbijn na direção de um longa-metragem, após prestigiada carreira como diretor de videoclipes. Baseado no livro escrito por Deborah Curtis, viúva do roqueiro retratado no longa, Control é a cinebiografia de Ian Curtis, vocalista da banda pós-punk Joy Division que se matou aos 23 anos.

A produção foi exibida no Festival do Rio e Mostra Internacional de Cinema em São Paulo no ano passado com todas as sessões esgotadas.

---------------------------------------------

Aleluia! quero ver eu me aguentar até lá agora, acho dificil 06... pelo visto vão deixar o título assim mesmo, que bom.

Beckin2008-02-16 20:32:34
Link to comment
Share on other sites

  • 2 months later...
  • 3 weeks later...

Vi há pouco, nota 7.

Explora mais o drama do Ian com a Betty e a amante Annik e a história da banda é deixada um pouco de lado, se bem que é até aceitável, já que o filme é baseado no livro escrito pela Betty, mas poderia ter sido melhor. Aquele começo do filme com algumas músicas do Bowie é ótimo.

 

Quero ver agora o documentário que os ex-integrantes da banda irão fazer, para os fãs do rock deve agradar mais do que o filme.
Link to comment
Share on other sites

é ótimo este filme e o destaque menor a banda é mais do que aceitável não só por se basear no livro como também por dar mais enfoque a vida pessoal do Ian que incluía mais este amor com a esposa e a amante do que com o resto.

 

E o mais legal mesmo é que o filme se preocupa em nos mostrar como o Ian era gente como a gente. Uma das poucas cinebiografias em que dá pra se identificar com o protagonista, mesmo que o filme tenha seus deslizes.
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...