Jump to content
Forum Cinema em Cena

luccasf

Members
  • Posts

    348
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by luccasf

  1. Mas o Ravens pode até ser mais time, mas perdeu jogando em casa na temporada regular...ainda acho q o Steelers prevalece p cima do Ravens. Já o Jets foi um dos 2 times q ganhou do Patriots na temporada, e vai ganhar de novo! A caminha do SuperBowl, esse ano é nosso e ninguém tira Eu acho que dificilmente o time da Baltimore vai conseguir jogar melhor que os Steelers. Não dá pra negar que é um dos times mais consistentes da liga e, justamente por isso, tem a minha aposta. No entanto, obviamente, muita coisa pode acontecer, ainda. Sobre os Jets, creio que são os favoritos, sem dúvida alguma. A vitória sob o Colts foi genial. Eu não gosto muito do time, mas não dá pra negar que o desempenho foi sensacional. Se eu fosse torcedor dos Patriots, não ficaria contando título muito antes, como estão fazendo, afinal de contas, o querido Manning já fez algo que frustrou a torcida invicta.
  2. Salvem isso para as pérolas do bbb Eles não tem noção do que dizem... Ridículo! E eles ainda estão no primeiro dia... Realmente, é algo extremamente parecido. Estão sofrendo muito, obviamente.
  3. Fiquei decepcionado com a atuação dos Eagles. O Vick estava conduzindo o time muito bem, tanto no jogo aéreo, como nas suas próprias corridas. É uma pena, afinal de contas, era o jogador mais cotado para o prêmio de MVP, juntamente com o QB infeliz dos Patriots. Tom joga muito.
  4. Eu gostei muito desse BCS, porque foi uma aula de futebol americano. Passamos por safety, e até mesmo por conversões inusitadas. O técnico, definitivamente, é muito abusado, mas foi muito interessante ver como eles confiam no outro, e o time acaba correspondendo. Já sinto falta dos jogos...
  5. Também assisti o BCS, ontem. Destaque para o QB e o RB de Oregon. Nunca vi jogadores que conseguem decidir, mesmo em situações tão complicadas. É uma pena que perderam. No entanto, tem vaga garantida na NFL. E gostei do técnico de Oregon. Nunca vi alguém tentar a 4ª pra 7, na mão do Kicker. Isso sim é confiar nos jogadores.
  6. Acabei de ver aquele trecho que passa na TV, sobre determinado participante. No caso, era o do Diogo. Ele disse que, com ele dentro da casa, aquilo lá vai pegar fogo. É tão engraçado ver o pessoal falando tanto, mas quando chega lá dentro... luccasf2011-01-11 16:10:25
  7. Não, vai ser uma animação, pelo que foi divulgado. É uma pena, afinal de contas, a animação desvaloriza todo o humor que conquistou essa legião de fãs. No entanto, não dá pra negar que escolher um outro ator, seria bem mais difícil. Por isso, esse projeto nem deveria existir.
  8. Pegaram a pior foto possível para esse Igor. Definitivamente, vai ser muito cômico ver a primeira vítima com a Ariadna. Quando ele sair da casa, vai ter uma fama...
  9. Definitivamente, ninguém esperava uma atuação desse porte, por parte do Seahawks. Simplesmente inacreditável. Marshawn Lynch jogou muito bem, também.
  10. Primeiro caso, sim. Seria muito injusto com as últimas produções do gênero comédia, que chegaram a agradar, realmente.
