Jump to content
Forum Cinema em Cena

Infiel - Ayaan Hirsi Ali


Recommended Posts

Coincidentemente (ou não) estou lendo atualmente histórias de pessoas
que passaram por grandes sofrimentos, tanto psicológicos como físicos, e
conseguiram superar e dar a volta por cima. Acabei de ler Infiel
de Ayaan Hirsi Ali e ainda estou sob o impacto desta narrativa
contundente, reveladora e, sob todos os aspectos, uma grande lição de
vida e superação. Dizer que Ayaan sofreu maus tratos na infância e
adolescência é simplificar demais a trajetória desta mulher. Claro que
ela sofreu e muito. Foi espancada e humilhada inúmeras vezes pela mãe,
foi subjugada pelo irmão, explorada pela irmã, abandonada pelo pai e
teve o crânio fraturado pelo seu professor de Alcorão. Em nome da sua
religião, sofreu clitorectomia aos cinco anos de idade. Nasceu na
Somália e viveu na miséria e na mais pura ignorância durante toda sua
precoce infância e juventude. Em razão da guerra civil em seu país sua
família mudou-se e para Etiópia, Quênia e Arábia Saudita onde também
viveu horrores sob o regime Islâmico que coloca a mulher em último plano
da existência humana.



Como mulher islâmica sofreu toda ordem de violência física, moral e
psicológica, além de ter seus direitos como pessoa subjugada a uma
vivência insignificante, humilhante e perversa. Criada pelos costumes
tribais da Somália e educada pela rígida religião de Maomé comeu o pão
que o diabo amassou pelo simples fato de ser mulher e mulçumana. Apesar
dos maus tratos familiares e da sociedade tinha uma fé inabalável e, por
todos os motivos do mundo, um temor por Alá a quem procurava entender e
devotar uma vida de orações e preces. Chegou inclusive a aderir ao
islamismo mais radical. Procurou viver de acordo com suas crenças
religiosas e, à medida que os anos passavam, foi percebendo que alguma
coisa estava errada nesta vivência absurda de surras, submissão e
abandono. Como acontece com todas as mulheres de seu país o casamento é
apenas um arranjo familiar entre clãs e sua noite de núpcias foi só dor e
indiferença. Para tentar sair deste inferno pede asilo na Holanda
(fugida da Alemanha onde seu novo marido a levaria para viver na
Dinamarca).



Na Holanda viveu durante treze anos e tomou conhecimento de outra
cultura, outras religiões e, acima de tudo, aprendeu sobre democracia e
direitos individuais do ser humano. Começou a entender que seu
sofrimento era apenas uma questão dogmática e que a mulher não nasceu
para ser submissa e que a fé em Alá não precisa, de modo algum, ser uma
jornada de espancamentos, submissão feminina e dor. Eleita Deputada
trabalhou pelos direitos dos imigrantes e, por sua ousadia e luta contra
as desigualdades e a crueldade do islamismo foi perseguida e sofreu
inúmeras ameaças de morte. Com o cineasta Theo Van Gogh Realizou um
vídeo chamado “Submissão” sobre a opressão da mulher no islamismo. Por
este curta-metragem seu amigo Theo foi assassinato e ela teve que viver
durante setenta e cinco dias escondida e escoltada por órgãos de
segurança do estado sem acesso a celular, internet e contatos com a
família e amigos numa peregrinação por vários estados Americanos. Por
sua luta foi eleita pela revista Time como uma das cem pessoas mais
influentes do mundo e hoje vive nos Estados Unidos.



Na página 496 Ayaan diz, textualmente: “Quando procurei Theo para
que me ajudasse a fazer “Submissão”, eu queria transmitir três
mensagens: primeiro, os homens e até as mulheres podem erguer os olhos e
falar com Alá; os crentes têm a possibilidade de dialogar com Deus e de
olhar para Ele de perto. Segundo, no Islã de hoje, a interpretação
rígida do Alcorão condena as mulheres a uma miséria intolerável.
Mediante a globalização, cada vez mais homens com tais idéias se
instalam na Europa com mulheres que eles possuem e brutalizam, os
europeus e demais ocidentais já não podem continuar fingindo que as
graves violações dos direitos humanos só ocorrem em lugares remotos,
muito remotos. A terceira mensagem é a frase final do filme: Nunca mais
me submeterei. É possível libertar-se – adaptar a fé, examiná-la
criticamente e verificar até que ponto ela está na raiz da opressão”.
No
último parágrafo do livro ela acrescenta: “Já me disseram que
Submissão” é um filme por demais agressivo. Aparentemente, a sua crítica
ao islã é muito dolorosa para que um mulçumano a suporte. Diga, não é
muito mais doloroso ser uma mulher presa naquela gaiola?”



Infiel é uma obra dolorosa e contundente e, como diz na capa: a
história de uma mulher de desafiou o Islã. Com certeza um livro que deve
ser lido para que possamos conhecer esta mulher que resolveu sair da
sua gaiola opressora e contar ao mundo seu sofrimento, seus temores e,
muito mais que isso, dizer que é possível, através do conhecimento e da
consciência da sua própria condição de mulher, lutar por melhores
condições de vida e respeito a todas as mulheres. Não é possível que em
pleno século vinte e um ainda existam países que cometem tanta
brutalidade em nome de uma religião ou de uma cultura opressora. Que
surjam outras Ayaan Hirsi Ali no mundo para porem fim a esta prática.



Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...