Jump to content
Forum Cinema em Cena

bs11ns

Members
  • Posts

    799
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    1

Everything posted by bs11ns

  1. Verdade. Me senti impotente como ela sim. Vários gostaram realmente da edição, de fato. Mas prefiro a paranoia do amnésia e a loucura do Cisne Negro, pelo menos não subetimaram minha inteligência. Só questão de gosto.
  2. A Rede Social. Um começo em ritmo frenético que vai diminuindo até o final, previsível e nada original. Pra ser sincero detestei algumas coisas nesse filme: o diálogo de Mark com a namorada, deixou claro o quão nojento e odioso ele é, todas as interpretações, exceto a de Jesse (se bem que acho que ele tem muito mais physique du rôle do que talento propriamente dito, mas convenceu tanto que saí odiando o Mark), sem sal nenhum, principalmente a de Andrew Garfield e o excesso de sobreposições da montagem confusa, que parece se gabar o tempo inteiro de ser mais inteligente do que vc que está assistindo. Ou seja: pretensiosa e arrogante como Mark. Talvez tenha sido uma escolha de Fincher pra tentar dar dinamismo á história. Errou feio. Nesse quesito sou muito mais o Amnésia ou O Grande Truque (apesar de odiar mágica) onde cada detalhe faz grande diferença. Restam a história, ótima embora mal montada, a trilha, principalmente quando reflete os comportamentos da juventude atual e o texto que, apesar de, insisto, sempre duvidar da capacidade da plateia, é ágil, humorado, sem muitos clichês. Também gostei da originalidade do tema e da coragem de trazê-lo ás telonas pelo risco de ficar limitado: tenho certeza de que se meus pais vissem esse filme, não iriam entender metade do que foi dito. Repito: o diálogo inicial é desnecessário, arrastado e me deu vontade de levantar e ir embora do cinema. É um filme superestimado por tratar da sociedade atual e de seus isolamentos trazidos pela internet. Mas, no todo, é bom, diferente. Só faltou mais profundidade e aproximação ao espectador. 7,5
  3. Eu não quis acreditar que ele disse que balé não é elegante. Eu li cinco vezes pra ter certeza. <font face="Times New Roman, Times, serif" size="3">Pois então me explique, porque eu sequer entendi o sentido da frase que ele construiu. O encadeamento de ideias aí está extremamente confuso pelo excesso de conjunções (porque, já que, que por si só). Quis dizer o seguinte: a história do filme não é sobre algo elegante. É sobre loucura, excesso de perfeição, obsessão. Não sobre ballet pois pra mim, o ballet, no final, nas apresentações, espetáculos e tal, pode até ser elegante, refinado. Mas pra chegar até lá, passa-se por muitas provações, sofimentos e dificuldades. Não é fácil e é uma carreia muito curta pra tanto sofrimento. Sei disso porque minha mãe dançou durante nove anos. Convivi com isso diariamente e a vida é de privações. Pra mim isso não é elegância. Mas é só minha opinião.
  4. Ok. vc venceu. Realmente não gosto quando criticam Natalie ou o filme. Mas há vários filmes que muitos amam e eu nem tanto assim. Te peço desculpas. Não reagirei mais dessa forma ás suas opiniões, certo?
  5. Em Um Mundo Melhor. Muito interessante a forma como vários assuntos são retratados no filme de Suzanne. Gosto especialmente dos questionamentos sobre a covardia, o preconceito, o ódio, suas origens e consequências. Interliga a história de dois meninos justamente pelos dois opostos: a inércia de um e a irascibilidade do outro, mostrando como ambas, de formas diferentes, podem gerar guerras, como é citado ao longo do filme, ou outras tragédias. Até que ponto a falta de reação é considerada covardia? Não reagir é o mesmo que ser covarde? Responder na mesma moeda quando se é agredido é uma forma correta de reação? Violências são justificáveis? Reações explosivas podem vir do acúmulo de mágoa, rancor, raiva? Todas essas questões são colocadas no filme, entre outras, muito mais com o que não se fala do que com o que é dito. A fotografia contribui imensamente para isso, pois reflete sempre a grande força dos sentimentos expostos. A montagem parece procurar algo, alguém ou alguma explicação e, o mais legal, é que nem sempre as respostas vêm á tona. Ficam mais na sua cabeça, na sua interpretação, mostrando a força de uma direção que não julga seus personagens ou suas ações. O Cristian é muito bem criado e interpretado. Tem uma carga já antiga de ressentimentos que encontram uma oportunidade pra aflorarem. O Anton tem complexidade igual, variando entre o que é certo pra ele e pro meio onde vive e trabalha. Não gosto muito do ritmo, que parece deixar tudo pro final, cozinhar o filme sem muito andamento. Também não gosto das atuações dos outros atores, principalmente do pai do Cristian, por não passarem a emoção necessária e, ás vezes, latente que o filme expõe (a mãe do Elias só melhora no final). Não me agrada a história melodramática dos pais de Elias porque há muito mais discussão sobre os motivos do rompimento do que sobre as consequências do mesmo na personalidade do filho (é um viés mal explorado do filme). De qualquer modo, é bem filmado, a história central é fortíssima, as inserções africanas extremamente pertinentes (o desfecho dessa sub trama é incrível) e o texto é direto, dosado e simples. Muito melhor do que a grande maioria dos filmes atuais, embora não seja perfeito. 8,0