  11. Alta Ansiedade (High Anxiety) Assistindo as últimas paródias que foram feitas, nós acabamos, por amor ao bom Cinema, voltando no tempo, buscando a verdadeira essência do humor, nas obras que foram precursoras do subgênero supracitado. "Alta Ansiedade" (High Anxiety, 1977), dirigido e estrelado por Mel Brooks, ainda é considerado como um dos primeiros filmes que acertaram nessa fórmula. Além de focar na comédia, "Alta Ansiedade" declara, nos primeiros minutos, uma homenagem ao grande mestre do suspense, Alfred Hitchcock. Com base nisso, Mel Brooks relembra algumas cenas antológicas das principais obras do inglês, numa paródia bem construída e, acima de tudo, divertida. Produzido três anos antes de "Apertem os Cintos... O Piloto Sumiu" (Airplane!, 1980), avaliado como um dos filmes mais engraçados de todos os tempos, além de ser considerado como outro grande pioneiro da paródia, "Alta Ansiedade" conta a estória do Dr. Richard H. Thorndyke - interpretado pelo próprio Mel Brooks - que acaba de assumir o cargo mais alto de um instituto psiquiátrico. No entanto, com o passar do tempo, o Dr. Thorndyke descobre que existe alguma trama por trás da morte dos antigos diretores. A temática envolvendo a psiquiatria, já denuncia uma referência ao cinema hitchcockiano, especialmente no filme "Quando Fala o Coração" (Spellbound, 1945), que também aborda essa questão, mas, claro, num tom diferente. Assistir "Alta Ansiedade" depois de ter conferido as produções dessa última década, pode comprometer o efeito da obra, afinal de contas, ultimamente, os diretores apenas reciclam os bons momentos dos filmes antigos. Parte do público gosta desse formato de produção e, justamente por isso, os realizadores desse ramo da indústria cinematográfica não se esforçam para trazer experiências ímpares ao espectador, colocando o gênero nessas condições desagradáveis. No entanto, de qualquer forma, "Alta Ansiedade" não se mantém apenas em piadas bem construídas. Os personagens caricatos, passando por um motorista bizarro, e até mesmo um paciente que acredita ser um cachorro, sustentam o clima cômico, mesmo que, por vezes exagerado, da produção. As referências aos filmes de Hitchcock, principal intenção do filme, trazem outro grande diferencial. Mel Brooks passa pela famosa cena do chuveiro de "Psicose" (Psycho, 1960), pela estrutura rodeada de pássaros, em "Os Pássaros" (The Birds, 1963), pela vertigem do Dr. Thorndryke, além das tomadas na escadaria e na Baía, que remetem a "Um Corpo Que Cai" (Vertigo, 1958), sempre esbanjando um humor agradável. Existem muitas outras relações com a filmografia de Hitchcock, por isso, "Alta Ansiedade", além de funcionar como comédia, satisfaz os amantes apaixonados pelo trabalho diretor, que tendem a ficar buscando todas as referências possíveis, no decorrer do filme. Os bons momentos são regulares, mantendo um mesmo ritmo, até o final. O filme acaba parodiando os próprios quesitos da produção, como por exemplo: nas cenas em que os personagens acabam ouvindo a própria trilha sonora do filme, ou até mesmo, na cena em que a câmera começa a se aproximar do vidro, até quebrá-lo, fazendo referência à técnica empregada em "Cidadão Kane" (Citizen Kane, 1941). A ordem das piadas acaba ditando o ritmo do desenvolvimento da trama, que fica em segundo plano, onde deveria ser ao contrário. Mel Brooks realiza um bom trabalho atuando, chegando a receber uma indicação no Globo de Ouro, ao lado da belíssima Madeline Kahn. A comédia trabalha junto com a experiência saudosista, dividindo a atenção do espectador. A construção do "exagerado" é competente, diferentemente do que vemos nessas últimas produções, onde o humor se baseia em situações mal trabalhadas, tentando, descontroladamente, arrancar um sorriso do espectador; o típico besteirol. Longe de ser uma obra-prima, mas ainda assim, um bom resultado para uma tentativa inusitada, que acabou recebendo outra indicação no Globo de Ouro, na categoria de "Melhor Filme Comédia/Musical". Nota: 7
  12. Tensor, essas fotos do Salar de Uyuni são impressionantes. Nunca tinha ouvido falar.
  13. Pode continuar, porque fiquei abismado... Sensacional. Esse "Castelo de Algodão" é espetacular.
  14. Pode deixar, e eu já deixei bem claro, por diversas vezes, que, quando for necessário citar algum aspecto negativo, ele estará na crítica. Quando eu não tiver uma opinião negativa, não vou poder acrescentar. Dos últimos filmes que assisti, nenhum precisou. Por isso que a nota também tem peso, por demonstrar, juntamente com a escrita, que o filme não é uma obra-prima. É o conjunto que trabalha em cima do efeito. Por mais que eu esteja elogiando, os pontos positivos de um filme podem não ser perfeitos o suficiente, para gerar uma nota maior, ou elogios com maior intensidade, ou detalhes.
