Jump to content
Forum Cinema em Cena

Gago

Members
  • Content Count

    2057
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    1

Posts posted by Gago


  1. Eu também gostei bastante de Casino e Skyfall, mas com esse aqui não rolou, apesar do apuro técnico e das boas atuações costumeiras da era Craig. Achei fraco, infelizmente.

     

    Possíveis spoilers daqui em diante:

     

    O roteiro desse filme é simplesmente um desastre em vários níveis: primeiro eles provavelmente não tinham mais como segurar a Judi Dench dentro da franquia, daí inventaram um modo dela ainda ser relevante encaixando esse participação que, apesar de não apresentar nenhum problema escancarado, joga completamente para escanteio o personagem do Fiennes, então relegado a pseudo-batalhar com o sub-vilão mais óbvio desde muito tempo.

     

    Não que o verdadeiro vilão seja exatamente bom, pois ele não é, apesar do esforço (padrão, é verdade) do Waltz. Simplesmente não há fator externo que o ajude. A maquininha de tortura é interessante, mas decepcionante: cadê os bagos para levar o filme às últimas consequências e fazer Bond de fato esquecer a menina?

     

    Todas as amarras são frouxas, quase forçadas. Dá a impressão que os roteiristas não sabiam muito bem o que fazer com o setup que lhes foi entregue e aí começaram a se virar do jeito que deu, pois realmente não compreendo a frouxidão que é o laço existente entre Blofeld e Bond e entre Blofeld e os últimos três vilões da série. Nada trabalhado, desenvolvido, só jogado ali pra dar algum peso dramático e, sei lá, servir como elo com os filmes anteriores? Achei muito pobre, sinceramente.

     

    E eu ainda tô custando a acreditar na nulidade que é a personagem que escreveram e entregaram para a Monica Bellucci, assim como tudo o que ocorre na Spectre. Oh, gosh...


  2. Dentre todas as atuações da Jennifer Lawrence, a de Inverno da Alma é tranquilamente a minha favorita. Essa menina é talentosa mesmo, embora eu particularmente não me sinta muito atraído pelos filmes que ela faz (exceto pelo próprio filme da Debra Granik), o que me passa a ligeira (e provavelmente falsa) sensação de desperdício. Imagina essa menina nas mãos de um James Gray...


  3. Valiant Hearts eu já conhecia, mas os outros dois não. Acabei de assistir aos trailers no Steam e, uau, definitivamente entraram para a lista de desejos. Que coisa linda é esse Ori, hun? E eu já senti um certo desespero e sentimento de urgência no pouco tempo de Outlast. Bem que poderiam receber um descontinho na próxima sale (Outlast tem grandes chances na Halloween Sale, acho). Valeu mesmo pelas dicas.

     

    Aliás, Dook, eu não sei qual sua disponibilidade e nível de interesse no assunto, mas tem muita gente boa hoje em dia desenvolvendo games, porém sem muitos holofotes em cima. Eles acabam andando à margem, não recebendo tanta divulgação como os, digamos, blockbusters. E grande parte dessa galera está no Steam, que, aliás, mudou minha vida nesse sentido, pois depois dele voltei a ser um gamer. Há muita coisa para se apreciar hoje em dia no mundo dos games por gente como nós, com um background forte de cinema. Tem muita gente expandindo os horizontes, arriscando coisas diferentes, experimentando novas linguagens, criando novas narrativas etc. É bem bacana.

     

    Apesar disso tudo, estou viciado num jogo gratuito de browser. Vai entender, hahahaha!


  4. Também cresci com os clássicos, e, curiosamente, me vejo não muito atraído por grande parte dos jogos de hoje, agravando meu desânimo videogamístico por um tempo considerável. Mas aí o Steam apareceu em minha vida e eu descobri um bocado de jogos independentes que são do caceta. Jogos relativamente baratos, bem feitos e extremamente divertidos. E o melhor: não precisa comprar console algum (ou ter uma máquina extremamente potente) para rodá-los. Ou seja, minha vida de gamer hoje não se resume apenas a emuladores (embora boa parte sim, hehe).


