Jump to content
Forum Cinema em Cena

Onde os Fracos Não Têm Vez


-felipe-
 Share

Recommended Posts

sim, chigurh ficou com a maleta, uma das últimas cenas onde o bell chega no motel em q moss foi assassinado pelo grupo mexicano, ao entrar no quarto, ele vê no chão aquela grade do ar condicionado desparafusada e com uma moeda do lado

 

Acabei de assistir' date=' vamos lá...
Perturbador 06
Apesar de ser perturbador filme é ótimo, personagens bem desenvolvidos, ótimos dialogos, ótimas atuações e eu adoro a direção dos irmãos Coen quando o quesito é explorar o cenario...excelente. Filme tem varias cenas que fazem você pular da cadeira e trama é ótima, te prende sabe?
Gostei do fato deles terem deixado algumas questões no ar...

Spoilers!

Anton ficou realmente com a maleta? porque fica essa duvida no ar, o que da uma pista foi ele dar ao menino da camiseta uma nota de Cem dolares, mas mesmo assim né? ou será que os mexicanos ficaram com a grana? aposto que ficou com o Anton.
Agora duas perguntas, primeira é sobre o discursso final do Xerife, acho que ele quis dizer que ele fracassou e que nada pode parar o Anton, é isso mesmo? e sobre o acidente de carro que Anton sofre, foi pra mostrar que nada pode para-lo? será? 06
E por falar nesse acidente, eu quase quebrei meu joelho nessa cena!  Porque segundos antes do acidente ele olha para os meninos de bicicleta pelo espelho, e eu fiquei prestando atenção nisso e de repente...bum! 06 Putz, meti o joelho na mesinha do computador, ta doendo até agora
Adorei essas cenas que me fizeram pular da cadeira. 02



Resumindo, ótimo filme...porem, sou daquelas que prefere Atonement, podem me xingar...i don't care 02
Link to comment
Share on other sites

  • Replies 221
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

o filme realmente é fantástico em vários aspectos, desde a atuação impecável de bardem até a fotografia magistral de deakins, e ainda existe ali uma profunda critica sobre o ser-humano, q mesmo caminhando lentamente para um maior estágio de evolução por conta da globalização da sociedade, avanços científicos/tecnológicos, informação, etc, ainda assim ele é capaz de cometer atrocidades das mais violentas, medievais e inexplicáveis possíveis, portanto vejo ali um conto desperançoso em relação ao caminho em q a sociedade está percorrendo e no qual pode culminar em sua total extinsão caso ela não mude sua postura frente a esse futuro sombrio e nebuloso q está por vir, pois só ela, somente ela é capaz de erradicar esses seriais killers do poder, tanto na política qt nas religiões ... qt a direção dos coens, apesar de achar excepcional em vários momentos, percebi q no intuito deles quererem criar situações de suspense em vários momentos, eu vi algumas incoerências ali, tipo:

 p q o moss coloca a maleta lá no fundo do ar condicionado qd está num quarto e depois a pega num outro quarto?!? e outra, qd o bell entra no quarto onde moss foi assassinado, pq o chigurh está num outro quarto, possivelmente no quarto do lado? assim, achei completamente desnecessárias essas 2 cenas, e só teve como intuito criar algum suspense ali, bom, pelo menos foi o q eu entendi, se alguém puder me explicar isso, fique a vontade 03 ... ah, e li em algum lugar, agora não lembro onde, sobre uma dúvida q as pessoas tinham sobre o q acontece com a mulher do moss no fim do filme ... sim, ela é assassinada, 2 motivos: 1- ela se negava fazer a 'escolha' do lado da moeda; 2- depois q chigurh sai da casa dela, ele olha p suas 2 botas, no intuito de averiguar se estava sujo de sangue, idéia essa q é reforçada qd ela mata wells e levanta as 2 pernas p q o sangue escorrendo pelo chão, não o suje

Link to comment
Share on other sites

Dark, sobre a mulher do Moss é isso mesmo, o que prova que nenhuma cena e nenhuma atitude dos personagens ali no filme é inútil, uma decupagem maravilhosa realmente.

