Jump to content
Forum Cinema em Cena

Balrog 2012

Members
  • Content Count

    786
  • Joined

  • Last visited

Posts posted by Balrog 2012

  1. IMDB: lista dos melhores filmes tem dobradinha do Batman

     
    Escrito por Pablo Sarmento

    O site IMDB (Internet Movie Database) completou 25 anos de existência nos último sábado (17) e divulgou os melhores filmes de cada um dos últimos 25 anos, considerando os votos dos usuários dos site. O interessante é constatar, com admiração, dois filmes de super-heróis na lista. Ambos da recente trilogia do Batman.

    O IMDB conta, hoje, com cerca de 250 milhões de usuários e sua mecânica segue a temática de um agregador de notas para filmes do mundo inteiro, além de servir de fonte para pesquisa sobre filmes, trazendo informações preciosas para os fãs da sétima arte.

     

    a lista de melhores filmes, listados ano a ano, vamos encontrar dois filmes do Homem-Morcego da DC ComicsBatman Begins e Batman: Cavaleiro Das Trevas, dirigidos por Christopher Nolan, figuram como os melhores filmes, respectivamente, dos anos de 2005 e 2008. É mais uma prova de como o personagem, criado por Bill Finger e Bob Kane, tem marcado de forma poderosa o mercado audiovisual e a cultura pop mundial.

    Aliás, a força de Nolan na lista é marcante: além destes dois filmes, figuram também InterestelarAmnésia e A Origem. Ou seja, nada menos do que 20% de toda a lista é dominado pelo que poderíamos chamar de Nolanverso.

    A lista completa, que certamente mudará no futuro, devido à percepção dos espectadores em relação aos filmes com o passar do tempo, está elencada do filme mais recente para o mais antigo, com sua respectiva nota média na data da divulgação da mesma, e é a seguinte:

    2014: Interestelar (8.7)

    2013: O Lobo de Wall Street (8.2)

    2012: Django Livre (8.5)

    2011: Intocáveis (8.6)

    2010: A Origem (8.8)

    2009: Bastardos Inglórios (8.3)

    2008: Batman, o Cavaleiro das Trevas (9)

    2007: Na Natureza Selvagem (8.2)

    2006: Os Infiltrados (8.5)

    2005: Batman Begins (8.3)

    2004: Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças (8.4)

    2003: O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (8.9)

    2002: O Senhor dos Anéis: As Duas Torres (8.7)

    2001: O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel (8.8)

    2000: Amnésia (8.5)

    1999: Clube da Luta (8.9)

    1998: O Resgate do Soldado Ryan (8.6)

    1997: A Vida é Bela (8.6)

    1996: Fargo (8.2)

    1995: Se7en (8.6)

    1994: Um Sonho de Liberdade (9.3)

    1993: A lista de Schindler (8.9)

    1992: Cães de Aluguel (8.4)

    1991: O Silêncio dos Inocentes (8.6)

    1990: Os Bons Companheiros  (8.7)

  2. Pequenas informações que designer passou no vídeo acima.

     

    • Designer está muito orgulhoso do capuz, chamando-o de "grande feito de engenharia", pois permite amplitude total de movimento do pescoço.

     

    Gosto bastante desse conceito do Batman com a capa que cobre o corpo todo. Sempre gostei da ideia que Batman usa a capa de cobertura quando precisa ser mais misterioso, calmo e "detetivesco", e na hora de assustar e dar porrada ele joga nas costas.

     

    Putz, oxalá seja verdade.

     

    Tb acho mto dez esse lance q vc citou Motzs.

  3. Cinema  DC Comics [#NYCC] Michael Uslan promete grande anúncio sobre o Batman

    28/09/2015
     

    Escrito por Morcelli

    Michael Uslan dedicou quase toda sua vida como produtor de cinema ao Homem-Morcego. O homem que começou desde criança a colecionar quadrinhos, conheceu, quando adulto, profissionais do meio e estudou para um dia estar próximo dos personagens que mais ama: Batman e Superman. Por trás de todas as adaptações cinematográficas do personagem desde Batman – O Filme (1989), o produtor anunciou há poucas horas que fará um grande anúncio sobre o Batman na New York Comic Con 2015, que acontecerá entre os dias 8 e 11 de outubro.

    Arte promocional de Batman vs Superman. Reprodução.

    Envolvido em Batman vs Superman – A Origem da Justiça, Michael Uslan pretende continuar levando o Batman aos cinemas até o fim da sua carreira. No podcast Fan Theory, o produtor afirmou: “Sábado, dia 10, vamos fazer um grande anúncio sobre o personagem durante a New York Comic Con. Fiquem ligados! Você não perdem por esperar”.