  5. (deve conter spoilers)

     

    David Fincher é um dos sujeitos que mais manjam do seu ofício na atualidade, pois o filme é, na minha opinião, um triunfo do ponto de vista formal: foto maravilhosa, linda mesmo, transbordando a tela; trilha sonora bastante atmosférica, que não demora muito para me lançar dentro do filme; e um ritmo impecável, marca registrada do diretor, que nos dá uma das mais eficientes edições de imagens ano. Uma delícia de assistir.

     

    Gosto do olhar distorcido e ácido para a instituição do casamento, mas não tanto quando os maiores entusiastas do filme. A inversão é interessante, jogando com a nossa percepção usual dos papeis de cada gênero dentro de uma união amorosa. É quase uma piada, só que abordada seriamente, até pelos detalhes sombrios, como a psicopatia da esposa e a liberdade e tranquilidade transmitidas pelo marido mesmo sabendo que o pior poderia ter acontecido com o cônjuge.

     

    A questão do jornalismo é um tema já abordado (e pouco comentado) em Zodíaco, mas que aqui recebe um tratamento mais pungente, pois há uma crítica mordaz pela sua utilização espetaculosamente irresponsável, criando e se alimentando de factoides e manipulando a opinião pública ao seu bel-prazer, a ponto de que todo o desenrolar da trama (e suas consequências) necessariamente passem pelo crivo dos programas sensacionalistas, trazendo à reboque um sub-tema que vi pouca gente comentando: o culto à celebridade. No filme, os personagens transitam entre o amor e o ódio das massas em questão de segundos, e acho extremamente perspicaz e irônico que, no apagar das luzes, eles se perpetuem no imaginário popular como um casal queridinho da América.

     

    Gostei muito, algo como 74/100.


  6. De Medo eu só me recordo da sinopse e de uma cena, o restante simplesmente sumiu da minha cabeça. Já A estranha perfeita eu ainda tenho bem claro comigo que se trata de um trabalho constrangedor para todos os envolvidos (exceto, talvez, para Halle Berry). Ou seja, do Foley eu só gosto mesmo de O sucesso a qualquer preço, pelos aspectos que apontei antes, embora eu precise rever.


  7. Deve ser o meu diretor favorito dentre os orientais da atualidade. Admiro bastante O hospedeiro e Mother, mas nada que se aproxime do nível de excelência de Memórias de um assassino, do qual gosto PRA CARALHO, sendo inclusive um dos meus preferidos da década passada.


  8. O Sucesso a Qualquer Preço (Glengarry Glen Ross, James Foley, 1992) - filme inteligente e gostoso de assistir, levado por um elenco incrivelmente em sintonia. Os diálogos são ótimos. Interessante é que, olhando a filmografia do Foley, não parece que ele seja capaz de fazer um filme desse nível.

     

    Este eu assisti há muito tempo, mas lembro que achei um barato, especialmente pelo roteiro e pelas atuações do elenco (Pacino, Spacey, Baldwin, Arkin e, claro, LEMMON!), o que à época me preparou para a qualidade dos filmes subsequentes do Foley.


  9. Breves considerações após a semana 5:

     

     

     

    - McNabb não tem sido positivamente decisivo para os Vikings. Ponder deveria receber uma chance. Está na hora do novato aprender jogando.

     

     

     

    - Asomugha é um dos melhores CB dos últimos tantos anos. Modificar seu estilo de jogo é burrice - e apenas um dos vários fatores que explicam o fiasco dos Eagles até o presente momento.

     

     

     

    - Cam Newton mereceu ter sido a primeira escolha do último draft. Ele é o futuro dos Panthers, que não são tão ruins quanto sua campanha parece indicar.

     

     

     

    - Em que pese o nível MVP das exibições de Fred Jackson, ainda desconfio dos Bills. Gosto do Fitzpatrick, mas preciso me convencer de que ele tem dentro de si o que é necessário.

     

     

     

    - Colts no caminho para receber a escolha nº. 1 do próximo draft. E isso, ao contrário do que muitos pensam, pode ser uma terrível dor de cabeça.

     

     

     

    - Mantenho minha previsão da semana 2: o time de Oakland é melhor do que aparenta, razão pela qual ficarão com uma das vagas de wild card da AFC.