 

Sobre as suas outras duas dúvidas: O Moss esconde a maleta dentro do duto de ventilação do hotel. Mas quando ele está voltando, ele vê a cortina aberta e supõe que houvesse alguém dentro do quarto em que ele estava (e realmente havia, se lembra dos três caras que o Chigurh mata? Aquele era o quarto do Moss) e resolve pedir o quarto ao lado para poder pegar a maleta e fugir com o dinheiro. Sobre a outra dúvida, como você mesmo disse, o Chigurh estava lá para pegar a maleta. Pegou, fugiu pela janela e pronto. bjosrs

 

 

Link to comment
Share on other sites

Dark' date=' sobre a mulher do Moss é isso mesmo, o que prova que nenhuma cena e nenhuma atitude dos personagens ali no filme é inútil, uma decupagem maravilhosa realmente.

Sobre as suas outras duas dúvidas: O Moss esconde a maleta dentro do duto de ventilação do hotel. Mas quando ele está voltando, ele vê a cortina aberta e supõe que houvesse alguém dentro do quarto em que ele estava (e realmente havia, se lembra dos três caras que o Chigurh mata? Aquele era o quarto do Moss) e resolve pedir o quarto ao lado para poder pegar a maleta e fugir com o dinheiro. Sobre a outra dúvida, como você mesmo disse, o Chigurh estava lá para pegar a maleta. Pegou, fugiu pela janela e pronto. bjosrs
[/quote']

 

ok, então quer dizer q moss saiu do motel pra fazer compras (e não entregou a chave do quarto - é bom enfatizar isso), e qd ele volta, a cortina ou janela está aberta, com aqueles 3 camaradas lá dentro! q depois mais tarde chigurh mata, mas peraí, se eles entraram ali, é pq eles sabiam q a maleta estava ali, certo? e como eles poderiam saber, se só o chigurh tinha o transponder? e pelo q se percebe qd chigurh arromba e entra no quarto rapidamente, tem um cara deitado na cama e 2 no banheiro, fazendo o q? meinha? 06 quer dizer, procurando a maleta eles não estavam, enfim, realmente não entendi isso, mas sim, vc tem razão, o moss aluga outro quarto justamente pq percebe q tem alguém lá no 138 e decide pegar a maleta pelo outro lado do duto de ventilação ... já nas últimas cenas onde bell entra no quarto onde moss morreu, eu revi a cena e sim, ele saiu pela janela do quarto, eu não tinha reparado na primeira vez q vi, a cena foi tão rápida, o bell na porta do quarto vendo a porta sem fechadura, o chigurh em pé com a arma na mão, q qd bell entra no quarto, o chigurh já não está mais lá, foi muito rápido aquilo, sinceramente não daria tempo do chigurh sair pela janela e mesmo assim sem fazer barulho, diante daquele silêncio todo, a não ser q o cara fosse ninja 06 ..., enfim, achei q essas 2 cenas poderiam ter sido melhor trabalhadas pelos coens ou pelo editor, do jeito como elas foram concebidas, achei q ficaram bem estranhas 

Link to comment
Share on other sites

Mas  1- vc esqueceu do empresário que o Chigurh mata? Ele era o cara que estava atrás dos dois milhões e o Chigurh o mata exatamente pq ele deu um transponder aos mexicanos. 2- Os mexicanos' date=' por sua vez, provavelmente estava esperando o Moss chegar. 3- Quanto a outra cena, sei lá, mas é isso aí. 06 [/quote']

 

1- vc tem razão, e quem diz isso é o contador, uma vez q o 'big boss' não teve tempo de falar nada 06 , por isso q é bom assistir um filme como esse mais de 1 vez, às vezes algum detalhe escapa; 2- não é nem provavelmente, estavam mesmo esperando ele chegar, só é estranho como eu já disse, aqueles 2 camaradas não sei o q fazendo dentro do banheiro juntos 06 3- é, pois é, mas vamos relevar esse fato, afinal de contas não estamos falando de qq 1, e sim do anton 'terminator' chigurh 06 

Link to comment
Share on other sites

Eu detesto Carnaval, mas fico feliz que os cinemas (mais especificamente a rede Cinemark) faça promoções para o povo que não viajará (de 02 a 05/02, os ingressos serão de R$ 7,00 a inteira), mas é uma pena que as distribuidoras não se arriscaram muito já que serão poucas as estréias nesse fim de semana.