    Na programação do evento o painel Batman: The Bat Universe está agendado para sábado à tarde, por volta das 15 horas (horário de Brasília). Uslan, porém, não deixou claro se ele fará parte do painel ou se há algum anúncio secreto da Warner Bros. conhecido apelas pelos organizadores do evento.

     

    Fonte: http://www.terrazero.com.br/2015/09/nycc-michael-uslan-promete-grande-anuncio-sobre-o-batman/

  4. O uniforme dela é todo projetado para disfarçar a magreza dela: Botas grossas até o joelho... saiotes laterais que engrossam as coxas... braceletes até o cotovelo que engrossam os braços.... e um busto rígido bem maior que os seios dela.  :P

     

    O que me deixa mais puto.. é que eu tenho a impressão que o Zack Snyder nem teve a chance de fazer testes.... simplesmente os executivos da Warner disseram:

     

    - "A gente tinha um contrato com a Gadot para ela fazer mais dois filmes da franquia Velozes e Furiosos, mas os roteiristas decidiram matar a personagem dela no sexto filme, então temos que achar uma vaguinha pra ela no filme Batman vs Superman".  <_<

     

     

    Poderia se dizer q sua impressão está errada Bell, SE não fosse a WB.

  5.  

    Por que Batman vs. Superman pode salvar os super-heróis da DC no cinema

     
    Roberto Sadovski
     
    O “universo cinematográfico DC” teve início em 2013, com o lançamento de O Homem de Aço. Cinco anos de atraso em cima de seu concorrente óbvio, a Marvel, que já lhe deixa atrás de um rastro de poeira. O que é impressionante, tendo em vista que a “Casa de Ideias”, do Homem-Aranha e X-Men, há pouco mais de uma década era uma verdadeira bagunça, com seus heróis espalhados por vários estúdios. A DC, por outro lado, pertence à Warner, e seus personagens estão, em teoria, sob um mesmo teto. Ainda assim, a falta de estratégia e total ausência de sinergia interna fizeram com que suas tentativas de conversão do papel para o celulóide tenham resultado ou em filmes ruins (Superman – O Retorno, Lanterna Verde), ou em uma série hermética, sem a menor pretensão de gerar um “universo” (a trilogia O Cavaleiro das Trevas de Christopher Nolan).
     
    O segundo trailer de Batman Vs. Superman: A Origem da Justiça, jogado ao mundo durante a Comic-Con de San Diego, ao menos sugere um caminho. Melhor ainda: esboça uma visão, um plano de jogo, a ideia que, desta vez, existe uma preocupação temática e estética para amarrar seus filmes daqui por diante. O preview de Esquadrão Suicida, que chega aos cinemas em agosto de 2016 (e que eu dei uma espiada aqui), revelando a nova face do Coringa (Jared Leto) em um filme sobre vilões que salvam o dia, corrobora a mesmíssima teoria. As reações, de fãs e observadores, dividiram a internet. O chapa Alexandre Matias, colega do UOL, viu no trailer um futuro funesto não só para a DC, mas para super-heróis no cinema em geral. Concordo com ele em ao menos um ponto: é muita informação para entregar em um filme de duas horas e meia. Mas ainda é muito, muito cedo para bater o martelo. Eu continuo otimista e permaneço do lado de quem aposta em um grande filme – e, acredite, será gigante! A discussão é boa, e ainda temos muito chão para queimar até descobrir qual é, afinal, a de Batman Vs. Superman.
     
     
     
    Então é bom tirar logo uma coisa da frente: eu acho O Homem de Aço um ótimo filme. Sério. Escrevi minhas impressões à época, e continuo firme na opinião que a construção do universo por Zack Snyder, apesar dos soluços, foi eficiente. A revelação do herói ao mundo é mesmo o marco zero dessa nova leva de filmes que agora vão compartilhar um mesmo universo. Na verdade, como a inspiração vem dos quadrinhos, entrelaçar os filmes é uma decisão tão óbvia que é espantoso que a Marvel precisou fazer isso em grande escala para que os homens do dinheiro percebessem o potencial para big business. Além disso, distanciar o Superman de sua encarnação mais famosa no cinema – a imortalizada por Christopher Reeve – foi um grande acerto, que de cara evita comparações. O tom mais sóbrio, por sinal, também diferencia as produções DC do Universo Cinematográfico Marvel, que com uma dúzia de filmes se mostra mais solar e mais leve, apesar de lidar com riscos igualmente pesados: entrar no jogo, já em desvantagens e com as mesmas armas não parece um plano inteligente, e distanciar o novo filme do estilo Marvel deve abrir um caminho novo.
     