  6. 1. Cisne Negro 10 2. Bravura Indômita 9,5 3. Cópia Fiel 9,5 4. Poetry 9,5 5. Biutiful 9,5 6. O Vencedor 9,0 7. Além da Vida 9,0 8. O Inverno da alma 9,0 9. 127 Horas 7,5 10. O Discurso do Rei 7,0bs11ns2011-04-02 16:32:51
  7. É por causa de pessoas como vc q essa duble mal amada ainda está sendo noticiada. Ah, não me diga que vc realmente achou que Natalie tinha feito o filme inteiro sem duble? Não vi nenhum esforço de ninguém tentando esconder nada, até pq ja tava subentendido o uso da duble na maioria das vezes. Também acho legítimo pra cenas específicas porque ela é ATRIZ. Ta ali pra representar, não pra bailar espetacularmente bem. Repito: o filme não é sobre ballet. A questão da atuação dela vai muito além disso e vc mostra mais uma vez que não tem critério ao dizer que ela ficou com cara de dor de barriga e se isso te incomodou é porque você não gosta de atuações boas e reais, interpretações viscerais. Acho que nem sabe o que é isso. Você percebeu as imagens dela passando ao lado dela mesma? Seus reflexos no metrô? Os sorrisos sarcásticos, misteriosos? Viu o estupor dela em vários momentos? O olhar de terror quando achou que tinha matado a peronagem da Mila? O espanto quando descobre que não a matou? Por acaso viu o final quando ela se transforma na versão negra? Sinto muito mas acho que vc não assistiu o mesmo filme que eu.
  8. Essa dublê é uma recalcada que tá querendo aparecer na esteira da competência e do talento indiscutíveis de Natalie. Queria ver darem o papel pra ela. Ela se esquece que um filme não é feito apenas de algumas cenas e nem atuações e sim do todo. É claro que Natalie não seria bailarina em um ano e meio porque esse não é objetivo do filme. Imagina se um ator que vai interpretar um boxeador tivesse de se tornar um de verdade? Ou um viciado em drogas? Um policial? Uma pessoa insana? Um assassino? Não me lembro de ter visto tanta polêmica assim quando a Hilary Swank arrebentou no Menina de Ouro. Tenho certeza q a maioria das cenas no ring também não foram feitas por ela. Mas, assim como Natalie, Hilary construiu uma personagem nos detalhes, nos minimalismos, na técnica corporal e facial. Estava tão incrível quanto Natalie. Deixa essa dublê pra la porque daqui a pouco acabam os 15 minutos de fama e, na história, o nome que ficará gravado será o de Natalie como melhor atriz do ano. Engraçado: o Colin Firth arrebentou o ano passado no A Single Man e deram vários prêmios pro Jeff por aquele filmezinho chatinho, previsível e sonolento (Crazy Heart) só pq ele nunca tinha ganho. Esse ano o Jeff tava espetacular e deram pro Colin por outro filme frio, distante, previsível que só se salva pelos atores e figurinos e ninguém fala nada??? Gente, acorda. A gente sabe que hollywood é marketing e lobby. Se for assim, então, não comentemos mais nada, pronto.
  9. Briguemos sim porque você não tem o menor critério. Que você não goste do filme ou dela ok. Eu também tenho minhas preferências e não gosto do modo como Deborah Secco, por exemplo, atua. Mas reconheci que nesse filme, pela primeira vez, vi uma atriz, vi algo de diferente. E quem sabe também se não pegaram as melhores cenas dela no Bruna? Quem sabe se a montagem também não a privilegiou mostrando muitas vezes seu corpo em detrimento das expressões? Edições existem sempre, a não ser que alguém faça teatro virar cinema pois lá é o único lugar que o que vc vê, é aquilo. Não há como fugir, editar. Sabemos muito bem que cinema e tv são ilusões e que tudo funciona pra edição, pra comércio. Não sejamos hipócritas. Pode até ser que o editor só fez o que o DIRETOR mandou, vc já pensou nisso? Ou vc acha que o editor fez aquilo simplesmente porque achou que deveria? Esqueceu do Darren nessa história? Se há algum (de)mérito nisso, que seja imputado a ele, não a editores ou atores pois ambos estavam ali servindo um diretor. E ela é uma atriz fenomenal sim. Teve o papel da vida, se entregou tanto quanto Deborah, mais até porque exigiu um preparo longo (e falo do psicológico, técnico, emocional) ao qual ela se dedicou totalmente. E outra: é mil vezes mais linda de rosto do que Deborah! Vai assistir teatro, assistir Liz Taylor, Katherine Hepburn, Audrey Hepburn, Meryl Streep, Vanessa Redgrave, Maggie Smith, Judi Dench, Lisa Minelli, Catherine Deneuve entre outras pra saber o que é atuação e depois compara com Deborah e Natalie pra saber o que é qualidade.
  10. Bradley Cooper. É um escândalo de gostoso.
  11. bs11ns