 

Em compensação, estréia este aqui, dos irmãos Coen, que verei hj ... 03
Link to comment
Share on other sites

ONDE OS FRACOS NÃO TÊM VEZ - 9/10 - Os irmãos Coen demonstram o domínio e a paixão pela linguagem cinematográfica que sempre esteve presente em sua extensa filmografia, mas que atinge aqui o seu apogeu técnico. Os personagens também foram belissimamente escritos e incorporados. Josh Brolin está ótimo, Javier Bardem caprichou na composição do seu personagem e a sua presença em cena é assustadora e hipnotizante, além do sempre confiável Tommy Lee Jones na pelo do xerife. É ele que parece cada vez mais assustado com o mundo dos dias de hoje dominado por essa abominável onda de violência gratuita que ganha destaque nos jornais e telejornais. A sua trajetória, assim como dos demais personagens, representa uma triste realidade nossa: a de que a violência não apenas bate a nossa porta como invade sem pedir licença e faz com que muitos de nossos sonhos sejam desfeitos. Apesar de contar com certos excessos de conveniência no que se refere à sobrevida concedida a determinados personagens em momentos-chave (Moss escapa quando ainda pode ser capturado, inclusive na fronteira; o personagem de Bardem some e “foge” do duelo com o seu oponente, mas se encarrega de acertar “contas” com um “chefão”, o que destoa um pouco), “Onde Os Fracos Não Têm Vez” é uma verdadeira aula sobre a natureza humana, o círculo de violência em nossa sociedade e uma amostra de como se faz cinema de verdade. Reverências aos mestres Coen !!! 1016<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

Link to comment
Share on other sites

Thiago, vc já deu 10 na sua vida?06

 

Eu detesto Carnaval' date=' mas fico feliz que os cinemas (mais especificamente a rede Cinemark) faça promoções para o povo que não viajará (de 02 a 05/02, os ingressos serão de R$ 7,00 a inteira), mas é uma pena que as distribuidoras não se arriscaram muito já que serão poucas as estréias nesse fim de semana. [/quote']

 

Tbm detesto Carnaval e tbm existem poucos filmes que me interessem (já vi Juno, pretendo ver O Preço da Coragem e talvez - mas só TALVEZ - verei A Lenda do Tesouro Perdido 2). Mas o bom é que por aqui, a promoção é de 4 reais tanto inteira quanto meia, logo...
Bernardo2008-02-02 00:45:04
Link to comment
Share on other sites

onde-os-fracos-nao-tem-vez-poster01.jpg

 

Onde os Fracos Não Tem Vez

(No Country for Old Men, 2007, Dir.: Ethan Coen, Joel Coen)

 

Tá. Vamos pensar. Quando vou ver um filme, inúmeros fatores tendem a me influenciar em certas direções para que eu tire certa conclusão à respeito da obra. É lógico que, em certas ocasiões, tento ao máximo me desprender dessas influências e apreciar a obra em si - e, em síntese, foi isso que fiz com o incrível e peculiarmente não-convencional Onde os Fracos Não Tem Vez. Analisando exclusivamente o filme em questão, sem compará-lo com obras anteriores dos irmãos Coen, é possível perceber algo de inusitado, realista, instigante no modo de dirigir deles: os ângulos de câmera são, de fato, algo que impressiona em muitos momentos. E, é óbvio que, batendo um olho leigo rapidamente, fica complicado perceber algo relevante na direção deles. Então, apesar de importante, a direção não merece, acredito eu, tanta agigantada atenção (a não ser pelo fato de que o filme é deles, feito por eles, então o resultado final está por conta da direção). Em segundo, pode-se ver atuações das mais interessantes do cinema americano - Javier Barden, notável ator espanhol, encarna um assassino excêntrico e o faz de maneira tão brilhante e inesquecível que acaba criando um personagem absurdamente marcante, e, por isso os prêmios que ganhou. Tommy Lee Jones e Josh Brolin são consideráveis em seus papéis, mas estão longe de Barden em termos de atuação. Mas, não que seus personagens sejam inferiores: a individualidade de cada personagem é mais do que essencial para criar a atmosfera de que o filme necessitava para ser o que é. E a parte técnica colabora nisso. Porém, o que mais chama a atenção no filme é a mensagem e o modo como ela foi/é passada. Sim, pois, mais do que tudo, Onde os Fracos Não Tem Vez é um grito dissonântico contra a violência - ou, talvez, a favor de explicar como ela funcionava anos atrás e funciona até hoje. E, daí percebe-se que o ciclo vai se fechando e de uma premissa simples e batida, transcende-se a visão de todo o destino da humanidade. Quando o filme acaba em aberto, a platéia no cinema meio que se revolta, meio que fica indignada, meio que gosta da originalidade, meio que não gosta. Mas, seja o que sentirem, o que acabarm de ver é mais importante do que se imagina, mas é evidente que a maioria ignora isso. E não sei bem se me incluo nesse meio ou não. Por fim, Onde os Fracos Não Tem Vez possui humor negro, possui reviravoltas, possui suspense e tensão. E possui uma não-convencionalidade imprevisível mas óbvia, mas isso cheira mais genial do que parece.