     

     

     

    - Dalton e Green darão muito certo na NFL. Se os Bengals fossem menos teimosos, trocariam Carson Palmer a fim de acumular futuras escolhas e então buscar Trent Richardson e/ou Vontaze Burfict no próximo draft.

     

     

     

    - O que geralmente diferencia o sucesso do fracasso na NFL é a qualidade do trabalho dos GM de cada franquia. Os Cardinals cederam Dominique Rodgers-Cromartie e uma escolha de segundo round por Kevin Kolb. É preciso dizer mais alguma coisa?

     

     

     

    - Maior decepção até aqui: Josh Freeman e os piratas de Tampa Bay. Podem chegar na pós-temporada, mas o time, sabe-se lá como, piorou desde a temporada passada.

     

     

     

    - Continuo duvidando do possível sucesso dos Jets. Mark Sanchez não é um franchise QB. E o ataque terrestre e a defesa não funcionam tão bem como antes.

     

     

     

    - Parece que somente Pete Carrol não percebe que Tarvaris Jackson é o pior QB titular da liga.

     

     

     

    - Tim Tebow tem que ser o titular em Denver.

     

     

     

    - Chris Johnson é tão veloz, mas tão veloz, que aparentemente sua carreira já está na descendente.

     

     

     

    - Max Starks parece ter dado novo fôlego aos Steelers. Duvido que vençam a divisão, mas agora a pós-temporada não parece um sonho tão distante, como há uma semana.

     

     

     

    - O paradoxo da temporada: os Chargers não são bons como antes, mas estão com uma campanha melhor. Perderam talento, mas aprenderam a ganhar jogos. No fim do dia, é exatamente o que interessa.

     

     

     

    - Busque na internet as últimas "n" primeiras escolhas dos Lions no draft e lá estará a resposta para a inacreditável melhora do time. Os caras foram pacientes e souberam escolher - eis o segredo para o sucesso, certo?

     

     

     

    - Aaron Rodgers tem um talento semelhante ao dos grandes QB e uma vantagem: é muito mais atlético. Esse cara é o pacote completo. Parece cedo, mas não tenho dúvidas de que se aposentará como um dos maiores.


  10. Sinceramente? Eu não vejo por onde esse time possa errar e/ou escorregar nessa temporada. São experientes' date=' o grupo, na maioria, já se conhece e temos um dos, se não, O MELHOR treinador no comando.

     

     

     

    O que me assustou um pouco foi ver os treinos do Sanchez, ele continua com a mania de querer resolver tudo antes do inicio da jogada e sem guardar um plano B pra uma possível cobertura no seu primeiro alvo. Mas acho que vai dar tudo certo. O importante é ganhar ritmo na preseason e entrar arrebentando na liga, já que esse ano teremos um calendário difícil. [/quote']

     

     

     

    Estava conversando com um amigo via Facebook a respeito de nossas atuais apostas para quem chegaria na pós-temporada etc., e deixei os Jets de fora. Minha explicação - e consequente resposta para sua pergunta: Mark Sanchez somado a uma tabela difícil parece ser uma combinação quase explosiva.

     

     

     

    Tudo bem que o ataque terrestre também não está funcionando (o que é FUNDAMENTAL para o QB de vocês não aloprar), mas continuo com o pensamento de sempre: "Sanchize" é possivelmente a alcunha mais equivocada de toda a liga, pois Mark Sanchez não parece, de jeito algum, ser o tipo de jogador que guiará uma equipe a um título de conferência, quanto mais a uma vitória no SB.

     

     

     

    É torcer muito para a defesa, que é de fato sensacional, trabalhar em triplo para levar o time adiante.

     

     

     

    Eu sempre achei a questão do draft bem interessante. Cada time tem o direito a 7 escolhas de novos jogadores. E é no draft que aquele ditado "os últimos serão os primeiros" torna-se realidade. O campeão é sempre o último a escolher' date=' seguido pelo vice e assim por diante.[/quote']

     

     

     

    O mesmo aqui. Gosto tanto, que um dos meus maiores prazeres no esporte é conferir os tapes das partidas do college football a fim de identificar os futuros talentos e tentar projetar, com base na necessidade de cada um, as futuras escolhas de cada time. É muito bom (hehe).