    Top 2010

    1. A Fita Branca 10 2. A Origem 10 3. Amor sem Escalas 9,5 4. A Single Man 9,0 5. Tropa de Elite 2 9,0 6. O Segredo de Seus Olhos 9,0 7. Toy Story 3 9,0 8. Ilha do Medo 8,5 9. Educação 8,5 10. Guerra ao Terror 8,0
  12. Não há nenhuma falha no filme. Não adianta procurar porque não vão achar. O fato do sangue não aparecer só vai de encontro ás percepções da Nina virem á tona. Ou vocês não perceberam que o filme todo é baseado no subconsciente enlouquecido dela? A partir do momento em que ela se deu conta do que realmente tinha feito, é que o ferimento e o sangue, que está lá quando ela se atira, fazem sentido, pois ela entende que se matou. A última fala de Nina justifica isso plenamente. O filme é uma perfeição do início ao fim. E a crítica do Pablo tão complexa quanto. Amei!
  13. Não perca seu tempo. Ela é fria, sem sal nenhum e inexpressiva. Tem cara de geladeira. Assisti Conduta de Risco, Benjamin Button, Queime Depois de Ler e um outro independente que foi lançado no Sundance (me fugiu o nome) onde ela faz uma psicóloga forense. Nos quatro ela tá ruim. Sempre com sorrisos insignificantes e expressões arrogantes. É um erro de atriz. Fiquei indignado quando ganhou o OSCAR por Conduta. Não assisti Eu Sou o Amor mas, pelo trailer não mudou muita coisa.bs11ns2011-03-24 02:27:24
  14. O fime em si é meio engraçado, com um humor bem descolado no sentido de sátira mesmo como o Soto falou ali em cima. Acho que se leva bem menos a sério do que algumas pessoas que o assistem e o taxam de pretensioso e etc. Tem umas cenas bizarras no sentido de caminharem por um lado não previsível e realmente tenta puxar pra lados extremos mas não deixa de ser curioso assistir a situação toda a qual aqueles três irmãos se submetem. É efetivo como um exercício de atmosfera, e isso que importa mais na real.
  15. Cisne Negro: uma apavorante e maravilhosa viagem rumo ao espiral de loucura de quem quer atingir a perfeição a qualquer preço. Montagem espetacular, figurinos lindos, trilha perfeita, coadjuvantes excepcionais, Natalie Portman extraordinária e final apoteótico. Melhor filme do ano passado. 10/10 O Vencedor: os percalços de uma família controladora que tenta sobreviver unida. Ótima história, texto e atores excelentes. Melissa Leo e Christian Bale fantásticos. Faltou ritmo á direção. 8,0/10 O Discurso do Rei: a dificuldade de se impor diante de suas limitações quando há necessidade . Figurinos impecáveis, texto bárbaro e atores ótimos. Faltou emoção, ousadia e um desfecho mais surpreendente. Guy Pearce foi um erro. 7,0/10 Bravura Indômita: a luta de uma menina para vingar o pai. Direção de Arte incrível, Hailee maravilhosa, fotografia perto de John Huston e Jeff Bridges espetacular. Melhor ator do ano passado. Final desnecessário e arrastado. 9,0/10 Bruna Surfistinha: transformação de menina em mulher. Montagem ousada, texto franco, boas atuações e direção corajosa. Pela primeira vez Deborah atua. Faltou maior profundidade, dramaticidade, densidade. Bom produto. 6,0/10
  16. leomaran acho que você não é muito sensível pois o filme é pra ser lido nas entrelinhas e se aprofunda em todos os temas que aborda: a deficiência, a inocência, o amor louco, a música... E tudo contribui pra isso desde a fotografia belíssima até as atuações arrasadoras, principalmente da Holly. Ela não é antipática, só é distante da vida como todos conhecem por suas limitações. Mas tem o poder de emocionar a todos com seu talento. Tanto que fascina todos que estão á sua volta. O filme emociona do começo ao fim por mostrar que a paixão, o sexo, a música, o amor não tem limites nem barreiras. Com todo o respeito, acho que você não compreendeu seu propósito. Tente assistir de novo com uma visão mais apurada. Até mais.
×
×
  • Create New...