Jump to content
Forum Cinema em Cena

The Pacific - Spielberg


crazy
 Share

Recommended Posts

The Pacific, série da HBO que Steven Spielberg e a dupla de sócios da Playtone, Tom Hanks e Gary Goetzman, estão criando como espécie de continuação a Band of Brothers, ganhou o seu primeiro trailer. E é aquela imagem clássica: desembarque maciço na praia, esquadra avançando... e a tropa, recém-saída da puberdade, mais perdida que cego em tiroteio.

A nova minissérie relata as batalhas da Segunda Guerra Mundial no Oceano Pacífico com base, principalmente, no livro do oficial Robert Leckie. A minissérie em dez partes tem orçamento calculado em 200 milhões de dólares e deve estrear nos EUA no fim do ano.

Em 2001, Band of Brothers custou por volta de 125 milhões para ser produzida e saiu carregada do Emmy 2002. A minissérie enfocava o desembarque dos paraquedistas do exércitos dos EUA em campos de batalha da Europa.

Trailer:

Link to comment
Share on other sites

  • 1 year later...

 

A guerra no fim do mundo

The Pacific, a nova e estupenda série

da HBO, recria as batalhas

 

entre americanos e japoneses em ilhas remotas nos anos 40.artes1.jpg

Depois

de uma noite de combate intenso, os fuzileiros navais americanos têm uma

visão do inferno ao despertar nas areias de Guadalcanal – ilha da

Oceania onde se iniciou, em 1942, a ofensiva dos Estados Unidos contra o Japão

na II Guerra. Das pilhas de cadáveres que cobrem o que até horas

antes era uma praia paradisíaca, sai um soldado japonês mais morto

do que vivo – mas disposto a continuar lutando. "Maldito macaco amarelo",

reagem os americanos – e alguns passam a se divertir dando tiros destinados

a apenas ferir, sem matar, o inimigo, para prolongar seu sofrimento. A cena do

primeiro episódio da minissérie The Pacific, que estreia

em 11 de abril no canal HBO, é uma espécie de resumo das intenções

de seus produtores, o diretor Steven Spielberg e o ator Tom Hanks. Assim como

no filme O Resgate do Soldado Ryan (1998) e em outra série da HBO, Band of Brothers (2001), a dupla se une novamente para retratar, com crueza

realista, o dia a dia dos combatentes do conflito. Ao longo de seus dez capítulos

(que custaram 200 milhões de dólares, o maior orçamento de

uma série de TV em todos os tempos), The Pacific se debruça

sobre a disputa dos americanos com as forças do Japão imperial em

ilhotas remotas. Como nas produções anteriores, que enfocavam o

embate com os nazistas na Europa, Spielberg e Hanks examinam o efeito devastador

da guerra sobre a mente (e o caráter) daqueles que são lançados

nela. Mas a mudança para o teatro de operações do Pacífico

permite que se toque em uma questão cara aos americanos na atualidade:

as armadilhas do confronto com um inimigo cuja cultura lhes é impenetrável.

Em um episódio de Band of Brothers, um veterano

que participou da frente europeia observava que, muito embora ele e seus colegas

lutassem com os alemães até a morte, era possível imaginar

que, em outra situação, eles seriam capazes de travar amizade com

aquelas pessoas: de um lado e do outro do front, eram quase todos brancos e cristãos,

com origens e modos de vida similares. Com o Japão dos tempos da II Guerra, dava-se

o contrário. Tratava-se de um dos países mais isolados do mundo,

cuja cultura e religião nada tinham em comum com o Ocidente. O choque entre

as duas nações, portanto, não era apenas bélico –

era um choque de civilizações. The Pacific não pretende

ser uma alegoria dos dissabores americanos no Iraque ou da luta contra os terroristas

islâmicos da Al Qaeda. Mas a escolha deste momento para relembrar aquele

capítulo da história não poderia ser mais oportuna.

Foi no Pacífico que os Estados Unidos tiveram sua mais longa frente de

atuação na II Guerra. Ela se iniciou em dezembro de 1941, com a

entrada oficial do país no conflito, desencadeada pelo bombardeio japonês

à base de Pearl Harbor – mais de seis meses antes de os americanos

virem a atuar no front europeu. E só se encerrou com a capitulação

do Japão, em setembro de 1945, depois do lançamento das bombas atômicas

sobre Hiroshima e Nagasaki. O projeto da minissérie nasceu durante a produção

de Band of Brothers, quando foram recolhidos depoimentos de veteranos das

batalhas naquela parte do mundo. The Pacific se baseia na trajetória

de três deles, Eugene Sledge, Robert Leckie e John Basilone (interpretados,

respectivamente, pelos pouco conhecidos mas excelentes Joseph Mazzello, James

Badge Dale e Jon Seda). A minissérie desnuda o horror que esses homens

viveram. Havia, de um lado, os embates com o inimigo insidioso, bem armado e obstinado

até um nível suicida. De outro, a angústia da fome, do tédio

e de doenças como a malária. Essa situação limítrofe

acarretou mais de 100 000 baixas só do lado americano – e levou

milhares de combatentes a um quadro de stress pós-traumático. (Leckie

foi um deles: depois do mergulho na barbárie, acabou internado num hospício.)

Um veterano da Guerra do Vietnã foi encarregado de submeter o elenco a

treinamentos excruciantes com o objetivo de reproduzir tal efeito.

O combate com guerreiros que obedeciam a um código de honra segundo o qual

lutar até a morte era preferível a qualquer forma de rendição

resultou em batalhas de pesadelo, como as de Guadalcanal, Okinawa e Iwo Jima.

Uma praia no norte da Austrália foi fechada por vários meses para

a reconstituição das batalhas. Foram transportados para lá

500 coqueiros, a fim de reproduzir a paisagem de lugares como Peleliu, ilha minúscula

que foi palco de um dos enfrentamentos mais violentos, culminando na morte de

quase 2 000 americanos e mais de 10 000 japoneses. Ainda que no momento

do ataque já se soubesse que a conquista de Peleliu seria estrategicamente

irrelevante, a rivalidade entre dois generais americanos – um defendia a

invasão, o outro tentava sabotá-la – acabou multiplicando a

carnificina. Na guerra, demonstra The Pacific, o inimigo pode mesmo estar

em toda parte. Até nas linhas aliadas.

artes2.jpg

 

...E

MOMENTOS DE ANGÚSTIA

 

Os marines da série num dos fronts

tropicais: tédio e malária no paraíso

 

 

crazy2010-04-05 09:49:37

Link to comment
Share on other sites

Não é boa como a BoB, a q retrata a guerra na europa tinha bem mais ação q essa, a Pacific é mais centrada nos drama dos personagens, o terceiro ep dos soldados em Melborne achei meio chato, mas foi legal por ver o recriamento da época... para mim, a batalha de Guadalcanal deixou a desejar, reconheço, espera ver bem mais ação, agora é esperar pelas batalhas de Peleliu e Iwo Jima...

 

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...
  • 3 months later...

"Importei" toda a série, achei ela com mais carnificina que BoB. A questão é que o livro que Bob  foi baseada tem personagens muito carismáticos, desde o Ten. Winters ao soldado Luz, vc no mínimo simpatiza com uns 10 caras, e torce por eles. Até mesmo o nome dos episódios retratam algo mais fiel que simplismente o nome do lugar da batalha. The Pacific é boa, os fuzileiros são fodas, mas a Easy company é insuperável!!

 

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...