 

9,7/10,0

Link to comment
Share on other sites

Thiago' date=' vc já deu 10 na sua vida?06

 

Eu detesto Carnaval, mas fico feliz que os cinemas (mais especificamente a rede Cinemark) faça promoções para o povo que não viajará (de 02 a 05/02, os ingressos serão de R$ 7,00 a inteira), mas é uma pena que as distribuidoras não se arriscaram muito já que serão poucas as estréias nesse fim de semana.

 

Tbm detesto Carnaval e tbm existem poucos filmes que me interessem (já vi Juno, pretendo ver O Preço da Coragem e talvez - mas só TALVEZ - verei A Lenda do Tesouro Perdido 2). Mas o bom é que por aqui, a promoção é de 4 reais tanto inteira quanto meia, logo...

 

É claro que existem filmes que eu dei nota 10 ... deixe-me lembrar os mais recentes ... "Zodíaco", "Perfume", "Sonhando Acordado" ... 2006 ... "Filhos da Esperança", "Os Infiltrados" ... 2005 ... "Closer " ... "Dogville", "A Lista de Schindler", "Cidade dos Sonhos", "O Grande Lebowski" ... os mais antigos ... "Cidadão Kane", "Era Uma Vez No Oeste" ... mas qdo eu paro pra pensar ... tem filmes que eu dei nota 8, por exemplo, que eu gosto mais do que filmes que eu dei 10 ou 9 ... enfim ... mas "4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias" e este filme aqui dos Coen ... são ótimos ...

 

Então essa promoção, pelo menos por aqui, é só até as sessões das 17h00, mas já é alguma coisa ... pena que os filmes que eu queria ver eu já vi ... não estou com muito ânimo para assistir outros ...
Thiago Lucio2008-02-02 15:35:15
Link to comment
Share on other sites

Sou daqueles q prefer Desejo e Reparação ou Atonement, como preferirem...

Seguido de Juno(isso prq ainda naum vi Sangue Negro de meu ídolo Paul Thomas Anderson).

Mesmo assim Onde os fracos não têm vez é um bom filme.

Mais do q a interpretação do Bardem d equem já esperava um show pela quantidade de premios q tem levado, Tommy Lee Jones está excelente!

 

Quanto a maleta?

 

Spoilers: Acredito q o foco dos Coen naum era a maleta, a busca por ela tem continuidade no filme(ou não?), já que naum se sabe se está com os mexicanos lá ou com o personagem do Bardem(q dá uma nota de 100) ao garoto.Os Coen quiseram mostrar a dimensão que a violência tomou a sociedade atual.

Em alguns momentos passei a desconfiar q a maleta estivesse com o Jones outras vezes pensei q esteve com a personagem da Kelly MacDonald...Achei confuso...

 

 

Link to comment
Share on other sites

Onde os fracos não têm vez (Joel e Ethan Coen, 2007) - 5/5

 

 

Na década de 80 os americanos estavam vivendo o pós-vietnã. A geração

de jovens da 'paz e do amor' tinha agora as suas mãos sujas de sangue e

a vida marcada por atos irresponsáveis e o casamento precoce de

Llewelyn com sua esposa (que ná época tinha apenas 16 anos) Carla Jean

é prova disso. No country for old men, mais uma obra irretocável dos

irmãos Coen fala sobre, essa geração, seus pais e seus filhos.

