Jump to content
Forum Cinema em Cena

Wild


Dead
 Share

Recommended Posts

listas1.jpg

 

 

 

Baseado na memória "Livre" (Wild), de Cheryl Strayed.

O filme narra a jornada de Cheryl, que decide percorrer os 1770km da Pacific Crest Trail - trilha que se estende da fronteira dos Estados Unidos com o México até a fronteira com o Canadá -, a fim de reconstruir sua vida após a morte de sua mãe, um divórcio e envolvimento com drogas.

 

 

Estreia Mundial:

5 de Dezembro de 2014

 

 Reese Witherspoon em uma de suas atuações mais intensas, sem qualquer tipo de maquiagem e completamente imersa na personagem, está sendo elogiada pela critica e sendo cotada a uma indicação ao Oscar. Sem dúvidas, um dos filmes que mais aguardo.

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...
  • 2 weeks later...

Wild | Crítica
O walkabout de Reese Witherspoon.


wild-1.jpg
A jornada em busca de si mesmo é tema de todo um subgênero do cinema. Seja na estrada ou na natureza, o crescimento sempre está na próxima curva.

Em Wild, filme que adapta a autobiografia de Cheryl Strayed, Reese Whiterspoon parte em busca de seu próprio amadurecimento. Na pele da mulher alquebrada, disposta a andar da fronteira do México até o Canadá pela Pacific Crest Trail, uma das trilhas mais difíceis dos Estados Unidos, ela tenta expurgar anos de papéis medianos e reencontrar o caminho de que desviou-se desde sua celebrada participação em Johnny e June.

O resultado tem altos e baixos. Reese faz muito bem a estudante de futuro incerto em suas discussões com a mãe (Laura Dern) e vai igualmente bem na jornada em si, lutando para provar que consegue vencer o desafio que se impôs. Mas a atriz não convence nos momentos em que precisa ser a "Selvagem" do título com dois significados. Os abusos de drogas, o sexo selvagem... Reese parece apenas Reese Whiterspoon fazendo esforço para parecer à vontade como uma alma perdida.

O diretor Jean-Marc Vallée apresenta o filme de maneira fragmentada, com as peças do quebra-cabeça que é a vida de Cheryl apresentados de maneira não-linear. Enquanto ela enfrenta a natureza, também reflete sobre quem é e tais cenas surgem, ainda que algumas das situações fiquem em aberto ou simplesmente confusas.

O roteiro do consagrado escritor pop Nick Hornby (cujo bom gosto musical parece ter influenciado a ótima trilha) não se furta a mostrar alguns dos momentos mais negros da vida de Cheryl. Mas usa demais narrações em off e outros recursos previsíveis para narrar a jornada, tirando a força da introspecção. De qualquer maneira, há uma sensibilidade feminina no filme de rara presença no cinema hoje em dia. A cena em que Cheryl reencontra o controle sobre o seu desejo, por exemplo, em que usa o sexo não como defesa, mas como parte do processo de cura, é uma das melhores do drama.

Em última instância, Wild é um filme sobre um ritual de passagem, de reconexão com a natureza perdida há tão pouco tempo, algo que a nossa mente parece ainda não ter conseguido processar em apenas três ou quatro gerações. Em nosso cerne, a tecnologia, o urbano são incapazes de suprir nossos instintos, mas eles ainda estão ali, obrigando-nos a colocar o pé na estrada em momentos de necessidade. Pena que o cinema não aprendeu ainda a confiar nos seus próprios instintos e insista em olhar para o público do alto. Do contrário, filmes como Wild poderiam encontrar algo bem mais poderoso que o caminho da satisfação de um troféu dourado.

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...