Jump to content
Forum Cinema em Cena

César Oliveira & Rogério Melo


Forasteiro
 Share

Recommended Posts

Tópico pra falar dos caras mais fodas a aparecerem em anos na música gaúcha. Finalmente uma prova de que a nova geração não é só tchê music. Ouçam, mesmo quem não é do estado e quem é e não curte, vai se apaixonar. Finalmente juntei uma grana e comprei o DVD. Só espero que este tópico tenha mais de 5 respostas. Ou cinco pessoas que os conheçam...06

Link to comment
Share on other sites

  • 7 months later...

Desenterrando...

 

Olha só que loucura, acho que tem o DVD inteiro dos caras no Youtube. Dêem uma conferida em duas ou três músicas, ok? Além do mais, quero matar essa curiosidade e saber o que cariocas, paulistas ou mineiros acham da música gaúcha quando a ouvem.06 Recomendo Apaysanado, Milonga Maragata e Crescente Macharrona.

 

=

 

Essa aí é a abertura do DVD...
Link to comment
Share on other sites

A pedido do Forasteiro, my fella, assisti a esta abertura do DVD. Gostei, mas, como 100% carioca e que quas enão ouve música (gaúcha, então); é realmente estranho. Um estilo muito diferente da MPB, a dupla canta em ritmo acelerado e que se utiliza de toda a sua cultura, ficando difícil o acesso à letra, por parte de outrem. O próprio figurino - e os espectadores usando chapéu, hehe - deixam claro este certo tom pessoal imprimido na música deles (bem, isto eu comento, tendo ouvido apenas uma). O ritmo, entretanto, é muito legal, não sou de explicar música nem analisar, mas supera todos os ritmos típicos de outras regiões por que já passei - aliás, é uma rara exceção à minha regra de só gostar de algumas músicas da MPB e sambas-enredo.

Se o Forast insisti, poderei até ouvir outros e comentar com mais propriedade.
Link to comment
Share on other sites

A pedido do Forasteiro' date=' my fella, assisti a esta abertura do DVD. Gostei, mas, como 100% carioca e que quas enão ouve música (gaúcha, então); é realmente estranho. Um estilo muito diferente da MPB, a dupla canta em ritmo acelerado e que se utiliza de toda a sua cultura, ficando difícil o acesso à letra, por parte de outrem. O próprio figurino - e os espectadores usando chapéu, hehe - deixam claro este certo tom pessoal imprimido na música deles (bem, isto eu comento, tendo ouvido apenas uma). O ritmo, entretanto, é muito legal, não sou de explicar música nem analisar, mas supera todos os ritmos típicos de outras regiões por que já passei - aliás, é uma rara exceção à minha regra de só gostar de algumas músicas da MPB e sambas-enredo.

Se o Forast insisti, poderei até ouvir outros e comentar com mais propriedade.[/quote']

 

Valeu, Itt!16

 

A velocidade com a qual música é executada causa estranhamento até em quem é daqui, principalmente, porque o que impera no gênero popular é o chamado "Tchê Music", este sim, exportado a outras regiões do país, por ignorar o vocabulário campeiro e incorporar elementos do forró na sua composição. O "Tchê Garotos" (é cada nome meu Deus...) foi até no Faustão, esses tempos. 

 

A dupla retrata o dia-a-dia do homem campeiro, utilizando-se dos seus elementos particulares e seu vocabulário complicado (eu mesmo deixo de pegar muita coisa...), e acho que exatamente por isso, ela simplesmente não consegue atravessar a fronteira, o que acho uma pena. A sonoridade dos "neologismos" gaúchos casada com ritmos e melodias quase desconhecidas do sudeste em diante é algo que eu acho fora de série, não se fazendo necessária a compreensão integral da letra da música para admirar o efeito que produz aos ouvidos. Aos meus, pelo menos, isso é um troço estritamente subjetivo.

 

Mas Itt, fique à vontade. Eu sou fã dos caras, e além do mais, cada poesia transformada em música por estes dois é belíssima. E bem diferente, o que eu acho mais importante. A propósito, não sei se você notou, mas o cara que toca violão (Marcelo Caminha, um dos mais respeitados por aqui) tem só quatro dedos na mão direita, e ele dedilha o tempo todo.06
Link to comment
Share on other sites

Mas não deixa de chegar até aqui. Todos os ídolos da música caipira são conhecidos' date=' e reverenciados pelos mais antigos, também, no sul do país.[/quote']

 

É aí que entra o bom empresário e a midia de uma certa forma, õs caras são realmente bons, achei uma música gostosa de se ouvir, mas o problema é que eles de uma certa forma são a cultura do RS e eles de certa forma discriminados por outras regiões do país.
Link to comment
Share on other sites

Não acredito que exista uma discriminação, mas sim, como disse antes, o vocabulário e a conjugação de elementos que não fazem sentido fora de RS. Além disso, o fato do berço da música caipira estar instalado no eixo sudeste, abrigada por uma midiatização e um poder de divulgação que atinge o país inteiro, ajuda muito no gênero de Tonico e Tinoco.

Link to comment
Share on other sites

  • 2 years later...

Buenas compañeros!

Sou tradicionalista gaucho de nascencia, e cresci ouvindo musica nativista, e me orgulho de entender cada virgula das letras das musicas, que acredito que o nosso linguajar desenfreado seja uma das nossas maiores riquezas,

pois numa conversa eu mesmo uso expressões grossas, que causam espanto e curiosidade em certas pessoas.

eu vivo num meio rural entre a cidade e o campo.

O que me fez ter acesso ás tecnologias de hoje!

Porém nunca esqueci meu lado campeiro, que siceramente é o predominante.

Me orgulho em dizer que ja participei de toda a lida campeira, talvez por isso o entendimento com a linguagem, pora assim dizer, xucra!

Mas aí é que está:

Acredito que a nossa musica não sai daqui exatamente pela linguagem que muitos gauchos mesmos têm dificuldade de entender, imaginem os amigos de outros estados!

O que pra alguns é rotina pra outros é um belo quebra cabeça!

Exemplo:

Flor de tuna, camoatim de mel campeiro, pedra moura das quebradas do inhanduí!

Alguem sabe o que é isso?

Flor de tuna: É uma flor delicada que nasce em meio aos espinos do popular cactus!

Camoatim de mel campeiro:camoatim é uma especie de abelhinha sem ferrão que faz colméias em pequenos loccais e produz um mel muito apreciado pela região!

Pedra moura das quebradas do inhanduí: Nada mais é que uma pedra cascalho, encontrada em riachos, ou seja no inhanduí, rio que desagua em alegrete!

Espero ter ajudado!

E quanto a dupla C.O.R.M, sou um grande fã e acredito que os locos têm um longo caminho pela frente!

Vou criar um tópico para duvidas com a linguagem gaucha!

Qualquer duvida me perguntem, será uma honra ajudar!

desde já abraços!

 

 

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...