Logo

no começo do filme, os valores da geração agora ultrapassada, encarnada

no corpo de um velho xerife texano se mostra incrédula e espantada com

a insanidade dos atos da juventude, que estão encarnados no depoimento

do velho pelo jovem que assassinou uma garota de 14 anos e que sabia

que iria para o inferno depois disso. Esses crimes estranhos e 'nada

passionais' têm-se feito mais frequentes nas últimas décadas. Os bons

valores podem estar agora extinstos, os ideais não são mais os mesmos e

os velhos, não têm vez, eles podem ser sábios, podem ter sorte, mas não

podem 'parar o que está por vir'. Talvez tenha sido a guerra, talvez

tenha sido a televisão, mas alguma coisa destruiu a ordem natural das

coisas, já que a guerra não está mais na Europa ou no Vietnã. Está nas

portas de nossas casas, louca e incompreensível, como um fantasma que

nos assombra e nos lembra que o perigo que a gente corre é simplesmente

constante.

Os irmãos Coen deram aqui sua melhor direção, dentro dos

filmes que eu já vi. A edição de No country for old men é divina e não

deixou NADA forar do lugar. Nada dura tempo demais ou tempo de menos,

tudo é apenas impecável. Dispensa falas (ou seja, cada frase dita por

um certo personagem é uma pérola) e toda a história é praticamente

contada através de imagens, ótimo pra se ver e rever. E já que comentei

até aqui, não vou deixar as atuações pra trás. Os três atores

principais estão belos, sim, mas não tem como não falar especialmente

do Javier Bardem que fez uma das melhores interpretações da história,

auxiliados pelos Coen que liberaram a criatividade na hora de criar o

personagem, pois eu não sei quantas pessoas leram o livro, mas o

Chigurh que está na tela não existe no original, seja na aparência

(pqp! tá foda demais) ou no seu intelecto, que é muito mais insano,

psicótivo e macabro. E quem viu o filme sabe como esse personagem é

todo fundamental.

 

Link to comment
Share on other sites

Minha opinião pode ser conflitante e ir na contramão das tendências. Mas, vou ser bem sincero e podem descordar a vontade, mas não gostei!

 

Daria 3.5/5, entretanto, pois o Borden atuou muito bem, o clima de suspense foi muito bem instaurado, etc...

 

Talvez eu seja um fã do mainstream? Talvez. Mas o fato é que onde os fracos não tem vez não mexeu comigo. Não me tocou em nenhum momento, não mexeu com emoções. É um filme perturbador até certo ponto, funciona como uma metáfora... talvez uma metáfora elucidando a crueza da natureza humana.

 

Se o cinema é arte, eu diria que a obra dos irmãos coen não passa de um quadro com tons em cinza e traços retílineos e dedencontrados...longe de ser uma obra de Da Vinci.

 

Acho bastante estranho que os "intelectuais" do cinema admirem tanto filmes assim. O que precisa um filme para ser bom? Não ser um filme usual? Ser cheio de violência? Ser soturno? Ser cru, perturbador?

 

Brokeback mountain é um exemplo de filme assim: perturbador, vazio. Não ganhou o oscar pois, apesar de preencher o pré requisisto moderno, era gay e talvez por isso, o preconceito falou mais alto. Mas esse filme não tem gays, tem no máximo mexicanos, e por isso deve levar a estatueta. Mas e daí?

 

Olha, sinceramente não sei o quanto a mídia influencia as opiniões. Não sei mesmo se todos aclamariam esse filme como obra prima se 3 ou 4 críticos internacionais tivessem chamado o filme de uma "bomba sem tamanho".

 

Não, nunca seria chamado de uma bomba sem tamanho, pois o ator Javier Bardem construi um vilão impecável. O filme tem suas qualidades técnicas, sim... mas pra mim (pra mim, essa opiniao é pessoal, mas serei bombardeado por conta dela) suas qualidades não chegam a transformá-lo numa obra de arte!

 

 

 

 
Link to comment
Share on other sites

Eu tb naum gostei tanto de ONDE OS FRACOS NÃO TÊM VEZ quanto esperava, mas ainda assim o considero um bom filme.Mesmo assim naum mexeu tanto comigo quanto Desejo e Reparação e Juno, dos indicados os meus preferidos por enquanto(só naum vi Sangue Negro).

 

Ainda me pergunto q fim levou a mala?