    Pedigreé, claro, Batman Vs. Superman tem de sobra. A inspiração para a trama, afinal, é a série clássica de quadrinhos Batman: O Cavaleiro das Trevas, com a qual Frank Miller reinventou o modo de contar histórias de super-heróis lá atrás, em 1986. Apesar de Zack Snyder deixar claro que não é uma adaptação literal da trama – que mostra Batman, velho e aposentado, voltando à ativa num mundo ainda mais violento e, no fim, tem de lidar com Superman, agora um capacho do governo –, e sim uma homenagem, com algumas imagens retiradas quase que exatamente do papel. O uniforme do Batman, por sinal, é praticamente um espelho do traço de Miller, com um Homem-Morcego velho, carregando o peso do mundo em seus ombros, combalido após perder décadas de batalhas contra o crime, mas impelido a retornar ao mundo após observar o estado caótico das coisas – e o surgimento de um novo poder capaz de desequilibrar a balança do mundo.
     
     
     
    O caos em Batman Vs. Superman é uma continuação direta da destruição no clímax de O Homem de Aço. Muitos fãs na época reclamaram que a batalha épica entre o Superman e o General Zod, que reduziu Metrópolis a cinzas e deve ter ceifado centenas de vidas, não condizia com a natureza do herói, que jamais deixaria uma vida humana ser perdida. Eu acho o total oposto: Kal-El não teve escolha, já que enfrentava um inimigo que deixou bem claro que só seria detido com a morte, e sua decisão seria algo que não só o assombraria, como também determinaria seu compasso moral futuro. Uma grande sacada no novo filme é colocar Bruce Wayne, o Batman, como testemunha ocular muito próxima da devastação, ampliando a tragédia ao fazer com que a Torre Wayne – e supostamente seus funcionários, dentre eles provavelmente muitas pessoas próximas a Bruce – fosse reduzida a cinzas. É mais uma motivação para que o Batman direcione sua fúria ao alienígena superpoderoso.
     
    Ter o Cavaleiro das Trevas no filme, por sinal, é a cereja no topo do bolo. O óbvio: o Batman é o super-herói dos quadrinhos mais famoso do mundo. Apesar da força de rolo compressor da Marvel, só mesmo a criação de Bob Kane consegue comandar a atenção do público fora do nicho sem precisar de bula. Ao contrário do Homem de Ferro, por exemplo, que ainda tem seu sucesso intimamente associado a Robert Downey Jr., o Batman não depende de quem veste o traje. Tim Burton, com Michael Keaton atrás do capuz, conseguiu um fenômeno de bilheteria e artístico brilhante em 1989. Christian Bale conduziu o personagem a patamares ainda maiores em três filmes de Christopher Nolan. É possível até argumentar que Val Kilmer e George Clooney não fizeram feio, embora estivessem em filmes pavorosos. Engraçado a essa altura ver como Ben Affleck, motivo de tanta polêmica quando foi escolhido para vestir a capa, abraça de maneira vitoriosa o aspecto mais trágico do personagem no novo filme: ele não é um herói no auge, e sim alguém que perdeu tudo, que jogou a toalha, que é obrigado a voltar ao jogo quando forças maiores que ele entram em ação.
     
     
     
    E este pode ser, afinal, o maior triunfo de Batman Vs. Superman: A Origem da Justiça: juntar na tela estas forças, ícones dos quadrinhos que estão no mundo há mais de 75 anos. Quando mostrei o trailer a amigos que não acompanham gibis, todos ficaram empolgados com a possibilidade de ver o Homem de Aço e o Cavaleiro das Trevas juntos no mesmo filme – mais surpresos ainda quando apontei a Mulher Maravilha, em toda sua glória! E foram além: todos ficaram entusiasmados em ver que o filme de Zack Snyder entrega uma alternativa à fórmula Marvel que, apesar de vencedora, corre o risco de ficar estagnada na percepção do grande público. Super-heróis lutando não são novidade no papel, mas no cinema Batman Vs. Superman oferece algo único: a possibilidade de dois ícones incontestáveis dividir a cena do modo mais tradicional possível, que é saindo no braço para depois encarar um inimigo em comum. A DC não é a Marvel – e essa tradição parece que será levada também para o cinema. Resta saber se, na prática, esse embate de empresas, filosofias, estética e universos será positivo para ambos os lados. Eu aposto que sim.

     

     

     

    Baum, gostei, oxalá esteja certo!!!

  6. Mas será que as situações são comparáveis nesse ponto?

    Só avaliando aqui: o Marvel Studios meio que "conquistou" o público dele - contando com "Homem-Formiga", já são 12 filmes. Acredito que os civis gostaram muito de Era de Ultron, por exemplo. 

     

    Sobre a diferença:

    B v S é o segundo filme desse universo DC.

    O público ainda não conhece esses personagens ao ponto de "chamar de seu" 

    Dito isso, imagino que uma DCcepção com B v S teria efeito bem maior do que uma com Era de Ultron

     

     

    Bem observado PRIMO.

     

    QUESTÃO vc leu o referido arquivo, o q vc achou???

×
×
  • Create New...