  11. <FONT size=2 face="Verdana' date=' Arial, Helvetica, sans-serif">O Lucas Leiva é um bom jogador, mas não é unanimidade, nem insubstituível. Ele é o jogador mais regular da Era Mano, mas tb deu algumas pisadas de bola. O Neymar que é o Neymar arrebenta no Santos e não arrebentou na seleção; O Pato arrebenta no Milan e não arrebentou na seleção; o Hernanes carrega o time nas costas e na seleção não fez a diferença; apenas pra reforçar que o fato do Lucas ser um "queridinho" na Inglaterra não lhe dá imunidade. Mas é um bom jogador, sem dúvidas... só acho o Willians do Flamengo muito mais versátil e útil pra seleção do que ele, por exemplo. Aliás, os dois poderiam jogar juntos também...[/quote']

     

     

     

    O termo discutível, pra mim, sempre foi uma maneira polida de afirmar que alguém deveria sair do time, ou algo muito próximo disso. Mas você, pelo que entendi, utilizou (ou utiliza sempre, não sei) num sentido mais literal. E sendo assim, também penso que o Leiva não deva ser intocável, se por acaso dei a entender algo nesse sentido, embora eu de fato não tenha grandes poréns com o futebol do cara (neste ponto, concordo com o Jack). Gostaria de ver o Sandro sendo testado mais vezes depois que voltar de contusão.


  12. Também acho que o Lucas está muito longe de ser discutível. Sou torcedor do Liverpool e não perco absolutamente nenhuma partida televisionada dos Reds desde a temporada 09/10 da Premier League. Ele foi o maior ladrão de bolas da última temporada inglesa, como disse o Foras, e já é o líder da atual, em que pese estarem apenas na terceira rodada. Já é um queridinho em Anfield e não tem quaisquer concorrentes atuando em solo brasileiro que estejam em seu nível de qualidade. Penso, inclusive, que estes nem mesmo se comparam ao Sandro (ex-Inter, atual Tottenham), que eu acho que é o reserva imediato do Lucas na cabeça do Mano.

     

     

     

    Aliás, acho que esse é um dos menores problemas dessa seleção brasileira, se é que há de fato algum problema nessa posição.


  13. O problema da falta de tempo é que esta lista é quase idêntica a que eu publiquei na versão anterior:

     

     

     

    01. Cupido é Moleque Teimoso (Leo McCarey, 1937)

     

    02. M - O Vampiro de Dusseldorf (Fritz Lang, 1931)

     

    03. A Regra do Jogo (Jean Renoir, 1939)

     

    04. Paraíso Infernal (Howard Hawks, 1939)

     

    05. Luzes da Cidade (Charles Chaplin, 1931)

     

    06. Levada da Breca (Howard Hawks, 1938)

     

    07. Do Mundo Nada Se Leva (Frank Capra, 1938)

     

    08. Tempos Modernos (Charles Chaplin, 1936)

     

    09. A Grande Ilusão (Jean Renoir, 1937)

     

    10. Aconteceu Naquela Noite (Frank Capra, 1934)

     

     

     

    É isso, fica esta sendo minha singela contribuição.


  14. De acordo com La Gazetta dello Sport, o Sneijder vai mesmo para a cidade de Manchester, só que pra jogar pelo time azul. Estão dizendo que a proposta gira em torno dos 36 milhões de euros.

     

     

     

    Por outro lado, está rodando na Inglaterra um papo de que o United voltou a se interessar pelo Nasri (curiosamente, o alvo anterior do City). Se tudo isso for verdade, será uma troca péssima para os diabos vermelhos.

     

     

     

    Ps: prometo que encerro aqui a chuva de rumores, hehe. Volto ao assunto se, e somente se, algum deles contiver um fundo de verdade.


  15. Eu também tinha minhas dúvidas, mas é sempre aquele papo, né, se no fim das contas ele não vier é porque ele já havia falado que não tinha o interesse, enquanto que se ele vier, bem, é porque o outro lado cedeu um pouco nas exigências. Nunca dá pra saber com precisão o que na verdade aconteceu.

     

     

     

    Cleverley está jogando muito bem mesmo. Eu já havia inclusive pensado que o Ferguson cogitava utilizá-lo como o sucessor do Scholes num futuro nem tão distante.

×
×
  • Create New...