 

Quanto ao Oscar, acho q é o indicado q menos tem cara de vencedor. Tudo vai contra ele, a não ser o favoritismo. Situação parecida com Brokeback Mountain, favorito absoluto mas muito moderninho para levar Oscar(talvez a maior exceção seja a vitória de Beleza Americana em 99).Depois de assistir passo a acreditar em um azarão e com certeza naum deve ser Sangue Negro. Acredito q Desejo e Reaparação, um filme mais aceito pela maioria das pessoas, me refiro a leigos e cinéfilos.

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

(...) preferidos por enquanto(só naum vi Sangue Negro).

(...) Acredito q Desejo e Reaparação' date=' um filme mais aceito pela maioria das pessoas, me refiro a leigos e cinéfilos.

 

Mas não foi pra você não, Albergoni. 01

 

[/quote']

 

Ainda naum vi There will be blood, acho que será melhor esperar um pouquinho pela estréia no cinema. Mas naum acredito q PT Anderson faça um cinema que chegue a ponto de ser escolhido pela Acadêmia como o melhor do ano, pelo menos por enquanto naum vejo a Acadêmia com esta coragem toda(já foi o suficente term indicado a 8 estatuetas).

O diretor é um dos meus ídolos por Boogie Nights e Magnólia, minhas expectativas são altas. E Day-Lewis tb, um desempenho dele depois de tantos anos e depois de Gangues de Nova York é para ser festejado!

Agora, acredito sim que por covardia o Oscar possa escolher Desejo e Reparação, q apesar de ser um ótimo filme(para mim melhor q No country for old men) é mais tradicional do q o filme dos Coen.Seria um caso semelhante ao favorito absoluto Brokeback Mountain contra a zebra Crash.

 

Mas minha dúvida continua:

com quem foi parar a maleta de dinheiro?

texer2008-02-04 13:33:01

Link to comment
Share on other sites

É prq entendi mais ou menos...

Veja se é isso mesmo...

 

Spoiler:

A mala estava no quarto do hotel em que o personagem do Brolin estava, esperando a sua mulher.EOs mexicanos vieram pegar a mala, mataram o personagem do Brolin e depois o personagem do Bardem aparece mata os mexicanos e pega a maleta. Tanto q no final o personagem do Bardem oferece uma nota de 100 para os meninos. É isso?

 

 

Link to comment
Share on other sites

O que eu peguei me pensando depois de que vi tantos louvores pra esse filme foi: o que, ou quem forma a opiniao pública ou opinião crítica.

 

Será que o Omelete por exemplo (notem, é apenas uma pergunta e não um julgamento...apenas uma reflexão...não quero ofender ninguém) daria 5 ovos se 3 ou 4 críticos de NY ou sei lá de onde, tivessem dado 3 estrelas?

 

E se o mesmo filme fosse de um outro diretor, menos conceituado... seria essa loucura toda? Se fosse do Stallone esse filme? kkkk, exagerei, mas a "obra prima" em questão seria a mesma obra prima se o filme não fosse dos badalados-mega-cult's irmãos Coen?

 

Saindo do cinema, perguntei pra um cara que passava (sendo sincero, a reação em pelo menos 90% da sala foi negativa...aquele murmúrio assim que cortou pros créditos finais, algumas risadas, etc...), um que aparentemente tinha gostado do filme. Perguntei: "Voce gostou do filme"? Ele "Muito, irmãos Coen bla bla bla"... tipo gostou do filme pq o filme é bom, ou gostou do filme pq irmãos Coen é isso aí e pq o filme é do irmãos Coen, ele necessariamente tem que ser bom.

 

Um caso clássico que me vem é Ang Lee: Hulk foi criticado, por seu excesso de subjetivismo. Já Brokeback mountain foi aclamado.

 

Conclui-se então que Ang Lee não pode fazer um filme mainstream. A premissa contrária então é verdadeira. Se Brokeback mountain tivesse sido dirigido por Joel Schumacher, não teria sido a "obra prima" que foi.

 

Se "Onde os fracos não tem vez" tivesse sido dirigido pelo Mel Gibson? Como seria? É tão violento como Apocalypto, tão ou mais cru e insensível do que a Paixão de Cristo, e, ao contrário destes, é considerado uma obra prima.

 

Ai também vem o contraponto: Mel Gibson conseguiria criar uma atuação tão intensa como a do "Sugar". Não sei. O fato é, mesmo que conseguisse e mesmo que o produto de sua criação fosse o mesmíssimo filme, o fato de ser Mel Gibson a frente levaria o filme, certamente, ao fracasso total.
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...