Jump to content
Fórum atualizado. Avançar páginas e Links do Youtube Voltaram a funcionar. ×
Forum Cinema em Cena
Mozts

Sicario de Denis Villeneuve (Emily Blunt, Josh Brolin, Benicio Del Toro...)

Recommended Posts

sicario_poster.jpg  Sicario_1_sheet_poster_OS_Emily_Blunt_Be  sicario_poster.jpg

 
No México, Sicario significa assassino de aluguel.
 
Entre México e EUA, uma região sei lei, Kate, uma agente idealista do FBI (Blunt) é alistada por um oficial do governo para trabalhar na guerra entre os cartéis de drogas. Liderados por consultante misterioso com passado duvidoso, a equipe começa uma missão clandestina que força Kate a questionar os próprios princípios para sobreviver.

Sicario tem previsão de lançamento nos EUA no dia 18 de Setembro.
 


Share this post


Link to post
Share on other sites

Guerra às drogas é travada em solo americano em suspense enervante de Denis Villeneuve.
 Erico Borgo, Omelete

O canadense Denis Villeneuve segue em Sicario - Terra de Ninguém (Sicario, 2015) uma carreira dedicada a enervar o espectador como poucos no cinema contemporâneo.

Depois do thriller de psicopata Os Suspeitos, o diretor aponta seus holofotes para a guerra contra as drogas. Seu olhar sobre o assunto, porém, é desconfiado, com o filme se aproximando em tom mais de Guerra ao Terror ou A Hora Mais Escura do que o típico "barão do tráfico é o novo nazista". Não que Villeneuve não vilanize os narcotraficantes... Mas ele o faz com tons de cinza, sujando as botas nas operações especiais da CIA e sem recorrer a subterfúgios narrativos previsíveis.

No roteiro de Taylor Sheridan, ator da série Sons of Anarchy, uma agente do FBI (Emily Blunt) é convidada a juntar-se a dois especialistas do governo (Josh Brolin e Benicio Del Toro) em uma missão arriscada que cruza as fronteiras entre os EUA e o México para derrubar um líder de cartel carniceiro.

Moralidade e ambiguidade são os interesses do diretor, que usa os contrastes nos planos da fotografia crispada do celebrado Roger Deakins para desestabilizar o público. As cenas aéreas sobre a fronteira e a cidade/campo de batalha de Juarez, no México, fazem parecer que Sicario se passa em um país estranho e exótico. Poderia ser o Iraque, mas é só o quintal dos EUA e uma cerca frágil o separa (sem sucesso) da guerra lá fora.

Entre esses planos aéreos e distantes, entram cenas de close-up de rostos suarentos dentro de carros do governo e dedos no gatilho. No banco de trás, a confusa agente do FBI tentando entender seu papel em tudo aquilo, agindo por instinto e buscando algum controle entre operativos escusos acostumados a atuar em zonas de conflito. A favor do suspense, o cineasta conta também com a trilha impecável de Jóhann Jóhannsson, que aparece e desaparece sem aviso com sonoridade mecânica, frequentemente usando maquinário como base. Não há manipulação musical ou alertas sonoros no mundo de Sicario além daqueles que chegam sussurrados pelo rádio dos agentes.

Desde a sequência inicial, um ataque a uma casa de condomínio no Texas, a tensão é estabelecida e não há qualquer momento de respiro. Nem mesmo quando a trama desvia-se para uma dispensável subtrama sobre um policial corrupto no México. Villeneuve é extremamente preciso na criação de um mundo sombrio e instigante, mas é em seu elenco que o filme realmente se destaca. Benicio del Toro é uma presença dúbia... Ora sinistra, ora apaziguadora, mas sempre imponente. Já Emily Blunt surge aqui despida de sua sensualidade, pequena e de constituição frágil perante soldados curtidos pelo sol do Oriente Médio.

A personagem trafega de cabeça erguida por um mundo tão opressivo quando agressivo e imoral. Ao mostrar a agente vendo ruir suas certezas sobre si e o mundo, enquanto desesperadamente agarra-se aos seus ideais, Sicario torna-se um dos mais intensos filmes já feitos sobre o narcotráfico.[/media]

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tive o prazer de assistir recentemente e fiquei com ódio de mim mesmo por não tem assistido no cinema. Um filmaço que merecia a projeção gigante pois é lindo, e merecia o som topo de linha, pois é deleite aos ouvidos. As performances, o escopo grande do filme e o nível pessoal dos personagens. Maravilha em cima de maravilha, que meche com temas pesados e ótima cadência, sem perder meu tempo ou tratar-me feito acéfalo.

As atuações são um destaque a parte, especialmente Blunt e Del Toro.

Me lembrou um pouco Snowpiercer de Bong Joon Ho.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...

×
×
  • Create New...