  15. Como tornaram a falar sobre isso... E, claro, como se eu soubesse disso. Isso é um assunto que não termina, nem com você e nem com ninguém. E claro que não há como você saber né? Afinal você chegou ontem no fórum. Por isso as boas vindas... Agora eu reparei, mesmo. Enfim, obrigado.
  16. Como tornaram a falar sobre isso... E, claro, como se eu soubesse disso.
  17. Já que voltaram com o assunto, vou apenas fazer algumas considerações. Primeiramente, sobre a nota. Como eu já disse, por diversas vezes, a nota é subjetiva. Na hora de escolher um número para retratar linhas e linhas, cada um pensa de uma forma. Pra mim, a nota 8 significa muito, e é isso que o pessoal tem que entender. Conheço pessoas que costumam dar 10 para vários filmes. Tudo bem, vai de cada um. Eu não gosto de fazer isso, e costumo manter uma postura rígida, sobre a nota. Agora, sobre os erros nos filmes. Certos filmes têm erros que não merecem ser ressaltados na análise, por não atrapalhar no andamento, no efeito da cena, ou sejá lá no que for. Um outro usuário fez a mesma consideração sobre "Gosto de Sangue". Quando o filme REALMENTE tiver um erro que atrapalha, sem dúvida alguma, vai ser ressaltado. Do contrário, não vejo motivo. Sobre os filmes que eu assisto. Alguns acabaram interpretando que, eu costumo ver filmes "intelectuais" - que, pra mim, é uma intitulação desnecessária - e, mesmo assim, falo que gosto, só pra aparecer, ou coisa do tipo. Eu acho isso uma bobeira sem tamanho. Primeiramente, porque esse conceito "intelectual", que as pessoas criam, é muito subjetivo. O que é um filme intelectual? Que diretores se encaixam nisso? A minha seleção de filmes é muito simples, e dei sorte, porque gostei de todos. Muitos podem não ter gostado, mas, pra mim, foram muito agradáveis. Eu não tenho culpa disso, e, muito menos, faço de propósito, afinal, como disseram anteriormente, eu não tenho como saber se o filme é bom ou não. De vez em quando, gosto de analisar a filmografia inteira, e, na ordem, de um diretor. No caso, comecei a fazer isso com os filmes dos Coen, por isso, logo menos, postarei a crítica de "Arizona Nunca Mais". Mas não é por isso, que eu deixo de ver filmes de outros realizadores. É muito simples de entender. Não é possível agradar todos. Eu faço meus textos, coloco as notas, de acordo com o meu modo. Cada um tem o seu.
  18. Eu não estava com "7 pedras na mão". Soou de forma errada, então, porque não era a intenção. Nada de problemas para interpretar.
  19. Quando os defeitos me incomodam, eu cito. O que vocês têm que entender, é que, não tenho o que criticar negativamente, sobre os últimos filmes que escrevi. Simples. Estou sendo honesto na escrita. Eu não seria, caso ficasse inventando algo, apenas para ter o lado negativo. Entendi. Tava achando que você se privava de falar dos defeitos do filme. Não, eu cito quando realmente é necessário. Certos erros, não atrapalham o andamento, a cena, ou até mesmo o efeito. Coisa mínima, por isso, deixo de lado. Dos últimos filmes que assisti, não lembro de qualquer erro que DEVE ser analisado.
  20. Quando os defeitos me incomodam, eu cito. O que vocês têm que entender, é que, não tenho o que criticar negativamente, sobre os últimos filmes que escrevi. Simples. Estou sendo honesto na escrita. Eu não seria, caso ficasse inventando algo, apenas para ter o lado negativo.
  21. Seleciono por diretor. Quando não é dessa forma, apenas arrisco, e, por enquanto, dei sorte.
×
×
  • Create New...